SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 79
Baixar para ler offline
Prof. Guilherme Terra
Dentística Operatória Aplicada
   O maior problema da Dentística Restauradora
    era   a    falta   de    adesão   dos   materiais
    restauradores às estruturas dentárias.


    ◦ Infiltração marginal




                                                  Terra, G.
   Descoloração marginal
   Fraturas marginais
   Reincidência de cárie
   Sensibilidade pós-operatória
   Reações pulpares
                 Kidd EAM. Microleakage: a review. J. Dent. 1976;4(5):199-206.




                                                                        Terra, G.
Introdução da técnica do condicionamento
     ácido do esmalte por Buonocore em 1955.




                           Novas perspectivas

Buonocore MG. A Simple Method of Increasing the Adhesion of Acrylic Filling Materials to to
                                         enamel surface. J Dent Res. 1955;34(6):849-53.




                                                                                     Terra, G.
   Descalcificação seletiva, formando poros.


   Formação dos Tags.


   Aumento o embricamento mecânico.




                                                Terra, G.
   Esmalte e a dentina são tecidos mineralizados
    e        contêm                  os           mesmos                    componentes
    inorgânicos.
   Porém apresentam diferenças morfológicas e
    na composição orgânica, fundamentais no
    processo de adesão.

        Buonocore MG. A Simple Method of Increasing the Adhesion of Acrylic Filling Materials to to enamel
                                                                  surface. J Dent Res. 1955;34(6):849-53.


                                                                                                   Terra, G.
A dentina é um tecido histologicamente
complexo, predominantemente tubular e com
           presença de umidade.




            Fatores que dificultam a adesão

Al-Ehaideb A, Mohammed H. Shear bond strength of “one 2. bottle” dentin adhesives. J Prosthet Dent.
                                                                              2000;84(4):408-12.




                                                                                            Terra, G.
Com a evolução dos sistemas adesivos




   Melhora na capacidade de adesão




Redução da microinfiltração marginal em
               dentina.



                                          Terra, G.
   Tecido mineralizado poroso de estrutura
    basicamente prismática.




    Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da
         FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em:
                                            http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm.




                                                                                                                Terra, G.
   Constituído de:
    ◦ Proteínas soluvéis, insolúveis e peptídeos em
      quantidades aproximadamente iguais.

    ◦ O esmalte varia consideravelmente em espessura
      nas diferentes regiões do dente e entre os
      diferentes tipos de dentes.

    ◦ É mais espesso nas cúspides e nas bordas incisais
      é mais delgado terminando na margem cervical.



                                                      Terra, G.
   Apresenta-se sob a forma de cristais, que unidos
    originam os prismas de esmalte.

   Iniciam-se na junção amelodentinária e dirigem-se
    para a superfície dental.

   Apresentando uma variação de tamanho de 4 a 7 µm.

   A porção mais externa do esmalte é constituído
    principalmente pela porção orgânica, com menor
    quantidade de prismas.


                                                   Terra, G.
   Remove aproximadamente 10 µm da superfície.

   Cria poros de 5 à 50 µm de profundidade.

   Aumenta da área de superfície, o molhamento do
    esmalte e a tensão superficial.

   O adesivo flue para os microporos, criando uma
    retenção micromecânica

     Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da
          FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em:
                                             http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm.




                                                                                                                 Terra, G.
   Ácido fosfórico na concentração de 30 à 40%.


   Outros agentes desmineralizantes tem sido
    testado como: EDTA, ácido pirúvico(10%).


       Fujitani M, Inokoshi S, Hosoda H. Effect of acid etching on the dental pulp in adhesive composite
                                                              restorations. Int Dent J. 1992;42(1):3-11.




                                                                                                 Terra, G.
   Estudos demonstram que o tempo de condicionamento
    ácido de 15 segundos promove a mesma rugosidade que
    no tempo de 60 segundos.


   Estudos laboratoriais demonstram que                                             a resistência                ao
    cisalhamento e a infiltração marginal são similares tanto
    em 15 /60 segundos no tempo de condicionamento.

    Fujitani M, Inokoshi S, Hosoda H. Effect of acid etching on the dental pulp in adhesive composite restorations. Int
                                                                                             Dent J. 1992;42(1):3-11.




                                                                                                               Terra, G.
   Os ácidos                       podem                 apresentar-se                           sob           2
    formas:

   Gel (mais utilizado).

   Solução.

Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da
     FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em:
                                        http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm.




                                                                                                            Terra, G.
   O tempo de lavagem de no mínimo 15
    segundos.


      Fujitani M, Inokoshi S, Hosoda H. Effect of acid etching on the dental pulp in adhesive composite
                                                             restorations. Int Dent J. 1992;42(1):3-11.




                                                                                                Terra, G.
   A dentina apresenta um aspecto tubular.

   Sua quantidade e diâmetro médios variam de
    acordo com a proximidade com o tecido pulpar.




Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da
     FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em:
                                        http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm.


                                                                                                            Terra, G.
Próximo à junção amelodentinária



                                   10.000 túbulos mm2

   O diâmetro próximo à junção amelodentinária gira
    em torno de 0,87 micrômetros.


                                                                       Dentina superficial




Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da
     FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em:
                                        http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm.



                                                                                                            Terra, G.
Próximo à polpa



                                   50.000 túbulos mm2


   O diâmetro próximo à polpa gira em torno de 2,5
    micrômetros.


                                                                         Dentina profunda



     Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da
          FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em:
                                             http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm.


                                                                                                                 Terra, G.
   A dentina peritubular envolve os túbulos e é
    caracterizada por seu alto conteúdo mineral.

   A dentina intertubular se situa entre os
    túbulos    dentinários,  sendo    menos
    mineralizada.




     Dentina intertubular   Dentina peritubular



                                                  Terra, G.
   Primária

   Secundária

   Terciária ou reacionária


    Kuttler Y. Classification of dentine into primary, secondary and terciary. Oral Surg. 1959;12:996-1001.




                                                                                                    Terra, G.
   É a dentina original, normal e regular.



   A maior parte é formada antes da erupção do
    dente.


        Kuttler Y. Classification of dentine into primary, secondary and terciary. Oral Surg. 1959;12:996-1001.




                                                                                                       Terra, G.
   É   a dentina                   que se forma devido                                               aos
    estímulos de baixa intensidade.


   Decorrente                de          função                 biológica                   normal
    durante a vida clínica do dente.


        Kuttler Y. Classification of dentine into primary, secondary and terciary. Oral Surg. 1959;12:996-1001.




                                                                                                       Terra, G.
   Dentina reacionária.

    ◦ Desenvolve-se quando existem irritações pulpares
      mais intensas.

    ◦ Cárie, irritações mecânicas, térmicas, químicas,
      elétricas e outras.



        Kuttler Y. Classification of dentine into primary, secondary and terciary. Oral Surg. 1959;12:996-1001.




                                                                                                       Terra, G.
   Microfragmentos ou microdetritos deixados
    sobre a dentina durante o preparo cavitário.

   Formado sempre que superfície dentária é
    cortada ou desgastada com instrumentos
    rotatórios.

   Conhecido também como lama dentinária.

          PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29.




                                                                                         Terra, G.
   Sua remoção traz benefícios e prejuízos para as
    técnicas restauradoras.

   Consiste em duas camadas:

    ◦ A camada externa superficial e amorfa, agregada sobre
      superfície dentinária
    ◦ A interna, formada por micropartículas que penetram
      por alguns micrômetros no interior do complexo
      tubular da dentina.

                    PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29.




                                                                                                  Terra, G.
   Reduz o movimento dos fluídos dentinários
    em direção à polpa.

   Previne a penetração bacteriana nos túbulos
    dentinários.

   Constitui em um forrador cavitário que reduz
    a permeabilidade dentinária mais efetivo que
    qualquer selante cavitário.

          PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29.




                                                                                         Terra, G.
   Interfere na adesão dos materiais adesivos.

   Pode servir como depósito de bactérias ou de
    seus produtos (Controverso).

   Pode permanecer utilizar materiais
    restauradores não adesivos.

          PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29.




                                                                                         Terra, G.
   Materiais restauradores adesivos.
    ◦ Deve ser removida com agentes de limpeza cavitária.


   Materiais restauradores não adesivos.
    ◦ Não precisa se removida.

     Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da
          FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em:
                                             http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm.


                                    PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29.




                                                                                                                  Terra, G.
   Devem possuir as seguintes características:

    ◦ Não ser tóxico.
    ◦ Limpar as paredes cavitárias, removendo os
      fragmentos orgânicos, acumulados durante a
      instrumentação do preparo.
    ◦ Eliminar possíveis microorganismos patogênicos no
      interior da cavidade.
    ◦ Facilitar a ação dos agentes protetores.

     Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da
          FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em:
                                             http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm.




                                                                                                                 Terra, G.
   Foram utilizados vários tipos de ácidos, entre
    eles o ácido poliacrílico, fosfórico, EDTA entre
    outros.

    ◦ Clorhexidina 2%.
    ◦ Ácido fosfórico a 37% com Clorhexidina.

Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da
     FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em:
                                        http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm.




                                                                                                            Terra, G.
   Técnica mais aceita hoje em dia.

   Indicada em cavidades que apresentam cerca
    de 1 mm de espessura – ou mais - de
    dentina remanescente.

   Ácido Fosfórico 37% por 15 segundos.

     Meryon SD, Tobias RS, Jakeman KJ. Smear removal agents: a quantitative study in vivo and in vitro. J
                                                                Prosthet Dent. 1987 Feb;57(2):174-9.

         Fusayama T. Factors and prevention of pulp irritation by adhesive composite resin restorations.
                                                              Quintessence Int. 1987 Sep;18(9):633-41.




                                                                                                  Terra, G.
   Nakabayashi et al (1982) definiram a
    formação da camada híbrida, resultante da
    infiltração de monômeros resinosos entre as
    fibras colágenas expostas.

   Ocorre devido à remoção total do smear layer
    e pela criação de microporos por um ácido.

NAKABAYASHI N, et al. The promotion of adhesion by the infiltration of monomers into tooth substrates. J
                                                                  Biomed Mater Res. 1982:16(3):265-73.




                                                                                                 Terra, G.
   Proximidade com a polpa.

   CIV quando existe pouco remanescente.

   Hidróxido de Cálcio e CIV quando existe
    muito pouco remanescente.

          Mondelli J. Proteção do complexo dentino-pulpar. São Paulo: Artes Médicas; 1998. P 316.




                                                                                          Terra, G.
   O ácido fosfórico a 37%, pode causar danos às
    células odontoblásticas.

   Porém esse dano é superado pela capacidade de
    recuperação de um tecido pulpar saudável.

   Contudo, muitos dos componentes dos sistemas
    adesivos são tóxicos para as células pulpares.

        Brannstrom M, Nordervall KJ. Bacterial penetration, pulpal reaction and inner surface of concise enamel
                      bond. Composite fillings in etched and unetched cavities. J Dent Res. 1978;57(1):3-10.




                                                                                                       Terra, G.
   Primer



   Bond




             Terra, G.
   Componente Hidrofílico
    ◦ Têm adicionado em sua composição um solvente.

      Acetona
        Requer um menor tempo para evaporar.
        Requer um ambiente mais úmido.

      Água
        Requer um maior tempo para evaporar.
        Requer um ambiente mais seco.

      Álcool
        Intermediário entre a água e a acetona.
                                        (Kanca, 1998; Jacobsen & Söderholm, 1998)


                                                                          Terra, G.
   Componente Hidrofóbico.

    ◦ Resina sem carga, fluída.

    ◦ É “Levado” pelo Primer ao interior dos túbulos.

    ◦ Têm ligação química à R.C.




                                                        Terra, G.
   Três tipos básicos

    ◦ 2 Frascos

    ◦ Frasco único

    ◦ Autocondicionantes




                           Terra, G.
   Técnica mais estudada e considerada a mais
    segura.

    ◦ Frasco 1: Primer.

    ◦ Frasco 2: Bond.



 Adper™     Scotchbond.


                                           Terra, G.
   Ataque ácido com ácido fosfórico por 15
    segundos.

   Lavagem por no mínimo 15 segundos.

   Secagem com “bolinhas de algodão”, papel
    absorvente ou leves jatos de ar.
    ◦ O esmalte deve ficar o mais seco possível.
    ◦ Já a dentina deve ficar seca, porém com certa umidade.

   Aplicar o Primer e esperar evaporar.

   Aplicação do Bond e fotopolimerização.


                                                          Terra, G.
   Frasco único com Primer e Bond juntos.

 Adper™    Singlebond, Prime & Bond 2.1, Excite,
    Magic Bond DE.




                                              Terra, G.
   Ataque ácido com ácido fosfórico por 15
    segundos.

   Lavagem por no mínimo 15 segundos.

   Secagem com “bolinhas de algodão”, papel
    absorvente ou leves jatos de ar.
    ◦ O esmalte deve ficar o mais seco possível.
    ◦ Já a dentina deve ficar seca, porém com certa umidade.

   Aplicar o sistema adesivo, esperar evaporar e
    fotopolimerizar.


                                                          Terra, G.
   Elimina as etapas de condicionamento ácido, lavagem e
    secagem.

   Reduz o risco de sensibilidade pós-operatória.
    ◦ A secagem do preparo é um dos passos mais críticos para o
      sucesso da adesão.

   Clearfil SE Bond, Adper SE Plus.




    Clavijo VGR, Souza NC, Kabbach W, Rigolizzo DS, Andrade MF. Utilização do Sistema adesivo autocondicionante em restauração direta de
                                                              resina composta – Protocolo clínico. R Dental Press Estét. 2006;3(4):37-45.



                                                                                                                                Terra, G.
    Condicionamento em esmalte insuficiente.

    Alguns trabalhos sugerem uma adaptação na
     técnica recomendada pelos fabricantes.

    Realização do condicionamento ácido do
     esmalte com ácido fosfórico a 37%
     previamente à aplicação do sistema adesivo
     autocondicionante.

    Martins GC, Franco APGO, Godoy EP, Maluf DR, Gomes JC, Gomes OMM. Adesivos dentinários. RGO. 2008
                                                                               out./dez;56(4):429-36.




                                                                                              Terra, G.
   Lavagem por no mínimo 15 segundos.

   Secagem com “bolinhas de algodão”, papel
    absorvente ou leves jatos de ar.

    ◦ Secar uniformemente.
    ◦ Não deve ter muita umidade.

   Fotopolimerização.



                                               Terra, G.
   Grande parte desses problemas das Resinas
    Compostas estão relacionados à contração de
    polimerização.

   Ocorre devido à aproximação molecular durante
    a formação da cadeia polimérica.

   Quanto maior a conversão dos monômeros em
    polímeros, maior a contração de polimerização.

                                       (RUEGGEBERG, 1999)



                                                    Terra, G.
   A contração de polimerização pode acarretar
    na formação de um espaço entre o material
               restaurador e o dente.




           Passagem de fluidos e bactérias.




                     Micro infiltração.

                                           (OPDAM et al., 1998)



                                                        Terra, G.
   O iniciador mais comumente utilizado nas
    resinas compostas é a Canforoquinona.

   Absorve energia num espectro de luz visível
    azul, entre 400 a 500nm.

   Comprimento de onda ideal de 468nm.

                                 (COELHO-SANTOS et al., 2002)




                                                       Terra, G.
   Grau de Conversão é a quantidade de cadeias
    poliméricas formadas no interior da massa.


              Quanto maior a intensidade de luz.



              Maior o grau de conversão da R.C.


   A adequada conversão dos monômeros garante a
    manutenção das propriedades físico-mecânicas das
    R.C.
               (RUEGGEBERG & JORDAN, 1993; DAVIDSON-KABAN et al., 1997; RUEGGEBERG,1999; FRIEDMAN, 1999).




                                                                                                 Terra, G.
   É um dos fatores que mais contribui para o
    insucesso das R.C.

   É resultado da aproximação dos monômeros
    entre si, durante a formação da cadeia
    polimérica.

   Quanto maior for o grau de conversão, maior
    será a contração de polimerização.
                                      (SAKAGUCHI, 1999).




                                                  Terra, G.
   Ocorre em todas as Resinas Compostas.

   Contração de 1 a 3% do volume.

   Até recentemente acreditava-se                                           que         a     R.C.
    contraía em direção à Luz.

   Contraem em direção às paredes que estão
    aderidas.
     Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem
                                                       Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9.




                                                                                                 Terra, G.
   Também denominado fator C.

   É a proporção entre o número de superfícies
    aderidas com as não aderidas.

   Para reduzir o efeito do fator C, utiliza-se a
    técnica incremental.
                                       (CARVALHO et al., 1996)




                                                        Terra, G.
Terra, G.
   O processo de polimerização é complexo e
    envolve inúmeros passos.

   A princípio, formam-se cadeias poliméricas
    lineares, as quais vão se ramificando,
    formando cadeias cruzadas.

                                (CARVALHO et al., 1996)




                                                  Terra, G.
   O momento em que a resina passa do estado
    fluido para o estado viscoso é denominado
    ponto gel.

   A partir deste ponto a resina sofre um stress
    que é transferido para a interface dente-
    restauração.

                                   (CARVALHO et al., 1996)




                                                     Terra, G.
   Antes do ponto gel existe uma fase chamada
    Pré-Gel.

   Na fase pré-gel, as moléculas podem deslizar
    e adquirir novas posições, compensando o
    stress da contração de polimerização.

   Nesta fase, o estresse de contração gerado
    não é transferido para a interface de união.

                             (KANCA III & SUH, 1999; VERSLUIS et al., 1999)




                                                                    Terra, G.
   A capacidade de escoamento da resina fica
    restrita.

   Toda a força do stress de contração gerado, a
    partir desse ponto, será transferido para a
    interface de união.

                         (KANCA III & SUH, 1999; VERSLUIS et al., 1999)




                                                                 Terra, G.
   O estresse desenvolvido pode gerar forças
    capazes de romper a resistência adesiva da
    restauração às paredes cavitárias.

   Para minimizar o estresse da contração de
    polimerização, idealmente prolonga-se a fase
    pré-gel.

                       (DAVIDSON & GEE, 1984; CARVALHO et al., 1996)




                                                              Terra, G.
   Quanto maior a intensidade da luz maior o grau
    de conversão.

   É necessário um a potência alta para um correto
    grau de conversão.

   Porém o alto grau de conversão até o ponto gel é
    prejudicial à interface adesiva.

   Algumas técnicas de fotoativação procuram
    prolongar o tempo da fase Pré-Gel, com uma
    menor potência no início da fotopolimerização.
                               (DAVIDSON & GEE, 1984; CARVALHO et al., 1996)




                                                                     Terra, G.
   Convencional

   Step

   Ramp

   Pulso tardio

     Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem
                                                       Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9.




                                                                                                 Terra, G.
   Intensidade constante.

   Potência Máxima do aparelho.

   20 a 40 segundos.

   Não estende a fase Pré-gel.

   Gera um maior Stress na interface adesiva.

     Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem
                                                       Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9.



                                                                                                 Terra, G.
   A resina é fotopolimerizada inicialmente em uma
    potência mais baixa, e subitamente emprega-se
    a potência máxima do aparelho.

   Tempos pré definidos pelo aparelho.

   Estende a fase Pré-gel.

   Gera um menor Stress na interface adesiva.
     Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem
                                                       Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9.




                                                                                                 Terra, G.
   A luz é aplicada em baixa intensidade e,
    gradativamente a intensidade é aumentada,
    chegando a uma alta intensidade por mais um tempo
    específico.

   Tempos pré definidos pelo aparelho.

   Estende a fase Pré-gel.

   Gera um menor Stress na interface adesiva.
     Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem
                                                       Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9.




                                                                                                 Terra, G.
   Cada incremento é fotopolimerizado por 5 segundos
    em baixa potência.

   Banho de luz ao fim da restauração de 1 minuto por
    face, em potência máxima.

   Técnica que gera o menor stress de contração de
    polimerização e melhor adaptação marginal.

   Técnica que têm sido mais indicada pela literatura.
    Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev
                                                                              Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9.




                                                                                                          Terra, G.
   Arco de plasma de xenônio

   Laser de argônio (Alta potência)

   Luz halógena

   Light Emitting Diode (LED)



                                       Terra, G.
   Potência fixa de cerca de 2.000mw/cm2.

   Produz calor maior que a fonte Halógena.

   A vida útil de cerca 5 anos.

   Alto custo.

   Não permitem a reposição da fonte de luz no
    consultório.
                                        (RUEGGEBERG, 1999)




                                                     Terra, G.
Terra, G.
   Gera uma quantidade de calor menor que as
    fontes Halógenas e o arco de Plasma.

   Alto custo.

   Não permitem a reposição da fonte de luz no
    consultório.

                                    (RUEGGEBERG, 1999)




                                                 Terra, G.
Terra, G.
   Fonte mais utilizada nos últimos anos.

   Produz calor considerável.

   Vida útil de cerca de 30 horas, podendo
    alcançar 40 horas de uso.

    SANTOS MJMC, SILVA e SOUZA JR. MH, MONDELLI RFL. Novos conceitos relacionados à fotopolimerização
                                                        das resinas compostas. JBD. 2002:1(1):14-21.




                                                                                              Terra, G.
   A potência mínima deve ser de 350mw/cm2
    (Técnica convencional).

   O tempo de exposição varia de 20 a 40
    segundos (Técnica convencional).

   Radiômetro é o aparelho que mede a
    intensidade da luz Halógena.

       Santos MJMC, SILVA e Souza JR. MH, Mondelli RFL. Novos conceitos relacionados à
                       fotopolimerização das resinas compostas. JBD. 2002:1(1):14-21.




                                                                                Terra, G.
Terra, G.
   Os primeiros aparelhos emitiam uma baixa
    intensidade.

   Atualmente existem aparelhos que chegam a
    uma potência de 2.000mW/cm2.

   Polimerizam apenas resinas a base de
    Canforoquinona.

Borges A, ChasqueiraF, Portugal J. Grau de Conversão de Resinas Compostas. Influência do
                 Método de Fotopolimerização. Rev Port Estomat Med Dent Cir Maxilofac.
                                                                   2009;50(4):197-203.




                                                                                  Terra, G.
   Mais leves que os aparelhos Halógenos.

   Emitem ruídos consideravelmente menores
    que os Halógenos.

   Custo um pouco mais alto que os Halógenos.

Borges A, ChasqueiraF, Portugal J. Grau de Conversão de Resinas Compostas. Influência do
                 Método de Fotopolimerização. Rev Port Estomat Med Dent Cir Maxilofac.
                                                                   2009;50(4):197-203.




                                                                                  Terra, G.
   Opções de aparelhos sem fio.

   Produzem menos calor que as outras fontes
    de luz.

   O aparelho que mede sua intensidade é
    denominado de Potenciômetro.

Borges A, Chasqueira F, Portugal J. Grau de Conversão de Resinas Compostas. Influência do
                  Método de Fotopolimerização. Rev Port Estomat Med Dent Cir Maxilofac.
                                                                    2009;50(4):197-203.




                                                                                   Terra, G.
Terra, G.
Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra

     Especialista em Implantodontia e Dentística
   Mestre em Odontologia – Universidade Ibirapuera

            drguilhermeterra@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Camilla Bringel
 

Mais procurados (20)

Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
 
Selantes odontopediatria
Selantes odontopediatriaSelantes odontopediatria
Selantes odontopediatria
 
Cimento de ionômero de vidro civ
Cimento de ionômero de vidro  civCimento de ionômero de vidro  civ
Cimento de ionômero de vidro civ
 
Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
 
Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicos
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia local
 
Resina composta
Resina compostaResina composta
Resina composta
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível Odontológico
 
Como deve ser feita a profilaxia
Como deve ser feita a profilaxiaComo deve ser feita a profilaxia
Como deve ser feita a profilaxia
 
Clareamento dental
Clareamento dentalClareamento dental
Clareamento dental
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
 
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoAnatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
 

Semelhante a Adesivos odontológicos e fatores de contração 2012 1

Clareamento interno uma alternativa para discromia de
Clareamento interno uma alternativa para discromia deClareamento interno uma alternativa para discromia de
Clareamento interno uma alternativa para discromia de
Joyce Fagundes
 
Lesões bucais associadas ao uso de prótese
Lesões bucais associadas ao uso de próteseLesões bucais associadas ao uso de prótese
Lesões bucais associadas ao uso de prótese
Altair Pacheco Pontes
 

Semelhante a Adesivos odontológicos e fatores de contração 2012 1 (20)

Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Artigo dental press 2010
Artigo dental press 2010Artigo dental press 2010
Artigo dental press 2010
 
Classificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas CompostasClassificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas Compostas
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostas
 
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
 
TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA
TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA
TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA
 
Clareamento interno uma alternativa para discromia de
Clareamento interno uma alternativa para discromia deClareamento interno uma alternativa para discromia de
Clareamento interno uma alternativa para discromia de
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
 
O Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral Otimizando
O Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral OtimizandoO Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral Otimizando
O Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral Otimizando
 
Marta
MartaMarta
Marta
 
501 2127-1-pb
501 2127-1-pb501 2127-1-pb
501 2127-1-pb
 
Lesões bucais associadas ao uso de prótese
Lesões bucais associadas ao uso de próteseLesões bucais associadas ao uso de prótese
Lesões bucais associadas ao uso de prótese
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
 
Agentes clareadores e sua relação
Agentes clareadores e sua relaçãoAgentes clareadores e sua relação
Agentes clareadores e sua relação
 
Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...
Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...
Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...
 
Alterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodonticaAlterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodontica
 
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologicoPrepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologico
 

Mais de Guilherme Terra

Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Guilherme Terra
 

Mais de Guilherme Terra (20)

Tutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blogTutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blog
 
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
 
Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013
 
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
 
Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013
 
Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013
 
Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013
 
Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
 
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
 
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
 
Síntese e técnicas sutura 2013
Síntese e técnicas sutura 2013Síntese e técnicas sutura 2013
Síntese e técnicas sutura 2013
 
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
 
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 

Adesivos odontológicos e fatores de contração 2012 1

  • 1. Prof. Guilherme Terra Dentística Operatória Aplicada
  • 2. O maior problema da Dentística Restauradora era a falta de adesão dos materiais restauradores às estruturas dentárias. ◦ Infiltração marginal Terra, G.
  • 3. Descoloração marginal  Fraturas marginais  Reincidência de cárie  Sensibilidade pós-operatória  Reações pulpares Kidd EAM. Microleakage: a review. J. Dent. 1976;4(5):199-206. Terra, G.
  • 4. Introdução da técnica do condicionamento ácido do esmalte por Buonocore em 1955. Novas perspectivas Buonocore MG. A Simple Method of Increasing the Adhesion of Acrylic Filling Materials to to enamel surface. J Dent Res. 1955;34(6):849-53. Terra, G.
  • 5. Descalcificação seletiva, formando poros.  Formação dos Tags.  Aumento o embricamento mecânico. Terra, G.
  • 6. Esmalte e a dentina são tecidos mineralizados e contêm os mesmos componentes inorgânicos.  Porém apresentam diferenças morfológicas e na composição orgânica, fundamentais no processo de adesão. Buonocore MG. A Simple Method of Increasing the Adhesion of Acrylic Filling Materials to to enamel surface. J Dent Res. 1955;34(6):849-53. Terra, G.
  • 7. A dentina é um tecido histologicamente complexo, predominantemente tubular e com presença de umidade. Fatores que dificultam a adesão Al-Ehaideb A, Mohammed H. Shear bond strength of “one 2. bottle” dentin adhesives. J Prosthet Dent. 2000;84(4):408-12. Terra, G.
  • 8. Com a evolução dos sistemas adesivos Melhora na capacidade de adesão Redução da microinfiltração marginal em dentina. Terra, G.
  • 9. Tecido mineralizado poroso de estrutura basicamente prismática. Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm. Terra, G.
  • 10. Constituído de: ◦ Proteínas soluvéis, insolúveis e peptídeos em quantidades aproximadamente iguais. ◦ O esmalte varia consideravelmente em espessura nas diferentes regiões do dente e entre os diferentes tipos de dentes. ◦ É mais espesso nas cúspides e nas bordas incisais é mais delgado terminando na margem cervical. Terra, G.
  • 11. Apresenta-se sob a forma de cristais, que unidos originam os prismas de esmalte.  Iniciam-se na junção amelodentinária e dirigem-se para a superfície dental.  Apresentando uma variação de tamanho de 4 a 7 µm.  A porção mais externa do esmalte é constituído principalmente pela porção orgânica, com menor quantidade de prismas. Terra, G.
  • 12. Remove aproximadamente 10 µm da superfície.  Cria poros de 5 à 50 µm de profundidade.  Aumenta da área de superfície, o molhamento do esmalte e a tensão superficial.  O adesivo flue para os microporos, criando uma retenção micromecânica Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm. Terra, G.
  • 13. Ácido fosfórico na concentração de 30 à 40%.  Outros agentes desmineralizantes tem sido testado como: EDTA, ácido pirúvico(10%). Fujitani M, Inokoshi S, Hosoda H. Effect of acid etching on the dental pulp in adhesive composite restorations. Int Dent J. 1992;42(1):3-11. Terra, G.
  • 14. Estudos demonstram que o tempo de condicionamento ácido de 15 segundos promove a mesma rugosidade que no tempo de 60 segundos.  Estudos laboratoriais demonstram que a resistência ao cisalhamento e a infiltração marginal são similares tanto em 15 /60 segundos no tempo de condicionamento. Fujitani M, Inokoshi S, Hosoda H. Effect of acid etching on the dental pulp in adhesive composite restorations. Int Dent J. 1992;42(1):3-11. Terra, G.
  • 15. Os ácidos podem apresentar-se sob 2 formas:  Gel (mais utilizado).  Solução. Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm. Terra, G.
  • 16. O tempo de lavagem de no mínimo 15 segundos. Fujitani M, Inokoshi S, Hosoda H. Effect of acid etching on the dental pulp in adhesive composite restorations. Int Dent J. 1992;42(1):3-11. Terra, G.
  • 17. A dentina apresenta um aspecto tubular.  Sua quantidade e diâmetro médios variam de acordo com a proximidade com o tecido pulpar. Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm. Terra, G.
  • 18. Próximo à junção amelodentinária 10.000 túbulos mm2  O diâmetro próximo à junção amelodentinária gira em torno de 0,87 micrômetros. Dentina superficial Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm. Terra, G.
  • 19. Próximo à polpa 50.000 túbulos mm2  O diâmetro próximo à polpa gira em torno de 2,5 micrômetros. Dentina profunda Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm. Terra, G.
  • 20. A dentina peritubular envolve os túbulos e é caracterizada por seu alto conteúdo mineral.  A dentina intertubular se situa entre os túbulos dentinários, sendo menos mineralizada. Dentina intertubular Dentina peritubular Terra, G.
  • 21. Primária  Secundária  Terciária ou reacionária Kuttler Y. Classification of dentine into primary, secondary and terciary. Oral Surg. 1959;12:996-1001. Terra, G.
  • 22. É a dentina original, normal e regular.  A maior parte é formada antes da erupção do dente. Kuttler Y. Classification of dentine into primary, secondary and terciary. Oral Surg. 1959;12:996-1001. Terra, G.
  • 23. É a dentina que se forma devido aos estímulos de baixa intensidade.  Decorrente de função biológica normal durante a vida clínica do dente. Kuttler Y. Classification of dentine into primary, secondary and terciary. Oral Surg. 1959;12:996-1001. Terra, G.
  • 24. Dentina reacionária. ◦ Desenvolve-se quando existem irritações pulpares mais intensas. ◦ Cárie, irritações mecânicas, térmicas, químicas, elétricas e outras. Kuttler Y. Classification of dentine into primary, secondary and terciary. Oral Surg. 1959;12:996-1001. Terra, G.
  • 25. Microfragmentos ou microdetritos deixados sobre a dentina durante o preparo cavitário.  Formado sempre que superfície dentária é cortada ou desgastada com instrumentos rotatórios.  Conhecido também como lama dentinária. PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29. Terra, G.
  • 26. Sua remoção traz benefícios e prejuízos para as técnicas restauradoras.  Consiste em duas camadas: ◦ A camada externa superficial e amorfa, agregada sobre superfície dentinária ◦ A interna, formada por micropartículas que penetram por alguns micrômetros no interior do complexo tubular da dentina. PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29. Terra, G.
  • 27. Reduz o movimento dos fluídos dentinários em direção à polpa.  Previne a penetração bacteriana nos túbulos dentinários.  Constitui em um forrador cavitário que reduz a permeabilidade dentinária mais efetivo que qualquer selante cavitário. PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29. Terra, G.
  • 28. Interfere na adesão dos materiais adesivos.  Pode servir como depósito de bactérias ou de seus produtos (Controverso).  Pode permanecer utilizar materiais restauradores não adesivos. PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29. Terra, G.
  • 29. Materiais restauradores adesivos. ◦ Deve ser removida com agentes de limpeza cavitária.  Materiais restauradores não adesivos. ◦ Não precisa se removida. Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm. PASHLEY DH. Smear layer: Physiological considerations . Oper Dent Supll. 1984;3:13-29. Terra, G.
  • 30. Devem possuir as seguintes características: ◦ Não ser tóxico. ◦ Limpar as paredes cavitárias, removendo os fragmentos orgânicos, acumulados durante a instrumentação do preparo. ◦ Eliminar possíveis microorganismos patogênicos no interior da cavidade. ◦ Facilitar a ação dos agentes protetores. Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm. Terra, G.
  • 31. Foram utilizados vários tipos de ácidos, entre eles o ácido poliacrílico, fosfórico, EDTA entre outros. ◦ Clorhexidina 2%. ◦ Ácido fosfórico a 37% com Clorhexidina. Mandarino F. Departamento de Odontologia Restauradora. Ribeirão Preto: Departamento de Odontologia Restauradora da FOUSP; [atualizada em 2003 Jul 11; acesso em 2010 Apr 26]. Adesivos Odontológicos; [aprox 30 p]. Disponível em: http://www.forp.usp.br/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm. Terra, G.
  • 32. Técnica mais aceita hoje em dia.  Indicada em cavidades que apresentam cerca de 1 mm de espessura – ou mais - de dentina remanescente.  Ácido Fosfórico 37% por 15 segundos. Meryon SD, Tobias RS, Jakeman KJ. Smear removal agents: a quantitative study in vivo and in vitro. J Prosthet Dent. 1987 Feb;57(2):174-9. Fusayama T. Factors and prevention of pulp irritation by adhesive composite resin restorations. Quintessence Int. 1987 Sep;18(9):633-41. Terra, G.
  • 33. Nakabayashi et al (1982) definiram a formação da camada híbrida, resultante da infiltração de monômeros resinosos entre as fibras colágenas expostas.  Ocorre devido à remoção total do smear layer e pela criação de microporos por um ácido. NAKABAYASHI N, et al. The promotion of adhesion by the infiltration of monomers into tooth substrates. J Biomed Mater Res. 1982:16(3):265-73. Terra, G.
  • 34. Proximidade com a polpa.  CIV quando existe pouco remanescente.  Hidróxido de Cálcio e CIV quando existe muito pouco remanescente. Mondelli J. Proteção do complexo dentino-pulpar. São Paulo: Artes Médicas; 1998. P 316. Terra, G.
  • 35. O ácido fosfórico a 37%, pode causar danos às células odontoblásticas.  Porém esse dano é superado pela capacidade de recuperação de um tecido pulpar saudável.  Contudo, muitos dos componentes dos sistemas adesivos são tóxicos para as células pulpares. Brannstrom M, Nordervall KJ. Bacterial penetration, pulpal reaction and inner surface of concise enamel bond. Composite fillings in etched and unetched cavities. J Dent Res. 1978;57(1):3-10. Terra, G.
  • 36. Primer  Bond Terra, G.
  • 37. Componente Hidrofílico ◦ Têm adicionado em sua composição um solvente.  Acetona  Requer um menor tempo para evaporar.  Requer um ambiente mais úmido.  Água  Requer um maior tempo para evaporar.  Requer um ambiente mais seco.  Álcool  Intermediário entre a água e a acetona. (Kanca, 1998; Jacobsen & Söderholm, 1998) Terra, G.
  • 38. Componente Hidrofóbico. ◦ Resina sem carga, fluída. ◦ É “Levado” pelo Primer ao interior dos túbulos. ◦ Têm ligação química à R.C. Terra, G.
  • 39. Três tipos básicos ◦ 2 Frascos ◦ Frasco único ◦ Autocondicionantes Terra, G.
  • 40. Técnica mais estudada e considerada a mais segura. ◦ Frasco 1: Primer. ◦ Frasco 2: Bond.  Adper™ Scotchbond. Terra, G.
  • 41. Ataque ácido com ácido fosfórico por 15 segundos.  Lavagem por no mínimo 15 segundos.  Secagem com “bolinhas de algodão”, papel absorvente ou leves jatos de ar. ◦ O esmalte deve ficar o mais seco possível. ◦ Já a dentina deve ficar seca, porém com certa umidade.  Aplicar o Primer e esperar evaporar.  Aplicação do Bond e fotopolimerização. Terra, G.
  • 42. Frasco único com Primer e Bond juntos.  Adper™ Singlebond, Prime & Bond 2.1, Excite, Magic Bond DE. Terra, G.
  • 43. Ataque ácido com ácido fosfórico por 15 segundos.  Lavagem por no mínimo 15 segundos.  Secagem com “bolinhas de algodão”, papel absorvente ou leves jatos de ar. ◦ O esmalte deve ficar o mais seco possível. ◦ Já a dentina deve ficar seca, porém com certa umidade.  Aplicar o sistema adesivo, esperar evaporar e fotopolimerizar. Terra, G.
  • 44. Elimina as etapas de condicionamento ácido, lavagem e secagem.  Reduz o risco de sensibilidade pós-operatória. ◦ A secagem do preparo é um dos passos mais críticos para o sucesso da adesão.  Clearfil SE Bond, Adper SE Plus. Clavijo VGR, Souza NC, Kabbach W, Rigolizzo DS, Andrade MF. Utilização do Sistema adesivo autocondicionante em restauração direta de resina composta – Protocolo clínico. R Dental Press Estét. 2006;3(4):37-45. Terra, G.
  • 45. Condicionamento em esmalte insuficiente.  Alguns trabalhos sugerem uma adaptação na técnica recomendada pelos fabricantes.  Realização do condicionamento ácido do esmalte com ácido fosfórico a 37% previamente à aplicação do sistema adesivo autocondicionante. Martins GC, Franco APGO, Godoy EP, Maluf DR, Gomes JC, Gomes OMM. Adesivos dentinários. RGO. 2008 out./dez;56(4):429-36. Terra, G.
  • 46. Lavagem por no mínimo 15 segundos.  Secagem com “bolinhas de algodão”, papel absorvente ou leves jatos de ar. ◦ Secar uniformemente. ◦ Não deve ter muita umidade.  Fotopolimerização. Terra, G.
  • 47.
  • 48. Grande parte desses problemas das Resinas Compostas estão relacionados à contração de polimerização.  Ocorre devido à aproximação molecular durante a formação da cadeia polimérica.  Quanto maior a conversão dos monômeros em polímeros, maior a contração de polimerização. (RUEGGEBERG, 1999) Terra, G.
  • 49. A contração de polimerização pode acarretar na formação de um espaço entre o material restaurador e o dente.  Passagem de fluidos e bactérias.  Micro infiltração. (OPDAM et al., 1998) Terra, G.
  • 50. O iniciador mais comumente utilizado nas resinas compostas é a Canforoquinona.  Absorve energia num espectro de luz visível azul, entre 400 a 500nm.  Comprimento de onda ideal de 468nm. (COELHO-SANTOS et al., 2002) Terra, G.
  • 51. Grau de Conversão é a quantidade de cadeias poliméricas formadas no interior da massa.  Quanto maior a intensidade de luz.  Maior o grau de conversão da R.C.  A adequada conversão dos monômeros garante a manutenção das propriedades físico-mecânicas das R.C. (RUEGGEBERG & JORDAN, 1993; DAVIDSON-KABAN et al., 1997; RUEGGEBERG,1999; FRIEDMAN, 1999). Terra, G.
  • 52. É um dos fatores que mais contribui para o insucesso das R.C.  É resultado da aproximação dos monômeros entre si, durante a formação da cadeia polimérica.  Quanto maior for o grau de conversão, maior será a contração de polimerização. (SAKAGUCHI, 1999). Terra, G.
  • 53. Ocorre em todas as Resinas Compostas.  Contração de 1 a 3% do volume.  Até recentemente acreditava-se que a R.C. contraía em direção à Luz.  Contraem em direção às paredes que estão aderidas. Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  • 54. Também denominado fator C.  É a proporção entre o número de superfícies aderidas com as não aderidas.  Para reduzir o efeito do fator C, utiliza-se a técnica incremental. (CARVALHO et al., 1996) Terra, G.
  • 56. O processo de polimerização é complexo e envolve inúmeros passos.  A princípio, formam-se cadeias poliméricas lineares, as quais vão se ramificando, formando cadeias cruzadas. (CARVALHO et al., 1996) Terra, G.
  • 57. O momento em que a resina passa do estado fluido para o estado viscoso é denominado ponto gel.  A partir deste ponto a resina sofre um stress que é transferido para a interface dente- restauração. (CARVALHO et al., 1996) Terra, G.
  • 58. Antes do ponto gel existe uma fase chamada Pré-Gel.  Na fase pré-gel, as moléculas podem deslizar e adquirir novas posições, compensando o stress da contração de polimerização.  Nesta fase, o estresse de contração gerado não é transferido para a interface de união. (KANCA III & SUH, 1999; VERSLUIS et al., 1999) Terra, G.
  • 59. A capacidade de escoamento da resina fica restrita.  Toda a força do stress de contração gerado, a partir desse ponto, será transferido para a interface de união. (KANCA III & SUH, 1999; VERSLUIS et al., 1999) Terra, G.
  • 60. O estresse desenvolvido pode gerar forças capazes de romper a resistência adesiva da restauração às paredes cavitárias.  Para minimizar o estresse da contração de polimerização, idealmente prolonga-se a fase pré-gel. (DAVIDSON & GEE, 1984; CARVALHO et al., 1996) Terra, G.
  • 61. Quanto maior a intensidade da luz maior o grau de conversão.  É necessário um a potência alta para um correto grau de conversão.  Porém o alto grau de conversão até o ponto gel é prejudicial à interface adesiva.  Algumas técnicas de fotoativação procuram prolongar o tempo da fase Pré-Gel, com uma menor potência no início da fotopolimerização. (DAVIDSON & GEE, 1984; CARVALHO et al., 1996) Terra, G.
  • 62. Convencional  Step  Ramp  Pulso tardio Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  • 63. Intensidade constante.  Potência Máxima do aparelho.  20 a 40 segundos.  Não estende a fase Pré-gel.  Gera um maior Stress na interface adesiva. Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  • 64. A resina é fotopolimerizada inicialmente em uma potência mais baixa, e subitamente emprega-se a potência máxima do aparelho.  Tempos pré definidos pelo aparelho.  Estende a fase Pré-gel.  Gera um menor Stress na interface adesiva. Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  • 65. A luz é aplicada em baixa intensidade e, gradativamente a intensidade é aumentada, chegando a uma alta intensidade por mais um tempo específico.  Tempos pré definidos pelo aparelho.  Estende a fase Pré-gel.  Gera um menor Stress na interface adesiva. Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  • 66. Cada incremento é fotopolimerizado por 5 segundos em baixa potência.  Banho de luz ao fim da restauração de 1 minuto por face, em potência máxima.  Técnica que gera o menor stress de contração de polimerização e melhor adaptação marginal.  Técnica que têm sido mais indicada pela literatura. Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  • 67. Arco de plasma de xenônio  Laser de argônio (Alta potência)  Luz halógena  Light Emitting Diode (LED) Terra, G.
  • 68. Potência fixa de cerca de 2.000mw/cm2.  Produz calor maior que a fonte Halógena.  A vida útil de cerca 5 anos.  Alto custo.  Não permitem a reposição da fonte de luz no consultório. (RUEGGEBERG, 1999) Terra, G.
  • 70. Gera uma quantidade de calor menor que as fontes Halógenas e o arco de Plasma.  Alto custo.  Não permitem a reposição da fonte de luz no consultório. (RUEGGEBERG, 1999) Terra, G.
  • 72. Fonte mais utilizada nos últimos anos.  Produz calor considerável.  Vida útil de cerca de 30 horas, podendo alcançar 40 horas de uso. SANTOS MJMC, SILVA e SOUZA JR. MH, MONDELLI RFL. Novos conceitos relacionados à fotopolimerização das resinas compostas. JBD. 2002:1(1):14-21. Terra, G.
  • 73. A potência mínima deve ser de 350mw/cm2 (Técnica convencional).  O tempo de exposição varia de 20 a 40 segundos (Técnica convencional).  Radiômetro é o aparelho que mede a intensidade da luz Halógena. Santos MJMC, SILVA e Souza JR. MH, Mondelli RFL. Novos conceitos relacionados à fotopolimerização das resinas compostas. JBD. 2002:1(1):14-21. Terra, G.
  • 75. Os primeiros aparelhos emitiam uma baixa intensidade.  Atualmente existem aparelhos que chegam a uma potência de 2.000mW/cm2.  Polimerizam apenas resinas a base de Canforoquinona. Borges A, ChasqueiraF, Portugal J. Grau de Conversão de Resinas Compostas. Influência do Método de Fotopolimerização. Rev Port Estomat Med Dent Cir Maxilofac. 2009;50(4):197-203. Terra, G.
  • 76. Mais leves que os aparelhos Halógenos.  Emitem ruídos consideravelmente menores que os Halógenos.  Custo um pouco mais alto que os Halógenos. Borges A, ChasqueiraF, Portugal J. Grau de Conversão de Resinas Compostas. Influência do Método de Fotopolimerização. Rev Port Estomat Med Dent Cir Maxilofac. 2009;50(4):197-203. Terra, G.
  • 77. Opções de aparelhos sem fio.  Produzem menos calor que as outras fontes de luz.  O aparelho que mede sua intensidade é denominado de Potenciômetro. Borges A, Chasqueira F, Portugal J. Grau de Conversão de Resinas Compostas. Influência do Método de Fotopolimerização. Rev Port Estomat Med Dent Cir Maxilofac. 2009;50(4):197-203. Terra, G.
  • 79. Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra  Especialista em Implantodontia e Dentística  Mestre em Odontologia – Universidade Ibirapuera drguilhermeterra@yahoo.com.br