SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Prof. Ms. Guilherme Terra
Profa. Ms. Vanessa Ferriello
Objetivo Geral
 Possibilitar ao aluno o planejamento das atuações para
 os procedimentos restauradores diretos.

 Proporcionar visão para a indicação correta do
 procedimento de proteção do complexo dentino-
 pulpar.

 Proporcionar conhecimentos para a execução dos
 preparos cavitários e reconstruções com materiais
 restauradores diretos.
                                                     Terra, G.
Objetivos Específicos
 Delimitar o espaço da Dentística Restauradora
 Plástica no contexto geral da Odontologia.

 Fornecer os subsídios para um desempenho
 adequado no exercício da Odontologia, como
 clínico generalista, na área de Dentística
 Restauradora Plástica.


                                                  Terra, G.
Objetivos Específicos
 Detalhar as opções de planejamento que visam controle
  adequado da doença, reabilitação das seqüelas e
  manutenção dos resultados em longo prazo, de forma
  individualizada a cada paciente.

 Apresentar as diretrizes para a realização de restaurações
  plásticas, tanto nos aspectos de sua execução como da
  preservação da estrutura dentária.



                                                           Terra, G.
Método de avaliação
1º Bimestre
Prova Teórica 1: peso 1
Nota de Atividades práticas: peso 1
Média Bimestral: Prova Teórica 1 + Nota Prática 1
                                 2
2º Bimestre
Prova Teórica 2: peso 1
Nota de Atividades práticas: peso 1
Média Bimestral: Prova Teórica 2 + Nota Prática 2
                                 2

Média Final: Nota 1º Bimestre + Nota 2º Bimestre
                                2

Exame: Média Final + Nota do Exame
                   2
                                                    Terra, G.
Método de avaliação
                Divulgação das Notas

 O aluno deverá alcançar média 6,0, necessitando ou
não da nota do exame.

 A nota do primeiro bimestre será divulgada
normalmente.

  A nota do segundo bimestre só será divulgada após o
exame.

 Todos os alunos deverão fazer o exame!!!
                                                  Terra, G.
Normas da disciplina
 Roupa branca obrigatória na clínica, com calça
  comprida e sapatos fechados.

 Jaleco obrigatório na clínica.


 Obrigatório o uso de EPIs no atendimento clínico.


 A pontualidade e a postura profissional serão avaliadas
  todas as clínicas.
Normas da disciplina
 Gorro não é chapéu nem boné, portanto deverá ser
 utilizado somente dentro do ambiente clínico.

 O mesmo ocorre com a máscara, que não é cachecol
 para ficar em volta do pescoço, nem brinco para ficar
 pendurada na orelha.

 O uso de adornos fica proibido durante a execução dos
 procedimentos.
Normas da disciplina
 O lixo foi feito para colocar o lixo DENTRO, e não à
  volta dele.

 Antes de qualquer procedimento, desinfetar as superfícies
  com álcool 70° ou spray desinfetante.
JAMAIS DESCARTAR MATERIAIS
  PÉRFURO-CORTANTES NAS
  LIXEIRAS CONVENCIONAIS,
   POIS OS SERVIDORES DA
 LIMPEZA PODERÃO SE FERIR!


                        Terra, G.
Normas da disciplina
 A marcação, remarcação e possível desmarcação dos
 pacientes em tratamento é de inteira responsabilidade
 do aluno.

 Cada aluno deverá ter uma agenda onde os pacientes
 deverão ser marcados. Fiquem atentos ao cronograma.

   O aluno deverá ter sempre em mãos o telefone do
    paciente para qualquer eventualidade.
Normas da disciplina
 O aluno deverá ter o planejamento do que irá fazer em
 todos os pacientes antes de cada clínica.

   O planejamento deverá ser afixado na parede do box
    contendo o nome do paciente, do aluno, o procedimento
    a ser realizado e os principais materiais e instrumentais
    que serão utilizados.

       Os planejamentos deverão ser entregue aos professores ao
        final de cada clínica.
Planejamento
 Data: 12/03/2012.
 Paciente: Fulano de Tal
 Aluno: José da Silva
 Procedimento: Restauração em R.C. no elemento 36, classe I.
 Materiais: Resina composta, sistema adesivo e CIV.
 Instrumentais: Kit acadêmico, material para isolamento
  absoluto, cureta de dentina, kit clínico, espátula de inserção,
  Microbrush, placa de vidro e espátula 36, pincéis para
  escultura e material para acabamento e polimento.
Normas da disciplina
 Todos os materiais solicitados na lista deverão estar
  junto ao aluno, dentro da clínica.
   Os materiais que não estão planejados o seu uso deverão
    ficar dentro dos armário embaixo das pias.


 Atestados, receituários e encaminhamento médico
  deverão ser realizados em duas vias carbonadas, uma
  para o paciente e outra para o prontuário.
   Os receituários que contenham medicamentos
    controlados deverão ser realizados em 3 vias carbonadas.
Normas da disciplina
 Todos e qualquer procedimento deverá ser anotado na
 ficha clínica do paciente.
   Ficha clínica da Cirurgia (exclusiva da disciplina de
    Cirurgia)
   Ficha de procedimentos clínicos (Destinada a todos os
    procedimentos realizados nos pacientes, em qualquer
    disciplina)

 Todos os procedimentos anotados nas fichas deverão
 ser assinados pelos professores.
Avaliação Prática do Aluno
 Horário de chegada e saída do laboratório.

 Asseio e paramentação.

 Cuidados com a limpeza, higiene e organização visando
  instrumental, material, ambiente e box.

 Seleção e disposição de instrumental e material.

 Aplicação das técnicas indicadas para cada procedimento.

 Qualidade do trabalho clínico.
                                                             Terra, G.
Prof. Ms. Guilherme Terra

   drguilhermeterra@yahoo.com.br

www.profguilhermeterra.blogspot.com/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Instrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgicaInstrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgica
232609
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Agneldo Ferreira
 
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edisonPo sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Edison Santos
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
resenfe2013
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
Laís Lucas
 

Mais procurados (20)

Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
Estação Aula Prática (Troca de dispositivo de proteção de traqueostomia))
Estação Aula Prática (Troca de dispositivo de proteção de traqueostomia))Estação Aula Prática (Troca de dispositivo de proteção de traqueostomia))
Estação Aula Prática (Troca de dispositivo de proteção de traqueostomia))
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 
Manual --traqueostomia
Manual --traqueostomiaManual --traqueostomia
Manual --traqueostomia
 
Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)
 
Instrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgicaInstrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgica
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
 
Administração de Sonda Vesical
Administração de Sonda VesicalAdministração de Sonda Vesical
Administração de Sonda Vesical
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edisonPo sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
 

Destaque

Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidades
profcelsoklein
 

Destaque (20)

Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
 
Dentística
DentísticaDentística
Dentística
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Exame clínico em dentística 2012 1
Exame clínico em dentística 2012 1Exame clínico em dentística 2012 1
Exame clínico em dentística 2012 1
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
Tutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blogTutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blog
 
Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
 
Instrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicosInstrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicos
 
Síntese e técnicas sutura 2013
Síntese e técnicas sutura 2013Síntese e técnicas sutura 2013
Síntese e técnicas sutura 2013
 
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
 
Clareamento 2012
Clareamento 2012Clareamento 2012
Clareamento 2012
 
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
 
Exame clínico em Dentística
Exame clínico em DentísticaExame clínico em Dentística
Exame clínico em Dentística
 
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 
Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidades
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
 
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
 

Semelhante a Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1

Plano clinica integral ll 2012
Plano clinica integral ll 2012Plano clinica integral ll 2012
Plano clinica integral ll 2012
Charles Pereira
 
Plano clinica integral ll 2012.1
Plano clinica integral ll 2012.1Plano clinica integral ll 2012.1
Plano clinica integral ll 2012.1
Charles Pereira
 
Plano clinica integral ii 2011.2
Plano clinica integral ii 2011.2Plano clinica integral ii 2011.2
Plano clinica integral ii 2011.2
Charles Pereira
 
Plano clinica integral II 2011.2
Plano clinica integral II 2011.2Plano clinica integral II 2011.2
Plano clinica integral II 2011.2
Charles Pereira
 
Plano de ensino tme 2011.2
Plano de ensino tme 2011.2Plano de ensino tme 2011.2
Plano de ensino tme 2011.2
Charles Pereira
 
Plano de ensino tme 2012.1
Plano de ensino tme 2012.1Plano de ensino tme 2012.1
Plano de ensino tme 2012.1
Charles Pereira
 
Plano de ensino tme 2012.1
Plano de ensino tme 2012.1Plano de ensino tme 2012.1
Plano de ensino tme 2012.1
Charles Pereira
 
Tec mat endo plano de ensino - 2011-1
Tec mat endo   plano de ensino - 2011-1Tec mat endo   plano de ensino - 2011-1
Tec mat endo plano de ensino - 2011-1
Charles Pereira
 
Tec mat endo plano de ensino - 2011-1
Tec mat endo   plano de ensino - 2011-1Tec mat endo   plano de ensino - 2011-1
Tec mat endo plano de ensino - 2011-1
Charles Pereira
 
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Charles Pereira
 
F icha de auto avaliação estágio
F icha de auto avaliação estágioF icha de auto avaliação estágio
F icha de auto avaliação estágio
familiaestagio
 
Artigosaionara
ArtigosaionaraArtigosaionara
Artigosaionara
dsmb_89
 

Semelhante a Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1 (20)

Plano clinica integral ll 2012
Plano clinica integral ll 2012Plano clinica integral ll 2012
Plano clinica integral ll 2012
 
Plano clinica integral ll 2012.1
Plano clinica integral ll 2012.1Plano clinica integral ll 2012.1
Plano clinica integral ll 2012.1
 
Plano clinica integral ii 2011.2
Plano clinica integral ii 2011.2Plano clinica integral ii 2011.2
Plano clinica integral ii 2011.2
 
Plano clinica integral II 2011.2
Plano clinica integral II 2011.2Plano clinica integral II 2011.2
Plano clinica integral II 2011.2
 
Planoensino2011 1
Planoensino2011 1Planoensino2011 1
Planoensino2011 1
 
Plano de ensino tme 2011.2
Plano de ensino tme 2011.2Plano de ensino tme 2011.2
Plano de ensino tme 2011.2
 
Plano de ensino tme 2012.1
Plano de ensino tme 2012.1Plano de ensino tme 2012.1
Plano de ensino tme 2012.1
 
Plano de ensino tme 2012.1
Plano de ensino tme 2012.1Plano de ensino tme 2012.1
Plano de ensino tme 2012.1
 
Tec mat endo plano de ensino - 2011-1
Tec mat endo   plano de ensino - 2011-1Tec mat endo   plano de ensino - 2011-1
Tec mat endo plano de ensino - 2011-1
 
Tec mat endo plano de ensino - 2011-1
Tec mat endo   plano de ensino - 2011-1Tec mat endo   plano de ensino - 2011-1
Tec mat endo plano de ensino - 2011-1
 
Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos120130220150135
Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos120130220150135Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos120130220150135
Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos120130220150135
 
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
 
relatorio 848.docx
relatorio 848.docxrelatorio 848.docx
relatorio 848.docx
 
F icha de auto avaliação estágio
F icha de auto avaliação estágioF icha de auto avaliação estágio
F icha de auto avaliação estágio
 
Disciplina de propedeutica 2018
Disciplina de propedeutica 2018Disciplina de propedeutica 2018
Disciplina de propedeutica 2018
 
Artigosaionara
ArtigosaionaraArtigosaionara
Artigosaionara
 
Intro pga 10
Intro pga 10Intro pga 10
Intro pga 10
 
Intro microbiologia
Intro microbiologiaIntro microbiologia
Intro microbiologia
 
Crono cir1 5mat
Crono cir1 5matCrono cir1 5mat
Crono cir1 5mat
 
Apresentação 12ºTAS-1aula-HSCG.pdf
Apresentação 12ºTAS-1aula-HSCG.pdfApresentação 12ºTAS-1aula-HSCG.pdf
Apresentação 12ºTAS-1aula-HSCG.pdf
 

Mais de Guilherme Terra

Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Guilherme Terra
 

Mais de Guilherme Terra (17)

Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013
 
Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013
 
Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013
 
Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
 
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
 
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
 
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1
 
Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1
Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1
Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1
 
Cronograma dentística restauradora 2012 1
Cronograma dentística restauradora 2012 1Cronograma dentística restauradora 2012 1
Cronograma dentística restauradora 2012 1
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
 
Cronograma urgência i segunda-feira- 2012-1
Cronograma urgência i   segunda-feira- 2012-1Cronograma urgência i   segunda-feira- 2012-1
Cronograma urgência i segunda-feira- 2012-1
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1

  • 1. Prof. Ms. Guilherme Terra Profa. Ms. Vanessa Ferriello
  • 2. Objetivo Geral  Possibilitar ao aluno o planejamento das atuações para os procedimentos restauradores diretos.  Proporcionar visão para a indicação correta do procedimento de proteção do complexo dentino- pulpar.  Proporcionar conhecimentos para a execução dos preparos cavitários e reconstruções com materiais restauradores diretos. Terra, G.
  • 3. Objetivos Específicos  Delimitar o espaço da Dentística Restauradora Plástica no contexto geral da Odontologia.  Fornecer os subsídios para um desempenho adequado no exercício da Odontologia, como clínico generalista, na área de Dentística Restauradora Plástica. Terra, G.
  • 4. Objetivos Específicos  Detalhar as opções de planejamento que visam controle adequado da doença, reabilitação das seqüelas e manutenção dos resultados em longo prazo, de forma individualizada a cada paciente.  Apresentar as diretrizes para a realização de restaurações plásticas, tanto nos aspectos de sua execução como da preservação da estrutura dentária. Terra, G.
  • 5. Método de avaliação 1º Bimestre Prova Teórica 1: peso 1 Nota de Atividades práticas: peso 1 Média Bimestral: Prova Teórica 1 + Nota Prática 1 2 2º Bimestre Prova Teórica 2: peso 1 Nota de Atividades práticas: peso 1 Média Bimestral: Prova Teórica 2 + Nota Prática 2 2 Média Final: Nota 1º Bimestre + Nota 2º Bimestre 2 Exame: Média Final + Nota do Exame 2 Terra, G.
  • 6. Método de avaliação Divulgação das Notas  O aluno deverá alcançar média 6,0, necessitando ou não da nota do exame.  A nota do primeiro bimestre será divulgada normalmente.  A nota do segundo bimestre só será divulgada após o exame.  Todos os alunos deverão fazer o exame!!! Terra, G.
  • 7. Normas da disciplina  Roupa branca obrigatória na clínica, com calça comprida e sapatos fechados.  Jaleco obrigatório na clínica.  Obrigatório o uso de EPIs no atendimento clínico.  A pontualidade e a postura profissional serão avaliadas todas as clínicas.
  • 8. Normas da disciplina  Gorro não é chapéu nem boné, portanto deverá ser utilizado somente dentro do ambiente clínico.  O mesmo ocorre com a máscara, que não é cachecol para ficar em volta do pescoço, nem brinco para ficar pendurada na orelha.  O uso de adornos fica proibido durante a execução dos procedimentos.
  • 9. Normas da disciplina  O lixo foi feito para colocar o lixo DENTRO, e não à volta dele.  Antes de qualquer procedimento, desinfetar as superfícies com álcool 70° ou spray desinfetante.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. JAMAIS DESCARTAR MATERIAIS PÉRFURO-CORTANTES NAS LIXEIRAS CONVENCIONAIS, POIS OS SERVIDORES DA LIMPEZA PODERÃO SE FERIR! Terra, G.
  • 14. Normas da disciplina  A marcação, remarcação e possível desmarcação dos pacientes em tratamento é de inteira responsabilidade do aluno.  Cada aluno deverá ter uma agenda onde os pacientes deverão ser marcados. Fiquem atentos ao cronograma.  O aluno deverá ter sempre em mãos o telefone do paciente para qualquer eventualidade.
  • 15. Normas da disciplina  O aluno deverá ter o planejamento do que irá fazer em todos os pacientes antes de cada clínica.  O planejamento deverá ser afixado na parede do box contendo o nome do paciente, do aluno, o procedimento a ser realizado e os principais materiais e instrumentais que serão utilizados.  Os planejamentos deverão ser entregue aos professores ao final de cada clínica.
  • 16. Planejamento  Data: 12/03/2012.  Paciente: Fulano de Tal  Aluno: José da Silva  Procedimento: Restauração em R.C. no elemento 36, classe I.  Materiais: Resina composta, sistema adesivo e CIV.  Instrumentais: Kit acadêmico, material para isolamento absoluto, cureta de dentina, kit clínico, espátula de inserção, Microbrush, placa de vidro e espátula 36, pincéis para escultura e material para acabamento e polimento.
  • 17. Normas da disciplina  Todos os materiais solicitados na lista deverão estar junto ao aluno, dentro da clínica.  Os materiais que não estão planejados o seu uso deverão ficar dentro dos armário embaixo das pias.  Atestados, receituários e encaminhamento médico deverão ser realizados em duas vias carbonadas, uma para o paciente e outra para o prontuário.  Os receituários que contenham medicamentos controlados deverão ser realizados em 3 vias carbonadas.
  • 18. Normas da disciplina  Todos e qualquer procedimento deverá ser anotado na ficha clínica do paciente.  Ficha clínica da Cirurgia (exclusiva da disciplina de Cirurgia)  Ficha de procedimentos clínicos (Destinada a todos os procedimentos realizados nos pacientes, em qualquer disciplina)  Todos os procedimentos anotados nas fichas deverão ser assinados pelos professores.
  • 19. Avaliação Prática do Aluno  Horário de chegada e saída do laboratório.  Asseio e paramentação.  Cuidados com a limpeza, higiene e organização visando instrumental, material, ambiente e box.  Seleção e disposição de instrumental e material.  Aplicação das técnicas indicadas para cada procedimento.  Qualidade do trabalho clínico. Terra, G.
  • 20. Prof. Ms. Guilherme Terra drguilhermeterra@yahoo.com.br www.profguilhermeterra.blogspot.com/