R e latór i o de Impac to Am bi e nt al - R IMA   PROJETO DA FÁBRICA AUTOMOTIVA FIAT                           Setembro 20...
ç ão                       n ta                e se         A pr    1.6                                    1
1                                                                                                1.3. COORDENAÇÃO DO EIA/R...
Cartografia    Gustavo Sobral da Silva, engenheiro de pesca, CREA nº 037.822/D PE    Direito Ambiental e Urbanístico    Iv...
to                                                  en                                                  im                ...
2                                                                                                                         ...
10   11
2.2. SUPPLY PARK (SISTEMISTAS)                                                                                       2.3. ...
2.4. INFRAESTRUTURA DO EMPREENDIMENTO                                                      2.4.2. SISTEMA DE ÁGUA POTÁvEL ...
Os métodos de tratamento dos efluentes se dividem basicamente em três grupos:               1) Métodos físicos, para remoç...
Fluxograma da ETE                                                                                                         ...
-Sistemas de Geração de Ar comprimido                                                  2.5.1 MÃO DE OBRA                  ...
Dados sobre os empregos a serem gerados (quantidade e qualificação requerida) na fase     de operação do empreendimento.  ...
is                                                    na                                                cio               ...
3                       ALTERNATIvAS                                                                3.1 ALTERNATIvAS LOCAC...
Assim foi que, em virtude dos entraves presentes na instalação do empreendimento no     Complexo Portuário de Suape, bem c...
3.2. ALTERNATIvA TÉCNICA                                                                      Ademais, não se pode deixar ...
ia                                    nc                                    u ê                             n fl          ...
Figura 4.1. Localização da área de intervenção. Fonte: Google Earth.     4                 ÁREA DE                       I...
Mapa de Localização36                    37
4.1. LOCALIZAÇÃO                                                                           4.3. ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA ...
4.4. ÁREA DE                                                INFLUÊNCIA                                                INDI...
Mapa Áreas     de Influência –     Socioeconômico     No que diz respeito ao meio     Antrópico, a AII compreende     o co...
l                                          ta                                          en                                 ...
5                   5.1. DIAGNÓSTICO DO MEIO FíSICO     DIAGNÓSTICO                   5.1.1. CLIMATOLOGIA                 ...
5.1.4. GEOLOGIA     A área do empreendimento em análise está localizada no litoral norte do Estado de     Pernambuco, que ...
5.1.5. GEOMORFOLOGIA                                                                         A área está inserida nos tabu...
A Planície Costeira, com cotas inferiores a 10m, é constituída por uma grande variedade     de acumulações, resultantes da...
5.1.7. GEOTECNIA                                                                                                     Foto ...
Mapa 5.1 - Recursos Hídricos    56                         57
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Rima - Fiat
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Rima - Fiat

11.031 visualizações

Publicada em

Relatório de Impacto Ambiental da Fiat em Pernambuco

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.031
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7.968
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rima - Fiat

  1. 1. R e latór i o de Impac to Am bi e nt al - R IMA PROJETO DA FÁBRICA AUTOMOTIVA FIAT Setembro 2012Setembro 2012 Relatório de Impac to Ambiental - RIMA PROJETO DA FÁBRICA AUTOMOTIVA FIAT
  2. 2. ç ão n ta e se A pr 1.6 1
  3. 3. 1 1.3. COORDENAÇÃO DO EIA/RIMA A coordenação deste EIA/RIMA foi feita pela empresa PIRES Advogados & Consultores, sociedade simples de advocacia e consultoria, inscrita na OAB sob o nº 071/87, Seção de Pernambuco, no CIM sob o nº 157.651-8, no CNPJ/MF sob o nº 12.858.973/0001-45, e no Cadastro Técnico Federal de Atividades e Instrumentos de Defesa Ambiental sob nº APRESENTAÇÃO 257056. A empresa está situada na Rua Padre Carapuceiro, nº 54, Boa Viagem, CEP 51020- 280, Recife, no Estado de Pernambuco. Fone: (+55.81) 3325.5100, Fax: (+55.81) 3465.5855 e correio eletrônico pires@pires.adv.br. 1.1. O EMPREENDIMENTO 1.4. EQUIPE TÉCNICA Este RIMA, em atendimento aos Termos de Referência expedidos pela CPRH - Agência 1.4.1. Coordenação Estadual de Meio Ambiente, sob o nº 11/12, referente ao Processo nº 5630/2012, trata do projeto da Fábrica Automotiva FIAT, que se pretende implantar no município de Goiana, Coordenação Geral para produzir cerca de 250.000 carros por ano. Ivon d’Almeida Pires Filho, advogado, OAB nº 5.399-PE Coordenação Técnica Flávia Carolina de Souza Reis, advogada, OAB nº 14.389-PE 1.2. O EMPREENDEDOR O Projeto da Fábrica Automotiva FIAT está sendo desenvolvido pela TCA – Tecnologia em Equipamentos Automotivos S/A, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 00.763.047/0001-07, com 1.4.2. Equipe Multidisciplinar endereço na Rodovia BR-101 Sul, Km 86,2, no bairro de Prazeres, Jaboatão dos Guararapes/ Arqueologia PE, e representada por Cristiano Augusto Félix (cristiano.felix@fiat.com.br), portador da cédula de identidade nº M7.390.405 SSP/MG, inscrito no CPF/MF sob o nº 040.326.576-29, Marcos Antonio Gomes de Mattos de Albuquerque, arqueólogo, SAB nº 12 com endereço comercial na Av. Contorno, 3455, Betim/MG, fone/fax n° (+ 55.31) 2123- Milena Duarte de Oliveira Souza, arqueóloga, SAB nº 539 2111 e 2123-3506. Veleda Christina Lucena de Albuquerque, arqueóloga, SAB nº 2372 3
  4. 4. Cartografia Gustavo Sobral da Silva, engenheiro de pesca, CREA nº 037.822/D PE Direito Ambiental e Urbanístico Ivon d’Almeida Pires Filho, advogado, OAB nº 5.399-PE Sandra Pires Barbosa, advogada, OAB nº 14.119-PE Fauna Aquática Marcela Sátyro Cavalcanti de Albuquerque, engenheira de pesca, CREA nº 39.374-D Fauna Terrestre Artur Galileu de Miranda Coelho, biólogo, CFB/PE nº 02774-85 Geologia e Geomorfologia/Geotecnia Edmilson Santos de Lima, geólogo, CREA nº 17.689-D Geotecnia e Resíduos Sólidos Héctor Ivan Díaz Gonzáles, engenheiro civil, CI RNE V381442-G Qualidade do Ar, Climatologia e Ruídos Maria de Lourdes Florêncio dos Santos, engenheira civil, CREA nº 22.468-D Recursos Hídricos Subterrâneos Marcílio Augusto Duque Pacheco, geólogo, CREA nº 14.132-D/PE Recursos Hídricos Superficiais e Resíduos Sólidos Maria de Lourdes Florêncio dos Santos, engenheira civil, CREA nº 22.468-D Sociologia Maria Lia Cavalcanti Corrêa de Araújo, socióloga, RG nº 868.926 - SSP/PE Diagonal Empreendimentos e Gestão de Negócios LTDA, CNPJ nº 01.115.194.0001-33 Urbanismo Sandra Pires Barbosa, advogada, OAB nº 14.119-PE Vegetação e Flora Terrestre Kênia Valença Correia, bióloga, CRBio-5ª Região nº 19.739/5-D Cosme de Castro Junior, biólogo, CRB nº 46.658/5-D 1.5. EQUIPE DE APOIO Tecnóloga em Gestão Ambiental Teresa Cristina da Silva Programação Visual Sérgio Pires Barbosa, publicitário. De acordo com o disposto na Resolução CONAMA nº 01/86 e 237/97, o empreendedor e os profissionais que subscrevem os estudos ora apresentados (v. folha de assinaturas no final deste RIMA) são responsáveis pelas informações fornecidas, estando também todos inscritos no Cadastro Técnico Federal do IBAMA.4 5
  5. 5. to en im nd ee pr Em do ç ão i za t er r ac Ca6 2. 7
  6. 6. 2 De toda maneira, a incineração dos gases dos processos de pintura contendo solventes orgânicos irá obter, sempre, um produto final em níveis não poluentes. CARACTERIZAÇÃO DO Figura 2.1. Equipamento para Queima dos Gases VOCs EMPREENDIMENTO Pretende-se implantar a Fábrica Automotiva FIAT no município de Goiana, Estado de Pernambuco, em uma área de 440ha, às margens da BR-101, nas imediações do 13Km. A fábrica, investimento de cerca de 4 bilhões de reais, será desenvolvida para produzir cerca de 200.000 a 300.000 carros por ano e tem como principais processos produtivos: estampagem, soldagem, pintura e montagem final. Faz parte também do complexo da indústria, e estará na mesma área, um parque de fornecedores, com toda a infraestrutura necessária para a produção dos componentes empregados na fabricação dos automóveis. Com foco na sustentabilidade, a fábrica terá um moderno tratamento de efluentes (biológicos e tecnológicos) para o reaproveitamento da água consumida nos processos produtivos. Além disso, a fábrica terá d. Montagem Final uma central de recolhimento e segregação de resíduos sólidos, para direcionar os seus resíduos a uma destinação ambientalmente correta. É na montagem final onde, após o recebimento da carroceria pintada, Todos os equipamentos e sistemas de produção serão dotados das são montadas todas as peças de acabamento, guarnições, peças melhores tecnologias, otimizando os consumos energéticos. mecânicas, revestimentos, vidros etc. e são realizados os testes que garantem a qualidade do produto. 2.1. DESCRIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES Os veículos após montados são conduzidos para a pista de prova para a realização de testes dinâmicos. Após estes testes os veículos passam Basicamente o processo de fabricação de veículos nessa nova fábrica é por uma cabine de prova hídrica, equipada com sprays automáticos, desenvolvido em cinco diferentes oficinas, abaixo descritas. onde é verificada a vedação contra-água e, em seguida, são realizadas as revisões de elétrica e de acabamento. a. Prensas e. Comunication Center Nessa etapa do processo o aço vindo de fornecedores será conformado e enviado para o processo de soldagem. A unidade será equipada com Área onde as carrocerias soldadas provenientes da oficina de soldagem, uma sala metrológica para a medição das condições geométricas das as carrocerias pintadas provenientes da pintura e da montagem final peças. são analisadas quanto ao dimensionamento e qualidade e também são realizadas análises de laboratório. b. Funilaria Aqui as peças de aço provenientes das prensas são soldadas formando a carroceria do veículo, sendo esta a etapa que antecede a pintura. 2011 2012 2013 2014 c. Pintura May May May May Aug Sep Nov Dec Aug Sep Nov Dec Aug Sep Nov Dec Aug Sep Nov Dec Feb Mar Feb Mar Feb Mar Feb Mar Jan Jun Jan Jun Jan Jun Jan Jun Apr Oct Apr Oct Apr Oct Apr Oct Jul Jul Jul Jul A Unidade de Pintura é a onde se recebem as carrocerias em chapa para se PROCESSOS proceder ao processo de fosfatização para adequação da superfície metálica, PRENSAS 17 M 8M 3M com finalidade de proteção anticorrosiva para a pintura. A eficiência dos PINTURA 10 M 8M 3M revestimentos protetores e ou decorativos posteriores dependem diretamente FUNILARIA 3M 9M 7M da limpeza e preparo da superfície. MONTAGEM 10 M 7M 3M A tecnologia de pintura a base d’água adotada para a FIAT Goiana é mais vantajosa LEGENDA: AQUISIÇÃO / CONSTRUÇÃO INSTALAÇÃO ACABAMENTO AJUSTES INTERFERÊNCIAS CIVIL X INSTALAÇÕES PUBLIC LIC. que o atual processo convencional à base de solvente. O uso da água como principal solvente dá ao produto uma aparência máxima e, mais importante, o efeito ecológico de proteção do meio ambiente com menor emissão de componentes orgânicos voláteis (VOCs).8 9
  7. 7. 10 11
  8. 8. 2.2. SUPPLY PARK (SISTEMISTAS) 2.3. ILHA ECOLÓGICA O Supply Park, ou pátio de fornecedores/sistemistas, encontra-se inserido na mesma A Fábrica FIAT em Pernambuco, dentro das condições técnicas possíveis na região, buscará área da fábrica e abrigará as empresas que produzem itens necessários à montagem dos a reciclabilidade e reaproveitamento dos resíduos gerados dentro da fábrica. automóveis. A seguir são indicados os principais fornecedores: Para que o objetivo seja alcançado, haverá foco nos seguintes conceitos e práticas: a. Galpão 1 – Fornecedor Plástico: Painel Instrumento, Pára-Choque e Painel Porta Fabricação de materiais plásticos para uso em indústrias automobilísticas e mercado de • Coleta seletiva; reposição de peças. • Aumento da reciclabilidade, reutilização e diminuição na geração de resíduos; b. Galpão 2 – Condicionador Completo/Radiador/Front-End Conscientização dtos trabalhadores quanto à geração de resíduos; Fabricação de Grupo Climatização (HVAC) e módulo de arrefecimento do motor (ECM) • Investimento em tecnologias de reciclagem e reaproveitamento; para uso em indústrias automobilísticas. • Infraestrutura; c. Galpão 3 – Montagem e Desmontagem de Bancos Indústria de corte, costura e montagem de assentos para uso em indústrias • Disponibilização de recursos financeiros para destinação final de resíduos. automobilísticas e mercado de reposição de peças. • Nesse sentido, a FIAT possui uma central de recebimento de resíduos denominada d. Galpão 4 – Forro de Teto, Tapete, Insonorizantes Ilha Ecológica onde 100% dos seus resíduos são recebidos devidamente identificados Fabricação de filtros, moldagem e corte, para uso em indústrias automobilísticas e quanto ao tipo, origem e data de geração. Todos os resíduos são pesados e separados mercado de reposição de peças. por tipologia e posteriormente destinados de forma ambientalmente correta. e. Galpão 5 – Suspensão A Ilha Ecológica é dividida em 3 áreas: Fabricação de eixos de suspensão para uso em indústrias automobilísticas e mercado de Pátio de reciclagem: recebe a coleta seletiva doméstica/industrial, como papel/papelão, reposição de peças. plástico, madeira, isopor, metal e rejeito. f. Galpão 6 – Central de Pintura Suspensão Pátio de sucatas: recebe as peças veiculares danificadas para sua descaracterização e Indústria de pintura de peças metálicas para uso em indústria automobilística separação por matéria prima. e mercado de reposição. Área de resíduo: recebimento e armazenamento temporário dos resíduos classe I e g. Galpão 7 – Tubulação de Descarga classe II que posteriormente serão enviados para beneficiamento, co-processamento ou Fabricação de sistemas de exaustão veicular, subdividido em 2 produtos: parte fria reciclagem. (cold end - silenciosos) e parte quente (hot end – coletores integrados com conversor catalítico). A Ilha Ecológica possui um sistema de iluminação natural que capta, h. Galpão 8 – Pedaleira Completa transfere e difunde a luz solar para dentro do ambiente conseguindo substituir durante o dia o uso de lâmpadas convencionais, esse sistema Fabricação do sistema de pedais (pedaleira) para uso em indústrias automobilísticas e impede que o calor seja dissipado proporcionado maior conforto ao mercado de reposição de peças. ambiente. É dotada ainda de um sistema de captação de efluentes, i. Galpão 9 – Pneus e Rodas dividido em 3 redes: tecnológica, biológica e pluvial. Montagem, inflagem, simulação da carga e balanceamento de pneus e rodas, para indústria automotiva. j. Galpão 10 – Vidros Fabricação de vidros para a aplicação na indústria automobilística e mercado de reposição de peças. k. Galpão 11 – Injeção Plástica <500T Fabricação de materiais plásticos, tais como siglas, emblemas, capas de espelhos, calotas, spoilers, frisos, tampas de combustíveis, entre outros, para uso em indústrias automobilísticas e mercado de reposição de peças. l. Galpão 12 – Bochetone de Combustível/Reservatórios Vários Fabricação de materiais plásticos para uso em indústrias automobilísticas e mercado de reposição de peças. Fotos 2.1 e 2.2 . Coleta seletiva m. Galpão 13 – Grupo Filtro Motor Fabricação de filtros e reservatórios injetados, bem como de reservatório soprado. n. Galpão 14 – Estampos: Subgrupos de Funilaria/Reservatório de Combustível Fabricação de estampos e reservatório de combustível metálico para uso em indústrias automobilísticas e mercado de reposição de peças.12 13
  9. 9. 2.4. INFRAESTRUTURA DO EMPREENDIMENTO 2.4.2. SISTEMA DE ÁGUA POTÁvEL E INDUSTRIAL A água potável será fornecida pela Companhia Pernambucana de Saneamento – 2.4.1. DRENAGEM COMPESA. A rede de distribuição de água potável partirá de um reservatório apoiado e atenderá às demandas de lavatórios, chuveiros, pias, tanques, bebedouros e outros As redes de drenagem serão enterradas, todos os trechos serão por gravidade e pontos de consumo distribuídos ao longo das edificações em estudo. Será totalmente encaminharão os efluentes coletados para três Estações Elevatórias de Esgoto e para independente da rede de distribuição de água industrial, de forma a evitar a contaminação a Estação de Tratamento de Esgotos. Os efluentes recebidos pelas Estações Elevatórias por conexões cruzadas. de Esgoto serão recalcados, através de sistemas de bombeamento, para a Estação de Tratamento de Esgotos. A rede de água industrial predial será alimentada pela rede industrial de processo. Essa rede alimentará, bacias sanitárias e mictórios de banheiros e vestiários. A rede de esgoto biológico é independente da rede de esgoto industrial. O sistema de coleta será através de separador absoluto, ou seja, não haverá qualquer interligação com A população total da Fábrica será de 12000 pessoas. Para estimar o volume diário de água a drenagem pluvial. consumida foi considerado que 3500 funcionários consumirão 150 litros por dia e 8500 funcionários consumirão 80 litros por dia. Figura 2.2. Fluxograma das Redes de Drenagem Industrial/Oleosa/Biológica -Volume diário = 1.205 m³ -Volume de Água Potável = 482.000 Litros -Volume de Água Industrial Predial = 723.000 Litros 2.4.3. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES - ETE Esta ETE será projetada e construída para tratar os efluentes domésticos, oleosos e industriais da unidade industrial e produzir uma água que será de reuso e que deverá atender aos parâmetros fixados pela Fiat. Os efluentes a serem gerados na planta da FIAT podem ser divididos em três grupos: Efluente da pintura: oriundo da pintura do processo industrial; Efluente industrial: oriundo das purgas de torres, da funilaria, da montagem, das prensas da estamparia, do Supply park, e de possíveis expansões da fábrica; Efluente sanitário: efluentes com características “domésticas” oriundos dos banheiros, lavabos, refeitórios etc.14 15
  10. 10. Os métodos de tratamento dos efluentes se dividem basicamente em três grupos: 1) Métodos físicos, para remoção de sólidos flutuantes de dimensões relativamente grandes, de sólidos em suspensão, areias, óleos e gorduras. Para essa finalidade são utilizadas grades, peneiras simples ou rotativas, caixas de areia ou tanques de remoção de óleos e graxas, decantadores, filtros de areia, etc; 2) Métodos físico-químicos, para remover cor e turbidez, odor, ácidos, álcalis, metais pesados, óleos e, principalmente, material coloidal. Além disso, os reagentes químicos utilizados nestes processos têm o objetivo de neutralizar ácidos ou álcalis; 3) Métodos biológicos, para remoção dos compostos orgânicos biodegradáveis, usando-se vários grupos de microrganismos. Devido ao requisito de reuso fixado pela FIAT, além dos processos tradicionais de tratamento de efluentes, deverá ser prevista uma unidade de osmose reversa, a qual promoverá uma redução significativa de condutividade do efluente e a adequação de outros parâmetros, permitindo o seu reuso em algumas atividades industriais. A unidade de tratamento de efluentes está projetada para tratar todos os efluentes gerados na unidade fabril, operando continuamente, 24 horas por dia, sete dias por semana. No sistema de tratamento de efluentes industriais e biológicos haverá a geração de lodos que foram denominados inorgânicos e orgânicos. O lodo inorgânico será enviado para um tanque de lodo, que funcionará como adensador e estocagem do lodo. O lodo orgânico poderá ser enviado diretamente para um tanque de bombeamento, a partir de onde o sobrenadante (líquido) centrifugado será enviado para o tanque de equalização biológico e o lodo será descarregado em container separado do lodo inorgânico.16 17
  11. 11. Fluxograma da ETE O sistema viário interno estudado contempla vias adequadas para trânsito de veículos de carga e equipamentos (carretas, empilhadeiras etc.), além de implantação de ciclovias e calçadas. Ao longo do anel viário externo são dispostos bolsões de estacionamento para caminhões, paradas de ônibus e estacionamentos para veículos de passeio. 2.5. ASPECTOS AMBIENTAIS E UTILIDADES a. Insumos Energéticos Materiais Quantidades/Mês Água 37.200m³ Gás Natura l581.200 Nm³ Energia Elétrica 5.800.000Kw 2.4.4. SISTEMA vIÁRIO A água utilizada no processo será fornecida pela rede pública para uso industrial e consumo humano (refeitórios, sanitários etc.). Energia elétrica e gás serão fornecidos pela As edificações que compõem o Sistema Viário são os Pontos de Ônibus e a Cobertura de rede concessionária. Pedestres. Quadro 2.1 . Efluentes Líquidos Tratados Os Pontos de Ônibus estão localizados próximo às Portarias de Pessoal, em quatro locais Vazão média diferentes, sendo que a maior está localizada próximo à Portaria Principal. Despejo Origem Sistema de controle Lançamento final (*) (m3/dia) As coberturas de pedestres são coberturas que ligam a Portaria Principal aos Galpões de Reutilização em parte do Prensas, Funilaria e Pintura e Communication Center, assim como a Portaria P2 ao Galpão ETE-Estação de efluente e descarte dos Efluentes Processo 920 tratamento de efluente demais volumes à rede de da Montagem. Sua função é dar proteção solar e de chuva para funcionários a caminho industriais industrial industrial esgoto da concessionária de seus postos de trabalho. de água local. Será prevista em toda a fábrica, tanto interna quanto externamente às unidades, ETE - Estação de Encaminhado à rede de Esgoto Uso sanitário 530 tratamento de efluente esgoto da concessionária acessibilidade universal, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. sanitário biológico FIAT de água local. Águas Pluviais: As águas pluviais que são coletadas pelos telhados dos galpões e pelas vias de acesso, pátios etc, são canalizadas em dutos subterrâneos, com PV (Poço de Visita), a cada 50 metros, até alcançar os pontos de saida da fábrica.18 19
  12. 12. -Sistemas de Geração de Ar comprimido 2.5.1 MÃO DE OBRA Quadro 2.2. Mão de Obra a ser contratada na Fase de Implantação Equipamento de Geração Capacidade nominal Quadro de Mão de Obra Quadro de Mão de Obra (Nm3/h) Categorias Qtde Categorias Qtde Total de 07 compressores de AR 75.614 (Ntm³/h) Ajudante 1.571 Engenheiro de qualidade 11 (Especificação técnica detalhada no projeto) Ajudante de montagem 129 Engenheiro de seg trabalho 11 Almoxarife 18 Gerente de Obras 11 Apontador 54 Laboratorista 6 -Sistemas de Resfriamento e Refrigeração Armador 947 Mestre geral de obras 26 Tipo Volume Estático (m3) Aux. Administração escritório 40 Motorista de veículos leves 73 Torre de resfriamento compressor 500m³/h Auxiliar de almoxarifado 29 Motorista de veículos pesados 226 Auxiliar de laboratório 6 Pedreiro 1.148 Torre de resfriamento compressor/Prensas e Funilaria 1300m³/h Auxiliar limpeza 20 Pintor 395 Torre de resfriamento compressor/Sistema de água gelada 750³/h Auxiliar serviços gerais 19 Projetista 23 Azulejador 113 Secretária / Recepcionista 11 Carpinteiro 533 Servente 1.458 - Geração de Resíduos Sólidos Comprador 16 Supervisor Adm./Financeiro 11 A geração de resíduos estimada é de 220 kg/veiculo produzido, sendo Coordenador de Projetos 4 Supervisor de montagens 32 percentualmente Classe I: 5,6kg/veíc e Classe II A e B: 215,2 kg/veíc. Copeiro 29 Supervisor de Qualidade 11 Desenhista 38 Supervisor de SMS 11 Eletricista de manutenção 16 Técnico de documentação 11 Encanador 46 Técnico de instalações 16 Encarregado de materiais 9 Técnico de Planejamento 9 Encarregado de obras 31 Técnico edificações 18 Encarregado de pessoal 11 Técnico meio ambiente 10 Enfermeiro do trabalho 28 Técnico qualidade 21 Engenheiro de instalações 9 Técnico segurança 21 Engenheiro de Planejamento 10 Vigilante 32 Engenheiro de produção 30 Total 7.372 Engenheiro de Projetos 1420 21
  13. 13. Dados sobre os empregos a serem gerados (quantidade e qualificação requerida) na fase de operação do empreendimento. N.º Turnos: 03 Horas/dia: 24 Dias/mês: 30 Meses/ano: 12 2.5.2. MÁQUINAS Equipamentos na Fase de Instalação MÁQUINAS QTD. MÁQUINAS QTD. Gruas Escavadoras Hidráulicas(rasto) 2 Gruas Cil. Vibradores (tandem) Escavadoras Hidráulicas(rasto) 2 4 Tratores (Rasto) 4 Tratores (Rasto) Auto-Compactadores (pés de carneiro) 4 6 Retro-Escavadeiras) 6 Retro-Escavadeiras) Auto-Cisternas 6 4 “Dumpers” 6 “Dumpers” Bombas de betão 6 10 Motoniveladoras 2 Motoniveladoras Auto- Betoneiras 2 30 Camionetes (4x4) 2 Camionetes (4x4) Guindastes 2 4 Caminhões (6x4; 6x6) 40 Caminhões (6x4; 6x6) Caminhões Munk 40 4 Semi-Reboques 2 Semi-Reboques Caminhões Pipa 2 10 Cil. Compressores(triciclo) 4 Cil. Compressores(triciclo) Hélice Continua 4 2 Cil. Compressores(tandem) 4 Cil. Compressores(tandem) 4 146 Equipamentos na Fase de Operação Cegonhas para carregamento de automóveis (Frequência cerca de 85 dia) Carretas de carregamento de bobinas (Frequência cerca de 40 por dia) Caminhões Truck (Frequência cerca 600 dia) Ônibus – 180 por turno (ônibus num intervalo de 1 hora - chegada e saída de turno) Veículos leves dos funcionários, visitantes e fornecedores: (Frequência cerca de 800 dia).22 23
  14. 14. is na cio ca Lo se ni ca c s Té ti va r na A lte24 3. 25
  15. 15. 3 ALTERNATIvAS 3.1 ALTERNATIvAS LOCACIONAIS TÉCNICAS E 3.1.1. SUAPE Motivado pelos benefícios da localização estratégica de Suape em relação às principais LOCACIONAIS rotas marítimas de navegação, a qual permite a conexão do Complexo Portuário de Suape com mais de 160 portos em todos os continentes, incluindo linhas diretas com a Europa, América do Norte e África, o investidor, inicialmente, optou pela instalação do empreendimento nesse local. Todavia, encontrou obstáculos que desestimularam a implantação ali. A grande extensão do terreno, necessária para a implantação do empreendimento, foi, sem dúvidas, um obstáculo para a instalação da FIAT no litoral sul do Estado de Pernambuco, já que inexistiam terrenos com dimensões compatíveis para a instalação da fábrica. Demais disso, os terrenos encontrados com dimensões aceitáveis apresentavam relevo bastante colinoso, tudo o que demandaria considerável movimentação de terra, o que implicaria em elevados custos financeiros e ambientais, contrariando a postura de sustentabilidade adotada pela empresa. Outro importante dado considerado foi a atual dificuldade no acesso viário à área de Suape, provocado pelo rápido desenvolvimento do Complexo Portuário e Industrial de Suape, de maneira dissociada do crescimento infraestrutural daquela região. Ficou claro que a FIAT intensificaria os problemas da região, o que precisava ser evitado. Há cerca de dois anos a FIAT anunciava a sua intenção de construir mais uma fábrica de automóveis. Tendo em vista que esse tipo de empreendimento é reconhecido por empregar muita mão-de-obra, com os mais variados níveis de qualificação e em boas condições de trabalho, teve início uma série de especulações por parte de diversos países para sediar a referida indústria. A própria Itália, pátria mãe da empresa, e país que sofre com a crescente crise financeira mundial, foi uma das nações que se habilitou a abrigar a nova indústria. Nessa mesma disputa entrou o Brasil. A manutenção da estabilidade econômica e política brasileira têm trazido não apenas novos negócios para o país, mas tem também, como consequência, viabilizado o aumento da renda da população, impulsionando o crescimento da qualidade de vida e o acesso a diversos bens e serviços antes inalcançáveis. Foi nesse contexto que o Brasil se habilitou e buscou com afinco receber a nova indústria da FIAT e, efetivamente, conseguiu captar esse investimento para o território nacional. Então, uma vez escolhido o país, passou-se a discutir qual estado deveria sediar o empreendimento. Cogitou-se de expansão da fábrica já existente em Minas Gerais, entretanto, a nova indústria, mais moderna e aperfeiçoada em seus procedimentos, demandava também um novo local. Que inclusive, ou principalmente, deveria facilitar a logística de distribuição dos veículos para o mercado nacional e internacional. Pernambuco, então, era um dos fortes candidatos. Com efeito, a evolução econômica do estado se destaca tanto na mídia local quanto na internacional, e vem se sobressaindo por obter um índice de crescimento superior ao brasileiro. O PIB de Pernambuco, por exemplo, foi superior ao do Brasil no primeiro trimestre de 2012 e também em relação ao mesmo período do ano pretérito. Enquanto o estado nordestino cresceu 4,6%, o país registrou alta de 0,8%. Foi assim, pensando na união da perspectiva do consumo de automóveis no mercado interno brasileiro com a localização estratégica do Estado de Pernambuco, que a FIAT aportou seus investimentos no estado pernambucano.26 27
  16. 16. Assim foi que, em virtude dos entraves presentes na instalação do empreendimento no Complexo Portuário de Suape, bem como da incentivadora proposta governamental de desenvolvimento econômico em outros polos no Estado de Pernambuco, a FIAT concluiu pela alocação da fábrica em outro município. 3.1.2. MUNICíPIO DE GOIANA Após análise do cenário estadual, a FIAT optou por instalar a sua nova fábrica no Litoral Norte, assim deu-se início à busca de uma área que fosse fisicamente possível e ambientalmente viável. Essa área foi encontrada no município de Goiana, bem às margens da BR-101, por volta do seu quilômetro 13. O terreno, com 440ha, é plano, o que minimiza os impactos com movimentação de terras; completamente utilizado no plantio da cana-de açúcar, o que também evita a necessidade de supressão de vegetação natural; e destituído de rios ou riachos de importância para a região. Assim, ficou claro que aquele seria o pedaço de terra ideal para a implantação do empreendimento. A inexistência de embaraço jurídico foi mais um fator favorável à instalação do empreendimento no município. Outro fator de relevante importância da área eleita foi a sua a proximidade com a BR-101. É preciso ressaltar, ainda, que a escolha dessa área, harmoniza-se com os Planos, Programas e Projetos Estaduais de estímulo da economia dos municípios da Zona Norte do Estado. Enfim, foi por essa sinergia, definida pelo encontro do terreno ideal com a orientação de desenvolvimento adotada pelo governo estadual, que a FIAT reconheceu o município de Goiana como a sua melhor opção de investimento, pois além de possuir uma posição geográfica estratégica, o local dispõe de um significativo potencial de desenvolvimento econômico e social sustentável.28 29
  17. 17. 3.2. ALTERNATIvA TÉCNICA Ademais, não se pode deixar de tecer comentários a respeito da tecnologia utilizada na unidade de pintura do empreendimento, que não obedece ao processo convencional A Fábrica da FIAT tem sido exposta conceitualmente como criada dentro de uma filosofia à base de solvente, mas sim à base de água. A moderna tecnologia confere uma maior alicerçada na sustentabilidade, com baixo impacto ambiental, que reproduzirá as proteção ambiental, já que há a minimização de emissão de componentes orgânicos melhores práticas consagradas no sistema de gestão ambiental FIAT. voláteis (VOCs). Há que se dizer que a própria escolha do terreno já representa uma autêntica alternativa Destaque-se, ainda, que a fábrica contempla um operante sistema de desempoeiramento, tecnológica para a fase de implantação. Sim, pois a perseverança em encontrar um local com o escopo de minimizar a geração de material particulado originado pela atividade com pouca necessidade de movimentação de terra significa a adoção de um método industrial, possuindo ainda controle de qualidade em todos os insumos, diretos e indiretos, construtivo menos impactante. Podendo-se dizer o mesmo em relação à escolha de uma e maquinários envolvidos no processo produtivo. área destituída de vegetação natural, uma vez que a construção que se concretiza sem a supressão de vegetação é feita de maneira muito menos impactante e mais sustentável. Por todos esses exemplos, resta patente que o Projeto Fábrica Automotiva FIAT, tal como apresentado, enquadra-se na melhor alternativa tecnológica possível de ser implantada a Ainda, a preocupação com a preservação ambiental pode ser observada ao se considerarem presente, devendo ser assim mantido. as opções construtivas utilizadas no projeto da fábrica da FIAT em Goiana. As ruas internas pavimentadas com asfalto produzido a partir de pneus reciclados, o reaproveitamento da água utilizada nos processos produtivos, a presença de um moderno sistema de tratamento de efluentes - biológicos e tecnológicos -, e uma central de recolhimento e segregação de resíduos sólidos são exemplos de sustentabilidade.30 31
  18. 18. ia nc u ê n fl I de r ea 4 . Á32 33
  19. 19. Figura 4.1. Localização da área de intervenção. Fonte: Google Earth. 4 ÁREA DE INFLUÊNCIA Como limitação espacial deste RIMA, fez-se necessária a identificação da Área de Intervenção do empreendimento, bem como a delimitação da sua Área de Influência, especificando-se os locais que serão direta e indiretamente impactados pela Implantação e Operação do mesmo. Nesta delimitação, há que se considerar que uma mesma atividade pode ter impactos bastante distintos nos meios Físico, Biológico e Antrópico. Entretanto, no estudo em análise, percebeu-se que as Áreas de Influência coincidiam para os meios Físico e Biológico, como freqüentemente ocorre, divergindo apenas para o meio Antrópico. Além disso, sabe-se que os impactos gerados pelas atividades próprias à fase de Implantação de um empreendimento podem ser distintos daqueles característicos da fase de Operação, o que levaria à delimitação de uma Área de Influência específica para cada fase. Entretanto, no caso do presente empreendimento, as Áreas de Influência não variam entre a fase de Implantação e a fase de Operação. Município de Igarassu34 35
  20. 20. Mapa de Localização36 37
  21. 21. 4.1. LOCALIZAÇÃO 4.3. ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA Como já descrito, pretende-se que a Fábrica Automotiva FIAT seja implantada em uma A Área de Influência Direta – AID é aquela na qual ocorrerão os impactos mais imediatos área de 440ha, situada às margens da BR-101 Norte, no município de Goiana, estado de da implantação e operação do empreendimento, sendo aqui idêntica para essas duas Pernambuco, tendo os seguintes limites: a Norte, com o estado da Paraíba; a Sul, com fases. Já no que se refere aos meios afetados, delimitou-se uma AID para os meios Físico os municípios de Itaquitinga, Igarassu, Itapissuma e Itamaracá; a Leste, com o Oceano e Biológico e uma outra para o meio Antrópico, visto que este é impactado de forma Atlântico e, a Oeste, com os municípios de Condado e Itambé. distinta daqueles primeiros. O acesso a Goiana se dá pela rodovia pavimentada BR-101, sentido Pernambuco/Paraíba, Assim, definiu-se como Área de Influência Direta do empreendimento, quanto aos estando a sede do município localizada nas coordenadas geográficas 7°33’38” de latitude meios Físico e Biológico, o polígono conformado pelos seguintes limites: ao Norte, o sul e 35°00’09” de longitude oeste. Partindo-se de Recife, percorre-se aproximadamente rio Tracunhaém; ao Sul, o rio Sirigi; a Leste, a área compreendida no perímetro definido 63Km pela BR-101, quando se atinge a entrada do terreno, à direita, entre os quilômetros pela conexão dos pontos de desembocadura dos rios Tracunhaém e Sirigi e, finalmente, a 13 e 15. Oeste, uma linha paralela à BR-101 Norte, a uma distância de 500 metros. Entende-se que os rios e a BR-101 seriam como barreiras físicas que mantém os impactos circunscritos à 4.2. ÁREA DE INTERvENÇÃO área por elas circundadas. A Área de Intervenção - AI ou Área Diretamente Afetada - ADA é aquela na qual se Com relação ao meio Antrópico, definiu-se como Área de Influência Direta o conjunto pretende construir o empreendimento, ou seja, é o local onde devem ocorrer as ações dos territórios dos municípios de Abreu e Lima, Itapissuma, Igarassu, Itamaracá e Goiana, e obras necessárias à implantação do projeto estudado. O perímetro de implantação uma vez que dali provavelmente haverá a maior demanda por mão-de-obra, bem como a e funcionamento do pretendido projeto é definido pelas seguintes coordenadas demanda por materiais e serviços e, finalmente, também será a área mais impactada com referenciadas ao sistema geodésico: WGS 1984: 35º00’10’’W, 07º39’31’’S e 34º55’11’’W, tráfego de e para o empreendimento. 07º35’21’’S. A área de intervenção limita-se a Norte com a estrada carroçável que leva ao distrito de Tejucupapo; ao Sul com um caminho de serviço canavieiro; a Leste com uma área de canavial e a Oeste com a BR-101 Norte. Município de Itamaracá38 39
  22. 22. 4.4. ÁREA DE INFLUÊNCIA INDIRETA A Área de Influência Indireta - AII é aquela na qual ocorrerão os impactos mais remotos do empreendimento em estudo. Aqui também foi delimitada a mesma AII para as fases de implantação e operação do empreendimento. E, novamente, verificou-se que, com relação aos meios afetados, a AII seria distinta para o meio Antrópico e coincidente para os meios Físico e Biológico. Desta feita, para os meios Físico e Biológico, definiu-se como AII o polígono conformado pelos seguintes limites: ao Norte, o rio Tracunhaém; ao Sul, o rio Sirigi; ao Leste, a costa e finalmente, a Oeste, a mesma linha paralela, a uma distância de 500 metros, da BR 101-Norte.Mapa Áreas de Influência – Físico e Biológico40 41
  23. 23. Mapa Áreas de Influência – Socioeconômico No que diz respeito ao meio Antrópico, a AII compreende o conjunto de municípios que compõem a Região Metropolitana do Recife – RMR mais o município de Goiana e os municípios paraibanos de Caaporã, Pitimbu, Alhandra, Conde, João Pessoa, Bayeux e Cabedelo.42 43
  24. 24. l ta en bi m A i co ó st a gn i 5 . D44 45
  25. 25. 5 5.1. DIAGNÓSTICO DO MEIO FíSICO DIAGNÓSTICO 5.1.1. CLIMATOLOGIA O empreendimento está localizado no município de Goiana, situado na microrregião AMBIENTAL denominada Mata Setentrional Pernambucana, cujo clima é classificado como tropical úmido do tipo As’ na escala de Köeppen. As temperaturas máximas, de cerca de 30,6ºC, ocorrem nos meses de novembro a abril e as mínimas, próximas de 20ºC, nos meses de julho a setembro. O regime de precipitação confirma as estações típicas, com inverno chuvoso no período de março a agosto, com precipitações entre 200 e 350mm mensais, picos em maio, junho e julho; e com época mais seca nos outros meses, com precipitações menores que 100mm mensais, o que resulta numa precipitação anual superior a 2000mm. É úmido, apresentando valores de umidade relativa do ar superiores a 70% no verão, chegando a 86% no inverno. Os ventos predominantes são de sudeste, com velocidade média de 5,4m/s. Devido à baixa latitude, a região é bastante ensolarada, variando de 170 a 270 horas mensais de insolação. A pressão atmosférica se apresenta bem uniforme, com variação anual oscilando em torno de 1012hPa. 5.1.2. NívEIS DE RUíDO A área apresenta característica essencialmente de zona rural e por ora não existem atividades que emitam ruídos significativos. Está localizada à margem da BR-101, principal eixo Norte-Sul pernambucano, cujo trecho apresenta tráfego moderado. Os ruídos gerados são descontínuos e variam de 45dB (ruído de fundo) a 88dB (motocicleta). 5.1.3. QUALIDADE DO AR Na área de influência do empreendimento não existe qualquer estação de monitoramento do ar. Mas, em um raio de 5km não existem atividades que possam comprometer a qualidade do ar, além disso, a área está localizada a aproximadamente 12km do mar e apresenta característica predominantemente rural, apenas com cultivo de cana-de-açúcar. Vale ressaltar que durante o período de moagem da cana de açúcar nas usinas, antes da colheita, ocorre a queima do canavial, o que pode gerar fuligem na zona rural. Entretanto, comparando-se com outras áreas que já foram monitoradas pela CPRH, com tráfego intenso e indústrias, nas quais a qualidade do ar estava boa, e levando-se em conta as características orográficas da região, pode-se supor que a qualidade do ar ali também é boa.46 47
  26. 26. 5.1.4. GEOLOGIA A área do empreendimento em análise está localizada no litoral norte do Estado de Pernambuco, que do ponto de vista geológico é constituída de rochas e sedimentos da Bacia da Paraíba e em seu embasamento (Figura 5.1). Fotos 5.2 e 5.3. Formação Barreiras na área de influência direta do empreendimento onde se observa processo erosivo. Coordenadas UTM (25M): E285.819, N9.145.594 (Fotos de setembro de 2011) Na área de influência indireta ocorrem sedimentos fluviais, afloramentos de arenitos da Formação Beberibe (Foto 5.4) e rochas do embasamento cristalino. Na planície costeira ocorrem ainda sedimentos fluvio-marinhos e sedimentos da Formação Gramame (Fotos 5.5 a 5.7). Figura 5.1. Situação da área de influência do empreendimento no contexto geológico das bacias fanerozóicas e principais estruturas Foto 5.4. Arenitos médios a finos da Formação Beberibe na área de influência rúpteis do Nordeste do Brasil (Fonte Barbosa, 2004) indireta do empreendimento. Coordenadas UTM (25M): E291.485, N9.150.756 (Foto de setembro, 2011) A área diretamente afetada (ADA) e a área de influência direta do empreendimento estão inseridas em terreno tércio-quaternários da Formação Barreiras, que apresentam topografia mais elevada formando os tabuleiros costeiros (Fotos 5.1 a 5.3). Foto 5.1. Relevo de tabuleiro suportado pela Formação Barreiras na área do empreendimento (ADA). Coordenadas UTM (25M): E285.698, N9.159.054 (Foto de outubro de 2011) Foto 5.5. Vista aérea de Barra de Catuama (em segundo plano a Ilha de Itapessoca) mostrando sedimentos de praia na área de influência indireta do empreendimento (Foto aérea de julho de 2011)48 49
  27. 27. 5.1.5. GEOMORFOLOGIA A área está inserida nos tabuleiros costeiros, entre os vales dos rios Goaina, Itapessoca e Botafogo. Os tabuleiros são de dois tipos: Tabuleiros pouco dissecados e Tabuleiros dissecados (Fotos 5.8 e 5.9). Na área diretamente afetada os Tabuleiros Costeiros apresentam altitude em torno de 90 metros. São formados em sedimentos areno-argilosos da Formação Barreiras. Além dos tabuleiros costeiros ocorrem na área de influência indireta as áreas baixas dos vales e a planície costeira. Foto 5.8. Vista aérea dos Foto 5.6. Vista aérea do rio tabuleiros costeiros na Itapessoca mostrando áreas de área de influência direta do manguezal e de apicum (Foto empreendimento (Foto de aérea de julho de 2011) julho de 2011) Foto 5.7. Vista aérea Foto 5.9. Vista aérea dos mostrando detalhe da área de tabuleiros costeiros dissecado manguezal e de apicum do rio na área de influência direta Itapessoca (Foto aérea de julho do empreendimento (Foto de de 2011) julho de 2011)50 51
  28. 28. A Planície Costeira, com cotas inferiores a 10m, é constituída por uma grande variedade de acumulações, resultantes da interação de vários fatores, tais como: oscilações do nível relativo do mar, ocorridas no Quaternário, mudanças climáticas e processos dinâmicos costeiros (Foto 5.10). Foto 5.12. Área com predomínio de argissolos na área do empreendimento (Foto aérea 15 de julho 2011) Além dos argissolos amarelos da ADA, ocorrem na AID solos podzóis hidromórficos, solos profundos arenosos com drenagem rápida na superfície; e solos de mangue, solos mal Foto 5.10. Relevo planície costeira, área estuarina do rio Itapessoca, na área de influência indireta do empreendimento (Foto aérea Julho 2011) drenados com alto teor em sais que ocorrem nos estuários dos rios Itapessoca, Itapirema, Botafogo e Canal de Santa Cruz (Foto 5.13). Conforme observado anteriormente a área diretamente afetada (ADA) pelo empreendimento não apresenta propensão a erosão nem instabilidade de encostas. Por se tratar de uma área de tabuleiro, também não está sujeita a inundação. Os processos erosivos observados ocorrem na área de influência direta (AID). 5.1.6. SOLOS Na área onde será implantado o empreendimento (ADA) ocorre apenas associação de argissolos amarelo (Fotos 5.11 e 5.12). Os argissolos amarelos são solos profundos e muito profundos, cuja textura varia de arenosa a muito argilosa. Foto 5.13. Solos de mangue e podzóis hidromófico na AID. (Foto aérea de 15 julho 2011) Considerando-se os aspectos físicos relacionados ao solo considera-se que a área apresenta aptidão para a implantação do empreendimento. Foto 5.11. Argissolo amarelo na AID do empreendimento (Coordenadas UTM (25M): E2888.596; N9.159.536, foto de outubro 2011)52 53
  29. 29. 5.1.7. GEOTECNIA Foto 5.14. Pequeno escorregamento de talude às margens de Elevando-se entre cotas 90 e 92m, com declividades que não ultrapassam 1% em caminho de serviço de qualquer sentido e livre de ocupação humana, a área onde será implantada a FIAT está área de Bambu (UTM 284969, 9156374) isenta de problemas geotécnicos relacionados com estabilidade de encostas, mesmo nas áreas de talvegues do entorno. As declividades são moderadas e se apresentam estáveis e protegidas com vegetação de bambu. É importante mencionar que o lençol freático não foi detectado em nas sondagens SPT que prospectaram o terreno até profundidades máximas de 20m, muito embora a campanha geotécnica tenha-se desenvolvido no final do mês de julho de 2011, após um período de alta pluviometria no litoral do estado, e quando se pressupõe que o lençol freático esteja atingindo o seu nível mais elevado. Figura 5.2.Localização 5.1.8. RECURSOS HíDRICOS SUPERFICIAIS de Sondagens na ADA. Fonte: Adaptado do Relatório Geotécnico da O empreendimento encontra-se inserido na microrregião da Mata Setentrional ATECEL, 2011 Pernambucana, dentro da Unidade de Planejamento Hídrico UP1, que corresponde à bacia hidrográfica do rio Goiana, e também na Unidade de Planejamento Hídrico UP14, Em relação a fenômenos de instabilidade ou erosões identificadas nas vistorias de que corresponde à bacia hidrográfica do primeiro Grupo de Pequenos Rios Litorâneos campo, menciona-se que estes são de ocorrência restrita e de pequeno porte. Nas áreas (GL1). Mais precisamente, está localizado no platô a leste da BR-101, que funciona como de vertente observaram-se taludes muito íngremes, cortados pela usina para abertura divisor de água, entre as bacias hidrográficas do rio Tracunhaém, afluente do rio Goiana, e de vias de penetração para cultivo e colheita de bambu, no entanto, estes taludes se dos rios Sirigi e Ibeapuçu, pertencentes ao GL1. (Mapa 5.1) encontram hoje totalmente plantados com o referido bambu, cujo sistema reticular adensado contribui para a resistência a escorregamento e a erosão do material, já de por si fortalecido pelos horizontes lateríticos ali presentes.54 55
  30. 30. Mapa 5.1 - Recursos Hídricos 56 57

×