SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
OBESIDADEOBESIDADE
Profa. Laura da Costa Silva
Nutricionista – CRN3/18783
Prejuízos à saúde impostos pela obesidadePrejuízos à saúde impostos pela obesidade
 hipertensão
 doenças coronarianas
 acidente vascular cerebral
 veias varicosas
 trombose venosa
 Dispnéia
 apnéia do sono
 síndrome da
hiperventilação
 hérnia de hiato
 cálculo biliar
 esteatose hepática
 Hemorróidas
 Neoplasias
 Hiperlipidemias
 resistência à insulina
 Diabetes
 Proteinúria
 Osteoartrites
 Gota
 gravidez de risco
 Celulites
 Micoses
 Acantose linfoedemas
 alguns distúrbios
endócrinos
CAUSASCAUSAS
Principais fatores:
• Densidade de energia da dieta
aumentada
• Reduções no nível de atividade física
• Elevação do comportamento sedentário
POR QUÊ?
• Transformações econômicas, socioculturais,
ambientais e tecnológicas
• Mudanças nas formas de se produzir, comercializar
e preparar os alimentos
• Padrão de consumo alimentar das famílias
brasileiras
• do consumo de alimentos industrializados
altamente calóricos, ricos em açúcares simples,
gorduras saturadas, gorduras transaturadas, sódio
e aditivos químicos
• Pobres em nutrientes essenciais como vitaminas,
minerais e fibras alimentares.
• A obesidade em si tem como causa o desequilíbrio
energético positivo, o que significa uma ingestão
calórica maior do que o gasto energético realizado
ao longo do dia, resultando em um acúmulo
excessivo de gordura corporal.
• Hill e Peters (2002) nos fazem lembrar que “a
fisiologia humana foi desenvolvida para funcionar
em ambiente no qual a prática de atividade física
intensa era necessária e o suprimento de alimentos
era inconsistente” - inconsistente no sentido de
precário.
• Analisando-se o estilo de vida atual, podemos
compreender que o controle do peso passou de um
processo que era instintivo (ou inconsciente) para
um processo que solicita esforço consciente para
ocorrer.
• Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a
hipertensão, o colesterol elevado, a obesidade, a
inatividade física, o baixo consumo de frutas, legumes e
verduras, a ingestão de bebidas alcoólicas e o tabagismo
são os principais riscos à saúde, responsáveis por mais da
metade das doenças no mundo como diabetes tipo 2,
cardiopatias, hipertensão, acidentes vasculares cerebrais e
certos tipos de câncer.
• E essas enfermidades são responsáveis por 59% dos
óbitos anuais; o baixo consumo de hortaliças é
responsável por 2,7 milhões de óbitos (4,5% do total de
óbitos), o colesterol alto causa 4,4 milhões de mortes
(7,9%) e a hipertensão causa a morte anual de 7,1 milhões
de pessoas (13%).
• Aproximadamente 90% dos diabéticos tipo 2 apresentam
sobrepeso e obesidade.
• Um estudo sobre
associação de morbidade,
mortalidade e obesidade
(Must, 1996) afirma que oo
risco de sofrer problemasrisco de sofrer problemas
de saúde durante todo ode saúde durante todo o
ciclo de vida dobra emciclo de vida dobra em
indivíduos que tiveramindivíduos que tiveram
sobrepeso nasobrepeso na infânciainfância e
que os riscos são maiores se o excesso demaiores se o excesso de
peso perdurar durante apeso perdurar durante a adolescênciaadolescência.
É PRECISO PREVENIRÉ PRECISO PREVENIR
• A obesidade é um fator de risco para
ocorrência de hipertensão; independente
do peso inicial ou da presença de outros
fatores de risco, o ganho de peso durante a
vida adulta aumenta o risco de DCV.
• Para cada quilograma de peso ganho, aPara cada quilograma de peso ganho, a
pressão sistólica eleva-se em média 1 mmHgpressão sistólica eleva-se em média 1 mmHg
(UNIFESP, 2006).(UNIFESP, 2006).
• A distribuição central ou abdominal da
gordura corporal (obesidade andróide) se
destaca no desenvolvimento da hipertensão
arterial.
• A chamada Síndrome MetabólicaSíndrome Metabólica ocorre
quando um indivíduo apresenta obesidade
abdominal associada à dislipidemia,
hipertensão arterial, resistência à insulina
e/ou intolerância à glicose.
• A medida da circunferência da cintura maiorcircunferência da cintura maior
que 88cm para mulheres e maior que 102cmque 88cm para mulheres e maior que 102cm
para homenspara homens, associada ao excesso de peso, é
capaz de identificar pacientes com maior risco
de DCV.
• Da mesma forma, a razão entre as medidas da
circunferência da cintura e quadril maior quemaior que
0,95 para homens e maior que 0,85 para0,95 para homens e maior que 0,85 para
mulheresmulheres, que caracterizam a distribuiçãoque caracterizam a distribuição
central de gorduracentral de gordura, tem sido utilizada para
identificar indivíduos com maior risco
cardiovascular.
Classificação da Obesidade segundo a distribuição
de gordura corporal como fator de risco:
GeneralizadaGeneralizada → excesso de gordura no corpo
inteiro.
AndróideAndróide, troncular ou central → acúmulo de
gordura na região abdominal e associação ao
formato de uma ‘maçã’; relaciona-se ao alto risco
cardiovascular; mais comum entre os homens.
GinóideGinóide → acúmulo de gordura na região dos
quadris e associação ao formato ‘pêra’; relacionada
com risco maior de desenvolvimento de artroses e
varizes; mais comum entre as mulheres.
Maçã e Pêra
Classificação da obesidade a partir do IMC ou
índice de massa corporal (OMS):
ADULTOSADULTOS
• Sobrepeso (pré-obeso): IMC > 25 e < 29,9kg/m2
• Obesidade grau I: IMC > 30 e < 34,9kg/m2
• Obesidade grau II: IMC > 35 e < 39,9kg/m2
• Obesidade grau III: IMC > 40kg/m2
IDOSOSIDOSOS
• Sobrepeso: IMC > 27kg/m2
Classificação da obesidade segundo a
idade de início:
• Influências pré nataisInfluências pré natais - ingestão calórica e tabagismo da
mãe durante a gestação e diabetes gestacional,
aumentam o risco de obesidade da criança.
• AmamentaçãoAmamentação - a falta do aleitamento materno
exclusivo durante pelo menos 3 meses foi correlacionada
ao desenvolvimento de obesidade na idade escolar.
• InfânciaInfância - existem períodos críticos para o início da
obesidade → durante o primeiro ano de vida, quando o
tamanho das células adiposas quase se duplica
(hipertrofia celular); e entre 5 e 7 anos, quando há
aumento progressivo do número de células adiposas
(hiperplasia).
OBS: estudos demonstram que boa parte dos indivíduos
com obesidade na infância se mantêm obesos na idade
adulta.
• AdolescênciaAdolescência - existe uma relação com as alterações
hormonais que provocam hiperplasia celular e é
importante pelo impacto psicológico que representa, em
relação ao desenvolvimento de transtornos alimentares.
• Idade adultaIdade adulta – frequentemente desenvolve-se durante a
gestação ou pelo uso de contraceptivos para mulheres, e
devido ao sedentarismo para homens, durante a
transição entre a adolescência e a vida adulta. Ambos
apresentam hipertrofia celular. Após a menopausa, o
declínio de estrogênio e progesterona alteram a biologia
da célula adiposa, facilitando a deposição de gordura na
região abdominal.
Classificação da obesidade segundo fatores
etiológicos:
• Desequilíbrio nutricionalDesequilíbrio nutricional ou balanço energético
positivo.
• Inatividade físicaInatividade física - por sedentarismo ou imobilidade
forçada (acidente, idade avançada).
• Abandono do tabagismoAbandono do tabagismo
• Fatores psicológicosFatores psicológicos - baixa autoestima, dificuldade
em lidar com eventos adversos no decorrer da vida,
metas de peso irreais...
• Fatores étnicos, socioeconômicos e culturaisFatores étnicos, socioeconômicos e culturais -
mulheres com menor escolaridade e condição
econômica menos favorecida.
• Alterações neuroendócrinasAlterações neuroendócrinas - Síndrome hipotalâmica,
Síndrome de Cushing, Hipotireoidismo, Pseudohipo-
paratireoidismo, Hipogonadismo, Ovários policísticos,
Déficit de Hormônio do Crescimento, Insulinoma e
Hiperinsulinismo, Cirurgia Hipotalâmica.
• Uso de medicamentosUso de medicamentos - antidiabéticos, insulinas,
psicotrópicos, glucocorticóides, antidepressivos
tricíclicos, anti-retrovirais, lítio, fenotiazinas,
medroxiprogesterona.
• Causas genéticasCausas genéticas - autossômica recessiva (síndromes de
Bardet Bield, Ahlstrom, Cohem, Carpenter, Prader Willi - a
mais comum, sendo caracterizada por apetite voraz ),
déficit de leptina, mutação dos receptores de leptina,
mutação do gene proconvertase, entre outras.
• O tecido adiposo produz leptinaleptina, hormônio que
uma vez na circulação sanguínea, se liga a receptores
específicos no cérebro, levando ao sistema nervoso
central um sinal de saciedade que reflete a
quantidade existente de energia em forma de
gordura no organismo:
→ A leptina regula o armazenamento, o equilíbrio e
o uso de energia pelo organismo. Além deste
papel, sinaliza e modula o estado nutricional do
organismo para outros sistemas fisiológicos. Este
segundo aspecto é evidente diante dos seus
efeitos inibitórios sobre o conjunto de alterações
neuroendócrinas secundárias à privação
alimentar.
→ Outro papel da leptina é a possibilidade dela ser
o sinal bioquímico que informa o cérebro que as
reservas energéticas são suficientes para
sustentar o início da puberdade e a reprodução.
Importante compreender que o
desequilíbrio nutricionaldesequilíbrio nutricional
associado a alguma fase crítica
da vida é o motivo mais
prevalente em todos os estudos
realizados sobre as causas da
obesidade.
Estratégias eficazes para o adequado
controle da obesidade
• Tratamento farmacológico?
• Mudanças no estilo de vida: alimentação saudável e
atividade física.
• Sabe-se que o tratamento da obesidade é um
processo demorado que deve englobar um conjuntoprocesso demorado que deve englobar um conjunto
de açõesde ações que envolvem não só o ato de se alimentar
adequadamente, mas toda a organização da família
em relação à alimentação, desde a compra dos
alimentos, armazenamento, pré-preparo, preparo,
aproveitamento integral dos alimentos, somados à
prática regular de atividades físicas e/ou lazer e ao
apoio emocional.
• O tratamento da obesidade é um tratamento que
além de ter resultados lentos, apresenta muitas
recaídas.
• Conseguindo-se educar os pacientes, propiciando
auto-identificação e auto-reconhecimento dos
riscos de seu estilo de vida, fazendo-os
reconhecer qual será o prognóstico e oferecendo
as informações e orientações necessárias ao
tratamento, conseguimos transferir toda a
responsabilidade aos mesmos para a opção por
uma vida mais saudável; ou seja, os pacientes
ficam prontos e capazes de decidir se farão ou
não adesão ao tratamento.
Como mudar o estilo de vida?
• Se o paciente estiver pronto para tratar a
obesidade, um tratamento estruturado e com
objetivos bem definidos deve ser instituído;
mas se não estiver preparado para perder peso,
deve-se prevenir o ganho de peso e explorar os
obstáculos que impedem o emagrecimento.
• O APOIO PSICOLÓGICO é essencial!!!
• Valorizar a gastronomia e a cultura regionalValorizar a gastronomia e a cultura regional,
estimular ações que visem adequar a
composição dos ingredientes para a elaboração
de preparações mais saudáveis e com menor
teor de gorduras:
• Os governos devem trabalhar em parceria
com a sociedade civil e acadêmicaacadêmica,
promovendo ações que proporcionem estilo
de vida saudável, com maior acesso a frutas,
verduras e legumes e promoção de educação
voltada ao uso e entendimento da rotulagem
nutricional.
• O objetivo maior de qualquer proposta terapêutica
para a obesidade deve ser realista e maleávelrealista e maleável,
levando em conta uma duração indeterminadaduração indeterminada.
• Isso pode ser explicado em razão da doença crônica
gerar transformações relacionadas ao auto
conceito do paciente, justificado pela possibilidade
de agravo em longo prazo, acarretando mudanças
que requerem muita energia para aceitação e
adaptação à nova condição; assim, podem ser
gerados impactos emocionais negativos como
ansiedade e depressão, com repercussões no
relacionamento familiar e no trabalho. (MION,
2001)
• Para ser atingido o objetivo terapêutico, as
abordagens baseadas no processo educacional
e de conscientização na saúde são as mais
valorizadas e com os melhores resultados,
tanto a curto como em médio e longo prazos.
• Algumas das teorias para incentivo da mudança
do comportamento tem-se destacado no
tratamento para obesidade, reconhecendo-se a
importância do trabalho com a equipe
multiprofissional (ou multidisciplinar);
• E esta equipe também deve ser interdisciplinar.
 O modelo de trabalho
multiprofissional vem sendo
recomendado pela Associação
Brasileira para o Estudo da Obesidade
(ABESO, 2006) e pelas Sociedades
Brasileiras de Cardiologia (2001) e
Diabetes (2008), fazendo parte dos
últimos consensos de saúde das
referidas instituições.
“A experiência tem demonstrado que a
atuação de equipes multiprofissionais é
facilitadora da educação em saúde, pois
indivíduos com formações diferentes
proporcionam informações aos pacientes
com diferentes visões do problema,
melhorando a adesão ao tratamento”.
(MION, 2001)
“Para o sucesso do tratamento, é importante
observar o paciente como um todo, saber
quem ele é, quais os fatores que o motivam,
como reage à obesidade, se é sua questão
principal na vida, que caminhos é capaz de
trilhar e o quanto está comprometido em
mudar sua característica de obeso”.
(SCHUSSEL, 2003)
• Para pacientes incapazes de reduzir e manter
uma perda de peso substancial, um modesto
emagrecimento poderá ser recomendado:
• Perdas de 5 a 10% do peso em relação ao peso
inicial são consideradas suficientes para a
redução de boa parte das co-morbidades
associadas à obesidade, como diminuição da
pressão arterial, controle da DM2 e diminuição
do colesterol;
• Além disso, ainda proporciona maior
longevidade aos indivíduos obesos.
Critérios propostos para tratamento da
obesidade no Sistema Único de Saúde
a) Usuários que apresentem sobrepeso (IMC entre
25,0 e 29,9Kg/m2
) associados à co-morbidade
(diabetes mellitus), ou obesidade I (IMC entre
30 e 34,9Kg/m2
), ou obesidade II (IMC entre 35,0
e 39,9Kg/m2
), devem receber atenção
diferenciada, com orientação alimentar e
avaliação clínica e laboratorial específicas.
• Para isto devem ser assistidos na Atenção
Básica por nutricionista em unidade de
referência da área geográfica.
b) Usuários com obesidade II (IMC entre 35,0 e
39,9Kg/m2
) sem resposta ao tratamento e
com obesidade III (IMC igual ou maior que
40,0Kg/m2
) deverão ser referenciados aos
serviços de média complexidade
(ambulatório), sendo avaliada a necessidade
de associação do tratamento com uso de
fármacos.
c) Usuários com obesidade II (IMC entre 35,0 e
39,9Kg/m2
) com existência de co-morbidades
como diabetes, hipertensão e dislipidemias ou
com obesidade III (IMC igual ou maior que
40,0Kg/m2
) que não obtiveram respostas em
todos os planos de tratamento e foram
avaliados pelos serviços de referência para o
acompanhamento da obesidade, deverão ser
referenciados para os serviços de alta
complexidade, para avaliação da necessidade
de cirurgia bariátrica (ou gastroplastia) nos
centros de referência regionais/estaduais do
SUS.
“Devemos, pensando junto com o nosso
paciente, ajudá-lo a resolver por onde
começar, como começar e ajudá-lo a
permanecer nessa tarefa”. (SCHUSSEL, 2003)
• O tratamento da obesidade é difícil e
trabalhoso, tanto para o paciente quanto para
os profissionais de saúde, pois para os
pacientes em algumas ocasiões a vontade de
melhorar é extremamente conflitante com o
desejo de comer e, para os profissionais, faz-
se necessária a repetição exaustiva dos
argumentos.
“Diante da obesidade prolongada, com
iminência de manifestações clínicas e
bioquímicas importantes, o tratamento
deverá envolver vários componentes como
suporte psicológico, exercícios físicos e
medicamentos; porém, a reeducaçãoa reeducação
alimentar ainda é fator fundamental paraalimentar ainda é fator fundamental para
garantir uma nova condição de saúdegarantir uma nova condição de saúde”.
(UNIFESP, 2006)
Recomendações dietéticasRecomendações dietéticas
• Diminuição de 500 a 1000 Cal/dia na ingestão
energética, para resultar em uma perda aproximada
de 0.5 a 1.0 kg/semana, e cerca de 5 a 10% do peso
inicial após 6 meses;
• Diminuição da quantidade de calorias totais ingeridas
deverá ser tanto proveniente de carboidratos quanto
de gorduras, visando diminuir a resistência à insulina e
estimular a perda de gordura visceral;
• Atentar para o tipo de gordura consumida: ingerir
gorduras insaturadas para estimular o efeito protetor
cardiovascular, aumentando o ‘bom’ colesterol (HDL) e
reduzindo o colesterol ‘ruim’ (LDL);
• Ingerir maior quantidade de carboidratos complexos e
ricos em fibras, portanto com menores índices
glicêmicos (ex: aveia, arroz integral, pão integral), para
controlar a intolerância à glicose compensando a
diabetes e reduzindo os triglicerídeos, e induzir à
saciedade;
• Aumentar o consumo de frutas, legumes e verduras,
para atingir as recomendações diárias de fibras
dietéticas, vitaminas e minerais (tão disponíveis nestes
vegetais), enquanto se reduz a ingestão calórica.
• Adotar estratégias como a inserção de alimentos com
baixa densidade calórica, ricos em fibras e com grande
quantidade de água (ex. frutas, vegetais, grãos inteiros,
leguminosas, sopas) levando-se a uma redução de
energia com o mesmo volume ingerido;
• A redução dietética muito rígida pode trazer resultados
somente no curto prazo. Quando se segue uma dieta
hipocalórica com menos de 800 Cal, por um longo
período, existem riscos como ingestão insuficiente de
micronutrientes, perda de massa muscular e repetição
dos alimentos (deixando de ser atraente).
• Em relação aos métodos de cocção, incentivar o
preparo de assados, cozidos, ensopados e grelhados,
com pouco óleo.
• O consumo de óleo mensal não deve ultrapassar 01
lata, para uma família com quatro pessoas.
• As bebidas alcoólicas contêm pouco ou nenhum
nutriente e proporcionam 7 Cal/ml; portanto, devem
ser evitadas. Para aqueles que fazem uso frequente das
bebidas, o consumo deve ser limitado a uma dose diária
para mulheres e duas doses diárias para os homens,
entendendo-se como ‘dose’ 150ml de vinho, 350ml de
cerveja e 40ml de destilados.
• É importante beber em média 2 litros (6 a 8
copos) por dia – água, chás, sucos naturais, água
de coco - para manter uma boa hidratação e
evitar quadros de constipação intestinal.
• Deve-se evitar a ingestão de bebidas artificiais,
adoçadas com açúcar e refrigerantes.
• Fracionar a dieta com inserção de pequenos
lanches entre as principais refeições.
• Estimular o paciente a anotar tudo o que comer,
para conseguir identificar seus hábitos
inadequados e ajudar a desenvolver estratégias
para mudança.
• As recomendações não devem supervalorizar
ou mistificar determinados alimentos em
função das suas características nutricionais
ou funcionais, como a tendência explorada
pelo marketing de alimentos. Os alimentos
nutricionalmente ricos devem ser valorizados
e direcionados a entrar naturalmente na
dieta saudável.
Exercícios FísicosExercícios Físicos
sido descrita como coadjuvante
ao tratamento dietético, tanto durante o
processo de emagrecimento quanto para fase
de manutenção do peso adquirido, pois quanto
maior a quantidade de músculos formados no
organismo, maior o gasto energético basal.
• O músculo trabalhando têm um gasto
metabólico aproximadamente 8 vezes maior do8 vezes maior do
que a gordura armazenadaque a gordura armazenada. (ATALLA, 2009)
• A prática de atividade física tem
Intervenção PsicológicaIntervenção Psicológica
• A psicologia comportamental considera a
atitudeatitude como produto de um aprendizado, onde
o comportamento se repete à medida que é
reforçado pelas conseqüências do que produz.
(MATOS, 2005)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sisvan norma tecnica_criancas
Sisvan norma tecnica_criancasSisvan norma tecnica_criancas
Sisvan norma tecnica_criancas
Cínthia Lima
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
Vanessa Paiva
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Marcelo Silva
 

Mais procurados (20)

A Obesidade
A ObesidadeA Obesidade
A Obesidade
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Transtorno Alimentar
Transtorno AlimentarTranstorno Alimentar
Transtorno Alimentar
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Causas da obesidade
Causas da obesidadeCausas da obesidade
Causas da obesidade
 
Obesidade - Tipos e Causas
Obesidade - Tipos e CausasObesidade - Tipos e Causas
Obesidade - Tipos e Causas
 
Sisvan norma tecnica_criancas
Sisvan norma tecnica_criancasSisvan norma tecnica_criancas
Sisvan norma tecnica_criancas
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
 
Manual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para IdososManual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para Idosos
 
Avaliação Nutricional de Idoso
 Avaliação Nutricional de Idoso Avaliação Nutricional de Idoso
Avaliação Nutricional de Idoso
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
 
Avaliação nutricional: princípios da semiologia
Avaliação nutricional: princípios da semiologiaAvaliação nutricional: princípios da semiologia
Avaliação nutricional: princípios da semiologia
 
Sobrepeso e Obesidade
Sobrepeso e ObesidadeSobrepeso e Obesidade
Sobrepeso e Obesidade
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Transtornos alimentares 2014
Transtornos alimentares 2014Transtornos alimentares 2014
Transtornos alimentares 2014
 
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Slides obesidade
Slides obesidadeSlides obesidade
Slides obesidade
 

Semelhante a Diagnostico aula 3 obesidade

Bioquímica ii 15 síndrome metabólica
Bioquímica ii 15   síndrome metabólicaBioquímica ii 15   síndrome metabólica
Bioquímica ii 15 síndrome metabólica
Jucie Vasconcelos
 
Psicoterapia comportamental e cognitiva na promoção da saúde:
Psicoterapia comportamental e cognitiva na promoção da saúde:Psicoterapia comportamental e cognitiva na promoção da saúde:
Psicoterapia comportamental e cognitiva na promoção da saúde:
Carlos Costa
 
Tratamento Da Obesidade
Tratamento Da  ObesidadeTratamento Da  Obesidade
Tratamento Da Obesidade
Fernanda Melo
 
Colegio catarinense 2010_w2003
Colegio catarinense 2010_w2003Colegio catarinense 2010_w2003
Colegio catarinense 2010_w2003
louisacarla
 
2º ano obesidade x nutrição e colesterol
2º ano obesidade  x  nutrição e colesterol2º ano obesidade  x  nutrição e colesterol
2º ano obesidade x nutrição e colesterol
Tony
 

Semelhante a Diagnostico aula 3 obesidade (20)

Bioquímica ii 15 síndrome metabólica
Bioquímica ii 15   síndrome metabólicaBioquímica ii 15   síndrome metabólica
Bioquímica ii 15 síndrome metabólica
 
Causas da obesidade
Causas da obesidadeCausas da obesidade
Causas da obesidade
 
Causas da obesidade
Causas da obesidadeCausas da obesidade
Causas da obesidade
 
Obesidade!!!
Obesidade!!!Obesidade!!!
Obesidade!!!
 
Psicoterapia comportamental e cognitiva na promoção da saúde:
Psicoterapia comportamental e cognitiva na promoção da saúde:Psicoterapia comportamental e cognitiva na promoção da saúde:
Psicoterapia comportamental e cognitiva na promoção da saúde:
 
Obesidade desnutricao
Obesidade desnutricaoObesidade desnutricao
Obesidade desnutricao
 
Tratamento Da Obesidade
Tratamento Da  ObesidadeTratamento Da  Obesidade
Tratamento Da Obesidade
 
Saúde e desporto
Saúde e desportoSaúde e desporto
Saúde e desporto
 
Obesidade se torna um fator complexo em pacientes diabeticos e vice versa.
Obesidade se torna um fator complexo em pacientes diabeticos e vice versa.Obesidade se torna um fator complexo em pacientes diabeticos e vice versa.
Obesidade se torna um fator complexo em pacientes diabeticos e vice versa.
 
Colegio catarinense 2010_w2003
Colegio catarinense 2010_w2003Colegio catarinense 2010_w2003
Colegio catarinense 2010_w2003
 
Saúde e bem-estar
Saúde e bem-estarSaúde e bem-estar
Saúde e bem-estar
 
Agressão da Obesidade em Nosso Corpo
Agressão da Obesidade em Nosso CorpoAgressão da Obesidade em Nosso Corpo
Agressão da Obesidade em Nosso Corpo
 
Cp 01 introducao - ia
Cp 01   introducao - iaCp 01   introducao - ia
Cp 01 introducao - ia
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
2º ano obesidade x nutrição e colesterol
2º ano obesidade  x  nutrição e colesterol2º ano obesidade  x  nutrição e colesterol
2º ano obesidade x nutrição e colesterol
 
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VIAula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
 
Obesidade periférica e intra abdominal o paradoxo do risco em pacientes com e...
Obesidade periférica e intra abdominal o paradoxo do risco em pacientes com e...Obesidade periférica e intra abdominal o paradoxo do risco em pacientes com e...
Obesidade periférica e intra abdominal o paradoxo do risco em pacientes com e...
 
Um quebra cabeça chamado obesidade ii
Um quebra cabeça chamado obesidade iiUm quebra cabeça chamado obesidade ii
Um quebra cabeça chamado obesidade ii
 
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - ObesidadeTranstornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 

Diagnostico aula 3 obesidade

  • 1. OBESIDADEOBESIDADE Profa. Laura da Costa Silva Nutricionista – CRN3/18783
  • 2. Prejuízos à saúde impostos pela obesidadePrejuízos à saúde impostos pela obesidade  hipertensão  doenças coronarianas  acidente vascular cerebral  veias varicosas  trombose venosa  Dispnéia  apnéia do sono  síndrome da hiperventilação  hérnia de hiato  cálculo biliar  esteatose hepática  Hemorróidas  Neoplasias  Hiperlipidemias  resistência à insulina  Diabetes  Proteinúria  Osteoartrites  Gota  gravidez de risco  Celulites  Micoses  Acantose linfoedemas  alguns distúrbios endócrinos
  • 3. CAUSASCAUSAS Principais fatores: • Densidade de energia da dieta aumentada • Reduções no nível de atividade física • Elevação do comportamento sedentário
  • 4. POR QUÊ? • Transformações econômicas, socioculturais, ambientais e tecnológicas • Mudanças nas formas de se produzir, comercializar e preparar os alimentos • Padrão de consumo alimentar das famílias brasileiras • do consumo de alimentos industrializados altamente calóricos, ricos em açúcares simples, gorduras saturadas, gorduras transaturadas, sódio e aditivos químicos • Pobres em nutrientes essenciais como vitaminas, minerais e fibras alimentares.
  • 5. • A obesidade em si tem como causa o desequilíbrio energético positivo, o que significa uma ingestão calórica maior do que o gasto energético realizado ao longo do dia, resultando em um acúmulo excessivo de gordura corporal. • Hill e Peters (2002) nos fazem lembrar que “a fisiologia humana foi desenvolvida para funcionar em ambiente no qual a prática de atividade física intensa era necessária e o suprimento de alimentos era inconsistente” - inconsistente no sentido de precário. • Analisando-se o estilo de vida atual, podemos compreender que o controle do peso passou de um processo que era instintivo (ou inconsciente) para um processo que solicita esforço consciente para ocorrer.
  • 6. • Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a hipertensão, o colesterol elevado, a obesidade, a inatividade física, o baixo consumo de frutas, legumes e verduras, a ingestão de bebidas alcoólicas e o tabagismo são os principais riscos à saúde, responsáveis por mais da metade das doenças no mundo como diabetes tipo 2, cardiopatias, hipertensão, acidentes vasculares cerebrais e certos tipos de câncer. • E essas enfermidades são responsáveis por 59% dos óbitos anuais; o baixo consumo de hortaliças é responsável por 2,7 milhões de óbitos (4,5% do total de óbitos), o colesterol alto causa 4,4 milhões de mortes (7,9%) e a hipertensão causa a morte anual de 7,1 milhões de pessoas (13%). • Aproximadamente 90% dos diabéticos tipo 2 apresentam sobrepeso e obesidade.
  • 7. • Um estudo sobre associação de morbidade, mortalidade e obesidade (Must, 1996) afirma que oo risco de sofrer problemasrisco de sofrer problemas de saúde durante todo ode saúde durante todo o ciclo de vida dobra emciclo de vida dobra em indivíduos que tiveramindivíduos que tiveram sobrepeso nasobrepeso na infânciainfância e que os riscos são maiores se o excesso demaiores se o excesso de peso perdurar durante apeso perdurar durante a adolescênciaadolescência.
  • 8. É PRECISO PREVENIRÉ PRECISO PREVENIR
  • 9. • A obesidade é um fator de risco para ocorrência de hipertensão; independente do peso inicial ou da presença de outros fatores de risco, o ganho de peso durante a vida adulta aumenta o risco de DCV. • Para cada quilograma de peso ganho, aPara cada quilograma de peso ganho, a pressão sistólica eleva-se em média 1 mmHgpressão sistólica eleva-se em média 1 mmHg (UNIFESP, 2006).(UNIFESP, 2006).
  • 10.
  • 11. • A distribuição central ou abdominal da gordura corporal (obesidade andróide) se destaca no desenvolvimento da hipertensão arterial. • A chamada Síndrome MetabólicaSíndrome Metabólica ocorre quando um indivíduo apresenta obesidade abdominal associada à dislipidemia, hipertensão arterial, resistência à insulina e/ou intolerância à glicose.
  • 12. • A medida da circunferência da cintura maiorcircunferência da cintura maior que 88cm para mulheres e maior que 102cmque 88cm para mulheres e maior que 102cm para homenspara homens, associada ao excesso de peso, é capaz de identificar pacientes com maior risco de DCV. • Da mesma forma, a razão entre as medidas da circunferência da cintura e quadril maior quemaior que 0,95 para homens e maior que 0,85 para0,95 para homens e maior que 0,85 para mulheresmulheres, que caracterizam a distribuiçãoque caracterizam a distribuição central de gorduracentral de gordura, tem sido utilizada para identificar indivíduos com maior risco cardiovascular.
  • 13. Classificação da Obesidade segundo a distribuição de gordura corporal como fator de risco: GeneralizadaGeneralizada → excesso de gordura no corpo inteiro. AndróideAndróide, troncular ou central → acúmulo de gordura na região abdominal e associação ao formato de uma ‘maçã’; relaciona-se ao alto risco cardiovascular; mais comum entre os homens. GinóideGinóide → acúmulo de gordura na região dos quadris e associação ao formato ‘pêra’; relacionada com risco maior de desenvolvimento de artroses e varizes; mais comum entre as mulheres.
  • 15. Classificação da obesidade a partir do IMC ou índice de massa corporal (OMS): ADULTOSADULTOS • Sobrepeso (pré-obeso): IMC > 25 e < 29,9kg/m2 • Obesidade grau I: IMC > 30 e < 34,9kg/m2 • Obesidade grau II: IMC > 35 e < 39,9kg/m2 • Obesidade grau III: IMC > 40kg/m2 IDOSOSIDOSOS • Sobrepeso: IMC > 27kg/m2
  • 16.
  • 17. Classificação da obesidade segundo a idade de início: • Influências pré nataisInfluências pré natais - ingestão calórica e tabagismo da mãe durante a gestação e diabetes gestacional, aumentam o risco de obesidade da criança. • AmamentaçãoAmamentação - a falta do aleitamento materno exclusivo durante pelo menos 3 meses foi correlacionada ao desenvolvimento de obesidade na idade escolar. • InfânciaInfância - existem períodos críticos para o início da obesidade → durante o primeiro ano de vida, quando o tamanho das células adiposas quase se duplica (hipertrofia celular); e entre 5 e 7 anos, quando há aumento progressivo do número de células adiposas (hiperplasia).
  • 18. OBS: estudos demonstram que boa parte dos indivíduos com obesidade na infância se mantêm obesos na idade adulta. • AdolescênciaAdolescência - existe uma relação com as alterações hormonais que provocam hiperplasia celular e é importante pelo impacto psicológico que representa, em relação ao desenvolvimento de transtornos alimentares. • Idade adultaIdade adulta – frequentemente desenvolve-se durante a gestação ou pelo uso de contraceptivos para mulheres, e devido ao sedentarismo para homens, durante a transição entre a adolescência e a vida adulta. Ambos apresentam hipertrofia celular. Após a menopausa, o declínio de estrogênio e progesterona alteram a biologia da célula adiposa, facilitando a deposição de gordura na região abdominal.
  • 19. Classificação da obesidade segundo fatores etiológicos: • Desequilíbrio nutricionalDesequilíbrio nutricional ou balanço energético positivo. • Inatividade físicaInatividade física - por sedentarismo ou imobilidade forçada (acidente, idade avançada). • Abandono do tabagismoAbandono do tabagismo • Fatores psicológicosFatores psicológicos - baixa autoestima, dificuldade em lidar com eventos adversos no decorrer da vida, metas de peso irreais... • Fatores étnicos, socioeconômicos e culturaisFatores étnicos, socioeconômicos e culturais - mulheres com menor escolaridade e condição econômica menos favorecida.
  • 20. • Alterações neuroendócrinasAlterações neuroendócrinas - Síndrome hipotalâmica, Síndrome de Cushing, Hipotireoidismo, Pseudohipo- paratireoidismo, Hipogonadismo, Ovários policísticos, Déficit de Hormônio do Crescimento, Insulinoma e Hiperinsulinismo, Cirurgia Hipotalâmica. • Uso de medicamentosUso de medicamentos - antidiabéticos, insulinas, psicotrópicos, glucocorticóides, antidepressivos tricíclicos, anti-retrovirais, lítio, fenotiazinas, medroxiprogesterona. • Causas genéticasCausas genéticas - autossômica recessiva (síndromes de Bardet Bield, Ahlstrom, Cohem, Carpenter, Prader Willi - a mais comum, sendo caracterizada por apetite voraz ), déficit de leptina, mutação dos receptores de leptina, mutação do gene proconvertase, entre outras.
  • 21. • O tecido adiposo produz leptinaleptina, hormônio que uma vez na circulação sanguínea, se liga a receptores específicos no cérebro, levando ao sistema nervoso central um sinal de saciedade que reflete a quantidade existente de energia em forma de gordura no organismo:
  • 22. → A leptina regula o armazenamento, o equilíbrio e o uso de energia pelo organismo. Além deste papel, sinaliza e modula o estado nutricional do organismo para outros sistemas fisiológicos. Este segundo aspecto é evidente diante dos seus efeitos inibitórios sobre o conjunto de alterações neuroendócrinas secundárias à privação alimentar. → Outro papel da leptina é a possibilidade dela ser o sinal bioquímico que informa o cérebro que as reservas energéticas são suficientes para sustentar o início da puberdade e a reprodução.
  • 23. Importante compreender que o desequilíbrio nutricionaldesequilíbrio nutricional associado a alguma fase crítica da vida é o motivo mais prevalente em todos os estudos realizados sobre as causas da obesidade.
  • 24. Estratégias eficazes para o adequado controle da obesidade • Tratamento farmacológico? • Mudanças no estilo de vida: alimentação saudável e atividade física. • Sabe-se que o tratamento da obesidade é um processo demorado que deve englobar um conjuntoprocesso demorado que deve englobar um conjunto de açõesde ações que envolvem não só o ato de se alimentar adequadamente, mas toda a organização da família em relação à alimentação, desde a compra dos alimentos, armazenamento, pré-preparo, preparo, aproveitamento integral dos alimentos, somados à prática regular de atividades físicas e/ou lazer e ao apoio emocional.
  • 25. • O tratamento da obesidade é um tratamento que além de ter resultados lentos, apresenta muitas recaídas. • Conseguindo-se educar os pacientes, propiciando auto-identificação e auto-reconhecimento dos riscos de seu estilo de vida, fazendo-os reconhecer qual será o prognóstico e oferecendo as informações e orientações necessárias ao tratamento, conseguimos transferir toda a responsabilidade aos mesmos para a opção por uma vida mais saudável; ou seja, os pacientes ficam prontos e capazes de decidir se farão ou não adesão ao tratamento.
  • 26. Como mudar o estilo de vida?
  • 27. • Se o paciente estiver pronto para tratar a obesidade, um tratamento estruturado e com objetivos bem definidos deve ser instituído; mas se não estiver preparado para perder peso, deve-se prevenir o ganho de peso e explorar os obstáculos que impedem o emagrecimento. • O APOIO PSICOLÓGICO é essencial!!!
  • 28. • Valorizar a gastronomia e a cultura regionalValorizar a gastronomia e a cultura regional, estimular ações que visem adequar a composição dos ingredientes para a elaboração de preparações mais saudáveis e com menor teor de gorduras:
  • 29. • Os governos devem trabalhar em parceria com a sociedade civil e acadêmicaacadêmica, promovendo ações que proporcionem estilo de vida saudável, com maior acesso a frutas, verduras e legumes e promoção de educação voltada ao uso e entendimento da rotulagem nutricional.
  • 30. • O objetivo maior de qualquer proposta terapêutica para a obesidade deve ser realista e maleávelrealista e maleável, levando em conta uma duração indeterminadaduração indeterminada. • Isso pode ser explicado em razão da doença crônica gerar transformações relacionadas ao auto conceito do paciente, justificado pela possibilidade de agravo em longo prazo, acarretando mudanças que requerem muita energia para aceitação e adaptação à nova condição; assim, podem ser gerados impactos emocionais negativos como ansiedade e depressão, com repercussões no relacionamento familiar e no trabalho. (MION, 2001)
  • 31. • Para ser atingido o objetivo terapêutico, as abordagens baseadas no processo educacional e de conscientização na saúde são as mais valorizadas e com os melhores resultados, tanto a curto como em médio e longo prazos. • Algumas das teorias para incentivo da mudança do comportamento tem-se destacado no tratamento para obesidade, reconhecendo-se a importância do trabalho com a equipe multiprofissional (ou multidisciplinar); • E esta equipe também deve ser interdisciplinar.
  • 32.
  • 33.  O modelo de trabalho multiprofissional vem sendo recomendado pela Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (ABESO, 2006) e pelas Sociedades Brasileiras de Cardiologia (2001) e Diabetes (2008), fazendo parte dos últimos consensos de saúde das referidas instituições.
  • 34. “A experiência tem demonstrado que a atuação de equipes multiprofissionais é facilitadora da educação em saúde, pois indivíduos com formações diferentes proporcionam informações aos pacientes com diferentes visões do problema, melhorando a adesão ao tratamento”. (MION, 2001)
  • 35. “Para o sucesso do tratamento, é importante observar o paciente como um todo, saber quem ele é, quais os fatores que o motivam, como reage à obesidade, se é sua questão principal na vida, que caminhos é capaz de trilhar e o quanto está comprometido em mudar sua característica de obeso”. (SCHUSSEL, 2003)
  • 36. • Para pacientes incapazes de reduzir e manter uma perda de peso substancial, um modesto emagrecimento poderá ser recomendado: • Perdas de 5 a 10% do peso em relação ao peso inicial são consideradas suficientes para a redução de boa parte das co-morbidades associadas à obesidade, como diminuição da pressão arterial, controle da DM2 e diminuição do colesterol; • Além disso, ainda proporciona maior longevidade aos indivíduos obesos.
  • 37. Critérios propostos para tratamento da obesidade no Sistema Único de Saúde a) Usuários que apresentem sobrepeso (IMC entre 25,0 e 29,9Kg/m2 ) associados à co-morbidade (diabetes mellitus), ou obesidade I (IMC entre 30 e 34,9Kg/m2 ), ou obesidade II (IMC entre 35,0 e 39,9Kg/m2 ), devem receber atenção diferenciada, com orientação alimentar e avaliação clínica e laboratorial específicas. • Para isto devem ser assistidos na Atenção Básica por nutricionista em unidade de referência da área geográfica.
  • 38. b) Usuários com obesidade II (IMC entre 35,0 e 39,9Kg/m2 ) sem resposta ao tratamento e com obesidade III (IMC igual ou maior que 40,0Kg/m2 ) deverão ser referenciados aos serviços de média complexidade (ambulatório), sendo avaliada a necessidade de associação do tratamento com uso de fármacos.
  • 39. c) Usuários com obesidade II (IMC entre 35,0 e 39,9Kg/m2 ) com existência de co-morbidades como diabetes, hipertensão e dislipidemias ou com obesidade III (IMC igual ou maior que 40,0Kg/m2 ) que não obtiveram respostas em todos os planos de tratamento e foram avaliados pelos serviços de referência para o acompanhamento da obesidade, deverão ser referenciados para os serviços de alta complexidade, para avaliação da necessidade de cirurgia bariátrica (ou gastroplastia) nos centros de referência regionais/estaduais do SUS.
  • 40. “Devemos, pensando junto com o nosso paciente, ajudá-lo a resolver por onde começar, como começar e ajudá-lo a permanecer nessa tarefa”. (SCHUSSEL, 2003) • O tratamento da obesidade é difícil e trabalhoso, tanto para o paciente quanto para os profissionais de saúde, pois para os pacientes em algumas ocasiões a vontade de melhorar é extremamente conflitante com o desejo de comer e, para os profissionais, faz- se necessária a repetição exaustiva dos argumentos.
  • 41. “Diante da obesidade prolongada, com iminência de manifestações clínicas e bioquímicas importantes, o tratamento deverá envolver vários componentes como suporte psicológico, exercícios físicos e medicamentos; porém, a reeducaçãoa reeducação alimentar ainda é fator fundamental paraalimentar ainda é fator fundamental para garantir uma nova condição de saúdegarantir uma nova condição de saúde”. (UNIFESP, 2006)
  • 42. Recomendações dietéticasRecomendações dietéticas • Diminuição de 500 a 1000 Cal/dia na ingestão energética, para resultar em uma perda aproximada de 0.5 a 1.0 kg/semana, e cerca de 5 a 10% do peso inicial após 6 meses; • Diminuição da quantidade de calorias totais ingeridas deverá ser tanto proveniente de carboidratos quanto de gorduras, visando diminuir a resistência à insulina e estimular a perda de gordura visceral; • Atentar para o tipo de gordura consumida: ingerir gorduras insaturadas para estimular o efeito protetor cardiovascular, aumentando o ‘bom’ colesterol (HDL) e reduzindo o colesterol ‘ruim’ (LDL);
  • 43. • Ingerir maior quantidade de carboidratos complexos e ricos em fibras, portanto com menores índices glicêmicos (ex: aveia, arroz integral, pão integral), para controlar a intolerância à glicose compensando a diabetes e reduzindo os triglicerídeos, e induzir à saciedade; • Aumentar o consumo de frutas, legumes e verduras, para atingir as recomendações diárias de fibras dietéticas, vitaminas e minerais (tão disponíveis nestes vegetais), enquanto se reduz a ingestão calórica.
  • 44. • Adotar estratégias como a inserção de alimentos com baixa densidade calórica, ricos em fibras e com grande quantidade de água (ex. frutas, vegetais, grãos inteiros, leguminosas, sopas) levando-se a uma redução de energia com o mesmo volume ingerido; • A redução dietética muito rígida pode trazer resultados somente no curto prazo. Quando se segue uma dieta hipocalórica com menos de 800 Cal, por um longo período, existem riscos como ingestão insuficiente de micronutrientes, perda de massa muscular e repetição dos alimentos (deixando de ser atraente).
  • 45. • Em relação aos métodos de cocção, incentivar o preparo de assados, cozidos, ensopados e grelhados, com pouco óleo. • O consumo de óleo mensal não deve ultrapassar 01 lata, para uma família com quatro pessoas. • As bebidas alcoólicas contêm pouco ou nenhum nutriente e proporcionam 7 Cal/ml; portanto, devem ser evitadas. Para aqueles que fazem uso frequente das bebidas, o consumo deve ser limitado a uma dose diária para mulheres e duas doses diárias para os homens, entendendo-se como ‘dose’ 150ml de vinho, 350ml de cerveja e 40ml de destilados.
  • 46. • É importante beber em média 2 litros (6 a 8 copos) por dia – água, chás, sucos naturais, água de coco - para manter uma boa hidratação e evitar quadros de constipação intestinal. • Deve-se evitar a ingestão de bebidas artificiais, adoçadas com açúcar e refrigerantes. • Fracionar a dieta com inserção de pequenos lanches entre as principais refeições. • Estimular o paciente a anotar tudo o que comer, para conseguir identificar seus hábitos inadequados e ajudar a desenvolver estratégias para mudança.
  • 47. • As recomendações não devem supervalorizar ou mistificar determinados alimentos em função das suas características nutricionais ou funcionais, como a tendência explorada pelo marketing de alimentos. Os alimentos nutricionalmente ricos devem ser valorizados e direcionados a entrar naturalmente na dieta saudável.
  • 48. Exercícios FísicosExercícios Físicos sido descrita como coadjuvante ao tratamento dietético, tanto durante o processo de emagrecimento quanto para fase de manutenção do peso adquirido, pois quanto maior a quantidade de músculos formados no organismo, maior o gasto energético basal. • O músculo trabalhando têm um gasto metabólico aproximadamente 8 vezes maior do8 vezes maior do que a gordura armazenadaque a gordura armazenada. (ATALLA, 2009) • A prática de atividade física tem
  • 49. Intervenção PsicológicaIntervenção Psicológica • A psicologia comportamental considera a atitudeatitude como produto de um aprendizado, onde o comportamento se repete à medida que é reforçado pelas conseqüências do que produz. (MATOS, 2005)