A origem e a evolução das dimensões do homem demonstrada

1.811 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.811
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A origem e a evolução das dimensões do homem demonstrada

  1. 1. “A ORIGEM E A EVOLUÇÃO DAS DIMENSÕES DO HOMEM DEMONSTRADA PELA CHAVE DE UMA IMENSIDADE DE FENÔMENOS”A evolução biológica é a conseqüência da evolução do principio espiritual, demonstrandoem diversos fatos a ação magnética direcionada através dos pensamentos e dos sentimentoshumanos enfim, o principio inteligente ou espiritual e o fluido cósmico universalconstituem os princípios de tudo que existe no Universo, criados pela Inteligência Suprema–Deus.Todo Ser inteligente origina-se, por evolução, do princípio espiritual, e tudo que constituiinstrumento de ação do principio espiritual, em quaisquer fases de sua evolução, é matéria eorigina-se do fluido cósmico universal enfim, o principio espiritual, ao ser criado, possuiem estado latente todas as potencialidades da alma humana e por atuação dos Seresinteligentes o elemento material sofre transformações, de conformidade com planostranscendentais.O protoplasma ou matéria viva constitui uma dessas transformações, objetivando a uniãocom o princípio espiritual, para a formação do Ser vivo, o qual vivencia experiências, numprocesso interativo com o meio ambiente, seguindo o plano evolutivo transcendental esegundo a trajetória evolutiva da filogênese, o principio espiritual busca suaindividualização racional na alma humana, constituindo o Homem e o último elo da cadeiafilogenética de maneira que, a teoria evolucionista, enfocada pelo doutrina Espírita, mostraque a evolução biológica dos seres vivos é conseqüência da evolução do principio espiritualque os anima logo, todo Ser vivo, em quaisquer fases de sua evolução, é um Sermultidimensional que traduz: a dimensão básica espiritual, as dimensões estruturais e asexistenciais, significativos de um principio inteligente animando um corpo mental, umaestrutura biológica psicossomática e uma estrutura biológica física ou soma e por assim ser,pelo princípio filosófico da palingênese ou reencarnação, o Ser assim estruturado realizasua evolução em dois planos existenciais: físico ou corporal e extrafisico ou espiritual.A evolução é um desabrochar das potencialidades latentes no principio espiritual, na suainteração com o meio ambiente, através as suas dimensões estruturais. As experiênciasvivenciadas, nesse processo, são internalizadas e registradas, no corpo mental, comoconteúdos psicológicos, que definem cada espécie de Ser vivo, nos seus aspectos biológicose comportamentais portanto, com a morte da estrutura somática física, o principio espiritualassociado ao seu corpo mental e ao seu psicossoma, se transfere para o plano existencialextrafisico, onde prossegue vivenciando novas experiências, também através de umprocesso interativo com o meio, onde, sob o comando de Inteligências Superiores,intervenções significativas são realizadas nos arquétipos mentais, propiciando o retorno aoplano existencial físico, pelos princípios reencarnacionistas, animando novas espécies, quemelhor dotadas de conteúdos psicológicos e melhor aparelhadas estruturalmente,interagirão com um maior número de fatores ambientais, reiniciando a aquisição de novasexperiências no plano físico.Em cada espécie as experiências são infinitamente repetidas, tanto no plano físico como noextrafisico, para alcançar recursos psicológicos e estruturais para animar uma espéciesuperior, na cadeia filogenética --- existe uma correlação entre o desenvolvimento do
  2. 2. Sistema Nervoso, nas várias espécies animais, e o grau evolutivo alcançado pelo principioespiritual que as anima e isso se deve a que o sistema nervoso apresenta umahierarquização estrutural e funcional correspondente à hierarquização dos conteúdospsicológicos, do principio espiritual, permitindo ao organismo funcionar como um todo,possibilitando uma interação comportamental, num meio cada vez mais complexo,conforme o Ser se eleva na escala filogenética.A Etologia, ciência que estuda o comportamento animal, tem mostrado que do ponto devista psicológico e social não existe uma linha de demarcação nítida entre o reino animal ehominal e estudos realizados em Primatas, no seu ambiente natural, revelam que, além doscomportamentos instintivos, geneticamente determinados, manifestam comportamentosaprendidos e que por identificação vão sendo transmitidos para outros elementos do grupo,modificando determinados hábitos que enriquecem a protocultura da sociedade primatica eesses estudos evidenciam também a existência de características individuais, definindodeterminados papéis e posições, dentro de uma organização social, que se assemelha emmuitos aspectos à sociedade humana. Esses estudos vêm reforçar a posição doutrináriaEspírita sobre a evolução da alma humana, mostrando a sua escalada pela filogênese eprosseguindo na evolução anímica.Entendemos assim a evolução das dimensões do Homem, dentro do processo natural dafilogênese, com o surgimento do Homo Sapiens, que prossegue sua evolução, deconformidade com os princípios reencarnacionistas, em dois planos existenciais: físico eextrafisico, aprimorando inteligência e sentimento, que constituem valores da suaIndividualidade espiritual, através dos quais aprimora as dimensões estruturais e as relaçõessociais.Na mente humana encontramos conteúdos psicológicos em diferentes níveis evolutivos, oque a Teoria Psicanalítica chama de “Id”, isto é, a instituição psicológica representada pelasenergias dos impulsos instintivos que origina-se na filogênese, das primeiras manifestaçõesdo Ser vivo, nas suas interações com o meio ambiente, em busca da gratificação denecessidades ligadas ao instinto de auto-conservação e conservação da espécie.No inicio os comportamentos são muito rudimentares, numa interação com pequenonumero de fatores ambientais e na medida que o Ser ascende na escala evolutiva asinterações são mais complexas, arquivando novas experiências no corpo mental e assimsucessivamente, enriquecendo-se o psiquismo animal.O comportamento instintivo do animal é estereotipado, geneticamente determinado, no qualentram em jogo: um estimulo ambiental, um estado de excitação central e uma respostamotora que seguem em curso predeterminado e esse comportamento instintivo, buscando osobjetos do meio ambiente, para a gratificação de suas necessidades, é motivado pelo que naTeoria psicanalítica se chama de principio do prazer, que consiste no seguinte: quando umanimal necessita de nutrientes para manter a sua integridade funcional, isso é percebido porele como uma sensação de desprazer, de fome ou sede, que o faz instintivamente semovimentar em busca de objetos externos que lhe permitam saciar sua fome ou mitigar suasede, com a correspondente sensação de prazer.
  3. 3. Da mesma forma, quando um animal está sob tensão sexual, busca instintivamente oparceiro ou parceira para a gratificação de sua necessidade e quando o animal encontraquaisquer obstáculos à gratificação de suas necessidades instintivas, desenvolve umcomportamento com características psico-físicas que definem o que chamamos decomportamento agressivo, cujo objetivo é remover o obstáculo frustrador e assim,entendemos que a agressividade se vincula, originariamente, aos instintos deautoconservação e conservação da espécie. Outro comportamento instintivo, evidenciadonos estudos de comportamentos de animais superiores, especialmente entre os primatas, é oinstinto do poder, através do qual se desenvolvem posições hierárquicas nas suasorganizações sociais.No homem não existe um comportamento instintivo propriamente dito, pois nãoencontramos a resposta motora, estereotipada, geneticamente determinada – existe umestimulo externo e um estado de excitação central, mas as respostas motoras sãomodificadas conforme as experiências vivenciadas anteriormente. Dizemos que no homemexistem impulsos de natureza instintiva, mas não comportamentos instintivos.A capacidade apresentada pelo homem de modificar as respostas aos impulsos instintivos,em face às experiências vivenciadas anteriormente, se deve ao desenvolvimento de umaoutra instituição psicológica, que só se evidencia no homem – o Ego, que permite aohomem dizer: Eu sou, eu existo, eu penso. E a instituição psicológica que lhe permiteestabelecer uma diferença entre o si mesmo e o meio que o rodeia; que lhe permitedistinguir os estímulos que vêm do seu interior e os que vêm do meio externo. O Egorepresenta um conjunto de funções da mente humana, alcançadas pelo processo evolutivoda animalidade para a humanidade.O animal apresenta uma relação harmoniosa com a natureza através de uma onda mentalfragmentária, descontinua, aplicada na busca dos objetos externos, para a gratificação desuas necessidades internas, de natureza instintiva. Ele não se diferencia do meio ambiente,isto é, não estabelece relação do mundo interno com o externo, ele é um componente destemundo, não há separação de sujeito e objeto, enfim, nele só existe o Id.Com a racionalidade surge o pensamento continuo, distintivo psicológico do Home, que lhepermite desenvolver um conjunto de funções mediadoras entre os impulsos instintivos e arealidade externa e prosseguindo a evolução anímica surge no Homem a sentimentalidade,que lhe permite desenvolver uma outra instituição psicológica, o Superego, que representa amoralidade interna, isto é, o conjunto de influências moralizadoras do ambiente éinternalizado como Superego e após o desenvolvimento do Superego, o Ego passa a sertambém um mediador entre o Superego e o Id, demonstrando em diversos fatos a açãomagnética direcionada através dos pensamentos e dos sentimentos humanos, levandoKardec, na conclusão de O Livro dos Espíritos, capitulo I, a afirmar: Quem, demagnetismo terrestre, apenas conhecesse o brinquedo dos patinhos imantados que,sob a ação do imã, se movimentam em todas as direções numa bacia com água,dificilmente poderia compreender que ali está o segredo do mecanismo do Universo eda marcha dos mundos”.
  4. 4. Essa afirmação de Kardec não se restringe apenas ao magnetismo consistente nos corposcelestes, mas se estende ao magnetismo nas suas mais variadas configurações e que estápresente em todas as partículas com as quais se constituem o micro e o macro Universo e, éatravés desse fluido elétrico que os seres pensantes se atraem ou se repelem e seinfluenciam mutuamente segundo seus pensamentos, suas emoções e seus sentimentos.Na pergunta 388, de O L.E. Kardec indaga: “Os encontros, que costumam dar-se, dealgumas pessoas e que comumente se atribuem ao acaso, não serão efeito de uma certarelação de simpatia? E obteve a seguinte resposta: ”Entre os seres pensantes há ligação queainda não conheceis. O magnetismo é o piloto desta ciência, que mais tarde compreendereismelhor”.Esta resposta dos Espíritos coloca o magnetismo como piloto dessa ciência. Quer dizer, estáno comando dos acontecimentos e é ele que atua para que haja tal encontro. Ou seja,quando necessitamos compartilhar de uma convivência com alguém, nosso encontro se daráinfalivelmente, pois seremos atraídos mutuamente por força de uma imantação magnéticaque liga os nossos destinos para uma convivência em comum e essa imantação é construídaatravés das nossas ações praticadas durante nossas vidas sucessivas, segundo as quais nãosó nos imantamos às pessoas, mas também aos acontecimentos que irão compor o roteirodas nossas provações e resgates, enquanto encarnados neste mundo de expiação e prova.É através do magnetismo cósmico ou fluido universal que nos imantamos e nossubmetemos às leis naturais e divinas que nos impulsionam na direção das nossasnecessidades evolutivas, situando-nos exatamente onde merecermos estar e com quemdevemos estar segundo as leis de causa e efeito.Em o L.E, no capítulo da Intervenção dos Espíritos, os espíritos afirmam: “O Espiritismo eo magnetismo nos dão a chave de uma imensidade de fenômenos sobres os quais aignorância teceu um sem-número de fábulas, em que os fatos se apresentam exageradospela imaginação. O conhecimento lúcido dessas duas ciências que, a bem dizer, formamuma única, revela a realidade das coisas e suas verdadeiras causas”.Realmente, o estudo do Espiritismo sem uma compreensão maior do magnetismo ficaincompleto, pois o Espiritismo nos revela a natureza espiritual do ser humano e nosesclarece sobre as leis naturais e divinas às quais todos os seres estão submetidos, e omagnetismo por sua vez nos revela o meio por onde essas leis se cumprem.Assim como tudo se origina de uma transformação do fluido universal, o magnetismo oufluido magnético também é uma modificação do fluído universal e não difere do fluido vitalrevelado em todos os corpos orgânicos.No capitulo intitulado Do Principio Vital, de O L.E, os espíritos fazem uma analogiainteressante: “Um aparelho elétrico, como todos os corpos da Natureza, contém eletricidadeem estado latente. Os fenômenos elétricos, porém, não se produzem senão quando o fluidoelétrico é posto em atividade por uma causa especial. Poder-se-ia então dizer que oaparelho está vivo. Vindo a cessar a causa da atividade, cessa o fenômeno: o aparelho voltaao estado de inércia.”
  5. 5. “Os corpos orgânicos são, assim, uma espécie de pilhas ou aparelhos elétricos, os quais aatividade do fluido determina o fenômeno da vida. A cessação dessa atividade causa amorte. A quantidade de fluido vital não é absoluta em todos os seres orgânicos. Variasegundo as espécies e não é constante, quer em cada individuo, quer nos indivíduos de umaespécie. Alguns há, que se acham, por assim dizer saturados desse fluido, enquanto osoutros o possuem em quantidade apenas suficiente. Daí, para alguns, vida mais ativa, mastenaz e, de certo modo, superabundante. A quantidade de fluido vital se esgota. Podetornar-se insuficiente para a conservação da vida, se não for renovada pela absorção eassimilação das substancias que o contém. O fluido vital se transmite de um individuo aoutro. Aquele que o tiver em maior porção pode dá-lo a um que o tenha de menos e emcertos casos prolongar a vida prestes a extinguir-se.”O progresso no estudo do eletromagnetismo, ocorrido principalmente no século XIX,provocou uma mudança a respeito dos conceitos da Ciência sobre a energia e segundo asteorias quânticas, a troca de energia à distância se produz em conseqüência das ondaseletromagnéticas, que viajam no espaço à velocidade da luz e tais ondas, constituídas porfótons, atuam sobre as partículas do meio e dos corpos.O apontamento dos espíritos e o estudo da física quântica nos induzem a uma compreensãoampliada do que consiste o fluido universal e nos dá uma idéia da importância domagnetismo e da sua função no contexto das relações entre os mundos e entre os seres, oqual podemos defini-lo como o veículo condutos dos pensamentos e da vontade do Criadore de todos os seres pensantes.Na parte 2, Cap, IX de O L.E., os espíritos afirmam: “...o fluido universal entrelaça todos osmundos, tornando-os solidários; veiculo imenso da transmissão dos pensamentos, como oar é, para nós, o da transmissão do som.”Se, segundo a ciência as ondas eletromagnéticas atuam sobre as partículas do meio e doscorpos, e considerando que hoje o pensamento é reconhecido como pulsoseletromagnéticos, torna-se clara a força incomensurável com que o pensamento atua sobreos corpos e partículas quando direcionado sob o impulso de uma vigorosa vontade oudesejo.Ainda em O L.E., pergunta 424: “Por meio de cuidados dispensados a tempo, podem reatar-se laços prestes a se desfazerem e restituir-se à vida um ser que definitivamente morreria senão fosse socorrido? E a resposta foi: “Sem dúvida e todos os dias tendes a prova disso. Omagnetismo, em tais casos, constitui, muitas vezes, poderoso meio de ação, porque restituiao corpo o fluido vital que lhe falta para manter o funcionamento dos órgãos.”Considerando o magnetismo como condutor da vontade e dos pensamentos dos serespensantes atuando incessantemente sobre as partículas e os corpos, sua ação pode serbenéfica ou maléfica dependendo da fonte que o irradia e neste caso, a fonte geradora ouseja, o ser pensante, pode ser comparado a uma usina de eletricidade e os seus pensamentose sentimentos os transformadores que graduam e determinam sua potência e qualidade enada melhor para a comprovação dessa realidade do que os fatos observados e que sãomuito numerosos registrando a ação magnética direcionada através dos pensamentos e dos
  6. 6. sentimentos humanos enfim, o espírito reencarnado através do magnetismo que irradia àsua volta revela sua índole e grava o seu perfil mental nos seus objetos de uso pessoal e noambiente onde vive, impregnando-os com o seu psiquismo logo, todo ser vivo é dotado deum fluido magnético capaz de se transmitir a outros indivíduos, estabelecendo-se, assim,influências psicossomáticas recíprocas, inclusive com fins terapêuticos (o passe) e daí,devermos vigiar nosso comportamento e buscar forças na oração para melhorarmos nossopadrão vibratório.Não é sem razão que Kardec, na questão 459 de O L.E., indaga à entidades venerandas:“Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nosso atos?” Ao que elas responderamde forma incisiva: “ Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto que, de ordinário sãoeles que vos dirigem.”Tal afirmação quando examinada à guisa de olhares desatentos ou céticos, pode até parecerabsurda, mas quando vista sob olhares percucientes e atentos retrata a mais cristalina dasverdades; se para muitos parece impossível sermos influenciados pelos espíritos, para nósespíritas o fato é perfeitamente natural e pode ser explicado com base nos seguintesaspectos: • o homem pensa, e o pensamento é matéria mental, portanto energia, que se propaga pelo espaço em forma de ondas; • disso depreende-se, que todo o ar a nossa volta está saturado de ondas, de diversos matizes, freqüências e comprimentos, e que o tipo de onda emitida, caracteriza o grau evolutivo do emissor; • como complemento desse processo, o homem assemelha-se a um antena com as funções transmissoras e também receptora, portanto, captamos e emitimos, o que implica dizer, que sempre vai existir no processo de comunicação mental uma vontade apelo e uma vontade aceitação, que se alterna na medida dos interesses que promove esse intercâmbio mental; • a medida que emitimos um pensamento (idéia), imediatamente sintonizamos com um outro pensamento, que, na mesma freqüência que o nosso, reflete os mesmos sentimentos e impressões, se temos um pensamento de amor sintonizamos com o amor, se o nosso pensamento é de caráter leviano sintonizamos com a leviandade. Obviamente que o processo de influenciação mental não se resume apenas aesses quatro limitados itens, ele é muito mais complexo e profundo, mas por enquanto, issojá nos é suficiente para pormos em prática a nossa capacidade de raciocínio dedutivo, eatentarmos para a máxima de Jesus, “vigiai e orai, para não cairdes em tentação.” (Mateus26,41) Que Jesus nos abençoe....

×