SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Lição 5                                                                                          27 de outubro a 3 de novembro
                                                 Crescendo em Cristo




Sábado à tarde                                                                                   Ano Bíblico: Lc 21, 22

VERSO PARA MEMORIZAR: “Tendo despojado os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando
sobre eles na cruz” (Cl 2:15, NVI).

Leituras da semana: Is 35:10; Mc 10:45; Rm 6:12-23; Ef 6:12; Cl 1:16; Gl 4:1-11; Cl 2:15

Pensamento-chave: A vitória de Cristo sobre a cruz define a extensão da vitória na qual o cristão pode crescer.

O item acrescentado às crenças fundamentais da Igreja, votado na 58ª Assembleia da Associação Geral (em 2005), foi
intitulado “Crescimento em Cristo”. Quando a declaração é analisada, os seguintes pontos importantes se tornam
evidentes: Jesus derrotou os poderes satânicos e as forças do mal; por meio de Cristo, é possível vencer esses poderes,
incluindo suas manifestações passadas na vida de alguém; finalmente, há condições para que essas vitórias se realizem
na experiência de uma pessoa.

Esses pontos ocuparão nossa atenção nas três próximas lições. Nesta semana examinaremos a natureza da vitória
conquistada por Cristo na cruz. Por Sua vitória, não somente sobre o pecado, mas sobre qualquer outra força que atue
contra a humanidade e a criação de Deus, Cristo alcançou salvação para nós.

À medida que procuramos compreender o que Cristo realizou em nosso favor, estaremos mais bem preparados para
entender o que podemos alcançar em nossa vida agora. Sua vitória pode ser a nossa vitória, se a reivindicarmos para
nós, porque, não importa o que Jesus fez por nós, devemos decidir aceitar isso. A vitória não é dada automaticamente a
ninguém.

Domingo                                                      Ano Bíblico: Lc 23, 24

A redenção

O cristianismo é “uma religião de redenção”, na qual as pessoas são salvas da ruína do pecado por meio do que outra
Pessoa, neste caso Jesus, fez por elas. Assim, a religião cristã pode ser diferenciada de “uma religião da lei”, em que
alguém pode mudar seu destino pelos próprios esforços em “fazer boas obras”. Precisamos dessa redenção porque,
segundo a Bíblia, sem Cristo as pessoas são escravas do pecado (Jo 8:34) e estão sob sentença de morte (Rm 6:23). Elas
não podem se libertar dessas duas condições. A situação do pecador requer intervenção externa, e essa intervenção tem
um preço. Como o Novo Testamento ensina de modo tão claro, esse preço foi a morte de Jesus na cruz.

Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado. (João 8:34)

porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Rom.
6:23)

1. Leia os textos bíblicos e marque “s” para sim ou “n” para não: O que está incluído no conceito de redenção? Is
35:10; Mc 10:45; Gl 4:4, 5; Tt 2:14; Hb 9:12; 1Pe 1:18, 19

Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a
sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos. (Isa. 53:10)

Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos. (Mar.
10:45)

vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que
estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. (Gál. 4:4-5)

                                                    ramos@advir.com
o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo
exclusivamente seu, zeloso de boas obras. (Tito 2:14)

não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por
todas, tendo obtido eterna redenção. (Heb. 9:12)

sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil
procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o
sangue de Cristo, (1 Ped. 1:18-19)

A) O nascimento, vida, morte e ressurreição de Cristo. ( )
B) O ministério de Cristo no santuário celestial, com base no Seu sangue. ( )
C) O fato de que Deus escolheu uns para a redenção e outros para a perdição. ( )
D) A nossa adoção como filhos de Deus, perdoados e purificados. ( )

Do ponto de vista do Novo Testamento, a morte redentora de Cristo é sacrifical e substitutiva. Ele tomou nosso lugar,
sacrificando-Se em nosso favor, sofrendo a nossa morte para que não tenhamos que enfrentá-la. Embora alguns rejeitem
essa ideia porque não gostam da noção do sofrimento de alguém no lugar de outro (especialmente no lugar do culpado),
essa é a essência da mensagem evangélica.

“A menos que nossa linguística esteja em falta, quando o Novo Testamento fala de redenção, isso significa que Cristo
pagou o preço da nossa redenção. Visto que o preço pago deve ser adequado à compra em questão, isso indica uma
equivalência, uma substituição” (Leon Morris, The Apostolic Preaching of the Cross [A Pregação Apostólica da Cruz];
Grand Rapids, Wm. B. Eerdman Publishing Co., 1965, p. 61).

Pense em algumas coisas em sua vida que você acha impossível mudar, questões sobre as quais você é absolutamente
impotente para resolver. Da mesma forma, somos absolutamente impotentes para nos salvar. Como essa compreensão
nos ajuda a entender melhor o que Cristo fez por nós na cruz? Mais importante ainda, como essa verdade maravilhosa da
redenção deve afetar nossa vida?

Segunda                                                     Ano Bíblico: Jo 1–3

Escravos libertados

Quando entendemos a redenção como libertação de uma forma de escravidão que necessitava de ajuda “externa”,
concluímos que a humanidade pecadora é dominada por uma força ou influência mais forte do que ela mesma. A
questão que precisa ser respondida é: Que poder ou instrumento tem escravizado a humanidade pecadora de maneira
violenta?

2. Marque “v” para verdadeiro e “f” para falso: De acordo com Romanos 6:12-23 (especialmente os versos 18, 20 e 22),
do que Jesus nos liberta? Em que contexto ocorre a libertação?

Rom. 6:
12 Não reine,  portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências;
13 nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus,
como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.
14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça.
15 Pois quê? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum!
16 Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis,
ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?
17 Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes
entregues.
18 E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.
19 Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para
servirem à imundícia e à maldade para a maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para
a santificação.
20 Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça.
21 E que fruto tínheis, então, das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte.
22 Mas, agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida
eterna.
23 Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor.

A) Liberta das obrigações da lei, no contexto do Antigo Testamento. ( )
B) Liberta as nações da política da escravidão. ( )
C) Liberta do pecado, anulando sua condenação e seu domínio em nossa vida prática. ( )
D) Liberta do excesso de santidade, que pode levar ao orgulho. ( )

Pense no que Paulo disse nos versos acima, e no que ele disse em Romanos 6:1-11. Paulo falou sobre o que acontece no
batismo cristão. Ele apresentou algumas coisas que deviam ter morrido com Cristo no batismo. Depois de mencionar
essas coisas, Paulo desafiou os cristãos, que se uniram a Cristo, a manifestar o senhorio de Cristo, que os “libertou” do
poder do pecado.

                                                   ramos@advir.com
O resultado é que, segundo Paulo, não importa quanto a nossa natureza tenha sido corrompida pelo pecado, por meio de
Cristo podemos ser livres do seu poder escravizante. Quem não viu a devastação que pode ser causada por esse tipo de
escravidão? Quem não viu vidas arruinadas pelo pecado? Quem não lutou contra o poder do pecado em sua vida? Esse é,
de longe, o maior inimigo que os seres humanos já enfrentaram.

O que torna essa escravidão tão perversa é que ela não é imposta apenas de fora para dentro, mas também tem sua
origem dentro de nós. Como podemos ser libertados de uma escravidão, de um cativeiro, que se origina em nós, na
nossa própria natureza?

A resposta, como vimos nos versos acima, vem unicamente do poder de Jesus, que conquistou a vitória para nós e que
nos oferece o poder para vencer. Por meio de Cristo, somos não apenas perdoados dos nossos pecados; devemos morrer
para eles, e ser libertados deles. Eles não mais devem nos dominar. Essas são promessas maravilhosas, poderosas, que
todos os que professam o nome de Cristo devem reclamar para si mesmos.

Qual tem sido sua experiência com o poder escravizador e cruel do pecado? Como você pode aprender a se apegar mais
às maravilhosas promessas de libertação oferecidas em Jesus?

Terça                                                        Ano Bíblico: Jo 4–6

Principados e potestades: parte 1

A Bíblia descreve nosso mundo como estando sob o domínio das forças do mal, que procuram nos controlar e destruir. O
grande conflito é o resultado da atuação do Senhor contra esses poderes. A grande notícia é que, depois da cruz, a
vitória contra eles está assegurada. Embora o conflito continue dramático, a vitória pertence a Deus, e dela podemos
compartilhar pela fé.

3. O que a Bíblia diz sobre a realidade do conflito? Que grande esperança e promessas encontramos nela? (Marque “v”
para verdadeiro e “f” para falso) 1Jo 3:8; 5:19; Jo 12:31; 16:11; Ef 6:12; Cl 1:16; 2:15; Rm 8:38, 39

Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o
Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. (1 João 3:8)

Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno. (1 João 5:19)

Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso. (João 12:31)

do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. (João 16:11)

porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores
deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. (Efés. 6:12)

pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam
soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. (Col. 1:16)

e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz. (Col. 2:15)

Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do
presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá
separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Rom. 8:38-39)

A) “Para isto se manifestou o Filho de Deus: para amenizar as obras do diabo.” ( )
B) “Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro já não mais está no Maligno.” ( )
C) “A nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades.” ( )
D) Nada “poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus.” ( )

No século 21, muitas pessoas mantêm uma cosmovisão científica. Para essas pessoas, um mundo habitado por forças do
mal e dominado por poderes demoníacos hostis é predominantemente visto como um resquício de uma era de
superstição e ignorância. Em contraste com isso, a Bíblia apresenta, como parte da realidade do mundo, uma
organização de forças hostis incluindo principados e potestades demoníacos. A visão bíblica do mundo é grande o
suficiente para abranger a cosmovisão natural e também a sobrenatural.

Em Romanos 8:38, por exemplo, a palavra grega traduzida como “principados” é archai, que poderia se referir a
governantes civis e também a poderes sobrenaturais que tentam exercer o domínio do mal sobre os homens. Em Efésios
6:12, a expressão literal “príncipes das trevas deste século” (RC) também poderia ser traduzido como “dominadores
deste mundo tenebroso” (RA).

“Evidentemente, Paulo está se referindo a espíritos malignos pessoais, que exercem um grau de autoridade sobre o
mundo. Compare a expressão ‘príncipe deste mundo’, que descreve Satanás, em João 12:31; 14:30; 16:11. A
personalidade do diabo também estava clara para o revelador” (Ap 2:10; 12:10; The SDA Bible Commentary [Comentário
Bíblico Adventista], v. 6, p. 1.044.

Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso. (João 12:31)

Já não falarei muito convosco, porque aí vem o príncipe do mundo; e ele nada tem em mim; (João 14:30)

                                                    ramos@advir.com
do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. (João 16:11)

Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos
à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. (Apoc. 2:10)

Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do
seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus.
(Apoc. 12:10)

Quarta                                                        Ano Bíblico: Jo 7–9

Principados e potestades: parte 2

Como vimos, a palavra traduzida como “principados” pode se referir a governantes mundiais ou poderes sobrenaturais
que tentam exercer controle sobre a vida humana. Outra palavra grega usada em conjunto com o termo “principados”
(archai) é a palavra stoicheia, que significa literalmente “elementos”, ou “substâncias ou princípios elementares”. O
contexto em que stoicheia é usada revela outros aspectos deste mundo caído, dos quais fomos redimidos pela vitória de
Cristo na cruz.

4. Marque um “x” nas respostas certas: Além dos poderes malignos literais, de que outras coisas fomos libertados por
Jesus? Cl 2:8, 14, 20; Gl 4:1-11

Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme
os rudimentos do mundo e não segundo Cristo; (Col. 2:8)

tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial,
removeu- o inteiramente, encravando-o na cruz; (Col. 2:14)

Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, por que, como se vivêsseis no mundo, vos sujeitais a
ordenanças: (Col. 2:20)

Digo, pois, que, durante o tempo em que o herdeiro é menor, em nada difere de escravo, posto que é ele senhor de tudo.
Mas está sob tutores e curadores até ao tempo predeterminado pelo pai. Assim, também nós, quando éramos menores,
estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho,
nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de
filhos. E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai! De sorte que
já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por Deus. Outrora, porém, não conhecendo a Deus,
servíeis a deuses que, por natureza, não o são; mas agora que conheceis a Deus ou, antes, sendo conhecidos por Deus,
como estais voltando, outra vez, aos rudimentos fracos e pobres, aos quais, de novo, quereis ainda escravizar-vos?
Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. Receio de vós tenha eu trabalhado em vão para convosco. (Gál. 4:1-11)

A) Filosofia ( ); B) Vãs sutilezas ( ); C) Rudimentos do mundo ( ); D) Lei moral, que nos trazia condenação ( ); E) Tradição
dos homens ( ).

O Novo Testamento, principalmente o conceito de Paulo sobre os “poderes”, parece ligar seres espirituais a forças ou
poderes que governam a vida humana, além de Cristo. Poderiam ser poderes políticos, sociais, tradicionais e até mesmo
religiosos. O termo stoicheia, usado em Gálatas 4:3, 9, fala do sistema de paganismo do qual os cristãos da Galácia
haviam sido libertados. É usado também em referência a aspectos do antigo sistema legal judaico. Em Colossenses
2:8,20, refere-se metaforicamente a princípios filosóficos mundanos.

Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; (Gál. 4:3)

mas agora que conheceis a Deus ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como estais voltando, outra vez, aos rudimentos
fracos e pobres, aos quais, de novo, quereis ainda escravizar-vos? (Gál. 4:9)

“Em Isaías 24:21 a expressão ‘os reis da Terra, na Terra’ implica que a expressão ‘no céu, as hostes celestes’ refere-se a
Satanás e os anjos maus. Paulo se refere a Satanás como ‘o príncipe da potestade do ar’ (Ef 2:2), e aos invisíveis líderes
do mal como ‘dominadores deste mundo tenebroso’ que habitam ‘nas regiões celestes’ (Ef 6:12). Em 1 Coríntios 15:24,
25 Paulo diz que eles serão subjugados por Cristo. Isaías prevê o momento em que os anjos maus e os homens perversos
sofrerão punição (leia Mt 25:41;. 2Pe 2:4, 9; Ap 20:10-15; The SDA Bible Commentary [Comentário Bíblico Adventista], v.
4, p. 198, 199).

Naquele dia, o SENHOR castigará, no céu, as hostes celestes, e os reis da terra, na terra. (Isa. 24:21)

nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora
atua nos filhos da desobediência; (Efés. 2:2)

porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores
deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. (Efés. 6:12)

E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda
potestade e poder. Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. (1 Cor. 15:24-25)



                                                     ramos@advir.com
Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno,
preparado para o diabo e seus anjos. (Mat. 25:41)

Ora, se Deus não poupou anjos quando pecaram, antes, precipitando-os no inferno, os entregou a abismos de trevas,
reservando-os para juízo; (2 Ped. 2:4)

é porque o Senhor sabe livrar da provação os piedosos e reservar, sob castigo, os injustos para o Dia de Juízo, (2 Ped.
2:9)

O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde já se encontram não só a besta como
também o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos. Vi um grande trono branco e
aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. Vi também os
mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da
Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros. Deu o
mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um,
segundo as suas obras. Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte,
o lago de fogo. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo. (Apoc.
20:10-15)

A vida é regida por uma série de poderes, pessoais e impessoais. Sem Cristo, o homem está à mercê desses poderes. As
pressões do momento presente, para não mencionar o medo do futuro, bem como as exigências da vida, sociedade,
tradição, e da ideologia, todas podem exercer influências que podem separar uma pessoa do Senhor. Mas por intermédio
de Cristo, fomos libertados, não apenas dos nossos pecados, mas também da escravidão a esses “poderes”. Precisamos
entender a natureza dessa vitória e reivindicá-la como sendo nossa.

Além das realidades sobrenaturais existentes, que outras forças e influências lutam contra você? Você precisa identificá-
las e reivindicar as promessas de Jesus para vencê-las.

Quinta                                                       Ano Bíblico: Jo 10, 11

Um assassino revelado

Cristo veio ao mundo com o propósito de destruir as obras do diabo (Hb 2:14). Ele fez isso na cruz. Mas, se Cristo foi
vitorioso sobre o diabo, os principados e potestades, por que ainda estamos lutando contra eles?

Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para
que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, (Heb. 2:14)

5. Quais são as três expressões usadas por Paulo para descrever o que aconteceu na cruz? Como podemos entender o
significado da cruz? Cl 2:15

e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz. (Col. 2:15)

Complete     a   resposta:    __________________________________________________________,   “expôs    ao    desprezo”    e
__________________________________________________________.

Primeiro, Cristo despojou, ou “desarmou” os “poderes”. A palavra grega é apekduomai, que significa literalmente “tirar
as roupas de alguém”. Aqui isso pode significar que os poderes foram despojados de suas armas.

Que armas? “A vida vitoriosa de Cristo, que culminou no Calvário, anunciou a condenação do diabo. O disfarce de
Satanás foi arrancado. [...] Por Sua cruz Jesus Cristo despojou dos principados e potestades das trevas tanto seu ‘manto
oficial’ quanto sua autoridade como príncipes deste mundo, e sua armadura de força na guerra contra a justiça” (The
SDA Bible Commentary [Comentário Bíblico Adventista, v. 7], p. 205).

6. Cristo “publicamente [...] expôs [os poderes] ao desprezo”, “fez deles um espetáculo público”. Como os poderes foram
expostos publicamente na cruz? Que imagens deles se tornou evidente? Jo 8:44

Complete: Ele foi ___________________________________________________________ desde o princípio e jamais se firmou na
__________________________________________,  porque    nele    não    há   _____________________________________________.
Quando ele profere __________________________________________________________, fala do que lhe é próprio….

O texto também diz que Cristo “triunfou sobre eles”. A palavra grega é thriambeuo e implica uma celebração. Além de
tudo que estivesse incluído nesse triunfo, certamente estava o fato de que ele ajudou a revelar que Satanás é assassino.

Por causa da cruz, chegará o dia em que o domínio desses poderes acabará, quando Cristo “houver destruído todo
principado, bem como toda potestade e poder” (1Co 15:24), e o último inimigo a ser destruído será a morte (1Co 15:26).
Até lá, temos que resistir, combatendo o combate da fé na força de Deus […]

“Satanás viu que estava desmascarado. [...] Revelara-se um homicida. Derramando o sangue do Filho de Deus,
desarraigou-se Satanás das simpatias dos seres celestiais. Daí em diante sua obra ficou restrita. Estavam quebrados os
derradeiros laços de simpatia entre Satanás e o mundo celestial …” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p.
761).

Sexta                                                        Ano Bíblico: Jo 12, 13


                                                    ramos@advir.com
Estudo adicional

Leia de Ellen G. White, Fundamentos da Educação Cristã, p. 136: “O Livro dos Livros”; História da Redenção, p. 394, 395:
“Espiritismo”; O Grande Conflito, p. 511-517: “Invisíveis Defensores do Homem”.

“Uma batalha invisível a olhos humanos está sendo travada. Está em campo o exército do Senhor, buscando salvar
pessoas. Satanás e suas legiões também estão em atividade, buscando por todos os meios possíveis, enganar e destruir.
[...] Dia a dia prossegue a batalha. Se nossos olhos se pudessem abrir para ver em operação os instrumentos bons e os
maus, não haveria frivolidade, vaidade, gracejos e brincadeiras. Se todos se revestissem de toda a armadura de Deus e
combatessem corajosamente as batalhas do Senhor, seriam obtidas vitórias que fariam tremer o reino das trevas” (Ellen
G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 6, p. 41).

“Quando os homens procuram viver em harmonia com Deus, descobrem que o escândalo da cruz ainda não findou.
Principados, potestades e espíritos do mal nos lugares celestiais, estão voltados contra todos os que se submetem
obedientemente à lei celestial. Por isso, longe de causar tristeza, as perseguições devem trazer alegria aos discípulos de
Cristo, porque são uma evidência de que seguem os passos de seu Senhor (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p.
29, 30).

Perguntas para reflexão
1. Leia Hebreus 2:14, 15. A morte é claramente descrita ali como agente de escravidão. Observe, também, a ênfase em
nosso medo da morte. Por que temos tanto medo da morte? Como esse medo nos mantém, como o texto diz, em uma
espécie de escravidão? Como o cristão, livre em Cristo, deve ver a morte?
2. Para algumas pessoas a ideia de forças demoníacas é tola superstição; outros são dominados pelo medo dessas
coisas. Como podemos encontrar o equilíbrio entre a compreensão da realidade desses poderes e a noção do que Cristo
fez por nós na luta contra eles?
3. Quais são alguns exemplos de como as forças do mal controlam ou influenciam diversos poderes mundanos?
4. Como a concepção do grande conflito nos ajuda a entender a continuidade da existência do mal, mesmo após a vitória
de Cristo na cruz?

Respostas sugestivas: 1. Sim para as letras A, B e D. 2. As letras A, B e D são falsas. A libertação ocorre no contexto da
vida prática e da consagração do corpo ao Senhor. 3. As letras A e B são falsas. 4. As letras A, B, C e E estão certas. 5. A
resposta é: “Despojando os principados e as potestades”; “publicamente os expôs ao desprezo”; “triunfou sobre eles na
cruz”. 6. A resposta é: Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade.
Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio…



Resumo da lição 5 – Crescendo em Cristo

Texto-chave: Colossenses 2:15

O aluno deverá:
Conhecer: A total vitória de Cristo na cruz não só sobre o pecado, mas sobre todo outro poder e tradição que mantém a
humanidade em cativeiro.
Sentir: A alegria do triunfo de Cristo sobre todos os poderes do mal no mundo e em sua vida pessoal.
Fazer: Unir-se a Cristo, revestir-se da armadura e, em parceria com Ele, lutar pela salvação das pessoas.

Esboço do aprendizado
I. Conhecer: Vitória completa
A. Que sofismas de Satanás Cristo desmascarou na cruz?
B. Que enganosas, filosofias, tradições e poderes sociais e políticos ainda escravizam os habitantes da Terra, e como a
vitória de Cristo oferece a energia necessária para superar essas forças?

II. Sentir: Alegria na vitória
A. Que certeza é possível para aquele que confia no triunfo de Cristo na cruz?
B. Apesar de ainda haver luta para vencer o mal, em que base podemos ter alegria e louvar a Deus pelo resultado dessa
guerra cósmica?

III. Fazer: As batalhas do Senhor
A. Como os cristãos podem se unir a Cristo nas lutas finais contra as forças do mal?
B. Por que é importante que Cristo use Seus amigos e discípulos como embaixadores pessoais e soldados no conflito aqui
neste mundo?

Resumo: Na cruz, Cristo foi vitorioso sobre o mal e demonstrou que os desafios de Satanás ao governo de Deus estavam
fundamentados em mentiras.

Ciclo do aprendizado

Motivação
Conceito-chave para o crescimento espiritual: No grande conflito entre o bem e o mal, a cruz é um símbolo da vitória
sobre o pecado. Embora a batalha continue em direção ao seu clímax final, o cristão experimenta crescimento no
contexto do conflito, confiando na vitória de Cristo.



                                                    ramos@advir.com
Só para o professor: A lição desta semana expõe os diferentes aspectos do que Cristo realizou na cruz. Enquanto Sua
vitória foi completa sobre o pecado, o cristão, mediante uma luta diária contra o pecado em seus muitos e abrangentes
efeitos, ainda ocupa o campo de batalha.

Nesta seção de abertura é importante começar a examinar a dinâmica dessa batalha e ver como é possível obter a
vitória na vida cristã, apesar da guerra contra o pecado.

Discussão de abertura: Existem muitos tipos diferentes de desafios e batalhas. Alguns são aplicáveis apenas à
experiência individual. Muitos consideram os hábitos viciantes como uma batalha, utilizam a expressão " batalha", por
exemplo, contra o tabagismo. Outras batalhas demandam esforço coletivo, como na realidade da guerra em defesa da
pátria e do lar.

Seja a batalha de natureza individual ou coletiva, o objetivo comum é obter a vitória e vencer o desafio sobre o que
poderia ser considerado o inimigo.

Olhando para a dinâmica geral da batalha, notamos que sempre há duas forças opostas que lutam pelo domínio, a fim de
conquistar o "prêmio". Também devem ser levados em conta um plano ou estratégia de batalha e também os
participantes envolvidos na guerra.

Uma parte significativa na elaboração do plano de batalha é um inventário que avalie as armas necessárias para vencer
a luta. Essas armas, juntamente com o plano de execução, são fundamentais para a vitória.

Embora a estratégia, o armamento certo de guerra e o desejo de vitória sejam importantes, também existem outros
componentes importantes que não podem ser ignorados. As entrevistas com veteranos de guerra vitoriosos indicam que
a fé, a persistência o companheirismo com os outros são essenciais para o sucesso de ganhar a batalha.

As Escrituras retratam a batalha espiritual entre Deus e o mal, originada no Céu, entre Lúcifer e Miguel. Algumas
semanas atrás, uma das lições afirmou que os primeiros seres humanos criados se submeteram ao poder do mal, e o
pecado entrou na história da Terra. Mesmo assim, a Palavra de Deus também revela que entrou em vigor um plano de
batalha contra o pecado.

Hoje, vivemos do outro lado da cruz e da vitória de Cristo sobre o mal, o pecado e a morte. É nesse ponto que devemos
considerar a importância do armamento espiritual na batalha pela nossa salvação nesse grande conflito entre o bem e o
mal. A vitória é possível com as armas da guerra espiritual, que são a fé, a persistência e o companheirismo com Jesus
Cristo, o Vitorioso.

Comente: 1. Qual é o verso bíblico na lição desta semana que encoraja o crente em relação à batalha contra o mal? 2.
Qual é o significado da vitória de Cristo sobre a cruz, e que implicações isso tem para nossa vida diária?

Compreensão
Só para o professor: O contexto histórico da carta de Paulo aos Romanos revela o sentimento pastoral de Paulo e também
sua habilidade para ensinar, quando se esforçava para orientar e instruir os novos conversos em questões que tinham a
ver com sua compreensão espiritual da nova vida em Cristo. Essa instrução é especificamente o tema de Romanos 6.
Para o Passo 2, leia cada seção desse capítulo, comentando as diferentes ilustrações que Paulo usa ao tratar de como
crescer e viver a vida cristã, em vista da vitória de Cristo na cruz.

Comentário Bíblico

I. Batismo, Morte e Vida (Leia com a classe Romanos 6:1-11.)

Romanos 6 começa com uma forte reação de Paulo à ideia errônea que, aparentemente, alguns da congregação romana
primitiva tinham sugerido. Sua conclusão era que, se a graça era estendida a todos, quanto mais alguém pecasse, mais
interessante seria pecar, para que essa graça fosse mais abundante. Paulo usa a ilustração do batismo para refutar essa
conclusão errônea e também para ilustrar como deve ser essa nova vida em Cristo.

Na igreja primitiva, o batismo era a evidência de uma confissão de fé pessoal e também de haver deixado para trás a
vida anterior, sem Cristo.

Paulo usa essa experiência espiritual na vida do novo converso como um meio de discutir mais profundamente a forma
de pensar o estilo de vida anterior e posterior à conversão e as implicações que tem essa reflexão para o novo crente em
Cristo.

Paulo explica que o batismo é o sepultamento de tudo o que estava relacionado com a vida anterior. A ação do batismo
une o crente a Cristo. Assim como Cristo foi ressuscitado "para a glória do Pai", assim também, no batismo, ocorreu o
sepultamento do velho homem e, como na ressurreição, existe uma novidade de vida.

O versículo 11 apresenta a nova atitude e a maneira em que é preciso pensar em um novo estilo de vida: "Assim,
considerem-se mortos para a sedução e o poder do pecado, mas vivos para o chamado de Deus por meio de Jesus Cristo,
nosso Senhor" (Phillips).

Pense nisto: O que há de errado com a idéia distorcida de que devemos pecar mais, a fim de receber mais graça? Que
significa estar morto para o pecado e vivo em Cristo? Como vamos viver essa verdade por meio do batismo?

II. Armas, ferramentas e instrumentos (Leia com a classe Romanos 6:12-14.)


                                                   ramos@advir.com
Peça que diferentes membros de sua classe leiam Romanos 6:12-14 usando diferentes traduções da Bíblia (se houver).
Observe as diferentes palavras usadas no versículo 13 para "instrumentos de injustiça" e "instrumentos de justiça". A
tradução Living Bible apresenta uma versão muito boa dessa passagem: "Não deixem mais que o pecado controle seu
corpo débil; não cedam a seus desejos pecaminosos. Não permitam que qualquer parte de seu corpo se torne ferramenta
da maldade, que seja usado para o pecado, mas dê-se completamente a Deus – cada parte de você – pois você está de
volta da morte e deseja ser instrumento nas mãos de Deus, para ser usado para Seus bons propósitos. O pecado nunca
precisa voltar a ser seu senhor, pois agora você já não está vinculado à lei em que o pecado o escraviza, mas você está
livre sob o favor e a misericórdia de Deus" (v 12-14).

Comente: Como a diferença de palavreado entre instrumento, ferramenta, arma ou membro contribui com uma nova
ideia sobre a proporção de nossa vida devemos dar a Deus e como deve ela ser vivida?

III. Escravos de Deus (Leia Romanos 6:15-23 com a classe.)

Paulo usa uma forte e vívida ilustração em seu ensino sobre o que significa viver uma vida nova em Cristo. Em seu
contexto histórico, como ocorria em muitas partes do mundo, ser escravo significava que a pessoa não possuía nenhuma
parte de sua vida. Toda a atenção era direcionada para o senhor no que se refere a serviço e tempo. Um escravo não
tinha direitos, mas era considerado propriedade de serviço para o senhor.

Neste texto, é interessante o versículo 16: "Você pertence ao poder ao qual escolher obedecer; seja o pecado, cuja
recompensa é a morte, ou a Deus, cuja obediência significa a recompensa da justiça" (Phillips). Em outras palavras,
referindo-se ao batismo, os que optam por seguir Jesus o fazem livremente, escolhendo um novo Mestre e nova relação
de escravidão e serviço ao Senhor.

Observe a grande diferença de nível salarial entre servir ao pecado e se tornar escravos da justiça. A versão Living Bible
expressa bem essa consideração: "Naqueles dias em que eram escravos do pecado, vocês não se preocupavam muito
com a bondade. E qual foi o resultado? Evidentemente, não é bom, já que agora vocês estão envergonhados de pensar
nessas coisas que costumavam fazer, pois todas elas terminam em condenação eterna. Mas, agora, vocês estão livres do
poder do pecado e são escravos de Deus, e seus benefícios para você incluem santidade e vida eterna. Porque o salário
do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor" (vs. 21-23).

Comente: Peça que os alunos definam em suas próprias palavras a diferença entre os salários do serviço ao pecado e o
"dom gratuito" do Mestre.

Aplicação
Só para o professor: Divida os membros de sua classe em pequenos grupos (de preferência de 3-5 participantes cada).

Atividade: Peça que seus pequenos grupos tracem para um grupo-alvo um plano de batalha para viver uma nova vida de
forma vibrante e crescente em Cristo. Por exemplo, o grupo-alvo poderiam ser adultos jovens, novos membros da igreja,
avós, etc.

Certifique-se de que, à luz da lição desta semana, você considere o inimigo também em termos de principados e
potestades e destaque o meio de obter a vitória em Cristo.

Reagrupe assim que a primeira parte da atividade tiver sido realizada e, em seguida, peça a um membro de cada grupo
que descreva à classe o plano de batalha seu grupo.

Criatividade
Só para o professor: Materiais necessários: papel ou cartões de anotações e canetas ou lápis. Está faltado um membro da
Escola Sabatina em sua classe? Peça que os membros de sua classe escrevam palavras de incentivo em um cartão ou
papel e imediatamente entreguem pessoalmente ou enviem seus bilhetes a esse membro pelo correio (Como alternativa,
ou nos casos em que seja preferível ou mais conveniente fazê-lo, visitem, passem um e-mail ou telefonem a essa
pessoa). Pratique ser um "instrumento" da justiça de hoje.




                                                   ramos@advir.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graçaLição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graçaErberson Pinheiro
 
A cruz de cristo, a manifestação da graça e da justiça divina
A cruz de cristo, a manifestação da graça e da justiça divinaA cruz de cristo, a manifestação da graça e da justiça divina
A cruz de cristo, a manifestação da graça e da justiça divinaJunior Soares
 
Estudo27 justificacao pela-fe
Estudo27 justificacao pela-feEstudo27 justificacao pela-fe
Estudo27 justificacao pela-feHezir Henrique
 
A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação Geversom Sousa
 
Ebd lições séries 03 - 2º trimestre 2016
Ebd   lições séries 03 - 2º trimestre 2016Ebd   lições séries 03 - 2º trimestre 2016
Ebd lições séries 03 - 2º trimestre 2016Joel Silva
 
Ebd lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
Ebd   lições séries 01 - 2º-trimestre 2016Ebd   lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
Ebd lições séries 01 - 2º-trimestre 2016Joel Silva
 
A Necessidade Universal da Salvação em Cristo
A Necessidade Universal da Salvação em CristoA Necessidade Universal da Salvação em Cristo
A Necessidade Universal da Salvação em CristoMárcio Martins
 
POR QUE TEMOS CONFLITOS?
POR QUE TEMOS CONFLITOS?POR QUE TEMOS CONFLITOS?
POR QUE TEMOS CONFLITOS?Enerliz
 
1 pedro 1.17 2.3 - uma vida para além da religião - 06-11-2016
1 pedro 1.17 2.3 - uma vida para além da religião - 06-11-20161 pedro 1.17 2.3 - uma vida para além da religião - 06-11-2016
1 pedro 1.17 2.3 - uma vida para além da religião - 06-11-2016Cleiton Tenório
 

Mais procurados (17)

Lição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graçaLição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graça
 
JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ
JUSTIFICAÇÃO PELA FÉJUSTIFICAÇÃO PELA FÉ
JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ
 
A Maravilhosa Graça
A Maravilhosa GraçaA Maravilhosa Graça
A Maravilhosa Graça
 
A cruz de cristo, a manifestação da graça e da justiça divina
A cruz de cristo, a manifestação da graça e da justiça divinaA cruz de cristo, a manifestação da graça e da justiça divina
A cruz de cristo, a manifestação da graça e da justiça divina
 
escola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdfescola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdf
 
A doutrina da expiação
A doutrina da expiaçãoA doutrina da expiação
A doutrina da expiação
 
Estudo27 justificacao pela-fe
Estudo27 justificacao pela-feEstudo27 justificacao pela-fe
Estudo27 justificacao pela-fe
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa GraçaLição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
 
A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação
 
Ebd lições séries 03 - 2º trimestre 2016
Ebd   lições séries 03 - 2º trimestre 2016Ebd   lições séries 03 - 2º trimestre 2016
Ebd lições séries 03 - 2º trimestre 2016
 
Fé para a salvação
Fé para a salvaçãoFé para a salvação
Fé para a salvação
 
Ebd lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
Ebd   lições séries 01 - 2º-trimestre 2016Ebd   lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
Ebd lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
 
A Necessidade Universal da Salvação em Cristo
A Necessidade Universal da Salvação em CristoA Necessidade Universal da Salvação em Cristo
A Necessidade Universal da Salvação em Cristo
 
Justificação estudo
Justificação estudoJustificação estudo
Justificação estudo
 
Salvação I
Salvação ISalvação I
Salvação I
 
POR QUE TEMOS CONFLITOS?
POR QUE TEMOS CONFLITOS?POR QUE TEMOS CONFLITOS?
POR QUE TEMOS CONFLITOS?
 
1 pedro 1.17 2.3 - uma vida para além da religião - 06-11-2016
1 pedro 1.17 2.3 - uma vida para além da religião - 06-11-20161 pedro 1.17 2.3 - uma vida para além da religião - 06-11-2016
1 pedro 1.17 2.3 - uma vida para além da religião - 06-11-2016
 

Semelhante a A vitória de Cristo sobre as forças do mal

lição 5 A Maravilhosa graça
lição 5 A Maravilhosa graçalição 5 A Maravilhosa graça
lição 5 A Maravilhosa graçaEv.Antonio Vieira
 
“O que aborreço isso faço”
“O que aborreço isso faço”“O que aborreço isso faço”
“O que aborreço isso faço”JUERP
 
A salvação do pecado
A salvação do pecadoA salvação do pecado
A salvação do pecadoNilza Paulo
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa GraçaAndrew Guimarães
 
Vitória sobre as forças do mal_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Vitória sobre as forças do mal_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos Vitória sobre as forças do mal_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Vitória sobre as forças do mal_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos Gerson G. Ramos
 
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA Lourinaldo Serafim
 
Lição 07 - A graça Divina.pptx
Lição 07 - A graça Divina.pptxLição 07 - A graça Divina.pptx
Lição 07 - A graça Divina.pptxJoel Silva
 
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
 TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016  TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016 Elias Farias
 
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus CristoLição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus CristoErberson Pinheiro
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Joel Silva
 
lição 5 - A maravilhosa graça
lição 5 - A maravilhosa graçalição 5 - A maravilhosa graça
lição 5 - A maravilhosa graçaErberson Pinheiro
 
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 

Semelhante a A vitória de Cristo sobre as forças do mal (20)

A cruz
A cruzA cruz
A cruz
 
A cruz stephen kaugan
A cruz   stephen kauganA cruz   stephen kaugan
A cruz stephen kaugan
 
lição 5 A Maravilhosa graça
lição 5 A Maravilhosa graçalição 5 A Maravilhosa graça
lição 5 A Maravilhosa graça
 
A doutrina da expiação
A doutrina da expiaçãoA doutrina da expiação
A doutrina da expiação
 
“O que aborreço isso faço”
“O que aborreço isso faço”“O que aborreço isso faço”
“O que aborreço isso faço”
 
A salvação do pecado
A salvação do pecadoA salvação do pecado
A salvação do pecado
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
 
Vitória sobre as forças do mal_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Vitória sobre as forças do mal_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos Vitória sobre as forças do mal_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Vitória sobre as forças do mal_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
 
O Poder Que Não Pode.docx
O Poder Que Não Pode.docxO Poder Que Não Pode.docx
O Poder Que Não Pode.docx
 
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Lba lição 5  a maravilhosa graçaLba lição 5  a maravilhosa graça
Lba lição 5 a maravilhosa graça
 
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
 
Lição 07 - A graça Divina.pptx
Lição 07 - A graça Divina.pptxLição 07 - A graça Divina.pptx
Lição 07 - A graça Divina.pptx
 
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
 TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016  TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
 
Watchman nee a verdadeira vida cristã (tradução)
Watchman nee   a verdadeira vida cristã (tradução)Watchman nee   a verdadeira vida cristã (tradução)
Watchman nee a verdadeira vida cristã (tradução)
 
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus CristoLição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)
 
lição 5 - A maravilhosa graça
lição 5 - A maravilhosa graçalição 5 - A maravilhosa graça
lição 5 - A maravilhosa graça
 
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
 
Somos a justiça de deus
Somos a justiça de deusSomos a justiça de deus
Somos a justiça de deus
 

Mais de Gerson G. Ramos

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRGerson G. Ramos
 

Mais de Gerson G. Ramos (20)

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 

Último

O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 

Último (8)

O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 

A vitória de Cristo sobre as forças do mal

  • 1. Lição 5 27 de outubro a 3 de novembro Crescendo em Cristo Sábado à tarde Ano Bíblico: Lc 21, 22 VERSO PARA MEMORIZAR: “Tendo despojado os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz” (Cl 2:15, NVI). Leituras da semana: Is 35:10; Mc 10:45; Rm 6:12-23; Ef 6:12; Cl 1:16; Gl 4:1-11; Cl 2:15 Pensamento-chave: A vitória de Cristo sobre a cruz define a extensão da vitória na qual o cristão pode crescer. O item acrescentado às crenças fundamentais da Igreja, votado na 58ª Assembleia da Associação Geral (em 2005), foi intitulado “Crescimento em Cristo”. Quando a declaração é analisada, os seguintes pontos importantes se tornam evidentes: Jesus derrotou os poderes satânicos e as forças do mal; por meio de Cristo, é possível vencer esses poderes, incluindo suas manifestações passadas na vida de alguém; finalmente, há condições para que essas vitórias se realizem na experiência de uma pessoa. Esses pontos ocuparão nossa atenção nas três próximas lições. Nesta semana examinaremos a natureza da vitória conquistada por Cristo na cruz. Por Sua vitória, não somente sobre o pecado, mas sobre qualquer outra força que atue contra a humanidade e a criação de Deus, Cristo alcançou salvação para nós. À medida que procuramos compreender o que Cristo realizou em nosso favor, estaremos mais bem preparados para entender o que podemos alcançar em nossa vida agora. Sua vitória pode ser a nossa vitória, se a reivindicarmos para nós, porque, não importa o que Jesus fez por nós, devemos decidir aceitar isso. A vitória não é dada automaticamente a ninguém. Domingo Ano Bíblico: Lc 23, 24 A redenção O cristianismo é “uma religião de redenção”, na qual as pessoas são salvas da ruína do pecado por meio do que outra Pessoa, neste caso Jesus, fez por elas. Assim, a religião cristã pode ser diferenciada de “uma religião da lei”, em que alguém pode mudar seu destino pelos próprios esforços em “fazer boas obras”. Precisamos dessa redenção porque, segundo a Bíblia, sem Cristo as pessoas são escravas do pecado (Jo 8:34) e estão sob sentença de morte (Rm 6:23). Elas não podem se libertar dessas duas condições. A situação do pecador requer intervenção externa, e essa intervenção tem um preço. Como o Novo Testamento ensina de modo tão claro, esse preço foi a morte de Jesus na cruz. Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado. (João 8:34) porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Rom. 6:23) 1. Leia os textos bíblicos e marque “s” para sim ou “n” para não: O que está incluído no conceito de redenção? Is 35:10; Mc 10:45; Gl 4:4, 5; Tt 2:14; Hb 9:12; 1Pe 1:18, 19 Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos. (Isa. 53:10) Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos. (Mar. 10:45) vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. (Gál. 4:4-5) ramos@advir.com
  • 2. o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras. (Tito 2:14) não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção. (Heb. 9:12) sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, (1 Ped. 1:18-19) A) O nascimento, vida, morte e ressurreição de Cristo. ( ) B) O ministério de Cristo no santuário celestial, com base no Seu sangue. ( ) C) O fato de que Deus escolheu uns para a redenção e outros para a perdição. ( ) D) A nossa adoção como filhos de Deus, perdoados e purificados. ( ) Do ponto de vista do Novo Testamento, a morte redentora de Cristo é sacrifical e substitutiva. Ele tomou nosso lugar, sacrificando-Se em nosso favor, sofrendo a nossa morte para que não tenhamos que enfrentá-la. Embora alguns rejeitem essa ideia porque não gostam da noção do sofrimento de alguém no lugar de outro (especialmente no lugar do culpado), essa é a essência da mensagem evangélica. “A menos que nossa linguística esteja em falta, quando o Novo Testamento fala de redenção, isso significa que Cristo pagou o preço da nossa redenção. Visto que o preço pago deve ser adequado à compra em questão, isso indica uma equivalência, uma substituição” (Leon Morris, The Apostolic Preaching of the Cross [A Pregação Apostólica da Cruz]; Grand Rapids, Wm. B. Eerdman Publishing Co., 1965, p. 61). Pense em algumas coisas em sua vida que você acha impossível mudar, questões sobre as quais você é absolutamente impotente para resolver. Da mesma forma, somos absolutamente impotentes para nos salvar. Como essa compreensão nos ajuda a entender melhor o que Cristo fez por nós na cruz? Mais importante ainda, como essa verdade maravilhosa da redenção deve afetar nossa vida? Segunda Ano Bíblico: Jo 1–3 Escravos libertados Quando entendemos a redenção como libertação de uma forma de escravidão que necessitava de ajuda “externa”, concluímos que a humanidade pecadora é dominada por uma força ou influência mais forte do que ela mesma. A questão que precisa ser respondida é: Que poder ou instrumento tem escravizado a humanidade pecadora de maneira violenta? 2. Marque “v” para verdadeiro e “f” para falso: De acordo com Romanos 6:12-23 (especialmente os versos 18, 20 e 22), do que Jesus nos liberta? Em que contexto ocorre a libertação? Rom. 6: 12 Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; 13 nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. 14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. 15 Pois quê? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum! 16 Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? 17 Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues. 18 E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça. 19 Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia e à maldade para a maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para a santificação. 20 Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça. 21 E que fruto tínheis, então, das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. 22 Mas, agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna. 23 Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor. A) Liberta das obrigações da lei, no contexto do Antigo Testamento. ( ) B) Liberta as nações da política da escravidão. ( ) C) Liberta do pecado, anulando sua condenação e seu domínio em nossa vida prática. ( ) D) Liberta do excesso de santidade, que pode levar ao orgulho. ( ) Pense no que Paulo disse nos versos acima, e no que ele disse em Romanos 6:1-11. Paulo falou sobre o que acontece no batismo cristão. Ele apresentou algumas coisas que deviam ter morrido com Cristo no batismo. Depois de mencionar essas coisas, Paulo desafiou os cristãos, que se uniram a Cristo, a manifestar o senhorio de Cristo, que os “libertou” do poder do pecado. ramos@advir.com
  • 3. O resultado é que, segundo Paulo, não importa quanto a nossa natureza tenha sido corrompida pelo pecado, por meio de Cristo podemos ser livres do seu poder escravizante. Quem não viu a devastação que pode ser causada por esse tipo de escravidão? Quem não viu vidas arruinadas pelo pecado? Quem não lutou contra o poder do pecado em sua vida? Esse é, de longe, o maior inimigo que os seres humanos já enfrentaram. O que torna essa escravidão tão perversa é que ela não é imposta apenas de fora para dentro, mas também tem sua origem dentro de nós. Como podemos ser libertados de uma escravidão, de um cativeiro, que se origina em nós, na nossa própria natureza? A resposta, como vimos nos versos acima, vem unicamente do poder de Jesus, que conquistou a vitória para nós e que nos oferece o poder para vencer. Por meio de Cristo, somos não apenas perdoados dos nossos pecados; devemos morrer para eles, e ser libertados deles. Eles não mais devem nos dominar. Essas são promessas maravilhosas, poderosas, que todos os que professam o nome de Cristo devem reclamar para si mesmos. Qual tem sido sua experiência com o poder escravizador e cruel do pecado? Como você pode aprender a se apegar mais às maravilhosas promessas de libertação oferecidas em Jesus? Terça Ano Bíblico: Jo 4–6 Principados e potestades: parte 1 A Bíblia descreve nosso mundo como estando sob o domínio das forças do mal, que procuram nos controlar e destruir. O grande conflito é o resultado da atuação do Senhor contra esses poderes. A grande notícia é que, depois da cruz, a vitória contra eles está assegurada. Embora o conflito continue dramático, a vitória pertence a Deus, e dela podemos compartilhar pela fé. 3. O que a Bíblia diz sobre a realidade do conflito? Que grande esperança e promessas encontramos nela? (Marque “v” para verdadeiro e “f” para falso) 1Jo 3:8; 5:19; Jo 12:31; 16:11; Ef 6:12; Cl 1:16; 2:15; Rm 8:38, 39 Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. (1 João 3:8) Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno. (1 João 5:19) Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso. (João 12:31) do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. (João 16:11) porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. (Efés. 6:12) pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. (Col. 1:16) e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz. (Col. 2:15) Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Rom. 8:38-39) A) “Para isto se manifestou o Filho de Deus: para amenizar as obras do diabo.” ( ) B) “Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro já não mais está no Maligno.” ( ) C) “A nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades.” ( ) D) Nada “poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus.” ( ) No século 21, muitas pessoas mantêm uma cosmovisão científica. Para essas pessoas, um mundo habitado por forças do mal e dominado por poderes demoníacos hostis é predominantemente visto como um resquício de uma era de superstição e ignorância. Em contraste com isso, a Bíblia apresenta, como parte da realidade do mundo, uma organização de forças hostis incluindo principados e potestades demoníacos. A visão bíblica do mundo é grande o suficiente para abranger a cosmovisão natural e também a sobrenatural. Em Romanos 8:38, por exemplo, a palavra grega traduzida como “principados” é archai, que poderia se referir a governantes civis e também a poderes sobrenaturais que tentam exercer o domínio do mal sobre os homens. Em Efésios 6:12, a expressão literal “príncipes das trevas deste século” (RC) também poderia ser traduzido como “dominadores deste mundo tenebroso” (RA). “Evidentemente, Paulo está se referindo a espíritos malignos pessoais, que exercem um grau de autoridade sobre o mundo. Compare a expressão ‘príncipe deste mundo’, que descreve Satanás, em João 12:31; 14:30; 16:11. A personalidade do diabo também estava clara para o revelador” (Ap 2:10; 12:10; The SDA Bible Commentary [Comentário Bíblico Adventista], v. 6, p. 1.044. Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso. (João 12:31) Já não falarei muito convosco, porque aí vem o príncipe do mundo; e ele nada tem em mim; (João 14:30) ramos@advir.com
  • 4. do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. (João 16:11) Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. (Apoc. 2:10) Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus. (Apoc. 12:10) Quarta Ano Bíblico: Jo 7–9 Principados e potestades: parte 2 Como vimos, a palavra traduzida como “principados” pode se referir a governantes mundiais ou poderes sobrenaturais que tentam exercer controle sobre a vida humana. Outra palavra grega usada em conjunto com o termo “principados” (archai) é a palavra stoicheia, que significa literalmente “elementos”, ou “substâncias ou princípios elementares”. O contexto em que stoicheia é usada revela outros aspectos deste mundo caído, dos quais fomos redimidos pela vitória de Cristo na cruz. 4. Marque um “x” nas respostas certas: Além dos poderes malignos literais, de que outras coisas fomos libertados por Jesus? Cl 2:8, 14, 20; Gl 4:1-11 Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo; (Col. 2:8) tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu- o inteiramente, encravando-o na cruz; (Col. 2:14) Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, por que, como se vivêsseis no mundo, vos sujeitais a ordenanças: (Col. 2:20) Digo, pois, que, durante o tempo em que o herdeiro é menor, em nada difere de escravo, posto que é ele senhor de tudo. Mas está sob tutores e curadores até ao tempo predeterminado pelo pai. Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai! De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por Deus. Outrora, porém, não conhecendo a Deus, servíeis a deuses que, por natureza, não o são; mas agora que conheceis a Deus ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como estais voltando, outra vez, aos rudimentos fracos e pobres, aos quais, de novo, quereis ainda escravizar-vos? Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. Receio de vós tenha eu trabalhado em vão para convosco. (Gál. 4:1-11) A) Filosofia ( ); B) Vãs sutilezas ( ); C) Rudimentos do mundo ( ); D) Lei moral, que nos trazia condenação ( ); E) Tradição dos homens ( ). O Novo Testamento, principalmente o conceito de Paulo sobre os “poderes”, parece ligar seres espirituais a forças ou poderes que governam a vida humana, além de Cristo. Poderiam ser poderes políticos, sociais, tradicionais e até mesmo religiosos. O termo stoicheia, usado em Gálatas 4:3, 9, fala do sistema de paganismo do qual os cristãos da Galácia haviam sido libertados. É usado também em referência a aspectos do antigo sistema legal judaico. Em Colossenses 2:8,20, refere-se metaforicamente a princípios filosóficos mundanos. Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; (Gál. 4:3) mas agora que conheceis a Deus ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como estais voltando, outra vez, aos rudimentos fracos e pobres, aos quais, de novo, quereis ainda escravizar-vos? (Gál. 4:9) “Em Isaías 24:21 a expressão ‘os reis da Terra, na Terra’ implica que a expressão ‘no céu, as hostes celestes’ refere-se a Satanás e os anjos maus. Paulo se refere a Satanás como ‘o príncipe da potestade do ar’ (Ef 2:2), e aos invisíveis líderes do mal como ‘dominadores deste mundo tenebroso’ que habitam ‘nas regiões celestes’ (Ef 6:12). Em 1 Coríntios 15:24, 25 Paulo diz que eles serão subjugados por Cristo. Isaías prevê o momento em que os anjos maus e os homens perversos sofrerão punição (leia Mt 25:41;. 2Pe 2:4, 9; Ap 20:10-15; The SDA Bible Commentary [Comentário Bíblico Adventista], v. 4, p. 198, 199). Naquele dia, o SENHOR castigará, no céu, as hostes celestes, e os reis da terra, na terra. (Isa. 24:21) nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; (Efés. 2:2) porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. (Efés. 6:12) E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. (1 Cor. 15:24-25) ramos@advir.com
  • 5. Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. (Mat. 25:41) Ora, se Deus não poupou anjos quando pecaram, antes, precipitando-os no inferno, os entregou a abismos de trevas, reservando-os para juízo; (2 Ped. 2:4) é porque o Senhor sabe livrar da provação os piedosos e reservar, sob castigo, os injustos para o Dia de Juízo, (2 Ped. 2:9) O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde já se encontram não só a besta como também o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos. Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros. Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras. Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo. (Apoc. 20:10-15) A vida é regida por uma série de poderes, pessoais e impessoais. Sem Cristo, o homem está à mercê desses poderes. As pressões do momento presente, para não mencionar o medo do futuro, bem como as exigências da vida, sociedade, tradição, e da ideologia, todas podem exercer influências que podem separar uma pessoa do Senhor. Mas por intermédio de Cristo, fomos libertados, não apenas dos nossos pecados, mas também da escravidão a esses “poderes”. Precisamos entender a natureza dessa vitória e reivindicá-la como sendo nossa. Além das realidades sobrenaturais existentes, que outras forças e influências lutam contra você? Você precisa identificá- las e reivindicar as promessas de Jesus para vencê-las. Quinta Ano Bíblico: Jo 10, 11 Um assassino revelado Cristo veio ao mundo com o propósito de destruir as obras do diabo (Hb 2:14). Ele fez isso na cruz. Mas, se Cristo foi vitorioso sobre o diabo, os principados e potestades, por que ainda estamos lutando contra eles? Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, (Heb. 2:14) 5. Quais são as três expressões usadas por Paulo para descrever o que aconteceu na cruz? Como podemos entender o significado da cruz? Cl 2:15 e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz. (Col. 2:15) Complete a resposta: __________________________________________________________, “expôs ao desprezo” e __________________________________________________________. Primeiro, Cristo despojou, ou “desarmou” os “poderes”. A palavra grega é apekduomai, que significa literalmente “tirar as roupas de alguém”. Aqui isso pode significar que os poderes foram despojados de suas armas. Que armas? “A vida vitoriosa de Cristo, que culminou no Calvário, anunciou a condenação do diabo. O disfarce de Satanás foi arrancado. [...] Por Sua cruz Jesus Cristo despojou dos principados e potestades das trevas tanto seu ‘manto oficial’ quanto sua autoridade como príncipes deste mundo, e sua armadura de força na guerra contra a justiça” (The SDA Bible Commentary [Comentário Bíblico Adventista, v. 7], p. 205). 6. Cristo “publicamente [...] expôs [os poderes] ao desprezo”, “fez deles um espetáculo público”. Como os poderes foram expostos publicamente na cruz? Que imagens deles se tornou evidente? Jo 8:44 Complete: Ele foi ___________________________________________________________ desde o princípio e jamais se firmou na __________________________________________, porque nele não há _____________________________________________. Quando ele profere __________________________________________________________, fala do que lhe é próprio…. O texto também diz que Cristo “triunfou sobre eles”. A palavra grega é thriambeuo e implica uma celebração. Além de tudo que estivesse incluído nesse triunfo, certamente estava o fato de que ele ajudou a revelar que Satanás é assassino. Por causa da cruz, chegará o dia em que o domínio desses poderes acabará, quando Cristo “houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder” (1Co 15:24), e o último inimigo a ser destruído será a morte (1Co 15:26). Até lá, temos que resistir, combatendo o combate da fé na força de Deus […] “Satanás viu que estava desmascarado. [...] Revelara-se um homicida. Derramando o sangue do Filho de Deus, desarraigou-se Satanás das simpatias dos seres celestiais. Daí em diante sua obra ficou restrita. Estavam quebrados os derradeiros laços de simpatia entre Satanás e o mundo celestial …” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 761). Sexta Ano Bíblico: Jo 12, 13 ramos@advir.com
  • 6. Estudo adicional Leia de Ellen G. White, Fundamentos da Educação Cristã, p. 136: “O Livro dos Livros”; História da Redenção, p. 394, 395: “Espiritismo”; O Grande Conflito, p. 511-517: “Invisíveis Defensores do Homem”. “Uma batalha invisível a olhos humanos está sendo travada. Está em campo o exército do Senhor, buscando salvar pessoas. Satanás e suas legiões também estão em atividade, buscando por todos os meios possíveis, enganar e destruir. [...] Dia a dia prossegue a batalha. Se nossos olhos se pudessem abrir para ver em operação os instrumentos bons e os maus, não haveria frivolidade, vaidade, gracejos e brincadeiras. Se todos se revestissem de toda a armadura de Deus e combatessem corajosamente as batalhas do Senhor, seriam obtidas vitórias que fariam tremer o reino das trevas” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 6, p. 41). “Quando os homens procuram viver em harmonia com Deus, descobrem que o escândalo da cruz ainda não findou. Principados, potestades e espíritos do mal nos lugares celestiais, estão voltados contra todos os que se submetem obedientemente à lei celestial. Por isso, longe de causar tristeza, as perseguições devem trazer alegria aos discípulos de Cristo, porque são uma evidência de que seguem os passos de seu Senhor (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 29, 30). Perguntas para reflexão 1. Leia Hebreus 2:14, 15. A morte é claramente descrita ali como agente de escravidão. Observe, também, a ênfase em nosso medo da morte. Por que temos tanto medo da morte? Como esse medo nos mantém, como o texto diz, em uma espécie de escravidão? Como o cristão, livre em Cristo, deve ver a morte? 2. Para algumas pessoas a ideia de forças demoníacas é tola superstição; outros são dominados pelo medo dessas coisas. Como podemos encontrar o equilíbrio entre a compreensão da realidade desses poderes e a noção do que Cristo fez por nós na luta contra eles? 3. Quais são alguns exemplos de como as forças do mal controlam ou influenciam diversos poderes mundanos? 4. Como a concepção do grande conflito nos ajuda a entender a continuidade da existência do mal, mesmo após a vitória de Cristo na cruz? Respostas sugestivas: 1. Sim para as letras A, B e D. 2. As letras A, B e D são falsas. A libertação ocorre no contexto da vida prática e da consagração do corpo ao Senhor. 3. As letras A e B são falsas. 4. As letras A, B, C e E estão certas. 5. A resposta é: “Despojando os principados e as potestades”; “publicamente os expôs ao desprezo”; “triunfou sobre eles na cruz”. 6. A resposta é: Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio… Resumo da lição 5 – Crescendo em Cristo Texto-chave: Colossenses 2:15 O aluno deverá: Conhecer: A total vitória de Cristo na cruz não só sobre o pecado, mas sobre todo outro poder e tradição que mantém a humanidade em cativeiro. Sentir: A alegria do triunfo de Cristo sobre todos os poderes do mal no mundo e em sua vida pessoal. Fazer: Unir-se a Cristo, revestir-se da armadura e, em parceria com Ele, lutar pela salvação das pessoas. Esboço do aprendizado I. Conhecer: Vitória completa A. Que sofismas de Satanás Cristo desmascarou na cruz? B. Que enganosas, filosofias, tradições e poderes sociais e políticos ainda escravizam os habitantes da Terra, e como a vitória de Cristo oferece a energia necessária para superar essas forças? II. Sentir: Alegria na vitória A. Que certeza é possível para aquele que confia no triunfo de Cristo na cruz? B. Apesar de ainda haver luta para vencer o mal, em que base podemos ter alegria e louvar a Deus pelo resultado dessa guerra cósmica? III. Fazer: As batalhas do Senhor A. Como os cristãos podem se unir a Cristo nas lutas finais contra as forças do mal? B. Por que é importante que Cristo use Seus amigos e discípulos como embaixadores pessoais e soldados no conflito aqui neste mundo? Resumo: Na cruz, Cristo foi vitorioso sobre o mal e demonstrou que os desafios de Satanás ao governo de Deus estavam fundamentados em mentiras. Ciclo do aprendizado Motivação Conceito-chave para o crescimento espiritual: No grande conflito entre o bem e o mal, a cruz é um símbolo da vitória sobre o pecado. Embora a batalha continue em direção ao seu clímax final, o cristão experimenta crescimento no contexto do conflito, confiando na vitória de Cristo. ramos@advir.com
  • 7. Só para o professor: A lição desta semana expõe os diferentes aspectos do que Cristo realizou na cruz. Enquanto Sua vitória foi completa sobre o pecado, o cristão, mediante uma luta diária contra o pecado em seus muitos e abrangentes efeitos, ainda ocupa o campo de batalha. Nesta seção de abertura é importante começar a examinar a dinâmica dessa batalha e ver como é possível obter a vitória na vida cristã, apesar da guerra contra o pecado. Discussão de abertura: Existem muitos tipos diferentes de desafios e batalhas. Alguns são aplicáveis apenas à experiência individual. Muitos consideram os hábitos viciantes como uma batalha, utilizam a expressão " batalha", por exemplo, contra o tabagismo. Outras batalhas demandam esforço coletivo, como na realidade da guerra em defesa da pátria e do lar. Seja a batalha de natureza individual ou coletiva, o objetivo comum é obter a vitória e vencer o desafio sobre o que poderia ser considerado o inimigo. Olhando para a dinâmica geral da batalha, notamos que sempre há duas forças opostas que lutam pelo domínio, a fim de conquistar o "prêmio". Também devem ser levados em conta um plano ou estratégia de batalha e também os participantes envolvidos na guerra. Uma parte significativa na elaboração do plano de batalha é um inventário que avalie as armas necessárias para vencer a luta. Essas armas, juntamente com o plano de execução, são fundamentais para a vitória. Embora a estratégia, o armamento certo de guerra e o desejo de vitória sejam importantes, também existem outros componentes importantes que não podem ser ignorados. As entrevistas com veteranos de guerra vitoriosos indicam que a fé, a persistência o companheirismo com os outros são essenciais para o sucesso de ganhar a batalha. As Escrituras retratam a batalha espiritual entre Deus e o mal, originada no Céu, entre Lúcifer e Miguel. Algumas semanas atrás, uma das lições afirmou que os primeiros seres humanos criados se submeteram ao poder do mal, e o pecado entrou na história da Terra. Mesmo assim, a Palavra de Deus também revela que entrou em vigor um plano de batalha contra o pecado. Hoje, vivemos do outro lado da cruz e da vitória de Cristo sobre o mal, o pecado e a morte. É nesse ponto que devemos considerar a importância do armamento espiritual na batalha pela nossa salvação nesse grande conflito entre o bem e o mal. A vitória é possível com as armas da guerra espiritual, que são a fé, a persistência e o companheirismo com Jesus Cristo, o Vitorioso. Comente: 1. Qual é o verso bíblico na lição desta semana que encoraja o crente em relação à batalha contra o mal? 2. Qual é o significado da vitória de Cristo sobre a cruz, e que implicações isso tem para nossa vida diária? Compreensão Só para o professor: O contexto histórico da carta de Paulo aos Romanos revela o sentimento pastoral de Paulo e também sua habilidade para ensinar, quando se esforçava para orientar e instruir os novos conversos em questões que tinham a ver com sua compreensão espiritual da nova vida em Cristo. Essa instrução é especificamente o tema de Romanos 6. Para o Passo 2, leia cada seção desse capítulo, comentando as diferentes ilustrações que Paulo usa ao tratar de como crescer e viver a vida cristã, em vista da vitória de Cristo na cruz. Comentário Bíblico I. Batismo, Morte e Vida (Leia com a classe Romanos 6:1-11.) Romanos 6 começa com uma forte reação de Paulo à ideia errônea que, aparentemente, alguns da congregação romana primitiva tinham sugerido. Sua conclusão era que, se a graça era estendida a todos, quanto mais alguém pecasse, mais interessante seria pecar, para que essa graça fosse mais abundante. Paulo usa a ilustração do batismo para refutar essa conclusão errônea e também para ilustrar como deve ser essa nova vida em Cristo. Na igreja primitiva, o batismo era a evidência de uma confissão de fé pessoal e também de haver deixado para trás a vida anterior, sem Cristo. Paulo usa essa experiência espiritual na vida do novo converso como um meio de discutir mais profundamente a forma de pensar o estilo de vida anterior e posterior à conversão e as implicações que tem essa reflexão para o novo crente em Cristo. Paulo explica que o batismo é o sepultamento de tudo o que estava relacionado com a vida anterior. A ação do batismo une o crente a Cristo. Assim como Cristo foi ressuscitado "para a glória do Pai", assim também, no batismo, ocorreu o sepultamento do velho homem e, como na ressurreição, existe uma novidade de vida. O versículo 11 apresenta a nova atitude e a maneira em que é preciso pensar em um novo estilo de vida: "Assim, considerem-se mortos para a sedução e o poder do pecado, mas vivos para o chamado de Deus por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor" (Phillips). Pense nisto: O que há de errado com a idéia distorcida de que devemos pecar mais, a fim de receber mais graça? Que significa estar morto para o pecado e vivo em Cristo? Como vamos viver essa verdade por meio do batismo? II. Armas, ferramentas e instrumentos (Leia com a classe Romanos 6:12-14.) ramos@advir.com
  • 8. Peça que diferentes membros de sua classe leiam Romanos 6:12-14 usando diferentes traduções da Bíblia (se houver). Observe as diferentes palavras usadas no versículo 13 para "instrumentos de injustiça" e "instrumentos de justiça". A tradução Living Bible apresenta uma versão muito boa dessa passagem: "Não deixem mais que o pecado controle seu corpo débil; não cedam a seus desejos pecaminosos. Não permitam que qualquer parte de seu corpo se torne ferramenta da maldade, que seja usado para o pecado, mas dê-se completamente a Deus – cada parte de você – pois você está de volta da morte e deseja ser instrumento nas mãos de Deus, para ser usado para Seus bons propósitos. O pecado nunca precisa voltar a ser seu senhor, pois agora você já não está vinculado à lei em que o pecado o escraviza, mas você está livre sob o favor e a misericórdia de Deus" (v 12-14). Comente: Como a diferença de palavreado entre instrumento, ferramenta, arma ou membro contribui com uma nova ideia sobre a proporção de nossa vida devemos dar a Deus e como deve ela ser vivida? III. Escravos de Deus (Leia Romanos 6:15-23 com a classe.) Paulo usa uma forte e vívida ilustração em seu ensino sobre o que significa viver uma vida nova em Cristo. Em seu contexto histórico, como ocorria em muitas partes do mundo, ser escravo significava que a pessoa não possuía nenhuma parte de sua vida. Toda a atenção era direcionada para o senhor no que se refere a serviço e tempo. Um escravo não tinha direitos, mas era considerado propriedade de serviço para o senhor. Neste texto, é interessante o versículo 16: "Você pertence ao poder ao qual escolher obedecer; seja o pecado, cuja recompensa é a morte, ou a Deus, cuja obediência significa a recompensa da justiça" (Phillips). Em outras palavras, referindo-se ao batismo, os que optam por seguir Jesus o fazem livremente, escolhendo um novo Mestre e nova relação de escravidão e serviço ao Senhor. Observe a grande diferença de nível salarial entre servir ao pecado e se tornar escravos da justiça. A versão Living Bible expressa bem essa consideração: "Naqueles dias em que eram escravos do pecado, vocês não se preocupavam muito com a bondade. E qual foi o resultado? Evidentemente, não é bom, já que agora vocês estão envergonhados de pensar nessas coisas que costumavam fazer, pois todas elas terminam em condenação eterna. Mas, agora, vocês estão livres do poder do pecado e são escravos de Deus, e seus benefícios para você incluem santidade e vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor" (vs. 21-23). Comente: Peça que os alunos definam em suas próprias palavras a diferença entre os salários do serviço ao pecado e o "dom gratuito" do Mestre. Aplicação Só para o professor: Divida os membros de sua classe em pequenos grupos (de preferência de 3-5 participantes cada). Atividade: Peça que seus pequenos grupos tracem para um grupo-alvo um plano de batalha para viver uma nova vida de forma vibrante e crescente em Cristo. Por exemplo, o grupo-alvo poderiam ser adultos jovens, novos membros da igreja, avós, etc. Certifique-se de que, à luz da lição desta semana, você considere o inimigo também em termos de principados e potestades e destaque o meio de obter a vitória em Cristo. Reagrupe assim que a primeira parte da atividade tiver sido realizada e, em seguida, peça a um membro de cada grupo que descreva à classe o plano de batalha seu grupo. Criatividade Só para o professor: Materiais necessários: papel ou cartões de anotações e canetas ou lápis. Está faltado um membro da Escola Sabatina em sua classe? Peça que os membros de sua classe escrevam palavras de incentivo em um cartão ou papel e imediatamente entreguem pessoalmente ou enviem seus bilhetes a esse membro pelo correio (Como alternativa, ou nos casos em que seja preferível ou mais conveniente fazê-lo, visitem, passem um e-mail ou telefonem a essa pessoa). Pratique ser um "instrumento" da justiça de hoje. ramos@advir.com