Introdução aula 3

442 visualizações

Publicada em

Introdução a engenharia Ambiental
Vários autores

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
442
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução aula 3

  1. 1. INTRODUÇÃO A ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA Aula 3 - Ética
  2. 2. O que é ética? Bem ou mal? espacoabertoweb.blogspot.com É Ético? É ou não ético roubar um remédio, cujo preço é inacessível, para salvar alguém que, sem ele, morreria? Colocado de outra forma: deve-se privilegiar o valor “vida” (salvar alguém da morte) ou o valor “propriedade privada” (não roubar)?
  3. 3. Definição - Ética O termo ética deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade. A ética serve para que haja um equilíbrio e bom funcionamento social, possibilitando que ninguém saia prejudicado. Neste sentido, a ética, embora não possa ser confundida com as leis, está relacionada com o sentimento de justiça social.
  4. 4. Moral Definição: Padrões aceitos de certo e errado aplicados ao comportamento individual; Herda-se padrões morais: •Família; •Religião; •Amigos; •Mídia: •Televisão; •Cinema; •Música; •Livros.
  5. 5. Moral Exemplos de aspectos morais onde não há concordância: • Jogos de azar; • Dança; • Álcool; • Carne; • Etc... Direitos morais: são pleitos justos (demandas) que pertencem a todos os seres humanos, independentemente de serem reconhecidos por um governo.
  6. 6. Moral  A civilização reconhece os direitos humanos: Boa parte do mundo “civilizado” acredita que prisioneiros não devem ser torturados; Podem ser fontes de controvérsias: Os direitos morais devem ser estendidos a seres não humanos? Se sim, a construção de barragens pode ficar limitada pois produz impacto na sobrevivência de espécies de animais e vegetais.
  7. 7. Exemplo 1 Uma companhia química desenvolveu um novo processo que produz resíduos. Seus próprios estudos internos mostraram que esse resíduo pode ser extremamente cancerígeno. No entanto, o resíduo não consta na lista do governo de materiais químicos proibidos, portanto não está fora da lei. • Entretanto qual deveria engenheiro responsável? ser a postura do
  8. 8. Exemplo 2 O engenheiro resolve comprar uma peça com dinheiro do próprio bolso e reembolsar-se com CDs para computador em valor exatamente equivalente; Não é um comportamento imoral à priori nenhum roubo foi cometido, entretanto não há regras diferentes para este caso; A Lei deve ser imparcial
  9. 9. ÉTICA DA ENGENHARIA - Definição • Conjunto de padrões comportamentais engenheiros devem respeitar; que todos os • Extensão dos padrões éticos de convívio dos seres humanos; Pesquisas de opinião pública listam a engenharia entre as atividades profissionais mais éticas. setrab.com.br
  10. 10. Regras de Interação • Engenheiro: • Ser honesto;  Sociedade: • Remunerar o trabalho; • Sem preconceito; • Trabalhador; • Cuidadoso; • Respeito ao trabalho executado; • Respeito à criatividade; engenheiro Sociedade
  11. 11. Direito Definição: Sistema de regras estabelecidas por autoridades, pela sociedade ou por costumes; • A violação dessas regras resultam punições: • Multas; • Prisão; • Serviços comunitários; • Morte; • Descredenciamento; • Suspensão.
  12. 12. Código de Ética Conceito geral e abstrato de comportamento correto e incorreto derivados da teologia, da filosofia e das sociedades profissionais; A maioria das sociedades profissionais possui um código de ética formal para guiar seus membros; Sociedade profissional de engenharia: Sistema CONFEA/CREA
  13. 13. SOCIEDADE PROFISSIONAL CONFEA = Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia; Criado em 1933 por Getúlio Vargas para regulamentar a profissão de engenharia, arquitetura e agronomia no Brasil; Atualmente agrega: Geógrafos; Geólogos; Meteorologistas; Tecnólogos dessas modalidades; Técnicos industriais e agrícolas
  14. 14. SOCIEDADE PROFISSIONAL O CONFEA zela pelos interesses sociais e humanos de toda a sociedade e, com base nisso, regulamenta e fiscaliza o exercício profissional dos que atuam nas áreas que representa, tendo ainda como referência o respeito ao cidadão e à natureza. O Conselho Federal é a instância máxima à qual um profissional pode recorrer no que se refere ao regulamento do exercício profissional.
  15. 15. SOCIEDADE PROFISSIONAL CREA = Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia: O CREA SP foi fundado em 1934; “A missão dos profissionais da área tecnológica é transformar recursos naturais em bens à sociedade, melhorando a sua qualidade de vida, sem prejuízo ao meio ambiente” = primeiro artigo da lei que rege essas profissões.
  16. 16. CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO, DO ARQUITETO E DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO • São deveres dos profissionais de Engenharia, da Arquitetura e Agronomia: 1º: Interessar-se pelo bem público e como tal finalidade contribuir com seus conhecimentos, capacidade e experiência para melhor servir à humanidade. 2º: Considerar a profissão como alto título de honra e não praticar nem permitir a prática de atos que comprometam a sua dignidade. 3º: Não cometer ou contribuir para que se cometam injustiças contra colegas. 4º: Não praticar qualquer ato que, direta ou indiretamente, possa prejudicar legítimos interesses de outros profissionais. 5º: Não solicitar nem submeter propostas contendo condições que constituam competição de preços por serviços profissionais.
  17. 17. CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO, DO ARQUITETO E DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO 6º: Atuar dentro da melhor técnica e do mais elevado espírito público, devendo, quando Consultor, limitar seus pareceres às matérias específicas que tenham sido objeto da consulta. 7º: Exercer o trabalho profissional com lealdade, dedicação e honestidade para com seus clientes e empregadores ou chefes, e com espírito de justiça e eqüidade para com os contratantes e empreiteiros. 8º: Ter sempre em vista o bem-estar e o progresso funcional dos seus empregados ou subordinados e tratá-los com retidão, justiça e humanidade. 9º: Colocar-se a par a legislação que rege o exercício profissional da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia, visando a cumpri-la corretamente e colaborar para sua atualização e aperfeiçoamento.
  18. 18. O Engenheiro Ético – resumindo • Proteger a segurança, a saúde e o bem-estar públicos; • Atuar apenas em áreas de competência; • Ser verdadeiro e objetivo; • Comportar-se de forma honrosa e digna; • Seguir aprendendo para aprimorar as aptidões técnicas; • Prover trabalho honesto aos empregadores e clientes;
  19. 19. O Engenheiro Ético – resumindo • Informar as autoridades competentes danosas, perigosas ou ilegais; sobre atividades • Envolver-se com assuntos cívicos e comunitários; • Proteger o meio ambiente; • Não aceitar propinas ou presentes que possam interferir no julgamento da engenharia; • Proteger informação confidencial de empregadores e clientes; • Evitar conflitos de interesse.
  20. 20. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS É fundamental para o engenheiro desenvolver uma visão sistêmica do mundo, ou seja: reconhecer que, como agente de transformação social, ele faz parte do todo. michellemedeiros.wordpress.com
  21. 21. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS Ao tomar consciência da necessidade de conciliar sua habilidade técnica (a de executar sua atividade específica) com a habilidade humana (a de desenvolver o relacionamento humano proativo), esse profissional desenvolverá a habilidade conceitual, a qual está diretamente associada à coordenação e integração de todas as atividades, atitudes e interesses da organização a qual pertence ou presta serviço.
  22. 22. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS Abertura de crateras que engolem ruas, casas e pessoas, para dar passagem ao metrô. Poluição de rios, cujas águas abastecem cidades e permitem a sobrevivência de populações ribeirinhas. Degelo de calotas polares devido à emissão de gases na atmosfera que põe em risco a vida neste planeta. A questão que aflora é: até onde se estende a responsabilidade do engenheiro em tais catástrofes?
  23. 23. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS O século passado e o início deste foi e é marcado, notadamente, pela formação técnica dos profissionais de engenharia, cujo objeto de aplicação de seu trabalho é a de atender as necessidades da organização a qual está vinculado, a despeito das conseqüências para o restante dos stakholders, principalmente a sociedade civil e o meio ambiente. Face às possibilidades inteiramente novas da tecnologia, uma nova ética torna-se necessária e que diz respeito ao futuro do próprio planeta.
  24. 24. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS Clemente Nóbrega, em consulta à revista Você s.a, menciona: “No futuro, a tolerância com funcionários antiéticos será zero, porque a tendência é que a ética seja cada vez mais valorizada”. ? filhosdegaia.blogspot.com
  25. 25. O engenheiro socialmente responsável Conceitual Social Ética Legal Técnica Técnica Econômica Humana
  26. 26. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS Responsabilidade econômica. A sociedade profissional receba o que é justo. espera que o Responsabilidade técnica. A sociedade espera que o profissional seja capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.
  27. 27. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS Responsabilidade legal. A sociedade espera que as atividades desse profissional produzam serviços (processos e/ou produtos) que tenham padrões de segurança e obedeçam as leis trabalhistas, ambientais estabelecidas pelo governo. Responsabilidade ética. A sociedade espera que as tomadas de decisões por parte desse profissional seja resultados da análise e reflexão ética, exigindo que as tomadas de decisões sejam feitas considerando-se os efeitos das ações, honrando o direito dos outros, cumprindo deveres e evitando prejudicar o outro interno e externo à organização, fundamentado no respeito aos valores morais.
  28. 28. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS Responsabilidade social. A sociedade espera que esse profissional, enquanto dotado de decisão estratégica na empresa, faça-a contribuir com recursos para a comunidade, visando a melhoria da qualidade de vida.
  29. 29. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS É importante ressaltar que a responsabilidade ética da engenharia nasce da reflexão sobre ética em si, vendo-a como o certo e o errado, podendo-se considerar antiético tudo aquilo que pode causar algum tipo de mal ou dano às pessoas e ao meio que as cerca, tirando-as do lugar cômodo de centro do mundo, para dele fazerem parte, bem como lhe imputando a responsabilidade de preservarem a vida, em toda a sua extensão, seja dentro de uma organização seja fora dela.
  30. 30. Material consultado • A Responsabilidade Social Na Formação De Engenheiros - Marco Aurélio Cremasco. • PUC – Campinas – CEATEC 61051 – Introdução à Engenharia Ética Professora: Ana Elisabete P. G. A. Jacintho • http://www.confea.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?tpl=h ome
  31. 31. Atividade Resumo e comentário sobre o texto • http://www.uniethos.org.br/_Uniethos/Documents/A%20Res ponsabilidade%20Social%20na%20Forma%C3%A7%C3%A3o% 20de%20Engenheiros.pdf • A Responsabilidade Social na Formação de Engenheiros Autor: Marco Aurélio Cremasco Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Campinas, SP ENTREGAR DIA 05/04

×