Grasiela Dourado
O AMOR É CEGO!
O amor é cego!
• Suldo, Muldo e Palalplégico...
Tríade do poder
• Justiça
• Esperança
• Amor
• a educação para todos: dos princípios e da lei
• a educação para todos: a r...
Exposição ComCiência, de Patricia Piccinini - SP
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE
IMPEDIMENTO
DEFICIÊNCIA
INCAPACIDADE
Perda ou anormalidade das funções ou da estrutura anatôm...
10
INCIDÊNCIA
16%
22%
58%
4%
Censo IBGE 2010
Deficiência auditiva Deficiência motora
Deficiência visual Mental/intelectual
Indios masai matavam suas crianças
deficientes
Tribo azand as amava e protegia
Os chagga, da África oriental, usavam seus
...
12
História Geral
PRÉ-HISTÓRIA (CULTURA PRIMITIVA)
Povo nômade que sobrevivia da caça e da pesca
Indivíduo que não ajudava...
Antiguidade
Esparta
Atenas
Pessoas com
Def. Física
Ou mental
Subumanos
Eliminados ou
Abandonados
Ideais de perfeição
Histó...
14
Grécia
• Em esparta eram sacrificados os que não
estavam dentro dos padrões esperados para
um guerreiro.
• Em Atenas cu...
15
Antiguidade
Deficiência era considerado como algo causado
por um agente externo ao indivíduo
• Castigo
• Possessão
• De...
Império Romano
• Infanticídio aos portadores de monstruosidades
• Venda de deficientes - mercado de escravos especiais
• D...
Pessoa com deficiência
• Não produtivo
• Possuidor de alma
• Status humano
• Proibido extermínio
• Mantido sob a custódia
...
• Deficientes = indivíduos não produtivos que
oneravam a sociedade
• Tratamento
 Alquimia
 Magia
Revolução burguesa - Co...
Idade média
Eliminá-las ou
Abandoná-las
Advento do
Cristianismo
Contra os desígnios
De deus
“Filhas de Deus”
Acolhidas
Em
...
História geral
Imagens retratadas da época
Crianças com aspectos sindrômicos
História geral
Livro
Filme
Século XIV
Primeira legislação
Cuidados com a sobrevivência
E com os bens das pessoas
Com deficiência mental
Responsável: ...
Primeira legislação
Pessoa com
Deficiência mental
X
Pessoa com
doença mental
“Louca natural”
(Idiotia permanete)
“Lunática...
Século XVI Paracelso
(Médico)
Cardano
(Filósofo)
Dm
Problema médico
Loucura e idiotia
Enfermidade ou
Produto de infortúnio...
Século XX
J. H. Pestallozzi
Criação de sistema de educação especial
com materiais e jogos
Século XIX
Froebel
Escola públic...
26
Institucionalização
• Retirada das pessoas da sua comunidade de origem
• Manutenção em instituições residenciais segreg...
Visões - deficiência
• Diferentes modelos
 Metafísico
 Médico
 Educacional
 Determinação social
 Sócio-histórico
• Fe...
Normalização
• Processo de ajuda aos deficientes
• Garantir a eles a condição de existência o mais próximas do normal
(est...
29
Paradigma de suporte
• Pessoa com deficiência - direito
 Convivência não segregada
 Acesso aos recursos
• Ideia de in...
O que é a inclusão educacional?
A Educação inclusiva compreende a Educação especial
dentro da escola regular e transforma ...
É uma atitude de aceitação das diferenças, não uma simples
colocação em sala de aula.
As diferenças não são vistas como pr...
LEIS SOBRE A INCLUSÃO
A política educacional brasileira na década de 80 teve
como meta a democratização mediante a expansã...
• 1874: 1ª Instituição p/ dm - Hospital Juliano Moreira (BA)
• 1903: 1ª Escola especial p/ anormais (P. Bourneville)
1ª DÉ...
• 1986: criação da coordenadoria nacional para
Integração da pessoa portadora de deficiência. (Corde)
• 1990: aprovado “es...
Legislação
• Lei nº 7.853, de 24/10/89 – direitos individuais e sociais dos deficientes
• Lei nº 10.048, de 08/11/00 – ate...
EXCLUSÃO
SEGREGAÇÃO
EXTERMÍNIO
INSTITUCIONALIZAÇÃO
INTEGRAÇÃO
NORMALIZAÇÃO
ENSINO DOMILIAR
ESCOLA ESPECIAL
CLASSE ESPECIAL...
De quem é a
responsabilidade?
• responsabilidade de todos
• momento complexo
• exige um posicionamento de toda a sociedade...
A inclusão escolar exige
• novos posicionamentos e propostas efetivas
do sistema educacional e dos nossos
legisladores;
• ...
Escola no Rio diz que mãe deve
pagar monitor para aluno com
deficiência
Akemi Nitahara , Da Agência Brasil, no Rio de Jane...
Mãe narra dificuldade de
inclusão do filho
Adolescente tem paralisia cerebral e enfrenta preconceitos para
assistir as aul...
Crenças
• A inclusão possibilita a interação e a
integração dos alunos especiais com aqueles
considerados normais;
• Gera ...
O processo inclusivo não é um fim em si mesmo,
é um trabalho coletivo, contínuo, interativo e
cooperativo, abrindo possibi...
O amor é cego...
Obrigada!
grasieladourado@gmail.com
98802-8056
O amor é cego
O amor é cego
O amor é cego
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O amor é cego

404 visualizações

Publicada em

Análise da educação inclusiva, envolvendo história, legislação e reflexões sobre o processo social e educacional.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O amor é cego

  1. 1. Grasiela Dourado
  2. 2. O AMOR É CEGO!
  3. 3. O amor é cego! • Suldo, Muldo e Palalplégico...
  4. 4. Tríade do poder • Justiça • Esperança • Amor • a educação para todos: dos princípios e da lei • a educação para todos: a realidade • a educação para todos: o ideal
  5. 5. Exposição ComCiência, de Patricia Piccinini - SP
  6. 6. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE IMPEDIMENTO DEFICIÊNCIA INCAPACIDADE Perda ou anormalidade das funções ou da estrutura anatômica, fisiológica ou psicológica do corpo humano Restrição ou perda, resultante do impedimento, para desenvolver habilidades consideradas normais para o ser humano Desvantagem individual, resultante do impedimento ou da deficiência, que limita ou impede o cumprimento ou desempenho de um papel social, dependendo da idade, sexo e fatores sociais e culturais
  7. 7. 10 INCIDÊNCIA 16% 22% 58% 4% Censo IBGE 2010 Deficiência auditiva Deficiência motora Deficiência visual Mental/intelectual
  8. 8. Indios masai matavam suas crianças deficientes Tribo azand as amava e protegia Os chagga, da África oriental, usavam seus membros excepcionais para afastar o mal Os jukun, do sudão, achavam que essas pessoas eram um produto dos espíritos do mal e os abandonavam à morte Os sem ang, da Malásia, consideravam as pessoas com deficiência física como sábias e elas tinham como encargo a resolução das disputas tribais Os balineses transformaram-nas em um “tabu” social Os antigos Hebreus viam a doença e os defeitos físicos como uma marca dos pecadores Os nórdicos e os astecas faziam dessas pessoas deuses No território da ambivalência
  9. 9. 12 História Geral PRÉ-HISTÓRIA (CULTURA PRIMITIVA) Povo nômade que sobrevivia da caça e da pesca Indivíduo que não ajudava na caça e na pesca Era abandonado em ambientes perigosos
  10. 10. Antiguidade Esparta Atenas Pessoas com Def. Física Ou mental Subumanos Eliminados ou Abandonados Ideais de perfeição História Geral
  11. 11. 14 Grécia • Em esparta eram sacrificados os que não estavam dentro dos padrões esperados para um guerreiro. • Em Atenas cultuava-se o belo e a perfeição do corpo.
  12. 12. 15 Antiguidade Deficiência era considerado como algo causado por um agente externo ao indivíduo • Castigo • Possessão • Desígnio
  13. 13. Império Romano • Infanticídio aos portadores de monstruosidades • Venda de deficientes - mercado de escravos especiais • Divertir convidados
  14. 14. Pessoa com deficiência • Não produtivo • Possuidor de alma • Status humano • Proibido extermínio • Mantido sob a custódia 1. Família 2. Igreja 3. Sem evidência de esforço específico e organizado –acolhimento, proteção ou tratamento
  15. 15. • Deficientes = indivíduos não produtivos que oneravam a sociedade • Tratamento  Alquimia  Magia Revolução burguesa - Concepção de homem
  16. 16. Idade média Eliminá-las ou Abandoná-las Advento do Cristianismo Contra os desígnios De deus “Filhas de Deus” Acolhidas Em Conventos E igrejas Pessoas com Deficiência Ganham alma História Geral
  17. 17. História geral Imagens retratadas da época Crianças com aspectos sindrômicos
  18. 18. História geral Livro Filme
  19. 19. Século XIV Primeira legislação Cuidados com a sobrevivência E com os bens das pessoas Com deficiência mental Responsável: o Rei (Como forma de pagamento) Idade Média
  20. 20. Primeira legislação Pessoa com Deficiência mental X Pessoa com doença mental “Louca natural” (Idiotia permanete) “Lunática” (Alterações psiquiátricas Transitórias) Idade Média
  21. 21. Século XVI Paracelso (Médico) Cardano (Filósofo) Dm Problema médico Loucura e idiotia Enfermidade ou Produto de infortúnios Naturais Novas leis Dm Problema médico Preocupação Com a educação Idade Média
  22. 22. Século XX J. H. Pestallozzi Criação de sistema de educação especial com materiais e jogos Século XIX Froebel Escola pública para todas crianças M. Montessori Binet / simon Surgem escolas Montessorianas Publicação de escala métrica de inteligência Idade Contemporânea
  23. 23. 26 Institucionalização • Retirada das pessoas da sua comunidade de origem • Manutenção em instituições residenciais segregadas • Localidades distantes de suas famílias • Muita vezes – isolamento absoluto da sociedade
  24. 24. Visões - deficiência • Diferentes modelos  Metafísico  Médico  Educacional  Determinação social  Sócio-histórico • Fenômeno  Social – político - econômico
  25. 25. Normalização • Processo de ajuda aos deficientes • Garantir a eles a condição de existência o mais próximas do normal (estatístico) possível
  26. 26. 29 Paradigma de suporte • Pessoa com deficiência - direito  Convivência não segregada  Acesso aos recursos • Ideia de inclusão
  27. 27. O que é a inclusão educacional? A Educação inclusiva compreende a Educação especial dentro da escola regular e transforma a escola em um espaço para todos. Ela favorece a diversidade na medida em que considera que todos os alunos podem ter necessidades especiais em algum momento de sua vida escolar.
  28. 28. É uma atitude de aceitação das diferenças, não uma simples colocação em sala de aula. As diferenças não são vistas como problemas, mas como diversidade Educação Inclusiva
  29. 29. LEIS SOBRE A INCLUSÃO A política educacional brasileira na década de 80 teve como meta a democratização mediante a expansão do ensino com oportunidade de acesso das minorias à escola pública.
  30. 30. • 1874: 1ª Instituição p/ dm - Hospital Juliano Moreira (BA) • 1903: 1ª Escola especial p/ anormais (P. Bourneville) 1ª DÉCADA DE 1900: Movimento “escola-nova” – entrada da Psicologia na educação (uso de testes) • Década de 30: Helena Antipoff – criação dos serviços de diagnóstico e classes especiais • 1960: Crescimento das instituições filantrópicas (APAES) • 1973: criação do centro nacional de educação especial (Cenesp) Breve histórico no Brasil
  31. 31. • 1986: criação da coordenadoria nacional para Integração da pessoa portadora de deficiência. (Corde) • 1990: aprovado “estatuto da criança e do adolescente” • 1996: lei das diretrizes e bases – ajusta-se à legislação federal, apontando que a educação das pessoas com deficiência deve dar-se preferencialmente na rede regular de ensino • 1998: MEC – Adaptações nos PCNS • 2001: publicação das diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica Breve histórico no Brasil
  32. 32. Legislação • Lei nº 7.853, de 24/10/89 – direitos individuais e sociais dos deficientes • Lei nº 10.048, de 08/11/00 – atendimento prioritário • Lei nº 10.098, de 19/12/00 – acessibilidade de deficientes • Lei nº 10.436, de 24/04/02 – Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS • Lei nº 10.558, de 13/11/02 – diversidade na universidade • Decreto nº 3.298, de 20/12/99 - regulamentação da Lei nº 7.853 • Decreto nº 4.876, de 12/11/03 – acesso de afro-descendentes e indígenas • Decreto nº 5.296, de 02/12/04 – regulamentação das Leis nº 10.048 e 10.098 • Decreto nº 5.626, de 22/12/05 – regulamentação da Lei nº 10.436 • Portaria MEC nº 657, de 07/03/02 – Soroban (Ábaco) • Portaria MEC nº 3.284, de 07/11/03 – avaliação • Portaria MEC nº 976, de 04/05/06 – eventos/MEC – Decreto nº 5.296 • Portaria Normativa MEC nº 11, de 09/08/06 – PROLIBRAS/Exames de proficiência
  33. 33. EXCLUSÃO SEGREGAÇÃO EXTERMÍNIO INSTITUCIONALIZAÇÃO INTEGRAÇÃO NORMALIZAÇÃO ENSINO DOMILIAR ESCOLA ESPECIAL CLASSE ESPECIAL CLASSE COMUM ESCOLA INCLUSIVA SALA DE RECURSO INCLUSÃO SERVIÇOS SUPORTES
  34. 34. De quem é a responsabilidade? • responsabilidade de todos • momento complexo • exige um posicionamento de toda a sociedade “São muitas as barreiras sociais que impedem o efetivo processo de inclusão nas instituições de ensino regular.”
  35. 35. A inclusão escolar exige • novos posicionamentos e propostas efetivas do sistema educacional e dos nossos legisladores; • valorização do educador em termos de salários, cursos de capacitação; • a reestruturação do espaço físico atual, permitindo a acessibilidade.
  36. 36. Escola no Rio diz que mãe deve pagar monitor para aluno com deficiência Akemi Nitahara , Da Agência Brasil, no Rio de Janeiro (2015)
  37. 37. Mãe narra dificuldade de inclusão do filho Adolescente tem paralisia cerebral e enfrenta preconceitos para assistir as aulas. Thaís Moreira Joinville (2015)
  38. 38. Crenças • A inclusão possibilita a interação e a integração dos alunos especiais com aqueles considerados normais; • Gera benefícios para todo o grupo; • A convivência permite a ampliação de valores e o reconhecimento de que cada um tem suas particularidades, desenvolvendo uma percepção de igualdade.
  39. 39. O processo inclusivo não é um fim em si mesmo, é um trabalho coletivo, contínuo, interativo e cooperativo, abrindo possibilidades de compartilhar experiências, tornando nossas escolas lugares privilegiados para se aprender sobre a inclusão, sendo possível discutir e construir saberes na diversidade. Conclusão
  40. 40. O amor é cego...
  41. 41. Obrigada! grasieladourado@gmail.com 98802-8056

×