5 concepção de projectos

819 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
819
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

5 concepção de projectos

  1. 1. 5 PLANEAMENTO E GESTÃO DE PROJECTOS HNA Coimbra,Maio de 2009
  2. 2. TIPO DE ESTUDO CICLO DE VIDA DO PROJECTO ESTUDO DE 1 - ESTUDAR A SITUAÇÃO INSATISFATÓRIAPROCEDIMENTOS OPORTUNIDADEINTERACTIVOS AOLONGO DA ESTUDO DE PRE- 2 - DECIDIR QUAIS AS RESPOSTASREALIZAÇÃO DO NECESSÁRIAS PARA MELHORAR A EXEQUIBILIDADE SITUAÇÃOPROJECTO ESTUDO DE 3 - ESCOLHER.FORMULAR- AVALIAR OS OBJECTIVOSNoce, Tony e Paradowski, EXEQUIBILIDADE 4 - DEFINIR OS MEIOS, OSPatrick (2001). Elaborer un ACTORES, OS RECURSOS.project. Guide stratégique. De 5 - CONCEBER OS INSTRUMENTOSl’intention à l’action. Lyion : DE CONDUÇÃO, DE ALERTA E DEChronique Sociale, 28. AVALIAÇÃO 6 - ELABORAR O DOSSIER DE FINANCIAMENTO E DE COMUNICAÇÃO.
  3. 3. O DESENVOLVIMENTO DAS 6 FASES EXIGE: UM SABER-FAZER METODOLÓGICO E TECNICO UM BOM CONHECIMENTO DO MEIO CAPACIDADE DE GESTÃO A INEXISTÊNCIA ADEQUAÇÃO ENTRE OS OBJECTIVOS VISADOS, AS ACÇÕES REALIZADAS, OS MEIOS E OS RECURSOS DA SUA REALIZAÇÃO CONSTITUI A PRINCIPAL CAUSA DE INSUCESSO DE UM PROJECTO.
  4. 4. O TRABALHO POR PROJECTOS É CADA VEZ MAIS UMA FORMA DE CONDUÇÃO DE ACÇÕES QUE PARECE ADAPTADA À INTERVENÇÃO NA COMPLEXIDADE E NA ESCASSEZ CONSTANTE DE RECURSOS(…) A METODOLOGIA PARTICIPATIVA DE PROJECTO EMERGE COMO UMA FORMA EFICAZ E ACTIVA DE O FAZER. (Guerra, 2000: 125)
  5. 5. A METODOLOGIA PARTICIPATIVA DOPROJECTO NÃO SE REDUZ A UMADIMENSÃO INTELECTUAL, ELA EXIGE UMAGESTÃO EFICAZ E COMPLEXA COMDIFERENTES DIMENSÕES:
  6. 6. PLANEAMENTO ORGANIZAÇÃONEGOCIAÇÃO ACOMPANHAMENTOMOTIVAÇÃO AVALIAÇÃO GESTÃO DE PROJECTO DOCUMENTAÇÃO OBSERVATÓRIO PESQUISA GESTÃO FINANCEIRA LOGÍSTICA
  7. 7. ETAPAS CONSTRUÇ DA CONSTRUÇÃO DE UM PROJECTOUM PROJECTO É SOBRETUDO ARESPOSTA AO DESEJO DE MOBILIZAR ASENERGIAS DISPONÍVEIS COM O OBJECTIVODE MAXIMIZAR AS POTENCIALIDADESENDÓGENAS DE UM SISTEMA DE ACÇÃOGARANTINDO O MÁXIMO BEM-ESTAR PARAO MÁXIMO DE PESSOAS.
  8. 8. A metodologia de construção de projectosconstitui um método de pensamento quepermite uma gestão mais eficaz dasorganizações.A metodologia de projecto é “uma forma deprevenção prospectiva”.
  9. 9. ESQUEMA GERALDA METODOLOGIA DE PROJECTO
  10. 10. TAXONOMIA DOS PROJECTOS ENCONTRADOS NAS SITUAÇÕES QUOTIDIANAS DA EXISTÊNCIA Projecto adolescente de orientação e de inserção • Projecto de orientação escolar • Projecto de inserção profissional • Projecto de vida Projecto vocacional do adulto Situações • Projecto pessoal • Projecto vocacional de emprego, de competência, deexistenciais em mobilidade • Projecto de carreira projecto Projecto de reforma • Projecto de retirada • Projecto de retirada Projecto de formaçãoActividades em Projecto terapêutico Projecto de organização territorial projecto Projecto de desenvolvimento Projecto de pesquisa Objectos em Projecto de Lei Projecto de construção de um edifício projecto Projecto de dispositivo técnico O projecto de referência(educativo, terapêutico,…)Organizações em O projecto experimental e participativo Projecto de empresa projecto Gestão por projecto O projecto híbrido (projecto de um partido político) O projecto revolucionário Projecto de O projecto autogestionário sociedade O projecto alternativo (Sinopse: Boutinet, Jean-Pierre (1996). Antropologia do Projecto. Lisboa: Instituto Piaget)
  11. 11. PRINCIPAIS ETAPASDO PROCESSO DE PLANEAMENTO
  12. 12. 1 – ANALISE DE UM PROJECTO EDUCATIVOPESSOALExecução de medida tutelar de internamento2 - ANÁLISE DE UM PROJECTO DEINTERVENÇÃOProjecto de intervenção comunitária3 – ANÁLISE DE UM PROJECTO DEINVESTIGAÇÃO SOCIAL
  13. 13. ETAPAS CONTIDASNO DESENHO DO PROJECTO
  14. 14. IDENTIFICAÇ IDENTIFICAÇÃO DE PROBLEMAS“A REALIDADE NÃO FALA POR SI” E POR ISSO, OCONHECIMENTO DAS DINÂMICAS SOBRE AS QUAIS SEPRETENDE INTERVIR É UM PROBLEMA COMPLEXO QUEEXIGE CONHECIMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOSCOM ALGUMA PROFUNDIDADE. (Guerra, 2001:129)DIAGNÓSTICO – “ANÁLISE DE NECESSIDADES” – É UMPROCESSO DE PESQUISA ACÇÃO PARTICIPADO.REALIZAR O DIAGNÓSTICO SIGNIFICA IDENTIFICAR ASMUDANÇAS SOCIAIS QUE FORMATAM UMA DETERMINADAPROBLEMÁTICA SOBRE A QUAL VAMOS INTERVIR.QUALQUER INTERVENÇÃO TEM DE SER PENSADA NOQUADRO DOS FUNCIONAMENTOS SOCIOECONÓMICOS ECULTURAIS. TEM DE SER CONTEXTUALIZADA
  15. 15. PARA SE ENQUADRAR UM DIAGNÓSTICO É NECESSÁRIO TER UM MODELO ABERTO, MAS CIENTIFICAMENTE SEDIMENTADO EM REFERÊNCIAS TEÓRICAS E UM CONHECIMENTO DAS NECESSIDADES EM ACÇÃO SOCIAL. O DIAGNÓSTICO BASEIA.SE EM INFORMAÇÕES ENDÓGENAS E EXÓGENAS AO LOCAL.
  16. 16. UM BOM DIAGNÓSTICO É GARANTEDA ADEQUABILIDADE DASRESPOSTAS ÁS NECESSIDADESLOCAIS E É FUNDAMENTAL PARAGARANTIR A EFICÁCIA DE QUALQUERPROJECTO DE INTERVENÇÃO.
  17. 17. ASPECTOS DESVALORIZADORES DO DIAGNÓ DIAGNÓSTICO – DIMINUIÇÃO DA SUA DIMINUIÇ EFICÁ EFICÁCIA:- DIAGNÓSTICO- COMO SE FOSSE UMA MONOGRAFIA- DIAGNÓSTICO – COMO INSTRUMENTO DE LEGITIMAÇÃO DO “SENSO COMUM”- DIAGNÓSTICO – INCOMPLETO POR FALTA DE ARTICULAÇÃO ENTRE DADOS QUANTITATIVOS E DADOS QUALITATIVOS- DIAGNÓSTICO PARCIAL – CENTRA-SE APENAS NAS DEFICIÊNCIAS E NÃO INTEGRA POTENCIALIDADES- DIAGNÓSTICO – DISSOCIADO DOS OBJECTIVOS
  18. 18. O DIAGNÓSTICO NÃO SE REDUZ À IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA.PRESSUPÕE UMA RELAÇÃO DE INTERACÇÃO ENTRE AS VARIÁVEIS EM PRESENÇA E A IDENTIFICAÇÃO DAS VULNERABILIDADES E DAS POTENCIALIDADES/RECURSOS.O CONHECIMENTO DO MEIO EXIGE A DEFINIÇÃO DE LINHAS DE PESQUISA E DE APROFUNDAMENTO DOS FACTORES QUE SÃO ENTRAVE AO DESENVOLVIMENTO LOCAL.O DIAGNÓSTICO É UM INSTRUMENTO DE PESQUISA E DE PARTICIPAÇÃO.

×