Implementação de
Inovações
Centradas no
Paciente,
Prioridades na
Comunicação
Hospitalar:
Guillermo Asper, PhD., Pesquisado...
Inovações Centradas no Paciente
2
O entendimento que inovar é mudar hábitos clarifica a dificuldade de
inovar. Logo a dire...
Prioridade na Comunicação Hospitalar
3
Interrupções e Transições – Estudo de Caso
4
 1) Inovar é mudar hábitos: e isso não é trivial
 2) O PNSP caracteriza uma...
1) Inovar é mudar hábitos:
e isso não é trivial
5
1
6
 Estudos consolidados sobre
implementação de inovações comprovam
que mesmo que claramente vantajoso
para uma ampla ga...
2) O PNSP caracteriza uma inovação em
toda sua complexidade
7
2
8
 Logo implementar algo novo, é uma condição
dependente da criação de novos hábitos,
alterando o modo usual de atuação...
3) Inovar requer estratégia
9
3
10
 É bem aceito que inovação requer o concurso de
uma organização responsável que estabeleça e
dirija o conjunto de aç...
4) Inovar com sucesso em pouco tempo
requer domínio de técnicas específicas
11
4
12
 A viabilidade da adoção da inovação requer por
parte da equipe inovadora, o domínio de
técnicas organizacionais tão...
5) O PNSP ataca problemas seculares, como
a higienização das mãos
13
5
14
 O PNSP sugere ampla e profunda inovação,
quando comparado com a realidade hospitalar
vigente. Apresenta por exemplo...
6) A eficácia da segurança do paciente depende da
disponibilidade de indicadores de desempenho
15
6
16
 Este quadro de desafios fica amplificado pelo
fato que no Brasil, ainda não dispomos de uma
base de indicadores sat...
7) Transições e Interrupções são variáveis
que afetam a segurança do paciente
17
7
18
 Entre os riscos à segurança do paciente apresentados pela
quebra da comunicação efetiva, inserem-se as transições
q...
Queremos ajudar na implementação de
inovações seguras e rápidas!!! Junte-se a nós e
venha ser um campeão vc também!
19
Gosta de desafios? quer participar?
20
O foco do estudo consiste em identificar
quais as dificuldades enfrentadas
decorren...
Grupo Focal
21
Grupo Focal em 28 de abril, 2014,
Início 8 horas, Fim 10 horas, Local sala de Ensino HPE
22
 As informações coletadas no ...
O perfil do grupo focal
23
 Foram convocados colegas da rede de relações de
alunos que atuam no mesmo hospital dos
profis...
Perfil característico do grupo a relatar suas
experiêncas
24
Distribuição preponderante da composição
do grupo focal
25
 Gênero Feminino: 63%
 Idade 31 a 40 anos: 63%
 Profissão: E...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slides implementaçãoinovação

196 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
196
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides implementaçãoinovação

  1. 1. Implementação de Inovações Centradas no Paciente, Prioridades na Comunicação Hospitalar: Guillermo Asper, PhD., Pesquisador Pleno, NEORG/CEAM/UnB Coordenador do Projeto GIOS 1 Interrrupções e Transições – Estudo de Caso
  2. 2. Inovações Centradas no Paciente 2 O entendimento que inovar é mudar hábitos clarifica a dificuldade de inovar. Logo a diretriz da ANVISA no sentido de implementar o Plano Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) apresenta desafios bem significativos. Desafios estes que só podem ser superados desde que a inovação seja alicerçada numa estratégia viável. A velocidade com que os usuarios adotam a inovação vai depender da capacidade técnica dos inovadores em conduzir o processo. E o fato do PNSP atacar problemas antigos tais como a higienização das mãos deixa claro a dimensão do problema. Já que para um programa de segurança do paciente uma vez implementado seja gerenciável, indicadores de desempenho serão indispensáveis. Independentemente da introdução de inovações na dinâmica hospitalar, os profissionais de saúde ficam sob constante assedio pelo alto volume de interações por um lado e da rotina de transição nas substituições do comando pela responsabilidade pela atenção do paciente.
  3. 3. Prioridade na Comunicação Hospitalar 3
  4. 4. Interrupções e Transições – Estudo de Caso 4  1) Inovar é mudar hábitos: e isso não é trivial  2) O PNSP caracteriza uma inovação em toda sua complexidade  3) Inovar requer estratégia  4) Inovar com sucesso em pouco tempo requer domínio de técnicas específicas  5) O PNSP ataca problemas seculares, como a higienização das mãos  6) A eficácia da segurança do paciente depende da disponibilidade de indicadores de desempenho  7) Transições e Interrupções são variáveis que afetam a segurança do paciente
  5. 5. 1) Inovar é mudar hábitos: e isso não é trivial 5
  6. 6. 1 6  Estudos consolidados sobre implementação de inovações comprovam que mesmo que claramente vantajoso para uma ampla gama de stakeholders, mudar hábitos exige, persistência, competência e prática reconhecidas, aceitação e convencimento gradual, além do enfrentamento da disonância cognitiva (o conflito entre o que se faz e se acredita), como também da necessária flexibilidade no ajustamento de papéis, tecnologias, estruturas e processos.
  7. 7. 2) O PNSP caracteriza uma inovação em toda sua complexidade 7
  8. 8. 2 8  Logo implementar algo novo, é uma condição dependente da criação de novos hábitos, alterando o modo usual de atuação, especialmente em organizações hospitalares. Rompe-se a rotina, para melhor, com o intuito de viabilizar uma inovação. O presente texto se propõe a exemplificar a implementação de inovações, no Brasil, no contexto de um hospital público de ensino (HPE), considerando as ações para aplicar, no mundo real, o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) em geral, e especificamente, o aperfeiçoamento da comunicação entre profissionais da Saúde.
  9. 9. 3) Inovar requer estratégia 9
  10. 10. 3 10  É bem aceito que inovação requer o concurso de uma organização responsável que estabeleça e dirija o conjunto de ações estratégicas abrangentes, e de eficácia comprovada, capazes de moldar uma transformação centrada nas pessoas, com o objetivo na área da saúde de: (a) inovar a experiência do cuidado (qualidade e segurança); (b) aperfeiçoar quanto à saúde de uma dada população, disponibilizando atendimento universal, e fortalecendo a viabilidade economica da equação, (c) reduzir o custo percapita do serviço.
  11. 11. 4) Inovar com sucesso em pouco tempo requer domínio de técnicas específicas 11
  12. 12. 4 12  A viabilidade da adoção da inovação requer por parte da equipe inovadora, o domínio de técnicas organizacionais tão específicas, quanto àquelas exigidas de profissionais de saúde, no atendimento eficaz aos pacientes. Propiciar o alcance da adoção efetiva, em prazo exíguo é desafio de dimensões significativas, exigindo preparo apropriado.
  13. 13. 5) O PNSP ataca problemas seculares, como a higienização das mãos 13
  14. 14. 5 14  O PNSP sugere ampla e profunda inovação, quando comparado com a realidade hospitalar vigente. Apresenta por exemplo, uma área prioritária de atenção; que é a higienização das mãos. Reforça-se no século XXI o presente cardapio das inovações propostas no PNSP, embora desde o século XIX Semmelweis e Pasteur tenham suficientemente comprovado a necessidade de higienização para proteger a vida dos pacientes, defendendo-os dos germes.
  15. 15. 6) A eficácia da segurança do paciente depende da disponibilidade de indicadores de desempenho 15
  16. 16. 6 16  Este quadro de desafios fica amplificado pelo fato que no Brasil, ainda não dispomos de uma base de indicadores satisfatória sobre segurança do paciente hospitalizado. Isso contrasta com as inúmeras estatísticas econômicas disponibilizadas pelo IBGE, como a farta informação sobre o nível de desemprego no País. Esta carência estatística, e de dados fundados em pesquisas de campo acentuam o risco da proposta de implementar inovações. Como, no caso, avaliar então os avanços na segurança, sem estatísticas nacionais de qualidade reconhecida? Resultados têm que ser medidos!
  17. 17. 7) Transições e Interrupções são variáveis que afetam a segurança do paciente 17
  18. 18. 7 18  Entre os riscos à segurança do paciente apresentados pela quebra da comunicação efetiva, inserem-se as transições que também chamamos de “handoffs” (ou passagem do bastão entre profissionais de sua responsabilidade com o paciente), pois são justamente a estes momentos, que quando falhos, lhes são imputados um severo histórico de significativos danos evitáveis aos pacientes. Somem-se aos desafios da comunicação, representados pelos handoffs, a característica típica do ambiente hospitalar assoberbado pela avalanche diária de interrupções, constantemente ocorridas.  Coincidem, quase sempre, com o próprio handoffs, e na situação em que as partes, negligenciando sua obrigaçao de serem seletivas, utilizam sem critério a comunicação direta e síncrona, que poderia ser substituida, sem prejuíço, por um formato menos intrusivo, como é a comunicação assincrona, que permite reduzir a frequência das interrupções diretas, limitando-as apenas àquelas efetivamente indispensáveis. 
  19. 19. Queremos ajudar na implementação de inovações seguras e rápidas!!! Junte-se a nós e venha ser um campeão vc também! 19
  20. 20. Gosta de desafios? quer participar? 20 O foco do estudo consiste em identificar quais as dificuldades enfrentadas decorrentes das ameaças representadas pela elevada frequência de interrupões e a necessidade de transições e como gerencia-las durante a Implementação de Inovações Centradas no Paciente com atenção especial na prioridades da comunicação hospitalar Entre em contato com o Projeto GIOS: guillermo.asper@gmail.com
  21. 21. Grupo Focal 21
  22. 22. Grupo Focal em 28 de abril, 2014, Início 8 horas, Fim 10 horas, Local sala de Ensino HPE 22  As informações coletadas no encontro, ao serem divulgadas, serão dissociadas dos indivíduos que as forneceram.  Os participantes do Grupo Focal além de se identificar mediante um apelido, não conhecido, em substituição do nome, devem indicar: Profissão, (tempo de formado), escolaridade (graduação, especialização, mestrado, doutorado), Área de Atuação, (tempo na área), Tempo no Hospital, sexo, idade, estado civil, bairro/cidade em que mora.  O Foco do grupo é...  (a) Implementação de Inovações para melhorar a comunicação entre pares no hospital para tornar as transições mais seguras e minimizar as interrupções desnecessárias.  (b) Principais aspectos a serem abordados apresentar para o grupo um ou mais fatos críticos que ilustrem dificuldades em termos de transições e interrupções.
  23. 23. O perfil do grupo focal 23  Foram convocados colegas da rede de relações de alunos que atuam no mesmo hospital dos profissionais de saúde que estão frequentando o curso de extensão, com disponibilidade para comparecer no dia e hora combinada.  A grupo foi constituido ao todo de 11 pessoas, 3 delas a animar e auxiliar na condução dos depoimentos e em seu registro para posterior análise. A distribuição 8 profissionais do HPE que prestaram seu depoimento doi a seguinte:
  24. 24. Perfil característico do grupo a relatar suas experiêncas 24
  25. 25. Distribuição preponderante da composição do grupo focal 25  Gênero Feminino: 63%  Idade 31 a 40 anos: 63%  Profissão: Enfermagem: 63%  Escolaridade: Mestrado e Especialização somados: 51%  Anos de Formado: 6 a 20 : 63%  Antiguidade no Hospital: -1 a 15 : 63%  Estado Civil: Casados: 50%  Residência: Plano Piloto (próximo ao HPE): 51%  Área de Atuação: Segurança do Paciente: 51%

×