Planejamento de Pesquisa

919 visualizações

Publicada em

Etapas e decisões importantes para a elaboração de um projeto de pesquisa. Elementos constituintes de um projeto de pesquisa.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
919
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
328
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Planejamento de Pesquisa

  1. 1. Planejamento de Pesquisa Profa. Dra. Hilma Khoury Universidade Federal do Pará/Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/ Faculdade de Psicologia. E-mail: hilmatk@yahoo.com.br Fones: (91) 98112-4808; 98800-5762; 3201-8057/7443
  2. 2. Uma pesquisa bem planejada reduz a possibilidade de erros que venham a afetar os resultados.
  3. 3. PLANEAMENTO DA PESQUISA ELABORAÇÃO DO PROJETO O Projeto é o produto final do Planejamento da Pesquisa
  4. 4. PLANEJANDO A PESQUISA
  5. 5. Projeto Formulação do Problema Revisão da Literatura Definição de Conceitos Delimitação doTema Decisões Metodológicas
  6. 6. 1º Passo ESCOLHA DO TEMA
  7. 7. EXEMPLOS DE TEMA Problemas Sociais Cotidianos 1.Aposentadoria 2. Idoso no trânsito 3. Relações Inter-geracionais 4. Estresse e Trabalho 5. Violência contra o idoso
  8. 8. DELIMITAÇÃO DO TEMA É impossível abranger todo o conhecimento de uma determinada área em uma única pesquisa. Restringir Estabelecer Limites Especificar Focalizar um Aspecto
  9. 9. APOSENTADORIA Aposentadoria e Retorno ao trabalho Motivos para o retorno ao trabalho entre aposentados IDOSO NO TRÂNSITO Idoso no Trânsito e Estereótipos Estereótipos sobre o idoso no trânsito: comparação entre jovens e idosos ESTRESSE ETRABALHO Estresse e Trabalho entre Cuidadores de Idosos Estresse e satisfação no trabalho entre cuidadores de idosos
  10. 10. COMO EVOLUIU A INVESTIGAÇÃO DO TEMA? REVISÃO DA LITERATURA
  11. 11. 2º Passo REVISÃO DA LITERATURA A Revisão da Literatura não se resume a compilar o material existente e descrevê-lo. Implica dialogar com os autores.
  12. 12. REVISÃO DA LITERATURA Indicadores Estatísticos Antecedentes Científicos Fornece Suporte teórico, metodológico e empírico para o estudo Aponta Justificativas para o estudo do tema Sustenta a delimitação do tema Fundamenta a escolha e definição de variáveis
  13. 13. POR ONDE COMEÇAR? Bases Eletrônicas de Dados, Bibliotecas, COMUT O QUE BUSCAR? Preferencialmente Estudos Empíricos COMO? •Estabelecendo um período de tempo para a busca. •Utilizando PALAVRAS-CHAVE úteis para localizar textos acerca do tema da investigação
  14. 14. Quem já escreveu sobre o tema. O que já foi publicado sobre o assunto. Que aspectos já foram abordados. Quais as lacunas existentes na literatura. O QUE PROCURAR?
  15. 15. A Revisão da Literatura deve representar “uma leitura crítica do material disponível, identificando a qualidade das evidências apresentadas pelos diversos autores” (Spector, 2001, p.47).
  16. 16. CONCEITOS Como são discutidos e definidos? As definições são suficientes? Adequadas? Operacionais? MÉTODO DE PESQUISA Por qual método o tema tem sido mais freqüentemente investigado? O tema poderia ser melhor investigado por outro método? VARIÁVEIS INVESTIGADAS Quais as principais? Como foram definidas? A definição é precisa? Adequada? Operacional? Quais se mostraram mais relevantes no sentido de produzir os efeitos ou associações esperadas? JUSTIFICATIVAS Que tipo de justificativas são mais freqüentemente apresentadas para o estudo do tema? HIPÓTESES Quais as hipóteses mais freqüentemente testadas? Têm sido confirmadas ou rejeitadas? Se rejeitadas, que explicações são apresentadas para o fato?
  17. 17. PARTICIPANTES/ AMOSTRA Quais as características mais relevantes? Quais os critérios de inclusão/exclusão mais frequentemente adotados? Qual a forma de seleção mais freqüentemente utilizada? Há informações sobre o tamanho da população de onde a amostra foi retirada? O tamanho da amostra e/ou forma de seleção permitem generalização dos dados? INSTRUMENTOS Quais os mais freqüentemente utilizados para medir o construto ou variáveis envolvidas no tema? Há informação sobre sua validação? Estão claramente descritos (número de itens, dimensões e forma de resposta requerida)? Parecem adequados e/ou suficientes para investigar o construto/variáveis? COLETA DE DADOS Qual o meio mais freqüentemente utilizado? É viável considerando os recursos disponíveis? Parece adequado à população- alvo? Os dados poderiam ser obtidos por outro meio?
  18. 18. ANÁLISE DOS DADOS Por meio de que técnicas os dados foram analisados? As técnicas parecem adequadas aos objetivos do estudo; às variáveis investigadas; e ao tamanho da amostra? RESULTADOS Quais as principais descobertas? DISCUSSÃO As hipóteses foram confirmadas? Quais as explicações para as hipóteses rejeitadas? Os estudos apontam limitações? Quais as principais? Há sugestões para futuras pesquisas? Quais, dentre as apontadas na literatura recente, ainda não se tornaram alvo de pesquisas? Dentre as que já se tornaram objeto de investigação, os resultados são satisfatórios? CONCLUSÕES Quais as conclusões mais importantes? As conclusões estão baseadas nos resultados obtidos? REFRENCIAS São recentes? Contemplam os principais autores da área?
  19. 19. Como a sua pesquisa poderia contribuir para o avanço do conhecimento neste campo? Que perguntas importantes acerca do tema ainda permanecem sem resposta?
  20. 20. 3º Passo FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA
  21. 21. Qual a situação-problema? Porque merece ser investigada? Quais as principais questões que instigam a investigação? Quais as respostas esperadas para estas questões? Qual o propósito do estudo? FORMULAR O PROBLEMA CONTEXTUALIZAÇÃO E JUSTIFICATIVA PERGUNTAS DE PESQUISA HIPÓTESES OBJETIVOS
  22. 22. JUSTIFICATIVA Que vantagens/benefícios pressupõe que sua pesquisa irá proporcionar? Que contribuições trará para o avanço do conhecimento científico já existente e/ou para a sociedade? Convencer quem for ler o projeto, acerca da importância da proposta.
  23. 23. PERGUNTAS DE PESQUISA O tema da pesquisa é transformado em uma ou mais questões a serem respondidas pela investigação. São questões específicas que o pesquisador faz acerca do problema.
  24. 24. APOSENTADORIA Aposentadoria e Retorno ao trabalho (Tema Geral) Motivos para o retorno ao trabalho entre aposentados (Tema Específico) 1. Quais as principais razões para o retorno de aposentados ao trabalho? 2. Fatores psicossociais teriam mais peso nessa decisão do que o fator financeiro? 3. Haveria diferenças entre aposentados com baixa renda e com renda elevada? 4. O fator financeiro seria o principal desencadeante do retorno ao trabalho entre aposentados de baixa renda? (Khoury et al., 2010)
  25. 25. As perguntas de pesquisa são uma forma prática e objetiva de apresentar o problema de investigação. Devem ser passíveis de uma solução/resposta. As respostas serão fornecidas pelos dados empíricos a serem obtidos. Avaliar se é realmente um problema de investigação e se vale a pena tentar encontrar uma solução ou resposta para ele.
  26. 26. É PRECISO AVALIAR se é realmente um problema de investigação e se vale a pena tentar encontrar uma solução ou resposta para ele.
  27. 27. QUEM FORMULA PERGUNTAS DEVE APONTAR AS RESPOSTAS/SOLUÇÕES PARA ESTAS PERGUNTAS (HIPÓTESES)
  28. 28. São respostas às perguntas de pesquisa formuladas. São previsões de resultado. HIPÓTESES Toda hipótese é fundamentada: as afirmações são baseadas em um pressuposto, em evidências provenientes da literatura científica ou da realidade observável.
  29. 29. Com base na literatura que advoga a importância psicológica e social do trabalho para a constituição da identidade (Codo, Sampaio & Hitomi, 1993; Codo & Sampaio, 1995; Khoury- Carvalho, 1994; Jacques, 1996; Carlos et al., 1999), espera-se que fatores psicossocias tenham maior peso na decisão dos aposentados de retornar ao trabalho do que a necessidade de aumentar a renda, mesmo na categoria de aposentados com baixa qualificação profissional e, conseqüentemente, baixa renda. (Khoury et al., 2010)
  30. 30. OBJETIVOS Objetivo Geral: Síntese do que se pretende alcançar com a pesquisa Objetivos específicos: Desdobramento do objetivo geral; explicitação dos detalhes. Devem estar coerentes com a justificativa e o problema proposto. Devem ser simples, a fim de facilitar a realização do estudo; reduzir a possibilidade de erros; e favorecer a precisão dos resultados. Devem ser apresentados ao final da introdução.
  31. 31. OBJETIVO GERAL: Investigar a influência de fatores psicossociais para o retorno de aposentados ao trabalho, comparando-se aposentados com baixa renda e com renda elevada, bem como variáveis sócio demográficas OBJETIVOS ESPECÍFICOS: 1) Identificar os motivos mais prevalentes para o retorno ao trabalho entre aposentados. 2)Verificar a existência de diferença entre aposentados com baixa renda e com renda elevada. 3)Verificar a existência de diferença com relação a gênero, escolaridade, tempo de aposentadoria e tempo de trabalho pós aposentadoria. (Khoury et al., 2010)
  32. 32. 4º Passo DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E VARIÁVEIS
  33. 33. Explicitar todos os conceitos e variáveis a serem considerados na pesquisa. Não é necessário haver uma seção específica para este conteúdo. A definição de conceitos/variáveis pode estar inserida em qualquer seção do projeto, não necessariamente na introdução. Porém, é necessário tornar claro quais definições serão utilizadas na pesquisa. Definir de forma operacional.
  34. 34. Operacionalizar é traduzir em operações concretas. É especificar “observações empíricas que podem ser tomadas como indicadores dos atributos contidos em algum conceito”/variável (Babbie, 1999, p. 182). DEFINIÇÃO OPERACIONAL Variáveis simples - definidas em termos do que a pessoa tem que fazer ou de quais condições deve preencher. Variáveis complexas (como os construtos) - definidas em termos dos itens que apontam para os atributos definidores.
  35. 35. Comportamento social de crianças hospitalizadas durante atividade de brincadeira EXEMPLO 1
  36. 36. MOTIVOS PSICOSSOCIAIS Razões de ordem pessoal e/ou social que sejam consideradas pelo participante como responsáveis por sua decisão de retorno ao trabalho pós aposentadoria, tais como as necessidades de: se sentir produtivo; atualizado; passar experiência aos outros; conviver com outras pessoas, e de realização pessoal. (Khoury et al., 2010) EXEMPLO 2
  37. 37. 5º. Passo DECISÕES METODOLÓGICAS
  38. 38. DELINEAMENTO DO ESTUDO Descritiva? Abordagem Quantitativa ou Qualitativa? Explicativa? Correlacional ou Experimental? Auto relato? Observação? Levantamento? Amostragem aleatória? Não aleatória? Variáveis independentes e dependentes ou antecedentes e resposta conforme o caso). Número de grupos experimentais e controle. Qual o tipo de Pesquisa? Que Método empregar? Características metodológicas. Tipo de amostragem?(quando for o caso).
  39. 39. Trata-se de um survey com amostra não- probabilística, constituída por cotas de gênero, conforme as proporções existentes na população de aposentados economicamente ativos/ocupados na cidade de Belém/PA. Caracteriza-se como um estudo descritivo com comparação entre subgrupos. (Khoury et al., 2010) EXEMPLO
  40. 40. PARTICIPANTES Quem serão os participantes da pesquisa? Como vai selecioná-los? Definir critérios de exclusão/inclusão: características dos indivíduos que os definem como candidatos ao estudo ou que bloqueiam sua entrada no estudo. Definição da população alvo e da população de estudo: Definir o universo (população) e o tamanho amostral, levando em conta a representatividade (VerTaylor-Powell, 1998). Avaliar a necessidade e/ou viabilidade de uma amostra probabilística (aleatória).
  41. 41. Em Belém/PA há 21.969 aposentados economicamente ativos/ocupados, sendo 14.468 (65,9%) homens e 7.501 (34,14%) mulheres. De acordo com tabela estatística que define tamanhos de amostras representativas conforme o tamanho da população (Taylor-Powell, 1998), para uma população de 20.000, uma amostra de 392 é considerada representativa com margem de erro de 5%; uma amostra de 100, seria representativa com margem de erro de 10%. A amostra será composta por 250 aposentados economicamente ativos em proporções de gênero equivalentes às existentes na população (165 Homens e 85 Mulheres). .................................. (Khoury et al., 2010) EXEMPLO
  42. 42. INSTRUMENTOS Qual o mais adequado para medir a variável a ser estudada? Há instrumentos/equipamentos já validados/aferidos? QUESTIONÁRIOS - AVALIAR Construção dos Itens – Obedece as regras? Refletem os aspectos teóricos do construto? Conteúdo dos Itens - É adequado aos objetivos da sua pesquisa e ao que pretende medir? Número de Itens - É suficiente? A forma de obtenção das respostas é adequada? Resultado daValidação (coeficiente alfa)?
  43. 43. O instrumento, construído especialmente para esta pesquisa, consiste de um questionário (Anexo A) contendo três partes. A primeira, representada por motivos potencialmente influentes para o retorno de aposentados ao trabalho, contem oito itens - para me sentir produtivo, para aumentar a renda familiar, por necessidade de conviver com outras pessoas, para me sentir atualizado, por necessidade de realização pessoal, por ter me aposentado jovem, para preencher o tempo e para passar minha experiência aos outros – avaliados em uma escala de cinco pontos (0= não influenciou; 4= influenciou totalmente). A escala será representada por uma pirâmide invertida (Anexo B). ............................................ (Khoury et al., 2010) EXEMPLO 1
  44. 44. A percepção de bem-estar subjetivo será medida por meio da Escala de Bem-Estar Subjetivo - EBES (Albuquerque & Tróccoli, 2004), com 62 itens distribuídos em duas subescalas. A primeira é composta por 47 palavras que descrevem diferentes sentimentos e emoções - afetos positivos e negativos (p.ex. animado, ativo, triste, amedrontado); a pessoa deve julgar o quanto (1 = nem um pouco; 5 = extremamente) tem se sentido ultimamente. 8EXEMPLO 2
  45. 45. A segunda subescala contém 15 frases afirmativas acerca da satisfação/insatisfação com a vida (p.ex. “Avalio minha vida de forma positiva”; “Tenho mais momentos de tristeza do que de alegria na minha vida”), avaliadas em uma escala tipo Likert (1 = discordo plenamente; 5 concordo plenamente). Será utilizado ainda um questionário para dados sócio-demográficos incluindo informações sobre gênero, vínculo familiar, tempo de residência na ILPI, freqüência de visitas recebidas e motivos que levaram à ida para a instituição. (Khoury et al., 2009) 9
  46. 46. Um instrumento mal construído poderá comprometer toda a pesquisa, afetando sua qualidade ou mesmo invalidando-a. Pré-teste é sempre recomendável, mesmo que o instrumento já seja validado. Esta sub-seção do projeto requer anexo (s) contendo o instrumento completo.
  47. 47. PROCEDIMENTOS – COLETA DE DADOS Apresentação do Pesquisador Estudante? Membro de alguma organização ou instituição? Onde abordar os participantes? Locais públicos? No trabalho, em escolas? No domicílio? Como explicar a finalidade e os objetivos da pesquisa? (TCLE) Como argumentar para obter o consentimento e colaboração dos participantes? (Rapport) Métodos e Técnicas a serem empregados. Observação? Filmagem? Questionário Auto administrado? Entrevista face a face? Ordem de aplicação? Duração?
  48. 48. Serão visitadas associações, sindicatos e demais entidades que congregam aposentados no perfil pretendido, ou seja, aposentados com baixa qualificação profissional. (ex. ambulantes, serventes, operários, feirantes) e conseqüentemente baixa renda, por um lado, e aposentados com elevada qualificação profissional, por outro (ex. médicos, advogados, engenheiros, executivos). Pretende-se conseguir informações como nome, endereço e telefone de aposentados que voltaram a trabalhar. Os dados serão coletados por meio de entrevista face-a-face, previamente agendada via telefone e realizada no local de trabalho do participante, mediante consentimento livre e esclarecido (Anexo C). EXEMPLO
  49. 49. Uma vez consentida, ao participante será apresentada uma lista de fatores/motivos com potencial para influenciar o retorno de aposentados ao mercado de trabalho e será solicitado que avalie o peso da influência de cada um no seu caso específico, por meio de uma pirâmide invertida (Anexo B). As respostas serão assinaladas pelo pesquisador em local apropriado na folha do questionário (Anexo A). Em seguida, será realizada avaliação sobre a satisfação com o trabalho atual e colhidas informações sócio-demográficas. A entrevista, de acordo com o estudo piloto, terá duração de aproximadamente 20 minutos, ao término da qual o pesquisador agradecerá a contribuição dos participantes. (Khoury et al., 2010)
  50. 50. PROCEDIMENTOS – ANÁLISE DE DADOS Como os dados serão organizados e analisados? Haverá utilização de programas para computador (softwares)? As análises serão somente quantitativas ou haverá análises qualitativas de dados? Por meio de que técnicas os dados serão analisados?
  51. 51. Recursos Estatísticos Informar as técnicas estatísticas que serão utilizadas e para que serão empregadas O que será analisado com cada uma delas?
  52. 52. Para comparar os subgrupos dentro da amostra será utilizado o teste não paramétrico Mann-Whitney: por renda (baixa e alta); escolaridade (baixa e alta); sexo (masculino e feminino); tempo de aposentadoria e tempo de trabalho pós- aposentadoria (até 5 anos e acima de 5 anos). Para verificar diferenças significativas entre os fatores que influenciaram o retorno ao trabalho, serão comparados os escores médios classificados em primeiro, segundo e terceiro lugares por meio do teste t de Student pareado. Para todas as provas será adotado o nível de significância convencional (p≤0,05). (Khoury et al., 2010) EXEMPLO
  53. 53. Descrever em ordem cronológica as etapas que compõem o estudo. Deve ser apresentado preferencialmente por meio de um gráfico ou tabela. CRONOGRAMA
  54. 54. Atividades 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1. Levantamento Bibliográfico 2. Submissão ao Comitê de Ética 3. Preparação-Reprodução dos instrumentos de coleta de dados 4. Seleção da Amostra 5. Coleta de Dados e Alimentação do Banco de Dados 6. Análise dos Dados 7. Elaboração do Relatório
  55. 55. ELEMENTOS DE UM PROJETO DE PESQUISA 1.Título/Pesquisadores 2. Resumo 3. Introdução Contextualização do problema a investigar Antecedentes científicos Justificativa Definições Perguntas de Pesquisa Hipóteses (quando couber) Objetivos 4. Método 4.1. Delineamento do Estudo 4.2. Contexto/Ambiente 4.3. Participantes/Amostra 4.4. Instrumentos/Materiais 4.5. Procedimentos de Coleta de Dados 4.6. Procedimentos de Análise de Dados 5. Referências 6. Cronograma 7. Recursos 8.Anexos
  56. 56. Referências e Bibliografia Consultada Albuquerque,A. S., & Tróccoli, B.T. (2004). Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia:Teoria e Pesquisa, 20 (2), 153-164. APA (2001). Manual de publicação da American Psychological Association, 4ª Ed; Trad. Daniel Bueno. Porto Alegre/RS:Artmed. APA (2010). Publication manual of the American Psychological Association, 6th Ed. Disponível em http://owl.english.purdue.edu/owl/owlprint/560/ Babbie, E. (1999). Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte/MG: Ed. UFMG. Creswell, J.W. (2007). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto, 2ª. Ed. Porto Alegre/RS:Artmed. Findlay, E.A. G., Costa, M.A., & Guedes, S. P. L. de C. (2006). Guia para elaboração de projetos de pesquisa. Publicação online. Joinville/SC: Univille. Günther, H. (2011). Métodos de pesquisa em psicologia social. Em C.V.Torres & E. R. Neiva (Orgs.), Psicologia Social: Principais temas e vertentes (pp. 58-76). Porto Alegre/RS:Artmed. Khoury, H.T.T. (2012). Guia para planejar pesquisas e elaborar projetos. Disponível em http://profahilmakhoury.blogspot.com.br/
  57. 57. Khoury, H.T.T., Rego, R. C. C. S., China-Silva, J., Silva,A. L., Novaes,V. R., Sanches,T. R., Lima, J. S., Castro, J. L., & Pereira, M.A. D. (2009). Bem-estar subjetivo de idosos residentes em instituições de longa permanência. Em D.V. S. Falcão & L. F.Araújo (Orgs.), Psicologia do Envelhecimento: Relações Sociais, Bem-Estar Subjetivo e Atuação Profissional em Contextos Diferenciados. Campinas-SP:Alínea. Khoury, H.T.T., Ferreira,A. J. C., Souza, R.A., Matos,A. P., & Barbagelata-Góes, S. (2010). Porque aposentados retornam ao trabalho? O papel dos fatores psicossociais. Kairós Gerontologia, 13 (1), 147-165. Silva, E. L., & Menezes, E. M. (2001). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Publicação online. Laboratório de Ensino a Distância. Universidade Federal de Santa Catarina. Spector, N. (2001). Manual para redação de teses, projetos de pesquisa e artigos científicos. Rio de Janeiro/RJ: Guanabara Koogan. Taylor-Powell, E. (1998). Sampling: Program development and evaluation. Cooperative Extension Publications. University of Wisconsin, 10pp. VEJA,A SEGUIR, MAIS ALGUMAS DICAS
  58. 58. MAIS ALGUMAS DICAS
  59. 59. A REDAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA O Projeto é o produto final do Planejamento da Pesquisa
  60. 60. TÍTULO
  61. 61. No máximo 12 palavras. Não ocupar mais que duas linhas. Evitar conter expressões redundantes (p.ex.“um estudo do...”) e abreviaturas. “Resumir a idéia principal de um trabalho, de maneira simples e, se possível, com estilo” (APA, 2010, p. 23). Ser auto-explicativo; identificar as variáveis reais ou questões teóricas investigadas e o relacionamento entre elas. Utilizar linguagem e estilo adequados a trabalhos acadêmicos, não literários. CARTÃO DEVISITA
  62. 62. “O Papel dos Motivos Psicossociais para o Retorno aoTrabalho entre Aposentados”. “Motivos psicossociais para o retorno ao trabalho: um estudo com aposentados da FAAPA”. “Se aposentar fosse bom não havia tanta gente voltando ao batente!”: Motivos da volta ao trabalho entre aposentados.
  63. 63. RESUMO
  64. 64. Resumo do projeto (150 a 250 palavras), contendo: • Os fundamentos que o justificam; • Breve definição dos principais conceitos; • Perguntas de Pesquisa (se possível); • Objetivos e • Métodos.
  65. 65. INTRODUÇÃO Desenvolvimento do problema em estudo e enunciação do propósito da investigação
  66. 66. 1) Introduzir/apresentar o problema: explorar a importância do problema; 2) Discutir literatura relevante relacionada ao tema; 3) Estabelecer hipóteses ou questões específicas de pesquisa. 3 ETAPAS (APA, 2001; 2010)
  67. 67. APRESENTAR O PROBLEMA Qual o problema em estudo? Porque o Problema é importante? Demonstrar a relevância científica e social para o estudo do tema, ou seja: Sua contribuição para o avanço do conhecimento científico já existente (pesquisas básicas) ou para a solução de problemas (pesquisas aplicadas).
  68. 68. DISCUTIR LITERATURA Como o estudo se relaciona com trabalhos anteriores na área? • Fazer histórico apropriado (mas, não uma revisão histórica exaustiva) ; • Reconhecer a prioridade do trabalho de outros autores. • Demonstrar a continuidade lógica entre os trabalhos prévios e o presente. Ao Resumir trabalhos anteriores • Evitar detalhes irrelevantes; • Enfatizar os resultados (descobertas) relacionados ao tema da investigação; as questões metodológicas importantes e as principais conclusões
  69. 69. Citações e Referências •Incluir apenas trabalhos diretamente relacionados a questão específica; •Evitar trabalhos pouco relacionados ou de importância meramente genérica. Desenvolver o problema com amplitude e clareza suficiente para que possa ser compreendido pelo maior público possível. Questões controversas: •Uma simples afirmação de que certos estudos corroboram uma conclusão e outros corroboram outra é melhor do que uma discussão prolongada e inconcludente. •Independente de sua opinião pessoal, evite animosidades e ataques pessoais ao apresentar a controvérsia. •Não sustente sua posição ou justifique sua pesquisa citando autoridades de renome fora de contexto.
  70. 70. HIPÓTESES E QUESTÕES ESPECÍFICAS O que se quer descobrir ou testar? Formular perguntas específicas de pesquisa; Enunciar formalmente as hipóteses acompanhadas de sua respectiva fundamentação;
  71. 71. REFERÊNCIAS
  72. 72. Dizem respeito às obras e autores citados no texto do Projeto. Na Psicologia, em geral, adotam-se as normas da American Psychological Association (APA).
  73. 73. LIVRO Babbie, E. (1999). Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: Ed. UFMG Salkind, N. J. (2012). Exploring Research, 8ª Ed. São Paulo: Pearson. CAPÍTULO DE LIVRO Khoury, H.T.T. (2008). Desenvolvimento psicossocial e velhice bem-sucedida. Em H. B. Evelin (Org.), Velhice cidadã: um processo em construção (pp. 165-180). Belém/PA: EDUFPA. Neri,A. L. (2013).Teorias psicológicas do envelhecimento: percurso histórico e teorias atuais. Em E.V. Freitas, L. Py, F.A. X. Cançado, J. Doll, & M. L. Gorzoni (Orgs.),Tratado de geriatria e gerontologia (3ª ed., pp.34-46). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. EXEMPLOS
  74. 74. ARTIGO DE PERIÓDICO Khoury, H.T.T., & Günther, I.A. (2013). Desenvolvimento de uma medida de controle primário e secundário para idosos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 29 (3), 277-285. Khoury, H.T.T., & Günther, I.A. (2009). Processos de auto- regulação no curso de vida: Controle primário e controle secundário. Psicologia Reflexão e Crítica, 22, 95-110. DISSERTAÇÕES ETESES Khoury, H.T.T. (2005). Controle primário e controle secundário: relação com indicadores de envelhecimento bem-sucedido.Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasil. Disponível em http://profahilmakhoury.blogspot.com.br/

×