Palestra alfabetização

12.875 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.875
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
617
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra alfabetização

  1. 1. Devemos alfabetizar na Educação Infantil?
  2. 2. Objetivos da Educação Infantil <ul><li>A longo prazo e dentro de uma perspectiva de desenvolvimento da criança: </li></ul><ul><li>Em relação aos professores: estimular nas crianças o desenvolvimento sua autonomia através de relacionamentos seguros no qual o poder do adulto seja reduzido o máximo possível. </li></ul><ul><li>Em relação aos companheiros: estimular as crianças a desenvolverem sua habilidade de descentrar e coordenar diferentes pontos de vista. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Em relação ao aprendizado: estimular as crianças a ficarem alertas, curiosas, criticas e confiantes na sua capacidade de imaginar coisas e dizer o que realmente pensam. </li></ul><ul><li>Desenvolver a sua iniciativa, elaboração de idéias, perguntas e problemas e relaciona-las umas às outras. (KAMII, 1991, p. 15.) </li></ul>
  4. 4. “ O que as crianças precisam para serem felizes?”
  5. 5. <ul><li>Referencial Curricular para Educação Infantil </li></ul><ul><li>É imprescindível que haja riqueza e diversidade nas experiências que lhes são oferecidas nas instituições; </li></ul><ul><li>A brincadeira é uma linguagem infantil; </li></ul><ul><li>Ao brincar as crianças recriam e repensam os acontecimentos que lhes deram origem, sabendo que estão brincando </li></ul><ul><li>O principal indicador da brincadeira, entre as crianças, é o papel que assumem enquanto brincam. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Nas brincadeiras, as crianças transformam os conhecimentos que já possuíam anteriormente em conceitos gerais com os quais brinca. </li></ul><ul><li>O brincar contribui, assim, para a interiorização de determinados modelos de adulto. </li></ul><ul><li>É no ato de brincar que a criança estabelece os diferentes vínculos entre as características do papel assumido, suas competências e as relações que possuem com outros papéis, tomando consciência disto e generalizando para outras situações. </li></ul><ul><li>Os conhecimentos da criança provêm da imitação de alguém ou de algo conhecido, de uma experiência vivida. </li></ul>
  7. 7. APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA <ul><li>A aprendizagem da linguagem oral e escrita é um dos elementos importantes para as crianças ampliarem suas possibilidades de inserção e participação nas diversas práticas sociais. </li></ul><ul><li>Esta participação está relacionada ao desenvolvimento gradativo das capacidades associadas às quatro competências lingüísticas básicas: falar, escutar, ler e escrever. </li></ul>
  8. 8. Desenvolvimento da linguagem oral <ul><li>A fala desempenha o papel comunicativo, expressivo e social. </li></ul><ul><li>Os bebês emitem sons articulados que lhe dão prazer e que revelam seu esforço para comunicar e, ao interagirem com os adultos ou crianças mais velhas interpretam essa linguagem peculiar, dando sentido à comunicação dos bebês. Portanto, a construção da linguagem oral implica na verbalização e negociação de sentidos estabelecidos entre pessoas que buscam comunicar-se. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Quando os adultos falam com bebês utilizando linguagem simples, breve e repetitiva e, quando falam com os bebês ou perto deles de forma natural, os expõe a linguagem oral em toda a sua complexidade. Nesses processos, as crianças se apropriam, gradativamente, das características da linguagem oral, utilizando-as em suas vocalizações e tentativas de comunicação. </li></ul><ul><li>Além da linguagem falada, a comunicação acontece por meios de gestos, sinais e da linguagem corporal, que dão significado e apóiam a linguagem oral dos bebês. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Portanto, a criança aprende a verbalizar por meio da apropriação da fala do outro. </li></ul><ul><li>Situações de comunicação são utilizada pelas crianças antes mesmo que saibam falar. Isso significa que muito antes de se expressarem pela linguagem oral as crianças podem se fazer compreender e compreender os outros, pois a competência lingüística abrange tanto a capacidade de compreenderem a linguagem quanto sua capacidade de se fazerem entender. As crianças vão testando essa compreensão, modificando-a e estabelecendo novas associações na busca do seu significado. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>As crianças tem ritmos próprios e a conquista de suas capacidades lingüísticas se dá em tempos diferenciados, sendo que a condição de falar com fluência, de produzir frases completas e inteiras provém de participação em atos de linguagem. </li></ul>
  12. 12. O desenvolvimento da linguagem escrita O que é alfabetização? O que é letramento? Como é o processo de alfabetização das crianças? Devemos alfabetizar na Educação Infantil? Meu filho(a) será alfabetizado(a)? Quando?
  13. 13.   爱  我  你 !
  14. 14. 爱 = te  我 = eu 你 != amo
  15. 15. Alfabetizar, Alfabetização, Alfabetizado e Letramento: conceitos e fundamentos. Alfabetizar: tornar o indivíduo capaz de ler e escrever. Alfabetização: é a ação de alfabetizar. Alfabetizado: ter adquirido o domínio da tecnologia da escrita, ou seja, codificar e decodificar a língua escrita. Letramento: Resultado da ação de ensinar e aprender as práticas sociais da leitura e escrita.
  16. 16. <ul><li>Processo de alfabetização das crianças </li></ul><ul><li>Contato diversificado da linguagem escrita = descobrem o aspecto funcional da comunicação da escrita. </li></ul><ul><li>Para aprender a escrever a criança lida com dois processos: Natureza do sistema da escrita (o que representa e como);Características da linguagem que usa para escrever. </li></ul><ul><li>Para isso, as crianças elaboram uma série de idéias e hipóteses provisórias antes de compreender a complexidade do sistema de escrita </li></ul>
  17. 17. Neste caminho as crianças cometem “erros” que são esperados, pois, faz parte do momento evolutivo do processo de ensino da leitura e escrita.
  18. 20. Desse modo, as crianças aprendem a produzir textos antes mesmos de grafá-los de maneira convencional.
  19. 21. <ul><li>Objetivos da leitura e escrita na Educação Infantil </li></ul><ul><li>Crianças de zero a três anos </li></ul><ul><li>Participar de várias situações de comunicação oral; </li></ul><ul><li>Interessar-se pela leitura de histórias; </li></ul><ul><li>Familiarizar-se aos poucos com a escrita por meio da participação em situações de escrita e contato cotidiano com livros, revistas etc... </li></ul>
  20. 22. Crianças de quatro a seis anos Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão (conhecer gêneros textuais diversos).
  21. 25. Familiarizar-se com a escrita por meio de diversas situações de leitura e escrita
  22. 29. Escutar textos lidos, apreciando a leitura feita pelo professor
  23. 30. Interessar-se por escrever palavras e textos ainda que não de forma convencional
  24. 31. Reconhecer seu nome escrito, sabendo identificá-lo nas diversas situações do cotidiano
  25. 34. Afinal, devemos alfabetizar na Educação Infantil? 1º) Devemos levar em conta as particularidades e a fase de desenvolvimento das crianças; 2º) A criança é um sujeito sócio-histórico e por isso manipula, constrói e reconstrói o seu conhecimento; 3º) Ter cuidado com a “escolificação”, ou seja, estimular o interesse de alunos da educação infantil pela leitura e pela escrita não significa desviar as crianças da brincadeira. 4º) Segundo Mônica Baptista, os meninos e meninas querem aprender a ler e a atividade pode ser estimulante e divertida. A escolarização na infância, portanto, não é um desrespeito. Basta que seja uma educação coerente com o universo infantil, explorando a brincadeira e a imaginação.
  26. 35. RELATO DE EXPERIÊNCIA Mônica Baptista contou o caso do aluno Gustavo e de um exercício que ele fez para a escola, quando tinha cerca de quatro anos. O menino deveria ditar a seus pais um texto contando uma notícia muito comentada na época: o caso de um dentista engolido por uma cobra. A mãe (a própria palestrante), teria que escrever exatamente da forma como a criança ditasse.
  27. 36. O filho foi exigente e pediu que ela relesse ou alterasse, várias vezes, o que havia sido escrito. O resultado foi um texto de uma página, com um bom grau de complexidade e sofisticação, incluindo o uso de verbos com pronomes (como &quot;colocando-a&quot;). Apesar de o gênero não se adequar a uma notícia, o texto não começava com &quot;era uma vez&quot; e seguia linearmente os acontecimentos. Esse exemplo reforça o argumento da pesquisadora de que as crianças têm o direito de serem, desde muito cedo, sujeitos sócio-culturais capazes de manipular símbolos e signos. “É para isso que existe a educação infantil”, afirmou Mônica Baptista.
  28. 37. <ul><li>Meu filho(a) será </li></ul><ul><li>alfabetizado(a)? Quando? </li></ul><ul><li>A criança terá o domínio da leitura e escrita quando: </li></ul><ul><li>Estimulada de acordo com a sua idade e sua fase de desenvolvimento. </li></ul><ul><li>Propiciar a criança em casa e na escola situações de leitura e escrita. </li></ul>
  29. 38. &quot;Lidar com a criança na alfabetização é, ao mesmo tempo, gratificante e angustiante. É muito legal acompanhá-la na descoberta desse mundo novo, mas ao mesmo tempo é angustiante porque a gente, como ser humano, quer que tudo aconteça rápido. Só que esse aprendizado da leitura e da escrita é um processo muito vagaroso e delicado.” ROSINEIDE ONOFRE DA SILVA MARTINS, Ielmo Marinho, Rio Grande do Norte. Trabalha há seis anos com turmas de alfabetização e cursa Letras na UFRN.

×