Wireless - Aula 2

1.082 visualizações

Publicada em

Wireless - Aula 2

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.082
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
143
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Wireless - Aula 2

  1. 1. Wireless Implantação de redes Wlan Prof. Guilherme Nonino Rosa Aula 2
  2. 2. Apresentação: Prof. Guilherme Nonino Rosa - Graduado em Ciências da Computação pela Unifran – Universidade de Franca no ano de 2000. - Pós-Graduado em Tecnologia da Informação aplicada aos Negócios pela Unip-Universidade Paulista em 2012. - Pós-Graduando em Docência no Ensino Superior pelo Centro Universitário Senac. - Licenciado em Informática pela Fatec – Faculdade de Tecnologia de Franca em 2011. - Técnico em Informática pela ETESP – Escola Técnica de São Paulo. - Docente do Senac – Ribeirão Preto desde fevereiro/2012 - Docente do Centro de Educação Tecnológica Paula Souza, nas Etecs de Ituverava e Orlândia desde fevereiro/2010 - Docente na Faculdade Anhanguera – Ribeirão Preto desde de fevereiro/2013
  3. 3. Contatos: Prof. Guilherme Nonino Rosa guilherme.nrosa@sp.senac.br guinonino@gmail.com http://guilhermenonino.blogspot.com
  4. 4. 2ª AULA CRONOGRAMA • Importância do endereçamento lógico nas redes de dados; • Habilidade e rapidez na identificação dos grupos lógicos da rede; • Compreensão dos limites existentes na comunicação em função de seu endereçamento; • Efeitos dos broadcasts; • Diferenças entre broadcast, multicast e unicast. • Formas de atribuição dos endereços IP a uma rede de dado; • Funcionamento de um processo DHCP; • Técnicas para identificação visual de domínios de broadcast e sub-redes;
  5. 5. Você sabe o que são endereços físicos e endereços lógicos ?
  6. 6. Endereços físicos -O endereço MAC (Media Access Control) é um endereço físico de uma placa de rede, composto por 48 bits (12 caracteres hexadecimais). -Os primeiros seis caracteres identificam o fabricante (ex. Intel, surecom, broadcom, etc) e os restantes seis identificam a placa em si. O endereço MAC é único no mundo para cada placa de rede, e é mantido na memória ROM , sendo posteriormente essa informação copiada para a memória RAM aquando da inicialização da placa. - Camada 2 – Modelo OSI
  7. 7. Endereços lógicos -O endereço IP (versão 4) é um endereço lógico definido por 32 bits (4 octetos) e identifica um dispositivo numa determinada rede. -Os endereços lógicos IPv6 são constituídos por 128 bits, sendo apresentados em 8 grupos de 4 dígitos hexadecimais separados por ‘:’ (por ex. 1234:5678:90AB:CDEF:FEDC:BA09:87 65:4321). - IP públicos e os privados. - Camada 3 – Modelo OSI
  8. 8. Modelo OSI x Modelo TCP/IP
  9. 9. Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado a um destino específico. Na transmissão unicast, há apenas um remetente e um receptor. A transmissão unicast é a forma predominante de transmissão em redes locais e na Internet. Entre os exemplos de protocolos que usam transmissões unicast estão HTTP, SMTP, FTP e Telnet. Tipos de Comunicação
  10. 10. Multicast: Comunicação na qual um quadro é enviado para um grupo específico de dispositivos ou clientes. Os clientes da transmissão multicast devem ser membros de um grupo multicast lógico para receber as informações. Um exemplo de transmissão multicast é a transmissão de vídeo e de voz associada a uma reunião de negócios colaborativa, com base em rede. Tipos de Comunicação
  11. 11. Broadcast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um endereço para todos os outros endereços. Nesse caso, há apenas um remetente, mas as informações são enviadas para todos os receptores conectados. Ex: Consulta de resolução de endereço que o protocolo de resolução de endereços (ARP, Address Resolution Protocol) envia para todos os computadores em uma rede local. Tipos de Comunicação
  12. 12. Broadcast • um pacote cujo endereço de destino é 255.255.255.255. • encapsulados no nível da camada de enlace com o endereço MAC reservado FFFF.FFFF.FFFF Os switches LAN, quando recebem um frame com um endereço de broadcast como destino, repassam este frame a todas as suas interfaces, exceto a interface origem.
  13. 13. Broadcast 1. Pela ocupação da rede utilizando largura de banda desnecessariamente. 2. Pelo consumo de recursos dos dispositivos que devem processar este broadcast. 3. Pelo consumo de recursos dos terminais e servidores que recebem o broadcast e devem analisá-lo.
  14. 14. Domínio de Broadcast
  15. 15. Domínio de Broadcast
  16. 16. Classes IP
  17. 17. Classe A • O primeiro byte do endereço está entre 1 e 127. • Exemplo: 13.0.0.1 / 80.10.69.12 / 37.25.10.99 • Nos endereços de Classe A, o primeiro número identifica a rede e os outros três números identificam o próprio host.
  18. 18. Classe B • O primeiro byte do endereço está entre 128 e 191. • Exemplo: 133.0.0.1 / 140.10.69.12 / 190.25.10.99. • Nos endereços de Classe B, os dois primeiros números identificam a rede e os outros dois números identificam o host.
  19. 19. Classe C • O primeiro byte do endereço está entre 192 e 223. • Exemplo: 200.0.0.1 / 220.10.69.12 / 195.25.10.99 • Nos endereços de Classe C, o três primeiros números identificam a rede e os últimos números identificam o próprio host.
  20. 20. Classe D • O primeiro byte do endereço está entre 224 e 239; • Exemplo: 225.0.0.1 / 239.10.69.12 / 226.25.10.99; • Esta classe está reservada para criar agrupamentos de computadores para o uso de Multicast (acesso apenas a endereços que estejam configurados para receber os dados). Não podemos utilizar esta faixa de endereços para endereçar os computadores de usuários na rede TCP/IP.
  21. 21. Classe E • O primeiro byte do endereço está entre 240 e 247. • A Classe E é um endereço reservado e utilizado para testes e novas implementações (IETF – Internet Engeneering Task Force) e controles do TCP/IP. • Não podemos utilizar esta faixa de endereços para endereçar os computadores na rede TCP/IP. 1
  22. 22. Números Máximos de Hosts em cada Classe 1. Octeto Max. Redes Formato Exemplo Max. Host 1-126 126 R.H.H.H 100.1.240.28 16.777.214 128-191 16.384 R.R.H.H 157.100.5.195 65.534 192-223 2.097.152 R.R.R.H 205.35.4.120 254 224-239 Multicast 240-247 Reservado
  23. 23. Conflitos IP – Em uma rede, os IP’s de todas as máquinas devem estar nela mesma. Exemplo: Endereços Classe A. (13.0.0.1, onde o 13 é rede e 0.0.1 é host); Todos os hosts desta rede devem estar na mesma rede, ou seja, com IP’s começados por 13; – Numa mesma rede não poderá haver endereços IP’s iguais.
  24. 24. Máscara de Sub-Rede • A máscara de rede foi criada para formar sub-redes menores, e também possibilitar uma melhor utilização dos endereços IP disponíveis; • Em resumo, o parâmetro Máscara de Sub-rede serve para confirmar ou alterar o funcionamento das Classes de endereços padrões do TCP/IP; • Sempre deverá ser configurado o IP e a máscara em uma rede.
  25. 25. Exercícios: 1) Identifique a classe de rede, a máscara, o endereço de rede e de broadcast dos IP´s abaixo: a)203.200.10.5 /24 b)99.10.30.4/8 c)76.25.40.5/8 d)188.49.40.6/16 e)50.1.0.254/8 f)131.107.4.200/16 g)199.56.19.39/24
  26. 26. Como dividir a rede 192.168.1.0/24 em várias sub – redes?
  27. 27. • Cada sub-rede deve ter suporte para pelo menos 30 hosts; • No mínimo devemos ter 6 sub-redes;
  28. 28. Problem 1 Number of needed usable subnets: Number of needed usable hosts: Network Address: Address class Default subnet mask Custom subnet mask Total number of subnets Number of usable subnets Total number of host addresses Number of usable addresses Number of bits borrowed 14 14 192.10.10.0
  29. 29. Problem 2 Number of needed usable subnets: Number of needed usable hosts: Network Address: Address class Default subnet mask Custom subnet mask Total number of subnets Number of usable subnets Total number of host addresses Number of usable addresses Number of bits borrowed 1000 60 165.100.0.0
  30. 30. Problem 3 Network Address: Address class Default subnet mask Custom subnet mask Total number of subnets Number of usable subnets Total number of host addresses Number of usable addresses Number of bits borrowed 148.75.0.0 /26
  31. 31. Problem 4 Number of needed usable subnets Number of needed usable hosts Network Address Address class Default subnet mask Custom subnet mask Total number of subnets Number of usable subnets Total number of host addresses Number of usable addresses Number of bits borrowed 6 30 210.100.56.0
  32. 32. Problem 5 Number of needed usable subnets Number of needed usable hosts Network Address Address class Default subnet mask Custom subnet mask Total number of subnets Number of usable subnets Total number of host addresses Number of usable addresses Number of bits borrowed 126 131,070 118.0.0.0
  33. 33. O que é um IP estático e um IP dinâmico ? IP Estático Um IP estático como o próprio nome indica é um IP fixo, ou seja dado como permanente por um computador. Este só pode ser alterado de forma manual.
  34. 34. O que é um IP estático e um IP dinâmico ? IP Dinâmico Um IP dinâmico é um IP que está ser constantemente alterado. É um número que é dado a um computador quando este se conecta à rede, mas que muda sempre que há conexão.
  35. 35. O que é DHCP? Do inglês Dynamic Host Configuration Protocol (que ficaria, em português, algo como Protocolo de Configuração Dinâmica de Endereços de Rede), é um protocolo utilizado em redes de computadores que permite às máquinas obterem um endereço IP automaticamente. Como ele faz isso? ● Quando um cliente conecta-se a uma rede ele envia um pacote com um pedido de configurações DHCP. ● O servidor DHCP gerencia uma faixa fixa de IPs disponíveis juntamente com as informações e parâmetros necessários (gateway padrão, nome de domínio, DNS, etc). ● Quando este servidor recebe um pedido, ele entrega um destes endereços e configurações para o cliente.
  36. 36. Modos de Funcionamento DHCP • Automática, no qual uma quantidade de endereços de IP (dentro de uma faixa) é definida para ser utilizada na rede. Neste caso, sempre que um dos computadores de uma rede solicitar a conexão com ela, um destes IPs será designado para a máquina em questão. • Na dinâmica o procedimento é bem parecido com o efetuado pela automática, porém a conexão do computador com determinado IP é limitada por um período de tempo pré-configurado que pode variar conforme desejado pelo administrador da rede. • No modo manual o DHCP aloca um endereço de IP conforme o valor de MAC (Medium Access Control) de cada placa de rede de forma que cada computador utilizará apenas este endereço de IP. Utiliza-se este recurso quando é necessário que uma máquina possua um endereço de IP fixo.
  37. 37. Atividade prática no Packet Tracer Here we go!!!
  38. 38. Perguntas?

×