Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015

296 visualizações

Publicada em

A lição original com os textos bíblicos tem como finalidade; facilitar a leitura ou mesmo o estudo, os versos estão na sequência correta, evitando a necessidade de procurá-los, o que agiliza, para os que tem o tempo limitado, vc pode levá-la no ipad, no pendrive, celular e etc, ler a qualquer momento e em qualquer lugar que desejar, até sem a necessidade de estar conectado na internet.

Também facilita se for imprimir por usar bem menos tinta que a lição convencional.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nós abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2.

Bom Estudo!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
296
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015

  1. 1. Lições Adultos O evangelho de Lucas Lição 10 - Seguindo Jesus na vida diária 30 de maio a 6 de junho ❉ Sábado à tarde Ano Bíblico: Et 5–7 VERSO PARA MEMORIZAR: “Então, disseram os apóstolos ao Senhor: Aumenta-nos a fé.” Lc 17:5. Leituras da Semana: Lc 11:37-54; 12:4-21, 35-53; Am 6:1; Lc 8:4-15; 22:24-27 Embora fosse um grande mestre, Jesus não estabeleceu uma escola de teologia ou de filosofia. Seu propósito era “buscar e salvar o perdido” (Lc 19:10). Ele veio para revelar o caráter de Deus, uma revelação que culminou na cruz, onde Ele não apenas mostrou à humanidade e aos mundos não caídos como Deus realmente é, mas também pagou a penalidade do pecado para que os seres humanos pudessem ser redimidos, apesar de sua natureza caída. Ao fazer isso, Ele criou também uma comunidade redimida, uma comunidade daqueles que, tendo sido salvos por Sua morte, escolheram viver de acordo com Sua vida e Seus ensinos. O chamado para fazer parte dessa comunidade redimida não diz respeito a uma condição oferecida na vida, mas a uma lealdade absoluta Àquele que chama, isto é, ao próprio Cristo. O que Ele diz se torna uma lei de vida para o discípulo. O que Ele deseja se torna o único propósito da vida do discípulo. Nenhuma medida de bondade exterior ou de perfeição doutrinária pode tomar o lugar da total lealdade a Cristo e à Sua vontade. O discipulado, que devemos exclusivamente à presença de Cristo no coração, faz certas exigências imperativas. Não é permitida nenhuma competição e nenhum substituto. Hoje é o dia do Impacto Esperança. Ore pelas pessoas que terão contato com esse tema importante: saúde e espiritualidade. Participe do projeto “Reavivados por Sua Palavra”: acesse o site http://reavivadosporsuapalavra.org/ ❉ Domingo - Fugir do farisaísmo Ano Bíblico: Et 8–10 Das mais de 80 referências aos fariseus nos evangelhos, aproximadamente 25% delas se encontram em Lucas. Os fariseus eram notórios por seu conservadorismo doutrinário, ao contrário dos saduceus, que eram conhecidos por suas ideias liberais. Os fariseus eram, frequentemente, legalistas que, enquanto professavam crer na graça, ensinavam a salvação pela guarda da lei. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  2. 2. ● 1. Leia Lucas 11:37-54. Jesus estava fazendo uma advertência sobre o quê? Como esse mesmo princípio se manifesta hoje? Como podemos estar seguros de que, em nosso próprio comportamento, não refletimos algumas das coisas contra as quais Jesus advertiu? Lc 11:37-54, (ACF); 37 E, estando ele ainda falando, rogou-lhe um fariseu que fosse jantar com ele; e, entrando, assentou-se à mesa. 38 Mas o fariseu admirou-se, vendo que não se lavara antes de jantar. 39 E o Senhor lhe disse: Agora vós, os fariseus, limpais o exterior do copo e do prato; mas o vosso interior está cheio de rapina e maldade. 40 Loucos! Quem fez o exterior não fez também o interior? 41 Antes dai esmola do que tiverdes, e eis que tudo vos será limpo. 42 Mas ai de vós, fariseus, que dizimais a hortelã, e a arruda, e toda a hortaliça, e desprezais o juízo e o amor de Deus. Importava fazer estas coisas, e não deixar as outras. 43 Ai de vós, fariseus, que amais os primeiros assentos nas sinagogas, e as saudações nas praças. 44 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! que sois como as sepulturas que não aparecem, e os homens que sobre elas andam não o sabem. 45 E, respondendo um dos doutores da lei, disse-lhe: Mestre, quando dizes isso, também nos afrontas a nós. 46 E ele lhe disse: Ai de vós também, doutores da lei, que carregais os homens com cargas difíceis de transportar, e vós mesmos nem ainda com um dos vossos dedos tocais essas cargas. 47 Ai de vós que edificais os sepulcros dos profetas, e vossos pais os mataram. 48 Bem testificais, pois, que consentis nas obras de vossos pais; porque eles os mataram, e vós edificais os seus sepulcros. 49 Por isso diz também a sabedoria de Deus: Profetas e apóstolos lhes mandarei; e eles matarão uns, e perseguirão outros; 50 Para que desta geração seja requerido o sangue de todos os profetas que, desde a fundação do mundo, foi derramado; 51 Desde o sangue de Abel, até ao sangue de Zacarias, que foi morto entre o altar e o templo; assim, vos digo, será requerido desta geração. 52 Ai de vós, doutores da lei, que tirastes a chave da ciência; vós mesmos não entrastes, e impedistes os que entravam. 53 E, dizendo-lhes ele isto, começaram os escribas e os fariseus a apertá-lo fortemente, e a fazê-lo falar acerca de muitas coisas, 54 Armando-lhe ciladas, e procurando apanhar da sua boca alguma coisa para o acusarem. Uma recapitulação dos ais (Lc 11:42-54) pronunciados sobre os fariseus e os escribas mostra o quanto o chamado à verdadeira religião se estende a todas as gerações, inclusive a nossa. Por exemplo, ao passo que o dízimo é um alegre reconhecimento da provisão de Deus, nunca pode ser um substituto para as demandas básicas do amor e da justiça nas relações humanas (v. 42). Esses mesmos que desprezam “a justiça e o amor de Deus”, gostam “da primeira cadeira nas sinagogas” (v. 42, 43). Isso sim é deixar de entender o que é a verdadeira fé! Jesus advertiu, também, que aqueles que acham que a verdadeira religião consiste apenas em rituais exteriores são tão impuros quanto aqueles que têm contato com um morto (Lc 11:44; ver também Nm 19:16). Quão fácil é confundir o trivial com o sagrado aos olhos de Deus! Nm 19:16, (ACF); 15 Também todo o vaso aberto, sobre o qual não houver pano atado, será imundo. Jesus pronunciou também um ai sobre os peritos na lei que usavam sua educação e experiência para colocar fardos religiosos intoleráveis sobre outros, enquanto eles mesmos “nem com um dedo” tocavam esses fardos (Lc 11:46). Enquanto isso, os fariseus honravam os profetas que não mais estavam vivos, ao passo que trabalhavam contra os que estavam vivos. Mesmo enquanto Jesus falava, alguns estavam tramando matar o Filho de Deus. O importante não é honrar os profetas, mas dar ouvidos à sua mensagem profética de amor, misericórdia e juízo. O último ai é terrível! Alguns a quem havia sido confiada a chave do reino de Deus haviam fracassado em cuidar desse legado. Em vez de usar a chave sabiamente e deixar o povo de Deus entrar no reino, eles o haviam trancado do lado de fora e jogado fora a chave. Momento de colocar os conceitos de saúde em prática. Mexa-se pela vida! Deus quer que você tenha saúde integral! No dia 6 de junho, realize uma reunião especial com louvor, oração e Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  3. 3. testemunhos sobre a distribuição do livro Viva com Esperança. ❉ Segunda - Temer a Deus Ano Bíblico: Jó 1, 2 “Temei a Deus e dai-Lhe glória” (Ap 14:7) é a primeira das três mensagens angélicas que estão no centro da vida e da fé dos adventistas. Temer a Deus não é ter medo, como frequentemente se pensa. É compreender precisamente quem Deus é e quais são Seus reclamos sobre nós. É um ato de fé que envolve lealdade total a Ele. Deus Se torna o único que pode definir e decidir nossa vida – nossos pensamentos, nossos atos, nossos relacionamentos e nosso destino. O discipulado com base nesse tipo de “temor” se encontra em terreno firme. ● 2. Leia Lucas 12:4-12. O que Jesus está nos dizendo sobre o temor? Lc 12:4-12, (ACF); 4 E digo-vos, amigos meus: Não temais os que matam o corpo e, depois, não têm mais que fazer. 5 Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei. 6 Não se vendem cinco passarinhos por dois ceitis? E nenhum deles está esquecido diante de Deus. 7 E até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos. 8 E digo-vos que todo aquele que me confessar diante dos homens também o Filho do homem o confessará diante dos anjos de Deus. 9 Mas quem me negar diante dos homens será negado diante dos anjos de Deus. 10 E a todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do homem ser- lhe-á perdoada, mas ao que blasfemar contra o Espírito Santo não lhe será perdoado. 11 E, quando vos conduzirem às sinagogas, aos magistrados e potestades, não estejais solícitos de como ou do que haveis de responder, nem do que haveis de dizer. 12 Porque na mesma hora vos ensinará o Espírito Santo o que vos convenha falar. A passagem nos mostra a quem temer e a quem não temer. Não precisamos temer forças que podem afetar apenas nosso corpo no mundo presente. Em vez disso, devemos temer e obedecer a Deus, porque em Suas mãos está nosso destino eterno. Mas nosso Deus – cujos olhos estão sobre o pardal (Lc 12:6) e que conta os cabelos de nossa cabeça (v. 7) – é amoroso e solícito; portanto, cada um de nós é infinitamente precioso aos Seus olhos. Se crêssemos verdadeiramente nisso, quantos temores terrenos se desvaneceriam? ● 3. Leia Lucas 12:13-21. Sobre o que Jesus está nos advertindo? Lc 12:13-21, (ACF); 13 E disse-lhe um da multidão: Mestre, dize a meu irmão que reparta comigo a herança. 14 Mas ele lhe disse: Homem, quem me pós a mim por juiz ou repartidor entre vós? 15 E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui. 16 E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; 17 E ele arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. 18 E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; 19 E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. 20 Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? 21 Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus. Ao passo que Jesus Se recusa a intervir entre dois irmãos que estão brigando pela partilha da propriedade, Ele enfatiza a relevância do décimo mandamento (Êx 20:17) contra o mal da cobiça e enfatiza uma verdade significativa para todas as épocas: a vida não consiste em coisas (Lc 12:15). O rico insensato vivia encerrado em seu pequeno mundo. Nada mais importava para ele. Quanto cuidado precisamos ter para não cair nessa mesma armadilha! Isso é especialmente crucial para aqueles que foram abençoados com abundância de bens materiais. Ex 20:17, (ACF); 17 Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo. Embora todos gostemos de coisas materiais, pense na pouca satisfação que elas podem proporcionar, especialmente à luz da eternidade. Por que, então, ainda é tão fácil cometer o erro sobre o qual Jesus nos advertiu em Lucas 12:16-21? Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  4. 4. ❉ Terça - Esteja preparado e atento Ano Bíblico: Jó 3–5 “Em todas as épocas foram requeridas dos seguidores de Cristo vigilância e fidelidade; mas agora que nos achamos no limiar do mundo eterno, possuindo as verdades que temos, de posse de tão grande luz, de uma obra tão importante, cumpre-nos dobrar a dedicação” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 460, 461). ● 4. Leia Lucas 12:35-53 e resuma o que esses versos significam para você, especialmente se está esperando há muito tempo a vinda de Jesus. Lc 12:35-53, (ACF); 35 Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas as vossas candeias. 36 E sede vós semelhantes aos homens que esperam o seu senhor, quando houver de voltar das bodas, para que, quando vier, e bater, logo possam abrir-lhe. 37 Bem-aventurados aqueles servos, os quais, quando o Senhor vier, achar vigiando! Em verdade vos digo que se cingirá, e os fará assentar à mesa e, chegando-se, os servirá. 38 E, se vier na segunda vigília, e se vier na terceira vigília, e os achar assim, bem-aventurados são os tais servos. 39 Sabei, porém, isto: que, se o pai de família soubesse a que hora havia de vir o ladrão, vigiaria, e não deixaria minar a sua casa. 40 Portanto, estai vós também apercebidos; porque virá o Filho do homem à hora que não imaginais. 41 E disse-lhe Pedro: Senhor, dizes essa parábola a nós, ou também a todos? 42 E disse o Senhor: Qual é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor pós sobre os seus servos, para lhes dar a tempo a ração? 43 Bem-aventurado aquele servo a quem o seu senhor, quando vier, achar fazendo assim. 44 Em verdade vos digo que sobre todos os seus bens o porá. 45 Mas, se aquele servo disser em seu coração: O meu senhor tarda em vir; e começar a espancar os criados e criadas, e a comer, e a beber, e a embriagar-se, 46 Virá o senhor daquele servo no dia em que o não espera, e numa hora que ele não sabe, e separa-lo-á, e lhe dará a sua parte com os infiéis. 47 E o servo que soube a vontade do seu senhor, e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites; 48 Mas o que a não soube, e fez coisas dignas de açoites, com poucos açoites será castigado. E, a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá. 49 Vim lançar fogo na terra; e que mais quero, se já está aceso? 50 Importa, porém, que seja batizado com um certo batismo; e como me angustio até que venha a cumprir-se! 51 Cuidais vós que vim trazer paz à terra? Não, vos digo, mas antes dissensão; 52 Porque daqui em diante estarão cinco divididos numa casa: três contra dois, e dois contra três. 53 O pai estará dividido contra o filho, e o filho contra o pai; a mãe contra a filha, e a filha contra a mãe; a sogra contra sua nora, e a nora contra sua sogra. Os cristãos não podem se dar ao luxo de ser negligentes nem apáticos. O contexto da garantida volta de Jesus, e do momento desconhecido em que ela ocorrerá, deve levar-nos a manter o corpo cingido com as vestes da justiça e nossa candeia acesa. A esperança escatológica deve ser a força impelente de nossa vida e de nosso trabalho, de nossa prontidão e de nossa fidelidade. É essa fidelidade em cumprir Sua vontade na Terra e a prontidão para encontrá-Lo em paz que distingue os bons servos dos maus servos. Qualquer negligência de fidelidade sob o pretexto de que “meu senhor tarda em vir” (Lc 12:45) é equivalente a colocar-se sob o mais severo juízo de Deus (v. 45-48). Quanto maior é o privilégio, maior é a responsabilidade; portanto, àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido (v. 48). O juízo do antigo profeta: “Ai de vocês que vivem tranquilos em Sião” (Am 6:1, NVI), parece refletir a advertência de Cristo de que o discipulado cristão não é uma situação de conforto. Paulo explica a vida cristã como uma batalha espiritual (Ef 6:12). O ponto focal é que todo cristão está envolvido no conflito cósmico entre Cristo e Satanás, e que a cruz traça uma clara linha entre os dois lados. Somente pela contínua fé no Cristo da cruz alguém pode obter a vitória final. “Mas àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e àquele a quem muito se confia, muito mais lhe pedirão” (Lc 12:48). O que esse texto deve significar para nós, adventistas do sétimo dia? ❉ Quarta - Ser uma testemunha que dá frutos Ano Bíblico: Jó 6, 7 O Pai, o Filho e o Espírito Santo, em Seu conselho eterno realizado “antes da fundação do mundo” (Ef 1:4), Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  5. 5. formularam o plano da salvação. Isto é, antes de o primeiro ser humano ter sido criado e, é claro, antes de os seres humanos haverem pecado, Deus tinha um plano pronto para resgatar o mundo. O plano está centralizado na cruz, e as boas-novas da cruz devem ser contadas a todas as pessoas do mundo. A responsabilidade desse testemunho é colocada sobre cada cristão. “Sereis Minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da Terra” (At 1:8). A última incumbência dada por Jesus enfatiza a importância que o Senhor colocou sobre o papel de Seus seguidores como testemunhas. ● 5. Que lições aqueles que estão envolvidos no testemunho cristão devem aprender com a parábola do semeador e do solo? Lc 8:4-15 Lc 8:4-15, (ACF); 4 E, ajuntando-se uma grande multidão, e vindo de todas as cidades ter com ele, disse por parábola: 5 Um semeador saiu a semear a sua semente e, quando semeava, caiu alguma junto do caminho, e foi pisada, e as aves do céu a comeram; 6 E outra caiu sobre pedra e, nascida, secou-se, pois que não tinha umidade; 7 E outra caiu entre espinhos e crescendo com ela os espinhos, a sufocaram; 8 E outra caiu em boa terra, e, nascida, produziu fruto, a cento por um. Dizendo ele estas coisas, clamava: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. 9 E os seus discípulos o interrogaram, dizendo: Que parábola é esta? 10 E ele disse: A vós vos é dado conhecer os mistérios do reino de Deus, mas aos outros por parábolas, para que vendo, não vejam, e ouvindo, não entendam. 11 Esta é, pois, a parábola: A semente é a palavra de Deus; 12 E os que estão junto do caminho, estes são os que ouvem; depois vem o diabo, e tira-lhes do coração a palavra, para que não se salvem, crendo; 13 E os que estão sobre pedra, estes são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria, mas, como não têm raiz, apenas crêem por algum tempo, e no tempo da tentação se desviam; 14 E a que caiu entre espinhos, esses são os que ouviram e, indo por diante, são sufocados com os cuidados e riquezas e deleites da vida, e não dão fruto com perfeição; 15 E a que caiu em boa terra, esses são os que, ouvindo a palavra, a conservam num coração honesto e bom, e dão fruto com perseverança. ● 6. Qual é a recompensa daquele que testemunha, e quando ela é recebida? Lc 18:24-30 Lc 18:24-30, (ACF); 24 E, vendo Jesus que ele ficara muito triste, disse: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas! 25 Porque é mais fácil entrar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus. 26 E os que ouviram isto disseram: Logo quem pode salvar-se? 27 Mas ele respondeu: As coisas que são impossíveis aos homens são possíveis a Deus. 28 E disse Pedro: Eis que nós deixamos tudo e te seguimos. 29 E ele lhes disse: Na verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou pais, ou irmãos, ou mulher, ou filhos, pelo reino de Deus, 30 Que não haja de receber muito mais neste mundo, e na idade vindoura a vida eterna. ● 7. O que a parábola das minas (Lc 19:11-27) ensina sobre a fidelidade e a responsabilidade na obra de testemunhar? Lc 19:11-27, (ACF); 11 E, ouvindo eles estas coisas, ele prosseguiu, e contou uma parábola; porquanto estava perto de Jerusalém, e cuidavam que logo se havia de manifestar o reino de Deus. 12 Disse pois: Certo homem nobre partiu para uma terra remota, a fim de tomar para si um reino e voltar depois. 13 E, chamando dez servos seus, deu-lhes dez minas, e disse-lhes: Negociai até que eu venha. 14 Mas os seus concidadãos odiavam-no, e mandaram após ele embaixadores, dizendo: Não queremos que este reine sobre nós. 15 E aconteceu que, voltando ele, depois de ter tomado o reino, disse que lhe chamassem aqueles servos, a quem tinha dado o dinheiro, para saber o que cada um tinha ganhado, negociando. 16 E veio o primeiro, dizendo: Senhor, a tua mina rendeu dez minas. 17 E ele lhe disse: Bem está, servo bom, porque no mínimo foste fiel, sobre dez cidades terás autoridade. 18 E veio o segundo, dizendo: Senhor, a tua mina rendeu cinco minas. 19 E a este disse também: Sê tu também sobre cinco cidades. 20 E veio outro, dizendo: Senhor, aqui está a tua mina, que guardei num lenço; 21 Porque tive medo de ti, que és homem rigoroso, que tomas o que não puseste, e segas o que não semeaste. 22 Porém, ele lhe disse: Mau servo, pela tua boca te julgarei. Sabias que eu sou homem rigoroso, que tomo o que não pus, e sego o que não semeei; 23 Por que não puseste, pois, o meu dinheiro no banco, para que eu, vindo, o exigisse com os juros? 24 E disse aos que estavam com ele: Tirai-lhe a mina, e dai-a ao que tem dez minas. 25 (E disseram-lhe eles: Senhor, ele tem dez minas.) 26 Pois eu Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  6. 6. vos digo que a qualquer que tiver ser-lhe-á dado, mas ao que não tiver, até o que tem lhe será tirado. 27 E quanto àqueles meus inimigos que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui, e matai-os diante de mim. Em cada um desses textos são revelados os perigos, as responsabilidades e as recompensas inerentes à obra de testemunhar e à fé. Foi-nos confiada uma solene responsabilidade; mas, considerando o que nos foi dado, quão pouco, na verdade, é pedido de nós? ❉ Quinta - Ser um líder que serve Ano Bíblico: Jó 8–10 ● 8. Leia Lucas 22:24-27. Mesmo enquanto se preparavam para a última ceia, os discípulos estavam discutindo entre eles sobre quem seria o maior no reino. Como Jesus reagiu à insensatez deles, e o que é tão revolucionário com respeito à Sua resposta? Lc 22:24-27, (ACF); 24 E houve também entre eles contenda, sobre qual deles parecia ser o maior. 25 E ele lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. 26 Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve. 27 Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve. A resposta de Jesus é singular na história da liderança. Faraó, Nabucodonosor, Alexandre, Júlio César, Napoleão e Gengis Khan – todos eles viam a liderança em termos de poder e de autoridade sobre outros. Foi dessa maneira que o mundo sempre lidou com o poder. “Mas vós não sois assim; pelo contrário”, disse Jesus, “o maior entre vós seja como o menor; e aquele que dirige seja como o que serve” (Lc 22:26). Ao dizer isso, o Senhor do Universo reverteu a definição de liderança: “Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós será vosso servo; tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate por muitos” (Mt 20:26-28). Ao definir, dessa forma, a negação própria e a disposição para agir como servo como os princípios centrais de Seu modo de ação e de Sua liderança, Jesus introduziu uma nova dinâmica nas relações humanas: obtém-se a realização, não pela posição, mas pelo serviço; a transformação começa, não com o trono, mas com a cruz. Viver é morrer (Jo 12:24). Jo 12:24, (ACF); 24 Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto. Lucas 9:46-48 mostra que surgiu algo semelhante entre os discípulos de Jesus com respeito a quem seria o maior. Os princípios do mundo ainda estavam firmemente entrincheirados na mente dos discípulos. Lc 9:46-48, (ACF); 46 E suscitou-se entre eles uma discussão sobre qual deles seria o maior. 47 Mas Jesus, vendo o pensamento de seus corações, tomou um menino, pô-lo junto a si, 48 E disse-lhes: Qualquer que receber este menino em meu nome, recebe-me a mim; e qualquer que me receber a mim, recebe o que me enviou; porque aquele que entre vós todos for o menor, esse mesmo é grande. A resposta do Mestre vai ao âmago do problema e propõe um dos mais difíceis desafios da vida em geral e da vida cristã em particular. As palavras de Jesus, especialmente a parte sobre ser “o menor de todos” (v. 48), mostram quanto estão invertidas as prioridades do mundo. Sendo que os princípios do mundo são tão opostos ao que Jesus ensinou, como iremos sobreviver se pusermos Seus princípios em prática em nossa vida? ❉ Sexta - Estudo adicional Ano Bíblico: Et 1–4 Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  7. 7. “Quem possui nosso coração? Com quem estão nossos pensamentos? Sobre quem gostamos de conversar? Quem é o objeto de nossas mais calorosas afeições e nossas melhores energias? Se somos de Cristo, nossos pensamentos com Ele estarão, e nEle se concentrarão nossas mais doces meditações. Tudo que temos e somos a Ele será consagrado. Almejaremos trazer Sua imagem, possuir Seu Espírito, cumprir Sua vontade e agradar- Lhe em todas as coisas” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 58). “Em nossa vida aqui, embora terrestre e restrita pelo pecado, a maior alegria e mais elevada educação se encontram no serviço em favor de outrem” (Ellen G. White, Educação, p. 309). Perguntas para reflexão 1. Jesus chamou de louco o fazendeiro rico e bem-sucedido (Lc 12:20). Talvez a pessoa não seja rica nem bem-sucedida, mas o que a torna louca aos olhos de Deus? 2. Em algumas igrejas, vemos dois grupos: o primeiro, das pessoas influentes que obtêm respeito, notoriedade e consideração. O segundo, dos que simplesmente vêm e vão sem que ninguém os note. O que você pode fazer para que os últimos se sintam tão importantes quanto os do primeiro grupo? 3. Embora alegassem defender a verdade, os fariseus pervertiam a fé. Como podemos lutar pelo que é correto e bíblico, sem nos tornarmos fariseus? 4. Como podemos nos manter preparados e vigilantes para a vinda de Jesus? Respostas sugestivas: 1. Contra uma religião de aparências, contra a hipocrisia (exigir dos outros o que não se pratica), contra o ato de se importar com minúcias e deixar de lado a essência da religião, tornar a religião um fardo e, assim, impedir as pessoas de entrar no reino de Deus. Esse mesmo princípio se manifesta hoje porque essas mesmas atitudes farisaicas podem surgir no coração das pessoas. Somente permanecendo em Cristo, analisando o próprio comportamento e pedindo que Deus nos sonde (Sl 139:23, 24) poderemos nos precaver contra essas atitudes. 2. Que não devemos temer os homens, que podem nos afetar apenas fisicamente, mas a Deus, que tem em Suas mãos nosso destino eterno; e que quando tememos a Deus não precisamos ter medo de mais nada, porque Ele cuida de nós. 3. Sobre a cobiça e a preocupação com coisas materiais. 4. Por todos os privilégios que tivemos, será terrível a perda caso não estejamos preparados quando o Senhor voltar. A demora não justifica a negligência; uma vez que o dia da volta do Senhor é desconhecido, temos que estar sempre vigilantes, cumprindo Sua vontade e mantendo viva a esperança de que Ele voltará. 5. Que há diferentes tipos de solo onde a semente é lançada, e, portanto, diferentes tipos de respostas ao nosso testemunho. 6. A recompensa são bênçãos já aqui na Terra (inclusive os frutos de nosso trabalho) e, no mundo por vir, a vida eterna (para nós e para as pessoas que ajudamos a conduzir para lá). 7. Na questão da fidelidade, aprendemos que, se formos fiéis no trabalho, Deus multiplicará os resultados; na questão da responsabilidade, aprendemos que teremos que prestar contas do que fizemos ou deixamos de fazer no sentido de compartilhar os privilégios que recebemos da parte de Deus. 8. Jesus disse que liderar não é exercer poder, mas prestar serviço; não é ser servido, mas servir. Isso é revolucionário porque é completamente contrário aos princípios do mundo. Auxiliar - Resumo Texto-chave: Lucas 17:15 O aluno deverá: Saber: O que significa seguir a Jesus. Sentir: A necessidade e o custo de seguir a Jesus. Fazer: Tomar medidas para seguir a Jesus diariamente. Esboço Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  8. 8. I. Saber: O que significa seguir a Jesus A. O que os discípulos desejavam quando pediram a Jesus que lhes aumentasse a fé nEle? Por que a fé em Jesus é necessária para alguém ser semelhante a Ele? Como alguém passa da doutrina correta para uma vivência de relacionamento? B. Por que Jesus criticou a fé e o estilo de vida dos fariseus? Como podemos nos guardar contra o farisaísmo e seguir a Cristo verdadeiramente? C. Como a fé em Deus está relacionada ao temor de Deus? O que significa temer a Deus? II. Sentir: A necessidade de seguir a Jesus A. Pedro, Tomé, Judas. Todos eles afirmavam seguir a Jesus, mas nenhum era igual ao outro. Qual era a deficiência de cada um deles, e como esses defeitos podem ser vencidos? B. De que forma o farisaísmo afeta sua fé e seu relacionamento com Deus e com o próximo? Como podemos nos proteger contra a tentação de buscar correção exterior sem buscar o poder transformador de Cristo? C. Qual é a diferença entre crer em Jesus e ter fé nEle? Como o fato de seguir a Jesus afeta sua vida profissional, ética, social e familiar? III. Fazer: Tomar medidas para seguir a Jesus A. O que alguém faz para revelar sua fé em Jesus? Por quê? B. Se você deseja seguir a Jesus plenamente, que mudanças tem que fazer em sua vida – na área espiritual, social, física e mental? Resumo: Ser cristão significa viver como Cristo. Seguir a Jesus e obedecer aos Seus requisitos na vida diária não é uma opção. Ou pertencemos a Ele totalmente, ou não pertencemos de forma alguma. Ciclo do Aprendizado Motivação Focalizando as Escrituras: Lucas 12:16-21 Conceito-chave para o crescimento espiritual: Como a vida deve ser definida? Mais do que isso, como deve ser vivida? A parábola de Lucas 12:16-21 mostra um modo de viver que frequentemente é a escolha preferida do mundo. O campo de um homem rico produziu com abundância, mas para ele havia o problema do que fazer com toda aquela abundância, muito embora estivesse rodeado de necessidade e pobreza. Sua mente estava tão dominada pelo eu que ele apresentou seu plano num monólogo que, no grego, tem mais ou menos 60 palavras, um quinto das quais consiste dos pronomes “eu”, “meu(s)”, “minha(s).” Destruir velhos celeiros, reconstruir novos e estocar a riqueza eram as coisas que ele podia fazer para aliviar o incômodo causado pelas riquezas. Os pobres não lhe interessavam. Deus estava fora de cogitação. Tudo o que importava era o “eu”. Entretanto, quando foi para a cama, dizendo a si mesmo: “Coma, beba e alegre-se” (NVI), o Sr. Sucesso descobriu que aquela noite era a sua última, e que o Criador o qualificava como “louco”. A vida “não consiste na abundância dos bens” (Lc 12:15), mas no amor a Deus e às pessoas. Para o professor: A parábola do rico louco dá um bom ponto de partida para iniciar o estudo da lição da semana. Seguindo o exemplo de Jesus, a vida diária deve começar com uma reflexão própria acompanhada de oração: Como passarei o dia de hoje fazendo a vontade de Jesus e andando em Seu caminho? Serei como o rico que estava entregue ao “eu” e a seus empreendimentos? Ou serei verdadeiramente rico em amor, fé e serviço, usando tudo o que tenho para esse fim? Como viverei hoje à luz da eternidade? Perguntas para discussão 1. Por que Jesus chamou o rico de louco? Quais foram os erros fatais daquele homem? Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  9. 9. 2. Compare esse homem rico com o outro de Lucas 18:18-23. As riquezas sempre nos impedem de seguir a Jesus? 3. Por que, na Oração do Senhor, nunca ocorre a primeira pessoa do singular, mas sempre a do plural? Compreensão Para o professor: Seguir a Jesus diariamente é um desafio. No entanto, o chamado de Jesus permanece eternamente o mesmo: “Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga- Me” (Lc 9:23). Essa ordem suscita três perguntas: A que devemos renunciar? O que devemos fazer? Como devemos ser testemunhas que produzem frutos? Comentário Bíblico I. Seguir a Jesus: A que devemos renunciar? (Recapitule com a classe Lc 9:23; 11:37-54.) Há duas coisas às quais precisamos renunciar para seguir a Jesus: A. Renunciar ao “eu” (Lc 9:23). Devemos continuamente renunciar ao eu – não somente no início do discipulado. Como Paulo declara: “Dia após dia, morro” (1Co 15:31). Renunciar ao “eu” significa passar por uma reorientação radical nas prioridades da vida de forma que, daí em diante, o eu se submeta às prioridades de Deus, e a cruz de Jesus se torne a poderosa norteadora da vida. B. Renunciar ao farisaísmo (Lc 11:37-54). Nenhum aspecto da prática religiosa foi mais condenado por Jesus do que o farisaísmo: uma vida baseada no que é externo, no legalismo, no estilo de vida ostentoso e na hipocrisia, ao passo que pouca ou nenhuma atenção é dada ao amor, à misericórdia e à justiça. O farisaísmo (Lc 11:42-54) é uma célula cancerosa que mata vagarosamente a vida do discipulado. Usando uma capa religiosa, ele destrói a entrega interior aos princípios do reino de Deus – o amor, a alegria, a paz, a obediência e a justiça. Portanto, Jesus advertiu: “Acautelai-vos do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia” (Lc 12:1). Examine a si mesmo: Será que sou um fariseu? Perguntas para discussão 1. Leia Lucas 11:37-41. Como Jesus contrasta a realidade espiritual de Seu reino com o formalismo religioso? 2. Qual é a implicação do argumento do “exterior versus o interior” para a vida de discipulado hoje? 3. Com que frequência você discute por causa de detalhes sem importância da vida da igreja e se esquece das grandes urgências do ministério cristão? II. Seguir a Jesus: O que devemos fazer? (Recapitule com a classe Lc 12:4-12, 22-34.) O que o Senhor nos pede que façamos em resposta ao Seu chamado para que O sigamos? A. Que temamos a Deus (Lc 12:4-12). A Bíblia usa o temor com referência a Deus cerca de 300 vezes. O uso revela que o temor a Deus é uma força motivadora positiva e que é essencial para uma vida espiritual robusta. Por exemplo, “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria” (Sl 111:10), e temer ao Senhor é apartar-se do mal (Pv 3:7). Temer a Deus, portanto, não significa viver em terror ou medo, mas conhecê-Lo plenamente, confiar nEle absolutamente e fazer a Sua vontade sem reservas. Temer a Deus, nesse sentido, é, de fato, uma coisa boa, pois nos liberta de toda ansiedade (Lc 12:4-6), coloca- nos na segurança de Alguém que conta os nossos cabelos (Lc 12:7) e nos fortalece com a certeza do Espírito Santo (v. 12). Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  10. 10. B. Que vivamos sem preocupações (Lc 12:22-34). A preocupação é um presente que o pecado deu para a humanidade. Embora a preocupação afirme que faz tudo para satisfazer as necessidades humanas, na verdade, ela conspira para tirar a confiança em Deus e mata a alegria da vida. Portanto, Jesus ordena a todos nós que não nos preocupemos. Ao contrário, que creiamos que “para Deus tudo é possível” (Mc 10:27; veja também Lc 18:27). Jesus ainda chama nossa atenção para os lírios do campo e os pássaros do céu: eles não se preocupam nem ficam ansiosos, mas são revestidos de toda glória e beleza. Se Deus cuida do Universo e sustenta tudo o que nele há, não cuidaria de nós, que fomos criados à Sua imagem e redimidos para o companheirismo eterno com Ele? C. Que vivamos discernindo o tempo (Lc 12:54-58). Enquanto os seres humanos em geral, no afã da vida e de suas várias atividades, podem ou não levar em conta os tempos em que estão vivendo, Cristo adverte Seus seguidores de que é absolutamente necessário que, ao viverem, considerem o tempo no contexto da eternidade, que logo chegará. É mais sábio fazer paz com Deus enquanto é dia, pois a noite do juízo vem, quando, infelizmente, será tarde demais. Pense nisto: Um de nossos piores pecados é vivermos sem qualquer temor a Deus (ver Rm 3:18). Quando John Knox descansou, alguém disse a seu respeito: “Aqui jaz alguém que temeu tanto a Deus que nunca temeu a face de qualquer homem.” Por que, de fato, o temor a Deus é o antídoto para qualquer outro temor? III. Seguir a Jesus: Ser uma testemunha que dá frutos (Recapitule com a classe Lc 9:49, 50.) Certa vez um pastor contou uma história de que quando Jesus subiu ao Céu, todas as hostes celestiais Lhe deram as boas-vindas com alegria e louvor. Um grupo de anjos cercou Jesus, desejoso de ouvir mais sobre Sua missão redentora. Desejavam saber como Sua fronte, Suas mãos e Seus pés perfeitos haviam ficado marcados daquela forma. Jesus lhes contou o preço da redenção: a agonia da cruz; a coroa de espinhos; e as marcas e cicatrizes dos cravos que Ele levaria para sempre, como sinal do amor de Deus para com a humanidade pecadora. Os anjos se maravilharam com o incrível amor de Deus, e um deles perguntou a Jesus: “O Senhor suportou tanta coisa, sofreu muito, e obteve a vitória sobre Satanás. O que o Senhor fez para garantir que as futuras gerações da humanidade fiquem sabendo sobre o grande sacrifício de Deus?” Jesus respondeu: “Escolhi alguns homens e mulheres: João, Pedro, Tiago, Maria, Marta e alguns outros, e disse a eles que testemunhassem a outros, e esses a outros, e assim por diante.” “Mas e se esses homens e mulheres não testemunharem?” “Bem, não tenho nenhum outro plano. Estou dependendo deles”, disse o Senhor. Pergunta para discussão Como uma testemunha enfrenta o que pode ser considerado competição (Lc 9:49, 50), rejeição (v. 51-56) e distração (Lc 10:38-42)? Aplicação Para o professor: A pergunta: “Quem será o maior?” foi uma constante preocupação para os discípulos (Lc 9:46-48, 22:24) e o é para nós hoje. A busca por ser “grande” faz parte da natureza humana. Estamos cercados pela tirania da grandeza: precisamos ter a maior casa; assistir ao melhor jogo de futebol; procurar alcançar a posição mais alta; trabalhar para tornar nossos filhos os melhores médicos, advogados ou magos da computação; pregar o melhor sermão; e batizar o maior número de pessoas. Entre essas definições distorcidas de prioridades para a grandeza, Jesus espera não que sejamos grandes, mas que sejamos como crianças: confiantes, inocentes e cheios de fé (Lc 18:15-17). Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  11. 11. Pergunta para reflexão Como, à luz do grande conflito, o desejo de ser o primeiro ou o maior dá uma vantagem ao maligno? Criatividade e atividades práticas Para o professor: Segundo uma antiga história, Satanás convocou uma conferência sobre a melhor maneira de fazer com que alguns cristãos robustos desviassem a atenção de sua entrega diária a Cristo. Um demônio sugeriu que iria convencer aqueles crentes de que Deus não existe. “Isso não vai funcionar”, Satanás disse. “Até os ateus, quando se veem num beco sem saída, voltam-se para Deus.” Outro demônio disse: “Eu os convencerei de que o inferno não existe.” “Não adianta”, disse Satanás. “Muitas pessoas já estão vivendo num inferno.” Finalmente, um demônio mais jovem se ofereceu para convencer todo mundo de que há muito tempo, e de que não é preciso se apressar com respeito às coisas de Deus. “Vá”, disse Satanás. “Você vai ter sucesso.” Perguntas para aplicação 1. O rico tolo esqueceu que seu tempo era limitado. Como você vive, estando cônscio de que hoje pode ser o último dia de sua vida? 2. Crie um calendário de trabalho de sete dias, alistando s Planejando atividades: O que sua classe pode fazer, na próxima semana, como resposta ao estudo da lição? É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo sem prévia autorização da Casa Publicadora Brasileira. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com

×