Um pacto de amor

1.420 visualizações

Publicada em

  • Dízimos na igreja uma genuína doutrina católica. Confira: Dízimos Eclesiásticos: Um Legado Católico Apostólico Romano.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Um pacto de amor

  1. 1. O que é preciso para ter um bom casamento? Será que para ele seria casa limpa, boa comida e roupa lavada? Enquanto que para ela seria a estabilidade de ter a dispensa abastecida e as contas pagas no final do mês?
  2. 2. Tudo isso para um lar bem estruturado é fundamental. Mas um matrimônio feliz não é feito só por obrigações cumpridas, ele precisa de algo mais.
  3. 3. Quando se comemora o aniversário de casamento num jantar romântico, ao receber um presente desejado no dia dos namorados ou quem sabe um simples telefonema no meio da tarde só pra dizer o quanto se ama, essas atitudes dão um toque especial na convivência.
  4. 4. É isso que deixa o relacionamento completo. Deveres cumpridos e direitos oferecidos.
  5. 5. No batismo, que é o casamento do cristão com Jesus, o princípio é o mesmo. Cristo, o noivo, é aquele que nos criou, mantém e redimiu, enfim nos deu tudo. Em resposta o que se espera da sua noiva, a Igreja, é que aja de modo semelhante.
  6. 6. Devemos cumprir nossas obrigações, dentre elas o dízimo, mas quem ama de verdade faz além, traz as suas ofertas, assim é selado um pacto de amor.
  7. 7. Há pelo menos três razões. Agrada ao Senhor - Mesmo que não houvesse nenhum outro resultado, essa já seria uma razão suficiente para ofertarmos a Deus.
  8. 8. Antes de ser somente um compromisso financeiro mensal ou semanal, o pacto é um compromisso total e diário. A oferta contínua do holocausto era o único sacrifício realizado todos os dias, dentre todos os outros no Antigo Testamento.
  9. 9. Sua intenção não era espiar os pecados, mas agradar (um aroma doce e suave) ao Senhor. O Novo Testamento diz que devemos oferecer o nosso corpo (totalidade) como um “sacrifício vivo, santo e agradável a Deus” (Romanos 12:1).
  10. 10. Não devemos ficar surpresos ao saber que Deus está procurando pessoas que ofertam continuamente o seu tempo, corpo, habilidades e recursos materiais. “São estes os adoradores que o Pai procura” (João 4:23).
  11. 11. Um indicador da profundidade de nosso relacionamento com o Senhor é nossa disposição de ofertar a Ele, não apenas por tudo de bom que recebemos, mas pelo que isso significa para Ele.
  12. 12. Recebemos benefícios - O salmista tinha isso em mente quando escreveu: “‘Que darei ao Senhor por todos os Seus benefícios para comigo?’ ‘Cumprirei os meus votos ao Senhor na presença de todo o Seu povo’” (Salmos 116:12 e 14).
  13. 13. Esse pacto (voto) traz vários benefícios.
  14. 14. •Poder. Deus é o grande doador, deseja que sejamos como Ele. Cristo tem prazer em nos dar e quer que tenhamos o mesmo tipo de sentimento. Ofertar, nos dá a virtude divina do desapego e do altruísmo. Pactuar, nos traz o poder de ser mais parecidos com o Doador da vida.
  15. 15. •Satisfação. Presentear alguém que amamos é muito prazeroso. Quando ofertamos a Jesus, sentimos uma alegria que não encontramos em nenhum outro lugar.
  16. 16. Jesus foi o maior doador que já existiu - Antes de Jesus pedir que o buscássemos, Ele nos buscou. Antes de pedir a nossa vida, Ele entregou a d’Ele por mim e por você.
  17. 17. 1º) Prioridade. Lembre- se que devemos seguir o que Jesus nos lembrou, “buscai, pois, e m primeiro lugar o Seu reino” (Mateus 6:33). Assim como o dízimo, o pacto deve ser das primícias de tudo que recebemos.
  18. 18. Devemos fazer o orçamento familiar priorizando antes de tudo a parte de Deus. Na Bíblia a melhor ovelha do rebanho era sacrificada, hoje precisamos dar o melhor e no melhor momento, em primeiro lugar.
  19. 19. 2º) Proporcionalidade. “As contribuições exigidas dos hebreus para fins religiosos e caritativos, montavam a uma quarta parte completa de suas rendas
  20. 20. Uma taxa tão pesada sobre os recursos do povo poder-se-ia esperar que os reduzisse à pobreza; mas ao contrário, a fiel observância destes estatutos era uma das condições de sua prosperidade.” Patriarcas e Profetas, 560. A proporcionalidade acompanha o tamanho das bênçãos.
  21. 21. 3º) Deus nos dá bênçãos de maneira sistemática a cada novo instante. O ar que é inalado a cada segundo, o coração batendo a cada minuto, a saúde que nos é concedida a cada hora, o sol que nasce a cada dia e o salário que nos chega a cada novo mês ou semana.
  22. 22. Como discípulos devemos seguir o nosso Mestre em tudo e, sermos sistemáticos na devolução (dízimo) e no oferecimento (pacto) do que Ele tem nos dado. “Porque tudo vem de Ti, e das Tuas mãos to damos” (1 Crônicas 29:14).
  23. 23. 4º) Permaneça. “Porquanto fiz voto ao Senhor e não tornarei atrás” (Juízes 11:35). Um Pacto feito com Deus é para sempre, sendo assim permanecer não é uma opção, mas sim um privilégio.
  24. 24. 5º) Não direcionado. “Dos bens confiados aos homens, Deus reclama uma porção definida – o dízimo. A todos Ele deixa liberdade para decidir se desejam ou não dar mais que isso.
  25. 25. Mas, quando o coração é tocado pela influência do Espírito Santo, e é feito um voto de dar certa importância, aquele que fez o voto não tem mais o direito sobre a porção consagrada... Atos dos Apóstolos, 74 e 75.
  26. 26. Deus é o dono, e é Ele quem administrará através dos campos e das comissões da igreja.
  27. 27. 6º) Ore. Peça que o Espírito Santo te direcione e ajude a manter cada decisão. Desde o momento de quanto será a proporção, até o momento da entrega do envelope na salva. Deus te dará a mesma satisfação que Ele sente ao derramar bênçãos na sua vida.
  28. 28. 7º) Compartilhamento. Fale para o cônjuge ou um amigo(a) da decisão. Peça para que ele(a) ore para o fortalecimento do seu objetivo. Compartilhe as bênçãos que você está recebendo por ser um pactuante.
  29. 29. Comece agora mesmo! Planeje o seu pacto para o próximo salário ou renda – e para todos os outros.
  30. 30. Decida ser um colaborador para que o maior evento da história aconteça, o retorno de Jesus.
  31. 31. “O Senhor colocou Seus bens nas mãos de Seus servos para serem administrados com equidade, a fim de que o evangelho seja pregado a todo o mundo. As providências e a provisão para a disseminação da verdade no mundo não foram deixadas ao acaso” (Signs of the Times, 13 de janeiro de 1890).
  32. 32. É através de um Pacto planejado que deixamos de ser contribuintes e nos tornamos ofertantes
  33. 33. Perguntas para reflexão

×