Paulo Freire
*Biografia
*Rumo da conscientização
*Para pensar
“É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o q...
Biografia
• Paulo Freire nasceu em 1921 em Recife, numa família de classe média. Com
o agravamento da crise econômica mund...
Biografia
• Suas ideias pedagógicas se formaram em observação da cultura dos alunos –
em particular o uso da linguagem e d...
Biografia
• Em 1968, no Chile, escreveu seu livro mais conhecido, Pedagogia do
oprimido. Também deu aulas nos Estados Unid...
Biografia
• Freire se casou duas vezes, teve cinco filhos.
• Foi nomeado doutor honoris causa de 28 universidades em vário...
Rumo da conscientização
• Freire criticava a ideia de que ensinar é transmitir saber porque para ele a
missão do professor...
Rumo da conscientização
• Embora o trabalho de alfabetização de adultos desenvolvido por Paulo Freire
tenha passado para a...
Etapas do rumo á conscientização
• Na teoria do educador pernambucano há três momentos claros de
aprendizagem. O primeiro ...
Etapas do rumo á conscientização
• O segundo momento é o de exploração das questões relativas aos temas em
discussão - o q...
Para pensar
• Um conceito a que Paulo Freire deu a máxima importância, e que nem
sempre é abordado pelos teóricos, é o de ...
Para pensar
• "Como, na verdade, posso eu continuar falando no respeito à dignidade do
educando se o ironizo, se o discrim...
*Sua obra, uma filosofia
• Voltando ao seu livro mais conhecido, Pedagogia do Oprimido, podemos dizer que:
• Sem dúvida, a...
*Sua obra, uma filosofia
• Outro ponto no qual Freire insiste muito é na questão do professor adaptar
suas aulas à realida...
*Sua obra, uma filosofia
• O título do livro é a Pedagogia do Oprimido por uma razão que Freire começa a
abordar a partir ...
Sua obra mais famosa
“Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho:
os homens se libertam em comunhão”. (…) “Soment...
Sua obra mais famosa
Fim
• Alunos da ETEC Manoel dos Reis Araújo
• Santa Rita do Passa Quatro
• Alunos:
Ana Paula Puppo nº03
Camila Grushk nº08...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Paulo freire

133 visualizações

Publicada em

SlideShow para a semana de Paulo Freire

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Paulo freire

  1. 1. Paulo Freire *Biografia *Rumo da conscientização *Para pensar “É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática. “
  2. 2. Biografia • Paulo Freire nasceu em 1921 em Recife, numa família de classe média. Com o agravamento da crise econômica mundial iniciada em 1929 e a morte do seu pai, quando tinha 13 anos. Freire passou a enfrentar as dificuldades econômicas, formou-se em direito, mas não seguiu a carreira, encaminhando sua vida profissional para o magistério.
  3. 3. Biografia • Suas ideias pedagógicas se formaram em observação da cultura dos alunos – em particular o uso da linguagem e do papel elitista da escola. • Em 1963 , em Angicos (RN), chefiou um programa que alfabetizou 300 pessoas em um mês. • No ano seguinte, o golpe militar o surpreendeu em Brasília, onde coordenava o plano de alfabetização presidente João Goulart. Freire passou 70 dias na prisão antes de se exilar.
  4. 4. Biografia • Em 1968, no Chile, escreveu seu livro mais conhecido, Pedagogia do oprimido. Também deu aulas nos Estados Unidos e na Suíça, organizou planos de alfabetização em países africanos. Com a anistia, em 1979, voltou para o Brasil, entregando –se a vida universitária. • Filiou-se ao PT entre 1989 e 1991, foi secretario municipal da educação de São Paulo.
  5. 5. Biografia • Freire se casou duas vezes, teve cinco filhos. • Foi nomeado doutor honoris causa de 28 universidades em vários países e teve obras traduzidas em mais de 20 idiomas. • Morreu em 1997, de enfarte.
  6. 6. Rumo da conscientização • Freire criticava a ideia de que ensinar é transmitir saber porque para ele a missão do professor era possibilitar a criação ou a produção de conhecimentos. Mas ele não comungava da concepção de que o aluno precisa apenas de que lhe sejam facilitadas as condições para o auto aprendizado. Freire previa para o professor um papel diretivo e informativo - portanto, ele não pode renunciar a exercer autoridade. Segundo o pensador pernambucano, o profissional de educação deve levar os alunos a conhecer conteúdos, mas não como verdade absoluta. Freire dizia que ninguém ensina nada a ninguém, mas as pessoas também não aprendem sozinhas.
  7. 7. Rumo da conscientização • Embora o trabalho de alfabetização de adultos desenvolvido por Paulo Freire tenha passado para a história como um "método", a palavra não é a mais adequada para definir o trabalho do educador, cuja obra se caracteriza mais por uma reflexão sobre o significado da educação. "Toda a obra de Paulo Freire é uma concepção de educação embutida numa concepção de mundo", diz José Eustáquio Romão.
  8. 8. Etapas do rumo á conscientização • Na teoria do educador pernambucano há três momentos claros de aprendizagem. O primeiro é aquele em que o educador se inteira daquilo que o aluno conhece, não apenas para poder avançar no ensino de conteúdos mas principalmente para trazer a cultura do educando para dentro da sala de aula.
  9. 9. Etapas do rumo á conscientização • O segundo momento é o de exploração das questões relativas aos temas em discussão - o que permite que o aluno construa o caminho do senso comum para uma visão crítica da realidade. • Finalmente, volta-se do abstrato para o concreto, na chamada etapa de problematização: o conteúdo em questão apresenta-se "dissecado", o que deve sugerir ações para superar impasses. Para Paulo Freire, esse procedimento serve ao objetivo final do ensino, que é a conscientização do aluno.
  10. 10. Para pensar • Um conceito a que Paulo Freire deu a máxima importância, e que nem sempre é abordado pelos teóricos, é o de coerência. Para ele, não é possível adotar diretrizes pedagógicas de modo consequente sem que elas orientem a prática, até em seus aspectos mais corriqueiros. "As qualidades e virtudes são construídas por nós no esforço que nos impomos para diminuir a distância entre o que dizemos e fazemos", escreveu o educador.
  11. 11. Para pensar • "Como, na verdade, posso eu continuar falando no respeito à dignidade do educando se o ironizo, se o discrimino, se o inibo com minha arrogância?" Você, professor, tem a preocupação de agir na escola de acordo com os princípios em que acredita? E costuma analisar as próprias atitudes sob esse ponto de vista?
  12. 12. *Sua obra, uma filosofia • Voltando ao seu livro mais conhecido, Pedagogia do Oprimido, podemos dizer que: • Sem dúvida, a parte do livro que mais influência obteve em longo prazo foi a crítica de Paulo Freire a assim chamada “educação bancária”. O que seria, portanto, a “educação bancária”? Nada mais é do que um processo de aprendizagem no qual o aluno é apenas um sujeito passivo em sala de aula. O professor “deposita” o conhecimento no “banco” (a mente do aluno), que nada mais é o método que tradicionalmente era aplicado nas escolas. Era basicamente uma educação autoritária e na qual o conhecimento e a experiência de vida prévia do aluno (adulto ou criança) era ignorada.
  13. 13. *Sua obra, uma filosofia • Outro ponto no qual Freire insiste muito é na questão do professor adaptar suas aulas à realidade dos alunos, especialmente os adultos. Não adianta o professor abordar assuntos alheios ao cotidiano de uma comunidade campesina, pois isso não irá despertar qualquer interesse por parte deles; ao contrário, poderá até causar-lhes repulsa pela educação. Nesta questão ele está completamente com a razão.
  14. 14. *Sua obra, uma filosofia • O título do livro é a Pedagogia do Oprimido por uma razão que Freire começa a abordar a partir de agora. A educação que, segundo ele, precisa ser “libertadora”, pois não pode reproduzir o autoritarismo que está presente em nossa sociedade e que herdamos historicamente. Mas o oprimido não pode ser “libertado” para depois assumir o papel de opressor invertendo, assim, o papel que a educação tem o papel de destruir. A educação tem a missão de despertar no aluno o questionamento da opressão do qual ele é vítima, seja social, racial, econômica, etc. Não é, de maneira alguma, a preparação para uma revolução armada futura, mas sim despertar no aluno o porquê da sociedade ser da maneira que é. Uma “revolução” deste tipo seria um erro, pois seria nada mais que reproduzir a opressão antiga.
  15. 15. Sua obra mais famosa “Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho: os homens se libertam em comunhão”. (…) “Somente quando os oprimidos descobrem, o opressor, e se engajam na luta organizada por sua libertação, começam a crer em si mesmos, superando, assim, sua “convivência” com o regime opressor. Se esta descoberta não pode ser feita em nível puramente intelectual, mas da ação, o que nos parece fundamental é que esta não se cinja a mero ativismo, mas esteja associada a sério empenho de reflexão, para que seja práxis”. 1968
  16. 16. Sua obra mais famosa
  17. 17. Fim • Alunos da ETEC Manoel dos Reis Araújo • Santa Rita do Passa Quatro • Alunos: Ana Paula Puppo nº03 Camila Grushk nº08 Gabriela Boscoli nº 11 Gustavo Braga nº15 Mateus A. Viotto nº23 Wesley Pereira nº27

×