Perspectivas de Futuro para as Livrarias Brasileiras

6.669 visualizações

Publicada em

Qual é o cenário atual das livrarias brasileiras. Quais são seus maiores desafios e suas perspectivas para o futuro frente ao livro digital. Uma visão realista,descontaminada de exageros ideológicos

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.669
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.903
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
114
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Perspectivas de Futuro para as Livrarias Brasileiras

  1. 1. Livrarias Brasileiras Uma visão atual e de Futuro
  2. 2. O Modelo do Negócio Livreiros: Quem são, Onde Estão? Relação Livreiros & Editores Futuro das Livrarias Sumário 4 1 2 3
  3. 3. Como todo empreendimento, a abertura de uma livraria exige planejamento, investimento e muita análise. Há quem busque realizar um sonho nesta empreitada. Alguns são levados pela visão do negócio. Um grupo menor de interessados combina as duas motivações. Normalmente neste último grupo, encontram-se as empresas mais duradoras. . O Modelo do Negócio Livreiro
  4. 4. A livraria é uma empresa, como todas as unidades econômicas ou organizacionais, cujo objetivo é a produção de riqueza. Em uma economia empresarial entende-se por empresa a organização cujas características são do tipo predominantemente econômico. A livraria é, portanto, uma organização econômica, cujo objetivo é prover serviços de distribuição . Seu papel é distribuir livros, fazendo uma transformação econômica, pois os dispõe nos momentos e locais mais adequados para satisfazer a demanda e as necessidades do comprador-leitor. O que é uma Livraria?Extraído do livro La Libreria como negócio. Brunetti, Colllesei, Vescovi Y Sòstero – Ed. Fondo de Cultura.
  5. 5. O conceito de Supply Chain é muito recente no mercado editorial, a formalização das relações comerciais e estabelecimento mais claro dos papéis de cada elo da corrente começa a se definir em meados dos anos 90 e avança nos últimos anos com a sofisticação do processos logísticos dos grandes varejistas . Entendendo a cadeia de distribuição
  6. 6. Composição do Preço no Varejo de Livros O livro é vendido com o conceito do preço de capa, ou preço recomendado, muito embora este não venha estampado nos livros. Sobre este preço determinado pela editora, são concedidos descontos às distribuidoras e livrarias, de acordo com seus padrões operacionais ou poder de compra, que por sua vez praticam preços de venda com descontos ao consumidor final com base nestes preços sugeridos. Obs: O livro é o único produto que raramente tem o preço de seus itens de fundo de catálogo ajustados para baixo pela indústria.
  7. 7. Evolução de preço de venda no varejo Fonte: Nielsen Bookscan Ago/13
  8. 8. Editora Exemplo Preço de Capa R$ 39,90 Distribuidora Livraria Consumidor
  9. 9. Por ter seus preços de vendas ao consumidor já definidos pelas editoras, livrarias estabelecidas em pontos mais distantes dos grandes centros tendem a ter suas margens seriamente afetadas, caso esqueçam que o Custo da Mercadoria Vendida (CMV) também deve considerar as despesas relacionadas com o transporte e aquisição dos livros, que nestes casos são maiores que os custos dos livreiros que se encontram mais próximos dos seus fornecedores . Atuar sobre os custos operacionais e a margem bruta, ampliando as vendas de itens com maiores descontos é o meio mais eficaz de equilibrar os resultados da livraria para atingir os princípios básicos de operacionalidade. CMV, Margem e Custos Fixos
  10. 10. Acervos e o modelo de Consignação As livrarias preferem não admitir, mas o modelo de construção de acervos baseados em consignação transformou as livrarias em um imenso depósito de estoque das editoras. A grande maioria das livrarias estão com suas prateleiras lotadas e as lojas sobrecarregadas de obras que pouco representam o perfil da loja. Se por um lado uma editora não consegue espaço nas livrarias sem este recurso, o uso dele não garante que o espaço será obtido.
  11. 11. Livreiros: Quem São, Onde Estão?
  12. 12. • Herdeiros do negócio de família. • Profissionais de outros mercados, apaixonados pelo livro. • Empreendedores natos ou por força das circunstâncias. • Varejistas de outras áreas que expandiram atuação. • Investidores. Perfil do Livreiro Brasileiro
  13. 13. Quantas Livrarias tem no Brasil? . 95 47 65 826 17 5 13 9 24 60 13 16 1013 5 27 18 40 29 25 25 16 2 18 2 12 3 5 8 127 21 319 53989 207 Central-West Export Northeast North 1706 ativos Fonte Distribuidora Superpedido 2010
  14. 14. Editores & Livreiros A Expansão de Shoppings Centers no interior do Brasil deve mudar este modelo de vendas concentradas no Sudeste, mas nos próximos 2 anos esta tendência deve permanecer
  15. 15. Grandes Redes Nacionais Saraiva Cultura Curitiba Leitura Fnac LAselva Redes Regionais Travessa Logos Vila Independentes e Franquias Lojas Nobel Como são classificadas? E-Commerce Submarino Americanas Nova.com
  16. 16. • Esta relação exige a presença de um 3º • Editoras devem estabelecer limites de atuação direta • Relacionamento com distribuidores e atacadistas precisa ser formalizado e estruturado Livrerios & Editores
  17. 17. CNPJs Atendidos por mês 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 JAN FEV MAR ABR MAI JUNH JUL AGO SET OUT NOV DEZ Editora A Editora B Editora C Editora D Clientes Atendidos por editora
  18. 18. Seleção de Clientes pela Editora
  19. 19. Negociais • Condições Comerciais • Promoções • Relevância do catálogo • Ações promocionais • Capacidade do editor em vencer objeções. Operacionais • Nível de Serviço • Tempo de Atendimento • Divulgação e Imprensa • Follow up e assertividade do mix Elementos decisórios da Livraria
  20. 20. Futuro das Livrarias Abrindo a mente para dados reais
  21. 21. Todos os anos o fim das livrarias é anunciado com muito estardalhaço. Mas as que fecham mesmo tem motivos muito simples para este fato, relacionados principalmente à gestão e questões mais elemantares como custos operacionais, aumento dos aluguéis, problemas na sucessão etc.. A destruição das livrarias?
  22. 22. Os alarmistas normalmente são palestrantes e consultores que ganham um bom dinheiro apresentando sua teorias do caos para um público ansioso por entender o que está acontecendo Profetas do Caos
  23. 23. • O Livro por si só não sustenta um empreendimento • Ampliar o mix e transformar a livraria num local de Lazer já não é mais opção nem diferencial competitivo. • As inaugurações de novas lojas megastores no Brasil contrariando a tendência mundial, indica que o comportamento tem mais a ver com a economia dos países, do que com “ o avanço do livro digital” A nova livraria
  24. 24. Porque o livro digital não é bicho papão Dados da Associaton Of AmericanPublishers (AAP) relativas ao primeiro trimestre de 2013. Livro digital continua crescendo, mas em patamares muito mais modestos
  25. 25. Volume de Vendas não é igual Receita DE acordo com a pesquisa Understanding The e-book Consumer, (2013) realizado pela Nielsen e Instituto Kantar em UK, apesar de em número de exemplares o e-book representar quase 22% do total, em valores representa pouco mais de 10%
  26. 26. • Um megaseller ou uma nova onda editorial continuam tendo forte impacto no comportamento dos leitores, refletindo no consumo de livros físicos e digitais, o que pode determinar mais claramente uma alteração na participação de um tipo de leitura em detrimento da outra. A relevância da oferta Vendas de livros físicos First Quarter 2013 –AAP-USA
  27. 27. • De acordo com dados da Nielsen Bookscan a venda média nas livrarias pesquisadas é de R$ 22mm por semana. • Cerca de 630 mil exs sçao vendidos neste intervalo Perpectivas brasileiras • Multiplicando esta média por 52 semanas e mais 3 (representatividade do Natal). Chegamos à R$ 1,1 Bi e quase 35mm de exs • Estes núemros representam 50% da venda ao varejo, por isso são multiplicados por 2.
  28. 28. • A ampliação da venda de e-books está intrinsecamente ligada à ampliação da oferta de títulos disponíveis nos variados formatos digitais. • Atualmente esta oferta é estimada entre 16 k ou 22 k • O catálogo vivo brasileiro de livros impresso é estimado em até 200 k. Catálogo Brasileiro de e-Books
  29. 29. • O que aconteceria ao comércio de livros (físicos e digitais) se aplicadas as taxas de crescimento de catálogo ocorridas até aqui. Projeção 4 anos • Além de ampliar o catálogo vamos aplicar este mesmo percentual de crescimento aos n[umero de exemplares vendidos por título disponível, embora seja evidente que os itens best-sellers já estão disponíveis em formato digitais, mas com a ampliação da base de aparelhos de leitura, é justo aplicar este multiplicador.
  30. 30. • Num cenário muito agressivo (exagerado) o livro digital poderia equivaler a 16,5% em $ do mercado total Visão em 2017
  31. 31. Vendas em R$
  32. 32. Títulos disponíves e Qtdes Vendidas
  33. 33. % Físico e Digital
  34. 34. R$ 2,5 Bi ainda é muito dinheiro para sustentar as livrarias que estarão operando em 2017 e até outras que possam ser inauguradas. Atrair e manter os clientes é o grande desafio para todas elas. Se o livro digital vendido ao consumidor final, atingir no Brasil uma marca que não atingiu ainda no exterior, será um bom negócio sem destruir o modelo atual, para quem puder arcar com o tempo e investimentos necessários Considerações importantes
  35. 35. ww.vivodelivro.com.br gerson@vivodelivro.com.br Perguntas? Para mais informações:

×