SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Câncer de colo de
     útero
           CLIPPING

            Acadêmicos:

            Igor Rodrigues
            Ivah Avner
            Maurivan Carneiro
            Thiago Henrique
             Volnei Vinicius
            Wanessa Carvalho
OBJETIVOS
1.   Analisar pelo método clipping os possíveis acertos e erros
     encontrados em fontes de pesquisa popular (Google),
     relacionando-os com informações encontradas na
     literatura médica.
2.   Avaliar os sites de acordo com os critérios de pontuação,
     entre 1 e 25 pontos, evidenciando os fatores de risco,
     manifestações clínicas, diagnóstico,           tratamento,
     prognóstico, adequação a linguagem leiga e contato com
     equipe do analisando se estas informações estão
     adequadas para o público leigo.
 
INTRODUÇÃO
"O  colo uterino é tanto uma sentinela para
 infecções potencialmente sérias do trato genital
 superior quanto um alvo de vírus e outros
 carcinógenos que podem levar a um
 carcinoma invasivo."
 "No mundo todo, o carcinoma cervical é o
 segundo câncer mais comum em mulheres,
 com uma estimativa de 493.000 novos casos
 por ano, dos quais metade é fatal."
INTRODUÇÃO
"Nenhuma     outra forma de câncer
 documenta melhor os notáveis efeitos da
 triagem, diagnóstico precoce e terapia
 curativa sobre a taxa de mortalidade que o
 câncer de colo uterino."

                           (Abbas 2010)
METODOLOGIA
 Pesquisa   no site de busca www.google.com.br;

 Palavras-chave:   Câncer de colo de útero

 Análise   dos 10 primeiros resultados (google)
Critérios para avaliação
1.    Fatores de risco - 5,0 pontos

a) Múltiplos parceiros sexuais
b) Parceiro do sexo masculino   com múltiplas
   parceiras sexuais prévias e atuais
c) Idade precoce na primeira relação sexual
d) Alta paridade
e) Infecção persistente por HPV de alto risco
   oncogênico, por exemplo, HPV 16 ou HPV 18.
f) Imunossupressão
g) Uso de contraceptivos orais
h) Uso de nicotina
Critérios para avaliação
2. Aspectos Clínicos - 6 pontos

a)   Sangramento vaginal
b)   Corrimento Vaginal
c)   Massa palpável 
d)   Obstrução das vias urinárias e intestinos
e)   Dores lombares e abdominais
f)   Perda de apetite e de peso
Critérios para avaliação (cont.)
3. Diagnóstivo - 3 pontos

4. Tratamento - 4 pontos
   a)Histerectomia 
   b) Traquelectomia
   c) Exenteração
   d) Radioterapia
   e)Quimioterapia

5. Prognóstico - 3 pontos

6. Adequação a linguagem leiga - 3 pontos

7. Contato com equipe do site - 1 ponto


              TOTAL: 25 pontos
Critérios para avaliação (cont.)

Avaliação


 Bom - acima de 16 pontos
 Regular - entre 10 e 16 pontos
 Ruim - entre 1 e 9 pontos
SITES
SITES
Fatores de risco segundo a Lit.
Os  fatores de risco se relacionam aos processos
 que levam à formação de atipias celulares no colo
 de útero, ou seja, eles são os verdadeiros fatores
 de agressão à região. E a zona de transformação
 está mais susceptível à ação desses agentes.

1.  “O principal fator de risco           para o
 desenvolvimento de atipias na zona de
 transformação é a presença de HPV, responsável
 por 99% dos casos de neoplasia de colo de útero.”

                             Adaptado de: KUMAR, 2010
Fatores de risco segundo a
 Literatura Cont.
 2.   Idade precoce na primeira relação sexual
 3. Múltiplos parceiros sexuais
 4. Um parceiro com múltiplas parceiras sexuais ativas
 “Todos os outros estão subordinados a essas três
  influências, principalmente a dos múltiplos parceiros
  sexuais .”
 5.    Alta paridade
 6. Imunossupressão
 7. Uso de contraceptivos orais
 8. Uso de nicotina
                                Adaptado de: KUMAR, 2010
Análise Fatores de risco
  Ao analisar os fatores de risco, nenhum site obteve pontuação
  máxima. As notas variaram entre 1,0 ponto e 3,6 pontos (Máximo
  seria 5 pontos).
 A alta paridade associada a gênese do câncer de colo de útero, foi
  o fator menos citado. Os sites : INCA, Prevenção do câncer,
  Minha Vida, Saúde IG, ABC da saúde, ECCA, Md Saúde
  não fazem citação a este critério.
 A imunossupressão, foi o segundo aspecto menos citado. Foi dita
  como fator de risco apenas nos sites: Ecca, Md Saúde, Drauzio
  Varella e Labtestonline. ECCA, Md Saúde não fazem
  citação a este critério.
 Todos os sites citaram a infecção pelo HPV de alto risco como
  fator de altíssimo risco para a gênese do Câncer de colo de útero.
Classificação dos Fatores de risco
  Site       1º    2°    3°    4°    5°        6°       7°    8°   Total




  INCA       0,6   0,6   0,6   0     0,6   0        0,6      0,6    3,6



 Drauzio     0,6   0,6   0,6   0     0,6   0        0,6      0,6    3,6
 Varela


Minha vida   0,6   0,6   0,6   0     0,6   0        0        0,6   3,0



Saúde IG     0,6   0,6   0,6   0     0,6   0,6      0        0,6   3,6



 ABC da      0,6   0,6   0,6   0,6   0,6   0        0        0,6   3,6
  saúde
Classificação dos Fatores de risco
   Site       1º    2°    3°    4°   5°        6°        7°     8°   Total




MD saúde      0     0     0     0    0,6       0,6         0   0,6    1,8



Prevenção     0     0     0     0    0     0,6       0         0,6   1,2
de câncer


   ecca       0     0     0     0    0,6   0,6       0         0,6   1,8



Brasil.gov    0,6   0     0,6   0    0     0         0         0,6   1,8



Labtestsonl   0,6   0,6   0,6   0    0,6   0         0,6       0,6    3,6
    ine
Aspectos Clínicos segundo a
 Lit.
 “As   lesões intraepiteliais cervicais e os tumores em fases
  iniciais são geralmente assintomáticos. Por esses motivos , é
  consenso que todas as mulheres devem ser submetidas a
  exames periódicos com esfregaço de Papanicolau após se
  tornarem sexualmente ativas.”

 As  neoplasias em estágios mais avançados normalmente
  apresentam sintomas inespecíficos como:
 1. Sangramento vaginal
 2. Corrimento vaginal
 3. Obstrução da vias urinárias e intestinais
 4. Massa palpável
 5. Dores lombares e abdominais
 6. Perda de apetite e de peso


                                   Adaptado de: KUMAR, 2010
Análise Aspectos Clínicos
O    site Dráuzio Varela obteve “6”, portanto, pontuação
  máxima no quesito Aspectos clínicos.
 O site Saúde Ig obteve “5”, pois não cita massa palpável.
 O sites ABC da saúde e Inca obtiveram “4”, pois não cita
  massa palpável, perda de apetite e de peso.
 O site Minha vida obteve “3”, pois não cita massa palpável,
  obstrução das vias urinárias e intestinos, perda de apetite e
  de peso.
 O site prevenção de saúde obteve “1,5” pois aborda o
  conteúdo de forma superficial.
 O site Mdsaúde obteve “1” pois cita apenas um dos
  sintomas.
 Os sites Labtestonline e Brasil.gov obtiveram “0” por
  não abordarem os as aspectos.
Classificação dos Aspectos Clínicos
   Site       1º    2°    3°    4°    5°    6°    Total




   INCA       1,0   1,0   0     1,0   1,0   0      4,0



  Drauzio     1,0   1,0   1,0   1,0   1,0   1,0    6,0
  Varela


 Minha vida   1,0   1,0   0     0     1,0   0      3,0



 Saúde IG     1,0   1,0   0     1,0   1,0   1,0    5,0



  ABC da      1,0   1,0   1,0   1,0   0     0      4,0
   saúde
Classificação dos Aspectos Clínicos
   Site       1º    2°    3°   4°   5°   6°   Total




MD saúde      1,0   0     0    0    0    0     1,0



Prevenção     1,0   0,5   0    0    0    0     1,5
de câncer


  ECCA        1,0   0     0    0    0    0     1,0



Brasil.gov    0     0     0    0    0    0      0



Labtestsonl   0     0     0    0    0    0      0
    ine
Diagnóstico segundo a Lit.
“O  tripé citologia-colposcopia-histologia
 é que vai definir a localização das lesões,
 seu grau histológico, sua extensão em
 profundidade e sua ocupação glandular.”

1. Papanicolau
2. Colposcopia
3. Exame histológico
Análise Diagnóstico
 Os  sites Dráuzio varela e ABC da saúde obtiveram
  “3” pois relata de forma integra os tipos de
  diagnósticos.
 Os sites Minha vida e Saúde IG obtiveram “2” pois
  não deixam claro sobre o exame histológico.
 O site Inca obteve “1,5” pois não especifica ao leitor
  outros métodos para o diagnóstico da neoplasia de colo
  de útero.
 Os sites Prevenção de câncer e Mdsaúde
  obtiveram “1”, pois citam apenas a citologia cervical
  como forma de rastreio e diagnóstico.
 Os sites Labtestonline, ECCA e Brasil.gov
  obtiveram “0” pois não abordavam métodos
  diagnósticos.
Classificação do Diagnóstico
     Site       1º    2°    3°    Total




    INCA        1,0   0     0      1,0



   Drauzio      1,0   1,0   1,0    3,0
   Varela


  Minha vida    1,0   1,0   0      2,0



   Saúde IG     1,0   1,0   0      2,0



 ABC da Saúde   1,0   1,0   1,0    3,0
Classificação do Diagnóstico
     Site        1º    2°    3°    Total




  MD saúde       1,0   0     0      1,0



 Prevenção de    1,0   1,0   1,0    3,0
    Câncer


    ECCA         0     0     0       0



   Brasil.gov    0     0     0       0



 LABtestonline   0     0     0       0
Tratamento segundo a Lit.
“A  conduta terapêutica depende totalmente dos
 resultados da avaliação citologia-colposcopia-
 histologia.”
São elas:
1. Histerectomia
2. Traquelectomia
3. Exenteração
4. Radioterapia
5. Quimioterapia



                          Adaptado de: KUMAR, 2010
Análise Tratamento
 Os  sites saúde Ig e ABC da saúde receberam “3,2”
  em tratamento, não obtendo nota máxima, pois não
  havia informações sobre tratamento cirúrgico,
  quimioterápico e radioterápico. Tendo então, um
  conteúdo incompleto.
 O site Dráuzio Varela e labtestonline obteve “2,4”,
  pois não cita os tipos de cirurgias.
 O site Prevenção de câncer obteve “1,6’’ pois não
  cita todos os tipos de tratamento, caracterizando-o
  incompleto.
 Os sites Inca e Brasil.gov, receberam “1,6”, pois o
  trata superficialmente sobre o tratamento.
 Os sites Minha vida e Mdsaúde, obtiveram “0” pois
  não citam tratamento.
Classificação do Tratamento
  Site       1º    2°    3°   4°    5°    Total




  INCA       0,8   0     0    0,8   0      1,6



 Drauzio     0,8   0     0    0,8   0,8    2,4
 Varela


Minha vida   0     0     0    0     0       0



Saúde IG     0,8   0,8   0    0,8   0,8    3,2



 ABC da      0,8   0,8   0    0,8   0,8    3,2
  saúde
Classificação do Tratamento
       Site           1º    2°    3°   4°    5°    Total




    MD saúde          0     0     0    0     0       0



Prevenção de câncer   0,8   0,8   0    0     0      1,6



      ECCA            0     0     0    0     0       0



     Brasil.gov       0,8   0     0    0     0,8    1,6



  Labtestsonline      0,8   0     0    0,8   0,8    2,4
Prognóstico segundo a Lit.
“   O prognostico e sobrevida para os carcinomas
  invasivos dependem, em grande parte, do estágio que a
  neoplasia é encontrada.”
 Estágio I  5 anos de cerca de 80 a 90%;
 Estágio II  75%;
 Estágio III  35%;
 Estágio IV  A maioria das pacientes nesse estágio
  morre em consequência da extensão local do tumor.




                                Adaptado de: KUMAR, 2010
Análise Prognóstico
Comentário:        Durante nossa análise, este foi o aspecto em que a média
geral foi a menor.

 7 sites obtiveram pontuação mínima, ZERO pontos. (Drausio Varella,
ECCA,MD saúde, ABC da saúde, INCA, labtest online, brasil.gov).

 3  sites obtiveram nota, entretanto, uma nota considerada baixa, “1”, pois
tangenciam o critério "prognóstico".
   Os Sites que obtiveram nota: "Minha vida,Saúde IG,Prevenção do
câncer" declaram que se diagnosticado no início, as chances de cura são
excelentes. Não citam nenhum dado epidemiológico, ou fontes de dados
referentes a esta afirmação.
Adequação a linguagem leiga
“Os  níveis de linguagem dizem respeito ao uso da
 fala e escrita em uma determinada situação
 comunicativa. O emissor e o receptor devem estar
 em concordância para que haja entendimento.
 Assim sendo, cada ocasião exige uma linguagem
 diferente.”




Depoimento do Professor Carlos André, Colégio Olimpo – Goiânia
Análise Adequação a
           linguagem leiga
Comentário: “Todos os sites analisados, obtiveram
pontuação máxima neste aspecto, pois são claros, e de
fácil compreensão pelo público leigo.” 

“Vale ressaltar que nesta categoria de análise, o conteúdo
não foi avaliado, apenas a ADEQUAÇÃO de linguagem.”
Contato com equipe do site
  “A    busca por oferecer serviços de qualidade é uma
    ferramenta importante para identificar formas de criar mais
    valor para o relacionamento com o Internauta. Aliado a
    esse contexto encontra-se a possibilidade de contato com a
    equipe de desenvolvimento dos sites. Desta forma, o
    contato com o desenvolvedor desempenha um importante
    papel no processo de relacionamento e satisfação contínua
    do público, através de dúvidas que poderão surgir durante a
    leitura da literatura proposta em cada site, e então poderão
    ser elucidadas caso este contato se dê. ”
                                                       KOTLER 2006


KOTLER, P. Administração de marketing virtual. 12. ed. São Paulo: Pearson
                                                        Prentice Hall, 2006
Análise de Contato
Todos     os sites analisados receberam “0”
    no quesito: contato com a equipe
    responsável pelo site, pois não se
    obteve resposta para os e-mails enviados;
   O site Prevenção de saúde: Foi feito contato, através do número
    informado no site, ENTRETANTO, fomos instruídos a ligar em um outro
    momento, pois quem nos atendeu, era responsável apenas pela
    organização da agenda dos profissionais que atendem neste centro de
    prevenção, e a equipe responsável pelo site, é uma empresa terceirizada,
    todo conteúdo, é advindo da própia empresa (SIC) . Portanto, infere-se
    que o objetivo principal do site, é a propaganda da clínica e não a
    informação ao público, o que não se enquadra nas qualidades necessárias
    para obtenção de nota pela análise.
Pontuação final
  Site       F.R.   Aspect    Diag.   Tto   Prog.   A.L.L   Conta Total
                    Clínico                                  to

  INCA       3,6      4,0      1,0    1,6     0      3,0      0    13,2


 Drauzio     3,6      6,0      3,0    2,4     0      3,0      0    18
 Varela

Minha vida   3,0      3,0      2,0     0      1      3,0      0    12


Saúde IG     3,6      5,0      2,0    3,2     1      3,0      0    17,8


 ABC da      3,6      4,0      3,0    3,2     0      3,0      0    16,8
  saúde
Pontuação final
    Site         F.R   A.Clíni Diag   Tto   Prog. A.L.L Contat   Tot
                        cos      .                        o       al


  MD saúde       1,8    1,0    1,0     0     0     3,0    0      6,8


Prevenção de     1,2    1,5    3,0    1,6    1     3,0    0      11,3
   câncer

   ECCA          1,8    1,0     0      0     0     3,0    0      5,8


  Brasil.gov     1,8     0      0     1,6    0     3,0    0      6,4


Labtestsonline   3,6     0      0     2,4    0     3,0    0      9
CLASSIFICAÇÃO FINAL
1.  Dráuzio  18,0 - BOM
2. Saúde IG  17,8 - BOM
3. ABC da saúde  16,8 – BOM
4. Inca  13,2 - REGULAR
5. Minha vida  12,0 – REGULAR
6. Prevenção de câncer  11,3 - REGULAR
7. Labtestsonline  9,0 -REGULAR
8. MD saúde  6,8 – RUIM
9. Brasil.gov  6,4 – RUIM
10. Ecca  5,8 - RUIM
Considerações Finais
      Analisando-se os conteúdos       dos sites
pesquisados observou-se que as informações
veiculadas, em sua          maioria, encontram-se
relativamente satisfatórias. Porém observou-se
também a falta de algumas informações
importantes para o esclarecimento de duvidas para
publico na maioria dos sites(Inca, Minha vida,
Prevenção de câncer, Labtestsonline, MD
saúde, Brasil.gov e Ecca ).
Considerações Finais Cont.
      Portanto, conclui-se que dos dez sites
avaliados, os que melhores podem ser usado para o
esclarecimento de duvidas para o publico são
Dráuzio, Saúde IG e ABC da saúde. Pois
evidenciam de maneira adequada os fatores de
risco, manifestações clínicas, diagnóstico,
tratamento, prognóstico, adequação a linguagem
leiga e contato com equipe do analisando se estas
informações estão adequadas para o público leigo.
Referências Bibliográficas
   BASTOS, Álvaro da Cunha;
    Ginecologia. 11ª ed. São Paulo:
    Atheneu, 2006;

   BEREK, Jonathan S. Tratado de
    Ginecologia. 14ª ed.Rio de Janeiro:
    Guanabara e Koogan, 2008;

   KUMAR, Vinay, ABBAS, Abul K,
    FAUSTO, Nelson. Patologia - Bases
    Patológicas das Doenças. 7. ed. Rio de
    Janeiro: Elsevier, 2005;
Referências Bibliográficas (cont.)
   http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home+/c
    olo_utero/definicao (acesso em: 09/03/2013)
   http://drauziovarella.com.br/mulher-2/cancer-de-colo-de-utero/ (acesso
    em: 09/03/2013)
   http://www.minhavida.com.br/saude/temas/cancer-de-colo-do-
    utero#.UT_DAxxQG4Y (acesso em: 09/03/2013)
   http://saude.ig.com.br/minhasaude/enciclopedia/cancer-de-colo-do-
    utero/ref1238131525203.html (acesso em: 09/03/2013)
   http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?688          (acesso em:
    09/03/2013)
   http://www.mdsaude.com/2009/09/hpv-cancer-colo-
    utero.html#.UT_DFhxQG4Y (acesso em: 10/03/2013)
   http://www.prevencaodecancer.com.br/cancer-do-colo-do-
    utero.html (acesso em: 10/03/2013)
   http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/manual_profissionaisdes
    aude.pdf (acesso em: 10/03/2013)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de MamaSaúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de MamaBruna Oliveira
 
Câncer de mama e de colo uterino
Câncer de mama e de colo uterinoCâncer de mama e de colo uterino
Câncer de mama e de colo uterinoStelli Freitas
 
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoFarmacêutico Digital
 
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoLesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoitsufpr
 
Câncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroCâncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroRaphael Santana
 
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroOutubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroPaulaRhuama
 
Se cuidar está na moda
Se cuidar está na modaSe cuidar está na moda
Se cuidar está na modaluisadettoni
 
Apresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaApresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaVanessa Serrano
 
Seminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaSeminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaThiessa Vieira
 
Previna o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de úteroPrevina o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de úteroCLESIOANDRADE
 
Cartilha cancer de_colo_utero
Cartilha cancer de_colo_uteroCartilha cancer de_colo_utero
Cartilha cancer de_colo_uterokarol_ribeiro
 
Seminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaSeminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaMathielly Samara
 

Mais procurados (20)

Prevenção de câncer de colo do útero
Prevenção de câncer de colo do úteroPrevenção de câncer de colo do útero
Prevenção de câncer de colo do útero
 
Cancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero prontoCancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero pronto
 
Cancêr de mama
Cancêr de mamaCancêr de mama
Cancêr de mama
 
Saúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de MamaSaúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de Mama
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Câncer de mama e de colo uterino
Câncer de mama e de colo uterinoCâncer de mama e de colo uterino
Câncer de mama e de colo uterino
 
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
 
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoLesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Câncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroCâncer do colo do útero
Câncer do colo do útero
 
Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
 
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroOutubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
 
Se cuidar está na moda
Se cuidar está na modaSe cuidar está na moda
Se cuidar está na moda
 
Apresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaApresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mama
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Seminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaSeminário câncer de mama
Seminário câncer de mama
 
Previna o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de úteroPrevina o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de útero
 
Cartilha cancer de_colo_utero
Cartilha cancer de_colo_uteroCartilha cancer de_colo_utero
Cartilha cancer de_colo_utero
 
Seminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaSeminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mama
 

Semelhante a Câncer de colo de útero: análise de sites sobre fatores de risco e sintomas

Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfCristina Costa
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfCristina Costa
 
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Paulo Albuquerque
 
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdfmitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdfLuhLuh10
 
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...Eno Filho
 
A CRIANÇA E ADOLESCENTE DEVE TER MATURIDADE FÍSICA E MENTAL, TER TENTADO PER...
 A CRIANÇA E ADOLESCENTE DEVE TER MATURIDADE FÍSICA E MENTAL, TER TENTADO PER... A CRIANÇA E ADOLESCENTE DEVE TER MATURIDADE FÍSICA E MENTAL, TER TENTADO PER...
A CRIANÇA E ADOLESCENTE DEVE TER MATURIDADE FÍSICA E MENTAL, TER TENTADO PER...Van Der Häägen Brazil
 
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfCartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfmaxion03
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Silvio Bromberg
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Silvio Bromberg
 
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.PauloFórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.PauloOncoguia
 

Semelhante a Câncer de colo de útero: análise de sites sobre fatores de risco e sintomas (20)

Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
 
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do ÚteroDiretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
 
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
 
Rastreamento
RastreamentoRastreamento
Rastreamento
 
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do ÚteroDiretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
 
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdfmitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
 
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
 
A CRIANÇA E ADOLESCENTE DEVE TER MATURIDADE FÍSICA E MENTAL, TER TENTADO PER...
 A CRIANÇA E ADOLESCENTE DEVE TER MATURIDADE FÍSICA E MENTAL, TER TENTADO PER... A CRIANÇA E ADOLESCENTE DEVE TER MATURIDADE FÍSICA E MENTAL, TER TENTADO PER...
A CRIANÇA E ADOLESCENTE DEVE TER MATURIDADE FÍSICA E MENTAL, TER TENTADO PER...
 
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfCartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
 
Aula screening abril2014
Aula screening abril2014Aula screening abril2014
Aula screening abril2014
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Sb debate em saude
Sb debate em saudeSb debate em saude
Sb debate em saude
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
G1103015156
G1103015156G1103015156
G1103015156
 
Diretrizes SBU - Câncer de Próstata
Diretrizes SBU - Câncer de PróstataDiretrizes SBU - Câncer de Próstata
Diretrizes SBU - Câncer de Próstata
 
Rastreamneto do cancer de prostata
Rastreamneto do cancer de prostata Rastreamneto do cancer de prostata
Rastreamneto do cancer de prostata
 
cartilha_cancer_de_mama_2022.pdf
cartilha_cancer_de_mama_2022.pdfcartilha_cancer_de_mama_2022.pdf
cartilha_cancer_de_mama_2022.pdf
 
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.PauloFórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
Fórum Nacional Oncoguia é destaque na Folha de S.Paulo
 
Monografia Rizia Enfermagem 2012
Monografia Rizia Enfermagem 2012Monografia Rizia Enfermagem 2012
Monografia Rizia Enfermagem 2012
 

Mais de Thiago Henrique

Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarctionCoronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarctionThiago Henrique
 
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve inTranscatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve inThiago Henrique
 
Métodos contraceptivos trabalho internato
Métodos contraceptivos   trabalho internatoMétodos contraceptivos   trabalho internato
Métodos contraceptivos trabalho internatoThiago Henrique
 
Mola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaMola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaThiago Henrique
 
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)Thiago Henrique
 
Seminario pato ca esofago (1)
Seminario pato ca esofago (1)Seminario pato ca esofago (1)
Seminario pato ca esofago (1)Thiago Henrique
 
Morfologia da síndrome de cushing
Morfologia da síndrome de cushingMorfologia da síndrome de cushing
Morfologia da síndrome de cushingThiago Henrique
 
Caso clínico Furúnculo
Caso clínico FurúnculoCaso clínico Furúnculo
Caso clínico FurúnculoThiago Henrique
 

Mais de Thiago Henrique (15)

Clube de revista
Clube de revistaClube de revista
Clube de revista
 
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarctionCoronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
 
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve inTranscatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
 
Oncologia ginecologica
Oncologia ginecologicaOncologia ginecologica
Oncologia ginecologica
 
Métodos contraceptivos trabalho internato
Métodos contraceptivos   trabalho internatoMétodos contraceptivos   trabalho internato
Métodos contraceptivos trabalho internato
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
 
Mola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaMola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completa
 
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
 
Seminario pato ca esofago (1)
Seminario pato ca esofago (1)Seminario pato ca esofago (1)
Seminario pato ca esofago (1)
 
Imunocancer
ImunocancerImunocancer
Imunocancer
 
Obesidadecerto (1)
Obesidadecerto (1)Obesidadecerto (1)
Obesidadecerto (1)
 
Morfologia da síndrome de cushing
Morfologia da síndrome de cushingMorfologia da síndrome de cushing
Morfologia da síndrome de cushing
 
Rcu
RcuRcu
Rcu
 
Osteossarcoma
OsteossarcomaOsteossarcoma
Osteossarcoma
 
Caso clínico Furúnculo
Caso clínico FurúnculoCaso clínico Furúnculo
Caso clínico Furúnculo
 

Câncer de colo de útero: análise de sites sobre fatores de risco e sintomas

  • 1. Câncer de colo de útero CLIPPING Acadêmicos: Igor Rodrigues Ivah Avner Maurivan Carneiro Thiago Henrique Volnei Vinicius Wanessa Carvalho
  • 2. OBJETIVOS 1. Analisar pelo método clipping os possíveis acertos e erros encontrados em fontes de pesquisa popular (Google), relacionando-os com informações encontradas na literatura médica. 2. Avaliar os sites de acordo com os critérios de pontuação, entre 1 e 25 pontos, evidenciando os fatores de risco, manifestações clínicas, diagnóstico, tratamento, prognóstico, adequação a linguagem leiga e contato com equipe do analisando se estas informações estão adequadas para o público leigo.  
  • 3. INTRODUÇÃO "O colo uterino é tanto uma sentinela para infecções potencialmente sérias do trato genital superior quanto um alvo de vírus e outros carcinógenos que podem levar a um carcinoma invasivo." "No mundo todo, o carcinoma cervical é o segundo câncer mais comum em mulheres, com uma estimativa de 493.000 novos casos por ano, dos quais metade é fatal."
  • 4. INTRODUÇÃO "Nenhuma outra forma de câncer documenta melhor os notáveis efeitos da triagem, diagnóstico precoce e terapia curativa sobre a taxa de mortalidade que o câncer de colo uterino." (Abbas 2010)
  • 5. METODOLOGIA  Pesquisa no site de busca www.google.com.br;  Palavras-chave: Câncer de colo de útero  Análise dos 10 primeiros resultados (google)
  • 6. Critérios para avaliação 1. Fatores de risco - 5,0 pontos a) Múltiplos parceiros sexuais b) Parceiro do sexo masculino com múltiplas parceiras sexuais prévias e atuais c) Idade precoce na primeira relação sexual d) Alta paridade e) Infecção persistente por HPV de alto risco oncogênico, por exemplo, HPV 16 ou HPV 18. f) Imunossupressão g) Uso de contraceptivos orais h) Uso de nicotina
  • 7. Critérios para avaliação 2. Aspectos Clínicos - 6 pontos a) Sangramento vaginal b) Corrimento Vaginal c) Massa palpável  d) Obstrução das vias urinárias e intestinos e) Dores lombares e abdominais f) Perda de apetite e de peso
  • 8. Critérios para avaliação (cont.) 3. Diagnóstivo - 3 pontos 4. Tratamento - 4 pontos a)Histerectomia  b) Traquelectomia c) Exenteração d) Radioterapia e)Quimioterapia 5. Prognóstico - 3 pontos 6. Adequação a linguagem leiga - 3 pontos 7. Contato com equipe do site - 1 ponto TOTAL: 25 pontos
  • 9. Critérios para avaliação (cont.) Avaliação Bom - acima de 16 pontos Regular - entre 10 e 16 pontos Ruim - entre 1 e 9 pontos
  • 10. SITES
  • 11. SITES
  • 12. Fatores de risco segundo a Lit. Os fatores de risco se relacionam aos processos que levam à formação de atipias celulares no colo de útero, ou seja, eles são os verdadeiros fatores de agressão à região. E a zona de transformação está mais susceptível à ação desses agentes. 1. “O principal fator de risco para o desenvolvimento de atipias na zona de transformação é a presença de HPV, responsável por 99% dos casos de neoplasia de colo de útero.” Adaptado de: KUMAR, 2010
  • 13. Fatores de risco segundo a Literatura Cont.  2. Idade precoce na primeira relação sexual  3. Múltiplos parceiros sexuais  4. Um parceiro com múltiplas parceiras sexuais ativas  “Todos os outros estão subordinados a essas três influências, principalmente a dos múltiplos parceiros sexuais .”  5. Alta paridade  6. Imunossupressão  7. Uso de contraceptivos orais  8. Uso de nicotina Adaptado de: KUMAR, 2010
  • 14. Análise Fatores de risco   Ao analisar os fatores de risco, nenhum site obteve pontuação máxima. As notas variaram entre 1,0 ponto e 3,6 pontos (Máximo seria 5 pontos).  A alta paridade associada a gênese do câncer de colo de útero, foi o fator menos citado. Os sites : INCA, Prevenção do câncer, Minha Vida, Saúde IG, ABC da saúde, ECCA, Md Saúde não fazem citação a este critério.  A imunossupressão, foi o segundo aspecto menos citado. Foi dita como fator de risco apenas nos sites: Ecca, Md Saúde, Drauzio Varella e Labtestonline. ECCA, Md Saúde não fazem citação a este critério.  Todos os sites citaram a infecção pelo HPV de alto risco como fator de altíssimo risco para a gênese do Câncer de colo de útero.
  • 15. Classificação dos Fatores de risco Site 1º 2° 3° 4° 5° 6° 7° 8° Total INCA 0,6 0,6 0,6 0 0,6 0 0,6 0,6 3,6 Drauzio 0,6 0,6 0,6 0 0,6 0 0,6 0,6 3,6 Varela Minha vida 0,6 0,6 0,6 0 0,6 0 0 0,6 3,0 Saúde IG 0,6 0,6 0,6 0 0,6 0,6 0 0,6 3,6 ABC da 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0 0 0,6 3,6 saúde
  • 16. Classificação dos Fatores de risco Site 1º 2° 3° 4° 5° 6° 7° 8° Total MD saúde 0 0 0 0 0,6 0,6 0 0,6 1,8 Prevenção 0 0 0 0 0 0,6 0 0,6 1,2 de câncer ecca 0 0 0 0 0,6 0,6 0 0,6 1,8 Brasil.gov 0,6 0 0,6 0 0 0 0 0,6 1,8 Labtestsonl 0,6 0,6 0,6 0 0,6 0 0,6 0,6 3,6 ine
  • 17. Aspectos Clínicos segundo a Lit.  “As lesões intraepiteliais cervicais e os tumores em fases iniciais são geralmente assintomáticos. Por esses motivos , é consenso que todas as mulheres devem ser submetidas a exames periódicos com esfregaço de Papanicolau após se tornarem sexualmente ativas.”  As neoplasias em estágios mais avançados normalmente apresentam sintomas inespecíficos como:  1. Sangramento vaginal  2. Corrimento vaginal  3. Obstrução da vias urinárias e intestinais  4. Massa palpável  5. Dores lombares e abdominais  6. Perda de apetite e de peso Adaptado de: KUMAR, 2010
  • 18. Análise Aspectos Clínicos O site Dráuzio Varela obteve “6”, portanto, pontuação máxima no quesito Aspectos clínicos.  O site Saúde Ig obteve “5”, pois não cita massa palpável.  O sites ABC da saúde e Inca obtiveram “4”, pois não cita massa palpável, perda de apetite e de peso.  O site Minha vida obteve “3”, pois não cita massa palpável, obstrução das vias urinárias e intestinos, perda de apetite e de peso.  O site prevenção de saúde obteve “1,5” pois aborda o conteúdo de forma superficial.  O site Mdsaúde obteve “1” pois cita apenas um dos sintomas.  Os sites Labtestonline e Brasil.gov obtiveram “0” por não abordarem os as aspectos.
  • 19. Classificação dos Aspectos Clínicos Site 1º 2° 3° 4° 5° 6° Total INCA 1,0 1,0 0 1,0 1,0 0 4,0 Drauzio 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 6,0 Varela Minha vida 1,0 1,0 0 0 1,0 0 3,0 Saúde IG 1,0 1,0 0 1,0 1,0 1,0 5,0 ABC da 1,0 1,0 1,0 1,0 0 0 4,0 saúde
  • 20. Classificação dos Aspectos Clínicos Site 1º 2° 3° 4° 5° 6° Total MD saúde 1,0 0 0 0 0 0 1,0 Prevenção 1,0 0,5 0 0 0 0 1,5 de câncer ECCA 1,0 0 0 0 0 0 1,0 Brasil.gov 0 0 0 0 0 0 0 Labtestsonl 0 0 0 0 0 0 0 ine
  • 21. Diagnóstico segundo a Lit. “O tripé citologia-colposcopia-histologia é que vai definir a localização das lesões, seu grau histológico, sua extensão em profundidade e sua ocupação glandular.” 1. Papanicolau 2. Colposcopia 3. Exame histológico
  • 22. Análise Diagnóstico  Os sites Dráuzio varela e ABC da saúde obtiveram “3” pois relata de forma integra os tipos de diagnósticos.  Os sites Minha vida e Saúde IG obtiveram “2” pois não deixam claro sobre o exame histológico.  O site Inca obteve “1,5” pois não especifica ao leitor outros métodos para o diagnóstico da neoplasia de colo de útero.  Os sites Prevenção de câncer e Mdsaúde obtiveram “1”, pois citam apenas a citologia cervical como forma de rastreio e diagnóstico.  Os sites Labtestonline, ECCA e Brasil.gov obtiveram “0” pois não abordavam métodos diagnósticos.
  • 23. Classificação do Diagnóstico Site 1º 2° 3° Total INCA 1,0 0 0 1,0 Drauzio 1,0 1,0 1,0 3,0 Varela Minha vida 1,0 1,0 0 2,0 Saúde IG 1,0 1,0 0 2,0 ABC da Saúde 1,0 1,0 1,0 3,0
  • 24. Classificação do Diagnóstico Site 1º 2° 3° Total MD saúde 1,0 0 0 1,0 Prevenção de 1,0 1,0 1,0 3,0 Câncer ECCA 0 0 0 0 Brasil.gov 0 0 0 0 LABtestonline 0 0 0 0
  • 25. Tratamento segundo a Lit. “A conduta terapêutica depende totalmente dos resultados da avaliação citologia-colposcopia- histologia.” São elas: 1. Histerectomia 2. Traquelectomia 3. Exenteração 4. Radioterapia 5. Quimioterapia Adaptado de: KUMAR, 2010
  • 26. Análise Tratamento  Os sites saúde Ig e ABC da saúde receberam “3,2” em tratamento, não obtendo nota máxima, pois não havia informações sobre tratamento cirúrgico, quimioterápico e radioterápico. Tendo então, um conteúdo incompleto.  O site Dráuzio Varela e labtestonline obteve “2,4”, pois não cita os tipos de cirurgias.  O site Prevenção de câncer obteve “1,6’’ pois não cita todos os tipos de tratamento, caracterizando-o incompleto.  Os sites Inca e Brasil.gov, receberam “1,6”, pois o trata superficialmente sobre o tratamento.  Os sites Minha vida e Mdsaúde, obtiveram “0” pois não citam tratamento.
  • 27. Classificação do Tratamento Site 1º 2° 3° 4° 5° Total INCA 0,8 0 0 0,8 0 1,6 Drauzio 0,8 0 0 0,8 0,8 2,4 Varela Minha vida 0 0 0 0 0 0 Saúde IG 0,8 0,8 0 0,8 0,8 3,2 ABC da 0,8 0,8 0 0,8 0,8 3,2 saúde
  • 28. Classificação do Tratamento Site 1º 2° 3° 4° 5° Total MD saúde 0 0 0 0 0 0 Prevenção de câncer 0,8 0,8 0 0 0 1,6 ECCA 0 0 0 0 0 0 Brasil.gov 0,8 0 0 0 0,8 1,6 Labtestsonline 0,8 0 0 0,8 0,8 2,4
  • 29. Prognóstico segundo a Lit. “ O prognostico e sobrevida para os carcinomas invasivos dependem, em grande parte, do estágio que a neoplasia é encontrada.”  Estágio I  5 anos de cerca de 80 a 90%;  Estágio II  75%;  Estágio III  35%;  Estágio IV  A maioria das pacientes nesse estágio morre em consequência da extensão local do tumor. Adaptado de: KUMAR, 2010
  • 30. Análise Prognóstico Comentário: Durante nossa análise, este foi o aspecto em que a média geral foi a menor.  7 sites obtiveram pontuação mínima, ZERO pontos. (Drausio Varella, ECCA,MD saúde, ABC da saúde, INCA, labtest online, brasil.gov).  3 sites obtiveram nota, entretanto, uma nota considerada baixa, “1”, pois tangenciam o critério "prognóstico". Os Sites que obtiveram nota: "Minha vida,Saúde IG,Prevenção do câncer" declaram que se diagnosticado no início, as chances de cura são excelentes. Não citam nenhum dado epidemiológico, ou fontes de dados referentes a esta afirmação.
  • 31. Adequação a linguagem leiga “Os níveis de linguagem dizem respeito ao uso da fala e escrita em uma determinada situação comunicativa. O emissor e o receptor devem estar em concordância para que haja entendimento. Assim sendo, cada ocasião exige uma linguagem diferente.” Depoimento do Professor Carlos André, Colégio Olimpo – Goiânia
  • 32. Análise Adequação a linguagem leiga Comentário: “Todos os sites analisados, obtiveram pontuação máxima neste aspecto, pois são claros, e de fácil compreensão pelo público leigo.”  “Vale ressaltar que nesta categoria de análise, o conteúdo não foi avaliado, apenas a ADEQUAÇÃO de linguagem.”
  • 33. Contato com equipe do site  “A busca por oferecer serviços de qualidade é uma ferramenta importante para identificar formas de criar mais valor para o relacionamento com o Internauta. Aliado a esse contexto encontra-se a possibilidade de contato com a equipe de desenvolvimento dos sites. Desta forma, o contato com o desenvolvedor desempenha um importante papel no processo de relacionamento e satisfação contínua do público, através de dúvidas que poderão surgir durante a leitura da literatura proposta em cada site, e então poderão ser elucidadas caso este contato se dê. ” KOTLER 2006 KOTLER, P. Administração de marketing virtual. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006
  • 34. Análise de Contato Todos os sites analisados receberam “0” no quesito: contato com a equipe responsável pelo site, pois não se obteve resposta para os e-mails enviados;  O site Prevenção de saúde: Foi feito contato, através do número informado no site, ENTRETANTO, fomos instruídos a ligar em um outro momento, pois quem nos atendeu, era responsável apenas pela organização da agenda dos profissionais que atendem neste centro de prevenção, e a equipe responsável pelo site, é uma empresa terceirizada, todo conteúdo, é advindo da própia empresa (SIC) . Portanto, infere-se que o objetivo principal do site, é a propaganda da clínica e não a informação ao público, o que não se enquadra nas qualidades necessárias para obtenção de nota pela análise.
  • 35.
  • 36. Pontuação final Site F.R. Aspect Diag. Tto Prog. A.L.L Conta Total Clínico to INCA 3,6 4,0 1,0 1,6 0 3,0 0 13,2 Drauzio 3,6 6,0 3,0 2,4 0 3,0 0 18 Varela Minha vida 3,0 3,0 2,0 0 1 3,0 0 12 Saúde IG 3,6 5,0 2,0 3,2 1 3,0 0 17,8 ABC da 3,6 4,0 3,0 3,2 0 3,0 0 16,8 saúde
  • 37. Pontuação final Site F.R A.Clíni Diag Tto Prog. A.L.L Contat Tot cos . o al MD saúde 1,8 1,0 1,0 0 0 3,0 0 6,8 Prevenção de 1,2 1,5 3,0 1,6 1 3,0 0 11,3 câncer ECCA 1,8 1,0 0 0 0 3,0 0 5,8 Brasil.gov 1,8 0 0 1,6 0 3,0 0 6,4 Labtestsonline 3,6 0 0 2,4 0 3,0 0 9
  • 38. CLASSIFICAÇÃO FINAL 1. Dráuzio  18,0 - BOM 2. Saúde IG  17,8 - BOM 3. ABC da saúde  16,8 – BOM 4. Inca  13,2 - REGULAR 5. Minha vida  12,0 – REGULAR 6. Prevenção de câncer  11,3 - REGULAR 7. Labtestsonline  9,0 -REGULAR 8. MD saúde  6,8 – RUIM 9. Brasil.gov  6,4 – RUIM 10. Ecca  5,8 - RUIM
  • 39. Considerações Finais  Analisando-se os conteúdos dos sites pesquisados observou-se que as informações veiculadas, em sua maioria, encontram-se relativamente satisfatórias. Porém observou-se também a falta de algumas informações importantes para o esclarecimento de duvidas para publico na maioria dos sites(Inca, Minha vida, Prevenção de câncer, Labtestsonline, MD saúde, Brasil.gov e Ecca ).
  • 40. Considerações Finais Cont.  Portanto, conclui-se que dos dez sites avaliados, os que melhores podem ser usado para o esclarecimento de duvidas para o publico são Dráuzio, Saúde IG e ABC da saúde. Pois evidenciam de maneira adequada os fatores de risco, manifestações clínicas, diagnóstico, tratamento, prognóstico, adequação a linguagem leiga e contato com equipe do analisando se estas informações estão adequadas para o público leigo.
  • 41. Referências Bibliográficas  BASTOS, Álvaro da Cunha; Ginecologia. 11ª ed. São Paulo: Atheneu, 2006;  BEREK, Jonathan S. Tratado de Ginecologia. 14ª ed.Rio de Janeiro: Guanabara e Koogan, 2008;  KUMAR, Vinay, ABBAS, Abul K, FAUSTO, Nelson. Patologia - Bases Patológicas das Doenças. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005;
  • 42. Referências Bibliográficas (cont.)  http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home+/c olo_utero/definicao (acesso em: 09/03/2013)  http://drauziovarella.com.br/mulher-2/cancer-de-colo-de-utero/ (acesso em: 09/03/2013)  http://www.minhavida.com.br/saude/temas/cancer-de-colo-do- utero#.UT_DAxxQG4Y (acesso em: 09/03/2013)  http://saude.ig.com.br/minhasaude/enciclopedia/cancer-de-colo-do- utero/ref1238131525203.html (acesso em: 09/03/2013)  http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?688 (acesso em: 09/03/2013)  http://www.mdsaude.com/2009/09/hpv-cancer-colo- utero.html#.UT_DFhxQG4Y (acesso em: 10/03/2013)  http://www.prevencaodecancer.com.br/cancer-do-colo-do- utero.html (acesso em: 10/03/2013)  http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/manual_profissionaisdes aude.pdf (acesso em: 10/03/2013)