Domínio das nações sobre israel

7.921 visualizações

Publicada em

Slides do trabalho apresentado por Geverso, Moisés e Luciano na aula do Rev. Marcos Campos Botelho no SPBC.

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.921
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
531
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Domínio das nações sobre israel

  1. 1. Domínio das Nações sobre Israel Babilônicos, Persas, Gregos e Romanos
  2. 2. Império Babilônico
  3. 3. Exílio na Babilônia• Em 586 a.C., os babilônios, sob o rei Nabucodonosor II capturaram Jerusalém, destruíram o templo de Salomão, puseram um fim à dinastia davídica e levaram o povo cativo.• Somente os mais pobres foram deixados em Judá, agora a provincial babilônica de Yehud com sua capital em Mispá, ao norte de Jerusalém.• Alguns anos depois, de acordo com a Bíblia, o governador de Yehud foi morto por rivais, desencadeando um outro êxodo
  4. 4. Exílio na Babilônia• Assim, pessoas do povo de Judá podiam ser encontradas em três localidades separadas:• a elite na Babilônia (onde aparentemente foram bem tratados),• uma grande comunidade no Egito,• um remanescente em Judá.
  5. 5. Exílio na Babilônia• O profeta Jeremias previu que o exílio na Babilônia duraria 70 anos (Jr 25);• Perto de cumprir-se esse tempo, a Babilônia é invadida pelo novo império emergente, o Medo-Persa, fruto da aliança entre Ciro e Dario (Dn 5).
  6. 6. Império Persa
  7. 7. Período Persa• O exílio babilônico terminou quando Ciro, o Grande da Pérsia conquistou a Babilônia (tradicionalmente 538 a.C.).• Os persas reconstituíram Judá/Yehud como província ("Yehud medinata") dentro da satrapia "Além do Rio", e ao longo do século seguinte alguns dos exilados retornaram a Jerusalém.• Lá eles eventualmente reconstruíram o Templo (tradicionalmente 516/515 a.C.), mas por mais de um século a capital administrativa permaneceu em Mispá.
  8. 8. Período Persa• Ciro apontou Zorobabel (o neto do penúltimo rei de Judá, Jeoiaquim) para governador, mas não permitiu a restauração do reino.• A Samaria, nesse ínterim, continuou como a província de Semarina dentro da mesma satrápia que Yehud.
  9. 9. Período Persa• Sem o poder limitante da monarquia, a autoridade do Templo foi amplificada e o sacerdotes se tornaram a autoridade dominante. Entretanto, o Segundo Templo tinha sido construído sob os auspícios de um poder estrangeiro e havia dúvidas a respeito da sua legitimidade.• Isso forneceu condições para várias seitas se desenvolverem dentro do judaísmo ao longo dos séculos seguintes, a maioria das quais desencorajavam a mistura social, especialmente o casamento com membros de outras seitas.
  10. 10. Período Persa• O fim do exílio babilônico viu não apenas a construção do Segundo templo mas, de acordo com a hipótese documental, também a redação final da Torá.• Apesar de que os sacerdotes controlavam a monarquia e o templo, os escribas e sábios (que mais tarde seriam chamados de rabis) monopolizaram o estudo da Torá, que (a partir da época de Esdras) era lida publicamente.• Os sábios desenvolveram e mantiveram uma tradição oral juntamente às Escrituras e se identificavam com os profetas.
  11. 11. Período Grego. “Helenização”
  12. 12. Os Gregos e o Helenismo• Os gregos davam a seu país o nome de Helas e se chamavam helenos.• A mais influente das cidades-estados gregas foi Atenas, que proporcionou a principal inspiração para as realizações do Império Grego que em breve se estenderia através de territórios quase tão grande quanto os Estados Unidos.
  13. 13. A “Cultura Grega”.• Quando falamos de “cultura helênica”, referimo-nos as realizações culturais gregas que atingiram seu ápice em Atenas no quinto século antes de Cristo.• A “cultura Helênica” significa as artes, o comércio, e o pensamento no território grego segundo a influência recebida de Atenas.
  14. 14. • A “Cultura helênica” é o desenvolvimento subsequente da cultura grega entre os demais povos ao leste do Mediterrâneo que refletiam a cultura iniciada em Atenas.• Esse estilo de vida foi levado pelos exércitos de Alexandre Magno a terras tão distantes quanto a Índia.• Durou tempo suficiente no Egito, na Palestina, na Ásia Menor e na Pérsia para enfluenciar- lhes a religião, o governo, a língua e as artes.
  15. 15. O Êxito Militar.
  16. 16. • O domínio da Grécia sobre o mundo antigo e a propagação da língua grega por toda região do mediterrâneo são dois dos surpreendentes fatos históricos.• Tal fato deve-se em grande parte ao poderio militar grego.
  17. 17. • Os antigos gregos eram criados para serem soldados. Em Esparta os filhos pertenciam ao estado.• Os meninos defeituosos eram jogados fora para morrer; os fortes eram instruídos pelo estado, e a maior parte da educação era física. Os meninos aprendiam a correr, lutar, suportar dor sem recuar, viver de rações reduzidas, obedecer ordens e a governar.• Também aprendiam matemática, filosofia, música e amor pela leitura.
  18. 18. Podemos ver essas qualidades em algumasfamosas batalhas gregas como a de:Dário I da Pérsia, onde reuniu seu exército em600 navios com mais de 100.000homens, veteranos empedernidos.Os gregos tinham apenas 20.000, destes apenas192 perderam a vida, enquanto do exércitopersa, caíram 6.400 homens.
  19. 19. • Dário não conseguiu conquistar a Grécia, mas seu filho Xerxes tinha a mesma ambição; reuniu tropas e materiais de guerra, e em 481 a.C. estava preparado.• Segundo Heródoto, este exército tinha 2.641.000 combatentes, além de escravos engenheiros e outros.• Destemido o rei de Esparta, Leônidas reunio 300 espartanos e marchou contra o exército de Xerxes, Leônidas e seus 300 homens morreram em batalha, escapando apenas 2, os persas perderam 20.000 homens nesta ocasião.
  20. 20. • No ano seguinte um exército de 110.000 homens atacou os persas, embora em menor número eles mataram 260.000 persas.• Cento e vinte três anos após a derrota de Xerxes, Felipe, rei da Macedônia teve um filho, Alexandre. Alexandre tornou-se o maior general grego de todos os tempos.• Inspirado pela Ilíada de Homéro, des de cedo decidiu a conquistar o mundo. O treinamento dos macedônios e a falange de Alexandre foram fatores nas vitórias gregas.
  21. 21. • A falange constava de 9.000 homens, divididos em esquadras. Havia 16 homens em cada lado da esquadra . Cada homem era protegido com armadura e uma lança de 4 metros. Separados cerca de um metro, escudos em posição eles formavam um tanque humano.• Além da falange e da cavalaria, Alexandre tinha máquinas de guerra desenhadas por Díades, engenheiro grego. Essas máquinas desferiam setas enormes ou arremessar pedras de 22 kg a mais de 180 metros.• Alexandre também possuía torres com as quais escalava os muros inimigos.• Usava de psicologia para aterrorizar os inimigos.
  22. 22. Alexandre Magno
  23. 23. • Alexandre nasceu em 356 a.C.• Foi educado por Aristóteles. É bem provável que Aristóteles tenha o instruído mediante a leitura e discursão das obras de Homéro.• Por intermédio de Aristóteles, Alexandre a daiquiri muito amor que dedicava a cultura helênica, o qual o impulsionou ao Extremo Oriente a fim de divulgar o “Espírito Helenístico”.• Alexandre conquista a Síria, Palestina, Egito, Arábia, dentre outras.
  24. 24. Os Judeus sob Alexandre• Segundo a tradição Alexandre tratou os judeus favoravelmente e eles lutaram em seu exército.• Referencias Deuterocanônicas a Alexandre: – 1 Macabeus 1:1-8; 6:2 – Daniel 7; 11:3-4 – Zacarias 9:1-8
  25. 25. O Legado de Alexandre• Por via de suas conquistas Alexandre cuidou de propagar o grego coinê entre os povos de muitas terras e muitas culturas. O coinê chegaria a dominar essa parte do Mediterrâneo e regiões orientais até ao período de Império Bizantino (395 d.C). Esta língua comum facilitou a divulgação do evangélho de Cristo durante a época de Paulo.• Com efeito, os mais antigos manuscritos do Novo Testamento foram escritos nesse dialeto.
  26. 26. Helenismo na Palestina• Antioco IV, ao herdar a parte selêucida do Imperio Grego em 175 a.C., desejou unir todo seu território espalhando o helenismo.• Tirano brutal oprimiu bastante o povo, particularmente em Jerusalém.
  27. 27. Influencia na História Bíblica• Pouca coisa da Bíblia provém desse período (seculo VI e V a.C)• A literatura judaica produzida nesse período é classificada como apócrifa e pseudo-epígrafa.• São escritos mais helenistas que judaicos.• Estabeleceu-se em Alexandria uma grande comunidade judaica na época dos Ptolomeus.
  28. 28. Tradução do AT do hebraico para o grego coiné (septuaginta).
  29. 29. Império Romano
  30. 30. Império romano• Surgimento• Rios• Povos origianais• Rômulo e Remo
  31. 31. Monarquia romana• Início• Patrícios• Rei• Assembleia• Plebeus• Escravos
  32. 32. Formação da república• Fins do século Via.C.• Classes políticas: – Cônsules – Censores – Questores – Edis – Assembleia – Senado
  33. 33. Expansão territorial• Unificação da península• Conquista de Cartago• Estados helenísticos• Problemas sociais
  34. 34. O fim da república• Tentativa de reforma agrária• Violência como meio para resolver os problemas sociais• Fortalecimento do exército• Júlio César: imperador após eliminar aliados – 47aC• Otávio Augusto
  35. 35. Augusto organiza o império• Instituição do principado• Consolidação do império• Levou a Pax Romana para todo o império• Exército organizado• Liberdade religiosa• Exigência: pagamento de impostos e aceitação do governo de Roma
  36. 36. Os judeus sob o Império Romano• Herodes quebrou muitas leis judaicas• Proibiu reuniões públicas durante a visita do imperador Augusto• Lutou pela lealdade judaica
  37. 37. • Reprimia qualquer possibilidade de conspiração• Após sua morte o trono foi dividido entre os filhos

×