SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
MODELO DE PROJETO DE DOCUMENTÁRIO
(Inspirado no modelo de projeto do DOCTV)
1 - Tema: Diversidade racial
2 – Proposta de Documentário:
O proponente deverá informar O QUÊ pretende realizar de maneira clara.
Quais aspectos do tema serão trabalhados/abordados no documentário.
Mínimo: 01 página (fonte Arial tamanho 12, espaçamento duplo).
2.1 - Exemplo:
O documentário abordará a questão da diversidade racial através de um viés incomum
e pouco provável: o universo de pessoas envolvidas em um jogo de futebol muito
peculiar ocorrido todo ano na favela de Heliópolis, a maior de São Paulo.
O jogo em questão não é uma partida de várzea qualquer, mas um clássico no sentido
estrito do termo: é original, ocorre tradicionalmente há mais de trinta anos e mobiliza
uma comunidade inteira para a sua realização. A partida é realizada uma vez por ano
e tem como característica principal o fato de ser jogada por dois times especiais: de
um lado, os pretos; do outro, os brancos. Um detalhe importante é o fato de cada
jogador escolher em que equipe deseja jogar. Antes da escalação dos times, eles
devem se auto-atribuir “brancos” ou “pretos”. Isso não seria digno de nota se não
houvesse jogadores disputando temporadas ora no time dos brancos, ora no dos
pretos.
Deste modo, o processo concreto focalizado nos permitirá lançar um olhar renovado
sobre o tema (este talvez desgastado, mas ainda premente): as diferenças e
composições raciais na sociedade brasileira, suas inflexões e nuances nos tempos
recentes.
No jogo do “Preto contra Branco”, em Heliópolis, nem todos querem jogar no time dos
“brancos” - o que evidencia a valorização simbólica da raça negra nas últimas décadas
(processo amplo que envolve lutas políticas, incorporação do discurso afirmativo pela
mídia, mudanças sociais). Por outro lado, as piadas sobre os “pretos” continuam
bastante presentes na localidade, recolocando desigualdades historicamente
engendradas.
O fato da história do jogo se confundir com a história da urbanização desenfreada de
São Paulo permite sugerir ainda relações entre a construção social do espaço e o
“lugar” que ocupam as diferentes raças na sociedade de classes brasileira.
3 – Principais Personagens do Documentário
4 - Fontes de Pesquisa
(Liste as possíveis fontes de pesquisa para o tema do documentário: nome de livros, autores,
artigos, sites da Internet, filmes, especialistas no assunto que podem ser conselheiros)
(Mínimo: 01 página. Fonte Arial tamanho 12, espaçamento duplo).
5 – Pesquisa Prévia
Utilize as fontes listadas no tópico anterior e faça pesquisa sobre o tema elegendo seus
principais pontos)
1
6 – Estratégia(s) de Abordagem
(De que maneira o(s) documentarista(s) se relacionará com o que/quem para transmitir a
idéia audiovisual. Mínimo de 4 estratégias DISTINTAS. Escreva (mínimo) 3 linhas para cada
estratégia)
6.1 - Exemplo 1 da estratégia de abordagem:
Procedimento Geral: A proposta é estar com uma equipe na favela de Heliópolis e
realizar gravações na semana que antecede o jogo, assim como gravações do dia do
jogo propriamente dito. Nesta semana acompanharemos personagens pré-
selecionados em situações cotidianas e que, de alguma forma, nos remetam a questão
central do documentário, o jogo e seu caráter racial, assim como situações periféricas,
cômicas espontâneas do dia a dia. Pensamos em uma imersão quase total no
cotidiano daquela
comunidade, uma "pesquisa de campo", na definição da antropologia. A estratégia de
se alugar uma casa no local onde a maioria da equipe ficaria de plantão, com
equipamento para gravações e realizações de entrevistas é um fator a ser levado em
conta.
Manipulação de cores: armaremos uma tenda no meio da favela de Heliópolis. Nela
instalaremos um set de filmagem: câmera, monitor, uma cadeira onde os moradores
da região possam se sentar e, assistindo sua própria imagem no monitor de vídeo,
sejam convidados a responder à uma pergunta: “qual é a sua cor?”. O diretor
manipulará, então, a imagem de cada um alterando as cores , com um controle de
tonalidades, pedindo a cada um que o guie, até que o ajuste de cor fique do agrado do
entrevistado.
Entrevistas individuais: entrevistaremos Rappin Hood,consagrado rapper que é há
muito morador da região, um dos organizadores do jogo, e alguém que em suas
músicas tem se preocupado muito com a questão racial. Iremos até sua casa, onde ele
tem um pequeno estúdio, no qual estará preparando a gravação de uma música para o
filme. Entrevistaremos também personagens centrais do jogo, de preferência
jogadores, com opiniões e histórias pessoais que evidenciem a tensão existente por
trás da aparente cordialidade das partidas.
Entrevistas Coletivas: Entrevistaremos Preguinho, jogador que alterna sua escalação
entre os times dos Brancos e dos Pretos, conjuntamente com sua mãe (de origem
negra) e seu pai (de origem alemã). Personagens que tem opiniões fortes a cerca do
time em que Preguinho deve jogar, e cujo choque entre visões é capaz de explicitar as
tensões raciais.
Entrevistaremos conjuntamente também os veteranos jogadores e organizadores do
jogo (pretos e brancos) no Bar próximo ao campo do Flor, local descontraído, ponto de
encontro dos mesmos, Esperamos nesta entrevista levantar a história e o folclore do
jogo e provocar a contraposição de opiniões a cerca dos mesmos. Ação que depende
da realização da entrevista coletivamente e em um ambiente descontraído para que os
personagens se sintam a vontade para se expressar.
Filmagem do Jogo. Gravação dos 4 jogos “Preto contra Branco” com o mínimo de
interferência da equipe buscando capturar tanto os conflitos e lances dentro quano fora
do campo. Com especial atenção para aqueles que revelem e explicitem as relações
sociais e raciais em pauta.
Fotos dos primeiros jogos
2
Material iconográfico que conte a história do jogo ao longo dos anos.
6.2 - Exemplo 2 da estratégia de abordagem:
(Exemplo do projeto de um documentário sobre a violência)
Colagem de Imagens: Clipes com colagem de imagens: A partir de imagens
veiculadas em todos os tipos de mídia, tais como noticiários e ficção televisiva,
imprensa escrita, noticiários de Internet, faremos pequenos filmes ou clipes dentro do
filme, demonstrando através da quantidade e variedade de assuntos e meios
utilizados, o absurdo do mundo em que vivemos e da espécie de informações com as
quais a população é bombardeada todo o dia. Faremos um painel sobre a informação
dando conta da violência, inserindo informações sobre quantidade desse tipo de
informação e confrontando com a quantidade e espaço para outros tipos de
informações, talvez menos importantes para a cultura do medo, como aquelas que dão
conta e estimulam a diminuição das distâncias sociais (ao invés de estimularem uma
cultura da defesa do seu terreno a qualquer custo).
Entrevistas-ficção e/ou entrevistas irônicas: O intuito dessas entrevistas é criticar a
lógica e justificativa dos entrevistados por meio de estímulos a que eles explicitem e
defendam com veemência seus pontos de vista. À falta de depoimentos verdadeiros –
que serão buscados – faremos entrevistas com atores contratados. O recurso principal
aqui, tanto no caso das entrevistas reais e irônicas quanto nas entrevistas-ficção, será
o da caricatura.
6.3 – Outros estratégias de abordagem:
Imagens de arquivo, elas podem ser usadas, por exemplo, para:
• Produzir um contraste ou diálogo entre passado e presente;
• Demonstrar fatos ou idéias presentes no off ou na fala das personagens;
• Produzir uma visualidade poética das personagens, utilizando, por exemplo,
imagens com características de Super 8;
• Experimentar o passado como lembranças suas ou dos personagens da
história.
• Etc, etc, etc.
Encenação:
• Reconstituir eventos do passado;
• Revelar o caráter de discurso construído do documentário;
• Ironia;
• Etc, etc, etc.
Observação:
• Tentativa de imparcialidade (Impressão de que a vida e o real estão passando
diante da câmera)
Animação/Stop Motion:
• Combinação de live action com animação. Lirismo.
Imagens Abstratas:
• Valoriza aspectos subjetivos das situações retratadas.
Etc, etc, etc.
3
7 – Tratamento:
Exposição de como o documentarista pretende organizar as Estratégias de Abordagem no
corpo do filme. A apresentação pode ser feita livremente a partir de texto corrido ou blocado);
7. 1 - Exemplo de Tratamento de filme:
Abertura
Imagens de um jogo de dominó realizado em algum boteco da favela de Heliópolis.
Mostraremos detalhes das peças: ou brancas com prontos negros, ou negras com
pontos brancos. O áudio desta abertura será uma mistura do som direto local com os
sons da partida de futebol Branco X Preto. Mostramos os participantes do jogo de
dominó apenas de relance, sem mostrar quem é negro e quem é branco.
Situação 1
Preguinho em sua casa na companhia de seu pai alemão e sua mãe brasileira e
negra. Ele nos fala sobre o futebol, sobre como é jogar um ano em cada time, sobre
suas brigar com o pai que gostaria de vê-lo jogando sempre com os brancos.
Depoimentos de sua mãe, seu pai, amigos e irmãos. Saímos com Preguinho para uma
volta na favela.
Possíveis perguntas para Preguinho:
1 – Escrever aqui a pergunta
2 – Escrever aqui a pergunta
3 – Escrever aqui a pergunta
Situação 2
Seguimos com o rapper Rappin Hood. Ele é negro e músico de rap. Nos fala de como
o sucesso e a visibilidade na mídia influenciam a imagem que os outros e o próprio
sujeito faz de sua identidade racial. Acompanhamos rappin Hood em sua casa, onde
possui um estúdio no qual está compondo um rap para o jogo Preto X Branco.
Possíveis perguntas para o o rapper Rappin Hood:
1 – Escrever aqui a pergunta
2 – Escrever aqui a pergunta
3 – Escrever aqui a pergunta
Situação 3
Os veteranos (os chamados “sucatão”) do Preto X Branco nos contam sobre o
surgimento do campeonato. Histórias, folclores, brigas e tretas são reveladas. Iremos
ao boteco ao lado do campo, ponto de encontro durante o ano todo das figuras
envolvidas no Preto X Branco.
Possíveis perguntas:
1 – Escrever aqui a pergunta
2 – Escrever aqui a pergunta
Situação 4
Aos moradores da favela de Heliópolis perguntaremos sobre o crescimento da favela,
questões de urbanidade, o espaço físico reduzido, centro e periferia.
Possíveis perguntas: aos moradores
1 – Escrever aqui a pergunta
4
2 – Escrever aqui a pergunta
Situação 5
Em companhia de jogadores do time veterano, a equipe tenta encontrar o local exato
do antigo campo Preto X Branco. Faremos quase uma expedição arqueológica, já que
a área onde existia o campo está tomada por barracos e totalmente urbanizada.
Situação 6
O dia do jogo propriamente dito. Com quatro câmeras: duas registrando a
arquibancada e duas registrando o jogo.
Por permanecermos na favela de Heliópolis dia e noite, durante uma semana, várias
situações inesperadas serão incorporadas ao documentário. Durante todo o período
em que a equipe ficar no local, existirá sempre uma câmera e um equipamento de som
prontos para gravar depoimentos e registrar situações.
5
8 – Cronograma de Produção:
Cronograma para Produção de Documentário
TOTAL DA ETAPA (EM SEMANAS)
ATIVIDADE Agosto
2ª a 4ª semana
Setembro
1ª a 4ª semana
Outubro
1ª a 4ª semana
Novembro
1ª a 4ª semana
PESQUISA
Pesquisa Prévia X X X
Conversa com os depoentes
em potencial
Projeto Escrito
1ª Versão
16/09/2009
Versão p/
avaliação 1º
bimestre
30/09/2009
PRÉ PRODUÇÃO
Preparação da filmagem: definir locação, aluguel de equipamento e definição da equipe técnica.
Agenda com depoentes
Reserva de equipamentos de
filmagem (câmeras, microfone, etc)
Reserva da Ilha de edição (para
aqueles que forem editar na ilha da
faculdade)
Detalhamento da Pesquisa
Melhorias no Projeto Escrito
PRODUÇÃO
Início das filmagens propriamente ditas. A produção confunde-se com a própria ação de fazer cinema.
Filmagem
PÓS PRODUÇÃO
Subentende duas ações; a desprodução do set de filmagem e também a finalização do filme.
Decupagem do material
filmado
Edição de Imagens
Edição de Som
Tratamento de Imagens e Sons
Data limite p/ Entrega do filme 25/11/09
Referência:
http://www.tvcultura.com.br/DocTv/
6
8 – Cronograma de Produção:
Cronograma para Produção de Documentário
TOTAL DA ETAPA (EM SEMANAS)
ATIVIDADE Agosto
2ª a 4ª semana
Setembro
1ª a 4ª semana
Outubro
1ª a 4ª semana
Novembro
1ª a 4ª semana
PESQUISA
Pesquisa Prévia X X X
Conversa com os depoentes
em potencial
Projeto Escrito
1ª Versão
16/09/2009
Versão p/
avaliação 1º
bimestre
30/09/2009
PRÉ PRODUÇÃO
Preparação da filmagem: definir locação, aluguel de equipamento e definição da equipe técnica.
Agenda com depoentes
Reserva de equipamentos de
filmagem (câmeras, microfone, etc)
Reserva da Ilha de edição (para
aqueles que forem editar na ilha da
faculdade)
Detalhamento da Pesquisa
Melhorias no Projeto Escrito
PRODUÇÃO
Início das filmagens propriamente ditas. A produção confunde-se com a própria ação de fazer cinema.
Filmagem
PÓS PRODUÇÃO
Subentende duas ações; a desprodução do set de filmagem e também a finalização do filme.
Decupagem do material
filmado
Edição de Imagens
Edição de Som
Tratamento de Imagens e Sons
Data limite p/ Entrega do filme 25/11/09
Referência:
http://www.tvcultura.com.br/DocTv/
6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O que é um documentário.
O que é um documentário.O que é um documentário.
O que é um documentário.FArlete
 
Documentário: historia e linguagem
Documentário: historia e linguagemDocumentário: historia e linguagem
Documentário: historia e linguagemrichard_romancini
 
O Projeto Audiovisual 2[1]
O Projeto Audiovisual 2[1]O Projeto Audiovisual 2[1]
O Projeto Audiovisual 2[1]videoparatodos
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Mauricio Mallet Duprat
 
Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4
Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4
Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4Cultura e Mercado
 
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...Cultura e Mercado
 
Anexo 4 sequência didática projeto curta-metragem
Anexo 4  sequência didática projeto curta-metragemAnexo 4  sequência didática projeto curta-metragem
Anexo 4 sequência didática projeto curta-metragemMariana Correia
 
PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?
PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?
PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?Liziane84
 
Aula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O RoteiroAula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O RoteiroFernando
 
Direção e produção para televisão e vídeo.
Direção e produção para televisão e vídeo.Direção e produção para televisão e vídeo.
Direção e produção para televisão e vídeo.Efrem Pedroza
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTRosineia Oliveira dos Santos
 
Aula linguagem audiovisual 03 roteiro publicitário
Aula linguagem audiovisual 03 roteiro publicitárioAula linguagem audiovisual 03 roteiro publicitário
Aula linguagem audiovisual 03 roteiro publicitárioElizeu Nascimento Silva
 
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de PesquisaExemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de Pesquisarichard_romancini
 
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentaçãoRoteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentaçãoIsvaldo Souza
 
Art história do cinema
Art   história do cinemaArt   história do cinema
Art história do cinemasergioborgato
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes) Wellinton Augusto
 

Mais procurados (20)

O que é um documentário.
O que é um documentário.O que é um documentário.
O que é um documentário.
 
Documentário: historia e linguagem
Documentário: historia e linguagemDocumentário: historia e linguagem
Documentário: historia e linguagem
 
O Projeto Audiovisual 2[1]
O Projeto Audiovisual 2[1]O Projeto Audiovisual 2[1]
O Projeto Audiovisual 2[1]
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
 
Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4
Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4
Formatação de Projetos de Audiovisual - Aulas 2, 3 e 4
 
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
 
Anexo 4 sequência didática projeto curta-metragem
Anexo 4  sequência didática projeto curta-metragemAnexo 4  sequência didática projeto curta-metragem
Anexo 4 sequência didática projeto curta-metragem
 
PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?
PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?
PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?
 
Ppt Aula 2
Ppt   Aula 2Ppt   Aula 2
Ppt Aula 2
 
Aula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O RoteiroAula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O Roteiro
 
Prova de arte 4b 9 ano1
Prova de arte 4b 9 ano1Prova de arte 4b 9 ano1
Prova de arte 4b 9 ano1
 
Direção e produção para televisão e vídeo.
Direção e produção para televisão e vídeo.Direção e produção para televisão e vídeo.
Direção e produção para televisão e vídeo.
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
 
Aula linguagem audiovisual 03 roteiro publicitário
Aula linguagem audiovisual 03 roteiro publicitárioAula linguagem audiovisual 03 roteiro publicitário
Aula linguagem audiovisual 03 roteiro publicitário
 
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de PesquisaExemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
 
A Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudoA Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudo
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentaçãoRoteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
 
Art história do cinema
Art   história do cinemaArt   história do cinema
Art história do cinema
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
 

Destaque

Apostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espmApostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espmCarlos Dote
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisualMarcioveras
 
Modelo de Roteiro
Modelo de RoteiroModelo de Roteiro
Modelo de Roteironrtejacarei
 
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produçãoProdução e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produçãoPedro Almeida
 
Aula roteiro de documentário
Aula roteiro de documentárioAula roteiro de documentário
Aula roteiro de documentárioRenato Delmanto
 
Fichamento de um filme exemplo
Fichamento de um filme   exemploFichamento de um filme   exemplo
Fichamento de um filme exemploProwerewolf
 
Oficina Fundo Setorial Audiovisual - Gilberto Toscano - Setembro de 2014 - Re...
Oficina Fundo Setorial Audiovisual - Gilberto Toscano - Setembro de 2014 - Re...Oficina Fundo Setorial Audiovisual - Gilberto Toscano - Setembro de 2014 - Re...
Oficina Fundo Setorial Audiovisual - Gilberto Toscano - Setembro de 2014 - Re...Cultura e Mercado
 
Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio Cesnik
Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio CesnikNova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio Cesnik
Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio CesnikCultura e Mercado
 
2 guião documentário orientações prof ana- feito
2 guião documentário orientações prof  ana- feito2 guião documentário orientações prof  ana- feito
2 guião documentário orientações prof ana- feitojps77
 
Elaboração de um projeto colocar no blog
Elaboração de um projeto colocar no blogElaboração de um projeto colocar no blog
Elaboração de um projeto colocar no blogPaula Assumpção
 
Celso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteCelso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteFundação Casa
 
Pré-Produção (Guião técnico) - Projeto Final
Pré-Produção (Guião técnico) - Projeto FinalPré-Produção (Guião técnico) - Projeto Final
Pré-Produção (Guião técnico) - Projeto FinalHelena Marques
 
10 passos para um bom planejamento digital
10 passos para um bom planejamento digital10 passos para um bom planejamento digital
10 passos para um bom planejamento digitalMarcel Cohn
 
Roteiro do filme pro dia nascer feliz
Roteiro do filme pro dia nascer felizRoteiro do filme pro dia nascer feliz
Roteiro do filme pro dia nascer felizSHEILA MONTEIRO
 

Destaque (20)

Apostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espmApostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espm
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisual
 
Modelo de Roteiro
Modelo de RoteiroModelo de Roteiro
Modelo de Roteiro
 
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produçãoProdução e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
 
Roteiro Para TV
Roteiro Para TVRoteiro Para TV
Roteiro Para TV
 
Modelo roteiro
Modelo roteiroModelo roteiro
Modelo roteiro
 
Aula roteiro de documentário
Aula roteiro de documentárioAula roteiro de documentário
Aula roteiro de documentário
 
Fichamento de um filme exemplo
Fichamento de um filme   exemploFichamento de um filme   exemplo
Fichamento de um filme exemplo
 
Modelo de projeto tv
Modelo de projeto tvModelo de projeto tv
Modelo de projeto tv
 
Roteiro com textos
Roteiro com textosRoteiro com textos
Roteiro com textos
 
Oficina Fundo Setorial Audiovisual - Gilberto Toscano - Setembro de 2014 - Re...
Oficina Fundo Setorial Audiovisual - Gilberto Toscano - Setembro de 2014 - Re...Oficina Fundo Setorial Audiovisual - Gilberto Toscano - Setembro de 2014 - Re...
Oficina Fundo Setorial Audiovisual - Gilberto Toscano - Setembro de 2014 - Re...
 
Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio Cesnik
Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio CesnikNova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio Cesnik
Nova Lei da TV por assinatura (PL 116) | Fábio Cesnik
 
2 guião documentário orientações prof ana- feito
2 guião documentário orientações prof  ana- feito2 guião documentário orientações prof  ana- feito
2 guião documentário orientações prof ana- feito
 
Elaboração de um projeto colocar no blog
Elaboração de um projeto colocar no blogElaboração de um projeto colocar no blog
Elaboração de um projeto colocar no blog
 
Celso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteCelso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arte
 
Projeto Ensaios
Projeto EnsaiosProjeto Ensaios
Projeto Ensaios
 
Pré-Produção (Guião técnico) - Projeto Final
Pré-Produção (Guião técnico) - Projeto FinalPré-Produção (Guião técnico) - Projeto Final
Pré-Produção (Guião técnico) - Projeto Final
 
10 passos para um bom planejamento digital
10 passos para um bom planejamento digital10 passos para um bom planejamento digital
10 passos para um bom planejamento digital
 
Roteiro do filme pro dia nascer feliz
Roteiro do filme pro dia nascer felizRoteiro do filme pro dia nascer feliz
Roteiro do filme pro dia nascer feliz
 
Roteiro
RoteiroRoteiro
Roteiro
 

Semelhante a Exemplos de-projeto-de-documentario

CADERNO DO ALUNO-2º ANO-VOL.3-TRADUZIDO
CADERNO DO ALUNO-2º ANO-VOL.3-TRADUZIDOCADERNO DO ALUNO-2º ANO-VOL.3-TRADUZIDO
CADERNO DO ALUNO-2º ANO-VOL.3-TRADUZIDOMarisa Moreyra
 
Pirata Zine #4 Julho 2009 VersãO Pdf Leitores
Pirata Zine #4 Julho 2009   VersãO Pdf LeitoresPirata Zine #4 Julho 2009   VersãO Pdf Leitores
Pirata Zine #4 Julho 2009 VersãO Pdf Leitoresguest53c580
 
O candidato honesto
O candidato honestoO candidato honesto
O candidato honestoBryanCosta8
 
Vunesp Conhecimentos Gerais
Vunesp Conhecimentos GeraisVunesp Conhecimentos Gerais
Vunesp Conhecimentos GeraisFabsVitti
 
Video translation BIPOC, BROWN, BLACK, AFRICAN AMERICAN
Video translation BIPOC, BROWN, BLACK, AFRICAN AMERICANVideo translation BIPOC, BROWN, BLACK, AFRICAN AMERICAN
Video translation BIPOC, BROWN, BLACK, AFRICAN AMERICANCintia Santos
 

Semelhante a Exemplos de-projeto-de-documentario (6)

CADERNO DO ALUNO-2º ANO-VOL.3-TRADUZIDO
CADERNO DO ALUNO-2º ANO-VOL.3-TRADUZIDOCADERNO DO ALUNO-2º ANO-VOL.3-TRADUZIDO
CADERNO DO ALUNO-2º ANO-VOL.3-TRADUZIDO
 
Pirata Zine #4 Julho 2009 VersãO Pdf Leitores
Pirata Zine #4 Julho 2009   VersãO Pdf LeitoresPirata Zine #4 Julho 2009   VersãO Pdf Leitores
Pirata Zine #4 Julho 2009 VersãO Pdf Leitores
 
O candidato honesto
O candidato honestoO candidato honesto
O candidato honesto
 
Vunesp Conhecimentos Gerais
Vunesp Conhecimentos GeraisVunesp Conhecimentos Gerais
Vunesp Conhecimentos Gerais
 
America proibida pt
America proibida ptAmerica proibida pt
America proibida pt
 
Video translation BIPOC, BROWN, BLACK, AFRICAN AMERICAN
Video translation BIPOC, BROWN, BLACK, AFRICAN AMERICANVideo translation BIPOC, BROWN, BLACK, AFRICAN AMERICAN
Video translation BIPOC, BROWN, BLACK, AFRICAN AMERICAN
 

Mais de Heraldo Gouveia

(2) curso online_de_análise_fundamentalista
(2) curso online_de_análise_fundamentalista(2) curso online_de_análise_fundamentalista
(2) curso online_de_análise_fundamentalistaHeraldo Gouveia
 
Estudo de-mercado-embutidos
Estudo de-mercado-embutidosEstudo de-mercado-embutidos
Estudo de-mercado-embutidosHeraldo Gouveia
 
Aprenda a importar da china como importar da china
Aprenda a importar da china   como importar da chinaAprenda a importar da china   como importar da china
Aprenda a importar da china como importar da chinaHeraldo Gouveia
 
Orientacao uso suco frutas
Orientacao uso suco frutasOrientacao uso suco frutas
Orientacao uso suco frutasHeraldo Gouveia
 

Mais de Heraldo Gouveia (7)

(2) curso online_de_análise_fundamentalista
(2) curso online_de_análise_fundamentalista(2) curso online_de_análise_fundamentalista
(2) curso online_de_análise_fundamentalista
 
Imp exp sem complicacao
Imp exp sem complicacaoImp exp sem complicacao
Imp exp sem complicacao
 
Estudo de-mercado-embutidos
Estudo de-mercado-embutidosEstudo de-mercado-embutidos
Estudo de-mercado-embutidos
 
Aprenda a importar da china como importar da china
Aprenda a importar da china   como importar da chinaAprenda a importar da china   como importar da china
Aprenda a importar da china como importar da china
 
Exemplo projeto tecnico
Exemplo projeto tecnicoExemplo projeto tecnico
Exemplo projeto tecnico
 
Manual editais v2
Manual editais v2Manual editais v2
Manual editais v2
 
Orientacao uso suco frutas
Orientacao uso suco frutasOrientacao uso suco frutas
Orientacao uso suco frutas
 

Último

Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.FLAVIA LEZAN
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdflbgsouza
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 

Último (20)

Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

Exemplos de-projeto-de-documentario

  • 1. MODELO DE PROJETO DE DOCUMENTÁRIO (Inspirado no modelo de projeto do DOCTV) 1 - Tema: Diversidade racial 2 – Proposta de Documentário: O proponente deverá informar O QUÊ pretende realizar de maneira clara. Quais aspectos do tema serão trabalhados/abordados no documentário. Mínimo: 01 página (fonte Arial tamanho 12, espaçamento duplo). 2.1 - Exemplo: O documentário abordará a questão da diversidade racial através de um viés incomum e pouco provável: o universo de pessoas envolvidas em um jogo de futebol muito peculiar ocorrido todo ano na favela de Heliópolis, a maior de São Paulo. O jogo em questão não é uma partida de várzea qualquer, mas um clássico no sentido estrito do termo: é original, ocorre tradicionalmente há mais de trinta anos e mobiliza uma comunidade inteira para a sua realização. A partida é realizada uma vez por ano e tem como característica principal o fato de ser jogada por dois times especiais: de um lado, os pretos; do outro, os brancos. Um detalhe importante é o fato de cada jogador escolher em que equipe deseja jogar. Antes da escalação dos times, eles devem se auto-atribuir “brancos” ou “pretos”. Isso não seria digno de nota se não houvesse jogadores disputando temporadas ora no time dos brancos, ora no dos pretos. Deste modo, o processo concreto focalizado nos permitirá lançar um olhar renovado sobre o tema (este talvez desgastado, mas ainda premente): as diferenças e composições raciais na sociedade brasileira, suas inflexões e nuances nos tempos recentes. No jogo do “Preto contra Branco”, em Heliópolis, nem todos querem jogar no time dos “brancos” - o que evidencia a valorização simbólica da raça negra nas últimas décadas (processo amplo que envolve lutas políticas, incorporação do discurso afirmativo pela mídia, mudanças sociais). Por outro lado, as piadas sobre os “pretos” continuam bastante presentes na localidade, recolocando desigualdades historicamente engendradas. O fato da história do jogo se confundir com a história da urbanização desenfreada de São Paulo permite sugerir ainda relações entre a construção social do espaço e o “lugar” que ocupam as diferentes raças na sociedade de classes brasileira. 3 – Principais Personagens do Documentário 4 - Fontes de Pesquisa (Liste as possíveis fontes de pesquisa para o tema do documentário: nome de livros, autores, artigos, sites da Internet, filmes, especialistas no assunto que podem ser conselheiros) (Mínimo: 01 página. Fonte Arial tamanho 12, espaçamento duplo). 5 – Pesquisa Prévia Utilize as fontes listadas no tópico anterior e faça pesquisa sobre o tema elegendo seus principais pontos) 1
  • 2. 6 – Estratégia(s) de Abordagem (De que maneira o(s) documentarista(s) se relacionará com o que/quem para transmitir a idéia audiovisual. Mínimo de 4 estratégias DISTINTAS. Escreva (mínimo) 3 linhas para cada estratégia) 6.1 - Exemplo 1 da estratégia de abordagem: Procedimento Geral: A proposta é estar com uma equipe na favela de Heliópolis e realizar gravações na semana que antecede o jogo, assim como gravações do dia do jogo propriamente dito. Nesta semana acompanharemos personagens pré- selecionados em situações cotidianas e que, de alguma forma, nos remetam a questão central do documentário, o jogo e seu caráter racial, assim como situações periféricas, cômicas espontâneas do dia a dia. Pensamos em uma imersão quase total no cotidiano daquela comunidade, uma "pesquisa de campo", na definição da antropologia. A estratégia de se alugar uma casa no local onde a maioria da equipe ficaria de plantão, com equipamento para gravações e realizações de entrevistas é um fator a ser levado em conta. Manipulação de cores: armaremos uma tenda no meio da favela de Heliópolis. Nela instalaremos um set de filmagem: câmera, monitor, uma cadeira onde os moradores da região possam se sentar e, assistindo sua própria imagem no monitor de vídeo, sejam convidados a responder à uma pergunta: “qual é a sua cor?”. O diretor manipulará, então, a imagem de cada um alterando as cores , com um controle de tonalidades, pedindo a cada um que o guie, até que o ajuste de cor fique do agrado do entrevistado. Entrevistas individuais: entrevistaremos Rappin Hood,consagrado rapper que é há muito morador da região, um dos organizadores do jogo, e alguém que em suas músicas tem se preocupado muito com a questão racial. Iremos até sua casa, onde ele tem um pequeno estúdio, no qual estará preparando a gravação de uma música para o filme. Entrevistaremos também personagens centrais do jogo, de preferência jogadores, com opiniões e histórias pessoais que evidenciem a tensão existente por trás da aparente cordialidade das partidas. Entrevistas Coletivas: Entrevistaremos Preguinho, jogador que alterna sua escalação entre os times dos Brancos e dos Pretos, conjuntamente com sua mãe (de origem negra) e seu pai (de origem alemã). Personagens que tem opiniões fortes a cerca do time em que Preguinho deve jogar, e cujo choque entre visões é capaz de explicitar as tensões raciais. Entrevistaremos conjuntamente também os veteranos jogadores e organizadores do jogo (pretos e brancos) no Bar próximo ao campo do Flor, local descontraído, ponto de encontro dos mesmos, Esperamos nesta entrevista levantar a história e o folclore do jogo e provocar a contraposição de opiniões a cerca dos mesmos. Ação que depende da realização da entrevista coletivamente e em um ambiente descontraído para que os personagens se sintam a vontade para se expressar. Filmagem do Jogo. Gravação dos 4 jogos “Preto contra Branco” com o mínimo de interferência da equipe buscando capturar tanto os conflitos e lances dentro quano fora do campo. Com especial atenção para aqueles que revelem e explicitem as relações sociais e raciais em pauta. Fotos dos primeiros jogos 2
  • 3. Material iconográfico que conte a história do jogo ao longo dos anos. 6.2 - Exemplo 2 da estratégia de abordagem: (Exemplo do projeto de um documentário sobre a violência) Colagem de Imagens: Clipes com colagem de imagens: A partir de imagens veiculadas em todos os tipos de mídia, tais como noticiários e ficção televisiva, imprensa escrita, noticiários de Internet, faremos pequenos filmes ou clipes dentro do filme, demonstrando através da quantidade e variedade de assuntos e meios utilizados, o absurdo do mundo em que vivemos e da espécie de informações com as quais a população é bombardeada todo o dia. Faremos um painel sobre a informação dando conta da violência, inserindo informações sobre quantidade desse tipo de informação e confrontando com a quantidade e espaço para outros tipos de informações, talvez menos importantes para a cultura do medo, como aquelas que dão conta e estimulam a diminuição das distâncias sociais (ao invés de estimularem uma cultura da defesa do seu terreno a qualquer custo). Entrevistas-ficção e/ou entrevistas irônicas: O intuito dessas entrevistas é criticar a lógica e justificativa dos entrevistados por meio de estímulos a que eles explicitem e defendam com veemência seus pontos de vista. À falta de depoimentos verdadeiros – que serão buscados – faremos entrevistas com atores contratados. O recurso principal aqui, tanto no caso das entrevistas reais e irônicas quanto nas entrevistas-ficção, será o da caricatura. 6.3 – Outros estratégias de abordagem: Imagens de arquivo, elas podem ser usadas, por exemplo, para: • Produzir um contraste ou diálogo entre passado e presente; • Demonstrar fatos ou idéias presentes no off ou na fala das personagens; • Produzir uma visualidade poética das personagens, utilizando, por exemplo, imagens com características de Super 8; • Experimentar o passado como lembranças suas ou dos personagens da história. • Etc, etc, etc. Encenação: • Reconstituir eventos do passado; • Revelar o caráter de discurso construído do documentário; • Ironia; • Etc, etc, etc. Observação: • Tentativa de imparcialidade (Impressão de que a vida e o real estão passando diante da câmera) Animação/Stop Motion: • Combinação de live action com animação. Lirismo. Imagens Abstratas: • Valoriza aspectos subjetivos das situações retratadas. Etc, etc, etc. 3
  • 4. 7 – Tratamento: Exposição de como o documentarista pretende organizar as Estratégias de Abordagem no corpo do filme. A apresentação pode ser feita livremente a partir de texto corrido ou blocado); 7. 1 - Exemplo de Tratamento de filme: Abertura Imagens de um jogo de dominó realizado em algum boteco da favela de Heliópolis. Mostraremos detalhes das peças: ou brancas com prontos negros, ou negras com pontos brancos. O áudio desta abertura será uma mistura do som direto local com os sons da partida de futebol Branco X Preto. Mostramos os participantes do jogo de dominó apenas de relance, sem mostrar quem é negro e quem é branco. Situação 1 Preguinho em sua casa na companhia de seu pai alemão e sua mãe brasileira e negra. Ele nos fala sobre o futebol, sobre como é jogar um ano em cada time, sobre suas brigar com o pai que gostaria de vê-lo jogando sempre com os brancos. Depoimentos de sua mãe, seu pai, amigos e irmãos. Saímos com Preguinho para uma volta na favela. Possíveis perguntas para Preguinho: 1 – Escrever aqui a pergunta 2 – Escrever aqui a pergunta 3 – Escrever aqui a pergunta Situação 2 Seguimos com o rapper Rappin Hood. Ele é negro e músico de rap. Nos fala de como o sucesso e a visibilidade na mídia influenciam a imagem que os outros e o próprio sujeito faz de sua identidade racial. Acompanhamos rappin Hood em sua casa, onde possui um estúdio no qual está compondo um rap para o jogo Preto X Branco. Possíveis perguntas para o o rapper Rappin Hood: 1 – Escrever aqui a pergunta 2 – Escrever aqui a pergunta 3 – Escrever aqui a pergunta Situação 3 Os veteranos (os chamados “sucatão”) do Preto X Branco nos contam sobre o surgimento do campeonato. Histórias, folclores, brigas e tretas são reveladas. Iremos ao boteco ao lado do campo, ponto de encontro durante o ano todo das figuras envolvidas no Preto X Branco. Possíveis perguntas: 1 – Escrever aqui a pergunta 2 – Escrever aqui a pergunta Situação 4 Aos moradores da favela de Heliópolis perguntaremos sobre o crescimento da favela, questões de urbanidade, o espaço físico reduzido, centro e periferia. Possíveis perguntas: aos moradores 1 – Escrever aqui a pergunta 4
  • 5. 2 – Escrever aqui a pergunta Situação 5 Em companhia de jogadores do time veterano, a equipe tenta encontrar o local exato do antigo campo Preto X Branco. Faremos quase uma expedição arqueológica, já que a área onde existia o campo está tomada por barracos e totalmente urbanizada. Situação 6 O dia do jogo propriamente dito. Com quatro câmeras: duas registrando a arquibancada e duas registrando o jogo. Por permanecermos na favela de Heliópolis dia e noite, durante uma semana, várias situações inesperadas serão incorporadas ao documentário. Durante todo o período em que a equipe ficar no local, existirá sempre uma câmera e um equipamento de som prontos para gravar depoimentos e registrar situações. 5
  • 6. 8 – Cronograma de Produção: Cronograma para Produção de Documentário TOTAL DA ETAPA (EM SEMANAS) ATIVIDADE Agosto 2ª a 4ª semana Setembro 1ª a 4ª semana Outubro 1ª a 4ª semana Novembro 1ª a 4ª semana PESQUISA Pesquisa Prévia X X X Conversa com os depoentes em potencial Projeto Escrito 1ª Versão 16/09/2009 Versão p/ avaliação 1º bimestre 30/09/2009 PRÉ PRODUÇÃO Preparação da filmagem: definir locação, aluguel de equipamento e definição da equipe técnica. Agenda com depoentes Reserva de equipamentos de filmagem (câmeras, microfone, etc) Reserva da Ilha de edição (para aqueles que forem editar na ilha da faculdade) Detalhamento da Pesquisa Melhorias no Projeto Escrito PRODUÇÃO Início das filmagens propriamente ditas. A produção confunde-se com a própria ação de fazer cinema. Filmagem PÓS PRODUÇÃO Subentende duas ações; a desprodução do set de filmagem e também a finalização do filme. Decupagem do material filmado Edição de Imagens Edição de Som Tratamento de Imagens e Sons Data limite p/ Entrega do filme 25/11/09 Referência: http://www.tvcultura.com.br/DocTv/ 6
  • 7. 8 – Cronograma de Produção: Cronograma para Produção de Documentário TOTAL DA ETAPA (EM SEMANAS) ATIVIDADE Agosto 2ª a 4ª semana Setembro 1ª a 4ª semana Outubro 1ª a 4ª semana Novembro 1ª a 4ª semana PESQUISA Pesquisa Prévia X X X Conversa com os depoentes em potencial Projeto Escrito 1ª Versão 16/09/2009 Versão p/ avaliação 1º bimestre 30/09/2009 PRÉ PRODUÇÃO Preparação da filmagem: definir locação, aluguel de equipamento e definição da equipe técnica. Agenda com depoentes Reserva de equipamentos de filmagem (câmeras, microfone, etc) Reserva da Ilha de edição (para aqueles que forem editar na ilha da faculdade) Detalhamento da Pesquisa Melhorias no Projeto Escrito PRODUÇÃO Início das filmagens propriamente ditas. A produção confunde-se com a própria ação de fazer cinema. Filmagem PÓS PRODUÇÃO Subentende duas ações; a desprodução do set de filmagem e também a finalização do filme. Decupagem do material filmado Edição de Imagens Edição de Som Tratamento de Imagens e Sons Data limite p/ Entrega do filme 25/11/09 Referência: http://www.tvcultura.com.br/DocTv/ 6