Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família

3.051 visualizações

Publicada em

Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.051
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
202
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família

  1. 1. cartilha_familias_20x20cm.indd 1 20/02/2013 13:03:31
  2. 2. APRESENTAÇÃO2 C O N V E R S A N D O S O B R E D R O G A S F A M Í L I A Scartilha_familias_20x20cm.indd 2 20/02/2013 13:03:31
  3. 3. Você já deve ter percebido que a família é a base detudo, tendo papel decisivo na formação do sujeito e daprópria sociedade. Sabendo da relevância do núcleofamiliar no contexto social, o Governo do Espírito Santoconvida as famílias a discutir um dos principais proble-mas da atualidade: as drogas. Para isso, lança a primeiracartilha da série “Conversando sobre drogas: um papoaberto e franco com a família capixaba”.Aqui, serão apresentadas questões e reflexões sobreo assunto, de um jeito informal e interativo, para que oleitor entenda o problema que o uso indevido de drogavêm causando na sociedade e seus efeitos nocivos paraa vida humana. E para compreender como Governo,famílias e sociedade podem, juntos, encontrar formasde vencer essa batalha.Esperamos que este seja um importante material deapoio na vida de crianças, jovens, adultos e idosos.Boa leitura!A família é um núcleoessencial na prevençãodo uso de drogas.3cartilha_familias_20x20cm.indd 3 20/02/2013 13:03:33
  4. 4. Drogas são substâncias químicas que provocam altera-ções na consciência e causam mudança de comportamen-to, podendo levar à dependência física ou psicológicacom o uso contínuo. Podem causar diferentes reações,dependendo da quantidade utilizada e das condiçõesfísicas e mentais de cada indivíduo, e são divididas emtrês categorias:1) Depressoras: diminuem a atividade do sistema nervosocentral como álcool, sedativos ou hipnóticos (barbitú-ricos, benzodiazepínicos), opióides (morfina, heroína,codeína, diversas substâncias sintéticas), solventes ouinalantes, entre outras.2) Estimulantes: aceleram o funcionamento do sistemanervoso central, deixando as pessoas mais “ligadas” ecom sono diminuído, como anfetaminas, cocaína, crack,cafeína, nicotina, entre outras.3) Perturbadoras: potencializam sensações e alteram ofuncionamento do sistema nervoso central, podendocausar, inclusive, alucinações, como maconha, alucinó-genos, LSD e ecstasy.AFINAL,OQUESÃOROGAS?4 C O N V E R S A N D O S O B R E D R O G A S F A M Í L I A Scartilha_familias_20x20cm.indd 4 20/02/2013 13:03:33
  5. 5. As organizações sociais classificam as drogas em duascategorias. As que possuem sua comercialização per-mitida por lei são as chamadas drogas lícitas, comopor exemplo o cigarro, o álcool e os medicamentos. Jáas chamadas drogas ilícitas são aquelas que têm suacomercialização proibida, como a maconha, a cocaína,o crack, o LSD e o ecstasy. Há também as drogas cujacomercialização é controlada pelas autoridades públicas,como a morfina e outros medicamentos conhecidospor “tarja preta”.“A família não éculpada pelo jovemse perder nas drogas, masé fundamental para queele se reencontre.”5cartilha_familias_20x20cm.indd 5 20/02/2013 13:03:35
  6. 6. TODOCUIDADOÉ POUCOO uso das drogas também é classificado em categorias:1) Uso experimental: curiosidade, desejo de novasexperiências e pressão de um grupo são fatores quepodem fazer com que a pessoa experimente uma drogaem algum momento da vida.2) Uso ocasional ou recreativo: é o que acontece quandoo uso não tem regularidade nem frequência suficientepara gerar dependência, como ocorre com quem bebeem festas, por exemplo.3) Uso nocivo/uso abusivo/uso problema: é o caso dequem não controla a quantidade nem os efeitos da dro-ga. Mesmo não havendo compulsão, já ocorrem danosfísicos, mentais ou sociais e o risco de dependência émuito grande.4) Uso dependente: o uso contínuo e a dificuldade decontrolar o consumo causam consequências negativasna vida social, no trabalho e na saúde como um todo. Háum forte desejo de usar a droga, a chamada “fissura”,e tolerância crescente ao uso, o que leva à necessidadede doses maiores.6 C O N V E R S A N D O S O B R E D R O G A S F A M Í L I A Scartilha_familias_20x20cm.indd 6 20/02/2013 13:03:35
  7. 7. COMO IDENTIFICAR A DEPENDÊNCIA?Para estabelecer com precisão a dependência de drogas,é necessário um diagnóstico feito por profissionais desaúde. A partir dessa avaliação é que serão definidasas ações e o tipo tratamento a ser realizado para o res-tabelecimento físico, psíquico e social do dependente.COMO O DEPENDENTE SE COMPORTA?Em geral, busca uma quantidade cada vez maior paraconseguir o efeito desejado e repete, sem sucesso, astentativas de controlar ou evitar o uso. No dia a dia, ascaracterísticas se tornam mais visíveis quando o proble-ma já está instalado. São mudanças bruscas de humor,7cartilha_familias_20x20cm.indd 7 20/02/2013 13:03:37
  8. 8. desinteresse pelas atividades diárias, dificuldade deconcentração e memória, aumento dos gastos financeirosou perda de objetos e descuido com a aparência. Masé preciso cuidado ao avaliar esses sinais, para evitarconclusões precipitadas. Por isso, antes de agir, procureconversar e entender a situação.LEMBRE-SEAs drogas não afetam apenas a vida dos adultos. Criançase adolescentes podem precisar da sua orientação e deum apoio especial. Por isso, é importante ter atençãonão apenas com as drogas ilícitas, como a maconhae o crack, mas também com as lícitas, como o álcool(cerveja, cachaça, entre outras), que vêm causando inú-meros problemas, como acidentes de trânsito, violênciadoméstica e graves danos à saúde.8 C O N V E R S A N D O S O B R E D R O G A S F A M Í L I A Scartilha_familias_20x20cm.indd 8 20/02/2013 13:03:38
  9. 9. E se a criança levar o assunto para casa, não se assusteou a repreenda. Fale com ela de forma clara e procureexplicar os males que a droga causa, para que o assuntoseja esclarecido sempre com segurança.• O amor e o cuidado com os filhos são a base darelação familiar.• A orientação da família contribui muito para preveniro abuso de drogas.• A relação familiar continua na adolescência e najuventude.9cartilha_familias_20x20cm.indd 9 20/02/2013 13:03:40
  10. 10. Infelizmente, o vício em drogas vem se alastrando en-tre jovens e adultos de todo o mundo, independen-temente de características culturais e classes sociais.Por isso, não se pode simplesmente culpar as famíliaspelo crescimento do problema. É preciso, sim, ajudá--las a valorizar e cumprir seu papel mais importante: aproteção e a prevenção. Portanto, leve este lema comvocê: a família não pode ser culpada pelo jovem quese perde nas drogas, mas é o meio fundamental paraque ele se reencontre.Sabemos que não há como garantir felicidade plenapara crianças e jovens em formação. Por isso, a famíliaé um dos principais meios de enfrentamento ao pro-blema das drogas, porque é nela que a criança começaa se ver e a ver o mundo. É nas relações familiares quese inicia a compreensão de regras e é frente aos paisou responsáveis que a criança começa a desenvolverseus afetos, falar dos seus medos e adquirir confian-ça para enfrentar o mundo e a vida. Mesmo para osadolescentes, com toda contestação e autonomia, areferência da família é fundamental.UMAPALAVRA“CONVIVÊNCIA”FUNDAMENTAL:10 C O N V E R S A N D O S O B R E D R O G A S F A M Í L I A Scartilha_familias_20x20cm.indd 10 20/02/2013 13:03:40
  11. 11. DiálogoConfiançaSegurançaAfetoBoasescolhasUM BOMAMBIENTEFAMILIARSIGNIFICA11cartilha_familias_20x20cm.indd 11 20/02/2013 13:03:42
  12. 12. Ouvir os mais velhos é importante. Mas ouvir os maisjovens também é fundamental para estimular neles aautoconfiança necessária para que comecem a cons-truir pontos de vista em relação às escolhas que farãono futuro. Importante é que essas conversas sejamsempre descontraídas, evitando climas pesados e au-toritários. Além disso, há outros cuidados que podemajudar bastante na prevenção:• Procure conhecer os vizinhos e a comunidade ondemora, pois relações de amizade e vínculos afetivosajudam na proteção de crianças e jovens.• Procure realizar atividades com a família, como pas-sear, ir ao cinema ou à igreja, fazer as refeições juntosou ver um programa interessante na televisão.• Incentive seu filho a praticar o esporte que ele temmais interesse, pois esporte é saúde, movimento e,sem dúvida, um grande aliado contra as drogas por-que aproxima as pessoas e ajuda a formar e fortalecervínculos.O DIA A DIALONGE DASROGAS12 C O N V E R S A N D O S O B R E D R O G A S F A M Í L I A Scartilha_familias_20x20cm.indd 12 20/02/2013 13:03:43
  13. 13. 13cartilha_familias_20x20cm.indd 13 20/02/2013 13:03:44
  14. 14. O corre-corre da vida deixa o tempo mais curto. Masé importante reservar tempo para ouvir os filhos, res-pondendo com paciência às suas dúvidas e aos seusquestionamentos. Procure prestar atenção em suasatitudes, gestos e olhares e, acima de tudo, curtir osmomentos em que pode ter a companhia deles.Discussões, atritos e problemas de todo tipo são pro-blemas que ocorrem em todas as famílias e devem serenfrentados de forma aberta e honesta. O mais im-portante é os filhos saberem que podem contar comseu apoio para enfrentar dificuldades e lidar com frus-trações, de maneira saudável.DIÁLOGO É ASSIM:UM FALA,O OUTRO ESCUTA14 C O N V E R S A N D O S O B R E D R O G A S F A M Í L I A Scartilha_familias_20x20cm.indd 14 20/02/2013 13:03:45
  15. 15. Incentive o seu filho a cuidar da religiosidade e da es-piritualidade. Em geral, as pessoas que participam dealguma religião ou creem em Deus valorizam a vida,têm melhores condições de enfrentar as dificuldadese apresentam menores índices de dependência de ál-cool e outras drogas.A P R Á T I C ARELIGIOSAÉ IMPORTANTE15cartilha_familias_20x20cm.indd 15 20/02/2013 13:03:47
  16. 16. ONDE BUSCARAJUDA EORIENTAÇÃOSe você tem dúvidas, busque as equipes das Unidadesde Saúde ou dos Centros de Referência de AssistênciaSocial (Cras) do seu bairro ou líderes religiosos quepossam dar orientações, tirar dúvidas e indicar o me-lhor serviço, antes que o problema fique mais sério.Se você tem certeza de que alguém na sua casa fazuso abusivo de drogas, procure a Unidade de Saúdedo seu bairro ou o Centro de Atenção Psicossocial(CAPS), ou ainda o Centro de Referência Especializa-do de Assistência Social (Creas) mais próximo, pois jáserá um caso de avaliação, acompanhamento, trata-mento ou proteção social.Para urgências ou emergências (situações graves comrisco de morte tais como falta de ar, fortes tremores,suor excessivo, temperatura muito alta, convulsões edesorientação), chame o SAMU 192 ou leve a pessoaa um Pronto Socorro ou Pronto Atendimento, o quefor mais perto.16 C O N V E R S A N D O S O B R E D R O G A S F A M Í L I A Scartilha_familias_20x20cm.indd 16 20/02/2013 13:03:47
  17. 17. Mas atenção: só os serviços de saúde poderão avaliara situação e definir se é necessária a internação. Porisso, não é indicado ir diretamente a um hospital. Namaioria dos casos, o tratamento pode ser feito pelosserviços básicos de saúde.17cartilha_familias_20x20cm.indd 17 20/02/2013 13:03:49
  18. 18. COMUNIDADES E ORGANIZAÇÕES NÃO-GOVERNAMENTAIS:As famílias também podem encontrar ajuda valiosa em organiza-ções comunitárias ou não-governamentais, como igrejas e gruposde apoio, que respeitam o anonimato e atendem de forma gratuita.Alcoólicos Anônimos - AAwww.alcoolicosanonimos.org.brEnd.: Av. Jerônimo Monteiro, 490, Ed. Ouro Verde, sala 410/3.CEP: 29010-002, Vitória/ES. Tel: 3223-7268/ 3233-4000.AL-ANON E ALATEEN(para familiares e amigos de alcoólicos)www.al-anon.org.brAmor-exigente(para pais e familiares de usuários de drogas)www.amorexigente.org.brGrupos Familiares - NAR - ANON(grupos para familiares e amigos de usuários de drogas)www.naranon.org.brNarcóticos Anônimos - NAwww.na.org.brPastoral da Sobriedadewww.sobriedade.org.brNA INTERNET:Para mais informações, acesse ossites abaixo:Secretaria Estadual da Educação:www.sedu.es.gov.brSecretaria Nacional sobre Drogas:www.senad.gov.brObservatório Brasileiro deInformações sobre Drogas:www.obid.senad.gov.brCentro Brasileiro de Informaçõessobre Drogas Psicotrópicas:www.cebrid.epm.brInformações específicas sobre ocrack:www.brasil.gov.br/crackepossivelvencer18 C O N V E R S A N D O S O B R E D R O G A S F A M Í L I A Scartilha_familias_20x20cm.indd 18 20/02/2013 13:03:49
  19. 19. REFERÊNCIAS:Glossário de álcool e drogas, da SENAD (BERTOLO-TE, J. M. Glossário de álcool e drogas. Brasília: Secre-taria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2010)BRASIL, Ministério da Justiça. Tratamento de depen-dência do Crack, álcool e outras drogas: aperfeiçoa-mento para profissionais de saúde e assistência social:Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2012.BRASIL, Ministério da Justiça. Fé na Prevenção: pre-venção do uso de drogas em instituições religiosas emovimentos afins: Secretaria Nacional de Políticas so-bre Drogas, 2011.Sites:http://portal.saude.gov.br/portal/saudehttp://www.mds.gov.br/assistenciasocial/protecao-basica/crashttp://www.mds.gov.br/assistenciasocial/protecaoes-pecial/creasTELEFONE:Pelo telefone, você também pode se informarcom o serviço Viva Voz no número 132.19cartilha_familias_20x20cm.indd 19 20/02/2013 13:03:49
  20. 20. cartilha_familias_20x20cm.indd 20 20/02/2013 13:03:50

×