Educação Musical e Musicoterapia

2.147 visualizações

Publicada em

A Musicoterapia busca restaurar funções do indivíduo para que ele se organize intra e interpessoalmente, através da prevenção, do tratamento ou da reabilitação. A Educação Musical através da ISO - Identidade Sonora de cada um através de uma comunicação não só integradora, mas inclusiva, desde que coincida o tempo mental do aluno com o tempo sonoro-musical do professor.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.147
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação Musical e Musicoterapia

  1. 1. Educação Musical e Musicoterapia: suas complementaridades Palestra do TCC do Curso de Especialização em Musicoterapia na FMU em 2009. Hilara Crestana www.hilararestana.com.br
  2. 2. • Liberdade pessoal e flexibilidade no ensino• Cumplicidade entre profissional e aluno (paciente) – sentimento da troca• Vygotsky e Piaget – desenvolvimento (conflitos)• “Jogar” com a música é também “jogar-se” (Gainza, 1988)
  3. 3. A música na Educação BrasileiraMuitas modificações – arte (forma) e ciência (de combinar os sons) – agradabilidadeHeitor Villa Lobos – anos 30• Canto orfeônico – leitura de partitura para alunos do ensino regular• Elite x ensino público• Cultura brasileira e folclórica nas músicas• Lei da LDB de 1960 – o educador musical deveria ser graduado em ed. Artística com hab. em música para lecionar.
  4. 4. Métodos mais ativos na Educação MusicalEmile Jaques Dalcroze (1865 – 1950)• trabalho coletivo e orgânico – sensações táteis e auditivas combinadas• Euritmia – todo movimento provém de um som – imaginação plástica nos desenhos vivenciados pelo corpo
  5. 5. Maurice Martenot (1898 - 1980)• Ensino do Canto na iniciação musical• Técnicas de concentração, relaxamentocorporal, audição interior e silêncio• Jogos para a dissociação muscular eindependência motora• Reequilíbrio da saúde através darespiração tranquila e gestos equilibrados
  6. 6. Carl Orff (1895 - 1982)• Revolução na área da dança – academia “Guntherschule”• Obra Orff-Shulwerk (música para crianças): rimas da linguagem falada e criação musical• Escala pentatônica
  7. 7. Zoltan Kodaly (1882 – 1967)• Alegria e vitalidade – camponeses húngaros• “Para os pequenos, o melhor é pouco”• Manossolfa (âncoras visuais) – características do som
  8. 8. Shinichi Susuky (1898 - 1998)• Violino – imagem da mãe Edgard Willems (1889 – 1978)• “A educação através da música requer a participação do ser humano integral: dinâmico, sensorial, afetivo, mental e espiritual”• O professor deve fazer com que as crianças amem a música• Cultura e senso ritmico Jean Piaget (1896 - 1980)
  9. 9. Murray Schafer (1933)• “Nova fase” – contemporâneo• Manejo informal dos instrumentos com predominância da criatividade e da exploração
  10. 10. A educação musical hoje• Formas de expressão• Como lidar com o “novo”• Equilíbrio – satisfação plena• ISO• Conteúdo escolar: Cds impróprios e pais ansiosos• Integração: adição e síntese (mais do que descoberta) – na MT: educacional e vivencial
  11. 11. A utilização da música Como terapia Na terapia• Influência direta na saúde • Pode ser usada tanto por MT ou• Sua própria história musical (ISO) não: sentido de ed. e reeducação• Beleza da música além de suas • Música como mudança qualitativa estruturas e aparências no estilo de vida• Objetivo: alcançar os problemas e • “Doutores da Alegria” e Pedagogia necessidades pela música Hospitalar• A música como “arte” e como • “Caberá a cada corrente, no âmbito “terapia” não são coisas diferentes musicoterápico, justificar e porque as qualidades estéticas estão fundamentar a utilização da música vinculadas ao processo básico da como meio de tratamento para os vida e da natureza” (John Dewey) diferentes quadros clínicos a que se propõe tratar”. (Costa)
  12. 12. Educação Musical e MT: Complementaridades• Não se contradizem, se potencializam.• Capacidade do conhecer como estabelecer relações (sensibilidade e intelecto)• Canto: o corpo todo vibra (conhecimento de si)• Piaget: Educar a emoção nos seus diversos estágios de desenvolvimento• Música: amplia a atividade cerebral melhorando o desempenho escolar
  13. 13. Educação x Terapia Educação Terapia• Objetivo: • Objetivo: Adquirir conhecimentos e Alcançar a saúde tratando de habilidades num contexto problemas específicos. social. • O terapeuta investiga os• O professor não investiga os problemas pessoais do problemas pessoais do aluno. paciente.• A música como ferramenta • Idem item 3 do tópico ao para modificar lado. comportamentos adequados ou inadequados.
  14. 14. Educação, Reeducação e Terapia• Terapia: A música é a manifestação direta dos conflitos num aspecto não só terapêutico, mas também educacional.• Educar: disciplina / Reeducar: reaprender• Cabe ao profissional observar quais são os aspectos positivos e os de maior dificuldade do indivíduo, analisando seu ISO.• Fazer musical: cultura de cada um.• Integração no sentido de adição e síntese – profissional com técnicas pedagógicas cada vez mais diretas, puras e incisivas.
  15. 15. Uma nova direção: MT na Educação Musical• Musicoterapia: Busca restaurar funções do indivíduo para que ele se organize intra e interpessoalmente, através da prevenção, do tratamento ou da reabilitação.• Educação Musical: ISO de cada um através de uma comunicação não só integradora, mas inclusiva, desde que coincida o tempo mental do aluno com o tempo sonoro- musical do professor.• Equilíbrio do ISO: para Benenzon é uma dinâmica energética – TRANSDISCIPLINAR• Visão da espiral: emancipação, rotação criativa e desenrolar do progresso (“grande cebola” – Benenzon).
  16. 16. Concluindo...• A música co-move por meio de seus sentidos, se mostrando.• O educador musical poderá adotar o modelo da MT se ele tiver uma pedagogia flexível e referencialista, no que diz respeito ao valor da música além do domínio da arte e da estética.• A música é um produto e um processo, é material e experiência, é real e imaginária, é pessoal e transpessoal.• “Como tal, a significação e a beleza podem ser encontradas na música propriamente dita (no processo), no músico (pessoa) e no universo”. (Bruscia, 2000).
  17. 17. MUITO OBRIGADA!Hilara Crestanawww.hilararestana.com.brcontato@hilaracrestana.com.broperaidja@ig.com.br

×