Ginov Antropologia

1.875 visualizações

Publicada em

Slides usados pela Dra Paula Pinto e Silva nas aulas de Antropologia

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.875
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ginov Antropologia

  1. 1. Aula 1 – 24.03.09 Bloco: Consumidor Tema: Conhecendo melhor o consumidor Disciplina: Antropologia e consumo Profa. Dra. Paula Pinto e Silva
  2. 2. Aula 1 – O ponto de vista do outro 1ª. Parte: Pressupostos teóricos da Antropologia 2ª. Parte: Pressupostos metodológicos da Etnografia Aula 2 – Estudos “etnográficos” aplicados ao mercado 1ª. Parte: Discussão de casos trazidos pelos alunos e pela professora. 2ª. Parte: Debate sobre o que é filme etnográfico
  3. 3. Aula 3 – Mudando de lugar 1ª. Parte: Montando um roteiro de observação 2ª. Parte: O grupo será dividido em 4 grupos menores e cada um escolherá um local a ser visitado e observado, durante cerca de 1 ½ ou 2 horas. Aula 4 – O que fazer com tudo isso? 1ª. Parte: Discussão dos relatórios de observação individual. Montagem de relatório coletivo, por grupo. Identificação de possibilidades, definidas a partir do campo. 2ª. Parte: Apresentação dos grupos. Encerramento.
  4. 4. Antropologia pode ser definida como: “Uma leitura do mundo social: como um conjunto de normas que visam aprofundar o conhecimento do homem pelo homem”. Roberto Da Matta
  5. 5. Homens não se diferenciam dos homens por sua espécie Ciências naturais: estudo de um conjunto de fatos que se repetem e são constantes Como produzir conhecimento sendo, ao mesmo tempo, investigado e investigador? Ciências sociais: estudo de fenômenos complexos; difícil isolar as causas e motivações Homens se diferenciam na forma de organizar e classificar suas experiências com o mundo.
  6. 6. Antropologia cultural e social Estuda o homem enquanto produtor e transformador da natureza Sociedade como conjunto de regras. Mas, quais regras?
  7. 7. Modos de produção econômica Técnicas Organização política Sistemas de parentesco Festas Religião
  8. 8. “Aquilo que os homens não pensam habitualmente em fixar na pedra ou no papel” – Claude Lévi-Strauss Os gestos As trocas simbólicas Detalhes da vida cotidiana Intenções Receitas culinárias Rituais
  9. 9. Antropólogo: Reconhece sua ignorância Estuda para trocar experiências humanas Reconhece a diferença humana a partir da diversidade de certos temas, problemas e materiais
  10. 10. Objeto tem ponto de vista, interpretações próprias e interrogações sobre nós e nossas certezas.
  11. 11. Estranhamento cultural: Parte do conhecimento antropológico Revoluciona o olhar Faz refletir sobre nossa própria cultura
  12. 12. “Se estamos presos a uma cultura somos cegos à dos outros e míopes à nossa”. François Laplantine É preciso reconhecer que a humanidade é plural Que não existe comportamento correto Que o centro do mundo tem diversas posições
  13. 13. Chineses e seus banheiros Indianos comendo Torcida de futebol na final Diferenças dentro de sistemas integrados Transformar o exótico no familiar Transformar o familiar no exótico
  14. 14. Observação participante – Observação direta Entrevistas em condições reais de vida - Convívio Análise de dados à luz de teoria Intenção de remontar um sistema de pensamento, trazendo à tona a realidade material e simbólica
  15. 15. Etnografia é: Escrita sobre uma ou mais características do comportamento social de um determinado grupo ou segmento de pessoas Antropologia é a perspectiva comparada
  16. 16. Etnografia procura captar pessoas, objetos, relações e idéias, dentro de um sistema de valores e significados. Valores não são físicos, nem biológicos, nem palpáveis – fazem parte de um sistema classificatório e de estruturas simbólicas que compõem a mente humana.
  17. 17. Aula 2 – 26.03.09 Bloco: Consumidor Tema: Conhecendo melhor o consumidor Disciplina: Antropologia e consumo Profa. Dra. Paula Pinto e Silva
  18. 18. Final da década de 1980 Informação qualitativa e particular Consumo – processo complexo Consumidor – imerso em redes Tendência menos sociológica, mais cultural (classe, gênero, sexo ) X (estilo de vida, visão de mundo, identidade)
  19. 19. Observar o consumidor Entender as diferenças, modos de pensar, modos de viver Mais do que identificar desejos presentes e futuros: Mapear diferentes lógicas e sistemas de classificação
  20. 20. Entendendo o ponto de vista “nativo” Exemplo: Pobreza Definições: material, espiritual, moral Significados: responsabilidade coletiva, individual, religiosa
  21. 21. Observados não se definiam como pobres “Pobre, mas honesto” “Pobre, mas limpinho” “Pobre, mas tenho um teto” A lógica só aparece quando se contextualiza o significado Para quem?
  22. 22. O desafio do antropólogo é relacionar o que as pessoas dizem que fazem com o que elas realmente fazem Quais significados atribuem ao que fazem e ao que gostariam de fazer
  23. 23. Etnografia ajuda a: Descobrir novos usos atribuídos aos produtos e idéias Quais as práticas a que são submetidos Exemplos: sabão em pó, cereais, palha de aço
  24. 24. “Etnografia oferece a consciência da importância de compreender a lógica e os valores atribuídos a produtos, serviços e conceitos” – Lívia Barbosa Estudo baseado na etnografia procura o conhecimento de dimensões simbólicas do consumo Comunidades simbólicas ou identidades culturais construídas
  25. 25. Aula 3 – 31.03.09 Bloco: Consumidor Tema: Conhecendo melhor o consumidor Disciplina: Antropologia e consumo Profa. Dra. Paula Pinto e Silva
  26. 26. “O Papalagui gosta do metal redondo e do papel pesado; gosta de meter para dentro da barriga muitos líquidos que saem das frutas mortas, além da carne de porco e da vaca, e de outros animais horríveis; mas ele gosta, principalmente, daquilo que não se pode pegar e que, no entanto, existe: o tempo”. (O Papalagui. Comentários de Tuiávii, chefe da tribo Tiavéa nos mares do sul).
  27. 27. Necessidade de estabelecer uma “boa distância”, que permita a comunicação e, ao mesmo tempo, a produção de conhecimento. Ética na produção de informações
  28. 28. “É necessário contrapor as idéias às emoções, o comportamento observado ao comentário que sobre ele tece o nativo, a visão que o antropólogo constrói da cultura à síntese inconsciente que, presente na ‘cabeça do nativo’, orienta e dá significado às suas ações” E.Durham
  29. 29. Aula 4 – 2.04.09 Bloco: Consumidor Tema: Conhecendo melhor o consumidor Disciplina: Antropologia e consumo Profa. Dra. Paula Pinto e Silva
  30. 30. Apresentação dos relatórios de campo Encerramento

×