Epistemologia de Popper

5.139 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre alguns tópicos da epistemologia de Karl Popper.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.139
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
202
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Epistemologia de Popper

  1. 1. DISCENTES:ADRIANO MAMEDES SILVA NASCIMENTOGRACIELI DASILVA HENICKAMIRTESCAMPOS PEREIRACUIABÁ/MTABRIL/20121IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012DISCIPLINA: EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIASPROFESSORA: Dr.ª IRAMAIA JORGE CABRAL DE PAULO
  2. 2.  Filósofo da ciência austríaconaturalizado britânico. É considerado por muitos como ofilósofo mais influente do séculoXX a tematizar a ciência. Foi também um filósofo social epolítico, um grande defensor dademocracia liberal e um oponentedo totalitarismo.2IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  3. 3.  Nascido em 28 de julho de 1902, numa família deorigem judaica. Em 1928,concluiu o doutorado emfilosofia e lecionou numa escola secundária entre1930 e 1936. Com a ascensão do Nazismo em 1937,levou-o a emigrar para a Nova Zelândia, onde foiprofessor de filosofia. Em 1946, foi viver naInglaterra, tornando-se assistente de lógica e demétodo científico, posteriormente professor em1949. Foi nomeado cavaleiro da Rainha Isabel II em1965, e eleito para a Royal Society em 1976.Reformou-se da vida acadêmica em 1969, apesar deter permanecido ativo intelectualmente até à suamorte, em 17 de setembr0 de 1994.3IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  4. 4.  Sua obra foi dedicada sobretudo à filosofia doconhecimento e da ciência, mas também aopensamento político, sendo sua obra TheOpen Society, considerada uma espécie debíblia das democracias ocidentais paraBertrand Russell (POPPER,2006).4IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  5. 5.  Base de sua filosofia está numa observaçãomuito simples:“assimetria dos enunciados universais” Esta assimetria reside no fato de que, enquantonenhum número finito de observações(positivas) permite validar definitivamente umenunciado universal, basta uma observação(negativa) para invalidar ou refutar (João CarlosEspada, autor da nota de apresentação de Conjecturas e Refutações,2006). Exemplo: Cisnes brancos.5IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  6. 6.  Basicamente, Karl Popper argumenta que oconhecimento científico não assenta nochamado método indutivo, mas numa contínuainteração entre conjecturas(suposição, hipótese, opinião fundada emindícios ou possibilidades) e refutações(contestação, desmentir, rebater comargumento). O nosso conhecimento é fundamentalmenteconjectural e progride por ensaio e erro (João CarlosEspada, autor da nota de apresentação de Conjecturas e Refutações, 2006). 6IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  7. 7. RacionalismoCríticoEmpirismo ClássicoeObservacionalismo-indutivista7IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  8. 8.  O racionalismo é uma atitude de disposição aouvir argumentos críticos e aprender daexperiência. É fundamentalmente uma atitudede admitir “que eu posso estar errado e vóspodereis estar certos, e, por um esforço,poderemos aproximar-nos da verdade.” “Em suma, a atitude racionalista (...) é muitosemelhante à atitude científica, à crença de quena busca da verdade precisamos de cooperação ede que, com a ajuda da argumentação,poderemos a tempo atingir algo como aobjetividade"(Popper, 1987c, p. 232).8IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  9. 9. 9IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  10. 10.  Nenhuma quantidade de observaçõesconfirmatórias garantirá que uma teoria sejaeternamente válida e imutável; Uma teoria científica é sempre conjetural eprovisória, sendo válida, apenas, até serrefutada (falsificada); Para ser científica, uma teoria deve poder serrefutável (testável), em princípio; Uma afirmação não refutável é dogmática,não científica; A verdade é inalcançável; apenas pretendemosnos aproximar dela, por tentativas!10IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  11. 11.  O progresso científico,segundo Popper, nãoocorre seguindo aordem da concepçãoindutivista, masseguindo a ordem daconcepção dedutivista. Exemplo deargumento indutivo:IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012 11Logo, todos oscães têm umcoração.Todos os cães queforam observadostinham umcoração.
  12. 12. Os argumentos indutivos, segundoSALMON (1978) apud MARCONI e LAKATOS (2007), têmduas características básicas:12IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012I - Se todas as premissas são verdadeiras, aconclusão é provavelmente verdadeira, masnão necessariamente verdadeira.II - A conclusão encerra informação que nãoestava, nem implicitamente, nas premissas.
  13. 13.  Exemplo de argumento dedutivo:IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012 13Todomamífero temum coração.Ora, todos oscães sãomamíferos.Logo, todosos cães têmum coração.
  14. 14.  Os argumentos dedutivos, segundo SALMON(1978) apud MARCONI e LAKATOS (2007), têm duascaracterísticas básicas:14IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012I - Se as premissas de um raciocínio são verdadeiras,então a conclusão também será; se a conclusão forfalsa, então todas as premissas ou pelo menos algumasdelas serão também falsas.II –Toda a informação ou conteúdo fatual da conclusãojá estava, pelo menos implicitamente, nas premissas.
  15. 15. Concepção indutivista Concepção dedutivistade um singular para umuniversal (p P),de um universal para umsingular (P p);1) observação; 1) a colocação de umproblema;2) generalização indutivapara atingir leis e teorias;2) a apresentação depropostas como soluçõespara o problema em pauta;3) confirmação dasgeneralizações3) a tentativa de refutar asteorias propostas.4) Lógica indutivista 4) Lógica dedutivista15IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  16. 16.  O método indutivo é criticado justamente por seu salto indutivoepistemologicamente injustificável do particular para o geral. Para Popper, nenhum número restrito de observações podeacarretar logicamente um enunciado irrestrito.Um milhão deevidências não provam uma teoria! Popper argumentava que é possível derivar conclusõesverdadeiras a partir de premissas falsas:"Todo metal conduz eletricidade" (V);"Grafite é metal" (F);-> "Grafite conduz eletricidade" (V!) Com isso, vê-se que não há retransmissão da verdade dasconclusões (observações) para as leis, isto é, observaçõesverdadeiras não fazem necessariamente leisverdadeiras, contrariando o princípio da indução.16IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  17. 17. IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012 17
  18. 18.  Segundo MARCONI e LAKATOS (2007), Popperdefende que toda pesquisa tem sua origemnum problema para o qual se procurasolução, por meio de tentativas (conjecturas,hipótese, teorias) e eliminação de erros. Etapas do Método Hipotético-Dedutivo:IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012 18EXPECTATIVASOUCONHECIMENTOPRÉVIOPROBLEMA CONJECTURAS FALSEAMENTO
  19. 19. Portanto, Popper defende esses momentos noprocesso investigatório: Problema – que surge, em geral, de conflitos diantede expectativas e teorias existentes; Solução proposta consistindo numa Conjectura (novateoria) – dedução de consequências na forma deproposições passíveis de teste; Testes de Falseamento – tentativas derefutação, entre outros meios, pela observação eexperimentação.IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012 19EXPECTATIVASOUCONHECIMENTOPRÉVIOPROBLEMA CONJECTURAS FALSEAMENTO
  20. 20. Para Popper, conhecimento são conjecturas construídas, nãoapenas racionalmente mas incluindo até elementos metafísicos.Whewell, em 1837, estabeleceu uma distinção entre os, assimdenominados (MIGUEL;VIDEIRA, 2011), contexto da justificação, supostamente objetivo, lógico, racional,impessoal, a reconstrução idealmente lógica de hipóteses e teorias,descrevendo as estruturas conceituais, os enunciados e os aspectosnormativos de verificação e aceitação seu valor de verdade e o exame desua adequação em relação às evidências empíricas e seus testes, não-histórico e o único para ser estudado pela Epistemologia, e contexto da descoberta, julgado como subjetivo, ilógico, não-racional, pessoalmente idiossincrático, estruturado de formaincompleta, historicamente real, descrevendo as origens históricas, odesenvolvimento psicológico e as condições sócio-político-econômicas,os aspectos factuais, o estágio inicial de invenção e construção dehipóteses e teorias, a ação da imaginação e da criatividade queconstituem seu processo de gênese, e excluído da Epistemologia.20IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  21. 21.  Teorias concorrentes passam por um processode eliminação de erros por falsificação – o quePopper via como um processo análogo àseleção natural na evolução biológica. Asteorias que sobreviverem a esse processo nãosão mais verdadeiras do que as outras, massão as que se melhor se adaptam à situaçãoempírica. O Racionalismo crítico se serve das seguintesferramentas: a consistência lógica e aconformidade com os fatos.21IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  22. 22. Retirando uma amostra de umsaco de arroz, observa-se queaproximadamente 80% dosgrãos são do tipo extrafino.Conclui-se então que o saco dearroz é do tipo extrafino.>>IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  23. 23. Todos homens se locomovemsobre duas pernasNick é homemLogo, Nick se locomove sobreduas pernas>>IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  24. 24. A lógica dedutiva funciona de tal maneira que seas premissas de um raciocínio sãoverdadeiras, então a conclusão também será; sea conclusão for falsa, então todas as premissasou pelo menos algumas delas serão tambémfalsas; Segundo Popper, ela é: transmissora da verdade -todos os metais são condutores. retransmissora da falsidade -o grafite é metal. não-retransmissora da verdade -o grafite é condutor."Todo metal conduz eletricidade" (V);"Grafite é metal" (F);-> "Grafite conduz eletricidade" (V!)24IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  25. 25.  Os fatores sócio-históricos gerou distorçõesda ciência, tornado-a laica pelo iluminismo. Ganhou status religioso em doutrinas como opositivismo e outras, durante o século 19 einício do 20. Popper surgiu nesse ambiente do progressocientífico e de deturpação da naturezaoriginal da ciência trazendo um novoparadigma.IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  26. 26.  Uma ciência dedutiva que era empírica masnão indutiva, testável e confirmável mas sempossuir certeza, demarcada da metafísica pormeio da falseabilidade mas que não consideraa metafísica sem sentido (p. 199). A simplicidade e a clareza voltam a seridentificadoras da boa ciência, a separa dasmistificações.IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  27. 27. Falseabilidade é atentativa de refutar asteorias propostas.Remete ao aspecto maismarcante de suaepistemologia: o princípiode falsificabilidade comocritério de demarcaçãoFalsificabilidade é ocritério metodológicode cientificidade. Paraobjetivar resultados, seconstrói uma teoria emque se tenta falsificar oque possa ser refutada.É o verdadeiro critérioque divide o cientificodo não cientifico.IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  28. 28.  Teoria falseada só a diremos falseada sedescobrirmos suscetível de reprodução querefute a teoria; O falseamento é aceito se uma hipótese(falseadora) empírica de baixo nível, quedescreva esse efeito, for corroborada.28IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  29. 29.  Coerente com a atitude crítica. Não há formas de se provar a veracidade doconhecimento científico; A ciência pode perseguir a verdade atravésda exclusão de teorias falsificadas,substituindo-as por novas teorias quepoderão se aproximar mais da verdade.IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  30. 30.  "Essa é uma concepção de ciência queconsidera a abordagem crítica suacaracterística mais importante. Para avaliaruma teoria o cientista deve indagar se pode sercriticada, se expõe a críticas de todos os tipose, em caso afirmativo, se resiste a essascríticas" (Popper, 1982, p. 284).IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  31. 31.  “Uma explicação causal de certo acontecimentosignifica deduzir um enunciado que o descreva,utilizando, como premissas da dedução uma oumais leis universais, combinadas com certosenunciados singulares, as condições iniciais.”(Popper, 1972,p. 62) “O principio da causalidade” - é a asseveração deque todo e qualquer evento pode sercausalmente explicado - de que pode serdedutivamente previsto.31IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  32. 32.  “Como é que se podem distinguir as teorias dasciências empíricas das especulaçõespseudocientíficas ou metafísicas?”(Popper, 1987a, p. 177).32IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  33. 33. Positivismo Popper DemarcaçãoIndutivo eobservaçãoDedutivo-abstratas eEspeculativasCiência usa métodoMétodoespeculativoIrrefutáveis, sem falsificadorespotenciais.Pseudociência e ametafísicaVerificáveis Não necessariamenteverificáveisTeorias científicasEmpirista,IndutivistaEmpiristas, dedutivista EpistemologiaIrrefutáveis Testabilidade, Refutabilidadeou FalsificabilidadeCritériosRacionais -observação e aexperimentação.não-racionais; a imaginação, acriatividade, a especulaçãoemetafísica .Os aspectos do processode criação de uma teoria33IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  34. 34.  A demarcação não implica em uma aniquilaçãodefinitiva da metafísica, mas tão somente em“formular uma caracterização aceitável daciência empírica de tal maneira que, frente a umsistema de enunciados, possamos decidir se seuestudo mais aprofundado coloca-se ou não noâmbito da ciência empírica”(POPPER, 1934, p.38). A experiência científica não é um procedimentocom a finalidade de se verificar a veracidade deum enunciado.34IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  35. 35. O princípio de verificabilidade Epistemologia popperianaJustifica a verdade ou pelo menosa probabilidade das teorias.Colocam em risco a teoria -aquelas que aconteceram comodecorrência de tentativas de teste(de refutação)Teorias científicas -idealistas Teorias científicas realistas -mesmo conflitantes.Negação da metafísica Não obrigatoriamente negação dametafísicaO princípio de verificabilidadecomo critério de demarcaçãoO princípio de falsificabilidadecomo critério de demarcação35IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  36. 36. 36IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  37. 37.  Em 1933, Popper fechou o capítulo da indução eleis naturais, e abriu o novo capítulo dametodologia falseacionista. É medir o modo como as conjecturas têmresistido a críticas severas, incluindo testesseveros, a qual é a tese crucial: que há uma baseracional para preferir usar num argumentoprevisivo uma generalização não refutada emdetrimento de outra refutada. Corroborar umateoria, por outro lado, nada mais é do quesomar, à sua credibilidade, virtudes devalorização subjetiva.37IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  38. 38.  A abrangência das previsões e a falta de ummodelo simples e claro que as expliquemtornam a astrologia de horóscopo nãofalseável e, portanto, não científica.38IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  39. 39.  Uma teoria é chamada de empírica porpoder ser falseada e será aceita pelaciência caso seja selecionada, dentreoutras igualmente sintéticas e possíveis, apartir destas proposições básicas quecompõem o que aceitamos chamar de"nossa experiência".39IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  40. 40. Antes DepoisO conhecimento empírico eraredutível às nossaspercepções sensíveis e,assim, a nossas experiências,portanto o empirismotradicional variava dosensualismo ao subjetivismo.Através da experiência (doapelo aos enunciados da baseempírica), utilizada comopremissa no falseamento,que aceitamos ou rejeitamosteorias.IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  41. 41. Por muitos filósofos a simplicidade pode ser: A euclidiana, na qual verifica que estageometria é mais simples que qualquer outranão euclidiana. Alguns dos filósofos que defendiam asimplicidade, segundo Popper, tinham emmente discorrer sobre a testabilidade;41IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  42. 42.  “Nenhuma teoria em particular, pode, jamais,ser considerada absolutamente certa: cadateoria pode se tornar problemática (...) “Nenhuma teoria científica é sacrossanta oufora de crítica” (Popper, 1975, p. 330).42IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  43. 43. A teoria do conhecimento proposta por Popperpode ser sintetizada no esquema seguinte:P1 →TS →EE →P2P1 →é o problema de partida.TS→é a tentativa de solução que correspondeà hipótese ou teoria.EE → é a eliminação do erro através da crítica.P2 →é um novo problema que emerge;.43IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  44. 44. Podemos sintetizar os aspectos da epistemologia de Karl Popperabordados nesse trabalho em algumas proposições: A concepção segundo a qual o conhecimento científico é descobertoem conjuntos de dados empíricos (observações/experimentaçõesneutras, livres de pressupostos) - método indutivo - é falsa. Não existe observação neutra, livre de pressupostos; todo oconhecimento está impregnado de teoria. O conhecimento científico é criado, inventado, construído comobjetivo de descrever, compreender e agir sobre a realidade. As teorias científicas não podem ser demonstradas comoverdadeiras; são conjecturas, virtualmente provisórias, sujeitas àreformulações, à reconstruções. Todo o conhecimento é modificação de algum conhecimentoanterior.44IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  45. 45.  Quão realista é a proposta de Aprendizagem porDescoberta? Quanto do ensino de ciências não passa de umapregação do Método Científico? E, também, não passa uma visão da Observaçãocomo fonte de conhecimento (Empirismo)? Quantas leis são vistas, não como construídas,mas descobertas na experimentação (visãoempirista-realista)? Quantos roteiros de laboratório estão comênfase empirista-indutivista?IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012 45
  46. 46.  POPPER, (Sir) Karl Raimund. Conjecturas eRefutações: O Progresso do ConhecimentoCientífico. Coimbra: Editora Almedina, 2006. LAKATOS, E. M. E MARCONI, M. de A.. Metodologiacientífica. – 5. ed. – São Paulo: Atlas, 2007. POPPER, (Sir) Karl Raimund. A Lógica da PesquisaCientífica. São Paulo: Cultrix, 1996.46IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  47. 47.  MAIRINQUE,Igor das Mercês e ANDRADE E SILVA, Mariluze Ferreirade.“Conhecimento objetivo” e o “problema” como pressupostos daconstrução do conhecimento para Karl R. Popper. Revista Eletrônica Printby UFSJ <http://www.ufsj.edu.br/publicações/metánoia.Metavnoia, SãoJoão del-Rei, n. 6, p. 65-75, 2004. MAIRINQUE,Igor das Mercês e ANDRADE E SILVA, Mariluze Ferreira de.Karl Popper e a teoria dos mundos de Platão. Revista Eletrônica Print byUFSJ <http://www.funrei.br/publicações/ metavnoia Metavnoia. SãoJoão del-Rei, n. 5, p.7-17, jul. 2003. Site:http://www.fisica-interessante.com/aula-historia-e-epistemologia-da-ciencia-12-pos-positivistas-1.html47IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  48. 48. “As hipóteses são redes: só quem as lançacolhe alguma coisa.” (Novalis)IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012 48
  49. 49. IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012
  50. 50.  Popper defendeu que a ciência não poderia serbaseada em tal inferência. Ele propôs afalseabilidade como a solução do problema daindução. Popper viu que apesar de umenunciado existencial singular como “estehomem se locomove sobre duas pernas" nãopoder ser usado para afirmar um enunciadouniversal, a existência singular de um homemsem as pernas serve para mostrar que oenunciado universal " Todos homens selocomovem sobre duas pernas" é falso. Emlógica chamamos a isto de modus tollens.IF/UFMT Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais -Turma 2012 50

×