BIZCOOL - Fluxo de caixa

210 visualizações

Publicada em

Empreender não te exime de enfrentar os números, aprenda a fazer e controlar o seu fluxo de caixa para que sua empresa fique no azul.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
210
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

BIZCOOL - Fluxo de caixa

  1. 1. FLUXO  DE  CAIXA   ORGANIZANDO  OS  NÚMEROS  DA  EMPRESA   VERSÃO  3.0  
  2. 2. PEDRO TEIXEIRA TROPOS LAB SÓCIO OPERAÇÕES
  3. 3. AQUECIMENTO
  4. 4. EM DUPLAS Quais são os grandes planos financeiros que você tem para o próximo ano? E para a vida? Como você se organiza financeiramente para atingir esses planos?
  5. 5. COMO ORGANIZAR FINANCEIRAMENTE UMA EMPRESA
  6. 6. FUCA EMAIM QUESUMA - PRMC
  7. 7. FLUXO DE CAIXA É MAIS IMPORTANTE QUE SUA MÃE - PAULO RENATO MACEDO CABRAL
  8. 8. FLUXO DE CAIXA
  9. 9. PARA QUE SERVE ü  Controlar entrada e saída de capital da empresa ü  Planejar investimentos, gastos e recebimentos futuros ü  Estabelecer metas para as demais áreas da empresa ü  Determinar orçamento para as demais áreas da empresa
  10. 10. MODELO DE RECEITA PONTOS IMPORTANTES
  11. 11. As fontes de receita representam o dinheiro que uma empresa gera a partir de cada segmento de cliente. OU SEJA COMO VOCÊ GANHA DINHEIRO FONTE DE RECEITAS
  12. 12. Venda  de  a7vos       Consiste  na  venda  de  direitos  de   propriedade  de  um  produto  =sico.  A   Amazon.com  vende  livros,  música,   eletrônica  de  consumo,  e  muito  mais   online.  A  Fiat  vende  automóveis,  que   compradores  estão  livres  para   movimentar,  revender  ou  mesmo   destruir.   Taxa  de  u7lização     Esta  receita  é  gerada  pelo  uso  de  um   determinado  serviço.  Quanto  mais  o   serviço  é  uMlizado,  mais  o  cliente  paga.  A   operadora  de  telecomunicações  pode   cobrar  pelo  número  de  minutos  usados.   Um  hotel  cobra  o  número  de  noites  que   os  quartos  são  uMlizados.  Um  serviço  de   entrega  de  pacotes  cobra  dos  clientes  por   levar  os  pacotes  de  um  local  para  outro.   FONTE DE RECEITAS
  13. 13. FONTE DE RECEITAS Assinaturas     Consiste  na  venda  de  acesso  conRnuo  a   um  serviço.  Um  ginásio  vende  assinaturas   mensais  ou  anuais  aos  seus  membros  em   troca  de  acesso  às  suas  instalações.  O   jogo  de  computador  online  World  of   WarcraX,  permite  aos  usuários  jogarem   os  seus  jogos  na  Web  em  troca  de  uma   mensalidade.   Emprés7mo  /  Locação  /  Leasing       Criada  por  alguém  que  concede   temporariamente  o  direito  exclusivo  de   uMlizar  um  determinado  aMvo  por  um   período  determinado,  em  troca  de  uma   taxa.  A  Zipcar  é  uma  boa  ilustração,  pois   permite  aos  clientes  alugar  carros  por   hora  em  cidades  norte-­‐americanas.    
  14. 14. Licenciamento       Permite  aos  clientes  o  uso  de   propriedade  intelectual  protegida,  em   troca  de  taxas.  Os  Mtulares  adquirem   direitos  de  gerarem  receitas  a  parMr  de   sua  propriedade  sem  terem  de  fabricar   um  produto.  Proprietários  de  conteúdo   retém  os  direitos  autorais.  Proprietários   de  patentes  concedem  a  outras  empresas   o  direito  de  usar  uma  tecnologia.   Taxas  de  corretagem     Deriva  de  serviços  de  intermediação   prestados  em  nome  de  duas  ou  mais   partes.  Os  fornecedores  do  cartão  de   crédito,  por  exemplo,  obtém  receitas  por   uma  percentagem  do  valor  de  cada   operação  Os  corretores  e  agentes   imobiliários  ganham  uma  comissão  cada   vez  que  um  comprador  e  um  vendedor   concluem  uma  negociação.   FONTE DE RECEITAS
  15. 15. Publicidade     Receita  obMda  a  parMr  das  taxas  de   publicidade  de  um  determinado  produto,   serviço  ou  marca.  Tradicionalmente,  os   organizadores  de  eventos  da  indústria  de   mídia  se  baseiam  fortemente  em  receitas   de  publicidade.  Nos  úlMmos  anos,  outros   setores,  incluindo  soXware  e  serviços,   começaram  a  confiar  mais  nas  receitas  de   publicidade.   FONTE DE RECEITAS Estudos  mostram  que  a  taxa  média  é  de  1  click   para  cada  1000  exibições  de  anúncio.  A  cada   click  na  propaganda  durante  a  execução  do   programa,  a  Startup  ganha  uma  porcentagem,   geralmente  alguns  centavos  de  dólar.  Precisa-­‐ se,  portanto,  de  milhões  de  acessos  ao  App  ou   Site  para  gerar  uma  receita  significaMva  
  16. 16. MODELO DE RECEITA PRECIFICAÇÃO PONTOS IMPORTANTES
  17. 17. Cada  fonte  de  receita   pode  ter  mecanismos   diferentes  de  preços   (pricing).  O  Mpo  de   mecanismo  de  preços   escolhido  pode  fazer  uma   grande  diferença  em   termos  de  receitas   geradas.   PRECIFICAÇÃO
  18. 18. Preço  Fixo   (“Menu”)     Preços  pré-­‐definidos   são  baseados  em   variáveis  estáMcas:     Lista  de  preços  –  os  preços  são  fixos  para  os  produtos   individuais,  serviços  ou  outras  proposições  de  valor   Preço  dependente  do  número  ou  qualidade  dos   recursos  da  proposta  de  valor.   Preço  dependente  do  Mpo  e  da  caracterísMca  do   segmento  de  clientes.   Preço  dependente  de  volume,  ou  seja,  varia  em   função  da  quanMdade  comprada.   PRECIFICAÇÃO
  19. 19. Preço  Fixo   (“Menu”)     Preços  pré-­‐definidos   são  baseados  em   variáveis  estáMcas:     Lista  de  preços  –  os  preços  são  fixos  para  os  produtos   individuais,  serviços  ou  outras  proposições  de  valor   Preço  dependente  do  número  ou  qualidade  dos   recursos  da  proposta  de  valor.   Preço  dependente  do  Mpo  e  da  caracterísMca  do   segmento  de  clientes.   Preço  dependente  de  volume,  ou  seja,  varia  em   função  da  quanMdade  comprada.   PRECIFICAÇÃO
  20. 20. Preço  Fixo   (“Menu”)     Preços  pré-­‐definidos   são  baseados  em   variáveis  estáMcas:     Lista  de  preços  –  os  preços  são  fixos  para  os  produtos   individuais,  serviços  ou  outras  proposições  de  valor   Preço  dependente  do  número  ou  qualidade  dos   recursos  da  proposta  de  valor.   Preço  dependente  do  Mpo  e  da  caracterísMca  do   segmento  de  clientes.   Preço  dependente  de  volume,  ou  seja,  varia  em   função  da  quanMdade  comprada.   PRECIFICAÇÃO
  21. 21. Preço  Fixo   (“Menu”)     Preços  pré-­‐definidos   são  baseados  em   variáveis  estáMcas:     Lista  de  preços  –  os  preços  são  fixos  para  os  produtos   individuais,  serviços  ou  outras  proposições  de  valor   Preço  dependente  do  número  ou  qualidade  dos   recursos  da  proposta  de  valor.   Preço  dependente  do  Mpo  e  da  caracterísMca  do   segmento  de  clientes.   Preço  dependente  de  volume,  ou  seja,  varia  em   função  da  quanMdade  comprada.   PRECIFICAÇÃO
  22. 22. Preço  Dinâmico     Mudança  de  preços   com  base  nas   condições  de   mercado:   Negociação  (barganha)  –  Preço  negociado  entre  dois   ou  mais  parceiros   Gerenciamento  de  produção  –  O  preço  depende  de   inventário  ou  hora  da  compra   Em  tempo  real  de  mercado  –  O  preço  é  estabelecido   dinamicamente  com  base  na  oferta  e  na  demanda.   Leilões  –  Preço  determinado  pelo  resultado  da   licitação.   PRECIFICAÇÃO
  23. 23. Preço  Dinâmico     Mudança  de  preços   com  base  nas   condições  de   mercado:   Negociação  (barganha)  –  Preço  negociado  entre  dois   ou  mais  parceiros   Gerenciamento  de  produção  –  O  preço  depende  de   inventário  ou  hora  da  compra   Em  tempo  real  de  mercado  –  O  preço  é  estabelecido   dinamicamente  com  base  na  oferta  e  na  demanda.   Leilões  –  Preço  determinado  pelo  resultado  da   licitação.   PRECIFICAÇÃO
  24. 24. Preço  Dinâmico     Mudança  de  preços   com  base  nas   condições  de   mercado:   Negociação  (barganha)  –  Preço  negociado  entre  dois   ou  mais  parceiros   Gerenciamento  de  produção  –  O  preço  depende  de   inventário  ou  hora  da  compra   Em  tempo  real  de  mercado  –  O  preço  é  estabelecido   dinamicamente  com  base  na  oferta  e  na  demanda.   Leilões  –  Preço  determinado  pelo  resultado  da   licitação.   PRECIFICAÇÃO
  25. 25. Preço  Dinâmico     Mudança  de  preços   com  base  nas   condições  de   mercado:   Negociação  (barganha)  –  Preço  negociado  entre  dois   ou  mais  parceiros   Gerenciamento  de  produção  –  O  preço  depende  de   inventário  ou  hora  da  compra   Em  tempo  real  de  mercado  –  O  preço  é  estabelecido   dinamicamente  com  base  na  oferta  e  na  demanda.   Leilões  –  Preço  determinado  pelo  resultado  da   licitação.   PRECIFICAÇÃO
  26. 26. MODELO DE RECEITA PRECIFICAÇÃO ESTRUTURA DE CUSTOS PONTOS IMPORTANTES
  27. 27. A  estrutura  de  custos   descreve  todos  os  custos   incorridos  para  operar  um   modelo  de  negócio:     ü  criar  e  entregar  valor,     ü  manter  o   relacionamento  com  os   clientes,     ü  gerar  receitas.     ESTRUTURA DE CUSTOS
  28. 28. Custos  fixos     São  os  custos  que  permanecem  os   mesmos,  apesar  do  volume  de  bens  ou   serviços  produzidos.  Exemplos  incluem   salários,  aluguéis,  e  instalações  =sicas  de   produção.  Algumas  empresas,  como   empresas  de  manufatura,  são   caracterizadas  por  uma  elevada   proporção  de  custos  fixos.   ESTRUTURA DE CUSTOS
  29. 29. Custos  variáveis     São  os  custos  que  variam   proporcionalmente  com  o  volume  de   bens  ou  serviços  produzidos.  Algumas   empresas,  como  fesMvais  de  música,  são   caracterizados  por  uma  elevada   proporção  dos  custos  variáveis.   ESTRUTURA DE CUSTOS
  30. 30. MODELO DE RECEITA PRECIFICAÇÃO ESTRUTURA DE CUSTOS PONTOS IMPORTANTES MARGEM E CANAIS
  31. 31. MARGEM E CANAIS Uma  empresa  pode  optar   por  uMlizar  venda  direta   ou  canais.  
  32. 32. Venda  direta     Lucro  =  Receita  –  custos     As  empresas  que  optam  por  esse  Mpo  de   estratégia  possuem  %  de  lucros  maiores,   mas  podem  ter  menos  receitas.   MARGEM E CANAIS
  33. 33. Revendedores     Lucro  =  Receita  –  custos  –  porcentagem   do  canal     As  empresas  que  optam  por  esse  Mpo  de   estratégia  possuem  %  de  lucros  menores,   mas  em  geral  possuem  maior  fluxo  de   vendas.   MARGEM E CANAIS
  34. 34. MODELO DE RECEITA PRECIFICAÇÃO ESTRUTURA DE CUSTOS DRE PONTOS IMPORTANTES MARGEM E CANAIS
  35. 35. Desembolso  /  saída  de  capital   Recebimento  /  entrada  de  capital   Período   Dias,  meses,   anos,  etc   1   2   3   4  
  36. 36. PAYBACK EXEMPLO:     InvesM  R$100.000,00  em   P&D  e  produção     Minha  venda  por  mês  =  R $10.000,00     Pay  Back  =  10  meses  
  37. 37. VPL – VALOR PRESENTE LÍQUIDO O  dinheiro  vale  mais  hoje  do  que  no  futuro  
  38. 38. VPL – VALOR PRESENTE LÍQUIDO POUPANÇA   TESOURO  DIRETO   RENDA  FIXA   BOLSA  DE  VALORES   IMÓVEIS   OUTRAS  EMPRESAS   O  invesMmento  em  qualquer  projeto,  produto  ou  negócio  deve  render  mais  do   que  outros  Mpos  de  invesMmento  mais  seguros  
  39. 39. MODELO DE RECEITA PRECIFICAÇÃO ESTRUTURA DE CUSTOS DRE FERRAMENTAS DE CONTROLE PONTOS IMPORTANTES MARGEM E CANAIS
  40. 40. PEDRO  TEIXEIRA   pedro@troposlab.com  

×