DISCENTES: BEINE JOSÉ DA SILVA, CLÉIA NEVES BUENO, GRACIELI DA SILVA HENICKA E MIRTES CAMPOS PEREIRACUIABÁ/MTABRIL/20121DI...
Uma abordagem psicossocial doconhecimento que busca uma compreensãodo homem na sua totalidade, ouseja, enquanto um ser que...
Considerações HistóricasPlatão, há quase 2,5 milanos, acreditava que o mundo que conhecemosnão é o verdadeiro. Para ele, a...
4http://www.youtube.com/watch?v=faCphlZOoG0&feature=fvsr
Descartes também contribuiu para aconstrução de uma filosofia darepresentação, defendendo que elaproporciona a transformaç...
Kant dizia que a mente não é uma cerapassiva por sobre a qual a experiência e asensação escrevem sua vontade caprichosa ea...
“As várias tensões e inadequações da primeira metadedo século XX contribuíram para produzir um novo movimentona psicologia...
Cada pessoa forma uma imagem mental interna deum cenário. Quando o indivíduo internaliza uma cenaesta é expressa nos seus ...
Hoje há quase que um consenso que a motivaçãopara aprender e a construção estruturada doconhecimento é uma característica ...
http://sbgc.org.br/sbgceduc/?p=24610
Para que ocorra uma representação mental énecessário uma série de fatores que sãosubsequentes, sendo assim fundamentais pa...
 A abordagem estrutural é uma escola dentre as diversasexistentes para o estudo do fenômeno das representações sociais.Tr...
Representações Mentais ou representaçõesinternas, são maneiras de "re-presentar"internamente o mundo externo. As pessoasnã...
Para Johnson-Laird (1983), proposições sãorepresentações de significados, totalmenteabstraídas, que são verbalmente expres...
15Serge Moscovici nasceu em1928 e é um psicólogo social.Actualmente é director do LaboratoireEuropéen de Psychologie Socia...
INTRODUÇÃOTeoria das Representações Sociais – Moscovici, 1961 “Representação Social é uma forma deconhecimento, socialmen...
17Estudos de Ibáñez (1988), Jodelet (1994), Sá (1993 e 1996), Vala(2000), assim como os de Anadon e Machado (2001), aponta...
18http://www.youtube.com/watch?v=_8p1MrsSI04Vídeo Representação Social da Escola em Desenhos
19Para Abric, ao discutir as funções das representaçõesdentro do enfoque estrutural, reconhece nelas certas funçõesbásicas...
Representações SociaisAs ancoragens são manifestações diretas dasrepresentações sociais já que elas são afirmaçõesgenérica...
21http://www.youtube.com/watch?v=PdDOwWBxxuA
REPRESENTAÇÕES MENTAISSegundo GRECA in MOREIRA (2005): “ Representacion es cualquier notacion, signo o conjunto de símbol...
23• Imagem visual• Sentidos (olfato, tato, audição, gustação)REPRESENTAÇÕESMENTAIS ANALÓGICAS ouPICTÓRICAS• Mentalês• Enti...
REPRESENTAÇÕES MENTAIS As representações analógicas são não-discretas (não-individuais), concretas (representam entidades...
A questão IMAGENS X PROPOSIÇÕES épolêmica na Psicologia Cognitiva. Segundo MOREIRA; CABALLERO e RODRÍGUEZ (1997), hápsicó...
REPRESENTAÇÕES MENTAIS SEGUNDOJOHNSON-LAIRD Segundo Johnson-Laird conceitos são representados por modelosmentais. Todo ra...
REPRESENTAÇÕES MENTAIS SEGUNDOJOHNSON-LAIRD Segundo MOREIRA; CABALLERO e RODRÍGUEZ(1997), as imagens mentais são represen...
REPRESENTAÇÕES MENTAIS SEGUNDOJOHNSON-LAIRD Então, para Johnson-Laird (1983, p. 165)representações proposicionais são cad...
REPRESENTAÇÕES MENTAIS SEGUNDOJOHNSON-LAIRD Segundo MOREIRA; CABALLERO e RODRÍGUEZ(1997), os modelos mentais, portanto, p...
30http://www.youtube.com/watch?v=uCR6T1aGiK4
REPRESENTAÇÕES PROPOSICIONAISAs representações proposicionais sãorepresentações mentais criadas segundoregras rígidas de f...
M. mentais Proposições ImagensDefinição Análogosestruturais do mundoCadeias de símbolosque correspondem àlinguagem natural...
33p/ Jonhson-Laird Construção de modelos mentais quepossam explicar o mundo.Representações analógicas abstratas deconceito...
ConstrutosReprentacionaisDe qq outrosímboloTraduz eventosexternos em M.internosM.MPorentendimentoCódiigoprópriopercepçãoAn...
Tipos de representações internasRepresentaçãoproposicionalConstrutosrepresentacionais
ExemplosMeiose Em grupos, realizar a construção de mapaconceitual, com a mediação do professor, buscando osconceitos estu...
37
38
39
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. – São Paulo: EPU, 1999. JOHNSON-LAIRD, P. Mental mode...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MOREIRA, M.A.; CABALLERO, M.C. e RODRÍGUEZ, M.L. (orgs.). AprendizagemSignificativa: Um Concei...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MOREIRA, M. A. (org.). Representações mentais, modelosmentais e representações sociais: textos...
“FICA SEMPRE UM POUCO DE PERFUMENAS MÃOS QUE OFERECEM ROSASNAS MÃOS QUE SABEM SER GENEROSAS”43
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Representações sociais mentais e proposicionais

1.901 visualizações

Publicada em

Apresentação que discute os tipos de representações no processo de ensino-aprendizagem.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.901
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Representações sociais mentais e proposicionais

  1. 1. DISCENTES: BEINE JOSÉ DA SILVA, CLÉIA NEVES BUENO, GRACIELI DA SILVA HENICKA E MIRTES CAMPOS PEREIRACUIABÁ/MTABRIL/20121DISCIPLINA: PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICOPROFESSORES: DR. CARLOS RINALDI, DR.ª DEBORA PEDROTTI EDR.ª EDNA HARDOIM
  2. 2. Uma abordagem psicossocial doconhecimento que busca uma compreensãodo homem na sua totalidade, ouseja, enquanto um ser que pensa, age e sentepor meio de uma relação dialética com o meiocircundante.http://www.inf.ufsc.br/infoedu/alunos/alunos99/trabfinal/RepresentacoesMentais.htm2
  3. 3. Considerações HistóricasPlatão, há quase 2,5 milanos, acreditava que o mundo que conhecemosnão é o verdadeiro. Para ele, a realidade nãoestava no que podemosver, tocar, ouvir, perceber.Na filosofia de Platão existem dois mundos:Aquele que podemos perceber ao nossoredor, com os cinco sentidos.O mundo das ideias, onde tudo é perfeito eimutável. Não podemos tocá-lo, ele não éconcreto. Só o pensamento pode nos levar até3
  4. 4. 4http://www.youtube.com/watch?v=faCphlZOoG0&feature=fvsr
  5. 5. Descartes também contribuiu para aconstrução de uma filosofia darepresentação, defendendo que elaproporciona a transformação da ideia em umaimagem do real.Crê que os sentidos não nos deem maisque uma representação confusa dosobjetos, podendo, assim, induzir-nos aos erro.O critério da verdade encontra-se na razãomesma.5
  6. 6. Kant dizia que a mente não é uma cerapassiva por sobre a qual a experiência e asensação escrevem sua vontade caprichosa eabsoluta; nem tampouco é um mero nomeabstrato para a série ou o grupo de estadosmentais; mas, antes, é um órgão ativo quemolda e coordena as sensações em ideias, umórgão que transforma a multiplicidade caóticada experiência em uma unidade ordenada depensamento.6
  7. 7. “As várias tensões e inadequações da primeira metadedo século XX contribuíram para produzir um novo movimentona psicologia cognitiva moderna. E tudo isso aconteceu noperíodo de cinco anos entre 1955 e 1960.”George Mandler (1981, p.9)http://domescobar.blogspot.com.br/2009_11_01_archive.html 7
  8. 8. Cada pessoa forma uma imagem mental interna deum cenário. Quando o indivíduo internaliza uma cenaesta é expressa nos seus próprios termos, de forma quemais tarde seja capaz de trazê-la à sua mente commaior riqueza de detalhes.A aprendizagem, que está mais focada ao "como" oeducando vai aprender e no modelo que o educandotem da realidade, e nem sempre se refere à realidade, serefere a um modelo que o aprendiz elabora darealidade.8
  9. 9. Hoje há quase que um consenso que a motivaçãopara aprender e a construção estruturada doconhecimento é uma característica muito pessoal.A aprendizagem para solução de problemas se dáatravés da utilização de princípios conhecidos, quedevem ser memorizados e prontamente recuperadosconforme a situação exija.O grau de domínio da aprendizagem é uma funçãodireta da capacidade de retenção da informação, eesta, depende da organização do conteúdo e de suassignificações e suas relações com outros conteúdosaprendidos.9
  10. 10. http://sbgc.org.br/sbgceduc/?p=24610
  11. 11. Para que ocorra uma representação mental énecessário uma série de fatores que sãosubsequentes, sendo assim fundamentais para arealização dessas representações internas.11
  12. 12.  A abordagem estrutural é uma escola dentre as diversasexistentes para o estudo do fenômeno das representações sociais.Trata-se de uma perspectiva que concebe representações sociaiscomo estruturas de conhecimento sobre temas da vidasocial, compartilhadas por grupos e formadas por elementoscognitivos ligados entre si. Moscovici (1976) chega à definição de que a representaçãosocial não é nem o coletivo, nem o inconsciente, mas a ação, omovimento de interação entre as pessoas. As representações sociaisconstituem-se em uma forma de conhecimento individual que sóocorre na interação com "o outro", no mesmo momento em que estainteração se dá. Enfim, as representações sociais dizem respeito aouniverso de opiniões construídas, reelaboradas e redimensionadaspelos indivíduos, em relação a um determinado objeto social, deacordo com a história de vida de cada um.12Representações Sociais
  13. 13. Representações Mentais ou representaçõesinternas, são maneiras de "re-presentar"internamente o mundo externo. As pessoasnão captam o mundo exteriordiretamente, elas constroem representaçõesmentais dele.13Representações Mentais
  14. 14. Para Johnson-Laird (1983), proposições sãorepresentações de significados, totalmenteabstraídas, que são verbalmente expressáveis.O critério de expressabilidade verbaldistingue Johnson-Laird de outros psicólogoscognitivos (Sternberg, 1996, p.181).14Representações Proposicionais
  15. 15. 15Serge Moscovici nasceu em1928 e é um psicólogo social.Actualmente é director do LaboratoireEuropéen de Psychologie Sociale(Laboratório Europeu da PsicologiaSocial), que ele co-fundou em 1975 emParis. É também membro do EuropeanAcademy of Sciences and Arts , daLégion dhonneur e do RussianAcademy of Sciences.
  16. 16. INTRODUÇÃOTeoria das Representações Sociais – Moscovici, 1961 “Representação Social é uma forma deconhecimento, socialmente elaborada e partilhada, tendoum objetivo prático, e que contribui para a construção deuma realidade comum a um conjunto social”(Jodelet, 2001, p. 22).Teoria do Núcleo Central – Abric, 1976 A TNC propõe que uma representação social estáhierarquizada em torno de um núcleo central, sendoconstituído de um ou mais elementos que dão significado àrepresentação social. Em torno do núcleocentral, organizam-se os elementos periféricos darepresentação.
  17. 17. 17Estudos de Ibáñez (1988), Jodelet (1994), Sá (1993 e 1996), Vala(2000), assim como os de Anadon e Machado (2001), apontam para uma grandeheterogeneidade de formulações quando da tentativa de se conceituar“representações sociais”. Essa diversidade de entendimento”, para citar umaexpressão utilizada por Rangel (1997, p. 22), pode ser claramente observada nosensaios de aproximação do conceito de representação social elencados a seguir: É uma forma de conhecimento socialmente elaborada e partilhada, tendo umobjetivo prático e concorrendo à construção de uma realidade comum a umconjunto social. (Jodelet, 1994, p. 36) É um conteúdo mental estruturado – isto é, cognitivo, avaliativo, afetivo esimbólico – sobre um fenômeno social relevante, que toma a forma de imagens oumetáforas, e que é conscientemente compartilhado com outros membros dogrupo social. (Wagner, 1998, p. 3) É produto e processo de uma atividade mental pela qual um indivíduo ou umgrupo reconstitui o real ao qual ele é confrontado e lhe atribui uma significaçãoespecífica. (Abric, 1994, p. 188)
  18. 18. 18http://www.youtube.com/watch?v=_8p1MrsSI04Vídeo Representação Social da Escola em Desenhos
  19. 19. 19Para Abric, ao discutir as funções das representaçõesdentro do enfoque estrutural, reconhece nelas certas funçõesbásicas: Funções de saber: permitem compreender e explicar arealidade. Funções identitárias: definem a identidade do grupo além desalvaguardar a sua especificidade. Funções de orientações: guiam comportamentos e práticas;funções justificatórias: permitem justificar a posteriori astomadas de posição e comportamentos. (1994a, pp. 15-18)
  20. 20. Representações SociaisAs ancoragens são manifestações diretas dasrepresentações sociais já que elas são afirmaçõesgenéricas veiculadas nos depoimentos, queenunciam, explicitamente, valores, crenças, ideologias.
  21. 21. 21http://www.youtube.com/watch?v=PdDOwWBxxuA
  22. 22. REPRESENTAÇÕES MENTAISSegundo GRECA in MOREIRA (2005): “ Representacion es cualquier notacion, signo o conjunto de símbolosque re-presenta (vuelve a presentar) algún aspecto del mundo externo o denuestra imaginación, em ausencia de ella”. Importante: toda representação – todo mundo representante – perdeinformação a respeito do mundo representado. Para CUSTÓDIO e CRUZ (2008), as representações mentais funcionamcomo uma espécie de mapa interno que permite ao indivíduo antecipar asrespostas dos outros, usando essa informação para guiar o seucomportamento, não só no contexto familiar, mas também nos diversoscontextos sociais em que participa (McDowell, Parke & Spitzer, 2002; Niec &Russ, 2002; Solomonica-Levi, Yirmiya, Erel, Samet & Oppenheim, 2001).22
  23. 23. 23• Imagem visual• Sentidos (olfato, tato, audição, gustação)REPRESENTAÇÕESMENTAIS ANALÓGICAS ouPICTÓRICAS• Mentalês• Entidades individuais e abstratasREPRESENTAÇÕESMENTAIS PROPOSICIONAISou LINGUÍSTICAS ouSIMBÓLICASREPRESENTAÇÕES MENTAIS
  24. 24. REPRESENTAÇÕES MENTAIS As representações analógicas são não-discretas (não-individuais), concretas (representam entidades específicasdo mundo exterior), organizadas por regras frouxas decombinação e específicas à modalidade através da qual ainformação foi originalmente encontrada (Eisenck eKeane, p. 184). As representações proposicionais sãodiscretas/palavras (individuais), abstratas, organizadassegundo regras rígidas e captam o conteúdo ideacionalda mente independente da modalidade original na qual ainformação foi encontrada, em qualquer língua e atravésde qualquer dos sentidos. São entidades individuais eabstratas formuladas em linguagem própria da mente.24
  25. 25. A questão IMAGENS X PROPOSIÇÕES épolêmica na Psicologia Cognitiva. Segundo MOREIRA; CABALLERO e RODRÍGUEZ (1997), hápsicólogos cognitivos para os quais a cognição deve ser analisadaexclusivamente em termos de representações proposicionais, ouseja, não há necessidade de supor que as imagens são um tipoespecial de representação mental. Para eles, os“proposicionalistas”, as imagens podem ser reduzidas arepresentações proposicionais; seriam também processadas no“mentalês”. Mas existem outros, os “imagistas” que não aceitam esta posiçãoe argumentam que as imagens têm identidade própria, tanto é quepodem ser rotadas, transladadas e esquadrinhadas mentalmente. Mas há uma terceira via, uma síntese, uma terceira forma deconstruto representacional, chamada modelos mentais, propostapor Philip Johnson-Laird (1983).25
  26. 26. REPRESENTAÇÕES MENTAIS SEGUNDOJOHNSON-LAIRD Segundo Johnson-Laird conceitos são representados por modelosmentais. Todo raciocínio decorre de modelos mentais.Johnson- Laird (1983) propõe, no geral, três tipos de representaçõesmentais: representações proposicionais, modelos mentais e imagensmentais. Os modelos mentais são representações mentais que se parecem (sãoanálogos, semelhantes) aos fenômenos do mundo. Segundo MOREIRA;CABALLERO e RODRÍGUEZ (1997), modelos mentais são representaçõesanalógicas, um tanto quanto abstraídas, de conceitos, objetos ou eventosque são espacial e temporalmente análogos a impressões sensoriais, masque podem ser vistos de qualquer ângulo ( e aí temos imagens!) e que, emgeral, não retêm aspectos distintivos de uma dada instância de um objetoou evento (Sternberg, 1996).26
  27. 27. REPRESENTAÇÕES MENTAIS SEGUNDOJOHNSON-LAIRD Segundo MOREIRA; CABALLERO e RODRÍGUEZ(1997), as imagens mentais são representaçõesbastante específicas que retêm muitos dos aspectosperceptivos de determinados objetos oueventos, vistos de um ângulo particular, com detalhesde uma certa instância do objeto ou evento. E as representações proposicionais sãorepresentações de significados (Sternberg, 1996).27
  28. 28. REPRESENTAÇÕES MENTAIS SEGUNDOJOHNSON-LAIRD Então, para Johnson-Laird (1983, p. 165)representações proposicionais são cadeias desímbolos que correspondem à linguagemnatural, modelos mentais são análogosestruturais do mundo e imagens são modelosvistos de um determinado ponto de vista.28
  29. 29. REPRESENTAÇÕES MENTAIS SEGUNDOJOHNSON-LAIRD Segundo MOREIRA; CABALLERO e RODRÍGUEZ(1997), os modelos mentais, portanto, podem serrevisados, reconstruídos (reformulados) para atendero critério (pessoal) da funcionalidade (permitir ao seuconstrutor explicar e fazer previsões sobre o eventoou objeto analogicamente representado). É nessareformulação (reconstrução, revisão) que poderiaestar o significado de aprendizagem na teoria deJohnson-Laird.29
  30. 30. 30http://www.youtube.com/watch?v=uCR6T1aGiK4
  31. 31. REPRESENTAÇÕES PROPOSICIONAISAs representações proposicionais sãorepresentações mentais criadas segundoregras rígidas de formação, segundo a sintaxeda sentença (proposição), são totalmenteabstraídas do que está explícito no texto dasituação, são representações de significados esão verbalmente expressáveis.31
  32. 32. M. mentais Proposições ImagensDefinição Análogosestruturais do mundoCadeias de símbolosque correspondem àlinguagem naturalModelos vistos deum determinadoponto de vistaRepresentaçõesConceitos, objeto eeventosAnalógicas, um tantoquanto abstraídasMentais Vistos de um angu-lo particular, comdetalhes de umacerta instância doobjeto ou eventoRepresentaçõesDe:Alto nível Baixo nível Alto nívelInterpretações Um estado de coisasdo mundoEm relação amodelos mentaisA vistas dosmodelos.32
  33. 33. 33p/ Jonhson-Laird Construção de modelos mentais quepossam explicar o mundo.Representações analógicas abstratas deconceitos, objetos ou eventos que sãoespacial e temporalmente análogos aimpressões sensoriais.Aprendizagem Quando houver a construção mapasconceituais que são representaçõesprecisas, consistentes e completas desituações reais do cotidiano.Ensinar É facilitar a construção e a revisão demodelo mentais.Ensino Calcado em situações que levem àconsrução de modelos mentais.Aluno Deve construir modelos mentaisconsistentes apartir dos mapasconceituais ensinados pelo professor.Professor Facilitar a construção e revisão de modelosmentais, ou seja ensina mapas conceituaise espera que o aluno construa modelosmentais.
  34. 34. ConstrutosReprentacionaisDe qq outrosímboloTraduz eventosexternos em M.internosM.MPorentendimentoCódiigoprópriopercepçãoAnálogo estruturaisdo mundoimginaçãoM. Vistos a partir dedeter. perspec.imagensLinguagemfamiliaresPor inferênciaCadeias de símboloscorrespondente àlinguagem nat.ConcretasproposiçõesExpressão emling. mental-”mentales”Se contraditoé revisadoMundosreais eimagináriosDet.Descrição V ou F emrelação ao mundoIndet.Portanto ao M.M.do mundoRep M. verbalmenteexprimíveis deobj.,eventos estadode coisas
  35. 35. Tipos de representações internasRepresentaçãoproposicionalConstrutosrepresentacionais
  36. 36. ExemplosMeiose Em grupos, realizar a construção de mapaconceitual, com a mediação do professor, buscando osconceitos estudados, fazendo inserções de dados minuciosospara que os mesmos compreendam o processo e façam seuspróprios modelos mentais.Reações químicas Após aula prática, propor aos alunos uma nova práticasimilar, porém com dados e resultados diferentes para verificarse o aluno conseguiu assimilar o conteúdo formando seusconceitos pela efetivação do modelo mental.Força Trazer alguns modelos de como a força é aplicada e emseguida propor o desenvolvimento de algumaatividade, porém com graus de dificuldade diferentes.36
  37. 37. 37
  38. 38. 38
  39. 39. 39
  40. 40. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. – São Paulo: EPU, 1999. JOHNSON-LAIRD, P. Mental models. Cambridge, MA: Harvard UniversityPress, 1983. SOUZA, E. S. R. de e SANTO, A. O. do E. Modelos Matemáticos E ModelosMentais: Inferindo Possíveis Relações Durante A Modelagem MatemáticaDe Fenômenos Físicos. II Seminário de Avaliação de Pesquisa da Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemáticas – IISAPPECIM/NPADC/UFPA – Dez. 2008. GOUVEIA, E. L.; ROAZZI, A.; O’BRIEN, D. P.; MOUTINHO, K.; DIAS, M. da G.B. B.. Raciocínio dedutivo e lógica mental. Rev. Estudos de Psicologia, PUC-Campinas, v. 20, n. 3, p. 135-145, setembro/dezembro 2003.40
  41. 41. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MOREIRA, M.A.; CABALLERO, M.C. e RODRÍGUEZ, M.L. (orgs.). AprendizagemSignificativa: Um Conceito Subjacente. (1997). Actas del Encuentro Internacionalsobre el Aprendizaje Significativo. Burgos, España. pp. 19-44. BARREIROS, L. Freud e Johnson-Laird: Modelos Mentais no «Caso Dora». Afreudite -Ano I, 2005 - n.o2. pp. 99 – 117. LAGRECA, M. do C. B. e MOREIRA, M. A..Tipos de representações mentais utilizadaspor estudantes de Física Geral na área de Mecânica Clássica e possíveis modelosmentais nessa área. Dissertação. – Porto Alegre. UFRGS: 1997. QUELHAS , A. C. e JOHNSON-LAIRD, P. N. Conhecimentos, modelos, e raciocíniocondicional. Análise Psicológica. (2004), 2 (XXII): 309-317. MOREIRA, M.A.. MODELOS MENTAIS. Trabalho apresentado no Encontro sobreTeoria e Pesquisa em Ensino de Ciência - Linguagem, Cultura eCognição, Faculdade de Educação da UFMG, Belo Horizonte, 5 a 7 de março de1997.41
  42. 42. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MOREIRA, M. A. (org.). Representações mentais, modelosmentais e representações sociais: textos de apoio parapesquisadores em educação em ciências. – Porto Alegre:UFRGS, Instituto de Física, 2005. MOREIRA, M. A. e GRECA, I. M. Sobre combioconceptual, obstáculos representacionales, modelosmentales, esquemas de asimilación y campos conceptuales. –Porto Alegre: UFRGS, 2004. CUSTÓDIO, Susana e CRUZ, Orlanda. As RepresentaçõesMentais das Crianças acerca das Figuras Parentais. Psicologia:Teoria e Pesquisa. Out-Dez 2008, Vol. 24 n. 4, pp. 393-40542
  43. 43. “FICA SEMPRE UM POUCO DE PERFUMENAS MÃOS QUE OFERECEM ROSASNAS MÃOS QUE SABEM SER GENEROSAS”43

×