SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Meus oito anos ,[object Object],Criação: José Góis
Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras À sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais!
Como são belos os dias Do despontar da existência! —  Respira a alma  Inocência Como perfumes a flor; O mar é — lago sereno, O céu — um manto azulado, O mundo — um sonho dourado, A vida — um hino d'amor!
Que aurora, que sol, que vida, Que noites de melodia Naquela doce alegria, Naquele ingênuo folgar! O céu bordado d'estrelas, A terra de aromas cheia As ondas beijando a areia E a lua beijando o mar!
Oh! dias da minha infância! Oh! meu céu de primavera! Que doce a vida não era Nessa risonha manhã! Em vez das mágoas de agora, Eu tinha nessas delícias De minha mãe as carícias E beijos de minha irmã!
Livre filho das montanhas, Eu ia bem satisfeito, Da camisa aberta o peito, —  Pés descalços, braços nus — Correndo pelas campinas A roda das cachoeiras, Atrás das asas ligeiras Das borboletas azuis!
Naqueles tempos ditosos Ia colher as pitangas, Trepava a tirar as mangas, Brincava à beira do mar; Rezava às Ave-Marias, Achava o céu sempre lindo. Adormecia sorrindo E despertava a cantar!
Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! —  Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras A sombra das bananeiras Debaixo dos laranjais!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Meus oito anos

Baú das Boas lembranças dos 6ºs anos
Baú das Boas lembranças dos 6ºs anosBaú das Boas lembranças dos 6ºs anos
Baú das Boas lembranças dos 6ºs anosColegiomarques
 
Livrinho Jogando e escrevendo poemas
Livrinho Jogando e escrevendo poemasLivrinho Jogando e escrevendo poemas
Livrinho Jogando e escrevendo poemasAline França Russo
 
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
Lira dos vinte anos   álvares de azevedoLira dos vinte anos   álvares de azevedo
Lira dos vinte anos álvares de azevedoMonica Recusani
 
GeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas SiteGeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas Siteandreguerra
 
No mar - Poesia de Álvares de Azevedo
No mar - Poesia de Álvares de AzevedoNo mar - Poesia de Álvares de Azevedo
No mar - Poesia de Álvares de Azevedoescolaabtdai
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra culturalBarbara Coelho
 
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
Alvares de azevedo   lira dos vinte anosAlvares de azevedo   lira dos vinte anos
Alvares de azevedo lira dos vinte anosTulipa Zoá
 
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagensPOESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagensTerreza Lima
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosNAPNE
 

Semelhante a Meus oito anos (20)

Meus oito anos
Meus oito anosMeus oito anos
Meus oito anos
 
Meus oito anos
Meus oito anos Meus oito anos
Meus oito anos
 
Meus Oito Anos
Meus Oito AnosMeus Oito Anos
Meus Oito Anos
 
Baú das Boas lembranças dos 6ºs anos
Baú das Boas lembranças dos 6ºs anosBaú das Boas lembranças dos 6ºs anos
Baú das Boas lembranças dos 6ºs anos
 
Livrinho Jogando e escrevendo poemas
Livrinho Jogando e escrevendo poemasLivrinho Jogando e escrevendo poemas
Livrinho Jogando e escrevendo poemas
 
InfâNcia
InfâNciaInfâNcia
InfâNcia
 
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
Lira dos vinte anos   álvares de azevedoLira dos vinte anos   álvares de azevedo
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
 
GeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas SiteGeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas Site
 
No mar - Poesia de Álvares de Azevedo
No mar - Poesia de Álvares de AzevedoNo mar - Poesia de Álvares de Azevedo
No mar - Poesia de Álvares de Azevedo
 
Que saudade
Que saudadeQue saudade
Que saudade
 
Letras musicas coral
Letras musicas coralLetras musicas coral
Letras musicas coral
 
Casimiro de Abreu
Casimiro de AbreuCasimiro de Abreu
Casimiro de Abreu
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra cultural
 
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
Alvares de azevedo   lira dos vinte anosAlvares de azevedo   lira dos vinte anos
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
 
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagensPOESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
 
Casimiro de Abreu
Casimiro de AbreuCasimiro de Abreu
Casimiro de Abreu
 
Sonhos de Virgem
Sonhos de VirgemSonhos de Virgem
Sonhos de Virgem
 
Em algum lugar de mim
Em algum lugar de mimEm algum lugar de mim
Em algum lugar de mim
 
Em algum lugar de mim
Em algum lugar de mimEm algum lugar de mim
Em algum lugar de mim
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 

Meus oito anos

  • 1.
  • 2. Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras À sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais!
  • 3. Como são belos os dias Do despontar da existência! — Respira a alma Inocência Como perfumes a flor; O mar é — lago sereno, O céu — um manto azulado, O mundo — um sonho dourado, A vida — um hino d'amor!
  • 4. Que aurora, que sol, que vida, Que noites de melodia Naquela doce alegria, Naquele ingênuo folgar! O céu bordado d'estrelas, A terra de aromas cheia As ondas beijando a areia E a lua beijando o mar!
  • 5. Oh! dias da minha infância! Oh! meu céu de primavera! Que doce a vida não era Nessa risonha manhã! Em vez das mágoas de agora, Eu tinha nessas delícias De minha mãe as carícias E beijos de minha irmã!
  • 6. Livre filho das montanhas, Eu ia bem satisfeito, Da camisa aberta o peito, — Pés descalços, braços nus — Correndo pelas campinas A roda das cachoeiras, Atrás das asas ligeiras Das borboletas azuis!
  • 7. Naqueles tempos ditosos Ia colher as pitangas, Trepava a tirar as mangas, Brincava à beira do mar; Rezava às Ave-Marias, Achava o céu sempre lindo. Adormecia sorrindo E despertava a cantar!
  • 8. Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! — Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras A sombra das bananeiras Debaixo dos laranjais!