SlideShare uma empresa Scribd logo
CorrosãoCorrosão
IntergranularIntergranular
  
 
Prof°. Dr. Maurício Marques
Alunas: Gracy Normandia Belarmino
Sheena  Agatha de Lemos
 Os graves problemas com corrosão em
refinarias e, o alto custo das tubulações de
aços inoxidáveis, tornaram o estudo da
suscetibilidade e a corrosão intergranular
de grande importância.
 Falhas por corrosão podem ser evitadas
quando a escolha dos materiais e dos
processos de fabricação são feitas de
maneira adequada para a sua aplicação.
A corrosão intergranular ocorre quando
existe um caminho preferencial para a
corrosão. Os grãos vão sendo destacados
a medida que a corrosão se propaga.
A corrosão intergranular não requer a
presença de um meio corrosivo e esforço
de tração .
EFEITOS DA MICROESTRUTURAEFEITOS DA MICROESTRUTURA
CORROSÃO INTERGRANULARCORROSÃO INTERGRANULAR
O contorno decontorno de
grãogrão funciona
como região
anódica, devido ao
grande número de
discordâncias
presentes nessa
região.
As ligas de aços inoxidáveis sofrem corrosão intergranular
devido à formação de um zona empobrecida em cromo ao
longo dos contornos de grão, como conseqüência da
precipitação neste local de carbonetos de cromo (Cr23C6).
Átomos de cromo desta região, que se encontravam em
solução sólida no aço, difundem-se para os contornos do grão,
formando carbonetos, diminuindo a resistência à corrosão. A
formação desta zona empobrecida em cromo chama-se
sensitização, porque torna o material sensível à corrosão
intergranular.
DiferençasDiferenças
composicionaiscomposicionais
levam a diferentes
potenciais químicos
e com isso, na
presença de meios
líquidos, pode
ocorrer corrosão
localizada.
Ligas de alumínio-magnésio contendo acima de 3% de
magnésio podem formar precipitados de Mg2Al8 nos
contornos de grão. Estes precipitados são
corroídos porque são menos resistentes à
corrosão do que a matriz.
Caso similar ocorre nas ligas de alumínio-magnésio-
zinco devido à formação do precipitado de MgZn2.
No caso das ligas alumínio-cobre os precipitados de
CuAl2 são mais nobres que a matriz,
aparentemente agindo como catodos e acelerando
a corrosão da região vizinha ao contorno de grão,
empobrecida em cobre.
TÉCNICAS DE PREVENÇÃO DA
CORROSÃO INTERGRANULAR
 
A corrosão intergranular pode evoluir de
maneira imperceptível até o colapso total do
equipamento. Nestes casos, verifica-se que o
material estava submetido à um processo
corrosivo somente após sua fratura e
conseqüente inutilização. Assim, as técnicas de
prevenção da corrosão intergranular assumem
um importante papel na maximização da vida
útil dos componentes soldados.
Referências:
•Gentil, Vicente. CORROSÃO. Rio de Janeiro: LTC – Livros
Técnicos e Científicos Editora, 1994.
•Nunes, Laerce de Paula. FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À
CORROSÃO. Rio de Janeiro, 2007.
•CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS DE
AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS. Fonte:
•http://www.infosolda.com.br/jc_perg_down/id67.pdf
•Site Infomet: http://www.infomet.com.br/acos-e-ligas-
conteudo-ler.php?
cod_tema=9&cod_secao=10&cod_assunto=79&cod_conteudo
=108&filtro=ativar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ApresentaçãO FabricaçãO Do AçO
ApresentaçãO FabricaçãO  Do AçOApresentaçãO FabricaçãO  Do AçO
ApresentaçãO FabricaçãO Do AçO
mfpenido
 
71601130 principais-metodos-de-prevencao-de-corrosao
71601130 principais-metodos-de-prevencao-de-corrosao71601130 principais-metodos-de-prevencao-de-corrosao
71601130 principais-metodos-de-prevencao-de-corrosao
Profjorge Silva
 
Metais (construções)
Metais (construções)Metais (construções)
Metais (construções)
Ana Cristina
 

Mais procurados (20)

Grupo b cementação
Grupo b   cementaçãoGrupo b   cementação
Grupo b cementação
 
Corrosão
CorrosãoCorrosão
Corrosão
 
Introdução à Corrosão - Autor desconhecido
Introdução à Corrosão - Autor desconhecidoIntrodução à Corrosão - Autor desconhecido
Introdução à Corrosão - Autor desconhecido
 
ApresentaçãO FabricaçãO Do AçO
ApresentaçãO FabricaçãO  Do AçOApresentaçãO FabricaçãO  Do AçO
ApresentaçãO FabricaçãO Do AçO
 
Deformação por deslizamento
Deformação por deslizamentoDeformação por deslizamento
Deformação por deslizamento
 
Ferro fundido
Ferro fundidoFerro fundido
Ferro fundido
 
Tecnologia dos materiais
Tecnologia dos materiaisTecnologia dos materiais
Tecnologia dos materiais
 
Materiais
 Materiais Materiais
Materiais
 
O aço
O açoO aço
O aço
 
Materiais metálicos
Materiais metálicosMateriais metálicos
Materiais metálicos
 
Aula03 transformacoes nucleacao
Aula03 transformacoes nucleacaoAula03 transformacoes nucleacao
Aula03 transformacoes nucleacao
 
Ferros fundidos
Ferros fundidosFerros fundidos
Ferros fundidos
 
Harris quimica analitica - química analítica - daniel c. harris
Harris   quimica analitica - química analítica - daniel c. harrisHarris   quimica analitica - química analítica - daniel c. harris
Harris quimica analitica - química analítica - daniel c. harris
 
71601130 principais-metodos-de-prevencao-de-corrosao
71601130 principais-metodos-de-prevencao-de-corrosao71601130 principais-metodos-de-prevencao-de-corrosao
71601130 principais-metodos-de-prevencao-de-corrosao
 
Corrosão
CorrosãoCorrosão
Corrosão
 
Tratamento termico
Tratamento termicoTratamento termico
Tratamento termico
 
Metais (construções)
Metais (construções)Metais (construções)
Metais (construções)
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinas
 
Heterogeneidades dos materiais que afetam a corrosão
Heterogeneidades dos materiais que afetam a corrosãoHeterogeneidades dos materiais que afetam a corrosão
Heterogeneidades dos materiais que afetam a corrosão
 
Alumínio e suas ligas
Alumínio e suas ligasAlumínio e suas ligas
Alumínio e suas ligas
 

Destaque (7)

Corrosão sob tensão
Corrosão sob tensãoCorrosão sob tensão
Corrosão sob tensão
 
Aços resistentes à corrosão
Aços resistentes à corrosãoAços resistentes à corrosão
Aços resistentes à corrosão
 
Corrosão Metálica
Corrosão MetálicaCorrosão Metálica
Corrosão Metálica
 
Corrosão dos metais
Corrosão dos metaisCorrosão dos metais
Corrosão dos metais
 
Aula 6 ppt
Aula 6 pptAula 6 ppt
Aula 6 ppt
 
Corrosão de metais
Corrosão de metaisCorrosão de metais
Corrosão de metais
 
12 aula corrosão tanque e purgadores
12 aula corrosão tanque e purgadores12 aula corrosão tanque e purgadores
12 aula corrosão tanque e purgadores
 

Semelhante a corrosao-intergranular

37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
Profjorge Silva
 
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos-140615211008-phpapp02
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos-140615211008-phpapp0237473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos-140615211008-phpapp02
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos-140615211008-phpapp02
Denison Issa
 
Apostila corrosão capítulo 1
Apostila corrosão   capítulo 1Apostila corrosão   capítulo 1
Apostila corrosão capítulo 1
Maria Adrina Silva
 
Corrosão em Estrutura de Concreto Armado
Corrosão em Estrutura de Concreto ArmadoCorrosão em Estrutura de Concreto Armado
Corrosão em Estrutura de Concreto Armado
Rodrigo Duarte
 
Apostila aço inox. soldagem
Apostila aço inox.   soldagemApostila aço inox.   soldagem
Apostila aço inox. soldagem
Verlaine Verlaine
 

Semelhante a corrosao-intergranular (20)

Soluções para Mineração Rijeza Metalurgia
Soluções para Mineração Rijeza MetalurgiaSoluções para Mineração Rijeza Metalurgia
Soluções para Mineração Rijeza Metalurgia
 
Acoinoxidavel nocoesbasicas
Acoinoxidavel nocoesbasicasAcoinoxidavel nocoesbasicas
Acoinoxidavel nocoesbasicas
 
Meios corrosivos
Meios corrosivosMeios corrosivos
Meios corrosivos
 
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
 
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos-140615211008-phpapp02
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos-140615211008-phpapp0237473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos-140615211008-phpapp02
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos-140615211008-phpapp02
 
Guia de Acabamentos Superficiais - Indufix Parafusos
Guia de Acabamentos Superficiais - Indufix ParafusosGuia de Acabamentos Superficiais - Indufix Parafusos
Guia de Acabamentos Superficiais - Indufix Parafusos
 
Apostila corrosão capítulo 1
Apostila corrosão   capítulo 1Apostila corrosão   capítulo 1
Apostila corrosão capítulo 1
 
Corrosão em Estrutura de Concreto Armado
Corrosão em Estrutura de Concreto ArmadoCorrosão em Estrutura de Concreto Armado
Corrosão em Estrutura de Concreto Armado
 
Estudo de corrosão em estruturas de concreto
Estudo de corrosão em estruturas de concretoEstudo de corrosão em estruturas de concreto
Estudo de corrosão em estruturas de concreto
 
Metais na construção civil: corrosão e proteção
Metais na construção civil: corrosão e proteçãoMetais na construção civil: corrosão e proteção
Metais na construção civil: corrosão e proteção
 
Recuperação de armadura em corrosão
Recuperação de armadura em corrosãoRecuperação de armadura em corrosão
Recuperação de armadura em corrosão
 
Apostila aco-inox-soldagem
Apostila aco-inox-soldagemApostila aco-inox-soldagem
Apostila aco-inox-soldagem
 
Apostila aco inox_soldagem
Apostila aco inox_soldagemApostila aco inox_soldagem
Apostila aco inox_soldagem
 
Apostila aço inox
Apostila aço inoxApostila aço inox
Apostila aço inox
 
Acesita apostila aço inox soldagem
Acesita apostila aço inox soldagemAcesita apostila aço inox soldagem
Acesita apostila aço inox soldagem
 
Poeiras minerais
Poeiras minerais Poeiras minerais
Poeiras minerais
 
Apostila aço inox. soldagem
Apostila aço inox.   soldagemApostila aço inox.   soldagem
Apostila aço inox. soldagem
 
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
 
Rijeza mineração
Rijeza mineraçãoRijeza mineração
Rijeza mineração
 
Soldas Especiais_pt XX.pdf
Soldas Especiais_pt XX.pdfSoldas Especiais_pt XX.pdf
Soldas Especiais_pt XX.pdf
 

corrosao-intergranular

  • 1. CorrosãoCorrosão IntergranularIntergranular      Prof°. Dr. Maurício Marques Alunas: Gracy Normandia Belarmino Sheena  Agatha de Lemos
  • 2.  Os graves problemas com corrosão em refinarias e, o alto custo das tubulações de aços inoxidáveis, tornaram o estudo da suscetibilidade e a corrosão intergranular de grande importância.  Falhas por corrosão podem ser evitadas quando a escolha dos materiais e dos processos de fabricação são feitas de maneira adequada para a sua aplicação.
  • 3.
  • 4. A corrosão intergranular ocorre quando existe um caminho preferencial para a corrosão. Os grãos vão sendo destacados a medida que a corrosão se propaga. A corrosão intergranular não requer a presença de um meio corrosivo e esforço de tração .
  • 5.
  • 6.
  • 7. EFEITOS DA MICROESTRUTURAEFEITOS DA MICROESTRUTURA CORROSÃO INTERGRANULARCORROSÃO INTERGRANULAR O contorno decontorno de grãogrão funciona como região anódica, devido ao grande número de discordâncias presentes nessa região.
  • 8. As ligas de aços inoxidáveis sofrem corrosão intergranular devido à formação de um zona empobrecida em cromo ao longo dos contornos de grão, como conseqüência da precipitação neste local de carbonetos de cromo (Cr23C6). Átomos de cromo desta região, que se encontravam em solução sólida no aço, difundem-se para os contornos do grão, formando carbonetos, diminuindo a resistência à corrosão. A formação desta zona empobrecida em cromo chama-se sensitização, porque torna o material sensível à corrosão intergranular.
  • 9.
  • 10. DiferençasDiferenças composicionaiscomposicionais levam a diferentes potenciais químicos e com isso, na presença de meios líquidos, pode ocorrer corrosão localizada.
  • 11. Ligas de alumínio-magnésio contendo acima de 3% de magnésio podem formar precipitados de Mg2Al8 nos contornos de grão. Estes precipitados são corroídos porque são menos resistentes à corrosão do que a matriz. Caso similar ocorre nas ligas de alumínio-magnésio- zinco devido à formação do precipitado de MgZn2. No caso das ligas alumínio-cobre os precipitados de CuAl2 são mais nobres que a matriz, aparentemente agindo como catodos e acelerando a corrosão da região vizinha ao contorno de grão, empobrecida em cobre.
  • 12. TÉCNICAS DE PREVENÇÃO DA CORROSÃO INTERGRANULAR   A corrosão intergranular pode evoluir de maneira imperceptível até o colapso total do equipamento. Nestes casos, verifica-se que o material estava submetido à um processo corrosivo somente após sua fratura e conseqüente inutilização. Assim, as técnicas de prevenção da corrosão intergranular assumem um importante papel na maximização da vida útil dos componentes soldados.
  • 13.
  • 14. Referências: •Gentil, Vicente. CORROSÃO. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora, 1994. •Nunes, Laerce de Paula. FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO. Rio de Janeiro, 2007. •CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS. Fonte: •http://www.infosolda.com.br/jc_perg_down/id67.pdf •Site Infomet: http://www.infomet.com.br/acos-e-ligas- conteudo-ler.php? cod_tema=9&cod_secao=10&cod_assunto=79&cod_conteudo =108&filtro=ativar