DESIGN MAGAZINE Nº7, SEPT-OCT 2012

605 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
605
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DESIGN MAGAZINE Nº7, SEPT-OCT 2012

  1. 1. | 034 |
  2. 2. ARTE EM COMPÓSITOSDESENVOLVIDOS PARA SATISFAZER AS NECESSIDADES DE MOBILIDADE E EFICIÊNCIAEM TODOS OS SEGMENTOS DE EXCELÊNCIA, ELES FASCINAM OS DESIGNERS QUEOS CONSIDERAM OS MATERIAIS MAIS ADEQUADOS PARA EXPRESSAREM IDEIAS EMARTE.POR HELENA ABRIL LANZUELA | 035 |
  3. 3. Estamos habituados a pensar, também no mundo do escolheu um material que ele conhecia e amava: odesign, os compósitos como resina ou outros elemen- compósito. Além reunir essas características opostas,tos constituintes. A arquitetura e escultura reforçadas possui um peso excepcionalmente leve, uma outracom carbono, aramida, vidro, cargas minerais, etc, são característica, a fim de satisfazer a imagem de “es-muito familiares para nós, como é expresso por gran- tar rodeado por uma chuva virtual de gotas de luz”.des nomes da nossa época como Ross Lovegrove, O artista já estava familiarizado com os pontos fortesZaha Hadid, Marc Fornes, etc, que para além de nos de compósitos de outros projetos de design industrial.fascinar com a sua arte, também deram credibilidade No entanto, neste caso, não é um compósito em si,aos compósitos na arte. mas apenas um compósito homogéneo, feito a partirDe repente, somos surpreendidos por esta “gota de da matriz. Devido ao requisito intrínseco de uma trans-luz”, a luz de um composito sem reenforços, como de- parência máxima, não foi possível combinar a resinasenvolvidos pelo Projecto Mellow. com outros constituintes. A maior dificuldade era es-Em Março do ano passado, em Valência, fomos deli- colher o material adequado, aquele que teria absolutaciados por “Pigmentos e Luz”, uma exposição de uma transparência, rigidez e estabilidade, proporcionandoequipa composta por Joan Rocabert, Guillermo Bellod, simultaneamente uma protecção contra o calor geradoSergio Sebastião. Uma exposição flexível, que combi- pela lâmpada. A resina foi seleccionada, um poliésternou as visões colectivas de pintura e escultura forte- orthophtalic feita por Cray Valley (agora CCP Compo-mente influenciadas pela luz de compósitos. O evento sites) chamado Norsodyne O12335AL. Isto foi feito porfoi levado a cabo apenas para provar que, quando os meio de processo de moldagem a vácuo, utilizando-seartistas entenderem completamente os materiais e as um molde de silicone num quadro de fibra de vidro nãosuas potencialidades, será possível criar obras de arte dividido. A resina catalisada foi vertida para o molde,que, além de apresentar uma estética fora do comum, conjuntamente o acelerador, adicionados pelos fabri-são ao mesmo tempo práticas e úteis. cantes CCP Composites, para garantir a transparên-Depois de três anos de trabalho duro, abençoado por cia. O processo, envolvendo uma reacção exotérmica,uma grande medida de sorte ,Guillermo Bellod desen- produziu a “Light Gota” em 25 minutos. Esta queda devolveu uma ideia sua sobre uma nova textura na pintu- luz irradia uma energia azul nesta obra de arte, cria-ra, baseada na combinação de diferentes matérias-pri- da por Joan Rocabert. De acordo com Kandinsky, quemas de artes plásticas, para chegar a uma aparência escreveu “A Respeito do Espiritual na Arte, em 1910”,natural, substrato “crinkly”. Enquanto isso, Joan Roca- “Toda obra de arte é a filha do seu tempo, muitas ve-bert e Sergio Sebastian procediam aos toques finais da zes, é a mãe das nossas emoções. Segue-se que cadasua criação, “uma gota de água limpa”, incorporando período de cultura produz uma arte própria, que nãoLeds RGB, o que gerou pura magia.As mudanças de pode ser repetida. Esforços para reavivar os princípioscor provenientes da gota de luz, transmitiram uma vida da arte do passado é, no máximo, produzir obras depara as imagens circundantes, dando-lhes movimen- arte que se assemelham a uma criança morta.”to e redefinindo o seu significado. Ele trouxe o foco Assim, graças a Joan Rocabert, esta obra de arte per-para efeito de aumento da luz, numa criação artística mite-nos imaginar magníficas, gotas de luz em quedaexperimental que nos fez mergulhar num ambiente de livre. Tudo isto tem sido possível, neste momento desonho, rico em sensações e emoções. constante mudança, com a entrada de compósitos no A “Gota de Luz” é uma lâmpada ornamental especial, mundo da arte.inspirada nas fotografias de alta velocidade de gotasde salpicos de água captadas por Harol Edgerton, em1953. Segundo o autor, elas representavam “um mo-mento curto, congelado no tempo, em todo o seu es-plendor, cuja forma, diz tudo sobre a complexidade eliberdade.”Para alcançar essa dualidade, Joan Valles Rocabert| 036 |
  4. 4. “Toda obra de arte é a filha do seu tempo, muitas vezes, é a mãe das nossas emoções. Segue--se que cada período de cultura produz uma arte própria, que não pode ser repetida. Esforçospara reavivar os princípios da arte do passado é, no máximo, produzir obras de arte que se as-semelham a uma criança morta.” - Kadinsky | 037 |

×