RESÍDUOS SÓLIDOS
Aula 7 – Tratamento Térmico – Co-processamento
Co-processamento
Primeiras
Iniciativas na década de 90
com uso de resíduos em fornos
de produção de clínquer é
uma técnica...
POR QUE CO-PROCESSAMENTO?
A

parcela orgânica dos resíduos é destruída
termicamente, havendo o aproveitamento energético. ...
RESÍDUOS PASSÍVEIS DE
CO-PROCESSAMENTO
Para geradores que não aceitam o aterro como
solução e/ou geradores de grandes volu...
RESÍDUOS PASSÍVEIS DE
CO-PROCESSAMENTO
Relacionamos abaixo os resíduos classificados como
perigosos mais comuns no co-proc...
RESÍDUOS PASSÍVEIS DE
CO-PROCESSAMENTO
RESÍDUOS QUE NÃO PODEM SER
CO-PROCESSADOS






SERVIÇO DE SAUDE
DOMICILIARES BRUTO
EXPLOSIVOS
RADIOATIVOS
AGROTOXICO...
Custo de Tratamento/Disposição
Tipo

Custo (R$/tonelada)
(Janeiro 2003)

Aterro de Resíduos Domiciliares

40,00 – 50,00

A...
Custo para a disposição de resíduos






Resíduos classe I – incineradores - R$500,00 a
R$3000,00/ tonelada
Resíduos C...
Cuidados Ambientais
Cuidados Ambientais
Transporte
 Treinamentos anuais
 Equipe multidisciplinar
 Logística

proambientaltecnologia.com.br
...
Cuidados Saúde e Segurança
Procedimento de recebimento de resíduos
 Medidas de prevenção e controle;
 Controle na entrad...
Cuidados Saúde e Segurança






Identificação das possíveis situações de riscos;
Incêndios ou explosões ;
Liberação ...
Co-processamento de resíduos
em fornos de cimento
A combustão é a reação-chave do processo de
fabricação de cimento, que t...
Co-processamento de resíduos
em fornos de cimento
Matéria
prima
Via
úmida

Via seca

Fornos antigos
1200-1400 kcal/kg clín...
Co-processamento de resíduos
em fornos de cimento
A

queima no interior do forno de cimento
(equipamentos rotativos de 2-6...
FLUXOGRAMA DE PROCESSO
CO-PROCESSAMETO

Unidade de
Blendagem

Fábrica de
Cimento

• Portaria
• Balança
• Inspeção
• Armaze...
Entrada de resíduos nos fornos – Rio
Branco – Paraná - Votorantim
Co-processamento de resíduos
em fornos de cimento
O cimento proveniente do co-processamento deve
obedecer as normas da ABN...
Descrição do Processo de Fabricação
de Cimento – Exemplo SP
O cimento consiste na mistura homogênea de matérias
minerais, ...
Descrição do Processo de Fabricação
de Cimento – Exemplo SP
O processo pode ser dividido
em 5 grandes etapas:
a) Extração ...
a - EXTRATAÇÃO DO CALCÁRIO E DA
ARGILA
britadorpedra.com.br

A extração dos minérios é feita com
o auxílio de explosão de ...
b - HOMOGENEIZAÇÃO DA MISTURA
(FARINHA)
Esta etapa inicia-se com a mistura dos minérios
triturados - calcário e argila – s...
c - OBTENÇÃO DO CLÍNQUER
A farinha é "bombeada" do silo para
o forno de síntese onde é então
queimada, juntamente com carv...
d - OBTENÇÃO DO CIMENTO
O clínquer é transportado dos silos para a moega,
onde é feita sua mistura com a escória e gesso. ...
e - ENSACAMENTO
O cimento é transportado por gravidade do silo para
as ensacadeiras. A capacidade de cada máquina é
de 44 ...
Esquema do processo de fabricação de cimento
Política de Resíduos Sólidos
I – Minimização
da Geração

II – Reutilização
III - Reciclagem

IV – Tratamento
V – disposiçã...
PROCESSOS DE REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM
DEFINIDOS PELA RESOLUÇÃO CONAMA 313/02
Metodologia de Gestão Ambiental para
Co-Processamento
P (planejar)
PRÉ- REQUISITOS PARA O CO-PROCESSAMENTO
QUALIDADE AMBIENTAL, SEGURANÇA E SAÚDE
PÚBLICA
O co-processamento não...
P (planejar)
QUALIDADE DO PRODUTO E AFINS
Não causar prejuízos às instalações, equipamentos e
qualidade do produto (ciment...
AVALIAÇÃO DE
VIABILIDADE LEGAL, TÉCNICA
E ECONÔMICA
ETAPA DE LICENCIAMENTO
AMBIENTAL

silex.com.br

clickescolar.com.br

n...
AVALIAÇÃO LEGAL,
TÉCNICA E ECONÔMICA
CHECK-LIST PRELIMINAR
 O resíduo é permitido para co-processamento? Não permitidos: ...
VALORIZAÇÃO DO RESÍDUO
ETAPA DE PRÉ-CONDICIONAMENTO
BOAS PRÁTICAS DE VALORIZAÇÃO DOS RESÍDUOS
•Segregação na fonte;
• Educ...
VALORIZAÇÃO DO RESÍDUO
ETAPA DE PRÉ-CONDICIONAMENTO
• Uso como matéria-prima em substituição de recursos
naturais finitos;...
C (checar)
A Resolução Conama 264/99 não especificou
valores para o poder calorífico dos resíduos ou
mistura de resíduos p...
CONTROLE DE QUALIDADE DOS RESÍDUOS
E/OU MISTURAS ALIMENTADAS AO FORNO
As características dos resíduos e/ou das misturas
se...
CONTROLE DE QUALIDADE DOS RESÍDUOS
E/OU MISTURAS ALIMENTADAS AO FORNO
Os requisitos para as misturas são estabelecidos com...
EMISSÕES ATMOSFÉRICAS NO
COPROCESSAMENTO
LEGISLAÇÃO APLICADA
Resolução Conama 264/99
• monitoramento contínuo: MP ; CO/THC...
GESTÃO AMBIENTAL DAS EMISSÕES
ATMOSFÉRICAS NO CO-PROCESAMENTO
Sistema Contínuo de Análise de :
MP, CO , O2 , SO2 , NO/NO2 ...
A (avaliar resultados)
Ganho
Ambiental:
Destinação
ambientalmente
adequada com economia de recursos ambientais 15 20% de s...
A (avaliar resultados)
• Solução final e definitiva
• Transforma Resíduos em Recursos
• Valorização de resíduos
• Emissão ...
RESOLUÇÃO CONAMA

nº 264, de 26 de agosto de 1999

Licenciamento de fornos rotativos de produção de
clínquer para atividad...
RESOLUÇÃO CONAMA

nº 264, de 26 de agosto de 1999

Art. 8o
§ 1o O resíduo pode ser utilizado como substituto
matéria-prima...
RESOLUÇÃO CONAMA

nº 264, de 26 de agosto de 1999

§ 3o O processo de licenciamento será tecnicamente
fundamentado com bas...
RESOLUÇÃO CONAMA

nº 264, de 26 de agosto de 1999

Dos Critérios para Seleção dos Principais Compostos
Orgânicos Perigosos...
RESOLUÇÃO CONAMA

nº 264, de 26 de agosto de 1999

Dos Limites de Emissão
Art. 28. O co-processamento de resíduos em forno...
Resolução CONAMA
RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de
2002 - Publicada no DOU no 224, de 20 de
novembro de 2002, S...
Sugestão de vídeos
http://www.snic.org.br/video/videosnic_coprocess.ht
m
http://www.youtube.com/watch?v=DjjwOI64iIc
Bibliografia






CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS EM FORNOS DE
CIMENTO - Marília Tissot Vice-Coordenadora do
Conselho Tem...
Bibliografia
DESTINAÇAO FINAL DE RESIDUOS INDUSTRIAIS
PELA TECNICA DE CO-PROCESSAMENTO - SaintClair Honorato Santos ; Proc...
Aula 7   co-processamento
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 7 co-processamento

1.411 visualizações

Publicada em

Aula de resíduos sólidos baseada em diversos materiais e autores.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Aula 7 co-processamento

  1. 1. RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 7 – Tratamento Térmico – Co-processamento
  2. 2. Co-processamento Primeiras Iniciativas na década de 90 com uso de resíduos em fornos de produção de clínquer é uma técnica de utilização de resíduos sólidos industriais a partir do processamento desses como substituto parcial de matéria-prima e / ou de combustível no sistema forno de produção de clínquer, na fabricação de cimento. compromissoconsciente.blogspot.com Introdução Processo de valorização de resíduos industriais, que consiste no reaproveitamento/reciclagem de resíduos industriais
  3. 3. POR QUE CO-PROCESSAMENTO? A parcela orgânica dos resíduos é destruída termicamente, havendo o aproveitamento energético. A parcela inorgânica é inertizada e se combina com os elementos já existentes nas matérias-primas do cimento, não havendo geração de resíduos. O reaproveitamento de resíduos via co-processamento, é uma alternativa de destino final que representa custo ao gerador em razão das operações de précondicionamento de resíduos (exemplo: segregação, misturas, trituração) e operações de alimentação ao forno.
  4. 4. RESÍDUOS PASSÍVEIS DE CO-PROCESSAMENTO Para geradores que não aceitam o aterro como solução e/ou geradores de grandes volumes de resíduos com valor agregado [exemplo: pneu; CDR - Combustível Derivado de Resíduo (normalmente compreende os rejeitos de processos de coleta seletiva e/ou reciclagem compostos majoritariamente de plástico, papel, madeira)], etc
  5. 5. RESÍDUOS PASSÍVEIS DE CO-PROCESSAMENTO Relacionamos abaixo os resíduos classificados como perigosos mais comuns no co-processamento: •Borras oleosas e resíduos de processo de manutenção; •Borras de tinta e resíduos de processo de pintura; •Solventes e resíduos orgânicos não clorados (sólidos, pastosos e líquidos); •Lodos de estação de tratamento de efluentes; •Materiais sólidos contaminados diversos (panos, estopas, EPIs, material filtrante,etc •Solos e areias contaminadas com HC (sem organoclorado e/ou agrotóxico)
  6. 6. RESÍDUOS PASSÍVEIS DE CO-PROCESSAMENTO
  7. 7. RESÍDUOS QUE NÃO PODEM SER CO-PROCESSADOS      SERVIÇO DE SAUDE DOMICILIARES BRUTO EXPLOSIVOS RADIOATIVOS AGROTOXICOS E AFINS
  8. 8. Custo de Tratamento/Disposição Tipo Custo (R$/tonelada) (Janeiro 2003) Aterro de Resíduos Domiciliares 40,00 – 50,00 Aterro de Resíduos Perigosos 200,00 – 400,00 Incineração de Res. Serviços Saúde 1000,00 – 2500,00 - (1800,00) Coprocessamento Fornos de Cimento 150,00 – 800,00 - (450,00) Incineração de Resíduos Industriais 500,00 – 3000,00 - (1900,00) Disposição média dos Resíduos •Disposição no aterro 76% •Co-processamento 18% •Incineração e outros tratamentos térmicos 3% •Tratamento biológico 3%
  9. 9. Custo para a disposição de resíduos    Resíduos classe I – incineradores - R$500,00 a R$3000,00/ tonelada Resíduos Classe I e IIA – Fornos de cimento – R$150,00 a R$800,00 / tonelada Resíduos Classe IIA e IIB – Aterros industriais – R$60,00 a R$130,00 / tonelada Os valores relativos aos custos com autorizações e transporte dos resíduos até o destino final não incluídos. (FIESP,2009)
  10. 10. Cuidados Ambientais
  11. 11. Cuidados Ambientais Transporte  Treinamentos anuais  Equipe multidisciplinar  Logística proambientaltecnologia.com.br ciencia.hsw.uol.com.br Resíduos sólidos  Coleta  Armazenamento  Adequado  Destinação adequada
  12. 12. Cuidados Saúde e Segurança Procedimento de recebimento de resíduos  Medidas de prevenção e controle;  Controle na entrada de resíduos;  Controle no armazenamento;  Equipamentos de proteção individual;  Monitoramento ambiental da saúde trabalhadores;  Treinamento, capacitação e conscientização; dos
  13. 13. Cuidados Saúde e Segurança      Identificação das possíveis situações de riscos; Incêndios ou explosões ; Liberação de gases e vapores tóxicos ou nocivos; Poeiras tóxicas ou nocivas; e Contato com a pele e olhos.
  14. 14. Co-processamento de resíduos em fornos de cimento A combustão é a reação-chave do processo de fabricação de cimento, que transforma as matériasprimas em clínquer. A alta temperatura da chama, o tempo de residência dos gases, a turbulência no interior do forno e vários outros parâmetros da combustão na produção de cimento são ideais e até superiores aos padrões exigidos para a destruição ambientalmente segura de resíduos perigosos. O processo de queima propriamente dito é apenas parte de um todo.
  15. 15. Co-processamento de resíduos em fornos de cimento Matéria prima Via úmida Via seca Fornos antigos 1200-1400 kcal/kg clínquer 2% da indústria no Brasil Fornos modernos 700-850 kcal/kg clínquer 98% da indústria no Brasil na fase de homogeneização da massa crua para a formação da farinha
  16. 16. Co-processamento de resíduos em fornos de cimento A queima no interior do forno de cimento (equipamentos rotativos de 2-6 metros de diâmetro e 40- 70 metros de comprimento) é favorável aos padrões de destruição térmica por possuir altas temperaturas (chama = 20.000°C) , bom tempo de residência (aproximadamente 6 segundos) e turbulência interna.
  17. 17. FLUXOGRAMA DE PROCESSO CO-PROCESSAMETO Unidade de Blendagem Fábrica de Cimento • Portaria • Balança • Inspeção • Armazenamento • BLENDAGEM • Transporte • Alimentação • Queima Blendagem É a mistura de resíduos com o objetivo de homogeneizar os diversos resíduos que serão utilizados de uma mesma forma na unidade de destinação final, garantindo melhor desempenho operacional e qualidade do produto fabricado.
  18. 18. Entrada de resíduos nos fornos – Rio Branco – Paraná - Votorantim
  19. 19. Co-processamento de resíduos em fornos de cimento O cimento proveniente do co-processamento deve obedecer as normas da ABNT, como se fosse um produto produzido em um processo sem a queima de resíduos, portanto não poderá apresentar quaisquer qualidades ou composições que as não normalizadas.
  20. 20. Descrição do Processo de Fabricação de Cimento – Exemplo SP O cimento consiste na mistura homogênea de matérias minerais, moídas e posteriormente queimadas à altas temperaturas. Na sua composição, o calcário e a argila são as principais matérias-primas utilizadas na mistura ( 94% e 4% respectivamente). Além dessas matérias, participam também da mistura minério de ferro e bauxita em menor proporção (2%).
  21. 21. Descrição do Processo de Fabricação de Cimento – Exemplo SP O processo pode ser dividido em 5 grandes etapas: a) Extração do calcário e da argila b) Homogeneização da mistura (farinha) c) Obtenção do clínquer d) Obtenção do cimento e) Ensacamento
  22. 22. a - EXTRATAÇÃO DO CALCÁRIO E DA ARGILA britadorpedra.com.br A extração dos minérios é feita com o auxílio de explosão de dinamites (5.000 Kg/mês). Após a trituração do material (redução de dimensão das pedras e cascalhos), o calcário é transportado por correia até o depósito, onde irá se misturar com a argila e com isso iniciar a etapa de homogeneização da mistura. britadorpedra.com.br
  23. 23. b - HOMOGENEIZAÇÃO DA MISTURA (FARINHA) Esta etapa inicia-se com a mistura dos minérios triturados - calcário e argila – sendo a seguir transportados (por esteira) para o setor de moagem da mistura (moagem crua). A operação de moagem é realizada em moinho de bola com capacidade de 90 ton/h. Nesta fase se obtém a pré homogeneização que consiste na obtenção de uma farinha da mistura de argila com calcário. Esta farinha é "bombeada" para o silo onde ficará armazenada, aguardando a etapa seguinte de obtenção do clínquer.
  24. 24. c - OBTENÇÃO DO CLÍNQUER A farinha é "bombeada" do silo para o forno de síntese onde é então queimada, juntamente com carvão mineral e resíduos a uma temperatura de 1500oC. O forno tem capacidade de 1150 ton/dia. O clínquer, saindo a 120o C do forno, é transportado por esteira e elevador de caneca até os silos, aonde fica estocado aguardando a etapa seguinte - obtenção do cimento.
  25. 25. d - OBTENÇÃO DO CIMENTO O clínquer é transportado dos silos para a moega, onde é feita sua mistura com a escória e gesso. O resultado dessa mistura é carregado até o moinho de bola (com capacidade de 76 ton/h) para obtenção do cimento. O cimento é bombeado para o silo, permanecendo ali estocado para transporte nos caminhões ou aguardando ensaque.
  26. 26. e - ENSACAMENTO O cimento é transportado por gravidade do silo para as ensacadeiras. A capacidade de cada máquina é de 44 sacos/min e cada máquina possui 12 bicos. Após o ensaque, o cimento é transportado por correias para os caminhões, onde então serão carregados.
  27. 27. Esquema do processo de fabricação de cimento
  28. 28. Política de Resíduos Sólidos I – Minimização da Geração II – Reutilização III - Reciclagem IV – Tratamento V – disposição final
  29. 29. PROCESSOS DE REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM DEFINIDOS PELA RESOLUÇÃO CONAMA 313/02
  30. 30. Metodologia de Gestão Ambiental para Co-Processamento
  31. 31. P (planejar) PRÉ- REQUISITOS PARA O CO-PROCESSAMENTO QUALIDADE AMBIENTAL, SEGURANÇA E SAÚDE PÚBLICA O co-processamento não pode afetar de forma negativa a qualidade do meio ambiente, as condições de segurança e saúde pública REAPROVEITAMENTO Contribuição na substituição parcial de combustível ou matéria-prima do processo de fabricação de cimento
  32. 32. P (planejar) QUALIDADE DO PRODUTO E AFINS Não causar prejuízos às instalações, equipamentos e qualidade do produto (cimento) SUSTENTABILIDADE Além dos benefícios ambientais deve representar benefícios econômicos e sociais de longo prazo.
  33. 33. AVALIAÇÃO DE VIABILIDADE LEGAL, TÉCNICA E ECONÔMICA ETAPA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL silex.com.br clickescolar.com.br nordchemie.com.br GERADOR DE RESÍDUO COPROCESSAMENTO RESÍDUOS PASSÍVEIS DE COPROCESSAMENTO D (executar)
  34. 34. AVALIAÇÃO LEGAL, TÉCNICA E ECONÔMICA CHECK-LIST PRELIMINAR  O resíduo é permitido para co-processamento? Não permitidos: agrotóxico – explosivos – radioativos - Resíduos de serviço de saúde – domiciliares brutos  As características do resíduo são compatíveis com os Processos de pré condicionamento e de clinquerização?  Existe disposição à pagar que atenda Análise de custo benefício?
  35. 35. VALORIZAÇÃO DO RESÍDUO ETAPA DE PRÉ-CONDICIONAMENTO BOAS PRÁTICAS DE VALORIZAÇÃO DOS RESÍDUOS •Segregação na fonte; • Educação ambiental e capacitação técnica; • Operações de prensagem, trituração, homogeneização, acondicionamento, etc; • Reduzir a heterogeneidade própria de resíduos e obter misturas mais homogêneas; • Migrar de uma destinação final na forma de disposição para uma destinação final que implique no reaproveitamento/reciclagem do resíduo com economia de recursos naturais;
  36. 36. VALORIZAÇÃO DO RESÍDUO ETAPA DE PRÉ-CONDICIONAMENTO • Uso como matéria-prima em substituição de recursos naturais finitos; • Uso como combustível alternativo em substituição à combustíveis fósseis não renováveis; • Minimização e gestão de riscos potenciais à saúde e ao meio ambiente (evitar passivos); • Logística de transporte (transportar mais quantidade em menos número de viagem); • Responsabilidade social.
  37. 37. C (checar) A Resolução Conama 264/99 não especificou valores para o poder calorífico dos resíduos ou mistura de resíduos por entender que tal valor deveria ser estabelecido pela fábrica em função das peculiaridades do processo. Tintas e vernizes Solventes Resíduos de destilação Resíduos Farmaceuticos Exemplo do poder calorífico Plasticos não clorados Papel Resíduos de madeira Carvão 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 Poder calorífico relativo ao carvão (28 kJ/t)
  38. 38. CONTROLE DE QUALIDADE DOS RESÍDUOS E/OU MISTURAS ALIMENTADAS AO FORNO As características dos resíduos e/ou das misturas sejam elas químicas (teor de cinzas, água, metais, componentes orgânicos), físicas (sólido, pastoso ou líquido) ou energética (Poder Calorifico) são controladas através de requisitos previamente estabelecidos pela fábrica de cimento, permitindo o gerenciamento do ganho energético e substituição de matéria-prima, assim como a gestão ambiental, riscos de processo e de exposição.
  39. 39. CONTROLE DE QUALIDADE DOS RESÍDUOS E/OU MISTURAS ALIMENTADAS AO FORNO Os requisitos para as misturas são estabelecidos com base nas características do ponto de alimentação ao forno, dos equipamentos utilizados para alimentação ao forno e parâmetros de processo (PC, umidade e cinzas e seus compostos), objetivando compor uma mistura com característica de baixo potencial poluidor/risco e de elevado aproveitamento energético (substituição do coque – derivado de combustível fóssil ) e de materiais (substituição de matéria-prima – recursos naturais).
  40. 40. EMISSÕES ATMOSFÉRICAS NO COPROCESSAMENTO LEGISLAÇÃO APLICADA Resolução Conama 264/99 • monitoramento contínuo: MP ; CO/THC ; •Monitoramento periódico: HCl/Cl2; HF; EDR/PCOPs; METAIS; Resolução Conama 316/02 •Monitoramento periódico: dioxinas e furanos
  41. 41. GESTÃO AMBIENTAL DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS NO CO-PROCESAMENTO Sistema Contínuo de Análise de : MP, CO , O2 , SO2 , NO/NO2 e THC Periódico : SO2, NO/NO2, CO, O2, THC e MP, PCOP´s, EDR, Metais, Cl/Cl2, HF e CN
  42. 42. A (avaliar resultados) Ganho Ambiental: Destinação ambientalmente adequada com economia de recursos ambientais 15 20% de substituição energética 5% de substituição de matéria-prima A experiência tem mostrado que a substituição de coque por resíduo pode contribuir na redução de emissão de gases poluentes (NOx) e gases de efeito estufa (CO2) Ganho Econômico e Social: geração de conhecimento, emprego e renda, aumento da competitividade da indústria de cimento com ganhos sociais e econômicos decorrentes para a sociedade.
  43. 43. A (avaliar resultados) • Solução final e definitiva • Transforma Resíduos em Recursos • Valorização de resíduos • Emissão de Relatórios com evidências objetivas de atendimento à legislação ambiental • Elimina riscos de passivos ambientais • Poupa recursos naturais não renováveis
  44. 44. RESOLUÇÃO CONAMA nº 264, de 26 de agosto de 1999 Licenciamento de fornos rotativos de produção de clínquer para atividades de co-processamento Art. 6o O produto final (cimento) resultante da utilização de resíduos no co-processamento em fornos de clínquer, não deverá agregar substâncias ou elementos em quantidades tais que possam afetar a saúde humana e o meio ambiente.
  45. 45. RESOLUÇÃO CONAMA nº 264, de 26 de agosto de 1999 Art. 8o § 1o O resíduo pode ser utilizado como substituto matéria-prima desde que apresente características similares às dos componentes normalmente empregados na produção de clínquer. incluindo neste caso os materiais mineralizadores e/ou fundentes. § 2o O resíduo pode ser utilizado como substituto de combustível, para fins de reaproveitamento de energia, desde que o ganho de energia seja comprovado.
  46. 46. RESOLUÇÃO CONAMA nº 264, de 26 de agosto de 1999 § 3o O processo de licenciamento será tecnicamente fundamentado com base nos estudos a seguir relacionados, que serão apresentados pelo interessado: I - Estudo de Viabilidade de Queima - EVQ; II - Plano de Teste em Branco; III - Relatório de Teste Branco; IV - Plano de Teste de Queima - PTQ; V - Relatório de Teste de Queima; e VI - Análise de Risco.
  47. 47. RESOLUÇÃO CONAMA nº 264, de 26 de agosto de 1999 Dos Critérios para Seleção dos Principais Compostos Orgânicos Perigosos - PCOPs Art. 25. A seleção dos PCOPs deverá ser baseada no grau de dificuldade de destruição de constituintes orgânicos do resíduo, sua toxicidade e concentração no resíduo. Art. 26. A Eficiência de Destruição e Remoção - EDR dos PCOPs, deverá ser de no mínimo, noventa e nove por cento. Art. 27. Para confirmação do EDR, a taxa de alimentação do(s) PCOP(s) selecionado(s) deverá ser compatível com os limites de detecção dos métodos de amostragem e análises das emissões atmosféricas.
  48. 48. RESOLUÇÃO CONAMA nº 264, de 26 de agosto de 1999 Dos Limites de Emissão Art. 28. O co-processamento de resíduos em fornos de clínquer deverá observar os limites máximos de emissão atmosférica, fixados na Tabela 1, respeitando o seguinte:
  49. 49. Resolução CONAMA RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 - Publicada no DOU no 224, de 20 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 92-95 – Correlações: Artigo 18 alterado pela Resolução CONAMA nº 386/06 - Dispõe sobre procedimentos e critérios para o funcionamento de sistemas de tratamento térmico de resíduos. RESOLUÇÃO CONAMA no 386, de 27 de dezembro de 2006 Publicada no DOU nº 249, de 29 de dezembro de 2006, Seção 1, página 665 Correlações: · Altera o art. 18 da Resolução CONAMA no 316/02 Altera o art. 18 da Resolução CONAMA no 316, de 29 de outubro de 2002.
  50. 50. Sugestão de vídeos http://www.snic.org.br/video/videosnic_coprocess.ht m http://www.youtube.com/watch?v=DjjwOI64iIc
  51. 51. Bibliografia    CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS EM FORNOS DE CIMENTO - Marília Tissot Vice-Coordenadora do Conselho Temático de Meio Ambiente e Recursos Naturais da FIEP - JULHO/08 Gestão de Resíduos Perigosos no co-processamento Renata Mendes de Sousa Carmo Borges Roberto Jorge Caeiro de Almeida Junior 28/5/2008 - III Seminário Estadual de acidentes com produtos perigosos Gestão de risco - Grupo Holcim Co-processamento de Resíduos Industriais em Fornos de Clínquer Carlos Eduardo Komatsu CETESB – FIMAI 04/11/2004
  52. 52. Bibliografia DESTINAÇAO FINAL DE RESIDUOS INDUSTRIAIS PELA TECNICA DE CO-PROCESSAMENTO - SaintClair Honorato Santos ; Procurador de Justiça Carlos Eduardo Celli - Acadêmico de Eng. Química CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E O IMPACTO NA SAÚDE DO TRABALHADOR E NO MEIO AMBIENTE: O CASO DA INDÚSTRIA DE CIMENTO DE CANTAGALO/RJ. Ubirajara A.O. Mattos; Fátima Sueli Neto Ribeiro Rio de Janeiro,2003

×