Ações de km da ST.C para 2011

3.529 visualizações

Publicada em

Uma apresentação para quem está começando a pensar em KM.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.529
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.922
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ações de km da ST.C para 2011

  1. 1. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.CSuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 1 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  2. 2. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Você vê KM* como a resposta? *KM – Knowledge Management Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 2 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  3. 3. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Se você vê KM como a resposta? Então, qual é a sua pergunta? Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 3 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  4. 4. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Em um workshop, Sveiby fez esta pergunta a vinte executivos. O traço comum das perguntas que atormentavam dezenove dos vinte gerentes na sala era a preocupação da gestão tradicional de encontrar meios para aumentar a eficiência e reduzir o desperdício. Em suma: “Eficiência Alocativa”, ou seja, “Eficiência Operacional” utilizar melhor o conhecimento existente e/ou medir o desempenho”. Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 4 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  5. 5. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Só uma das vinte pessoas na sala, disse: Eu vim aqui para aprender a fazer o meu departamento ser mais inovador. Sua preocupação era como criar conhecimento. “Eficiência Adaptativa*” *North, D.C. 1993. Economic Performance through Time . Discurso na entrega do Prêmio Nobel, Disponível em: http://nobelprize.org/economics/laureates/1993/north-lecture.html. Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 5 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  6. 6. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Sete Mitos e Realidades sobre KM 1 - KM é a mesma coisa que aprendizagem. Não, a aprendizagem é apenas um meio operacional para atingir fins estratégicos KM deve ter um foco em como fazer negócios Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 6 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  7. 7. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Sete Mitos e Realidades sobre KM 2 - KM é uma série de procedimentos a serem implementados. Não, KM é uma mudança fundamental de pensamento estratégico, que passa a ser baseado no conhecimento. É específica de cada empresa ou grupo que compõe a empresa Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 7 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  8. 8. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Sete Mitos e Realidades sobre KM 3 - KM é capturar o conhecimento mantido nas cabeças das pessoas. Não, KM foca em como criar ambientes para as pessoas criarem, alavancarem e compartilharem conhecimento Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 8 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  9. 9. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Sete Mitos e Realidades sobre KM 4 - KM é uma questão de garantir que a informação é enviada para todos. Não, empurrar centralmente a informação tende a falhar. Atender a demanda é muito mais eficaz. Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 9 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  10. 10. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Sete Mitos e Realidades sobre KM 5 - KM é um simples “plus” para “business as usual”. Não, KM requer mudança de comportamentos profundamente enraizados e mudança estratégica. Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 10 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  11. 11. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Sete Mitos e Realidades sobre KM 6 - KM é uma função a ser delegada ao RH ou TI. Não, KM requer o envolvimento da alta gerência, é uma mudança fundamental na perspectiva estratégica. Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 11 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  12. 12. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Sete Mitos e Realidades sobre KM 7 - KM é apenas uma questão de investir em TI. Não, TI é uma importante ferramenta para troca de informações, mas nunca poderá conduzir a mudança Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 12 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  13. 13. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Se você como gerente acredita que o conhecimento é mais ou menos a mesma coisa que informação, então você também tende a acreditar que, investindo em TI terá a KM implementada Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 13 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  14. 14. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Este é um caminho fácil. Infelizmente, é também a maneira mais fácil de perder dinheiro. Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 14 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  15. 15. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C A relutância em lidar com essa questão tem provocado desperdícios na ordem de bilhões de dólares no mundo. A Ernst & Young, por exemplo, a primeira das cinco grandes a fazer pesados ​investimentos relacionados com KM, prontamente admitiu que os seus cerca de US$ 100 milhões em investimentos em sistemas de TI para KM foram desperdiçados. Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 15 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  16. 16. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Se, por outro lado, você está convencido de que conhecimento é um processo (ou seja, uma faculdade humana) e que a chave para o sucesso em KM está nas pessoas, você se encontra em um dilema: Por onde começar? Fonte: SveibySuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 16 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  17. 17. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Você precisa ter uma teoria robusta. “Não há melhor prática do que uma boa teoria” Na Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional , os gerentes médios têm papel fundamental. Os gerentes médios fazem o link de conhecimento entre os processos estratégicos e os processos operacionaisSuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 17 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  18. 18. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Três Gerações de KM - Informação X Conhecimento Centrado em Antes de 1995 Tecnomíope Tecnologia Valoriza em A partir de Centrado em excesso 1995 Pessoas o conteúdo Combina Equilibra A partir de ênfase conteúdo / 2002 em pessoas e contexto / tecnologia narrativas Fonte:Snowden,2002 Em qual sua empresa está?Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 18 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  19. 19. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C O conhecimento é inerentemente paradoxal: é uma construção individual, fruto de um produto social (produto da comunidade) e não é passível de ser gerenciado no sentido usual da palavra;Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 19 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  20. 20. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C a KM como área multidisciplinar: as disciplinas tradicionais (engenharias, administração, economia etc.) se consolidaram no uso dos fatores clássicos de produção; Cada vez mais, a sociedade moderna percebe a atual revolução em torno do uso do conhecimento e vem buscando formas de lidar com esta nova realidade.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 20 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  21. 21. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Os Fatores Tradicionais de Produção: Terra – indica não só as terras cultiváveis e urbanas, mas também os recursos naturais; Capital – compreende, além do capital propriamente dito, as instalações físicas, o maquinário e os equipamentos em geral; Trabalho – refere-se às faculdades físicas e intelectuais dos seres humanos, que intervêm no processo produtivo.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 21 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  22. 22. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Um pouco de história econômica: Alfred Marshall, no início do século XX, propôs um novo Fator de Produção: a organização;Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 22 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  23. 23. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Um pouco de história econômica: Mais recentemente, após os velozes anos 1970, diversos autores vem propondo esse novo Fator de Produção como sendo o Conhecimento;Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 23 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  24. 24. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Pergunta-se: o Trabalho, como FP, já não se refere às faculdades intelectuais dos seres humanos que intervêm no processo produtivo? isto já não incluiria o conhecimento? Afinal, de que conhecimento estamos falando?Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 24 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  25. 25. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C O Conhecimento Organizacional não é a simples soma dos conhecimentos dos que trabalham na empresa, mas sim um todo emergente, que deveria ser maior do que a soma de suas partes. Envolve a capacitação de coordenar a especialização (criação) e a integração (uso) de diferentes conhecimentos.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 25 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  26. 26. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C O Conhecimento Organizacional é um ativo ( um recurso) de uma empresa ou de um grupo que a compõe. Ele é: intangível, específico, dinâmico e emergente.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 26 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  27. 27. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Educação Corporativa Gestão do Conhecimento e da Informação(IC) FP Trabalho FP Conhecimento Faculdades intelectuais dos Conhecimento indivíduos OrganizacionalSuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 27 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  28. 28. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C O Conhecimento Organizacional para se caracterizar como recurso da organização capaz de lhe dar vantagem competitiva sustentável deve atender ao modelo de análise estratégica VRIO - “valor”, “raridade”, “imitabilidade” e “organização”.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 28 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  29. 29. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Fim da 1ª parteSuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 29 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  30. 30. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Definição de KM adotada pelo GT: Gestão do Conhecimento de um arranjo organizacional - ou simplesmente Gestão do Conhecimento Organizacional - é um metaprocesso, que, explícita e sistematicamente, define ações e práticas de apoio para melhorar as políticas, programas e processos do arranjo organizacional, os quais influenciam a qualidade da dinâmica de seu Conhecimento OrganizacionalSuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 30 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  31. 31. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Vista desta forma, a Gestão do Conhecimento Organizacional é precursora da Inovação, tanto a incremental como também, e principalmente, a radical. Para a Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional, base teórica do trabalho do KM na ST.C, a inovação é fruto da criação de conhecimento organizacional.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 31 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  32. 32. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Metaprocesso de Gestão do Conhecimento Organizacional (KM) Processos de Conhecimento da ST.C (Processos, políticas e programas) Processos Operacionais da ST.C Resultados de ConhecimentoSuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 32 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  33. 33. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Implicações da definição de KM adotada pelo GT 1 – KM é vista como um metaprocesso. Uma reflexão crítica sobre as políticas, os programas e os processos do conhecimento organizacional. Evita o erro grosseiro de se pensar que KM lida diretamente com o conhecimento. Quem lida diretamente com o conhecimento são os conhecedores.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 33 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  34. 34. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Implicações da definição de KM adotada pelo GT 2 – O objeto da KM é a qualidade da dinâmica do Conhecimento Organizacional, não o conhecimento em si, que só é acessível aos conhecedores.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 34 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  35. 35. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Implicações da definição de KM adotada pelo GT 3 – O foco em um conhecimento crítico ou estratégico é totalmente equivocado para a KM, pois é uma visão estática. O que deve importar é a dinâmica do conhecimento organizacional. Um conhecimento crítico ou estratégico sempre deixará de sê-lo e se a empresa não tiver uma boa dinâmica do conhecimento organizacional não conseguirá se adaptar criando Conhecimento Organizacional adequado.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 35 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  36. 36. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Implicações da definição de KM adotada pelo GT 4 - KM não pode focar apenas resultados econômicos (de curto prazo). Precisa focar resultados de conhecimento, que envolvem longo prazo. Se é verdade que as empresas longevas lidam bem com o conhecimento, é válido afirmar que empresas que lidam bem com o conhecimento terão maior chance de alcançar a longevidade. Trata-se de um fator necessário, porém não suficiente.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 36 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  37. 37. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Implicações da definição de KM adotada pelo GT 5 - Uma definição de KM envolve resumir diversos conceitos em um parágrafo estabelecendo um caminho a ser seguido. É muito perigoso partir de uma definição errada ou que induza a erros. O tempo para avaliar ações de KM é muito longo, não se devendo deixar de fazer um monitoramento. Começar com uma definição mais fácil e operacional poderia ser fatal.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 37 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  38. 38. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Gestão do Conhecimento Organizacional na ST.C implementação de forma sustentável demandará a criação e revisão periódica do Plano Diretor de Gestão do Conhecimento Organizacional (PDGCO)Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 38 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  39. 39. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Para que serve o PDGCO? Explicíta o processo de Gestão do Conhecimento Organizacional (KM) da ST.C e permite sistematicamente o diagnóstico e a reflexão sobre 5 pontos:Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 39 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  40. 40. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Ponto 1 - Como a ST.C... ...lida com seus ativos intangíveis de conhecimento;Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 40 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  41. 41. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Ponto 2 - Como a ST.C... ...usa a KM como elemento de sua Inteligência Empresarial;Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 41 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  42. 42. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Ponto 3 - Como a ST.C... ...usa a análise de seus resultados, nas diferentes dimensões e variáveis, para realimentar seus processos de negócios, seus processos de formação de conhecimento e realimenta os processos de conhecimento de Eletrobras Furnas;Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 42 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  43. 43. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Ponto 4 - Como a ST.C... ...busca a eficiência adaptativa;Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 43 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  44. 44. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Ponto 5 - Como a ST.C... ...busca as inovações tecnológicas de base técnica e , em especial, as de mudanças organizacionais.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 44 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  45. 45. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Grupo de Trabalho de KM analisará os processos de criação do Conhecimento Organizacional na ST.C;Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 45 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  46. 46. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C O PDGCO proporá as definições, os modelos, as políticas e as estratégias de enfrentamento para KM na ST.C. A partir do PDGCO os gerentes médios desdobrarão ações de KM, no nível dos grupos que compõe a ST.C e da ST.C como um todo, alinhadas, tanto quanto possível, como as ações da Eletrobras e da Eletrobras Furnas.Superintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 46 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  47. 47. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Slides RestritosSuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 47 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade
  48. 48. Ações de KM da ST.C para 2011 – Apresentação no DTL.C Dúvidas? FIM DA APRESENTAÇÃOSuperintendência de Empreendimentos de Transmissão – ST.C Apresentação: Engº Fernando de Goldman Divisão L. Apoio eDivisão de Apoio de Controle de Qualidade – DACQ.C 48 Em 08.08.2011 Controle de Qualidade

×