O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Coleta de Dados em Surveys

487 visualizações

Publicada em

Métodos de Coleta de Dados em Surveys. Aborda tipos, características, vantagens e desvantagens.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Coleta de Dados em Surveys

  1. 1. Métodos de Coleta de Dados em Surveys Prof. Dra. Hilma Khoury UFPA/IFCH/Faculdade de Psicologia E-mail: hilmatk@yahoo.com.br Fones: 98112-4808/ 98800-5762/ 3201-8057/ 3201-7695
  2. 2. QUESTIONÁRIOS AUTO- ADMINISTRADOS ENTREVISTA DOIS MÉTODOS BÁSICOS
  3. 3. QUESTIONÁRIOS AUTO-ADMINISTRADOS Enviados pelos Correios Aplicados em Situação Coletiva Disponíveis na Internet
  4. 4. ENVIADOS PELOS CORREIOS O questionário é enviado e retorna ao pesquisador via correios. Acompanha carta explicativa e envelope de retorno. Pode ser auto-postável (sem necessidade de envelope). Atualmente há outro arranjo: entregar ao respondente e depois ir buscar.
  5. 5. APLICADOS EM SITUAÇÃO COLETIVA O grupo de potenciais participantes é reunido em um único local. Explicam-se os objetivos, solicita-se o consentimento e fornecem-se instruções sobre o preenchimento do questionário. O aplicador fica disponível para esclarecimentos.
  6. 6. DISPONÍVEIS NA INTERNET O questionário é respondido na rede ou por e- mail.
  7. 7. Pesquisa sobre atuação profissional dos(as) psicólogos(as) nos Serviços Hospitalares do SUS O Conselho Federal de Psicologia (CFP) por meio do Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas (CREPOP) inicia dia 2 de fevereiro a pesquisa sobre a prática dos psicólogos que atuam nos Serviços Hospitalares do SUS. É importante a sua participação no processo de elaboração do documento de referência para a prática psicológica nesta área. Você que atua em Serviços Hospitalares do SUS, participe da pesquisa clicando aqui Participe também das reuniões desta pesquisa no seu Conselho Regional. Entre em contato com a REDE CREPOP no seu CRP. Período da Pesquisa: 2/02 a 3/4 Se você não conseguir visualizar este boletim, clique aqui.
  8. 8. VANTAGENS DESVANTAGENS CORREIOS •Pode-se obter muita informação de uma só vez: alguns surveys possuem em torno de 50 páginas. •Livre de viés do entrevistador. •Decorre longo tempo (muitos meses) antes que os questionários retornem e a análise estatística comece. •Baixa Taxa de Retorno = 5% - 30% •Não adequado para finalidades muito complexas. •Alto custo SITUAÇÃO COLETIVA •Baixo custo •Altas taxas de resposta, mais que na entrevista (Em torno de 70%) •Apropriada para grandes levantamentos •Sofre limitações de tempo e de disponibilidade dos participantes. •Geralmente depende da permissão de terceiros. INTERNET •Baixíssimo custo (atualmente, nem sempre) •Altas taxas de resposta: entre 70% e 80% •Resultados muito rápidos •Se não for protegido por senha favorece manipulações.
  9. 9. Taxa de retorno adequada = 50%, pelo menos; 60% é boa; 70% ou mais é muito boa. Cálculo da taxa de retorno: Omite-se os questionários que não puderam ser entregues e divide-se este total pelo tamanho líquido da amostra. Subtrai-se o número de participantes abordados do número de participantes que respondeu aos questionários.
  10. 10. ENTREVISTA Por Telefone Face-a-face
  11. 11. POR TELEFONE As perguntas são realizadas por telefone. Tipos: Entrevistas tradicionais por telefone. Entrevista por telefone assistida por computador.
  12. 12. FACE-A-FACE Os questionários são aplicados em entrevista, pessoalmente. Pode ser realizada no domicílio, no local de trabalho ou outro local apropriado.
  13. 13. VANTAGENS DESVANTAGENS TELEFONE •Boa para grandes amostras nacionais ou internacionais. •Baixas taxas de resposta = 25% - 50% dependendo da audiência e do assunto. •Alto custo, dependendo dos encargos das chamadas locais. •Não pode ser utilizada para obter informações que não dependem de áudio (gráficos, demonstrações, sabor/cheiro). FACE-A-FACE •Altas taxas de resposta = 40% - 50% ou mais altas (80-85%). •Apropriada quando representações gráficas, percepção com os sentidos, ou demonstrações estão envolvidas. •Apropriada para grandes levantamentos. •Custo muito alto. •Sujeita a muitos vieses do entrevistador. •Sofre limitações de tempo e de disponibilidade das pessoas para receber o entrevistador, especialmente em casa.
  14. 14. COMO AUMENTAR AS TAXAS DE RESPOSTAS
  15. 15. Brevidade – uma página, se possível. Incentivos financeiros, por exemplo, pagar antecipadamente ou ao completar. Incentivos não monetários: a) Fornecer brindes tais como canetas, blocos de notas, livretos ou panfletos com informações que interessem aos respondentes; b) Adquirir a chance de participar de um sorteio ou ganhar cupons de desconto. Notificação prévia
  16. 16. Reivindicar afiliação a Universidades, Institutos de Pesquisa. Convencer os respondentes de que eles podem fazer a diferença. Garantir o anonimato. As taxas de resposta podem ser melhoradas pelo uso de painéis Membros do painel concordaram em participar Painéis podem ser utilizados em desenhos longitudinais onde os mesmos respondentes são inquiridos muitas vezes.
  17. 17. VANTAGENS DA ENTREVISTA SOBRE O QUESTIONÁRIO AUTO-ADMINISTRADO
  18. 18. Taxas mais altas de resposta, comparada com os correios (80 a 85%). Redução da quantidade de “não sei” e “sem resposta”. O Pesquisador (P) pode buscar respostas (Se tivesse que escolher uma das respostas, qual se aplicaria mais ao seu caso). Evitar confusão com itens do questionário. O P pode esclarecer o assunto e obter respostas relevantes. O P pode observar enquanto entrevista (dados difíceis ou indiscretos).
  19. 19. REGRAS GERAIS PARA ENTREVISTAR
  20. 20. Neutralidade do Entrevistador (E) Presume-se que cada pergunta e cada resposta significam exatamente a mesma coisa para todos os respondentes. Utópico, mas as perguntas/itens são preparadas para se aproximarem ao máximo deste ideal.
  21. 21. Neutralidade do Entrevistador A presença do E não deve afetar a percepção que o respondente tem da questão ou da resposta. • Gestos, expressões faciais, tom de voz, linguagem, palavras, vestuário. Isto é especialmente importante em entrevista face-a- face no domicílio do entrevistado. Se o mesmo E vai a uma ou duas áreas e não toma estes cuidados, pode imprimir algum viés que pode vir a ser interpretado como característica da amostra.
  22. 22. Fala: comunicamos identidade através da fala. •As expressões usadas podem influenciar positiva ou negativamente. Agradável e amigável, sem ser importuno Comunicar interesse verdadeiro, sem ser parecer espião. A entrevista será mais bem-sucedida se o E deixar o respondente à vontade. Aparência e comportamento Vestuário: vestir-se como as pessoas que vão entrevistar (sem exagero). Limpeza e modéstia (sóbrio).
  23. 23. O E deve ser capaz de ler os itens sem gaguejar, nem errar. •Os itens devem ser lidos como em uma conversa. Mas devem ser lidos, nada de memorizações. E deve estar preparado para as especificações (como tirar dúvidas dos R). Familiaridade com o Questionário (Q) O Q deve ser cuidadosamente estudado, pergunta por pergunta; leitura em voz alta, ensaios. A familiaridade com o Q reduz o tempo da entrevista, torna a entrevista mais agradável para o respondente (R)
  24. 24. Aplicação do Questionário •Seguir exatamente a redação da questão. Ex Em geral, como você avalia seu estado atual de saúde? ( ) Excelente ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim Você se acha uma pessoa doente?
  25. 25. Aplicação do Questionário Registrar respostas de maneira exata •Especialmente em perguntas abertas: nada de resumir, parafrasear, corrigir erros. •Isto é importante porque não se sabe como as respostas serão codificadas antes de serem processadas e porque pode se perder o verdadeiro sentido da resposta. Ex. Como se sente em relação a situação do trânsito em sua cidade? R1:Há muitos carros, limitar a quantidade; R2: Há necessidade de mais ruas. Conclusão: “tráfego congestionado”.
  26. 26. Aplicação do Questionário Se ocorrerem respostas ambíguas, devem-se fazer comentários à margem. Sondar respostas Ex1. Você tem uma escala de atitudes com alternativas de resposta tipo Likert: Concordo Fortemente, Concordo Moderadamente, Não tenho opinião, Discordo Moderadamente, Discordo Fortemente. Ao ler o item, o sujeito responde “É verdade”. Pode-se dizer: Então o Sr concorda? Mas, o Sr. diria que concorda fortemente ou moderadamente (ou ainda, muito ou pouco)?
  27. 27. Aplicação do Questionário Ex2. Você pergunta como o sujeito percebe a situação do tráfego em nossa cidade e ele dá uma resposta monossilábica: muito ruim (ou bom). •O silêncio pode ser uma boa resposta, olhar para o sujeito com o lápis em posição de escrever. •Ou, pode-se perguntar “como assim, de que maneira”? É preciso tornar as respostas mais informativas.
  28. 28. Bibliografia Consultada Babbie, E. (1999). Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: Ed. UFMG. SPSS Survey Tips (n/d). [traduzido para o português a partir do original em inglês, por PSE – Produtos e Serviços de Estatística Ltda]. Lisboa/Portugal. Acessada em 05/04/2010, a partir de http://www.pse.pt/Documentos/SPSS%20Survey%20Tips.pdf Taylor-Powell, E. &, Hermann, C. (2000). Collecting evaluation data: surveys. Madison, Wisconsin: Program Development and Evaluation. University of Wisconsin – Extension.

×