José Lins do Rego

2.067 visualizações

Publicada em

Biografia de José Lins do Rego

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.067
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
597
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
93
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

José Lins do Rego

  1. 1. José Lins<br />do Rego<br />Gustavo Pontes<br />Gabriel Nogueira<br />Gabriel Maciel<br />Henrique Fernandes<br />VyctorChagas<br />
  2. 2. “Tenho quarenta e seis anos, moreno, cabelos pretos, com meia dúzia de fios brancos, 1 metro 74 centímetros, casado, com três filhas e um genro. 86 quilos bem pesados, muita saúde e muito medo de morrer. Não gosto de trabalhar, não fumo, durmo com muitos sonos, e já escrevi onze romances. Se chove, tenho saudades do sol; se faz calor, tenho saudades da chuva. Vou ao futebol, e sofro como um pobre-diabo. Jogo tênis, pessimamente, e daria tudo para ver o meu clube campeão de tudo.” <br />“Autorretrato, escritopor<br />José Lins do Regoem1947”<br />
  3. 3. <ul><li>Infância</li></ul>José Lins do Rego Cavalcanti era filho de fazendeiros. Com a morte da mãe, passou a ser criado pelo avô, num engenho de açúcar. Aos oito anos ingressou no<br />Internato Nossa Senhora do Carmo, onde estudou durante três anos. Em 1912 passou a estudar em João Pessoa. Nesse mesmo ano, publicou seu primeiro artigo em jornal. Três anos depois mudou-se para o Recife, onde concluiu seus estudos secundários.<br />
  4. 4. <ul><li>Juventude</li></ul>Na faculdade, além de colaborar periodicamente com o Jornal do Recife, fez amizade com Gilberto Freyre, que o influenciou e, em 1922, fundou o semanário Dom Casmurro.<br />  No ano seguinte, passou a escrever uma coluna literária para o jornal "Diário do Estado da Paraíba". Em 1924 formou-se e, no ano seguinte, casou-se com Filomena Masa Lins do Rego, com quem teve três filhas. Em 1925, Lins do Rego assumiu o posto de promotor público na cidade de Manhuaçu, em Minas Gerais, mas no ano seguinte mudou-se para Maceió, onde começou a trabalhar como fiscal de bancos, cargo que ocupou até 1930.<br />
  5. 5. <ul><li>EscritoresNordestinos</li></ul>Como vimos, em 1926, transferiu-se para Maceió, Alagoas. Lá conviveu com um grupo de escritores muito especial: Graciliano Ramos (o autor de Vidas Secas), Rachel de Queiroz (a jovem cearense, que já publicara o romance O Quinze), o poeta Jorge de Lima, Aurélio Buarque de Holanda (o mestre do dicionário), que se tornariam seus amigos para sempre. Convivendo neste ambiente tão criativo, escreveu os seus primeiros romances.<br />
  6. 6. <ul><li>Obras</li></ul> José Lins do Rego publicou seu primeiro livro, "Menino de Engenho“ no ano de 1932. Custeado com seus próprios recursos, o livro recebeu críticas favoráveis e tornou-se um grande sucesso. No ano seguinte, publicou um segundo romance, "Doidinho". A partir daí, o editor José Olympio lhe propôs uma edição de dez mil exemplares para o terceiro romance. José Lins do Rego tornou-se um escritor de prestígio, estimado pelo público.Passou a publicar um romance por ano: em 1934, "Bangüê"; em 1935, "O Moleque Ricardo"; em 1936, "Usina"; em 1937, "Pureza"; em 1938, "Pedra Bonita"; e em 1939, "Riacho Doce".<br />
  7. 7. <ul><li>Literatura e futebol</li></ul>Nomeado fiscal do imposto de consumo, em 1935, transferiu-se para o Rio de Janeiro. Voltou a escrever para jornais. Nessa época, tomado também por sua paixão pelo futebol, tornou-se um dos diretores do Clube de Regatas do Flamengo e chegou a chefiar a delegação brasileira de futebol ao campeonato Sul-Americano.<br />
  8. 8. <ul><li>Academia de Letras</li></ul>O livro que é considerado sua obra-prima, o romance "Fogo Morto", saiu em 1942. O autor consagrou-se como mestre do regionalismo. Seu último romance, "Cangaceiros", foi publicado em 1953. Três anos mais tarde, José Lins do Rego tornou-se membro da Academia Brasileira de Letras. Em seu discurso de posse, referiu-se ao seu antecessor, o ministro do Supremo Tribunal Federal Ataulfo de Paiva, como alguém que "chegou à academia sem nunca ter gostado de um poema". A partir desta nota de sarcasmo, seus discursos da academia passaram a ser previamente censurados.<br />
  9. 9. <ul><li>Morte</li></ul>A obra de José Lins do Rego, bastante conhecida, foi adaptada para o teatro, o cinema e televisão. Em 1956 Lins do Rego publicou "Meus Verdes Anos", um livro de memórias. No ano seguinte morreu de um problema hepático, aos 56 anos, no Rio de Janeiro.<br />
  10. 10. Relembrando<br /><ul><li> Criado na infância pelos avos
  11. 11. Estudou em João Pessoa
  12. 12. Formou-se em direito grandes amizades como a de Gilberto Freyre
  13. 13. Escreveu no "diário do estado da Paraíba“
  14. 14. Casou-se e teve três filhas
  15. 15. Foi promotor publico de Manhuaçu
  16. 16. Trabalhou como fiscal de bancos, em Maceió
  17. 17. Começou a escrever seus primeiros romances a partir da ida à Maceió
  18. 18. Primeiro livro foi custeado com seus próprios recursos
  19. 19. Passou a publicar um romance por ano
  20. 20. Voltou a escrever em jornais na transferência para o Rio de Janeiro
  21. 21. Foi um dos diretores do clube de regatas flamengo
  22. 22. Chefiou a delegação brasileira de futebol ao campeonato sul-americano
  23. 23. Ele consagrou-se como mestre do regionalismo
  24. 24. Foi membro da academia brasileira de letras
  25. 25. Morreu muito jovem, apenas 56 anos, com um problema hepático</li></li></ul><li>Conclusão<br />Concluimosque José Lins do Regoteveumavidacheia de nuances, realizaçõesprofissionais, amigos de fé, quemuitasvezesguiaram-no pelocaminhocerto, além de umavidaamorosabemsucedida.<br />Sualiteratura é exemploparatodosnós, nosdias de hoje, reforçando a ideia de que o que é bomincontestavelmentedura no tempo.<br />

×