SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ - UNIFEI
Campus Itabira
Engenharia de Mobilidade
Capacidade de vias de transporte e
Níveis de serviço
Glaucio Marcelino Marques, Ds.C
Vias
São espaços destinados á circulação. (CTB,2008)
Rodoviárias
 Rodovias, avenidas, estradas, ruas, logradouros, caminhos e passagens.
Aéreas
Fluviais
Marítimas
Férreas
Conceitos Básicos
Capacidade de vias
É o máximo de veículos que pode atravessar uma seção de
uma via, durante um período de tempo, sob condições
normais de tráfego.
Conceitos Básicos
Capacidade básica
É o número de automóveis que pode passar por um dado ponto de
uma via durante uma hora, sob condições de tráfego e de pista o
mais próximo possível das condições ideais .
Capacidade possível
É o número de automóveis que pode passar por um dado ponto de
uma via durante uma hora sob condições de tráfego e pistas
prevalecentes.
Capacidade Prática
É o número máximo de veículos que pode passar por um dado
ponto de via durante uma hora , sem que a densidade de tráfego
seja tão grande que cause atrasos ou restrições de manobras.
Tipos de capacidades
Quanto ás condições técnicas
Leva em consideração o tipo de via , nível de serviço , velocidade e
relevo.
Região plana
Terreno com baixa variação de cotas ( grandes distâncias de visibilidade).
Região ondulada
Terreno com média variação de cotas ( frequentes cortes e aterros).
Região acidentada
Terreno com abruptas variações de cotas ( paredões e precipícios).
Classificação das vias
Quanto às condições ideais ou fluxo livre
Condições geométricas ou físicas
Alinhamento vertical e horizontal para velocidade média de 96
km/h;
Largura da pista >= 3,6m;
Acostamento >= 1,8m;
Visibilidade > 450m;
Pavimento em bom estado.
Condições de operação
Fluxo livre sem interferências laterais com veículos ou pedestres;
Somente carros de passeios na corrente de tráfego;
Motoristas habituados com a estrada.
Classificação das vias
Condições ambientais
Dia claro, sem chuva, sem vento etc.);
Visibilidade ( sem neblina, fumaça etc.);
Localização ( centro, subúrbio etc.).
Condições prevalecentes
Diferem das ideais causando restrições à capacidade
básica.
Classificação das vias
É a medida das condições de operação de uma dada via.
É qualitativa e leva em conta inúmeros fatores, incluindo
dentre estes, a velocidade, o tempo de viagem, interrupções
no tráfego, liberdade de manobra e conforto, além de
oferecimento de serviços de conveniência, segurança e
custos.
Os 6 Níveis de Serviço: A,B,C,D,E,F
A  Melhor; E  Capacidade; F  Pior (congestionamento)
Níveis de serviço
8
Caracterização dos níveis de serviço
Nível A
Escoamento livre, fluxo
baixo e alta velocidade.
O único controle do
escoamento deve-se ao
motorista, à fiscalização, e
condições geométricas da
via.
Caracterização dos níveis de serviço
Nível B
Fluxo estável e velocidades
de operação ligeiramente
restritas às condições de
tráfego.
Ainda há liberdade de
movimento e conforto,
porém é menor que o nível
A.
Caracterização dos níveis de serviço
Nível C
Fluxo ainda estável, a
liberdade e velocidade de
movimentação são
controladas pelas condições
de tráfego.
A velocidade ainda é
satisfatória, mas as
manobras são restritas.
Caracterização dos níveis de serviço
Nível D
Próximo à instabilidade, o
nível D apresenta velocidades
toleráveis afetadas
constantemente pelo tráfego.
Os motoristas perdem
liberdade de movimento e,
portanto, são condições
toleradas por períodos
pequenos de tempo.
Caracterização dos níveis de serviço
Nível E
O fluxo é instável e as
paradas já são
momentâneas.
A velocidade não passa os
50km/h.
Foto: Atila lemos
Caracterização dos níveis de serviço
Nível F
O escoamento é forçado, há
formação de filas e
congestionamento.
As paradas se tornam
constantes e podem
demorar.
A cidade sustentável tem que prover espaços entre
as edificações voltados às necessidades do ser
humano de modo racional.
O planejamento realizado exclusivamente ou
prioritariamente para as máquinas em circulação, os
automóveis, vem promovendo as cidades
insustentáveis.
A almejada qualidade de vida envolve a tarefa de
pensar nas pessoas e na diversidade de cidadãos que
compõem os centros urbanos.
Considerações
HCM. Highway Capacity Manual. Special Report 209. Transportation
Research Board, National Research Council, Washington, DC, EUA,
4ª ed. revisada. Capítulos 12, 13, 21e 23.
LEITE, José Geraldo Maderna. Engenharia de Tráfego. São Paulo:
CET, 1980.
BRASIL. Código de Trânsito Brasileiro: instituído pela Lei no 9.503, de
23-09-97 – 1ª
Edição. Brasília: DENATRAN, 2008.
CET – Companhia de Engenharia de Tráfego. Manual de Sinalização
Semafórica – Critérios
de Programação. São Paulo: CET, 2001.
Referências Bibliográficas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jbaRafael José Rorato
 
Aula 5 velocidade e veiculo de projeto
Aula 5   velocidade e veiculo de projetoAula 5   velocidade e veiculo de projeto
Aula 5 velocidade e veiculo de projetoJair Almeida
 
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade UrbanaMobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade UrbanaMilton R. Almeida
 
Apresentação modal hidroviário
Apresentação   modal hidroviárioApresentação   modal hidroviário
Apresentação modal hidroviárioLeila Miranda
 
Compilação de exercicios topografia altimetria
Compilação de exercicios topografia altimetriaCompilação de exercicios topografia altimetria
Compilação de exercicios topografia altimetriaCleide Soares
 
Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Ozi Carvalho
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficialmarciotecsoma
 
Violencia No Transito
Violencia No TransitoViolencia No Transito
Violencia No TransitoPaul Nobre
 
Mec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidosMec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidosAdriana Inokuma
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalLucas Sant'ana
 
Caderno de exercícios resolvidos
Caderno de exercícios resolvidosCaderno de exercícios resolvidos
Caderno de exercícios resolvidosSimone Flores
 
Obras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigoObras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigoPedroJr123
 
Aula 6 distancias de visibilidade
Aula 6   distancias de visibilidadeAula 6   distancias de visibilidade
Aula 6 distancias de visibilidadeJair Almeida
 

Mais procurados (20)

Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
 
Aula 5 velocidade e veiculo de projeto
Aula 5   velocidade e veiculo de projetoAula 5   velocidade e veiculo de projeto
Aula 5 velocidade e veiculo de projeto
 
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade UrbanaMobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
 
Leitura da mira
Leitura da miraLeitura da mira
Leitura da mira
 
Apresentação modal hidroviário
Apresentação   modal hidroviárioApresentação   modal hidroviário
Apresentação modal hidroviário
 
Compilação de exercicios topografia altimetria
Compilação de exercicios topografia altimetriaCompilação de exercicios topografia altimetria
Compilação de exercicios topografia altimetria
 
Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios
 
Topografia aula01
Topografia aula01Topografia aula01
Topografia aula01
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
 
Apostila estradas de rodagem i
Apostila estradas de rodagem iApostila estradas de rodagem i
Apostila estradas de rodagem i
 
Violencia No Transito
Violencia No TransitoViolencia No Transito
Violencia No Transito
 
Av2 simulado - topografia
  Av2 simulado - topografia  Av2 simulado - topografia
Av2 simulado - topografia
 
Educação no trânsito
Educação no trânsitoEducação no trânsito
Educação no trânsito
 
mecanica dos fluidos
mecanica dos fluidosmecanica dos fluidos
mecanica dos fluidos
 
Mec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidosMec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidos
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
 
Exercicios e respostas
Exercicios e respostasExercicios e respostas
Exercicios e respostas
 
Caderno de exercícios resolvidos
Caderno de exercícios resolvidosCaderno de exercícios resolvidos
Caderno de exercícios resolvidos
 
Obras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigoObras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigo
 
Aula 6 distancias de visibilidade
Aula 6   distancias de visibilidadeAula 6   distancias de visibilidade
Aula 6 distancias de visibilidade
 

Destaque

Engenharia de trânsito apresentação
Engenharia de trânsito apresentaçãoEngenharia de trânsito apresentação
Engenharia de trânsito apresentaçãoSonaly Beatriz Frazão
 
Dimensionamento de frota
Dimensionamento de frotaDimensionamento de frota
Dimensionamento de frotaprofjansen
 
Trabalho de Introdução à Engenharia de Tráfego
Trabalho de Introdução à Engenharia de TráfegoTrabalho de Introdução à Engenharia de Tráfego
Trabalho de Introdução à Engenharia de TráfegoGian Gabriel Guglielmelli
 
Curso de tecnologia de transportes
Curso de tecnologia de transportesCurso de tecnologia de transportes
Curso de tecnologia de transportesCIRINEU COSTA
 
Apresentação cacatu guaraque
Apresentação cacatu guaraqueApresentação cacatu guaraque
Apresentação cacatu guaraqueJair Almeida
 
Execucao terraplanagem1
Execucao terraplanagem1Execucao terraplanagem1
Execucao terraplanagem1Jair Almeida
 
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...FecomercioSP
 
DIMENSIONAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA NA EMPRESA REAL COLA
DIMENSIONAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA NA  EMPRESA REAL COLADIMENSIONAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA NA  EMPRESA REAL COLA
DIMENSIONAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA NA EMPRESA REAL COLAHenrique Dacheux
 
Aula 1 Prof. Rachel Russo Seydell
Aula 1 Prof. Rachel Russo SeydellAula 1 Prof. Rachel Russo Seydell
Aula 1 Prof. Rachel Russo SeydellJair Almeida
 
Sustentabilidade em Operadores Logísticos
Sustentabilidade em Operadores LogísticosSustentabilidade em Operadores Logísticos
Sustentabilidade em Operadores LogísticosFelippi Perez
 
ESTUDO E SIMULAÇÃO DA ARQUITETURA IPV6 SOBRE REDES MPLS/VPN
ESTUDO E SIMULAÇÃO DA ARQUITETURA IPV6 SOBRE REDES MPLS/VPN ESTUDO E SIMULAÇÃO DA ARQUITETURA IPV6 SOBRE REDES MPLS/VPN
ESTUDO E SIMULAÇÃO DA ARQUITETURA IPV6 SOBRE REDES MPLS/VPN Jonata Marim
 
Mpls e a engenharia de trafego
Mpls e a engenharia de trafegoMpls e a engenharia de trafego
Mpls e a engenharia de trafegoFelipe Cesar Costa
 
Agricultura Familiar e Pluriatividade - Estudo no Município de Irará - ba
Agricultura Familiar e Pluriatividade  - Estudo no Município de Irará - baAgricultura Familiar e Pluriatividade  - Estudo no Município de Irará - ba
Agricultura Familiar e Pluriatividade - Estudo no Município de Irará - baPortal Iraraense
 
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportesIntrodução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportesRafael José Rorato
 

Destaque (20)

Engenharia de trânsito apresentação
Engenharia de trânsito apresentaçãoEngenharia de trânsito apresentação
Engenharia de trânsito apresentação
 
Dimensionamento de frota
Dimensionamento de frotaDimensionamento de frota
Dimensionamento de frota
 
Trabalho de Introdução à Engenharia de Tráfego
Trabalho de Introdução à Engenharia de TráfegoTrabalho de Introdução à Engenharia de Tráfego
Trabalho de Introdução à Engenharia de Tráfego
 
Curso de tecnologia de transportes
Curso de tecnologia de transportesCurso de tecnologia de transportes
Curso de tecnologia de transportes
 
Companhia de Engenharia de Tráfego
Companhia de Engenharia de TráfegoCompanhia de Engenharia de Tráfego
Companhia de Engenharia de Tráfego
 
Companhia de engenharia de tráfego
Companhia de engenharia de tráfegoCompanhia de engenharia de tráfego
Companhia de engenharia de tráfego
 
Apresentação cacatu guaraque
Apresentação cacatu guaraqueApresentação cacatu guaraque
Apresentação cacatu guaraque
 
Execucao terraplanagem1
Execucao terraplanagem1Execucao terraplanagem1
Execucao terraplanagem1
 
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário Terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
 
DIMENSIONAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA NA EMPRESA REAL COLA
DIMENSIONAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA NA  EMPRESA REAL COLADIMENSIONAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA NA  EMPRESA REAL COLA
DIMENSIONAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA NA EMPRESA REAL COLA
 
201212 sp terceirizacao_pdf
201212 sp terceirizacao_pdf201212 sp terceirizacao_pdf
201212 sp terceirizacao_pdf
 
Aula 1 Prof. Rachel Russo Seydell
Aula 1 Prof. Rachel Russo SeydellAula 1 Prof. Rachel Russo Seydell
Aula 1 Prof. Rachel Russo Seydell
 
Sustentabilidade em Operadores Logísticos
Sustentabilidade em Operadores LogísticosSustentabilidade em Operadores Logísticos
Sustentabilidade em Operadores Logísticos
 
Planilha Dimensionamento Frota
Planilha Dimensionamento FrotaPlanilha Dimensionamento Frota
Planilha Dimensionamento Frota
 
ESTUDO E SIMULAÇÃO DA ARQUITETURA IPV6 SOBRE REDES MPLS/VPN
ESTUDO E SIMULAÇÃO DA ARQUITETURA IPV6 SOBRE REDES MPLS/VPN ESTUDO E SIMULAÇÃO DA ARQUITETURA IPV6 SOBRE REDES MPLS/VPN
ESTUDO E SIMULAÇÃO DA ARQUITETURA IPV6 SOBRE REDES MPLS/VPN
 
Mpls e a engenharia de trafego
Mpls e a engenharia de trafegoMpls e a engenharia de trafego
Mpls e a engenharia de trafego
 
Agricultura Familiar e Pluriatividade - Estudo no Município de Irará - ba
Agricultura Familiar e Pluriatividade  - Estudo no Município de Irará - baAgricultura Familiar e Pluriatividade  - Estudo no Município de Irará - ba
Agricultura Familiar e Pluriatividade - Estudo no Município de Irará - ba
 
Plan Armazenagem
Plan ArmazenagemPlan Armazenagem
Plan Armazenagem
 
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportesIntrodução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
 
O avião seminário ppt
O avião   seminário pptO avião   seminário ppt
O avião seminário ppt
 

Semelhante a Capacidade de vias e níveis de trafego

Avaliação de Intersecoes semaforizadas
Avaliação de Intersecoes semaforizadasAvaliação de Intersecoes semaforizadas
Avaliação de Intersecoes semaforizadasrdgbr
 
Estudos de trafego: Variaveis do trafego
Estudos de trafego: Variaveis do trafegoEstudos de trafego: Variaveis do trafego
Estudos de trafego: Variaveis do trafegordgbr
 
Níveis de serviço em vias
Níveis de serviço em viasNíveis de serviço em vias
Níveis de serviço em viasrdgbr
 
Aeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto AlegreAeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto AlegreMatheus Pereira
 
ae_geo11_pt_ppt13.pptx
ae_geo11_pt_ppt13.pptxae_geo11_pt_ppt13.pptx
ae_geo11_pt_ppt13.pptxOtlioJos
 
Logística - Modal Rodoviário
Logística - Modal RodoviárioLogística - Modal Rodoviário
Logística - Modal RodoviárioMarynara Barros
 
Noções de topografia para projetos rodoviarios
Noções de topografia para projetos rodoviariosNoções de topografia para projetos rodoviarios
Noções de topografia para projetos rodoviariosrdgbr
 
superelevcao-superlargura.pdf conteúdoss
superelevcao-superlargura.pdf conteúdosssuperelevcao-superlargura.pdf conteúdoss
superelevcao-superlargura.pdf conteúdossdfz5684cfg
 
Aula 01 - Sistemas de Transportes.pdf
Aula 01 - Sistemas de Transportes.pdfAula 01 - Sistemas de Transportes.pdf
Aula 01 - Sistemas de Transportes.pdfCAMILARODRIGUES133615
 
Modais de transporte
Modais de transporteModais de transporte
Modais de transporteMatheus Roger
 
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicosSISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicosAndre Dantas
 
Mobilidade acessivel na cidade de sp parte2
Mobilidade acessivel na cidade de sp parte2Mobilidade acessivel na cidade de sp parte2
Mobilidade acessivel na cidade de sp parte2Willian De Sá
 
Material Encontro 78 - Modais de Transporte (1).pptx
Material Encontro 78 - Modais de Transporte (1).pptxMaterial Encontro 78 - Modais de Transporte (1).pptx
Material Encontro 78 - Modais de Transporte (1).pptxWagnerBarreto15
 
Transito
TransitoTransito
Transitoalunas1
 

Semelhante a Capacidade de vias e níveis de trafego (20)

Avaliação de Intersecoes semaforizadas
Avaliação de Intersecoes semaforizadasAvaliação de Intersecoes semaforizadas
Avaliação de Intersecoes semaforizadas
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
Est 02
Est   02Est   02
Est 02
 
Resumo capitulo-1
Resumo capitulo-1Resumo capitulo-1
Resumo capitulo-1
 
Estudos de trafego: Variaveis do trafego
Estudos de trafego: Variaveis do trafegoEstudos de trafego: Variaveis do trafego
Estudos de trafego: Variaveis do trafego
 
Strela morton Partner
Strela morton PartnerStrela morton Partner
Strela morton Partner
 
Níveis de serviço em vias
Níveis de serviço em viasNíveis de serviço em vias
Níveis de serviço em vias
 
Meios de transporte
Meios de transporteMeios de transporte
Meios de transporte
 
Aeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto AlegreAeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto Alegre
 
ae_geo11_pt_ppt13.pptx
ae_geo11_pt_ppt13.pptxae_geo11_pt_ppt13.pptx
ae_geo11_pt_ppt13.pptx
 
Logística - Modal Rodoviário
Logística - Modal RodoviárioLogística - Modal Rodoviário
Logística - Modal Rodoviário
 
Noções de topografia para projetos rodoviarios
Noções de topografia para projetos rodoviariosNoções de topografia para projetos rodoviarios
Noções de topografia para projetos rodoviarios
 
superelevcao-superlargura.pdf conteúdoss
superelevcao-superlargura.pdf conteúdosssuperelevcao-superlargura.pdf conteúdoss
superelevcao-superlargura.pdf conteúdoss
 
Aula 01 - Sistemas de Transportes.pdf
Aula 01 - Sistemas de Transportes.pdfAula 01 - Sistemas de Transportes.pdf
Aula 01 - Sistemas de Transportes.pdf
 
Modais de transporte
Modais de transporteModais de transporte
Modais de transporte
 
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicosSISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
 
Mobilidade acessivel na cidade de sp parte2
Mobilidade acessivel na cidade de sp parte2Mobilidade acessivel na cidade de sp parte2
Mobilidade acessivel na cidade de sp parte2
 
10 acalmia af
10 acalmia af10 acalmia af
10 acalmia af
 
Material Encontro 78 - Modais de Transporte (1).pptx
Material Encontro 78 - Modais de Transporte (1).pptxMaterial Encontro 78 - Modais de Transporte (1).pptx
Material Encontro 78 - Modais de Transporte (1).pptx
 
Transito
TransitoTransito
Transito
 

Capacidade de vias e níveis de trafego

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ - UNIFEI Campus Itabira Engenharia de Mobilidade Capacidade de vias de transporte e Níveis de serviço Glaucio Marcelino Marques, Ds.C
  • 2. Vias São espaços destinados á circulação. (CTB,2008) Rodoviárias  Rodovias, avenidas, estradas, ruas, logradouros, caminhos e passagens. Aéreas Fluviais Marítimas Férreas Conceitos Básicos
  • 3. Capacidade de vias É o máximo de veículos que pode atravessar uma seção de uma via, durante um período de tempo, sob condições normais de tráfego. Conceitos Básicos
  • 4. Capacidade básica É o número de automóveis que pode passar por um dado ponto de uma via durante uma hora, sob condições de tráfego e de pista o mais próximo possível das condições ideais . Capacidade possível É o número de automóveis que pode passar por um dado ponto de uma via durante uma hora sob condições de tráfego e pistas prevalecentes. Capacidade Prática É o número máximo de veículos que pode passar por um dado ponto de via durante uma hora , sem que a densidade de tráfego seja tão grande que cause atrasos ou restrições de manobras. Tipos de capacidades
  • 5. Quanto ás condições técnicas Leva em consideração o tipo de via , nível de serviço , velocidade e relevo. Região plana Terreno com baixa variação de cotas ( grandes distâncias de visibilidade). Região ondulada Terreno com média variação de cotas ( frequentes cortes e aterros). Região acidentada Terreno com abruptas variações de cotas ( paredões e precipícios). Classificação das vias
  • 6. Quanto às condições ideais ou fluxo livre Condições geométricas ou físicas Alinhamento vertical e horizontal para velocidade média de 96 km/h; Largura da pista >= 3,6m; Acostamento >= 1,8m; Visibilidade > 450m; Pavimento em bom estado. Condições de operação Fluxo livre sem interferências laterais com veículos ou pedestres; Somente carros de passeios na corrente de tráfego; Motoristas habituados com a estrada. Classificação das vias
  • 7. Condições ambientais Dia claro, sem chuva, sem vento etc.); Visibilidade ( sem neblina, fumaça etc.); Localização ( centro, subúrbio etc.). Condições prevalecentes Diferem das ideais causando restrições à capacidade básica. Classificação das vias
  • 8. É a medida das condições de operação de uma dada via. É qualitativa e leva em conta inúmeros fatores, incluindo dentre estes, a velocidade, o tempo de viagem, interrupções no tráfego, liberdade de manobra e conforto, além de oferecimento de serviços de conveniência, segurança e custos. Os 6 Níveis de Serviço: A,B,C,D,E,F A  Melhor; E  Capacidade; F  Pior (congestionamento) Níveis de serviço 8
  • 9. Caracterização dos níveis de serviço Nível A Escoamento livre, fluxo baixo e alta velocidade. O único controle do escoamento deve-se ao motorista, à fiscalização, e condições geométricas da via.
  • 10. Caracterização dos níveis de serviço Nível B Fluxo estável e velocidades de operação ligeiramente restritas às condições de tráfego. Ainda há liberdade de movimento e conforto, porém é menor que o nível A.
  • 11. Caracterização dos níveis de serviço Nível C Fluxo ainda estável, a liberdade e velocidade de movimentação são controladas pelas condições de tráfego. A velocidade ainda é satisfatória, mas as manobras são restritas.
  • 12. Caracterização dos níveis de serviço Nível D Próximo à instabilidade, o nível D apresenta velocidades toleráveis afetadas constantemente pelo tráfego. Os motoristas perdem liberdade de movimento e, portanto, são condições toleradas por períodos pequenos de tempo.
  • 13. Caracterização dos níveis de serviço Nível E O fluxo é instável e as paradas já são momentâneas. A velocidade não passa os 50km/h. Foto: Atila lemos
  • 14. Caracterização dos níveis de serviço Nível F O escoamento é forçado, há formação de filas e congestionamento. As paradas se tornam constantes e podem demorar.
  • 15. A cidade sustentável tem que prover espaços entre as edificações voltados às necessidades do ser humano de modo racional. O planejamento realizado exclusivamente ou prioritariamente para as máquinas em circulação, os automóveis, vem promovendo as cidades insustentáveis. A almejada qualidade de vida envolve a tarefa de pensar nas pessoas e na diversidade de cidadãos que compõem os centros urbanos. Considerações
  • 16. HCM. Highway Capacity Manual. Special Report 209. Transportation Research Board, National Research Council, Washington, DC, EUA, 4ª ed. revisada. Capítulos 12, 13, 21e 23. LEITE, José Geraldo Maderna. Engenharia de Tráfego. São Paulo: CET, 1980. BRASIL. Código de Trânsito Brasileiro: instituído pela Lei no 9.503, de 23-09-97 – 1ª Edição. Brasília: DENATRAN, 2008. CET – Companhia de Engenharia de Tráfego. Manual de Sinalização Semafórica – Critérios de Programação. São Paulo: CET, 2001. Referências Bibliográficas