Atualizações gonococo e clamidia

3.197 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.197
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atualizações gonococo e clamidia

  1. 1. Atualizações no diagnóstico e tratamento de chlamydia trachomatis e neisseria gonorrhoeae Beatriz S. Monnerat (R1) Orientadora: Dra. Maria Albina
  2. 2. Introdução  Neisseria gonorrhoeae  Diplococos Gram-negativos Fonte: Nat Immunol. 2002 3:229-236.
  3. 3. Introdução  Chlamydia trachomatis  Bacilo Gram negativo  Intracelular obrigatório  D a K= infecções geniturinárias  Novo sorotipo E (Suécia)  DST bacteriana mais comum no mundo ( 90 milhões de novos casos/ano)
  4. 4. Fisiopatogenia  Neisseria gonorrhoeae
  5. 5. Fisiopatogenia  Chlamydia trachomatis
  6. 6. Fatores de Risco  SEXO DESPROTEGIDO  Idade < 25 anos  Início precoce da atividade sexual  Múltiplos parceiros sexuais  Estado socioeconômico  Tabagismo/ etilismo/ drogas  História prévia de DST  ACO (proteção x risco)  Ectopia cervical (Clamídia)
  7. 7. Apresentações clínicas  Neisseiria gonorrhoeae  Uretrite gonocócica  Cervicite  Gonorréia anorretal  Gonorréia faríngea  Gonorréia ocular  Artrite gonocócica  DIP
  8. 8. Apresentações clínicas  Chamydia trachomatis  Uretrite não gonocócica  Epididimite  Cervicite mucopurulenta  Síndrome uretral aguda em mulheres  Doença inflamatória pélvica (DIP)  Proctite aguda  Artrite reativa (Sd. de Reiter)  Linfogranuloma venéreo
  9. 9. Apresentações clínicas  Cervicite  Maioria é assintomática  Sintomas inespecificos:  Disúria  Dispareunia  Sangramento pós coito  Corrimento
  10. 10. Apresentações clínicas  Cervicite  Secreção purulenta ou mucopurulenta endocervical no exame especular  Friabilidade do colo após manipulação leve  Presença de abundantes PMN em esfregaço e coloração de Gram  Obs: diplococos gram - tem alta especificidade porém sensibilidade ≤ 50%.
  11. 11. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Etiologia: Fonte: Sweet,R. L. (2011) Treatment or Acute Pelvic Inflammatrory Disease in Infectious Diseases in Obstetrics and Gynecology, Article ID 561909, 13 pages doi:10.1155/2011/561909
  12. 12. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Infecção do trato genital superior – Endometrite – Salpingite – Abscesso tuboovariano – Peritonite • Ascensão e disseminação de microrganismos provenientes da vagina/endocérvice – menstruação?
  13. 13. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Quadro clínico: – Assintomáticas – Descarga cervical purulenta – Dor pélvica ou abdominal baixa – Febre (30-40%) – Sangramento uterino anormal – Dispareunia – Sintomas urinários
  14. 14. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Exame físico: – Mucopus cervical – Dor à mobilização do colo – Dor à palpação abdominal – Descompressão dolorosa – Massa palpável em fossas ilíacas – Dor em hipocôndrio direito
  15. 15. Apresentação clínica
  16. 16. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Sequelas Fonte: Mylonas, I. Female genital Chlamydia trachomatis infection: where are we heading?(2012) Arch Gynecol Obstet 285:1271–1285 DOI 10.1007/s00404-012-2240-7
  17. 17. Apresentações clínicas  Doença Inflamatória Pélvica (DIP)  Sequelas Fonte: Mylonas, I. Female genital Chlamydia trachomatis infection: where are we heading?(2012) Arch Gynecol Obstet 285:1271–1285 DOI 10.1007/s00404-012-2240-7
  18. 18. Diagnóstico  Rastreio anual de TODAS as mulheres sexualmente ativas ≤ 25 anos ou com fatores de risco
  19. 19. Diagnóstico  Clínica – teste do cotonete  Exame a fresco (exclui tricomoníase)
  20. 20. Diagnóstico Métodos de rastreio: Kits NAATs ou NATs (Testes de amplificação de ácido nucleico) Captura hibrida ELISA Imunoensaio enzimático (EIA) Imunofluorescência direta (DFA)
  21. 21. Diagnóstico
  22. 22. Diagnóstico Thayer-Martin: Neisseria gonorrhoeae Cultura em células de Mc Coy : Chlamydia trachomatis Cultura Thayer-Martin modificado McCoy
  23. 23. Diagnóstico  Point of Care Tests:  Testes rápidos para Chlamydia  Gram para Neisseria
  24. 24. Resistência UFRJ- CCS: 2006-2010: 6% resistente a ciprofloxacina 2010-2013: 15% resistente a ciprofloxacina
  25. 25. Resistência  Nova variante Sueca (nvCT)- 2006  Resistência a macrolídeos e tetraciclina
  26. 26. Tratamento MS em MANUAL DE CONTROLE DAS DSTs -2006  Cervicite
  27. 27. Tratamento MS em MANUAL DE CONTROLE DAS DSTs -2006  DIP- Tratamento Ambulatorial:
  28. 28. Resumindo Antibióticos  Neisseria Gonorrhoeae Recomendado: CEFTRIAXONE 250mg IM, DU OU CEFIXIMA 400mg VO, DU Alternativo: Dose única de cefalosporina injetável TRATAMENTO CONCOMITANTE PARA CLAMÍDIA
  29. 29. Resumindo Antibióticos  Chlamydia trachomatis Recomendado: AZITROMICINA 1g VO, DU Ou DOXICICLINA 100mg VO, 12/12h por 7 dias Alternativo: ESTEARATO DE ERITROMICINA 500mg VO 6/6h por 7 dias Ou ETINILSUCCINATO DE ERITROMICINA 800mg VO 6/6h por 7 dias Ou OFLOXACINO 300mg VO 12/12h por 7 dias Ou LEVOFLOXACINO 500mg VO 12/12h por 7 dias
  30. 30. Tratamento  Chlamydia trachomatis GESTANTE Recomendado: AZITROMICINA 1g VO, DU Ou AMOXICILINA 500mg VO, 8/8h por 7 dias Repetir teste diagnóstico 3 semanas após tratamento
  31. 31. Tratamento  Tratar parceiros sexuais  Mulheres diagnosticadas com gonorréia ou clamídia devem ser retestadas 3-6 meses após tratamento- alto índice de REINFECÇÃO  Oferecer teste para HIV e Sífilis  Persistência dos sintomas (gonorréia)= CULTURA  DIU? • MS recomenda remoção após 6hs do início de antibiótico • CDC- não há evidências que suportem a remoção do dispositivo.
  32. 32. Perspetivas futuras
  33. 33. Bibliografia 1)Centers for Disease Control and Prevention. National prevention information network: STD treatment guidlines. http://www.cdcnpin.org/scripts/std.asp. Updated 2010. 2)Clark, I. N. (2011), Evolution of Chlamydia trachomatis. Ann. N.Y. Acad. Sci. ISSN 007-8923 3)Mylonas, I. (2012). Female genital Chlamydia trachomatis infection: where are we heading?. Arch Gynecol Obstet 285: 1271-1285. 4)Unemo, M. and Nicholas, R. A. (2012). Emergence of multidrug-resistant, extensively drug-resistant and untreatable gonorrhea. Future Microbiol. 7(12). 1401-1422. 5)Sweet, L. R (2011). Review Article: Treatment of Acute Pelvic Inflammatory Disease. Infec. Diseases in Obstet and Gynec. ID 561909. 13 pages. 6)Brunhan, R. C. and Rappuoli, R. (2013). Chlamydia trachomatis control requires a vaccine. Vaccine 31. 1892-1897. 7)Centers for Disease Control and Prevention. National prevention information network:Screening Tests To Detect Chlamydia trachomatis and Neisseria gonorrhoeae Infections, 2002. http://www.cdc.gov/mmwr/pdf/rr/rr5115.pdf

×