Vestígios da presença dos cristãos novos em
Pernambuco
(Brasil)
RuadosJudeus,noRecife
Carl,F.H.,apartirdedesenhodeL.Schiappriz, 1878
Um número significativo dos judeus
convertidos à forç...
“A capital pernambucana era uma verdadeira ‘Jerusalém colonial’ por causa da
utopia da reconstrução do mundo judaico da di...
O português era a língua falada por esses “judeus novos”, conhecidos por isso
pelos holandeses como “gente da nação portug...
“A Companhia não tinha fundos para financiar suas
operações e foram obrigados a encorajar a
migração de judeus portugueses...
A marca mais visível da presença dos judeus é o Centro Cultural Judaico de Pernambuco/Primeira Sinagoga
das Américas, na R...
Nas escavações arqueológicas, entre outros artefatos, foi
descoberto o "Bor" poço que alimenta o "Miqvê", utilizado
para o...
O circuito segue por lugares como a
primeira ponte do Recife, construída
por um engenheiro judeu.
Posteriormente, ela pass...
O Engenho Camaragibe foi um centro espiritual judaico, liderado por Diogo Fernandes e Branca Dias
em terras pertencentes a...
http://www.arquivojudaicope.org.br/
O paraíso religioso holandês - a liberdade dos judeus no Brasil de Nassau:
http://revi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A jerusalém colonial

417 visualizações

Publicada em

Vestígios da presença cristã nova

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
417
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A jerusalém colonial

  1. 1. Vestígios da presença dos cristãos novos em Pernambuco (Brasil)
  2. 2. RuadosJudeus,noRecife Carl,F.H.,apartirdedesenhodeL.Schiappriz, 1878 Um número significativo dos judeus convertidos à força, nos séculos XV e XVI, em Portugal, partiram rumo aos Países Baixos, em especial à Amsterdã, considerada a “Jerusalém do Norte”, para reconstruírem na medida do possível, suas vidas. No entanto, no século XVII, seus descendentes acabaram, de certa forma, retornando ao judaísmo e a terras portuguesas – no caso, o Brasil. Foi na capital do atual estado de Pernambuco que muitos cristãos novos criaram coragem para manifestar sua fé e viver de novo a religião dos seus antepassados em público, se transformando , em “judeus novos” que deixaram inúmeros vestígios de sua presença na cidade de Recife – inclusive a primeira sinagoga das Américas - e arredores.
  3. 3. “A capital pernambucana era uma verdadeira ‘Jerusalém colonial’ por causa da utopia da reconstrução do mundo judaico da diáspora. Era uma Babel cultural. Recife, por certo tempo, foi a única cidade do mundo que reunia pessoas das três crenças (judeus sefarditas, católicos e calvinistas) em um único ambiente de tolerância religiosa. Nunca antes os judeus alcançaram tamanha liberdade religiosa como no Brasil holandês, em especial durante o governo de Maurício de Nassau. Os imigrantes estavam separados por mais de 100 anos do judaísmo dos avós, não sabiam hebraico e só praticavam certos rituais domésticos. Não conheciam nada ou pouco do judaísmo. Para a maioria dos convertidos, a primeira comunidade judia que conheceram foi essa que criaram. Eram ‘judeus novos’ que, no fundo, eram cristãos por formação”. Ronaldo Vainfas, historiador, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) e autor de 'Jerusalém Colonial: Judeus Portugueses no Brasil Holandês' (Civilização Brasileira). In Haag, Carlos. O paraíso religioso holandês. Revista de Pesquisa da Fapesp. Maio de 2012.
  4. 4. O português era a língua falada por esses “judeus novos”, conhecidos por isso pelos holandeses como “gente da nação portuguesa”. Eram os únicos que falavam português e holandês, o que lhes permitia dominar o comércio da colônia. O fato de serem bilíngues, aliado ao conhecimento profundo da indústria açucareira – já que vários cristãos novos, pertencentes às primeiras levas de europeus que aportaram no Brasil, se tornaram senhores de engenho – lhes dava uma enorme vantagem. E se em Amsterdã eles só tinham permissão para morar, no Brasil lhes era permitido ter lojas e tocar negócios. “Quando os holandeses se instalaram no Brasil, os judeus vieram para o país, a partir de 1635. Essa proteção aos judeus não foi uma decisão de Nassau, mas uma política da WIC”. Ronaldo Vainfas. In Haag, Carlos. O paraíso religioso holandês. Revista de Pesquisa da Fapesp. Maio de 2012.
  5. 5. “A Companhia não tinha fundos para financiar suas operações e foram obrigados a encorajar a migração de judeus portugueses, que se transformaram em operadores e intermediários, fornecendo dinheiro, crédito e os suprimentos necessários para colocar a região de produção de açúcar novamente em funcionamento (...) Essa tolerância, porém, não era gratuita, mas fruto da necessidade. A maioria das plantações de açúcar em Recife tinha sido destruída na conquista e não havia dinheiro da WIC capaz de restaurar a economia. Foi um caso especial, que não se repetiu em outras regiões dominadas pelos holandeses, como o Caribe ou a Nova Amsterdã”. Jonathan Israel, historiador americano e professor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de Princeton, autor de 'The Expansion of Tolerance: Religion in Dutch Brazil'. In Haag, Carlos. O paraíso religioso holandês. Revista de Pesquisa da Fapesp. Maio de 2012. Umengenhodecana-de-açúcar emPernambucocolonial, pelopintorneerlandêsFrans Post(séculoXVII).
  6. 6. A marca mais visível da presença dos judeus é o Centro Cultural Judaico de Pernambuco/Primeira Sinagoga das Américas, na Rua do Bom Jesus, Bairro do Recife, onde é possível perceber onde viveram, como viviam e o que faziam os cristãos novos e judeus que chegaram ao Recife. O propósito de transformar a antiga edificação na Rua do Bom Jesus, no Bairro do Recife, em patrimônio histórico consolidou-se em 1998. Um projeto arquitetônico recriou as características originais da edificação na época. A prospecção arqueológica levou a descobertas de detalhes relacionados com datas e materiais das paredes, pisos e telhado. O piso original do século XVII, assim como as paredes, foram preservados, uma vez que revelavam aspectos topográficos interessantes sobre o nivelamento da antiga vila conhecida como Povo ou Povoado. As ações de intervenção fundamentaram-se em um manuscrito com data de 1657 publicado em 1839, descoberto pelo professor José Antônio Gonçalves de Mello, em suas pesquisas na Holanda. Seu conteúdo mostrou o inventário das casas do Recife "construídas ou reformadas por Flamengos ou Judeus" durante a fase do Brasil Holandês (1630-1654). Nele, a Sinagoga do Recife, está localizada na antiga Rua dos Judeus.
  7. 7. Nas escavações arqueológicas, entre outros artefatos, foi descoberto o "Bor" poço que alimenta o "Miqvê", utilizado para os banhos de purificação espiritual e de renovação dos judeus. No piso térreo da edificação restaurada mostra-se o resultado da prospecção arqueológica feita no sítio. Fragmentos encontrados durante prospecção arqueológica no local onde hoje funciona o Centro Cultural Judaico de Pernambuco.
  8. 8. O circuito segue por lugares como a primeira ponte do Recife, construída por um engenheiro judeu. Posteriormente, ela passou por algumas reformas que levaram à substituição total por uma ponte de ferro, inaugurada em 1865 e que, em 1917 se transformaria, na atual Ponte Maurício de Nassau. A casa de Duarte Saraiva, rico comerciante e líder da comunidade sefardi, em cuja casa realizavam-se os cultos religiosos judaicos antes da construção da Sinagoga.
  9. 9. O Engenho Camaragibe foi um centro espiritual judaico, liderado por Diogo Fernandes e Branca Dias em terras pertencentes a Bento Dias Santiago, rico cristão novo. “...Especialmente interessantes são as treze denúncias feitas contra o falecido Diogo Fernandes e sua mulher Branca Dias, diante da Comissão Inquisitorial de Olinda. Diogo, já citado como importante técnico da indústria açucareira, seguiu sua mulher após ela ter sido perseguida pela Inquisição em Portugal e ter fugido para o Brasil, entre os anos de 1535 e 1542. Em Olinda Diogo Fernandes e Branca Dias estabeleceram um internato para môças, onde elas eram ensinadas a cozinhar e costurar. Mais tarde mudaram-se para Camaragibe, onde Diogo Fernandes se tornou administrador do engenho de açúcar e da fazenda de Bento Dias Santiago, rico cristão-nôvo e parente de Branca Dias. Santiago era coletor de impostos das Capitanias da Bahia, Pernambuco e Itamaracá, desde 1575.” Mello, José Antônio Gonsalves de. Gente da Nação: cristãos-novos e judeus em Pernambuco, 1542-1654
  10. 10. http://www.arquivojudaicope.org.br/ O paraíso religioso holandês - a liberdade dos judeus no Brasil de Nassau: http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2012/05/086-089- 179.pdf?679463

×