Tratamento clínico da síndrome pré-menstrual

869 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
869
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tratamento clínico da síndrome pré-menstrual

  1. 1. Tratamento clínico da síndrome pré-menstrual Beatriz S. Monnerat (R1) Orientadora: Dra. Lenita Panaro
  2. 2. Introdução  Semonides (2600 a.C.)  Hipócrates (600 a.C.) Sintomas SPM Retenção do fluxo menstrual  + de 200 sintomas associados.  Manejo frustrante para pacientes e médicos.
  3. 3. Definição “ Síndrome composta por manifestações físicas, emocionais e comportamentais que acomete mulheres em fase reprodutiva na ausência de doença orgânica ou mental que possa simular os sintomas. Essas manifestações clínicas causam ocorrem regularmente durante a fase lútea do ciclo menstrual (após ovulação) e desaparecem ou reduzem significativamente ao término do sangramento menstrual” Magos AL, Studd JWW. The premenstrual syndrome. In: Studd J, editor. Progress in obstetrics and gynaecology. London: Churchill Livingstone; 1984. p. 334-50.
  4. 4. Definições  50% são realmente portadoras da síndrome. Borenstein JE, Dean BB, Yonkers KA, EndicottJ. Using the daily record of severity of problems as a screening instrument for premenstrual syndrome. Obstet Gynecol 2007;109:1068-75.
  5. 5. Classificação American College of Obstetricians and Gynecologist (ACOG):  Até 3 sintomas → SPM leve  3-4 sintomas → SPM moderada  1 sintoma que cause prejuízo significante → SPM severa Presentes em pelo menos de dois a três ciclos consecutivos (anotados em diários prospectivos)
  6. 6. Classificação RCOGMANAGEMENT OF PREMENSTRUAL SYNDROME. RCOG Green-top Guideline No. 48. Dec 2007
  7. 7. Definição  • Transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM) Considerado subtipo e também como a forma mais grave da SPM Valadares GC et al. Transtorno disfórico pré-menstrual revisão – conceito, história, epidemiologia e etiologia. Rev de Psiquiatria Clinica, vol 33, 2006
  8. 8. Epidemiologia  75% a 95% - algum tipo de sintoma pré-menstrual  Prevalência do TDPM é de 3% a 8%  Incidência → 25-35 anos.  Tratamento → metade dos 30 anos.
  9. 9. Fatores de Risco Obesidade  Fatores genéticos  Tabagismo  Dieta  Sedentarismo  Consumo excessivo de cafeína  Consumo de álcool em idade jovem 
  10. 10. Sintomatologia •Sintomas somáticos: Mastalgia, distensão abdominal, cefaleia, dor articular/muscular, edema generalizado/ localizado, dor pélvica, alterações cutâneas (ex: acne) •Sintomas afetivos/psicológicos: Alterações de humor, irritabilidade, agressividade, depressão, isolamento social, alterações de apetite, alterações do padrão de sono.
  11. 11. Sintomatologia  Sintomas → alguns dias até 2 semanas antes  Pico → 2 dias antes  Irritabilidade/raiva → sintomas mais precoces  Deve haver por definição um período livre de sintomas antes da ovulação. Yonkers et al. Premenstrual Syndrome. .Lancet- Author manuscript; available in PMC 2011 June 20.
  12. 12. Sintomatologia A gravidade dos sintomas segundo estágio do ciclo menstrual DRSP = Avaliação diária de gravidade dos problemas. * O pico dos sintomas ocorreu no dia 2 (ou seja, dois dias antes do início da menstruação) para os sintomas depressivos; dia -1 para os sintomas físicos; dias -2 para a raiva, irritabilidade, ou tendência para o conflito; -3 dias para os desejos de comida. Os escores médios dos sintomas para cada fator são mostrados Yonkers et al. Premenstrual Syndrome. .Lancet- Author manuscript; available in PMC 2011 June 20.
  13. 13. Etiologia e Fisiopatologia    A etiologia desconhecida, complexa e multifatorial. Hormônios ovarianos x neurotransmissores (serotonina e GABA). Deficiência de prostaglandinas converter ácido linoléico) (incapacidade de
  14. 14. Diagnóstico Valadares GC et al. Transtorno disfórico pré-menstrual revisão – conceito, história, epidemiologia e etiologia. Rev de Psiquiatria Clinica, vol 33, 2006
  15. 15. Diagnóstico Desordens clínicas com agravamento na fase lútea incluem:  Cefaleia migratória • Epilepsia • Síndrome do colo irritável • Hipotireoidismo •
  16. 16. Diagnóstico LORI M.et al..Premenstrual Syndrome. AMERICAN FAMILYPHYSICIAN.VO 67, Nº 8 / APRIL 15, 2003
  17. 17. Diagnóstico Critérios Diagnósticos para TPM pela ACOG: 1 sintoma somático + 1 sintoma afetivo Durante 5 dias antes da menstruação 2/3 ciclos menstruais consecutivos Os sintomas também devem atender aos seguintes critérios: Ser aliviados dentro de 4 dias após o início da menstruação, sem recorrência até pelo menos o 13º dia do ciclo. Estar presente, na ausência de qualquer terapia farmacológica, a ingestão da hormonal, ou uso de drogas ou de álcool Estar causando disfunção no desempenho social ou econômico Devem ser repetitivos durante 2 ciclos com registro em diário prospectivo de sintomas
  18. 18. Diagnóstico Critérios diagnósticos para TDPM (DSM-IV): 5 sintomas sendo pelo menos 1 sintoma afetivo Semana antes da menstruação 2/3 ciclos menstruais consecutivos Evidência de prejuízo funcional Os sintomas também devem atender aos seguintes critérios: Não devem ser apenas exacerbação de outras doenças Período assintomático de duração relativa entre os dias 2 e 14 do ciclo menstrual Devem ser repetitivos durante 2 ciclos com registro em diário prospectivo de sintomas.
  19. 19. Diagnóstico American College of Obstetrics and Gynecology (ACOG) define SPM moderada a grave usando os seguintes critérios:   Presença de pelo menos um sintoma psicológico ou físico que cause prejuízo significativo Confirmados por anotações prospectivas em diário durante pelo menos dois ciclos consecutivos
  20. 20. Diagnóstico LORI M.et al..Premenstrual Syndrome. AMERICAN FAMILYPHYSICIAN.VO 67, Nº 8 / APRIL 15, 2003
  21. 21. Tratamento Tratamento não farmacológico: Orientações dietéticas: - Diminuição da ingesta de sódio e cafeína - Aumento do consumo de alimentos ricos em triptofano (ex: batata inglesa, feijões, oleaginosas, queijo, morango, abacaxi, melancia...) - Aumento da ingestão de isoflavonas (ex: soja)   Prática regular de exercício  Terapia cognitivo comportamental
  22. 22. Tratamento Tratamento não farmacológico: Suplementos e Vitaminas: - Cálcio - Magnésio - Vitamina E (mastalgia) - Omega 3 - Vitamina B6 
  23. 23. Tratamento Tratamento não farmacológico:  Outras terapias, como acupuntura, biofeedback, homeopatia, massagem, meditação com guia da imaginação, reflexologia e fototerapia.
  24. 24. Tratamento Tratamento fitoterápico: black cohosh dong quai vitex agnus-castus kava kava oenothera biennis ginkgo biloba
  25. 25. Tratamento Paiva SPC, Paula LB, Nascimento LLO. Tensão Pré-Menstrual (TPM): uma revisão baseada em evidências científicas.FEMINA | Junho 2010 | vol 38 | nº 6
  26. 26. Tratamento
  27. 27. Tratamento Tratamento farmacológico:  IRS - Eficazes no alívio dos sintomas físicos e comportamentais - Taxas de sucesso descritas entre 50 a 70% - Mecanismo de ação não se baseia em suas propriedades antidepressivas e ansiolíticas - Início da ação - 24 a 48 horas - Forma contínua ou intermitente (fase lútea:15–28 dias) - Se utilizado de forma contínua sua retirada deve ser gradual
  28. 28. Tratamento Tratamento farmacológico:  Ansiolíticos: - Alprazolan (ex:insonia) - Buspirona (agonista serotonergico 5HT1-A)
  29. 29. Tratamento Tratamento farmacológico: Análogo do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH) - Não é recomendado como primeira droga de escolha e o uso prolongado e deve ser restrito. - Causa supressão do ciclo e eliminação dos sintomas pré-menstruais -Terapia hormonal conjunta é recomendada (TRH contínua ou Tibolona) - Terapia de baixa dose não é recomendada. - Observar densidade óssea anualmente 
  30. 30. Tratamento Tratamento farmacológico: Danazol - Androgênio sintético - Suprime função ovariana (inibe FSH e LH) - Muitos efeitos colaterais (virilização) - Utilizar contracepção durante o tratamento 
  31. 31. Tratamento Tratamento farmacológico: Bromocriptina - Agonista da dopamina - Reduz níveis séricos da prolactina - Diminui mastalgia  Espironolactona - Diurético poupador de potássio - Redução de edema, desconforto mamário, da distensão abdominal e melhora da acne - Seu uso é recomendado somente na fase lútea 
  32. 32. Tratamento Tratamento farmacológico: Estrogênio - Adesivo ou implante - Deve ser combinado com progesterona cíclico (1012 dias) ou DIU medicado - Forma oral não suprime função ovariana  Progesterona - Baseia-se na hipótese de que os sintomas prémenstruais se devem à deficiência da progesterona na fase lútea. Entretanto, os trabalhos e revisões disponíveis até o momento são inconclusivos. 
  33. 33. Tratamento Tratamento farmacológico: Anticoncepcionais orais combinados (ACO) - Supressão da ovulação - Uso contínuo ou com pausa de 4 dias - Associação de drospirenona (Yasmin® e Yaz®)  OBS:uma revisão publicada pela base de dados Cochrane, em 2009, comparando o uso de ACO comum e ACO associado a drospirenona, não observou diferença nos sintomas da TPM após dois anos de tratamento e acompanhamento.
  34. 34. Tratamento Paiva SPC, Paula LB, Nascimento LLO. Tensão Pré-Menstrual (TPM): uma revisão baseada em evidências científicas.FEMINA | Junho 2010 | vol 38 | nº 6
  35. 35. Tratamento Esquema de manejo da SPM (RCOG): 1ª LINHA: Exercício, terapia cognitivo comportamental, vitamina B6, ACO de última geração contínuo ou cíclico, ex: Yasmin®, ISRS em baixas doses de forma contínua ou apenas na fase lútea (15–28 dias) 2ª LINHA: Adesivos de estradiol (100 mcg) + progesterona oral, ex: Duphaston (10mg) D17-D28 ou Mirena®. Dose superior ISRS na fase lútea ou continuamente. 3ª LINHA: Análogos do GnRH + TRH (estrogênio + progesterona combinada contínua ou tibolona) 4ª LINHA: Histerectomia e ooforectomia bilateral + TRH (incluindo testosterona)
  36. 36. Bibliografia 1) American College of Obstetricians and Gynecologists. Clinical management guidelines for obstetriciansgynecologists: premenstrual syndrome. ACOG practice bulletin 15. Washington, DC: ACOG; 2000. 2) Royal College of Obstetricians and Gynaecologists (RCOG). Management of Premenstrual Syndrome (Green-top Guideline No. 48), Panay N (ed.). December 2007. 3) SAMADI, Z.;TAGHIAN, F.; VALIANI, M. The effects of 8 weeks of regular aerobic exercise on the symptoms of premenstrual syndrome in non-athlete girls. Iran J Nurs Midwifery Res. 2013 Jan-Feb; 18(1): 14–19. 4) JAHANFAR, S,.; LYE, M.S.; KRISHNARAJAH, I.S. The heritability of premenstrual syndrome.Twin Res Hum Genet. 2011 Oct;14(5):433-6. doi: 10.1375/twin.14.5.433. 5) DROSDZOL, A.; NOWOSIELSKI, K.; SKRZYPULEC, V.; PLINTA, R. Premenstrual disorders in Polish adolescent girls: prevalence and risk factors. J Obstet Gynaecol Res. 2011 Sep;37(9):1216-21. doi: 10.1111/j.14470756.2010.01505.x. Epub 2011 Apr 26. 6) PAIVA, S.P.C.; PAULA, L.B.; NASCIMENTO, L.L.O. Tensão Pré-Menstrual (TPM): uma revisão baseada em evidências científicas. FEMINA | Junho 2010 | vol 38 | nº 6 7) SKRZYPULEC, V.; DONIEC, Z.; DROSDZOL, A.; NOWOSIELSKI, K.; PAWLIŃSKA-CHMARA, R. The influence of bronchial asthma on premenstrual syndrome prevalence among girls. J Physiol Pharmacol. 2007 Nov;58 Suppl 5(Pt 2):639-46.
  37. 37. Bibliografia 8) BEAUBRUN, G.; GRAY, G.E. A review of herbal medicines for psychiatric disorders. Psychiatr Serv. 2000;51(9):1130-1134. 9) VALADARES, G.C.; FERREIRA, L.V.; CORREA FILHO, H.; ROMANO-SILVA, M.A. Transtorno disfórico prémenstrual revisão – conceito, história, epidemiologia e etiologia. Rev. Psiq. Clín. 33 (3); 117-123, 2006 10) MAGOS, A.L.; STUDD, J.W.W. The premenstrual syndrome. In: Studd J, editor. Progress in obstetrics and gynaecology. London: Churchill Livingstone; 1984. p. 334-50. 11) BORENSTEIN, J.E.; DEAN, B.B.; YONKERS, K.A.; ENDICOTT, J. Using the daily record of severity of problems as a screening instrument for premenstrual syndrome. Obstet Gynecol 2007;109:1068-75. 12) YONKERS ET AL. Premenstrual Syndrome. .Lancet- Author manuscript; available in PMC 2011 June 20. 13) LORI, M. ET AL..Premenstrual Syndrome. American Familyphysician.VO 67, Nº 8 / April 15, 2003 14) ANDREA, L.;COFFEE, D.; THOMAS, J.; KUEHL, S.W.; SULAK, P. J. Oral contraceptives and premenstrual symptoms: Comparison of a 21/7 and extended regimen. American Journal of Obstetrics and Gynecology (2006) 195, 1311–9 .
  38. 38. Bibliografia 15) PANAY, N. Management of premenstrual syndrome. J Fam Plann Reprod Health Care 2009 35: 187-194 16) PEARLSTEIN, T.; STEINER, M. Premenstrual dysphoric disorder: burden of illness and treatment update. J Psychiatry Neurosci 2008;33(4):291-301 17) SOHRABI N. et al. Evaluation of the effect of omega-3 fatty acids in the treatment of premenstrual syndrome: ‘‘A pilot trial’’.Complementary Therapies in Medicine (2013), 141—146

×