Amor de Perdição 2ª A - 2011

14.478 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Amor de Perdição 2ª A - 2011

  1. 1. E.E. Prof ª Irene Dias Ribeiro Amor de Perdição Camilo Castelo Branco Elizandra Rubia de Paula Bruna Carolina da Silva Q. Daniela Targa Prudêncio Pamela Jorge 2ªA- 2011
  2. 2. Biografia de Camilo Castelo Branco <ul><li>Camilo Castelo nasceu em 16 de março de 1825 em Lisboa. </li></ul><ul><li>Em 1844 instalou-se no Porto com o intuito de cursar Medicina e acaba por não passar do 2° ano. </li></ul><ul><li>Em 1875 estreou-se na poesia e no ano seguinte no teatro e também no jornalismo. </li></ul><ul><li>De 1849 a 1851 consolidou a sua atividade jornalística, retomou o teatro, estreou- se no romance Anátema (1851). </li></ul>
  3. 3. . <ul><li>A partir de 1856 que atingiu a maturidade literária (no domínio dos processos de escrita) com o romance Onde está a Felicidade?. Que para alguns autores era considerado como novela. </li></ul><ul><li>Entre 1862 e 1863 o escritor publicou onze novelas e romances atingindo a uma notoriedade dificilmente igualável (e foi nesse momento que foi publicado Amor de Perdição ). </li></ul><ul><li>Já cego e impossibilitado de escrever Camilo Castelo suicidou-se com um tiro na cabeça no dia 1 de junho de 1890 em São Miguel a casa de Seide que é hoje o museu do escritor. </li></ul>
  4. 4. Camilo Castelo Branco.
  5. 5. Enredo Na introdução do romance, o narrador e ou autor reproduz o registro da prisão de Simão Botelho nas cadeias da Relação do Porto e antecipa o degredo do moço, aos 18 anos, em circunstancia ligada a uma paixão juvenil, bem como o desenlace trágico da história. Falando diretamente com o leitor, a imaginação e reação que tal história pode provocar: compaixão, choro, raiva, revolta frente a falsa virtude alegada pelo homens em atos injustos e bárbaros.
  6. 6. Personagens. <ul><li>Simão Botelho : Inicialmente é apresentado como um jovem de temperamento sanguinário e violento. É que conhecera e amara, durante os três meses em que esteve em Viseu, a vizinha Teresa. Ele com 17 anos, ela com 15, passam a viver desde então o amor romântico: um amor que redime os erros, que modifica as personalidades .Desde que experimenta este amor Simão torna-se recatado, estudioso e até religioso, o que não o impede de sentir uma sede incontrolável de vingança, que resulta no assassinato do rival Baltazar Coutinho. </li></ul>
  7. 7. O modo como assume este crime, recusando-se a aceitar todas as tentativas de escamoteá-lo, acaba por configurar o caráter passional do comportamento de Simão. Nem a possibilidade da forca e do degredo, nem as misérias sofridas no cárcere conseguem abater a firmeza, a dignidade, a obstinação que transformam Simão Botelho em símbolo heróico da resistência trata-se de um típico herói ultra-romântico, em outras palavras. <ul><li>. </li></ul>
  8. 8. . <ul><li>Teresa de Albuquerque : Protagonista, menina de 15 anos que se apaixona pôr Simão, também sai adquirindo densidade heróica ao longo da obra: firme e resoluta em seu amor, ela mantém-se inflexível perante os pedidos, as ameaças -e finalmente as atrocidades e violências cometidas pelo pai severa e autoritário, seja para casa-lá com o primo, seja para transforma-lá em freira. Neste sentido, a obstinação que a caracteriza é a mesma presente em Simão, com a diferença de que nela o heroísmo consiste não em agir, mas em reagir. </li></ul>
  9. 9. Teresa constitui uma heroína romântica típica, um exemplo da imagem da mulher­anjo que vigorou no Romantismo.
  10. 10. . <ul><li>Mariana: Moça pobre e do campo, de olhos tristes e belos, tem sido considerada, algumas vezes, como a personagem mais romântica da história, sem necessidade ao menos de esperança de concretizar-se a seu amor par Simão. Independente do amor entre Simão e Teresa, Mariana o ama e todo faz por ele: cuida de suas feridas, arruma-lhe dinheiro, é cúmplice da paixão proibida, abandona o pai para fazer-lhe companhia e prestar-lhe serviços na prisão e, finalmente, suicida-se após a morte de Simão. </li></ul>
  11. 11. . <ul><li>Domingos Botelho: O pai de Simão e Tadeu de Albuquerque, o pai de Teresa, são tão passionais, tão radicais em seu comportamento, quanto Simão e Teresa. Entretanto, ambos podem ser considerados simetricamente o oposto dos heróis, na medida em que representam a hipocrisia social, o apego egoísta e tirano à honra do sobrenome, aos brasões cuja fidalguia é ironicamente ridicularizada, desmoralizada pelo narrador. </li></ul>
  12. 12. . <ul><li>Baltazar Coutinho : - O primo de Teresa assassinado pôr Simão, acrescenta à vilania do tio, de quem se faz cúmplice, a dissimulação, o moralismo hipócrita e oportunista de um libertino de 30 anos, que covardemente encomenda a criados a morte de Simão. Em suma, nele se concentram toda perversidade, toda a prepotência dos fidalgos. Tal personagem constitui. sem nenhuma duvida, o vilão da historia. </li></ul>
  13. 13. . <ul><li>João da Cruz: O pai de Mariana, destaca-se como personagem mais sensato, o único personagem que possui traços realistas, de Amor de Perdição . Ferreiro e transformado em assassino numa briga, João da Cruz consegue de Domingos Botelho, pai de Simão, a liberdade. Em nome dessa divida de gratidão, torna-se protetor do herói com palavras sempre oportunas, com atos corajosos e violentos, quando necessário. E a sua linguagem cheia de provérbios e ditados populares, a simplicidade de sua vida, somadas ao amor que dedica à filha </li></ul>
  14. 14. Foco Narrativo Do ponto de vista do foco narrativo, ou da postura do narrador perante a história, os elementos realistas de Amor de Perdição estão na critica às instituições religiosas, os conventos, e no comportamento não passional de alguns personagens secundários, como João da Cruz. Escrita em terceira pessoa, esta obra caracteriza-se por um narrador onisciente, isto é, um narrador que desvenda o universo interior dos personagens, sabendo mais do que eles próprios, o que lhes passa pela mente e pelo coração.
  15. 15. . <ul><li>O episódio mais representativo do romance, no sentido de provocar lágrimas nos leitores românticos e risos nos leitores realistas, ocorre no seu desfecho, quando o tema da ‘morte por amor” atinge o clímax: Teresa morre no convento, ao sentir irreversível a perda de Simão, o qual, pôr sua vez, é tomado de uma febre fatal, no navio que o levaria pura longe da amada, quando fica sabendo de sua morte. Já Mariana, apaixonada pôr Simão, atira-se ao mar agarrada ao seu corpo. </li></ul>
  16. 16. Verossimilhança Camilo opunha-se ao romance realista, julgando-o imoral. Criticava-o por retratar pessoas fúteis ou que premeditam crimes, que desorganizam famílias: padres que rompem o celibato e alterações sexuais. O escritor rejeitava esses temas em favor da apologia do sentimento.
  17. 17. Movimento Literário. Em Amor de Perdição encontramos o traço principal da novelística passional de Camilo: a concepção do amor como uma espécie de destino, de fatalidade, que domina e orienta e define a vida(e a morte) das personagens principais. Marcado pela transcendência, esse amor trará consigo sempre um equivalente de sofrimento e de infelicidade: ou porque a paixão se choca frontalmente com as necessidades do mundo social,ou porque significa em ultima analise um desejo luciferino de recuperar o paraíso na terra.
  18. 18. Conclusão <ul><li>O amor de perdição visto a luz elétrica do cristicismo moderno, é um romance romântico, declaratório com bastante eleijões líricos, e umas idéias aceleradas que chegam a tocar no desaforo do sentimentalismo. Camilo castelo escreveu o romance Amor de Perdição nos seus quinze dias mais atormentados de sua vida em que passou na cadeia, o romance baseia-se na história triste passado na sua mocidade de seu tio paterno Simão Antônio Botelho. </li></ul>
  19. 19. . <ul><li>É comum na obra de Camilo Castelo Branco, o tratamento do amor desenfreado e profundo entre jovens que lutam por suas paixões muito além dos limites de suas próprias forças. Resistentes a toda sorte de obstáculos, procuram a felicidade mas geralmente são desviados para a desgraça e, não raro, para a morte. </li></ul>

×