Modos de lembrar e esquecer 3

1.630 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.630
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
920
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modos de lembrar e esquecer 3

  1. 1. Modos de lembrar, esquecer e viver: oficina de memória e diversidade cultural <br />Observação e registro<br />Doan Cruz – Ouro Preto MG<br /> Natália Figueiredo – Ouro Preto MG<br />Rita Gabriela Carvalho – Pelotas RS <br />Ouro Preto – Julho, 2011<br />
  2. 2. “Modos de Lembrar Esquecer e Viver: Oficina de Memória e Diversidade Cultural”<br />Lembrando e Esquecendo no Bairro Antônio Dias<br />Ouro PretoMG<br />Festival de Inverno 2011<br />Ouro Preto-Minas Gerais<br />
  3. 3.
  4. 4. “É imprescindível que se tome atitudes no sentido de valorizar, preservar e partilhar memórias dessas pessoas que são verdadeiros ‘Tesouros Humanos Vivos”(UNESCO)<br />
  5. 5. Introdução:<br /> Participando da oficina modos de lembrar, esquecer e viver: memória e diversidade cultural, saímos às ruas do Bairro Antônio Dias com o objetivo de registrar e conhecer um pouco sobre as maneiras de lembrar e esquecer da população do bairro.<br />Em nosso trabalho de campo foi utilizada a metodologia de entrevistas com os moradores, o uso de filmagens e fotografias. <br />
  6. 6. Os primeiros entrevistados foram:<br /><ul><li> Artur, 10 anos e Lucas, 11 anos
  7. 7. Segundo Artur uma das maneiras de lembrar das coisas é aprender : “eu aprendo, eu leio a matéria ou então eu repito várias vezes pra lembrar”</li></ul>Artur também tem um mural que contém fotos que faz lembrar dos familiares, dos amigos e também dos que já partiram.<br /><ul><li> Lucas também usa o método da repetição para lembrar das coisas e também recorre aos bilhetes que a sua mãe escreve para ele não esquecer das suas tarefas.
  8. 8. Artur relata que as praças e as ruas do bairro o fazem lembrar de acontecimentos como a sua festa de aniversário realizada em local próximo onde ocorreu a entrevista.
  9. 9. Para esquecer de algo, Artur e Lucas fazem outras coisas como: brincar, assistir televisão, dormir e jogar futebol.</li></li></ul><li>‘’Eu esqueci de tomar o xarope e na hora que eu tava dormindo eu lembrei...o corpo estava doendo né!”(Artur)<br />“Uma pessoa morre da minha família eu olho a foto e posso lembrar dela”(Artur)<br />
  10. 10. Segunda Entrevista:<br /><ul><li> Mercês Jesus de Paula- 75 anos
  11. 11. Dona Mercês relata que não tem dificuldades para lembrar, apesar da sua idade, segundo ela consegue lembrar automaticamente das coisas. Umas das técnicas para manter uma boa memória que ela utiliza é a prática de crochê, tricô e pintura realizada no grupo da terceira idade.
  12. 12. Dona Mercês lembra da vida dura da roça e do pai severo, algumas musicas a faz lembrar dos bailes que ela frequentava na juventude e não esquece da morte do marido, devido as grandes dificuldades que ela passou com os filhos em decorrência deste acontecimento.</li></li></ul><li>“Eu lembro que fui criada na roça e não tinha nada disso” (Mercês)<br />“Os bailes iam até o amanhecer”(Mercês)<br />“Quando meu marido morreu eu fiquei com os três meninos trabalhando lá na roça e tudo era minha responsabilidade”(Mercês)<br />
  13. 13. Terceira Entrevista:<br /><ul><li> Maria Inês da Silva Ribeiro – 48 anos
  14. 14. Para não esquecer das coisas Maria Inês escreve bilhetes de papel, prega lembretes por todas as partes e em imãs de geladeira, tem uma agenda e costuma escrever no calendário.
  15. 15. E ainda diz que Ouro Preto tem por si só essa capacidade de desencadear uma “série” de lembranças, como quando visita determinada igreja e se lembra de sua primeira comunhão.
  16. 16. Ressalta como em Ouro Preto as pessoas tem o costume de associar lembranças a famílias, por exemplo, uma pessoa pode até não morar mais aqui, mas através de sua família é possível se lembrar dessa pessoa pelo seu sobrenome,costume do interior.</li></li></ul><li><ul><li> As lembranças da infância também são “vivas” em sua memória,pois diz que se recorda com carinho de brincadeiras como soltar pipa, brincar na rua , coisas que hoje as crianças não fazem mais, segundo Maria Inês.
  17. 17. Maria Inês, diz também que não tenta se esquecer das coisas, mesmo quando elas foram ruins, pois nada acontece por acaso e tudo tem uma finalidade e as vezes , para ela devemos aprender com essas coisas que aconteceram, ao invés de esquecê-las.</li></li></ul><li>“Quem nasce em Ouro Preto respira lembranças.” (Maria Inês)<br />“Não me preocupo em esquecer mesmo que seja doloroso”(Maria Inês)<br />
  18. 18. Modos de lembrar utilizado no trabalho pela Maria Inês:<br />
  19. 19. Quarta entrevista: <br />Vicente José do Carmo, 81 anos<br /><ul><li>Ele afirma que para se lembrar das coisas , escreve em papeis, sobretudo quando se trata de nome de pessoas, pois os esquece com muita freqüência.
  20. 20. Disse-nos que quando se esquece de algo, precisa de um tempo mínimo para que aquilo volte a memória.
  21. 21. E ao falar de esquecer, afirma que não gosta de maneira alguma de esquecer o dinheiro fora da carteira, precisa sempre de ter pelo menos 30 reais nela.
  22. 22. Disse que tem uma boa memória visual e olha as fisionomias , sobretudo das mulheres, pois sempre se lembra de alguma “gata” que conheceu e dos prazeres vividos.</li></li></ul><li><ul><li>E ainda nos conta que , o cheiro também lhe traz muitas lembranças, principalmente o cheiro de comida, com que lhe faz lembrar do cheiro da comida de sua mulher e também de sua mãe, que já são falecidas.
  23. 23. Quando perguntado sobre o que faz para esquecer das coisas, diz que o próprio tempo se encarrega de ocasionar o esquecimento.</li></li></ul><li>“ O tempo se encarrega disso...”<br />“Tem umas pessoas que falam que a vida foi imensamente amarga...a minha vida foi normal!”<br />“Quando uma pessoa já falou muitas vezes o nome e já esqueci, eu ponho no papelzinho”<br />“Vocês acabaram de falar seus nomes e pra mim já esqueci!”<br />“Eu não gosto de esquecer o dinheirinho”<br />
  24. 24. Quinta entrevista:<br /><ul><li>Rafael Laia Reis- 20 anos
  25. 25. Para se lembrar das coisas Rafael anota em vários lugares e papéis avulsos. Segundo ele o próprio ato de escrever ajuda a memorizar.
  26. 26. Ele lembra dos fatos de acordo com a sua necessidade e a importância destes, para ele. Cita como exemplo o “rock” que o faz lembrar de pessoas e amigos que ficaram em São João Del Rey onde morava anteriormente.
  27. 27. Para esquecer as coisas, Rafael utiliza o método do isolamento e procura evitar lugares, pessoas, coisas, etc...</li></li></ul><li>
  28. 28. FIM<br />www.observatoriodadiversidade.org.br/oficinadememoria<br />

×