Lições Adultos O evangelho de Lucas
Lição 4 - O chamado para o discipulado 18 a 25 de abril
❉ Sábado - “Dizia a todos: Se ...
❉ Domingo - Pescadores de homens Ano Bíblico: 1Rs 20, 21
● 1. Leia Lucas 5:1-11, Mateus 4:18-22 e Marcos 1:16-20. Consider...
Lc 9:1-6, (ACF); 1 E, convocando os seus doze discípulos, deu-lhes virtude e poder sobre todos os demônios,
para curarem e...
Mt 10:5-15, (JFA-RC); 5 Jesus enviou estes doze e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho das gentes,
nem entrareis ...
qualquer cidade, em que entrardes e vos não receberem, saindo por suas ruas, dizei: 11 Até o pó, que da vossa
cidade se no...
❉ Quinta - O custo do discipulado Ano Bíblico: 2Sm 5–7
● 5. Leia Lucas 9:23-25; Mateus 16:24-28; Marcos 8:34-36. Qual é a ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

GGR_O chamado para o discipulado_422015

241 visualizações

Publicada em

O Objetivo deste material e colocar os textos bíblicos diretos em negrito e sublinhado, somados aos escritos de Ellen White que trazem mais luz sobre o assunto, para facilitar o entendimento, e capacitar a responder as questões da lição com maior amplitude.

“Sempre darei a fonte, para que o conteúdo não seja anônimo, e todos tenham a oportunidade de achar, pesquisar e questionar”.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2.

Bom Estudo!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
241
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

GGR_O chamado para o discipulado_422015

  1. 1. Lições Adultos O evangelho de Lucas Lição 4 - O chamado para o discipulado 18 a 25 de abril ❉ Sábado - “Dizia a todos: Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-Me”. Lc 9:23. Jesus ensina por preceito e exemplo “O plano da salvação fundamentou-se no sacrifício. Jesus deixou as cortes reais, e fez-Se pobre, para que por Sua pobreza nos pudéssemos enriquecer. Todos quantos participam desta salvação, comprada para eles com tão infinito sacrifício pelo Filho de Deus, seguirão o exemplo do Modelo Verdadeiro. Cristo foi a principal pedra de esquina, e cumpre-nos edificar sobre esse fundamento. Todos devem ter espírito de abnegação e sacrifício. A vida de Cristo na Terra foi de renúncia; assinalou-se pela humilhação e o sacrifício. E hão de os homens, participantes da grande salvação que Jesus veio do Céu trazer-lhes, recusarem-se a seguir a seu Senhor, partilhando de Sua abnegação e sacrifício? ... É o servo maior que seu Senhor? Há de o Redentor do mundo exercer a renúncia e o sacrifício em nosso favor, e os membros do corpo de Cristo entregarem-se à complacência consigo mesmos? A abnegação é condição essencial do discipulado. "Então disse Jesus aos Seus discípulos: Se alguém quiser vir após Mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-Me." Mat. 16:24. Eu tomo a dianteira na vereda da renúncia. Não exijo de vós, Meus seguidores, coisa alguma senão aquilo de que Eu, vosso Senhor, vos dou o exemplo em Minha vida”. Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 366. O que é um discípulo? Discípulo; (heb. talmîd; gr. math'tes). Pessoa que, como estudante ou aderente, segue os ensinamentos de outro, especialmente de um professor público (1 Cr 25:8; Is 8:16). No NT o substantivo (Mt 5:1; Mc 2:15; Lc 5:30; At 6:1; etc.) está relacionado com o verbo manthánÇ, "aprendizagem"; significa, portanto, "aprendiz", "estudante", "aderente" (adepto, aderente, anexo, ligado, apegado). A palavra é usada especialmente para os discípulos de Jesus: aos Doze (Mt 10:1; 11:1; etc.) e aos discípulos de Jesus em geral (Lc 6:17; etc.). Mestre; Gr. didáskalos, "mestre", "professor". É impossível haver discípulos verdadeiros sem a disposição de aprender ou sem o ensinamento de um mestre capacitado. A Prova do Discipulado Esse amor é o testemunho do seu discipulado. "Nisto todos conhecerão que sois Meus discípulos", disse Jesus, "se vos amardes uns aos outros." João 13:35. Quando os homens se ligam entre si, não pela força do interesse pessoal, mas pelo amor, mostram a operação de uma influência que é superior a toda influência humana. Onde existe esta unidade, é evidente que a imagem de Deus está sendo restaurada na humanidade, que foi implantada nova vida. Mostra que há na natureza divina poder para deter os sobrenaturais agentes do mal, e que a graça de Deus subjuga o egoísmo inerente (ligado estruturalmente) ao coração natural. O Desejado de Todas as Nações, págs. 677 e 678. A obediência é a prova do discipulado. É a observância dos mandamentos que prova a sinceridade de nossas profissões de amor. Quando a doutrina que aceitamos mata no coração o pecado, purifica a alma da contaminação, dá frutos para a santidade, podemos saber que é a verdade de Deus. Quando se manifestam na vida a beneficência, a bondade, a brandura de coração, o espírito compassivo; quando a alegria de fazer o bem nos enche o coração; quando exaltamos a Cristo e não ao próprio eu, podemos saber que nossa fé é da devida espécie. "E nisto sabemos que O conhecemos: se guardarmos os Seus mandamentos." I João 2:3. O Maior Discurso de Cristo, pp. 146-147. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  2. 2. ❉ Domingo - Pescadores de homens Ano Bíblico: 1Rs 20, 21 ● 1. Leia Lucas 5:1-11, Mateus 4:18-22 e Marcos 1:16-20. Considere o milagre, o espanto dos pescadores, a confissão de Pedro e a autoridade de Jesus. O que cada um desses relatos diz sobre a senda do discipulado? Lc 5:1-11, (ACF); 1 E aconteceu que, apertando-o a multidão, para ouvir a palavra de Deus, estava ele junto ao lago de Genesaré; 2 E viu estar dois barcos junto à praia do lago; e os pescadores, havendo descido deles, estavam lavando as redes. 3 E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão. 4 E, quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar. 5 E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede. 6 E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede. 7 E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para que os fossem ajudar. E foram, e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique. 8 E vendo isto Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor, ausenta-te de mim, que sou um homem pecador. 9 Pois que o espanto se apoderara dele, e de todos os que com ele estavam, por causa da pesca de peixe que haviam feito. 10 E, de igual modo, também de Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. E disse Jesus a Simão: Não temas; de agora em diante serás pescador de homens. 11 E, levando os barcos para terra, deixaram tudo, e o seguiram. ► Largar as redes significa dar prioridade ao reino de Deus e a sua justiça, sendo sabedor que as demais coisas serão acrescentadas, e interessante que as redes foram largadas cheias, a decisão mostra que primeiramente eles tiveram uma experiência e uma confirmação divina para sua aceitação. No pensamento de Deus fé cega (fideísmo) é aceitação sem consciência (sem noção do que está fazendo) por tanto sem nenhum valor, o individuo que age assim, da mesma forma que aceita com muita facilidade, também deixa. THL. Mt 4:18-22; Mc 1:16-20. Antes de lhes pedir que abandonassem as redes e barcos, Jesus lhes dera a certeza de que Deus lhes supriria as necessidades. O serviço do barco de Pedro para a obra do evangelho, fora abundantemente pago. Aquele que é "rico para com todos os que O invocam" (Rom. 10:12), disse: "Dai, e ser-vos á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando." Luc. 6:38. Nessa medida havia Ele recompensado o serviço dos discípulos. E todo sacrifício, feito em Seu serviço, será recompensado segundo "as abundantes riquezas da Sua graça". O Desejado de Todas as Nações, p. 249. "Aqui estavam os quatro sócios, de posse da maior pesca que tinham testemunhado. No momento de seu maior sucesso material, eles abandonaram o negócio. ... Mesmo diante do significado mais elevado do milagre, deve ter requerido verdadeira fé trocar uma ocupação certa por um sustento incerto como seguidores de um mestre itinerante que, até então, aparentemente havia obtido pouco sucesso. ... Por parte dos discípulos, não existia a menor hesitação. A decisão de dissolver a sociedade bem-sucedida como pescadores em favor de uma sociedade mais elevada com Jesus como pescadores de homens foi tomada imediatamente e com inteligência. Eles não precisaram de nenhum tempo para considerar cuidadosamente as coisas, não houve tempo para prover às necessidades da família. ... Eles se haviam lançado ao largo como pescadores comuns; quando retornaram à praia, lançaram-se pela fé ao ‘largo' ao qual Cristo agora os chamava, trocando peixes por homens." – SDA Bible Commentary, v. 5, p. 739. ❉ Segunda - A escolha dos Doze Ano Bíblico: 1Rs 22; 2Rs 1 ● 2. Leia Lucas 6:12-16; 9:1-6. O que esses versos nos dizem sobre o chamado dos doze apóstolos? Lc 6:12-16, (ACF); 12 E aconteceu que naqueles dias subiu ao monte a orar, e passou a noite em oração a Deus. 13 E, quando já era dia, chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles, a quem também deu o nome de apóstolos: 14 Simão, ao qual também chamou Pedro, e André, seu irmão; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; 15 Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelote; 16 E Judas, irmão de Tiago, e Judas Iscariotes, que foi o traidor. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  3. 3. Lc 9:1-6, (ACF); 1 E, convocando os seus doze discípulos, deu-lhes virtude e poder sobre todos os demônios, para curarem enfermidades. 2 E enviou-os a pregar o reino de Deus, e a curar os enfermos. 3 E disse-lhes: Nada leveis convosco para o caminho, nem bordões, nem alforje, nem pão, nem dinheiro; nem tenhais duas túnicas. 4 E em qualquer casa em que entrardes, ficai ali, e de lá saireis. 5 E se em qualquer cidade vos não receberem, saindo vós dali, sacudi o pó dos vossos pés, em testemunho contra eles. 6 E, saindo eles, percorreram todas as aldeias, anunciando o evangelho, e fazendo curas por toda a parte. ► 1- Jesus orou a Deus durante toda a noite, para poder fazer uma escolha acertada; “E aconteceu que naqueles dias subiu ao monte a orar, e passou a noite em oração a Deus”. Lc 6:12. 2- E os chamou para um propósito específico, o apostolado. “E, quando já era dia, chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles, a quem também deu o nome de apóstolos”. Lc 6:13. 3- Jesus deu-lhes poder para executarem o serviço e os enviou. “E, convocando os seus doze discípulos, deu-lhes virtude e poder sobre todos os demônios, para curarem enfermidades. E enviou-os a pregar o reino de Deus, e a curar os enfermos”. Lc 9:1-6. “Deus toma os homens tais como são, com os elementos humanos de seu caráter, e os prepara para Seu serviço, caso queiram ser disciplinados e dEle aprender. Não são escolhidos por serem perfeitos, mas apesar de suas imperfeições, para que, pelo conhecimento e observância da verdade, mediante a graça de Cristo, se possam transformar à Sua imagem”. O Desejado de Todas as Nações, p. 294. Não havia, nos apóstolos de nosso Senhor, coisa alguma que lhes trouxesse glória. Era evidente que o êxito de seus esforços se devia unicamente a Deus. A vida desses homens, o caráter que desenvolveram, e a poderosa obra por Deus operada por intermédio deles, são testemunhos do que fará por todos quantos forem dóceis e obedientes. Aquele que mais ama a Cristo, maior soma de bem fará. Não há limites à utilidade de uma pessoa que, pondo de parte o próprio eu, oferece margem à operação do Espírito Santo na alma, e vive uma vida de inteira consagração a Deus. Caso os homens suportem a necessária disciplina, sem queixume ou desfalecimento pelo caminho, Deus os ensinará a cada hora, a cada dia. Anseia revelar Sua graça. Remova Seu povo os obstáculos, e Ele derramará as águas da salvação em torrentes, mediante os condutos humanos. Se os homens de condição humilde fossem animados a fazer todo o bem ao seu alcance, não houvesse sobre eles mãos repressivas a refrear-lhes o zelo, e haveria uma centena de obreiros de Cristo onde temos agora apenas um. O Desejado de Todas as Nações, pp. 250-251. Enquanto Jesus estava preparando os discípulos para sua ordenação, um que não fora chamado se esforçou para ser contado entre eles. Foi Judas Iscariotes, que professava ser seguidor de Cristo. Adiantou-se então, solicitando um lugar nesse círculo mais íntimo de discípulos. Com grande veemência e aparente sinceridade, declarou: "Senhor, seguir-Te-ei para onde quer que fores." Jesus nem o repeliu, nem o acolheu com mostras de agrado, mas proferiu apenas as tristes palavras: "As raposas têm covis, e as aves do céu ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça." Mat. 8:19 e 20. Judas acreditava que Jesus fosse o Messias; e, ao unir-se aos discípulos, esperava assegurar para si alta posição no novo reino. Essa esperança quis Jesus tirar com a declaração de Sua pobreza. O Desejado de Todas as Nações, 293-294. “Não vos escolhi Eu em número de doze? Contudo, um de vós é diabo. Referia-Se Ele a Judas, filho de Simão Iscariotes; porque era quem estava para traí-Lo, sendo um dos doze”. João 6:70 e 71. ❉ Terça - Comissionando os apóstolos Ano Bíblico: 2Rs 2, 3 ● 3. Leia Lucas 9:1-6 e Mateus 10:5-15. Que verdades espirituais podemos aprender com esses versos a respeito da maneira como Jesus chamou esses homens? Lc 9:1-6, (ACF); 1 E, convocando os seus doze discípulos, deu-lhes virtude e poder sobre todos os demônios, para curarem enfermidades. 2 E enviou-os a pregar o reino de Deus, e a curar os enfermos. 3 E disse-lhes: Nada leveis convosco para o caminho, nem bordões, nem alforje, nem pão, nem dinheiro; nem tenhais duas túnicas. 4 E em qualquer casa em que entrardes, ficai ali, e de lá saireis. 5 E se em qualquer cidade vos não receberem, saindo vós dali, sacudi o pó dos vossos pés, em testemunho contra eles. 6 E, saindo eles, percorreram todas as aldeias, anunciando o evangelho, e fazendo curas por toda a parte. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  4. 4. Mt 10:5-15, (JFA-RC); 5 Jesus enviou estes doze e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho das gentes, nem entrareis em cidade de samaritanos; 6 mas ide, antes, às ovelhas perdidas da casa de Israel; 7 e, indo, pregai, dizendo: É chegado o Reino dos céus. 8 Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai. 9 Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos; 10 nem alforjes para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem bordão, porque digno é o operário do seu alimento. 11 E, em qualquer cidade ou aldeia em que entrardes, procurai saber quem nela seja digno e hospedai-vos aí até que vos retireis. 12 E, quando entrardes nalguma casa, saudai-a; 13 e, se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; mas, se não for digna, torne para vós a vossa paz. 14 E, se ninguém vos receber, nem escutar as vossas palavras, saindo daquela casa ou cidade, sacudi o pó dos vossos pés. 15 Em verdade vos digo que, no Dia do Juízo, haverá menos rigor para o país de Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade. ► 1- Ele nós chama a trabalhar como coobreiros em seu reino; Jesus os “convocou”. Lc 9:1. 2- A humanidade por si mesmo não tem como vencer o inimigo das almas. “deu-lhes virtude e poder sobre todos os demônios, para curarem enfermidades”. Lc 9:1. 3- Os enviou para anunciar as boas novas de salvação, em sua plenitude, tanto física quanto espiritual. “os enviou a pregar o reino de Deus e a curar os enfermos”. Lc 9:2. E ainda ordenou-lhes “Nada leveis convosco para o caminho, nem vara, nem bolsa, nem pão, nem dinheiro, nem mesmo um casaco de sobra”. Lc 9:3. Ensinado aos discípulos a ter total dependência do Pai celeste, que iria supri-los em todas as suas necessidades pelo poder do Espírito Santo. Lc 9:1-6. cf. Mt 10:5-15. O Cuidado dos Enfermos Como deverá ser feita a obra do Senhor? Como podemos ter acesso às almas que se acham mergulhadas nas trevas da meia-noite? O preconceito deve ser enfrentado; é difícil tratar com a religião corrupta. Os melhores meios e maneiras de trabalho devem ser considerados com oração. Há um meio segundo o qual muitas portas poderão ser abertas ao missionário. Torne-se ele hábil no cuidado dos enfermos, como enfermeiro, ou aprenda a tratar as doenças, como médico; e, se estiver imbuído do espírito de Cristo, que campo de utilidade se abrirá perante ele! Cristo foi o Salvador do mundo. Enquanto na Terra, os doentes e aflitos foram objeto de Sua especial compaixão. Ao enviar Ele os Seus discípulos, comissionou-os a curar os doentes, bem como a pregar o evangelho. Ao enviar os setenta, ordenou-lhes que curassem os doentes, e em seguida pregassem que o reino de Deus havia chegado a eles. Devia-se cuidar primeiro de sua saúde física, a fim de que o caminho pudesse ser aberto e a verdade lhes alcançasse a mente. Conselhos Sobre Saúde, pp. 33-34. Os seres celestiais cooperarão com o agente humano que procura com fé decidida a perfeição de caráter que se manifeste na ação perfeita. A todo que se empenha nesta obra, Cristo diz: Estou à tua destra, para te auxiliar. Colaborando a vontade do homem com a de Deus, ela se torna onipotente. Tudo que deve ser feito a Seu mando pode ser cumprido por Seu poder. Todas as Suas ordens são promessas habilitadoras. Parábolas de Jesus, p. 333. ❉ Quarta - O envio dos Setenta Ano Bíblico: 2Rs 4, 5 ● 4. Leia Lucas 10:1-24. O que esse relato do envio dos Setenta nos ensina sobre a obra de ganhar pessoas em meio à realidade do grande conflito? Lc 10:1-24, (ACF); 1 E depois disto designou o Senhor ainda outros setenta, e mandou-os adiante da sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares aonde ele havia de ir. 2 E dizia-lhes: Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara. 3 Ide; eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos. 4 Não leveis bolsa, nem alforje, nem alparcas; e a ninguém saudeis pelo caminho. 5 E, em qualquer casa onde entrardes, dizei primeiro: Paz seja nesta casa. 6 E, se ali houver algum filho de paz, repousará sobre ele a vossa paz; e, se não, voltará para vós. 7 E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois digno é o obreiro de seu salário. Não andeis de casa em casa. 8 E, em qualquer cidade em que entrardes, e vos receberem, comei do que vos for oferecido. 9 E curai os enfermos que nela houver, e dizei-lhes: É chegado a vós o reino de Deus. 10 Mas em Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  5. 5. qualquer cidade, em que entrardes e vos não receberem, saindo por suas ruas, dizei: 11 Até o pó, que da vossa cidade se nos pegou, sacudimos sobre vós. Sabei, contudo, isto, que já o reino de Deus é chegado a vós. 12 E digo-vos que mais tolerância haverá naquele dia para Sodoma do que para aquela cidade. 13 Ai de ti, Corazim, ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidom se fizessem as maravilhas que em vós foram feitas, já há muito, assentadas em saco e cinza, se teriam arrependido. 14 Portanto, para Tiro e Sidom haverá menos rigor, no juízo, do que para vós. 15 E tu, Cafarnaum, que te levantaste até ao céu, até ao inferno serás abatida. 16 Quem vos ouve a vós, a mim me ouve; e quem vos rejeita a vós, a mim me rejeita; e quem a mim me rejeita, rejeita aquele que me enviou. 17 E voltaram os setenta com alegria, dizendo: Senhor, pelo teu nome, até os demônios se nos sujeitam. 18 E disse-lhes: Eu via Satanás, como raio, cair do céu. 19 Eis que vos dou poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum. 20 Mas, não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus. 21 Naquela mesma hora se alegrou Jesus no Espírito Santo, e disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes, e as revelaste às criancinhas; assim é, ó Pai, porque assim te aprouve. 22 Tudo por meu Pai me foi entregue; e ninguém conhece quem é o Filho senão o Pai, nem quem é o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar. 23 E, voltando-se para os discípulos, disse-lhes em particular: Bem-aventurados os olhos que veem o que vós vedes. 24 Pois vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; e ouvir o que ouvis, e não o ouviram. ► 1- Jesus mencionou a derrota de Satanás no céu, e também no sucesso deste evangelismo. “E disse-lhes: Eu via Satanás, como raio, cair do céu”. (v. 18). 2- Para os que se envolvem na obra do evangelho Cristo concede sua autoridade e poder. “Eis que vos dou poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum. (v. 19). 3- A alegria não deve estar no sujeitar os demônios aqui nesta Terra, mas no fato de seu nome e das pessoas alcançadas pelo evangelho estarem escritos no Céu. “Mas, não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus. (v. 20). O Céu se regozija em toda pessoa que se entrega à verdade, e é liberta do reino de satanás. Como enviara os doze, assim designou "ainda outros setenta, e mandou-os adiante da Sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares onde Ele havia de ir". Esses discípulos haviam estado por algum tempo com Ele, preparando-se para sua obra. Ao serem os doze enviados em sua primeira missão à parte, outros discípulos acompanharam Jesus pela Galiléia. Tinham tido assim o privilégio da íntima associação com Ele, e Suas instruções pessoais. Agora, esse maior número também devia ser enviado separadamente em missão. As instruções transmitidas aos setenta, eram idênticas às comunicadas aos doze; mas a ordem dada aos doze, de não entrar em cidade de gentios ou de samaritanos, não foi repetida aos setenta. Embora Cristo houvesse sido repelido pelos samaritanos, permaneceu inalterável Seu amor para com eles. Quando os setenta foram, em Seu nome, visitaram antes de tudo as cidades de Samaria. A visita do próprio Salvador a Samaria, e, mais tarde, o elogio do bom samaritano, e a reconhecida alegria do leproso, aquele que fora o único, dentre os dez, a voltar para agradecer a Cristo, foram fatos muito significativos para os discípulos. A lição penetrou-lhes fundo na alma. Na comissão que lhes deu exatamente antes de Sua ascensão, Jesus mencionou Samaria juntamente com Jerusalém e a Judéia, como sendo os lugares onde deviam ir primeiramente pregar o evangelho. Esta comissão, Seus ensinos os prepararam para cumprir. Quando, em nome de Seu Mestre, foram a Samaria, encontraram o povo pronto a recebê-los. Os samaritanos tinham ouvido falar nas palavras de louvor e nas obras de misericórdia concedidas por Cristo a homens de sua nação. Viram que, não obstante o rude tratamento que Lhe deram, Ele só tinha pensamentos de amor a seu respeito, e seu coração foi conquistado. Depois de Sua ascensão, receberam bem os mensageiros do Salvador, e os discípulos recolheram uma preciosa colheita dentre os que outrora haviam sido seus mais acérrimos inimigos. "A cana trilhada não quebrará nem apagará o pavio que fumega; em verdade produzirá o juízo." Isa. 42:3. "E no Seu nome os gentios esperarão." Mat. 12:21. Ao enviar os setenta, Jesus lhes recomendou, como fizera aos doze, não impor sua presença onde não fossem bem acolhidos. "Em qualquer cidade em que entrardes e não vos receberem", disse, "saindo por suas ruas, dizei: Até o pó, que da vossa cidade se nos apegou, sacudimos sobre vós. Sabei, contudo, isto, que já o reino de Deus é chegado a vós." Luc. 10:8, 10 e 11. Não deviam proceder assim por motivos de ressentimento ou de dignidade ferida, mas para mostrar quão ofensivo é recusar a mensagem do Senhor ou Seus mensageiros. Rejeitar os servos do Senhor é rejeitar o próprio Cristo. "E digo-vos", acrescentou Jesus, "que mais tolerância haverá naquele dia para Sodoma do que para aquela cidade." Luc. 10:12. O Desejado de Todas as Nações, 488-489. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  6. 6. ❉ Quinta - O custo do discipulado Ano Bíblico: 2Sm 5–7 ● 5. Leia Lucas 9:23-25; Mateus 16:24-28; Marcos 8:34-36. Qual é a mensagem fundamental desses textos para qualquer pessoa que afirme ser cristã? Lc 9:23-25, (ACF); 23 E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. 24 Porque, qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará. 25 Porque, que aproveita ao homem granjear o mundo todo, perdendo-se ou prejudicando-se a si mesmo? Mt 10:37-39, (ACF); 37 Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. 38 E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim. 39 Quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida, por amor de mim, acha-la-á Lc 14:26-27, (ACF); 26 Se alguém vier a mim, e não aborrecer a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, e ainda também a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. 27 E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo. ► O verdadeiro seguidor de Cristo precisa primeiramente negar a si mesmo, que significa vencer o orgulho e o egoísmo. “Disse Jesus: Todo aquele que quer ser meu discípulo (aluno) deve amar-Me bem mais do que ao seu pai, mãe, esposa, filhos, irmãos ou irmãs; sim, mais do que a própria vida; caso contrário, não pode ser meu discípulo. E ninguém pode ser meu discípulo se não carregar sua própria cruz e seguir-Me”. Lc 14:26-27. cf. Lc 9:23-25; Mt 10:37-39; 16:24-28; Mc 8:34-36. “Quão fácil seria o caminho para o Céu se não houvesse nada de abnegação ou de cruz! Como os mundanos correriam para esse caminho, e os hipócritas, sem conta, o trilhariam! Graças a Deus pela cruz, a abnegação. A ignomínia e a vergonha que nosso Salvador suportou por nós, não é de modo algum demasiado humilhante para aqueles que foram salvos pela aquisição de Seu sangue. O Céu será em verdade bastante fácil.” Carta 9, 1873. É unicamente o poder da cruz que pode separar o homem da poderosa confederação do pecado. Cristo Se deu a Si mesmo para salvação do pecador. Aqueles cujos pecados são perdoados, que amam a Jesus, estarão unidos a Ele. Levarão o jugo de Cristo. Esse jugo não os estorvará, não lhes tornará a vida religiosa de insatisfeita labuta. Não; o jugo de Cristo deve ser o próprio meio pelo qual a vida cristã deve se tornar uma vida de prazer e alegria. O cristão, deve se regozijar na consideração do que deu o Senhor ao entregar Seu Filho unigênito para morrer pelo mundo, "para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna". João 3:16. The Youth's Instructor, 30 de março de 1893. “A renúncia e a tribulação estendem-se em linha reta no caminho de todo o seguidor de Cristo. É a cruz que atravessa as afeições naturais e a vontade”. Testimonies, vol. 2, pág. 651. Viver para o próprio eu, é perecer. Cobiça, o desejo de benefício por amor do eu, separa a alma da vida. É o espírito de Satanás ganhar, puxar para si. O espírito de Cristo é dar, sacrificar o eu pelo bem dos outros. Manuscrito 107, 1908. ❉ Sexta - Estudo adicional Ano Bíblico: 2Sm 8–10 “O ato de erguer a cruz separa a pessoa do seu egoísmo, e põe o ser humano em condições de aprender a levar os fardos de Cristo. Não podemos seguir a Cristo sem usar Seu jugo, sem erguer a cruz e carregá-la após Ele. Caso nossa vontade não esteja em harmonia com as reivindicações divinas, temos que renunciar às nossas inclinações, abandonar nossos acalentados desejos, e seguir os passos de Cristo”. Filhos e Filhas de Deus [MM 1956/2005], p. 69. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com

×