SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Lição 3                                                                                                                    14 a 21 de julho
                                                     Tessalônica nos dias de Paulo




Sábado à tarde                                                                                                     Ano Bíblico: Pv 16–19

VERSO PARA MEMORIZAR: “Embora seja livre de todos, fiz-me escravo de todos, para ganhar o maior número possível de pessoas”(1Co
9:19, NVI).

Leituras da semana: Jo 11:48-50; 1Jo 2:15-17; 1Co 9:19-27; Jo 3:3-8; 1Co 16:19

Pensamento-chave: Um breve estudo do contexto da antiga Tessalônica demonstra que a abordagem de Paulo aos cidadãos locais foi
elaborada de modo cuidadoso e único.

O foco principal desta lição será um resumo do que a história, literatura e arqueologia nos falam acerca de Tessalônica.

Esse material é importante por duas razões. Em primeiro lugar, nos ajuda a perceber como os ouvintes e leitores originais de Paulo
poderiam entendê-lo. Ao fazer isso, esclarece o significado do que ele escreveu e o impacto de seus escritos sobre a igreja e a
sociedade daquela época.

Em segundo lugar, quanto mais sabemos sobre as ideias e crenças dos tessalonicenses, mais podemos compreender aquilo que Paulo
estava combatendo. A fim de promover o evangelho, Paulo também teria que corrigir ideias erradas. Assim, embora não esteja
diretamente focalizada na Bíblia, esta lição prepara o terreno para nossa leitura das duas cartas aos Tessalonicenses, durante o
restante das lições deste trimestre.

Domingo                                                                Ano Bíblico: Pv 20–24

Os romanos chegam a Tessalônica

1. Como as decisões políticas e religiosas acerca do ministério de Jesus foram influenciadas pela chegada dos romanos à Palestina e a
Jerusalém no primeiro século? A terrível lógica de Caifás fazia sentido? Jo 11:48-50

Se o deixarmos assim, todos crerão nele; depois, virão os romanos e tomarão não só o nosso lugar, mas a própria nação. Caifás,
porém, um dentre eles, sumo sacerdote naquele ano, advertiu-os, dizendo: Vós nada sabeis, nem considerais que vos convém que
morra um só homem pelo povo e que não venha a perecer toda a nação. (João 11:48-50)

No contexto de uma guerra civil entre as cidades-estados gregas, por volta de 168 a.C., os tessalonicenses convidaram os romanos
para tomar posse da sua cidade e protegê-la dos inimigos locais. Os romanos recompensaram Tessalônica por estar do “lado certo” da
guerra civil, permitindo que a cidade, em grande medida, governasse a si mesma. Ela se tornou uma cidade livre dentro do império, o
que significava que poderia controlar, amplamente, seus problemas internos e seu destino. Como resultado, as classes mais ricas e
mais poderosas da cidade foram autorizadas a continuar a viver, em muitos aspectos, como tinham vivido antes. Eram, portanto, a
favor de Roma e do imperador nos dias de Paulo. Mas a vida não era tão agradável para as pessoas comuns, especialmente das
classes trabalhadoras.

Havia três grandes aspectos negativos do governo romano de Tessalônica. Em primeiro lugar, a chegada dos romanos promoveu
mudanças econômicas. O comércio era interrompido pela guerra e pelas mudanças de governo, tanto local quanto regional. Essas
interrupções afetavam de modo mais severo os mais pobres do que os mais ricos. Com o tempo, esse aspecto negativo se tornou
menos significativo.

Em segundo lugar, embora Tessalônica, em grande medida, governasse a si mesma, ainda havia uma sensação de impotência política.
Alguns líderes locais foram substituídos por estrangeiros, leais a uma cidade distante (Roma), e não a Tessalônica. Não importam as
vantagens da ocupação estrangeira, ela não é popular por muito tempo.

Em terceiro lugar, havia a inevitável exploração colonial que acompanhava a ocupação. Os romanos exigiam certa quantidade de
exportação de impostos. Porcentagens de produtos agrícolas, minerais e outros produtos locais eram desviadas e enviadas a Roma
para apoiar as necessidades mais amplas do império.

                             Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
Assim, embora Tessalônica estivesse em uma situação bem melhor do que a de Jerusalém, por exemplo, o governo e a ocupação de
Roma inevitavelmente criavam tensões significativas nas comunidades locais. Em Tessalônica, essas tensões eram especialmente
difíceis para os pobres e as classes trabalhadoras. À medida que as décadas passavam, os tessalonicences se tornavam cada vez mais
frustrados e ansiavam por uma mudança na situação.

Como a situação política atual em sua comunidade influencia o trabalho da igreja? Que tipo de coisas a igreja pode ou deve fazer para
melhorar seu desempenho e sua posição na comunidade?

Segunda                                                            Ano Bíblico: Pv 25–27

Uma resposta pagã a Roma

A resposta pagã à incapacidade sentida por muitas pessoas de Tessalônica foi um movimento espiritual que os estudiosos chamam de
culto de Cabirus, fundamentado em um homem chamado Cabirus, que falou em favor dos marginalizados e foi assassinado por seus
dois irmãos. Ele foi enterrado com os símbolos da realeza, e o movimento passou a tratá-lo como herói martirizado.

As classes operárias acreditavam que Cabirus havia manifestado poderes miraculosos enquanto vivia. Eles também acreditavam que,
de tempos em tempos, Cabirus, silenciosamente, voltava à vida a fim de ajudar as pessoas; pensavam que ele voltaria para trazer
justiça às classes trabalhadoras e devolver à cidade a independência e grandeza do passado. O culto de Cabirus oferecia esperança
aos oprimidos, em termos que lembram a esperança bíblica.

As coisas ficam ainda mais interessantes quando descobrimos que a adoração de Cabirus incluía sacrifícios de sangue para celebrar
seu martírio. De um modo que lembra Paulo, os tessalonicenses falavam da “participação em seu sangue”. Dessa forma, obtinham
alívio da culpa. Distinções de classes também eram abolidas. No culto de Cabirus todas as classes da sociedade eram tratadas de
forma igual.

Porém houve mais uma dinâmica. Quando o culto ao imperador surgiu, na época de Augusto, os romanos proclamaram que Cabirus já
tinha vindo na pessoa de César. Em outras palavras, o poder de ocupação se apropriou da esperança dos oprimidos. Como resultado, a
vida espiritual de Tessalônica não mais proporcionava alívio para as classes trabalhadoras. As pessoas comuns ficaram sem uma
religião significativa. A existência do culto ao imperador também significava que, se alguém parecido com o verdadeiro Cabirus
chegasse à cidade, seria uma ameaça imediata ao sistema estabelecido.

A resposta romana ao culto de Cabirus deixou um vazio espiritual no coração do povo, um vácuo que somente o evangelho podia
preencher. Cristo era a verdadeira realização da esperança e dos sonhos que o povo de Tessalônica havia depositado em Cabirus. O
evangelho oferecia paz interior para o momento e, na segunda vinda de Cristo, a transformação definitiva das realidades econômicas e
políticas contemporâneas.

2. Que verdades essenciais são expressas nos seguintes textos? Você experimentou a realidade dessas palavras, em relação ao fato de
que as coisas do mundo são transitórias e não trazem satisfação? 1 Jo 2:15-17; Ec 2:1-11

Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; porque tudo que há no
mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. Ora,
o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente. (1 João 2:15-17)

Disse comigo: vamos! Eu te provarei com a alegria; goza, pois, a felicidade; mas também isso era vaidade. Do riso disse: é loucura; e
da alegria: de que serve? Resolvi no meu coração dar-me ao vinho, regendo-me, contudo, pela sabedoria, e entregar-me à loucura, até
ver o que melhor seria que fizessem os filhos dos homens debaixo do céu, durante os poucos dias da sua vida. Empreendi grandes
obras; edifiquei para mim casas; plantei para mim vinhas. Fiz jardins e pomares para mim e nestes plantei árvores frutíferas de toda
espécie. Fiz para mim açudes, para regar com eles o bosque em que reverdeciam as árvores. Comprei servos e servas e tive servos
nascidos em casa; também possuí bois e ovelhas, mais do que possuíram todos os que antes de mim viveram em Jerusalém. Amontoei
também para mim prata e ouro e tesouros de reis e de províncias; provi-me de cantores e cantoras e das delícias dos filhos dos
homens: mulheres e mulheres. Engrandeci-me e sobrepujei a todos os que viveram antes de mim em Jerusalém; perseverou também
comigo a minha sabedoria. Tudo quanto desejaram os meus olhos não lhes neguei, nem privei o coração de alegria alguma, pois eu me
alegrava com todas as minhas fadigas, e isso era a recompensa de todas elas. Considerei todas as obras que fizeram as minhas mãos,
como também o trabalho que eu, com fadigas, havia feito; e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento, e nenhum proveito havia
debaixo do sol. (Ecles. 2:1-11)

Terça                                                              Ano Bíblico: Pv 28–31

O evangelho como ponto de contato

Diante do que aprendemos ontem, não é difícil ver por que, quando o evangelho chegou a Tessalônica, muitos não judeus da cidade
responderam positivamente. Não importando que Paulo conhecesse ou não o culto de Cabirus antes de chegar à cidade, sua
abordagem messiânica na sinagoga ecoava os anseios espirituais específicos dos pagãos locais.

Quando o evangelho chegou a Tessalônica, as classes trabalhadoras da cidade estavam prontas para recebê-lo, e responderam em
grande número. Eles estavam também prontos para interpretações extremas do evangelho. O culto de Cabirus tinha introduzido nas
pessoas um espírito de rebelião contra as autoridades, o que pode ter sido a causa da conduta desordeira abordada por Paulo em suas
duas cartas (veja 1Ts 4:11, 12; 5:14; 2Ts 3:6, 7, 11).

e a diligenciardes por viver tranquilamente, cuidar do que é vosso e trabalhar com as próprias mãos, como vos ordenamos; de modo
que vos porteis com dignidade para com os de fora e de nada venhais a precisar. (1 Ts 4:11-12)


                           Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
Exortamo-vos, também, irmãos, a que admoesteis os insubmissos, consoleis os desanimados, ampareis os fracos e sejais longânimos
para com todos. (1 Ts 5:14)

Nós vos ordenamos, irmãos, em nome do Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo irmão que ande desordenadamente e não
segundo a tradição que de nós recebestes; pois vós mesmos estais cientes do modo por que vos convém imitar-nos, visto que nunca
nos portamos desordenadamente entre vós, (2 Ts 3:6-7)

Pois, de fato, estamos informados de que, entre vós, há pessoas que andam desordenadamente, não trabalhando; antes, se
intrometem na vida alheia. (2 Ts 3:11)

3. Qual foi a estratégia missionária fundamental apresentada por Paulo? Que perigo potencial se esconde nesse método? Como os dois
princípios contidos nessa estratégia podem ser mantidos em equilíbrio? 1Co 9:19-27

Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. Procedi, para com os judeus, como
judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem
debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas
debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os
fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de
me tornar cooperador com ele. Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio?
Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a
incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. Mas esmurro o meu corpo e o
reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado. (1 Cor. 9:19-27)

O evangelho tem maior impacto quando influencia as necessidades, esperanças e sonhos das pessoas. Embora o Espírito Santo
ofereça pontes para o evangelho, isso normalmente acontece como resultado de ouvi-lo intensamente e experimentá-lo com atitude
de oração. A experiência também nos ensinou que as pessoas estão mais abertas à mensagem adventista em tempos de mudança.
Entre as mudanças que tornam as pessoas abertas a novas ideias estão: turbulência econômica, conflitos políticos, guerras,
casamentos, divórcios, mudança no lugar de residência, problemas de saúde e morte. Os tessalonicenses haviam experimentado sua
parcela de mudanças e deslocamento, e isso ajudou o evangelho a criar raízes.

Mas as pessoas batizadas em tempos de deslocamento também tendem a ser instáveis, pelo menos no início. A maior parte das
apostasias ocorre nos primeiros meses após a conversão. As cartas a Tessalônica testificam da considerável instabilidade na igreja nos
meses seguintes à visita de Paulo.

O que podemos fazer para ajudar os membros que ainda estão se ajustando à nova vida em Cristo? O que você pode fazer para ajudar
a manter essas pessoas firmes no Senhor? Você ficará surpreso ao descobrir também quanto esse tipo de ministério fortalecerá sua
própria fé.

Quarta                                                              Ano Bíblico: Ec 1–4

Paulo, o “pregador de rua”

No contexto greco-romano do primeiro século ocorreu uma proliferação de filósofos populares que, nas praças públicas, procuravam
influenciar indivíduos e grupos, de modo semelhante ao que os pregadores de rua fazem hoje.

Esses filósofos acreditavam que as pessoas tinham uma capacidade interior de mudar sua vida (uma forma de conversão). Eles
esperavam que seus discursos públicos e suas conversas particulares produzissem mudanças em seus alunos. Procuravam criar em
seus ouvintes dúvidas sobre suas ideias e práticas. Por esse meio, os ouvintes se tornariam abertos a novas ideias e mudanças. O
objetivo final era produzir autoconfiança e crescimento moral.

Esperava-se que esses filósofos populares obtivessem o direito de falar conquistando primeiramente a liberdade moral na própria vida
interior. “Médico, cura-te a ti mesmo” era um conceito bem conhecido no mundo antigo.

Esses filósofos também estavam cientes da necessidade de variar a mensagem a fim de atender às diferentes mentalidades, e da
importância de manter a integridade tanto no caráter do professor quanto na mensagem que estava sendo ensinada.

4. Existem paralelos entre esses mestres populares e Paulo, que também viajava por toda parte e trabalhava em lugares públicos? At
17:17; 19:9, 10

Por isso, dissertava na sinagoga entre os judeus e os gentios piedosos; também na praça, todos os dias, entre os que se encontravam
ali. (Atos 17:17)

Visto que alguns deles se mostravam empedernidos e descrentes, falando mal do Caminho diante da multidão, Paulo, apartando-se
deles, separou os discípulos, passando a discorrer diariamente na escola de Tirano. Durou isto por espaço de dois anos, dando ensejo a
que todos os habitantes da Ásia ouvissem a palavra do Senhor, tanto judeus como gregos. (Atos 19:9-10)

Existiam paralelos. No entanto, havia duas diferenças significativas entre a abordagem de Paulo e a dos filósofos populares. Em
primeiro lugar, Paulo não apenas trabalhava nos lugares públicos, mas também buscava formar uma comunidade duradoura. Isso
requeria certa separação do “mundo”, juntamente com a formação de laços emocionais e profundo compromisso com o grupo. Em
segundo lugar, Paulo ensinava que a conversão não era uma decisão interna, produzida pelo discurso sábio. Ao contrário, era uma
obra sobrenatural de Deus, de fora para dentro (leia Gl 4:19; Jo 3:3-8; Fp 1:6). O ensinamento de Paulo era mais do que apenas uma
filosofia. Era a proclamação da verdade e a revelação da poderosa obra de Deus na salvação da humanidade.

meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós; (Gál. 4:19)

                           Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.
Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda
vez? Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus. O
que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de novo. O
vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito.
(João 3:3-8)

Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus. (Filip. 1:6)

O lado escuro dos filósofos populares é que eles descobriram um meio fácil de ganhar a vida. Muitos eram interesseiros, nada mais.
Alguns exploravam sexualmente seus ouvintes. Embora houvesse professores honestos entre eles, havia, no mundo antigo, bastante
ceticismo em relação aos pregadores itinerantes.

Paulo procurava evitar parte desse ceticismo recusando geralmente ajuda de seus ouvintes e, em lugar disso, fazendo árduo trabalho
manual para se sustentar. Isso, além de seus sofrimentos, demonstrava que ele realmente acreditava no que pregava e que não
estava fazendo isso para ganho pessoal. De muitas maneiras, a vida de Paulo era o sermão mais poderoso que ele podia pregar.

Quinta                                                              Ano Bíblico: Ec 5–8

Igrejas nos lares

5. Que exemplos temos de igrejas nos lares? Rm 16:5; 1Co 16:19; Cl 4:15; Fm 1, 2

saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles. Saudai meu querido Epêneto, primícias da Ásia para Cristo. (Rom. 16:5)

As igrejas da Ásia vos saúdam. No Senhor, muito vos saúdam Áqüila e Priscila e, bem assim, a igreja que está na casa deles. (1 Cor.
16:19)

Saudai os irmãos de Laodicéia, e Ninfa, e à igreja que ela hospeda em sua casa. (Col. 4:15)

Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, também nosso colaborador, e à irmã Áfia, e a Arquipo,
nosso companheiro de lutas, e à igreja que está em tua casa, graça e paz a vós outros, da parte de Deus, nosso Pai, e do
Senhor Jesus Cristo. (Fm. 1:1-3).

No mundo romano, havia dois tipos principais de residências. Havia a domus, uma casa grande, para uma única família, construída em
torno de um pátio, típica dos ricos. Essas casas podiam ter um local de reuniões para 30 a 100 pessoas. O outro tipo de residência era
a insula, com lojas e locais de trabalho no piso térreo, diante da rua, e apartamentos (lares) nos andares de cima. Essa era a principal
habitação urbana das classes trabalhadoras. Um desses apartamentos ou locais de trabalho normalmente podia acomodar igrejas
menores.

A domus e muitas insulas podiam abrigar uma família maior, incluindo duas ou três gerações, empregados da empresa familiar,
visitantes e até mesmo escravos. Se o chefe da família se convertesse, isso poderia ter grande impacto sobre todos os outros que
viviam ali.

O local ideal para uma igreja no lar era perto do centro da cidade. As lojas e locais de trabalho relacionados com aquela casa
promoviam o contato com artesãos, comerciantes, clientes e trabalhadores braçais à procura de emprego. Esse foi o cenário em que
grande parte do trabalho missionário de Paulo pode ter sido feito.

Em algumas partes do mundo, as pessoas ainda adoram em igrejas nos lares, porque muitas vezes isso é tudo que elas têm. Ou, em
alguns casos, não estão autorizadas a fazer qualquer outra coisa, e assim as igrejas nas casas são a única opção.

6. Como Paulo organizava sua vida profissional e o trabalho evangelístico? At 18:1-4

Depois disto, deixando Paulo Atenas, partiu para Corinto. Lá, encontrou certo judeu chamado Áqüila, natural do Ponto, recentemente
chegado da Itália, com Priscila, sua mulher, em vista de ter Cláudio decretado que todos os judeus se retirassem de Roma. Paulo
aproximou-se deles. E, posto que eram do mesmo ofício, passou a morar com eles e ali trabalhava, pois a profissão deles era fazer
tendas. E todos os sábados discorria na sinagoga, persuadindo tanto judeus como gregos. (Atos 18:1-4)

Como cidadão romano e, em certo grau, como membro da elite judaica, Paulo deve ter sido da classe alta. Se foi assim, fazer trabalho
manual deve ter sido um sacrifício para ele. No entanto, por meio desse trabalho, ele se identificava com as classes trabalhadoras e as
alcançava (1Co 9:19-23).

Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. Procedi, para com os judeus, como
judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem
debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas
debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os
fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de
me tornar cooperador com ele. (1 Cor. 9:19-23)

Sua igreja interage com a comunidade? Os membros participam da comunidade ou têm a “mentalidade fechada”, isolando-se dos
perigos do mundo, deixando assim de influenciar?

Sexta                                                               Ano Bíblico: Ec 9–12

                            Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
Estudo adicional

A Providência havia dirigido os movimentos das nações, e a onda do impulso e influência humanos, até que o mundo se achasse
maduro para a vinda do Libertador...

“Por essa época, os sistemas pagãos iam perdendo o domínio sobre o povo. Os homens estavam cansados de aparências e fábulas.
Ansiavam uma religião capaz de satisfazer o coração” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 32).

“Fora da nação judaica havia homens que prediziam o aparecimento de um instrutor divino. Esses homens andavam em busca da
verdade, e recebiam o Espírito de inspiração” (Idem, p. 33).

“Quando Paulo visitou Corinto pela primeira vez, encontrou-se entre gente que suspeitava dos intuitos dos estrangeiros. Os gregos do
litoral eram espertos negociantes. Por tanto tempo se haviam exercitado em sagazes práticas comerciais, que haviam chegado a
considerar o ganho como piedade, e que fazer dinheiro, fosse por meios lícitos ou não, era coisa recomendável. Paulo se achava
familiarizado com suas características, e não lhes queria dar ocasião de dizer que ele pregava o evangelho a fim de se enriquecer... Ele
procurava afastar qualquer motivo para um mau juízo, a fim de não prejudicar a influência da mensagem” (Ellen G. White, Obreiros
Evangélicos, p. 234, 235).

Perguntas para reflexão
1. O que Ellen White quis dizer quando escreveu que o “Espírito de inspiração” foi dado aos mestres gentios? Deus está atuando no
mundo das ideias fora do contexto cristão? Uma pessoa pode ser salva se nunca ouviu o nome de Jesus?
2. Em que contextos uma casa ou apartamento poderia ser um local eficaz para uma igreja no mundo de hoje? Utilizar os prédios das
igrejas é sempre a melhor maneira de realizar as atividades dela? Por quê?
3. Como sua igreja pode adaptar melhor o evangelismo à comunidade local?

Resumo: Os relatos bíblicos da atividade missionária de Paulo estão no contexto da Roma antiga. À medida que vemos Paulo lidando
com questões cotidianas, podemos aprender a melhor forma de aplicar os princípios e as lições que Deus colocou nas Escrituras. Nas
cartas aos Tessalonicenses, Paulo estava guiando os antigos cristãos urbanos por tempos desafiadores.

Respostas sugestivas: 1: Os romanos queriam manter o domínio; os judeus queriam paz com os romanos; Jesus morreu por causa disso
e acima de tudo para nos salvar. 2: Os prazeres da carne são transitórios e contrários ao amor de Deus; os bens materiais e as
experiências da vida não trazem satisfação duradoura. 3: Adaptar a mensagem, a linguagem e o comportamento do mensageiro, de
modo que se identifiquem com as características do público-alvo, desde que os princípios da verdade não sejam prejudicados. 4: Paulo
pregava em lugares públicos e acreditava que a vida das pessoas podia mudar, mas entendia que Deus é o Autor das mudanças. 5:
Priscila e Áquila; Ninfa; Filemom. 6: Paulo trabalhava em seu ofício comercial durante a semana e aos sábados se dedicava ao
evangelismo.



                                        Resumo da Lição 3 – Tessalônica nos dias de Paulo


Texto-chave: 1 Coríntios 9:19-27

Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. Procedi, para com os judeus, como
judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem
debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas
debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os
fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de
me tornar cooperador com ele. Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio?
Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a
incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. Mas esmurro o meu corpo e o
reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado. (1 Cor. 9:19-27)

O aluno deverá...
Reconhecer: Que a pregação do evangelho produz os melhores resultados quando é realizada de uma forma que atenda as
necessidades dos ouvintes.
Sentir: Gratidão para com as pessoas que procuraram nos ensinar o evangelho.
Fazer: Aprender mais sobre as pessoas da comunidade e adaptar o evangelho para suprir às necessidades das pessoas.

Esboço
I. Conhecer: Todas as coisas para com todas as pessoas
A. Uma leitura atenta de Atos e das cartas de Paulo indica que Paulo adaptava sua apresentação do evangelho para atender às
necessidades específicas de seus ouvintes. Quantas metáforas diferentes, ou comparações, Paulo usa nas seguintes passagens para
descrever o que Jesus fez por nós? Rm 3:24, 25; 5:10; 1Co 5:6, 7; Gl 4:4, 5.
B. Que metáforas Jesus usou para descrever o evangelho? Mc 1:15; 4:1-9; Mt 13:1-52.
C. O que sabemos sobre o contexto em que Jesus e Paulo trabalharam e como isso explicar por que suas exposições do evangelho
eram tão diferentes?

II. Sentir: Tornando o evangelho pessoal
A. Quais são algumas vantagens em tentar apresentar o evangelho aos outros de uma forma relevante para eles? Quais são as
possíveis desvantagens?
B. Para você, qual foi a exposição mais significativa do evangelho? Por quê?


                             Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
III. Fazer: Requisitos para adaptar o evangelho
A. Apresentar o evangelho de uma forma que atenda às necessidades dos outros requer um sólido conhecimento do evangelho e uma
compreensão exata das necessidades daqueles a quem queremos alcançar. Como é o seu desempenho e o de sua você nessas áreas?
Que medidas podem ser tomadas para melhorar suas habilidades?

Resumo: O evangelho é compartilhado de forma mais eficaz quando atende às necessidades específicas das pessoas que queremos
alcançar para Cristo.

Ciclo do aprendizado

Motivação
Conceito-chave para o crescimento espiritual: O tipo de transformação que o evangelho procura realizar só pode acontecer quando a
mensagem de Cristo é vista como relevante para as preocupações e problemas que as pessoas enfrentam.

Na década de 1960, Don e Carol Richardson viajaram para Nova Guiné como missionários. Eles queriam compartilhar o evangelho com
o povo sawi, um grupo de canibais caçadores de cabeças que não tinha nenhuma informação nem noção sobre Deus. Depois de
aprender a língua, os Richardsons começaram a contar aos Sawi a história de Jesus e Sua crucificação. Os sawi gostaram da história,
mas não da maneira que os missionários esperavam. Do ponto de vista dos sawi, o herói da história não foi Jesus, mas Judas! Em sua
cultura, o último ato heróico era fingir fazer as pazes com o inimigo e depois trai-lo e assassiná-lo quando menos se esperasse. Para os
sawi, Jesus foi um tolo por ser enganado tão facilmente.

Não conseguindo convencer as tribos sawi a pôr fim às lutas e mortes constantes, e desanimados pela falta de sucesso na
disseminação do evangelho, os Richardsons anunciaram que estavam indo embora. Com medo de perder o acesso à medicina
moderna e aos suprimentos que os missionários haviam levado, os líderes das tribos sawi prometeram fazer as pazes e convidaram os
dois missionários, que não acreditavam nessa promessa, para participar da cerimônia de paz.

Como garantia da paz, as tribos rivais trocaram crianças, que seriam criadas por outra tribo. Os sawi chamavam cada criança de "tarop
tim" ou "criança da paz". Enquanto essas crianças vivessem, a paz estava assegurada. Embora o povo sawi considerasse o assassinato
uma coisa trivial, assassinar uma criança da paz era diferente. Para eles não havia ato mais desprezível e vergonhoso.

Nessa cerimônia os Richardsons descobriram o segredo de que precisavam para apresentar o evangelho de modo relevante para o
povo sawi. Judas não foi o herói na história do evangelho. Jesus era a divina Criança da paz, e Judas havia conspirado para matá-Lo.
Horrorizados com o que Judas tinha feito, os sawi ficaram ansiosos para ouvir o restante da história que contava como Deus havia
trazido a Criança da Paz de volta à vida. Posteriormente, muitos dos sawi, comovidos pela história do evangelho, tornaram-se cristãos.

Pense nisto: O povo sawi responderam ao evangelho somente quando sua mensagem fez sentido dentro de sua cultura. Que
obstáculos culturais impedem as pessoas de se identificarem com a história do evangelho?


Compreensão

Comentário Bíblico

I. O majestoso evangelho dos romanos (Recapitule com a classe João 11:48-50.)

Embora a lição desta semana trate de uma quantidade considerável de informações históricas sobre Tessalônica, é importante não
perder de vista o objetivo principal do autor: o domínio de Roma em Tessalônica criou um vazio e fome na vida de muitos habitantes
gentios da cidade. Foi isso que deu a Paulo a oportunidade de proclamar Cristo como resposta às suas reais necessidades. A
importância desse ponto, e sua relevância para nós, podem ser vistas mais claramente se considerarmos o contraste entre as
alegações feitas por Roma antiga e a proclamação do Cristo ressuscitado, feita por Paulo.

O Império Romano é frequentemente elogiado por trazer dois séculos de estabilidade política, segurança e paz para o mundo
mediterrâneo. No entanto, a "paz romana" ocorreu a um preço muito alto: violência, dominação, exploração das classes pobres e
trabalhadoras e morte por crucifixão de qualquer pessoa que afrontasse ou desafiasse o poder de Roma. Esse foi um fato muito claro
para os líderes judeus em Jerusalém quando eles estavam deliberando sobre o rumo que deviam tomar ao lidar com Jesus (Jo 11:48-50).

Com o poder e opressão romanos também veio a arrogância romana. Certamente não há exemplo mais impressionante do que a
Inscrição de Priene, que remonta ao ano 9 a.C., cerca de cinco anos antes do nascimento de Jesus. A inscrição enche Augusto César de
elogios, chamando-o de salvador do mundo e fonte de paz e justiça.

Num forte contraste, Paulo respondeu a tais afirmações com um enfático "não!". Se Jesus é o Senhor, César certamente não é. Tudo
que Roma reivindicava para si mesma, Paulo reclamava para o Cristo ressuscitado. Nesse contexto, é claro que o evangelho de Paulo
não era apenas a respeito de como encontrar vida eterna além do túmulo, mas também incluía o acesso a uma nova maneira de viver
no presente sob o senhorio de Jesus e pelo poder do Espírito Santo. O evangelho era um chamado radical para seguir Jesus. Embora os
romanos possam ter se aproveitado da esperança inútil que os tessalonicenses encontravam no culto de Cabirus, Paulo ofereceu uma
esperança mais segura, enraizada no Jesus crucificado, cuja ressurreição havia desafiado não apenas o poder de Roma, mas a própria
morte!

Pense nisto: Que formas de opressão as pessoas experimentam hoje em sua comunidade, seja por meio de forças políticas ou
culturais? Como a mensagem do Cristo ressuscitado pode atender essas necessidades?

II. Todas as coisas para com todas as pessoas (Recapitule com a classe 1 Coríntios 9:19-27 comentário.)

Uma das razões pelas quais a mensagem de Paulo sobre o Cristo ressuscitado teve tanto sucesso em Tessalônica foi sua capacidade de

                            Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
conectar a mensagem do evangelho às preocupações e necessidades dos tessalonicenses. Não pense que isso aconteceu por acaso.
Um exame das palavras de Paulo em 1 Coríntios 9:19-22 deixa claro que Paulo, antes de pregar o evangelho em algum lugar, tomava
tempo para conhecer as pessoas que ele estava tentando alcançar.

Em relação a alguns dos líderes de Corinto, Paulo precisava tomar uma posição decisiva sobre o direito dos cristãos de comer carne
vendida no mercado depois que os animais tinham sido abatidos em templos pagãos e oferecidos primeiramente aos ídolos (1Co 8:4-6).
Visto que os deuses pagãos não existiam realmente, qual era o mal em comer carne que tinha sido oferecida a eles? Cristãos que
pensavam de outra forma estavam, na opinião de alguns líderes, sendo supersticiosos e não viviam de acordo com a verdade do
evangelho.

Em vez de tomar partido, Paulo defendeu uma norma muito maior para o comportamento. Ele disse que os cristãos devem ser
motivados em primeiro lugar pelo amor aos outros, não apenas pelo exercício dos próprios direitos. De fato, alguns "direitos" podem
ser um "erro" se eles acabam prejudicando a causa de Cristo na vida de um irmão (1Co 8:7-13).

É nesse contexto que Paulo fala sobre ser "tudo para com todos" (1Co 9:22). Quando Paulo estava entre os judeus, estava disposto a se
adaptar aos costumes e práticas do judaísmo. Se estivesse entre os gentios, não insistia em mostrar que era judeu. Ele estava disposto
a se ajustar a qualquer contexto social, desde que isso não comprometesse as crenças centrais da sua fé em Cristo. Sua única
preocupação era ter consciência das crenças e costumes das pessoas e demonstrar sensibilidade para com elas, a fim de encontrar
uma oportunidade de compartilhar Cristo de um modo relevante para elas.

Pense nisto: A determinação de Paulo de ser "tudo para com todos" significava que ele tinha que estar disposto a gastar tempo com
pessoas que não eram crentes. Você e sua igreja estão buscando deliberadamente interagir com os não cristãos e compreender suas
necessidades?

Aplicação

Perguntas para reflexão
1. Como um cristão pode manter os princípios cristãos e se relacionar com os incrédulos sem ser influenciado negativamente pelo seu
estilo de vida?
2. Comente algumas das histórias do Antigo Testamento em que os seguidores de Deus influenciaram e se envolveram com os
incrédulos, mas permaneceram fiéis a Deus. Em contraste com isso, peça que os alunos façam uma lista de exemplos negativos nos
quais aconteceu o oposto. Qual é a razão para a diferença entre os que permaneceram fiéis e os que não permaneceram? Que lições
podemos aprender com isso?

Perguntas de aplicação
1. A igreja tem obtido sucesso em apresentar as verdades eternas de Cristo, no contexto de um mundo cujas preocupações estão em
constante mudança? Por outro lado, em que aspectos temos falhado?
2. As igrejas muitas vezes gostam de copiar os esforços evangelísticos que funcionam para outras igrejas, na esperança de que
experimentarão o mesmo sucesso. Quais são os perigos de adotar ideias evangelísticas com pouca reflexão sobre as necessidades da
própria comunidade? Justifique sua resposta.

Criatividade

Atividade: A fim de alcançar os incrédulos em nossa comunidade, precisamos conhecer bem as pessoas. Para ajudar nisso, peça à sua
classe para criar uma lista das características e qualidades que melhor descrevem a sua comunidade. Devem ser considerados os
seguintes itens: (1) localização (rural, urbana, cidade do interior, etc.); (2) etnia; (3) religião; (4) média de idade e gênero; (5) renda
familiar média. Essas informações muitas vezes podem ser encontradas na internet.

Usando as informações reunidas, faça um perfil da pessoa que você identificou. Com esse indivíduo em mente, elabore uma lista de
coisas que sua igreja pode fazer para alcançar essa pessoa.




                            Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra às epistolas de são paulo janeiro de 2013 atualizado em 01 04-2013
Palestra às epistolas de são paulo janeiro de 2013 atualizado em 01 04-2013Palestra às epistolas de são paulo janeiro de 2013 atualizado em 01 04-2013
Palestra às epistolas de são paulo janeiro de 2013 atualizado em 01 04-2013Pré Cursilho Taguatinga
 
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
4 efésios, filipenses, colossenses e filemomJosé Santos
 
“Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários”
“Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários”“Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários”
“Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários”JUERP
 
COMENTARIO BIBLICO-2 tessalonicenses (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 tessalonicenses (moody)COMENTARIO BIBLICO-2 tessalonicenses (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 tessalonicenses (moody)leniogravacoes
 
Carta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesCarta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesUEPB
 
Paulo e a Igreja em Corinto
Paulo e a Igreja em CorintoPaulo e a Igreja em Corinto
Paulo e a Igreja em Corintoguest985a0e
 
2 epístolas paulinas
2 epístolas paulinas2 epístolas paulinas
2 epístolas paulinasJosé Santos
 
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia Rodrigo F Menegatti
 
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculoESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculoPAULO RICARDO FERREIRA
 
Panorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosPanorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosRespirando Deus
 
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesRespirando Deus
 
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)Ilton Goncalves
 
Alegrai vos no senhor uma exposição de filipenses - russell p. shedd
Alegrai vos no senhor   uma exposição de filipenses - russell p. sheddAlegrai vos no senhor   uma exposição de filipenses - russell p. shedd
Alegrai vos no senhor uma exposição de filipenses - russell p. sheddDeusdete Soares
 
As cartas pastorais
As cartas pastoraisAs cartas pastorais
As cartas pastoraisguest1671d3
 
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-clEstudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-clJUERP
 

Mais procurados (20)

Palestra às epistolas de são paulo janeiro de 2013 atualizado em 01 04-2013
Palestra às epistolas de são paulo janeiro de 2013 atualizado em 01 04-2013Palestra às epistolas de são paulo janeiro de 2013 atualizado em 01 04-2013
Palestra às epistolas de são paulo janeiro de 2013 atualizado em 01 04-2013
 
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
4 efésios, filipenses, colossenses e filemom
 
“Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários”
“Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários”“Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários”
“Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários”
 
COMENTARIO BIBLICO-2 tessalonicenses (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 tessalonicenses (moody)COMENTARIO BIBLICO-2 tessalonicenses (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 tessalonicenses (moody)
 
Carta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesCarta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos Filipenses
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
 
Paulo e a Igreja em Corinto
Paulo e a Igreja em CorintoPaulo e a Igreja em Corinto
Paulo e a Igreja em Corinto
 
2 epístolas paulinas
2 epístolas paulinas2 epístolas paulinas
2 epístolas paulinas
 
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
 
EADE - As epístolas de Paulo (1)
EADE - As epístolas de Paulo (1)EADE - As epístolas de Paulo (1)
EADE - As epístolas de Paulo (1)
 
Carta aos gálatas
Carta aos gálatasCarta aos gálatas
Carta aos gálatas
 
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculoESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
ESTUDO Livro filipenses versiculo por versiculo
 
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espírito
2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espírito2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espírito
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espírito
 
Panorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosPanorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2Coríntios
 
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - Filipenses
 
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
2 corintios separação e purificação (2co 1 – 7)
 
Epistolas paulinas
Epistolas paulinasEpistolas paulinas
Epistolas paulinas
 
Alegrai vos no senhor uma exposição de filipenses - russell p. shedd
Alegrai vos no senhor   uma exposição de filipenses - russell p. sheddAlegrai vos no senhor   uma exposição de filipenses - russell p. shedd
Alegrai vos no senhor uma exposição de filipenses - russell p. shedd
 
As cartas pastorais
As cartas pastoraisAs cartas pastorais
As cartas pastorais
 
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-clEstudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
 

Destaque (20)

1 Tessalonicenses (Estudo 1)
1 Tessalonicenses (Estudo 1)1 Tessalonicenses (Estudo 1)
1 Tessalonicenses (Estudo 1)
 
contexto historico de tessalonicenses.pps
contexto historico de tessalonicenses.ppscontexto historico de tessalonicenses.pps
contexto historico de tessalonicenses.pps
 
1 Tessalonicenses (Estudo 3)
1 Tessalonicenses (Estudo 3)1 Tessalonicenses (Estudo 3)
1 Tessalonicenses (Estudo 3)
 
Tessalonicenses 1
Tessalonicenses 1Tessalonicenses 1
Tessalonicenses 1
 
Obesidade digital
Obesidade digitalObesidade digital
Obesidade digital
 
CalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional AriquemesCalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
 
Memes O Anunciador
Memes O AnunciadorMemes O Anunciador
Memes O Anunciador
 
Campanha da Fraternidade 2011
Campanha da Fraternidade 2011Campanha da Fraternidade 2011
Campanha da Fraternidade 2011
 
Marketing pastoral
Marketing pastoralMarketing pastoral
Marketing pastoral
 
Compromissos Da Pj 2009
Compromissos Da Pj   2009Compromissos Da Pj   2009
Compromissos Da Pj 2009
 
Campanha da Fraternidade 2014 - estudo online
Campanha da Fraternidade 2014 - estudo onlineCampanha da Fraternidade 2014 - estudo online
Campanha da Fraternidade 2014 - estudo online
 
Roteiro Grupo 04
Roteiro Grupo 04Roteiro Grupo 04
Roteiro Grupo 04
 
Roteiro Grupo 02
Roteiro Grupo 02Roteiro Grupo 02
Roteiro Grupo 02
 
Roteiro Grupo 06
Roteiro Grupo 06Roteiro Grupo 06
Roteiro Grupo 06
 
Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo
Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo
Campanha da Fraternidade 2013 - breve estudo
 
Roteiro Grupo 01
Roteiro Grupo 01Roteiro Grupo 01
Roteiro Grupo 01
 
Roteiro Grupo 05
Roteiro Grupo 05Roteiro Grupo 05
Roteiro Grupo 05
 
Roteiro Grupo 03
Roteiro Grupo 03Roteiro Grupo 03
Roteiro Grupo 03
 
Terceira viagem Paulo apresentaçao
Terceira viagem Paulo apresentaçaoTerceira viagem Paulo apresentaçao
Terceira viagem Paulo apresentaçao
 
Estudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhosEstudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhos
 

Semelhante a Tessalônica nos dias de Paulo

Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012Gerson G. Ramos
 
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Gerson G. Ramos
 
A SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA
A SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIAA SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA
A SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIAEnerliz
 
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS Carlos Oliveira
 
Absg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-tAbsg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-tFlor Aranda
 
Paulo e Estevão - Chico Xavier
Paulo e Estevão - Chico XavierPaulo e Estevão - Chico Xavier
Paulo e Estevão - Chico XavierDeisi Blume
 
Evangélico claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
Evangélico   claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...Evangélico   claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
Evangélico claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...manoel ramos de oliveira
 
Comentário: 3° Domingo do Advento - Ano C
Comentário: 3° Domingo do Advento - Ano CComentário: 3° Domingo do Advento - Ano C
Comentário: 3° Domingo do Advento - Ano CJosé Lima
 
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdfO_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdfVictorSiqueira36
 
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptxSEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptxViniciusFerreira700331
 

Semelhante a Tessalônica nos dias de Paulo (20)

Absg 12-q3-p-l03-t
Absg 12-q3-p-l03-tAbsg 12-q3-p-l03-t
Absg 12-q3-p-l03-t
 
Absg 12-q3-p-l02-t
Absg 12-q3-p-l02-tAbsg 12-q3-p-l02-t
Absg 12-q3-p-l02-t
 
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
 
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
 
A SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA
A SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIAA SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA
A SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA
 
A Conversão de Paulo
A Conversão de PauloA Conversão de Paulo
A Conversão de Paulo
 
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
 
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
 
STNB-NT2-M1
STNB-NT2-M1STNB-NT2-M1
STNB-NT2-M1
 
Absg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-tAbsg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-t
 
Apocalipse1.pptx
Apocalipse1.pptxApocalipse1.pptx
Apocalipse1.pptx
 
Paulo e Estevão - Chico Xavier
Paulo e Estevão - Chico XavierPaulo e Estevão - Chico Xavier
Paulo e Estevão - Chico Xavier
 
34 efésios
34 efésios34 efésios
34 efésios
 
Carta a um maçom
Carta a um maçomCarta a um maçom
Carta a um maçom
 
João batista
João batistaJoão batista
João batista
 
Evangélico claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
Evangélico   claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...Evangélico   claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
Evangélico claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
 
Comentário: 3° Domingo do Advento - Ano C
Comentário: 3° Domingo do Advento - Ano CComentário: 3° Domingo do Advento - Ano C
Comentário: 3° Domingo do Advento - Ano C
 
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdfO_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolos Atos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptxSEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
 

Mais de Gerson G. Ramos

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRGerson G. Ramos
 

Mais de Gerson G. Ramos (20)

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 

Tessalônica nos dias de Paulo

  • 1. Lição 3 14 a 21 de julho Tessalônica nos dias de Paulo Sábado à tarde Ano Bíblico: Pv 16–19 VERSO PARA MEMORIZAR: “Embora seja livre de todos, fiz-me escravo de todos, para ganhar o maior número possível de pessoas”(1Co 9:19, NVI). Leituras da semana: Jo 11:48-50; 1Jo 2:15-17; 1Co 9:19-27; Jo 3:3-8; 1Co 16:19 Pensamento-chave: Um breve estudo do contexto da antiga Tessalônica demonstra que a abordagem de Paulo aos cidadãos locais foi elaborada de modo cuidadoso e único. O foco principal desta lição será um resumo do que a história, literatura e arqueologia nos falam acerca de Tessalônica. Esse material é importante por duas razões. Em primeiro lugar, nos ajuda a perceber como os ouvintes e leitores originais de Paulo poderiam entendê-lo. Ao fazer isso, esclarece o significado do que ele escreveu e o impacto de seus escritos sobre a igreja e a sociedade daquela época. Em segundo lugar, quanto mais sabemos sobre as ideias e crenças dos tessalonicenses, mais podemos compreender aquilo que Paulo estava combatendo. A fim de promover o evangelho, Paulo também teria que corrigir ideias erradas. Assim, embora não esteja diretamente focalizada na Bíblia, esta lição prepara o terreno para nossa leitura das duas cartas aos Tessalonicenses, durante o restante das lições deste trimestre. Domingo Ano Bíblico: Pv 20–24 Os romanos chegam a Tessalônica 1. Como as decisões políticas e religiosas acerca do ministério de Jesus foram influenciadas pela chegada dos romanos à Palestina e a Jerusalém no primeiro século? A terrível lógica de Caifás fazia sentido? Jo 11:48-50 Se o deixarmos assim, todos crerão nele; depois, virão os romanos e tomarão não só o nosso lugar, mas a própria nação. Caifás, porém, um dentre eles, sumo sacerdote naquele ano, advertiu-os, dizendo: Vós nada sabeis, nem considerais que vos convém que morra um só homem pelo povo e que não venha a perecer toda a nação. (João 11:48-50) No contexto de uma guerra civil entre as cidades-estados gregas, por volta de 168 a.C., os tessalonicenses convidaram os romanos para tomar posse da sua cidade e protegê-la dos inimigos locais. Os romanos recompensaram Tessalônica por estar do “lado certo” da guerra civil, permitindo que a cidade, em grande medida, governasse a si mesma. Ela se tornou uma cidade livre dentro do império, o que significava que poderia controlar, amplamente, seus problemas internos e seu destino. Como resultado, as classes mais ricas e mais poderosas da cidade foram autorizadas a continuar a viver, em muitos aspectos, como tinham vivido antes. Eram, portanto, a favor de Roma e do imperador nos dias de Paulo. Mas a vida não era tão agradável para as pessoas comuns, especialmente das classes trabalhadoras. Havia três grandes aspectos negativos do governo romano de Tessalônica. Em primeiro lugar, a chegada dos romanos promoveu mudanças econômicas. O comércio era interrompido pela guerra e pelas mudanças de governo, tanto local quanto regional. Essas interrupções afetavam de modo mais severo os mais pobres do que os mais ricos. Com o tempo, esse aspecto negativo se tornou menos significativo. Em segundo lugar, embora Tessalônica, em grande medida, governasse a si mesma, ainda havia uma sensação de impotência política. Alguns líderes locais foram substituídos por estrangeiros, leais a uma cidade distante (Roma), e não a Tessalônica. Não importam as vantagens da ocupação estrangeira, ela não é popular por muito tempo. Em terceiro lugar, havia a inevitável exploração colonial que acompanhava a ocupação. Os romanos exigiam certa quantidade de exportação de impostos. Porcentagens de produtos agrícolas, minerais e outros produtos locais eram desviadas e enviadas a Roma para apoiar as necessidades mais amplas do império. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • 2. Assim, embora Tessalônica estivesse em uma situação bem melhor do que a de Jerusalém, por exemplo, o governo e a ocupação de Roma inevitavelmente criavam tensões significativas nas comunidades locais. Em Tessalônica, essas tensões eram especialmente difíceis para os pobres e as classes trabalhadoras. À medida que as décadas passavam, os tessalonicences se tornavam cada vez mais frustrados e ansiavam por uma mudança na situação. Como a situação política atual em sua comunidade influencia o trabalho da igreja? Que tipo de coisas a igreja pode ou deve fazer para melhorar seu desempenho e sua posição na comunidade? Segunda Ano Bíblico: Pv 25–27 Uma resposta pagã a Roma A resposta pagã à incapacidade sentida por muitas pessoas de Tessalônica foi um movimento espiritual que os estudiosos chamam de culto de Cabirus, fundamentado em um homem chamado Cabirus, que falou em favor dos marginalizados e foi assassinado por seus dois irmãos. Ele foi enterrado com os símbolos da realeza, e o movimento passou a tratá-lo como herói martirizado. As classes operárias acreditavam que Cabirus havia manifestado poderes miraculosos enquanto vivia. Eles também acreditavam que, de tempos em tempos, Cabirus, silenciosamente, voltava à vida a fim de ajudar as pessoas; pensavam que ele voltaria para trazer justiça às classes trabalhadoras e devolver à cidade a independência e grandeza do passado. O culto de Cabirus oferecia esperança aos oprimidos, em termos que lembram a esperança bíblica. As coisas ficam ainda mais interessantes quando descobrimos que a adoração de Cabirus incluía sacrifícios de sangue para celebrar seu martírio. De um modo que lembra Paulo, os tessalonicenses falavam da “participação em seu sangue”. Dessa forma, obtinham alívio da culpa. Distinções de classes também eram abolidas. No culto de Cabirus todas as classes da sociedade eram tratadas de forma igual. Porém houve mais uma dinâmica. Quando o culto ao imperador surgiu, na época de Augusto, os romanos proclamaram que Cabirus já tinha vindo na pessoa de César. Em outras palavras, o poder de ocupação se apropriou da esperança dos oprimidos. Como resultado, a vida espiritual de Tessalônica não mais proporcionava alívio para as classes trabalhadoras. As pessoas comuns ficaram sem uma religião significativa. A existência do culto ao imperador também significava que, se alguém parecido com o verdadeiro Cabirus chegasse à cidade, seria uma ameaça imediata ao sistema estabelecido. A resposta romana ao culto de Cabirus deixou um vazio espiritual no coração do povo, um vácuo que somente o evangelho podia preencher. Cristo era a verdadeira realização da esperança e dos sonhos que o povo de Tessalônica havia depositado em Cabirus. O evangelho oferecia paz interior para o momento e, na segunda vinda de Cristo, a transformação definitiva das realidades econômicas e políticas contemporâneas. 2. Que verdades essenciais são expressas nos seguintes textos? Você experimentou a realidade dessas palavras, em relação ao fato de que as coisas do mundo são transitórias e não trazem satisfação? 1 Jo 2:15-17; Ec 2:1-11 Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente. (1 João 2:15-17) Disse comigo: vamos! Eu te provarei com a alegria; goza, pois, a felicidade; mas também isso era vaidade. Do riso disse: é loucura; e da alegria: de que serve? Resolvi no meu coração dar-me ao vinho, regendo-me, contudo, pela sabedoria, e entregar-me à loucura, até ver o que melhor seria que fizessem os filhos dos homens debaixo do céu, durante os poucos dias da sua vida. Empreendi grandes obras; edifiquei para mim casas; plantei para mim vinhas. Fiz jardins e pomares para mim e nestes plantei árvores frutíferas de toda espécie. Fiz para mim açudes, para regar com eles o bosque em que reverdeciam as árvores. Comprei servos e servas e tive servos nascidos em casa; também possuí bois e ovelhas, mais do que possuíram todos os que antes de mim viveram em Jerusalém. Amontoei também para mim prata e ouro e tesouros de reis e de províncias; provi-me de cantores e cantoras e das delícias dos filhos dos homens: mulheres e mulheres. Engrandeci-me e sobrepujei a todos os que viveram antes de mim em Jerusalém; perseverou também comigo a minha sabedoria. Tudo quanto desejaram os meus olhos não lhes neguei, nem privei o coração de alegria alguma, pois eu me alegrava com todas as minhas fadigas, e isso era a recompensa de todas elas. Considerei todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também o trabalho que eu, com fadigas, havia feito; e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento, e nenhum proveito havia debaixo do sol. (Ecles. 2:1-11) Terça Ano Bíblico: Pv 28–31 O evangelho como ponto de contato Diante do que aprendemos ontem, não é difícil ver por que, quando o evangelho chegou a Tessalônica, muitos não judeus da cidade responderam positivamente. Não importando que Paulo conhecesse ou não o culto de Cabirus antes de chegar à cidade, sua abordagem messiânica na sinagoga ecoava os anseios espirituais específicos dos pagãos locais. Quando o evangelho chegou a Tessalônica, as classes trabalhadoras da cidade estavam prontas para recebê-lo, e responderam em grande número. Eles estavam também prontos para interpretações extremas do evangelho. O culto de Cabirus tinha introduzido nas pessoas um espírito de rebelião contra as autoridades, o que pode ter sido a causa da conduta desordeira abordada por Paulo em suas duas cartas (veja 1Ts 4:11, 12; 5:14; 2Ts 3:6, 7, 11). e a diligenciardes por viver tranquilamente, cuidar do que é vosso e trabalhar com as próprias mãos, como vos ordenamos; de modo que vos porteis com dignidade para com os de fora e de nada venhais a precisar. (1 Ts 4:11-12) Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • 3. Exortamo-vos, também, irmãos, a que admoesteis os insubmissos, consoleis os desanimados, ampareis os fracos e sejais longânimos para com todos. (1 Ts 5:14) Nós vos ordenamos, irmãos, em nome do Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo irmão que ande desordenadamente e não segundo a tradição que de nós recebestes; pois vós mesmos estais cientes do modo por que vos convém imitar-nos, visto que nunca nos portamos desordenadamente entre vós, (2 Ts 3:6-7) Pois, de fato, estamos informados de que, entre vós, há pessoas que andam desordenadamente, não trabalhando; antes, se intrometem na vida alheia. (2 Ts 3:11) 3. Qual foi a estratégia missionária fundamental apresentada por Paulo? Que perigo potencial se esconde nesse método? Como os dois princípios contidos nessa estratégia podem ser mantidos em equilíbrio? 1Co 9:19-27 Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de me tornar cooperador com ele. Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado. (1 Cor. 9:19-27) O evangelho tem maior impacto quando influencia as necessidades, esperanças e sonhos das pessoas. Embora o Espírito Santo ofereça pontes para o evangelho, isso normalmente acontece como resultado de ouvi-lo intensamente e experimentá-lo com atitude de oração. A experiência também nos ensinou que as pessoas estão mais abertas à mensagem adventista em tempos de mudança. Entre as mudanças que tornam as pessoas abertas a novas ideias estão: turbulência econômica, conflitos políticos, guerras, casamentos, divórcios, mudança no lugar de residência, problemas de saúde e morte. Os tessalonicenses haviam experimentado sua parcela de mudanças e deslocamento, e isso ajudou o evangelho a criar raízes. Mas as pessoas batizadas em tempos de deslocamento também tendem a ser instáveis, pelo menos no início. A maior parte das apostasias ocorre nos primeiros meses após a conversão. As cartas a Tessalônica testificam da considerável instabilidade na igreja nos meses seguintes à visita de Paulo. O que podemos fazer para ajudar os membros que ainda estão se ajustando à nova vida em Cristo? O que você pode fazer para ajudar a manter essas pessoas firmes no Senhor? Você ficará surpreso ao descobrir também quanto esse tipo de ministério fortalecerá sua própria fé. Quarta Ano Bíblico: Ec 1–4 Paulo, o “pregador de rua” No contexto greco-romano do primeiro século ocorreu uma proliferação de filósofos populares que, nas praças públicas, procuravam influenciar indivíduos e grupos, de modo semelhante ao que os pregadores de rua fazem hoje. Esses filósofos acreditavam que as pessoas tinham uma capacidade interior de mudar sua vida (uma forma de conversão). Eles esperavam que seus discursos públicos e suas conversas particulares produzissem mudanças em seus alunos. Procuravam criar em seus ouvintes dúvidas sobre suas ideias e práticas. Por esse meio, os ouvintes se tornariam abertos a novas ideias e mudanças. O objetivo final era produzir autoconfiança e crescimento moral. Esperava-se que esses filósofos populares obtivessem o direito de falar conquistando primeiramente a liberdade moral na própria vida interior. “Médico, cura-te a ti mesmo” era um conceito bem conhecido no mundo antigo. Esses filósofos também estavam cientes da necessidade de variar a mensagem a fim de atender às diferentes mentalidades, e da importância de manter a integridade tanto no caráter do professor quanto na mensagem que estava sendo ensinada. 4. Existem paralelos entre esses mestres populares e Paulo, que também viajava por toda parte e trabalhava em lugares públicos? At 17:17; 19:9, 10 Por isso, dissertava na sinagoga entre os judeus e os gentios piedosos; também na praça, todos os dias, entre os que se encontravam ali. (Atos 17:17) Visto que alguns deles se mostravam empedernidos e descrentes, falando mal do Caminho diante da multidão, Paulo, apartando-se deles, separou os discípulos, passando a discorrer diariamente na escola de Tirano. Durou isto por espaço de dois anos, dando ensejo a que todos os habitantes da Ásia ouvissem a palavra do Senhor, tanto judeus como gregos. (Atos 19:9-10) Existiam paralelos. No entanto, havia duas diferenças significativas entre a abordagem de Paulo e a dos filósofos populares. Em primeiro lugar, Paulo não apenas trabalhava nos lugares públicos, mas também buscava formar uma comunidade duradoura. Isso requeria certa separação do “mundo”, juntamente com a formação de laços emocionais e profundo compromisso com o grupo. Em segundo lugar, Paulo ensinava que a conversão não era uma decisão interna, produzida pelo discurso sábio. Ao contrário, era uma obra sobrenatural de Deus, de fora para dentro (leia Gl 4:19; Jo 3:3-8; Fp 1:6). O ensinamento de Paulo era mais do que apenas uma filosofia. Era a proclamação da verdade e a revelação da poderosa obra de Deus na salvação da humanidade. meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós; (Gál. 4:19) Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • 4. A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez? Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de novo. O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito. (João 3:3-8) Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus. (Filip. 1:6) O lado escuro dos filósofos populares é que eles descobriram um meio fácil de ganhar a vida. Muitos eram interesseiros, nada mais. Alguns exploravam sexualmente seus ouvintes. Embora houvesse professores honestos entre eles, havia, no mundo antigo, bastante ceticismo em relação aos pregadores itinerantes. Paulo procurava evitar parte desse ceticismo recusando geralmente ajuda de seus ouvintes e, em lugar disso, fazendo árduo trabalho manual para se sustentar. Isso, além de seus sofrimentos, demonstrava que ele realmente acreditava no que pregava e que não estava fazendo isso para ganho pessoal. De muitas maneiras, a vida de Paulo era o sermão mais poderoso que ele podia pregar. Quinta Ano Bíblico: Ec 5–8 Igrejas nos lares 5. Que exemplos temos de igrejas nos lares? Rm 16:5; 1Co 16:19; Cl 4:15; Fm 1, 2 saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles. Saudai meu querido Epêneto, primícias da Ásia para Cristo. (Rom. 16:5) As igrejas da Ásia vos saúdam. No Senhor, muito vos saúdam Áqüila e Priscila e, bem assim, a igreja que está na casa deles. (1 Cor. 16:19) Saudai os irmãos de Laodicéia, e Ninfa, e à igreja que ela hospeda em sua casa. (Col. 4:15) Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, também nosso colaborador, e à irmã Áfia, e a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à igreja que está em tua casa, graça e paz a vós outros, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. (Fm. 1:1-3). No mundo romano, havia dois tipos principais de residências. Havia a domus, uma casa grande, para uma única família, construída em torno de um pátio, típica dos ricos. Essas casas podiam ter um local de reuniões para 30 a 100 pessoas. O outro tipo de residência era a insula, com lojas e locais de trabalho no piso térreo, diante da rua, e apartamentos (lares) nos andares de cima. Essa era a principal habitação urbana das classes trabalhadoras. Um desses apartamentos ou locais de trabalho normalmente podia acomodar igrejas menores. A domus e muitas insulas podiam abrigar uma família maior, incluindo duas ou três gerações, empregados da empresa familiar, visitantes e até mesmo escravos. Se o chefe da família se convertesse, isso poderia ter grande impacto sobre todos os outros que viviam ali. O local ideal para uma igreja no lar era perto do centro da cidade. As lojas e locais de trabalho relacionados com aquela casa promoviam o contato com artesãos, comerciantes, clientes e trabalhadores braçais à procura de emprego. Esse foi o cenário em que grande parte do trabalho missionário de Paulo pode ter sido feito. Em algumas partes do mundo, as pessoas ainda adoram em igrejas nos lares, porque muitas vezes isso é tudo que elas têm. Ou, em alguns casos, não estão autorizadas a fazer qualquer outra coisa, e assim as igrejas nas casas são a única opção. 6. Como Paulo organizava sua vida profissional e o trabalho evangelístico? At 18:1-4 Depois disto, deixando Paulo Atenas, partiu para Corinto. Lá, encontrou certo judeu chamado Áqüila, natural do Ponto, recentemente chegado da Itália, com Priscila, sua mulher, em vista de ter Cláudio decretado que todos os judeus se retirassem de Roma. Paulo aproximou-se deles. E, posto que eram do mesmo ofício, passou a morar com eles e ali trabalhava, pois a profissão deles era fazer tendas. E todos os sábados discorria na sinagoga, persuadindo tanto judeus como gregos. (Atos 18:1-4) Como cidadão romano e, em certo grau, como membro da elite judaica, Paulo deve ter sido da classe alta. Se foi assim, fazer trabalho manual deve ter sido um sacrifício para ele. No entanto, por meio desse trabalho, ele se identificava com as classes trabalhadoras e as alcançava (1Co 9:19-23). Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de me tornar cooperador com ele. (1 Cor. 9:19-23) Sua igreja interage com a comunidade? Os membros participam da comunidade ou têm a “mentalidade fechada”, isolando-se dos perigos do mundo, deixando assim de influenciar? Sexta Ano Bíblico: Ec 9–12 Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • 5. Estudo adicional A Providência havia dirigido os movimentos das nações, e a onda do impulso e influência humanos, até que o mundo se achasse maduro para a vinda do Libertador... “Por essa época, os sistemas pagãos iam perdendo o domínio sobre o povo. Os homens estavam cansados de aparências e fábulas. Ansiavam uma religião capaz de satisfazer o coração” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 32). “Fora da nação judaica havia homens que prediziam o aparecimento de um instrutor divino. Esses homens andavam em busca da verdade, e recebiam o Espírito de inspiração” (Idem, p. 33). “Quando Paulo visitou Corinto pela primeira vez, encontrou-se entre gente que suspeitava dos intuitos dos estrangeiros. Os gregos do litoral eram espertos negociantes. Por tanto tempo se haviam exercitado em sagazes práticas comerciais, que haviam chegado a considerar o ganho como piedade, e que fazer dinheiro, fosse por meios lícitos ou não, era coisa recomendável. Paulo se achava familiarizado com suas características, e não lhes queria dar ocasião de dizer que ele pregava o evangelho a fim de se enriquecer... Ele procurava afastar qualquer motivo para um mau juízo, a fim de não prejudicar a influência da mensagem” (Ellen G. White, Obreiros Evangélicos, p. 234, 235). Perguntas para reflexão 1. O que Ellen White quis dizer quando escreveu que o “Espírito de inspiração” foi dado aos mestres gentios? Deus está atuando no mundo das ideias fora do contexto cristão? Uma pessoa pode ser salva se nunca ouviu o nome de Jesus? 2. Em que contextos uma casa ou apartamento poderia ser um local eficaz para uma igreja no mundo de hoje? Utilizar os prédios das igrejas é sempre a melhor maneira de realizar as atividades dela? Por quê? 3. Como sua igreja pode adaptar melhor o evangelismo à comunidade local? Resumo: Os relatos bíblicos da atividade missionária de Paulo estão no contexto da Roma antiga. À medida que vemos Paulo lidando com questões cotidianas, podemos aprender a melhor forma de aplicar os princípios e as lições que Deus colocou nas Escrituras. Nas cartas aos Tessalonicenses, Paulo estava guiando os antigos cristãos urbanos por tempos desafiadores. Respostas sugestivas: 1: Os romanos queriam manter o domínio; os judeus queriam paz com os romanos; Jesus morreu por causa disso e acima de tudo para nos salvar. 2: Os prazeres da carne são transitórios e contrários ao amor de Deus; os bens materiais e as experiências da vida não trazem satisfação duradoura. 3: Adaptar a mensagem, a linguagem e o comportamento do mensageiro, de modo que se identifiquem com as características do público-alvo, desde que os princípios da verdade não sejam prejudicados. 4: Paulo pregava em lugares públicos e acreditava que a vida das pessoas podia mudar, mas entendia que Deus é o Autor das mudanças. 5: Priscila e Áquila; Ninfa; Filemom. 6: Paulo trabalhava em seu ofício comercial durante a semana e aos sábados se dedicava ao evangelismo. Resumo da Lição 3 – Tessalônica nos dias de Paulo Texto-chave: 1 Coríntios 9:19-27 Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de me tornar cooperador com ele. Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado. (1 Cor. 9:19-27) O aluno deverá... Reconhecer: Que a pregação do evangelho produz os melhores resultados quando é realizada de uma forma que atenda as necessidades dos ouvintes. Sentir: Gratidão para com as pessoas que procuraram nos ensinar o evangelho. Fazer: Aprender mais sobre as pessoas da comunidade e adaptar o evangelho para suprir às necessidades das pessoas. Esboço I. Conhecer: Todas as coisas para com todas as pessoas A. Uma leitura atenta de Atos e das cartas de Paulo indica que Paulo adaptava sua apresentação do evangelho para atender às necessidades específicas de seus ouvintes. Quantas metáforas diferentes, ou comparações, Paulo usa nas seguintes passagens para descrever o que Jesus fez por nós? Rm 3:24, 25; 5:10; 1Co 5:6, 7; Gl 4:4, 5. B. Que metáforas Jesus usou para descrever o evangelho? Mc 1:15; 4:1-9; Mt 13:1-52. C. O que sabemos sobre o contexto em que Jesus e Paulo trabalharam e como isso explicar por que suas exposições do evangelho eram tão diferentes? II. Sentir: Tornando o evangelho pessoal A. Quais são algumas vantagens em tentar apresentar o evangelho aos outros de uma forma relevante para eles? Quais são as possíveis desvantagens? B. Para você, qual foi a exposição mais significativa do evangelho? Por quê? Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • 6. III. Fazer: Requisitos para adaptar o evangelho A. Apresentar o evangelho de uma forma que atenda às necessidades dos outros requer um sólido conhecimento do evangelho e uma compreensão exata das necessidades daqueles a quem queremos alcançar. Como é o seu desempenho e o de sua você nessas áreas? Que medidas podem ser tomadas para melhorar suas habilidades? Resumo: O evangelho é compartilhado de forma mais eficaz quando atende às necessidades específicas das pessoas que queremos alcançar para Cristo. Ciclo do aprendizado Motivação Conceito-chave para o crescimento espiritual: O tipo de transformação que o evangelho procura realizar só pode acontecer quando a mensagem de Cristo é vista como relevante para as preocupações e problemas que as pessoas enfrentam. Na década de 1960, Don e Carol Richardson viajaram para Nova Guiné como missionários. Eles queriam compartilhar o evangelho com o povo sawi, um grupo de canibais caçadores de cabeças que não tinha nenhuma informação nem noção sobre Deus. Depois de aprender a língua, os Richardsons começaram a contar aos Sawi a história de Jesus e Sua crucificação. Os sawi gostaram da história, mas não da maneira que os missionários esperavam. Do ponto de vista dos sawi, o herói da história não foi Jesus, mas Judas! Em sua cultura, o último ato heróico era fingir fazer as pazes com o inimigo e depois trai-lo e assassiná-lo quando menos se esperasse. Para os sawi, Jesus foi um tolo por ser enganado tão facilmente. Não conseguindo convencer as tribos sawi a pôr fim às lutas e mortes constantes, e desanimados pela falta de sucesso na disseminação do evangelho, os Richardsons anunciaram que estavam indo embora. Com medo de perder o acesso à medicina moderna e aos suprimentos que os missionários haviam levado, os líderes das tribos sawi prometeram fazer as pazes e convidaram os dois missionários, que não acreditavam nessa promessa, para participar da cerimônia de paz. Como garantia da paz, as tribos rivais trocaram crianças, que seriam criadas por outra tribo. Os sawi chamavam cada criança de "tarop tim" ou "criança da paz". Enquanto essas crianças vivessem, a paz estava assegurada. Embora o povo sawi considerasse o assassinato uma coisa trivial, assassinar uma criança da paz era diferente. Para eles não havia ato mais desprezível e vergonhoso. Nessa cerimônia os Richardsons descobriram o segredo de que precisavam para apresentar o evangelho de modo relevante para o povo sawi. Judas não foi o herói na história do evangelho. Jesus era a divina Criança da paz, e Judas havia conspirado para matá-Lo. Horrorizados com o que Judas tinha feito, os sawi ficaram ansiosos para ouvir o restante da história que contava como Deus havia trazido a Criança da Paz de volta à vida. Posteriormente, muitos dos sawi, comovidos pela história do evangelho, tornaram-se cristãos. Pense nisto: O povo sawi responderam ao evangelho somente quando sua mensagem fez sentido dentro de sua cultura. Que obstáculos culturais impedem as pessoas de se identificarem com a história do evangelho? Compreensão Comentário Bíblico I. O majestoso evangelho dos romanos (Recapitule com a classe João 11:48-50.) Embora a lição desta semana trate de uma quantidade considerável de informações históricas sobre Tessalônica, é importante não perder de vista o objetivo principal do autor: o domínio de Roma em Tessalônica criou um vazio e fome na vida de muitos habitantes gentios da cidade. Foi isso que deu a Paulo a oportunidade de proclamar Cristo como resposta às suas reais necessidades. A importância desse ponto, e sua relevância para nós, podem ser vistas mais claramente se considerarmos o contraste entre as alegações feitas por Roma antiga e a proclamação do Cristo ressuscitado, feita por Paulo. O Império Romano é frequentemente elogiado por trazer dois séculos de estabilidade política, segurança e paz para o mundo mediterrâneo. No entanto, a "paz romana" ocorreu a um preço muito alto: violência, dominação, exploração das classes pobres e trabalhadoras e morte por crucifixão de qualquer pessoa que afrontasse ou desafiasse o poder de Roma. Esse foi um fato muito claro para os líderes judeus em Jerusalém quando eles estavam deliberando sobre o rumo que deviam tomar ao lidar com Jesus (Jo 11:48-50). Com o poder e opressão romanos também veio a arrogância romana. Certamente não há exemplo mais impressionante do que a Inscrição de Priene, que remonta ao ano 9 a.C., cerca de cinco anos antes do nascimento de Jesus. A inscrição enche Augusto César de elogios, chamando-o de salvador do mundo e fonte de paz e justiça. Num forte contraste, Paulo respondeu a tais afirmações com um enfático "não!". Se Jesus é o Senhor, César certamente não é. Tudo que Roma reivindicava para si mesma, Paulo reclamava para o Cristo ressuscitado. Nesse contexto, é claro que o evangelho de Paulo não era apenas a respeito de como encontrar vida eterna além do túmulo, mas também incluía o acesso a uma nova maneira de viver no presente sob o senhorio de Jesus e pelo poder do Espírito Santo. O evangelho era um chamado radical para seguir Jesus. Embora os romanos possam ter se aproveitado da esperança inútil que os tessalonicenses encontravam no culto de Cabirus, Paulo ofereceu uma esperança mais segura, enraizada no Jesus crucificado, cuja ressurreição havia desafiado não apenas o poder de Roma, mas a própria morte! Pense nisto: Que formas de opressão as pessoas experimentam hoje em sua comunidade, seja por meio de forças políticas ou culturais? Como a mensagem do Cristo ressuscitado pode atender essas necessidades? II. Todas as coisas para com todas as pessoas (Recapitule com a classe 1 Coríntios 9:19-27 comentário.) Uma das razões pelas quais a mensagem de Paulo sobre o Cristo ressuscitado teve tanto sucesso em Tessalônica foi sua capacidade de Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • 7. conectar a mensagem do evangelho às preocupações e necessidades dos tessalonicenses. Não pense que isso aconteceu por acaso. Um exame das palavras de Paulo em 1 Coríntios 9:19-22 deixa claro que Paulo, antes de pregar o evangelho em algum lugar, tomava tempo para conhecer as pessoas que ele estava tentando alcançar. Em relação a alguns dos líderes de Corinto, Paulo precisava tomar uma posição decisiva sobre o direito dos cristãos de comer carne vendida no mercado depois que os animais tinham sido abatidos em templos pagãos e oferecidos primeiramente aos ídolos (1Co 8:4-6). Visto que os deuses pagãos não existiam realmente, qual era o mal em comer carne que tinha sido oferecida a eles? Cristãos que pensavam de outra forma estavam, na opinião de alguns líderes, sendo supersticiosos e não viviam de acordo com a verdade do evangelho. Em vez de tomar partido, Paulo defendeu uma norma muito maior para o comportamento. Ele disse que os cristãos devem ser motivados em primeiro lugar pelo amor aos outros, não apenas pelo exercício dos próprios direitos. De fato, alguns "direitos" podem ser um "erro" se eles acabam prejudicando a causa de Cristo na vida de um irmão (1Co 8:7-13). É nesse contexto que Paulo fala sobre ser "tudo para com todos" (1Co 9:22). Quando Paulo estava entre os judeus, estava disposto a se adaptar aos costumes e práticas do judaísmo. Se estivesse entre os gentios, não insistia em mostrar que era judeu. Ele estava disposto a se ajustar a qualquer contexto social, desde que isso não comprometesse as crenças centrais da sua fé em Cristo. Sua única preocupação era ter consciência das crenças e costumes das pessoas e demonstrar sensibilidade para com elas, a fim de encontrar uma oportunidade de compartilhar Cristo de um modo relevante para elas. Pense nisto: A determinação de Paulo de ser "tudo para com todos" significava que ele tinha que estar disposto a gastar tempo com pessoas que não eram crentes. Você e sua igreja estão buscando deliberadamente interagir com os não cristãos e compreender suas necessidades? Aplicação Perguntas para reflexão 1. Como um cristão pode manter os princípios cristãos e se relacionar com os incrédulos sem ser influenciado negativamente pelo seu estilo de vida? 2. Comente algumas das histórias do Antigo Testamento em que os seguidores de Deus influenciaram e se envolveram com os incrédulos, mas permaneceram fiéis a Deus. Em contraste com isso, peça que os alunos façam uma lista de exemplos negativos nos quais aconteceu o oposto. Qual é a razão para a diferença entre os que permaneceram fiéis e os que não permaneceram? Que lições podemos aprender com isso? Perguntas de aplicação 1. A igreja tem obtido sucesso em apresentar as verdades eternas de Cristo, no contexto de um mundo cujas preocupações estão em constante mudança? Por outro lado, em que aspectos temos falhado? 2. As igrejas muitas vezes gostam de copiar os esforços evangelísticos que funcionam para outras igrejas, na esperança de que experimentarão o mesmo sucesso. Quais são os perigos de adotar ideias evangelísticas com pouca reflexão sobre as necessidades da própria comunidade? Justifique sua resposta. Criatividade Atividade: A fim de alcançar os incrédulos em nossa comunidade, precisamos conhecer bem as pessoas. Para ajudar nisso, peça à sua classe para criar uma lista das características e qualidades que melhor descrevem a sua comunidade. Devem ser considerados os seguintes itens: (1) localização (rural, urbana, cidade do interior, etc.); (2) etnia; (3) religião; (4) média de idade e gênero; (5) renda familiar média. Essas informações muitas vezes podem ser encontradas na internet. Usando as informações reunidas, faça um perfil da pessoa que você identificou. Com esse indivíduo em mente, elabore uma lista de coisas que sua igreja pode fazer para alcançar essa pessoa. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com