Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       Introdução

       A...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       A dinâmica evolutiva...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       práticas de busca


...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       rotinas estáticas e ...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       Incerteza – expectat...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       Heurística:
       É...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       busca de assimetrias...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       Incerteza – expectat...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
      dispositivos de focal...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       paradigma tecnológic...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
      importância da aprend...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
      trajetória tecnológic...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
      projeto dominante
  A...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
      cumulatividade / path...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
     conceito de rendimento...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
     lock-in


    Eventos ...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
     irreversibilidade

   ...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
     patrimônio tecnológico...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
      Rigidez cognitiva

  ...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       inércia organizacion...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       Conceitos da ANS
   ...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       diversidade e mutaçõ...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       mudanças de paradigm...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       Schumpeter
  A posiç...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       Schumpeter

        ...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica
       Considerações Finais...
Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo-
       schumpeteriana da mudança tecnológica




                       ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Principio De Mutacao Na Abordagem Neo Schumpeteriana Da Mudanca Tecnologica

2.404 visualizações

Publicada em

A Abordagem Neo-schumpeteriana identifica uma analogia entre conceitos de evolução biológica e a dinâmica evolutiva dos sistemas econômicos.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
51
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Principio De Mutacao Na Abordagem Neo Schumpeteriana Da Mudanca Tecnologica

  1. 1. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica Introdução A Abordagem Neo-schumpeteriana (ANS) identifica uma analogia entre: com Conceitos de a dinâmica evolutiva evolução dos sistemas biológica econômicos. Genes, entendidos Rotinas, processos de como elementos busca, ativos e de variações competências Mutações Inovações Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  2. 2. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica A dinâmica evolutiva dos sistemas econômicos É gerada internamente pela emergência persistente de inovações em: •produtos, • processos, • formas de organização, • mercados, • fontes de matérias-primas • etc. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  3. 3. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica práticas de busca As inovações são baseadas nas chamadas práticas de busca (search) que, devido à incerteza inerente, poderão se justificar (ou não) apenas posteriormente, se permitirem a mutação de firmas, de setores da economia e do próprio sistema econômico como um todo. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  4. 4. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica rotinas estáticas e dinâmicas As rotinas estáticas consistem na simples repetição de práticas anteriores. Já as rotinas dinâmicas, aprendizagens, são capazes de criar outras rotinas, outros ativos ou outras competências (Dosi, 1991, apud Kemp, 1997) e encontram equivalente no conceito de comportamento de busca, proposto por Nelson e Winter (1982), sendo processos associados a risco(tentativa e erro). Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  5. 5. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica Incerteza – expectativa – risco - indeterminação Nelson e Winter (1982) rejeitam que a inovação seja simples resultado de análises do tipo custo-benefício com o conceito de rotinas de busca, que lidam com um tipo muito especial de incerteza – de natureza não-Bayesiana ou não-probabilística. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  6. 6. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica Heurística: É uma metodologia, ou algoritmo, usado para resolver problemas por métodos que, embora não rigorosos, geralmente refletem o conhecimento humano e permitem obter uma solução satisfatória. O processo de inovação é fruto do uso de heurísticas (Nelson e Winter, 1982): de regras e procedimentos que expressam uma racionalidade confinada às limitações, cognitivas e de disponibilidade de informações, dos agentes envolvidos, não lhes permitindo agir como maximizadores perfeitos. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  7. 7. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica busca de assimetrias A busca de oportunidades de valorização dos capitais se dá pela incessante busca de diferenciação pelas empresas - as inovações - criando assimetrias que lhes permitam expandir suas fronteiras, conquistar novos espaços para a valorização de seus recursos (ou ativos), não se limitando apenas à simples busca da sobrevivência. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  8. 8. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica Incerteza – expectativa – risco - indeterminação A busca da inovação é uma expectativa de valorização dos recursos ou ativos das organizações, promessa cuja concretização exige uma aposta (investimentos com riscos). Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  9. 9. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica dispositivos de focalização Serem as práticas de busca não otimizadas não significa que sejam totalmente aleatórias. • problemas típicos, Os dispositivos • as oportunidades ou de focalização • as metas (focusing devices) que tendem a ajustar o processo de busca em direções são os particulares. (Rosenberg, 1976). Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  10. 10. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica paradigma tecnológico / trajetória tecnológica Estes dispositivos de focalização se colocam como metas para os projetos de P&D (Nelson e Winter, 1977), que expressam certo moto interno (momentum) da mudança tecnológica, mais relacionado aos limites das capacidades cognitivas dos agentes envolvidos do que propriamente a uma autodeterminação tecnológica. As atividades de busca sofrem influência das crenças de engenheiros e técnicos sobre o que é factível ou o que pode ser experimentado. Defini-se assim um paradigma tecnológico. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  11. 11. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica importância da aprendizagem A importância da dimensão cognitiva na ANS coloca a aprendizagem – que tem lugar no desenrolar das rotinas – como elemento chave na compatibilização da diversidade dos conhecimentos individuais dentro de uma organização, conferindo coerência a suas decisões. Ex.: learning by doing, learning by using, learning by interacting... Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  12. 12. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica trajetória tecnológica Existe um padrão de atividade normal de solução de problemas dentro de um paradigma, a trajetória tecnológica. É representada por um movimento com base na solução de trade-offs, entre variáveis definidas como relevantes pelo paradigma. A noção de progresso é relacionada ao aperfeiçoamento desses trade-offs. (Dosi, 1982) Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  13. 13. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica projeto dominante As atividades de inovação tendem a ser seletivas, realizadas em direções bastante precisas e cumulativas no que diz respeito à aquisição de capacitações para solução de problemas. (Dosi, 1982) O aperfeiçoamento desses trade-offs pode ser compreendido como o aperfeiçoamento de um projeto dominante. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  14. 14. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica cumulatividade / path-dependence O conhecimento tecnológico cresce de forma dependente do conhecimento acumulado anteriormente – trata- se da característica de path- dependence da construção desse conhecimento e das próprias trajetórias tecnológicas. (Rosenberg, 1982) Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  15. 15. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica conceito de rendimentos crescentes de adoção Os efeitos da acumulação do conhecimento no desenvolvimento de tecnologias sobre a conformação de certos padrões de mudança tecnológica podem ser compreendidos com base no conceito de rendimentos crescentes de adoção, de David (1985). Exemplo : teclado QWERTY Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  16. 16. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica lock-in Eventos históricos podem influenciar os rumos da mudança tecnológica, levando ao aparecimento dos fenômenos de lock-in. Uma tecnologia é feita de componentes ou partes inter- relacionadas que definem as características técnicas de um produto e sua produção (Rosenberg, 1976). Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  17. 17. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica irreversibilidade O conceito de trajetória tecnológica, além de path- dependent, implica irreversibilidade, isto é, uma vez alcançada nova posição ou novo patamar no progresso da trajetória, não existe possibilidade de volta à situação anterior. Transmissão de certo patrimônio tecnológico – que corresponderia à noção de patrimônio genético de uma a outra geração - mais uma vez a analogia biológica. ( Willinger e Zuscovitch, 1993) Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  18. 18. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica patrimônio tecnológico Patrimônio tecnológico é conceito análogo ao de “base de conhecimento”, de Nelson e Winter (1982), que se refere a um conjunto que envolve um código de linguagem, uma gama de conhecimentos técnicos e uma experiência. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  19. 19. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica Rigidez cognitiva O esforço de preservação desse patrimônio pode ser compreendido como fonte de certa rigidez das trajetórias tecnológicas, quando as organizações se comportam de modo a preserver seu status quo. Comportamentos desse tipo não estão em desacordo com a lógica da valorização do capital, que se submete ao processo concorrencial. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  20. 20. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica inércia organizacional Aversão ao risco é coerente com a tentativa de preservar as posições já alcançadas pela organização por meio da proteção de seus recursos no estado em que se encontram – evitando o risco tanto quanto possível e tentando continuar usufruindo da rentabilidade oferecida por esses recursos/ativos até então. Um tal esforço de preservação de seus ativos contribui para a inércia de uma organização. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  21. 21. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica Conceitos da ANS Os conceitos apresentados, de: • inércia organizacional, • path-dependence, • cumulatividade, • irreversibilidade e • lock-in são articulados pela ANS para o entendimento da dinâmica tecnológica e são consistentes com a idéia de que existem certos padrões no progresso tecnológico. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  22. 22. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica diversidade e mutações Mas as ações envidadas no âmbito dos processos de busca são movidas por uma lógica que é pautada pela criação de diversidade, isto é, de mutações. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  23. 23. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica mudanças de paradigma A evolução não é um processo obrigatoriamente contínuo. O evolucionismo econômico não implica exclusivamente uma perspectiva de mudanças graduais, mas é coerente com alterações abruptas, rupturas, revoluções. Da mesma forma que o evolucionismo biológico, ele admite descontinuidades, fenômenos aos quais os neo-schumpeterianos se referem como mudanças de paradigma. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  24. 24. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica Schumpeter A posição central que a inovação ocupa no processo de desenvolvimento econômico é uma idéia presente na ANS, emprestada de Schumpeter, que identifica-a como fonte interna do dinamismo do sistema econômico( 1912) e como motor de uma incessante competição intercapitalista(1942). Schumpeter critica a noção de concorrência perfeita onde as firmas – pequenas e em grande número – tentam apenas “administrar a estrutura” (1942 e 1984). Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  25. 25. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica Schumpeter Em sua interpretação as inovações são os instrumentos da verdadeira concorrência, o confronto entre firmas nas quais se desenvolve a atividade empresarial (relativa a empresário no sentido schumpeteriano). Nesse confronto é que se dá a destruição criativa, que bombardeia as estruturas industriais vigentes. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  26. 26. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica Considerações Finais De acordo com Schumpeter, o sistema capitalista possui um caráter essencialmente progressista, evolutivo e não estacionário, havendo um processo de inovação industrial que “revoluciona a estrutura econômica a partir de dentro, incessantemente, destruindo a velha estrutura e criando a nova.” A competição capitalista fundamenta a lógica do comportamento inovador sendo fonte da diversidade e fator necessário para a operação do mecanismo de seleção, assunto do próximo item. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade
  27. 27. Item 2.2 – Princípio de mutação na abordagem neo- schumpeteriana da mudança tecnológica REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CORAZZA, R. I.; FRACALANZA, P. S. Caminhos do pensamento neo- schumpeteriano: para além das analogias biológicas. Nova Economia, v. 14, n. 2, Maio-Agosto 2004. GOLDMAN, Fernando Luiz. Um modelo estruturado para implantação de Gestão do Conhecimento Organizacional. In: XV SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO – SIMPEP, Bauru, 2008. Apresentação:Fernando Goldman Meio ambiente e Convensões Globais I:de Apoio e 16.03.2009 Divisão Prof. : Alexandre D’ Avignon Mudança Climática e Poluição Controle de Qualidade

×