SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Atualizações no diagnóstico e
tratamento de chlamydia trachomatis
e neisseria gonorrhoeae
Beatriz S. Monnerat (R1)
Orientadora: Dra. Maria Albina
Introdução
 Neisseria gonorrhoeae

Diplococos Gram-negativos
Fonte: Nat Immunol. 2002 3:229-236.
Introdução
 Chlamydia trachomatis

Bacilo Gram negativo

Intracelular obrigatório

D a K= infecções
geniturinárias

Novo sorotipo E (Suécia)

DST bacteriana mais comum
no mundo ( 90 milhões de
novos casos/ano)
Fisiopatogenia
 Neisseria gonorrhoeae
Fisiopatogenia
 Chlamydia trachomatis
Fatores de Risco

SEXO DESPROTEGIDO

Idade < 25 anos

Início precoce da atividade
sexual

Múltiplos parceiros sexuais

Estado socioeconômico

Tabagismo/ etilismo/ drogas

História prévia de DST

ACO (proteção x risco)

Ectopia cervical (Clamídia)
Apresentações clínicas
 Neisseiria gonorrhoeae

Uretrite gonocócica

Cervicite

Gonorréia anorretal

Gonorréia faríngea

Gonorréia ocular

Artrite gonocócica

DIP
Apresentações clínicas
 Chamydia trachomatis

Uretrite não gonocócica

Epididimite

Cervicite mucopurulenta

Síndrome uretral aguda em mulheres

Doença inflamatória pélvica (DIP)

Proctite aguda

Artrite reativa (Sd. de Reiter)

Linfogranuloma venéreo
Apresentações clínicas
 Cervicite

Maioria é assintomática

Sintomas inespecificos:

Disúria

Dispareunia

Sangramento pós coito

Corrimento
Apresentações clínicas
 Cervicite

Secreção purulenta ou
mucopurulenta endocervical no
exame especular

Friabilidade do colo após
manipulação leve

Presença de abundantes PMN
em esfregaço e coloração de
Gram

Obs: diplococos gram - tem alta
especificidade porém
sensibilidade ≤ 50%.
Apresentações clínicas
 Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

Etiologia:
Fonte: Sweet,R. L. (2011) Treatment or Acute Pelvic Inflammatrory
Disease in Infectious Diseases in Obstetrics and Gynecology, Article
ID 561909, 13 pages doi:10.1155/2011/561909
Apresentações clínicas
 Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

Infecção do trato genital superior
– Endometrite
– Salpingite
– Abscesso tuboovariano
– Peritonite
• Ascensão e disseminação de microrganismos
provenientes da vagina/endocérvice – menstruação?
Apresentações clínicas
 Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

Quadro clínico:
– Assintomáticas
– Descarga cervical purulenta
– Dor pélvica ou abdominal baixa
– Febre (30-40%)
– Sangramento uterino anormal
– Dispareunia
– Sintomas urinários
Apresentações clínicas
 Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

Exame físico:
– Mucopus cervical
– Dor à mobilização do colo
– Dor à palpação abdominal
– Descompressão dolorosa
– Massa palpável em fossas ilíacas
– Dor em hipocôndrio direito
Apresentação clínica
Apresentações clínicas
 Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

Sequelas
Fonte: Mylonas, I. Female genital Chlamydia trachomatis infection:
where are we heading?(2012)
Arch Gynecol Obstet 285:1271–1285
DOI 10.1007/s00404-012-2240-7
Apresentações clínicas
 Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

Sequelas
Fonte: Mylonas, I. Female genital Chlamydia trachomatis infection:
where are we heading?(2012)
Arch Gynecol Obstet 285:1271–1285
DOI 10.1007/s00404-012-2240-7
Diagnóstico

Rastreio anual de TODAS as mulheres sexualmente ativas
≤ 25 anos ou com fatores de risco
Diagnóstico

Clínica – teste do cotonete

Exame a fresco (exclui tricomoníase)
Diagnóstico
Métodos de rastreio:
Kits NAATs ou NATs (Testes de amplificação de ácido
nucleico)
Captura hibrida
ELISA
Imunoensaio enzimático (EIA)
Imunofluorescência direta (DFA)
Diagnóstico
Diagnóstico
Thayer-Martin: Neisseria gonorrhoeae Cultura em células de Mc Coy : Chlamydia trachomatis
Cultura
Thayer-Martin modificado
McCoy
Diagnóstico

Point of Care Tests:

Testes rápidos para Chlamydia

Gram para Neisseria
Resistência
UFRJ- CCS:
2006-2010: 6% resistente a ciprofloxacina
2010-2013: 15% resistente a ciprofloxacina
Resistência

Nova variante Sueca (nvCT)- 2006

Resistência a macrolídeos e tetraciclina
Tratamento
MS em MANUAL DE CONTROLE DAS DSTs -2006
 Cervicite
Tratamento
MS em MANUAL DE CONTROLE DAS DSTs -2006
 DIP- Tratamento Ambulatorial:
Resumindo Antibióticos
 Neisseria Gonorrhoeae
Recomendado:
CEFTRIAXONE 250mg IM, DU
OU
CEFIXIMA 400mg VO, DU
Alternativo: Dose única de cefalosporina injetável
TRATAMENTO CONCOMITANTE PARA CLAMÍDIA
Resumindo Antibióticos
 Chlamydia trachomatis
Recomendado:
AZITROMICINA 1g VO, DU
Ou
DOXICICLINA 100mg VO,
12/12h por 7 dias
Alternativo:
ESTEARATO DE ERITROMICINA 500mg VO 6/6h por 7 dias
Ou
ETINILSUCCINATO DE ERITROMICINA 800mg VO 6/6h por 7 dias
Ou
OFLOXACINO 300mg VO 12/12h por 7 dias
Ou
LEVOFLOXACINO 500mg VO 12/12h por 7 dias
Tratamento
 Chlamydia trachomatis
GESTANTE
Recomendado:
AZITROMICINA 1g VO, DU
Ou
AMOXICILINA 500mg VO,
8/8h por 7 dias
Repetir teste diagnóstico 3 semanas após tratamento
Tratamento

Tratar parceiros sexuais

Mulheres diagnosticadas com gonorréia ou clamídia
devem ser retestadas 3-6 meses após tratamento- alto
índice de REINFECÇÃO

Oferecer teste para HIV e Sífilis

Persistência dos sintomas (gonorréia)= CULTURA

DIU?
•
MS recomenda remoção após 6hs do início de
antibiótico
•
CDC- não há evidências que suportem a remoção
do dispositivo.
Perspetivas futuras
Bibliografia
1)Centers for Disease Control and Prevention. National prevention information network: STD treatment
guidlines. http://www.cdcnpin.org/scripts/std.asp. Updated 2010.
2)Clark, I. N. (2011), Evolution of Chlamydia trachomatis. Ann. N.Y. Acad. Sci. ISSN 007-8923
3)Mylonas, I. (2012). Female genital Chlamydia trachomatis infection: where are we heading?. Arch
Gynecol Obstet 285: 1271-1285.
4)Unemo, M. and Nicholas, R. A. (2012). Emergence of multidrug-resistant, extensively drug-resistant and
untreatable gonorrhea. Future Microbiol. 7(12). 1401-1422.
5)Sweet, L. R (2011). Review Article: Treatment of Acute Pelvic Inflammatory Disease. Infec. Diseases in
Obstet and Gynec. ID 561909. 13 pages.
6)Brunhan, R. C. and Rappuoli, R. (2013). Chlamydia trachomatis control requires a vaccine. Vaccine 31.
1892-1897.
7)Centers for Disease Control and Prevention. National prevention information network:Screening Tests
To Detect Chlamydia trachomatis and Neisseria gonorrhoeae Infections, 2002.
http://www.cdc.gov/mmwr/pdf/rr/rr5115.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOWAGNER OLIVEIRA
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoAlexandre Naime Barbosa
 
Apresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginiteApresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginiteCláudia Sofia
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveiseborges
 
Violencia na infância - Abuso sexual
Violencia na infância - Abuso sexual Violencia na infância - Abuso sexual
Violencia na infância - Abuso sexual blogped1
 
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorialA clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorialPublicações Weinmann
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Caroline Reis Gonçalves
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisEdvaldo S. Júnior
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesPibid Biologia Cejad
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Alinebrauna Brauna
 

Mais procurados (20)

DST-SÍFILIS
DST-SÍFILISDST-SÍFILIS
DST-SÍFILIS
 
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis CongênitaOficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
 
Dst
DstDst
Dst
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
 
Apresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginiteApresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginite
 
Tricomoníase
TricomoníaseTricomoníase
Tricomoníase
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
 
Violencia na infância - Abuso sexual
Violencia na infância - Abuso sexual Violencia na infância - Abuso sexual
Violencia na infância - Abuso sexual
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorialA clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
 
1o ano ds ts - gonorréia
1o ano   ds ts - gonorréia1o ano   ds ts - gonorréia
1o ano ds ts - gonorréia
 
Trabalho gonorreia
Trabalho gonorreiaTrabalho gonorreia
Trabalho gonorreia
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Cancro mole e hpv
Cancro mole e hpvCancro mole e hpv
Cancro mole e hpv
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
 

Destaque

Abdome agudo em ginecologia 3
Abdome agudo em ginecologia 3Abdome agudo em ginecologia 3
Abdome agudo em ginecologia 3Vicente Santos
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisgracindabento
 

Destaque (20)

20b vce wwwipogcombrimageshtm
20b vce wwwipogcombrimageshtm20b vce wwwipogcombrimageshtm
20b vce wwwipogcombrimageshtm
 
2011
20112011
2011
 
Abdome agudo em ginecologia 3
Abdome agudo em ginecologia 3Abdome agudo em ginecologia 3
Abdome agudo em ginecologia 3
 
DSTS E DIP
DSTS E DIPDSTS E DIP
DSTS E DIP
 
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovárioQuimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
 
Avaliação laboratorial pré_trh_revisado
Avaliação laboratorial pré_trh_revisadoAvaliação laboratorial pré_trh_revisado
Avaliação laboratorial pré_trh_revisado
 
Tratamento clínico da síndrome pré-menstrual
Tratamento clínico da síndrome pré-menstrualTratamento clínico da síndrome pré-menstrual
Tratamento clínico da síndrome pré-menstrual
 
Pronto !! distúrbios urinários do climatér ioooo
Pronto !!   distúrbios urinários do climatér iooooPronto !!   distúrbios urinários do climatér ioooo
Pronto !! distúrbios urinários do climatér ioooo
 
Highlights xvii congresso brasileiro de mastologia
Highlights xvii congresso brasileiro de mastologiaHighlights xvii congresso brasileiro de mastologia
Highlights xvii congresso brasileiro de mastologia
 
Cancro Mole
Cancro MoleCancro Mole
Cancro Mole
 
Ist 01
Ist 01Ist 01
Ist 01
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Rastreamento mamográfico seminario 20.09
Rastreamento mamográfico seminario 20.09Rastreamento mamográfico seminario 20.09
Rastreamento mamográfico seminario 20.09
 
Assistência à vítima de abuso sexual lpjn
Assistência à vítima de abuso sexual   lpjnAssistência à vítima de abuso sexual   lpjn
Assistência à vítima de abuso sexual lpjn
 
Tireoide para 22_março
Tireoide para 22_marçoTireoide para 22_março
Tireoide para 22_março
 
Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas
Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas
Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas
 
O valor ..compatibilidade
O valor ..compatibilidadeO valor ..compatibilidade
O valor ..compatibilidade
 
NIV
NIVNIV
NIV
 
Abordagem terapeutica no_leiomioma_uterino
Abordagem terapeutica no_leiomioma_uterinoAbordagem terapeutica no_leiomioma_uterino
Abordagem terapeutica no_leiomioma_uterino
 
Otimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagemOtimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagem
 

Semelhante a Atualizações no diagnóstico e tratamento de clamídia e gonorréia

Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Davyson Sampaio
 
ITU.pptx
ITU.pptxITU.pptx
ITU.pptxketecah
 
Neutropenia Febril E Fungemia
Neutropenia Febril E  FungemiaNeutropenia Febril E  Fungemia
Neutropenia Febril E Fungemiagalegoo
 
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxIST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxFelipe Ribeiro
 
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiasDiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiaschirlei ferreira
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãotvf
 
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de coloLesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de coloAuro Gonçalves
 
Vvs graduaçao dst
Vvs graduaçao dstVvs graduaçao dst
Vvs graduaçao dstitsufpr
 
Abdomen Agudo GinecolóGico
Abdomen Agudo GinecolóGicoAbdomen Agudo GinecolóGico
Abdomen Agudo GinecolóGicochirlei ferreira
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISUrovideo.org
 
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioMateus Cornélio
 
04 b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
04  b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite04  b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
04 b- uretrites, discussão de caso clínico de uretriteitsufpr
 
HIV e Alterações Dermatológicas.pdf
HIV e Alterações Dermatológicas.pdfHIV e Alterações Dermatológicas.pdf
HIV e Alterações Dermatológicas.pdfBrunno Rosique
 

Semelhante a Atualizações no diagnóstico e tratamento de clamídia e gonorréia (20)

Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
 
Abordagem sindrômica das ds ts 26.9
Abordagem sindrômica das ds ts 26.9Abordagem sindrômica das ds ts 26.9
Abordagem sindrômica das ds ts 26.9
 
ITU.pptx
ITU.pptxITU.pptx
ITU.pptx
 
Apres.dst.ppoint
Apres.dst.ppointApres.dst.ppoint
Apres.dst.ppoint
 
Neutropenia Febril E Fungemia
Neutropenia Febril E  FungemiaNeutropenia Febril E  Fungemia
Neutropenia Febril E Fungemia
 
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxIST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiasDiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
 
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de coloLesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
 
Gravidez nos CSP
Gravidez nos CSPGravidez nos CSP
Gravidez nos CSP
 
Vvs graduaçao dst
Vvs graduaçao dstVvs graduaçao dst
Vvs graduaçao dst
 
Abdomen Agudo GinecolóGico
Abdomen Agudo GinecolóGicoAbdomen Agudo GinecolóGico
Abdomen Agudo GinecolóGico
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
Dengue na Infância
Dengue na InfânciaDengue na Infância
Dengue na Infância
 
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de Ovário
 
04 b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
04  b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite04  b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
04 b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
 
HIV e Alterações Dermatológicas.pdf
HIV e Alterações Dermatológicas.pdfHIV e Alterações Dermatológicas.pdf
HIV e Alterações Dermatológicas.pdf
 

Mais de Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mais de Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro (17)

Seminario canadian recovered
Seminario canadian recoveredSeminario canadian recovered
Seminario canadian recovered
 
Hormonioterapia neoadjuvante do_câncer_de_mama
Hormonioterapia neoadjuvante do_câncer_de_mamaHormonioterapia neoadjuvante do_câncer_de_mama
Hormonioterapia neoadjuvante do_câncer_de_mama
 
Cirurgia oncoplástica da_mama
Cirurgia oncoplástica da_mamaCirurgia oncoplástica da_mama
Cirurgia oncoplástica da_mama
 
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mamaRadioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
 
Trabalho colposcopia final
Trabalho colposcopia finalTrabalho colposcopia final
Trabalho colposcopia final
 
Abordagem Atual no Diagnostico dos Tumores Ovarianos
Abordagem Atual no Diagnostico dos Tumores OvarianosAbordagem Atual no Diagnostico dos Tumores Ovarianos
Abordagem Atual no Diagnostico dos Tumores Ovarianos
 
Dor Pelvica Cronica
Dor Pelvica CronicaDor Pelvica Cronica
Dor Pelvica Cronica
 
Malformações genitais
Malformações genitaisMalformações genitais
Malformações genitais
 
Cirurgia radioguiada no câncer de mama
Cirurgia radioguiada no câncer de mamaCirurgia radioguiada no câncer de mama
Cirurgia radioguiada no câncer de mama
 
Carcinoma ductal in situ apresentação
Carcinoma ductal in situ   apresentaçãoCarcinoma ductal in situ   apresentação
Carcinoma ductal in situ apresentação
 
Aplicabilidade clínica dos testes genéticos nos câncer de mama
Aplicabilidade clínica dos testes genéticos nos câncer de mamaAplicabilidade clínica dos testes genéticos nos câncer de mama
Aplicabilidade clínica dos testes genéticos nos câncer de mama
 
Puberdade Precoce: como conduzir
Puberdade Precoce: como conduzirPuberdade Precoce: como conduzir
Puberdade Precoce: como conduzir
 
Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013
Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013
Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013
 
Métodos de biópsia no cancer de mama
Métodos de biópsia no cancer de mamaMétodos de biópsia no cancer de mama
Métodos de biópsia no cancer de mama
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
 
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológicoLesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
 
Indicações de laparoscopia no manejo de massas anexiais
Indicações de laparoscopia no manejo de massas anexiaisIndicações de laparoscopia no manejo de massas anexiais
Indicações de laparoscopia no manejo de massas anexiais
 

Atualizações no diagnóstico e tratamento de clamídia e gonorréia

  • 1. Atualizações no diagnóstico e tratamento de chlamydia trachomatis e neisseria gonorrhoeae Beatriz S. Monnerat (R1) Orientadora: Dra. Maria Albina
  • 2. Introdução  Neisseria gonorrhoeae  Diplococos Gram-negativos Fonte: Nat Immunol. 2002 3:229-236.
  • 3. Introdução  Chlamydia trachomatis  Bacilo Gram negativo  Intracelular obrigatório  D a K= infecções geniturinárias  Novo sorotipo E (Suécia)  DST bacteriana mais comum no mundo ( 90 milhões de novos casos/ano)
  • 6. Fatores de Risco  SEXO DESPROTEGIDO  Idade < 25 anos  Início precoce da atividade sexual  Múltiplos parceiros sexuais  Estado socioeconômico  Tabagismo/ etilismo/ drogas  História prévia de DST  ACO (proteção x risco)  Ectopia cervical (Clamídia)
  • 7. Apresentações clínicas  Neisseiria gonorrhoeae  Uretrite gonocócica  Cervicite  Gonorréia anorretal  Gonorréia faríngea  Gonorréia ocular  Artrite gonocócica  DIP
  • 8. Apresentações clínicas  Chamydia trachomatis  Uretrite não gonocócica  Epididimite  Cervicite mucopurulenta  Síndrome uretral aguda em mulheres  Doença inflamatória pélvica (DIP)  Proctite aguda  Artrite reativa (Sd. de Reiter)  Linfogranuloma venéreo
  • 9. Apresentações clínicas  Cervicite  Maioria é assintomática  Sintomas inespecificos:  Disúria  Dispareunia  Sangramento pós coito  Corrimento
  • 10. Apresentações clínicas  Cervicite  Secreção purulenta ou mucopurulenta endocervical no exame especular  Friabilidade do colo após manipulação leve  Presença de abundantes PMN em esfregaço e coloração de Gram  Obs: diplococos gram - tem alta especificidade porém sensibilidade ≤ 50%.
  • 11. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Etiologia: Fonte: Sweet,R. L. (2011) Treatment or Acute Pelvic Inflammatrory Disease in Infectious Diseases in Obstetrics and Gynecology, Article ID 561909, 13 pages doi:10.1155/2011/561909
  • 12. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Infecção do trato genital superior – Endometrite – Salpingite – Abscesso tuboovariano – Peritonite • Ascensão e disseminação de microrganismos provenientes da vagina/endocérvice – menstruação?
  • 13. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Quadro clínico: – Assintomáticas – Descarga cervical purulenta – Dor pélvica ou abdominal baixa – Febre (30-40%) – Sangramento uterino anormal – Dispareunia – Sintomas urinários
  • 14. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Exame físico: – Mucopus cervical – Dor à mobilização do colo – Dor à palpação abdominal – Descompressão dolorosa – Massa palpável em fossas ilíacas – Dor em hipocôndrio direito
  • 16. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Sequelas Fonte: Mylonas, I. Female genital Chlamydia trachomatis infection: where are we heading?(2012) Arch Gynecol Obstet 285:1271–1285 DOI 10.1007/s00404-012-2240-7
  • 17. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Sequelas Fonte: Mylonas, I. Female genital Chlamydia trachomatis infection: where are we heading?(2012) Arch Gynecol Obstet 285:1271–1285 DOI 10.1007/s00404-012-2240-7
  • 18. Diagnóstico  Rastreio anual de TODAS as mulheres sexualmente ativas ≤ 25 anos ou com fatores de risco
  • 19. Diagnóstico  Clínica – teste do cotonete  Exame a fresco (exclui tricomoníase)
  • 20. Diagnóstico Métodos de rastreio: Kits NAATs ou NATs (Testes de amplificação de ácido nucleico) Captura hibrida ELISA Imunoensaio enzimático (EIA) Imunofluorescência direta (DFA)
  • 22. Diagnóstico Thayer-Martin: Neisseria gonorrhoeae Cultura em células de Mc Coy : Chlamydia trachomatis Cultura Thayer-Martin modificado McCoy
  • 23. Diagnóstico  Point of Care Tests:  Testes rápidos para Chlamydia  Gram para Neisseria
  • 24. Resistência UFRJ- CCS: 2006-2010: 6% resistente a ciprofloxacina 2010-2013: 15% resistente a ciprofloxacina
  • 25. Resistência  Nova variante Sueca (nvCT)- 2006  Resistência a macrolídeos e tetraciclina
  • 26. Tratamento MS em MANUAL DE CONTROLE DAS DSTs -2006  Cervicite
  • 27. Tratamento MS em MANUAL DE CONTROLE DAS DSTs -2006  DIP- Tratamento Ambulatorial:
  • 28. Resumindo Antibióticos  Neisseria Gonorrhoeae Recomendado: CEFTRIAXONE 250mg IM, DU OU CEFIXIMA 400mg VO, DU Alternativo: Dose única de cefalosporina injetável TRATAMENTO CONCOMITANTE PARA CLAMÍDIA
  • 29. Resumindo Antibióticos  Chlamydia trachomatis Recomendado: AZITROMICINA 1g VO, DU Ou DOXICICLINA 100mg VO, 12/12h por 7 dias Alternativo: ESTEARATO DE ERITROMICINA 500mg VO 6/6h por 7 dias Ou ETINILSUCCINATO DE ERITROMICINA 800mg VO 6/6h por 7 dias Ou OFLOXACINO 300mg VO 12/12h por 7 dias Ou LEVOFLOXACINO 500mg VO 12/12h por 7 dias
  • 30. Tratamento  Chlamydia trachomatis GESTANTE Recomendado: AZITROMICINA 1g VO, DU Ou AMOXICILINA 500mg VO, 8/8h por 7 dias Repetir teste diagnóstico 3 semanas após tratamento
  • 31. Tratamento  Tratar parceiros sexuais  Mulheres diagnosticadas com gonorréia ou clamídia devem ser retestadas 3-6 meses após tratamento- alto índice de REINFECÇÃO  Oferecer teste para HIV e Sífilis  Persistência dos sintomas (gonorréia)= CULTURA  DIU? • MS recomenda remoção após 6hs do início de antibiótico • CDC- não há evidências que suportem a remoção do dispositivo.
  • 33. Bibliografia 1)Centers for Disease Control and Prevention. National prevention information network: STD treatment guidlines. http://www.cdcnpin.org/scripts/std.asp. Updated 2010. 2)Clark, I. N. (2011), Evolution of Chlamydia trachomatis. Ann. N.Y. Acad. Sci. ISSN 007-8923 3)Mylonas, I. (2012). Female genital Chlamydia trachomatis infection: where are we heading?. Arch Gynecol Obstet 285: 1271-1285. 4)Unemo, M. and Nicholas, R. A. (2012). Emergence of multidrug-resistant, extensively drug-resistant and untreatable gonorrhea. Future Microbiol. 7(12). 1401-1422. 5)Sweet, L. R (2011). Review Article: Treatment of Acute Pelvic Inflammatory Disease. Infec. Diseases in Obstet and Gynec. ID 561909. 13 pages. 6)Brunhan, R. C. and Rappuoli, R. (2013). Chlamydia trachomatis control requires a vaccine. Vaccine 31. 1892-1897. 7)Centers for Disease Control and Prevention. National prevention information network:Screening Tests To Detect Chlamydia trachomatis and Neisseria gonorrhoeae Infections, 2002. http://www.cdc.gov/mmwr/pdf/rr/rr5115.pdf