A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO

144 visualizações

Publicada em

O presente artigo tem como objetivo analisar os estereótipos e as identidades presentes nas charges virtuais (CV). Para tanto, foram analisadas 05 (cinco) charges sobre educação que circulam no site www.charges.com.br, utilizando o aporte teórico da Análise do Discurso de linha francesa.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO DE LETRAS HABILITAÇÃO EM LÍNGUA E LITERATURA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO NAS CHARGES VIRTUAIS DE MAURÍCIO RICARDO GISELE PACHECO VIEIRA DE SOUZA LORENA MARIA NOBRE TOMÁS (ORIENTADORA) MANAUS 2012
  2. 2. O PORQUÊ DE SE ESTUDAR AS CHARGES O humor utilizado através das charges se constitui em uma ótima forma de um interlocutor expor à sociedade o que realmente pensa, sem nenhum pudor, pois dificilmente haverá qualquer punição diante do conteúdo apresentado. O humor utiliza-se do efeito da “graça” para esconder conceituações ideológicas que muitas vezes não são entendidas inicialmente pelos que recebem o discurso. As piadas fornecem simultaneamente um dos melhores retratos dos valores e problemas de uma sociedade, por um lado, é uma coleção de fatos dados impressionantes para quem quer saber o que é e como funciona uma língua, por outro que quiser descobrir os problemas com os quais uma sociedade se debate, uma coleção de piadas fornecerá excelente pista: sexualidade, etnia/raça, tabus sociais e outras diferenças, instituições (igreja, escola, casamento, política), morte, tudo isso está sempre presente nas piadas que circulam anonimamente e que são ouvidas e contadas por todo mundo em todo mundo. (POSSENTI, 2001, p. 72).
  3. 3. O presente artigo tem como objetivo analisar os estereótipos e as identidades presentes nas charges virtuais (CV). Para tanto foram analisadas charges que circulam no site www.charges.com.br, do chargista Maurício Ricardo, que abordam o tema educação. Utilizando o aporte teórico da Análise do discurso de linha francesa. Optamos pela AD, cujo objetivo é analisar os discursos que circulam sobre a educação brasileira em charges virtuais, compreender qual o efeito de sentido produzido pelos discursos, não considerando a linguagem como transparente. Utilizamos também os argumentos de autoria de Sírio Possenti (2001, 2009, 2010), que além de ser um analista do discurso filiado à linha desta pesquisa.
  4. 4. AS REDES SOCIAIS A liberdade de acesso possibilitado pela internet como um “espaço público” e os mecanismos tecnológicos que estão à disposição do usuário para se deslocar pela rede, são articulados pelos chamados hiperlinks ou, simplesmente, links. São os recursos da internet que permitem que o usuário da rede se remeta a outro ambiente com apenas um clique. O crescimento da necessidade de interação humana na rede que propiciou o surgimento de ambientes específicos para essa finalidade, as redes sociais. Segundo Dimantas apud Silva e Asevêdo (2010) na internet, as pessoas têm a possibilidade de interagir com as comunidades e, assim, protagonizar sua própria existência, buscando e construindo nas comunidades informacionais os interesses comuns.
  5. 5. CHARGE VIRTUAL O suporte virtual concede à charge um caráter de imaterialidade, tendo em vista que ao legitimar sua existência no ambiente midiático, configura-se como uma produção que se presentifica por meio de instrumentos tecnológicos, sendo que por si só não se materializa e permanece em um suporte flutuante: a rede. A charge virtual, por utilizar um número maior de quadros sequenciados, permite, na maioria dos casos, a consonância entre as linguagens verbal e não verbal. O suporte virtual amplificou o potencial multissemiótico a partir da introdução de elementos como o som e a imagem animada. As charges, que antes apresentavam uma linguagem visual, verbal, passam a assumir uma linguagem verbo-visual, sonora.
  6. 6. ESTEREÓTIPOS Durante muito tempo, na tentativa de uma definição ao termo estereótipo, várias noções foram atribuídas. Ainda no plano histórico, a palavra estereótipo está relacionada a um aparelho tipográfico, que produzia uma mesma impressão milhares de vezes. Fica claro que o conceito de estereótipo está relacionado à forma como a sociedade, de uma maneira geral, concebe, compartilha e julga determinados grupos sociais. Vale ressaltar que se tratando do humor, sempre a imagem de quem se fala será negativa na maioria das representações. Essa negatividade é que causará o riso, porque ao expor um grupo a uma situação incômoda, o olhar do outro será de ridicularizar quem está passando por uma situação vexatória.
  7. 7. CHARGISTA MAURÍCIO RICARDO Maurício Ricardo fundou o site www.charges.com.br no ano de 2000, que iniciou por diversão, quando o site começou a dar lucro, deixou seu emprego no jornal. Hoje, além de desenhar em uma prancheta digital e animar, ele dubla e toca a música de fundo das charges apresentadas no site. Atualmente ele também faz charges para a rede globo para programas como Big Brother Brasil e o Mais Você e ainda toca na banda “Os Seminovos”. ANÁLISE DA CHARGE Analisaremos as charges que abordam tema educação, lembrando que a partir deste gênero textual é possível expor o que se pensa, não havendo normalmente, qualquer forma de punição para as ideias mencionadas, o humor oferece livre arbítrio para a sociedade dizer sem medo o que realmente pensa a respeito do outro.
  8. 8. A primeira charge a ser analisada é: Dois dos 74% de brasileiros sem alfabetização plena cantam: “Eu quero tchu, eu quero tcha” da dupla João Lucas e Marcelo. O autor faz uso de algumas características para retratar a “educação brasileira”. O enunciado “Nem português sei falar” deixa claro a visão do enunciador sobre o conceito de língua. Língua Portugusa é para ele igual a “Norma Padrão”. Segundo Bagno, há o preconceito linguístico, numa série de afirmações que já fazem parte da imagem (negativa) que os brasileiros tem de si mesmo e da língua falada por aqui.
  9. 9. É claro que ele têm uma língua, também falam português brasileiro, só que falam variedades linguísticas estigmatizadas, que não são reconhecidas como válidas, que são desprestigiadas, ridicularizadas, alvo de chacota e de escárnio por parte dos falantes urbanos mais letrados, por isso podemos chamá-los de sem – língua. (BAGNO, 1999, p. 30). Sendo assim , o que a charge acima expõe não passa de uma questão política, posto que o povo semianalfabeto é de fácil manipulação para que os políticos mantenham-se no poder. Universitário Canta - Tempo Perdido (Anexo 2) Sonhos Frustrados (Anexo 3) Aproveitando o Momento (Anexo 4) Professor da rede pública canta: “Ouro de Tolo” (Raul Seixas) (Anexo 5)
  10. 10. CONCLUSÃO Durante este trabalho, as charges serviram de instrumento de análise sobre as construções de identidades e estereótipos que representam a educação nos textos humorísticos, presentes nas charges virtuais. Também destacamos o comportamento dos grupos sociais quando se referem ao outro. No intuito de autoafimar sua imagem, observamos que, por meio do humor, é mais fácil depreciar um grupo social e assim inferiorizá-lo. O que torna engraçado um texto, uma piada, é a situação inusitada que alguém é exposto. No que se refere à educação, foi possível verificar que este olhar estereótipado sobre a educação provém de características que vão além do humor. As CVs não servem apenas para o divertimento, ela evidencia um olhar de uma comunidade que muitas vezes desconhece as peculiaridades linguísticas e culturais de outros povos. Este desconhecimento acaba causando um preconceito que discrimina um grupo social e o reduz a povos considerados inferiores. A linguagem do outro sempre vai gerar um estranhamento e como forma de defesa, tudo o que se considera diferente é visto como inferior. No humor, podemos utilizar a língua do outro como forma de buscar graça daquilo que foge à normalidade.
  11. 11. Foi possível verificar, após a análise dos discursos que circulam sobre a educação brasileira, nas cinco CV, a presença do preconceito a respeito das variedades linguísticas e as caracterizações identitárias de um povo considerado inferior, que já faz parte da imagem negativa que o povo brasileiro tem de si mesmo e da sua língua, que podem ser explicadas pelas diferenças de status socioeconômico que são grandes diferenças e que gera um verdadeiro abismo linguístico entre os falantes da variedades estigmatizadas do português brasileiro.
  12. 12. • REFERÊNCIAS • BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico. 51. ed. São Paulo: Loyola, 1999. • CIRNE, Moacir. A explosão criativa dos quadrinhos. 2 ed. rev. Petrópolis: Vozes, 1971. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/46225234/3/Capitulo-III>. Acesso em: 30 mai. 2012. • CIRNE, Moacy. Literatura em quadrinhos no Brasil: acervo da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002. • • EISNER, Will. Narrativas gráficas: princípios e práticas da lenda dos quadrinhos. Tradução Leandro Luigi. São Paulo: Devir, 2008. • • MENDONÇA, Márcia R. S. et al. Gêneros textuais e ensino. In: Um gênero quadro a quadro: a história em quadrinhos. 5. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007. p. 194 - 206. •
  13. 13. • MUSSALIM, F; BENTES, A. (Orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. Vol. 2. São Paulo: Cortez, 2001. • • ORLANDI, Eni P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 7. ed. Campinas: Fontes, 2007. • • POSSENTI, Sírio. Ensaio: O humor e a língua. Revista Ciência Hoje. Campinas, v. 30, n 176, p. 72-74, Out 2001. • • POSSENTI, Sírio. Malcomportadas línguas. São Paulo: Parábola, 2009. • • POSSENTI, Sírio. Humor, língua e discurso. São Paulo: Contexto, 2010. • SOUZA, Helga V. A. A charge virtual e a construção de identidades. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2008. • SILVA, Marcelo Rodrigo; ASEVÊDO, Flávio Aurélio Tenório de. Charges virtuais e redes sociais na internet: acesso e mobilidade. In: SIMPÓSIO HIPERTEXTO E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DA UFPe, 3, 2010, Recife. Redes sociais e aprendizagem: Anais eletrônicos. Recife: UFPe, 2010. Disponível em: <http://www.ufpe.br/nehte/simposio/anais/simposio2010.html

×