SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Almeida Garrett
Sinopse   Um Auto de Gil Vicente   Nesta obra perpassam figuras da época como André de Resende, Bernardim Ribeiro, Paula Vicente e o pai, o qual preparou o texto dramático que foi representado para festejar o casamento da princesa D. Beatriz, filha de D. Manuel I. A crítica elogiou a obra: "Felizmente um drama original português, engenhosa produção de um talento, que assaz avultava já na nossa literatura, veio trazer-nos a aurora da verdadeira restauração do teatro português, e marcar uma época na nossa história dramática". A peça não dá relevo à intensidade emotiva das personagens mais em foco: Paula Vicente amando em vão Bernardim, este a viver um forte conflito sentimental pois ama a princesa que vai casar com Carlos de Sabóia e D. Beatriz, obrigada a unir o seu destino a um homem que não conhece, amando apaixonadamente o poeta das "Saudades". Lilaz Carriço, in  Literatura Prática  II, pp. 22-23, Porto Editora, 1990
Drama histórico  da autoria de  Almeida Garrett , representado pela primeira vez em Agosto de  1838 , no Teatro da Rua dos Condes, e publicado posteriormente em volume.  No prefácio teórico do autor, este debate o problema do declínio da arte dramática em Portugal e defende a urgência de se fazer ressuscitar o teatro nacional, projeto a que a obra se encontra concretamente ligada:  "o drama de Gil Vicente que tomei para título deste não é um episódio, é o assunto mesmo do meu drama; é o ponto em que se enlaça e do qual se desenlaça depois a ação; (...) Mas eu não quis só fazer um drama, sim um drama de outro drama, e ressuscitar Gil Vicente a ver se ressuscitava o teatro".
Nesta peça, evoca-se a corte de D. Manuel I e as duas grandes individualidades literárias que nela evoluíram:  Bernardim Ribeiro  (representante da poesia aristocrática) e  Gil Vicente  (defensor do teatro).  Garrett conseguiu, assim, a proeza de abordar o Teatro através do teatro, tendo como pano de fundo os ensaios para a peça  Cortes de Júpiter , escrita por Gil Vicente para celebrar a partida da Infanta D. Beatriz para Sabóia, onde se casaria com Carlos III.
Contexto histórico-cultural Obra com o objetivo de criar ou restaurar um teatro nacional, reatando a tradição vicentina, assenta no auto de Gil Vicente  Cortes de Júpiter  aparecendo assim uma peça dentro de outra peça.
Personagens Além das personagens antes referidas, destacam-se, de entre as muitas outras,  Garcia de Resende, Gil Vicente e o rei D. Manuel  que aparecem para evocar um pas­sado de grandezas, embora a peça deva considerar-se pouco movimentada. Além disso, as personagens e os seus problemas não constituem mais do que motivos decorativos de um espetáculo exterior. Na existência de algumas personagens, mistura-se o cómico e o grotesco (Bernardim no papel de Joana Taco e Pêro Sáfio) e o trágico e o sublime (Bernardim e D. Beatriz).
Estrutura A obra divide-se em três atos e cada ato em cenas.  Tem, como fio condutor, um  assunto nacional  de uma época grandiosa reforçado com a apresentação de perso­nagens verdadeiramente relevantes.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Literatura Portuguesa Profª: Helena Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

sintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptsintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptcnlx
 
Ficha de apoio_ queda_anjo
Ficha de apoio_ queda_anjoFicha de apoio_ queda_anjo
Ficha de apoio_ queda_anjoJoão Teixeira
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise nanasimao
 
Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Maria João C. Conde
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Sofia Yuna
 
Amor de perdição algumas notas
Amor de perdição   algumas notasAmor de perdição   algumas notas
Amor de perdição algumas notasBruno Duarte
 
A queda dum anjo de Camilo Castelo Branco
A queda dum anjo de Camilo  Castelo BrancoA queda dum anjo de Camilo  Castelo Branco
A queda dum anjo de Camilo Castelo BrancoBruno Diel
 
Maria Eduarda-Os Maias
Maria Eduarda-Os MaiasMaria Eduarda-Os Maias
Maria Eduarda-Os Maiasnanasimao
 
A farsa de Inês Pereira
A farsa de Inês PereiraA farsa de Inês Pereira
A farsa de Inês PereiraIvone96544
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaMariana Silva
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoAntónio Teixeira
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoericahomemmelo
 

Mais procurados (20)

sintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptsintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.ppt
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Teste corrigido
Teste corrigidoTeste corrigido
Teste corrigido
 
Cronica
CronicaCronica
Cronica
 
Ficha de apoio_ queda_anjo
Ficha de apoio_ queda_anjoFicha de apoio_ queda_anjo
Ficha de apoio_ queda_anjo
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise
 
Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
 
Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terra
 
Amor de perdição algumas notas
Amor de perdição   algumas notasAmor de perdição   algumas notas
Amor de perdição algumas notas
 
A queda dum anjo de Camilo Castelo Branco
A queda dum anjo de Camilo  Castelo BrancoA queda dum anjo de Camilo  Castelo Branco
A queda dum anjo de Camilo Castelo Branco
 
Maria Eduarda-Os Maias
Maria Eduarda-Os MaiasMaria Eduarda-Os Maias
Maria Eduarda-Os Maias
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
 
A farsa de Inês Pereira
A farsa de Inês PereiraA farsa de Inês Pereira
A farsa de Inês Pereira
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intriga
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do Convento
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 

Semelhante a Drama histórico de Almeida Garrett sobre Gil Vicente

Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil VicenteOrigem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil VicenteJoão Duarte
 
Teatro romântico um auto de gil vicente
Teatro romântico  um auto de gil vicenteTeatro romântico  um auto de gil vicente
Teatro romântico um auto de gil vicenteHelena Coutinho
 
Qorpo santo e_gil_vicente_dialogos_possiveis
Qorpo santo e_gil_vicente_dialogos_possiveisQorpo santo e_gil_vicente_dialogos_possiveis
Qorpo santo e_gil_vicente_dialogos_possiveisGladis Maia
 
A Apreciação Crítica no programa de português.pptx
A Apreciação Crítica no programa de português.pptxA Apreciação Crítica no programa de português.pptx
A Apreciação Crítica no programa de português.pptxAnaSimes583336
 
Biografia de Gil Vicente
Biografia de Gil VicenteBiografia de Gil Vicente
Biografia de Gil VicenteJúpiter Morais
 
Gênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º anoGênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º anoKássia Mendes
 
Biografia Gil Vicente
Biografia Gil Vicente Biografia Gil Vicente
Biografia Gil Vicente Rosi Andrade
 
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfhistriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfWeslleyDias8
 
re_hca10_mod5_casopratico.pptx
re_hca10_mod5_casopratico.pptxre_hca10_mod5_casopratico.pptx
re_hca10_mod5_casopratico.pptxMarta Barbosa
 
Gênero dramático 8º ano
Gênero dramático 8º anoGênero dramático 8º ano
Gênero dramático 8º anoKássia Mendes
 
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.Kássia Mendes
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfLibnioCarvalhais1
 
Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011Maria Franco
 
Evolucao teatro - 9ano
Evolucao teatro - 9anoEvolucao teatro - 9ano
Evolucao teatro - 9anoSofia Melo
 
O Cinema E O Teatro Nos Anos 20
O Cinema E O Teatro Nos Anos 20O Cinema E O Teatro Nos Anos 20
O Cinema E O Teatro Nos Anos 20valdeniDinamizador
 

Semelhante a Drama histórico de Almeida Garrett sobre Gil Vicente (20)

Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil VicenteOrigem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
 
Teatro romântico um auto de gil vicente
Teatro romântico  um auto de gil vicenteTeatro romântico  um auto de gil vicente
Teatro romântico um auto de gil vicente
 
Qorpo santo e_gil_vicente_dialogos_possiveis
Qorpo santo e_gil_vicente_dialogos_possiveisQorpo santo e_gil_vicente_dialogos_possiveis
Qorpo santo e_gil_vicente_dialogos_possiveis
 
A Apreciação Crítica no programa de português.pptx
A Apreciação Crítica no programa de português.pptxA Apreciação Crítica no programa de português.pptx
A Apreciação Crítica no programa de português.pptx
 
Biografia de Gil Vicente
Biografia de Gil VicenteBiografia de Gil Vicente
Biografia de Gil Vicente
 
Gênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º anoGênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º ano
 
Biografia Gil Vicente
Biografia Gil Vicente Biografia Gil Vicente
Biografia Gil Vicente
 
Gil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_iiGil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_ii
 
Almeida garett
Almeida garettAlmeida garett
Almeida garett
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
 
Gil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_iiGil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_ii
 
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfhistriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
 
Auto de gil vicente
Auto de gil vicenteAuto de gil vicente
Auto de gil vicente
 
re_hca10_mod5_casopratico.pptx
re_hca10_mod5_casopratico.pptxre_hca10_mod5_casopratico.pptx
re_hca10_mod5_casopratico.pptx
 
Gênero dramático 8º ano
Gênero dramático 8º anoGênero dramático 8º ano
Gênero dramático 8º ano
 
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
 
Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011
 
Evolucao teatro - 9ano
Evolucao teatro - 9anoEvolucao teatro - 9ano
Evolucao teatro - 9ano
 
O Cinema E O Teatro Nos Anos 20
O Cinema E O Teatro Nos Anos 20O Cinema E O Teatro Nos Anos 20
O Cinema E O Teatro Nos Anos 20
 

Mais de Helena Coutinho

Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasHelena Coutinho
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particularHelena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraHelena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibirHelena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaHelena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoHelena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 

Drama histórico de Almeida Garrett sobre Gil Vicente

  • 2. Sinopse   Um Auto de Gil Vicente   Nesta obra perpassam figuras da época como André de Resende, Bernardim Ribeiro, Paula Vicente e o pai, o qual preparou o texto dramático que foi representado para festejar o casamento da princesa D. Beatriz, filha de D. Manuel I. A crítica elogiou a obra: "Felizmente um drama original português, engenhosa produção de um talento, que assaz avultava já na nossa literatura, veio trazer-nos a aurora da verdadeira restauração do teatro português, e marcar uma época na nossa história dramática". A peça não dá relevo à intensidade emotiva das personagens mais em foco: Paula Vicente amando em vão Bernardim, este a viver um forte conflito sentimental pois ama a princesa que vai casar com Carlos de Sabóia e D. Beatriz, obrigada a unir o seu destino a um homem que não conhece, amando apaixonadamente o poeta das "Saudades". Lilaz Carriço, in Literatura Prática II, pp. 22-23, Porto Editora, 1990
  • 3. Drama histórico da autoria de Almeida Garrett , representado pela primeira vez em Agosto de 1838 , no Teatro da Rua dos Condes, e publicado posteriormente em volume. No prefácio teórico do autor, este debate o problema do declínio da arte dramática em Portugal e defende a urgência de se fazer ressuscitar o teatro nacional, projeto a que a obra se encontra concretamente ligada: "o drama de Gil Vicente que tomei para título deste não é um episódio, é o assunto mesmo do meu drama; é o ponto em que se enlaça e do qual se desenlaça depois a ação; (...) Mas eu não quis só fazer um drama, sim um drama de outro drama, e ressuscitar Gil Vicente a ver se ressuscitava o teatro".
  • 4. Nesta peça, evoca-se a corte de D. Manuel I e as duas grandes individualidades literárias que nela evoluíram: Bernardim Ribeiro (representante da poesia aristocrática) e Gil Vicente (defensor do teatro). Garrett conseguiu, assim, a proeza de abordar o Teatro através do teatro, tendo como pano de fundo os ensaios para a peça Cortes de Júpiter , escrita por Gil Vicente para celebrar a partida da Infanta D. Beatriz para Sabóia, onde se casaria com Carlos III.
  • 5. Contexto histórico-cultural Obra com o objetivo de criar ou restaurar um teatro nacional, reatando a tradição vicentina, assenta no auto de Gil Vicente Cortes de Júpiter aparecendo assim uma peça dentro de outra peça.
  • 6. Personagens Além das personagens antes referidas, destacam-se, de entre as muitas outras, Garcia de Resende, Gil Vicente e o rei D. Manuel que aparecem para evocar um pas­sado de grandezas, embora a peça deva considerar-se pouco movimentada. Além disso, as personagens e os seus problemas não constituem mais do que motivos decorativos de um espetáculo exterior. Na existência de algumas personagens, mistura-se o cómico e o grotesco (Bernardim no papel de Joana Taco e Pêro Sáfio) e o trágico e o sublime (Bernardim e D. Beatriz).
  • 7. Estrutura A obra divide-se em três atos e cada ato em cenas. Tem, como fio condutor, um assunto nacional de uma época grandiosa reforçado com a apresentação de perso­nagens verdadeiramente relevantes.
  • 8.
  • 9. Literatura Portuguesa Profª: Helena Maria Coutinho