Provicia das caatingas

908 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
908
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Provicia das caatingas

  1. 1. FLORA DA CAATINGAJuliana Rodrigues de Sousa
  2. 2. Província das CaatingasArgumentos para conferir onde predominam as formações caducifólias a condição de unidade florística. Acontecimentos paleoclimáticos Aspectos morfológicos Padrões vegetacionais Registros florísticos
  3. 3. Província das CaatingasSua originalidade está relacionada com a interação de um conjuto de influências: • Paleoclimáticas • Estrutura geológica • Natureza litológica do substrato Entende-se o processo que modelam a compartimentação territorial - capaz de acomodar a vegetação particular com a respectiva caracterização florística.
  4. 4. Nordeste Ambiente Geral Nordeste semi-árido, na depressão sertaneja; abrangendo 935 000 km2 (Sampaio & Rodal, 2000); 58% do território do Nordeste e 11% do território nacional.Estados: Ceará, Rio Grande doNorte, Pernambuco, Paraíba,Alagoas, Sergipe, Piauí, Bahiae norte Minas Gerais .No Ceará – 126 926 km2(85% da área do estado).
  5. 5. CaatingaCondição climática Azonal (Köppen BSh) Clima Nordeste – Exceção (faixas de latitudes similares). Climatologia uma das mais complexas do mundo dependendo da posição geográfica e do relevo.Relevo: Níveis inferiores a 500m de altitude entre elevações de800m a 1000m
  6. 6. CaatingaÍndice pluviométrico: 250 – 800mm anuais (raramente 1000mm – área serrana de fora); Estação chuvosa de 3 – 5 meses (irregulares, torrenciais, locais e de pouca duração); variabilidade entre regiões e entre os anos. Estação seca de 7 – 9 meses; forte insolação.Temperatura: 230 - 290 C (variações mensais e diárias – alcançam índices mais elevados)
  7. 7. Caatinga Influência predominante do clima pela elevada deficiência hídrica (evapotranspiração, distribuição, solos).Intensidade e variaçãodo déficit hídricocondicionam afisionomia e a florada Caatinga.Processo de especiaçãopeculiar –Xérica Atual chuvosa seca
  8. 8. Caatinga Diversidade de padrões climáticos e modificações de topografia e solo – mosaico de tipos vegetacionais. Intensidade e variação do déficit hídrico condicionam a fisionomia e a flora da Caatinga (fauna). Flora particular – natureza eco-fisionômica de regiões com plantas xéricas.  Formações vegetacionais: Caatinga Carrasco
  9. 9. CaatingaVegetação xerófila Deficiência hídrica (seco)Fez selecionar uma vegetação característica – elementosflorísticos expressam morfologia, anatomia e um mecanismofisiológico Flora: adaptações seletivas aos respectivos ambientes. • Caducifolia – suspensão da fotossíntese, transpiração • Quadro fenológico • Acumulação de nutrientes e água (subterrâneas)
  10. 10. Caatinga CaracterísticasVegetação garranchenta, espinhosa, com suculentas e afilas.Vegetação xerófila é heterogênea na fisionomia e estrutura, euniforme na sua composição pelo conjunto de plantasarbórea/arbustivas associadas com bromeliáceas,gramíneas e cactáceas.Plantas lenhosas – identificadas quase 600 espécies do totalde 1.981 espécies de plantas.Cada uma com suas características especiais (especializações;fenologia; fisiologia; interações).
  11. 11. FloraPlantas com diversaspropriedades que permitem vivernessas condições (Adaptaçõesevolutivas).Mantida por respostascomportamentais revela umcompromentimento fisiológicodiante dos condicionantesecológicos.
  12. 12. FloraDado um comando genético, os processosbiológicos selecionaram peculiaridadesadaptativas – tornar a flora compatível ascondições sujeitas as espécies.  Ajustes ecológicos:  Morfológicos  Anatômicos  Fisiológicos
  13. 13. Ajustes ecológicos Morfológicos: Afilia; Embiratanha Órgãos hipógeos tuberizados ou xilopódios; Folhas pequenas ou compostas; Plantas espinescentes ou aculeadas; Intumescência caulinar; Cereus sp. Cladódios carnosos-suculentos. Imburana de cheiro
  14. 14. Ajustes ecológicos Anatômicos Cascas finas e lisas; Lignificação precoce e intensa; Estrutura radicial – acumulação de reservas nutritivas; Grande número de estômatos.
  15. 15. Ajustes ecológicos Fisiológicos Diminuição da perda de água (diminuição da superfície exposta das folhas); Germinação rápida das espécies; Alta velocidade de brotamento e de floração; Intensa atividade clorofiliana; Funcionamento estomático, regulando a transpiração; Caducifolia na estação seca; Revestimento de cera nas folhas (muitas).
  16. 16. Seleção taxonômica• Endemismos genéricos: – Auxemma; Cranocarpus; Patagonula; Fraunhofera; Myracrodruon; Cavanillesia.• Endemismos genéricos:
  17. 17. Seleção taxonômica Bromelia laciniosa Cereus jamacaruNeoglaziovia variegada Melocactus bahiensis Pilosocereus pachycladus
  18. 18. Variações fisionômicas• Caatinga arbórea - arbustiva.• Registros de caatinga, carrasco, agreste, seridó, carirís velhos, curimataú, cerrado e matas secas.• Complexidade Vantajoso – Caatinga arbórea e arbustiva.
  19. 19. Caatinga Arbórea• Alta com três estratos: – Arbóreo (8-12m de altura) – Arbustivo / sub-arbustivo (2-5m) – Herbáceo (anual) Reveste encostas serranas úmidas / sun-úmidas (serras secas entre 400 e 600m de altitude)
  20. 20. Caatinga Arbustiva• Padrão generalizado, mais baixa (ação predatória).• Composta por dois estratos: – Arbustivo / sub-arbustivo (2-5m) - (raros exemplares arbóreos) – Herbáceo (anual) Denso: Cobre solos arenoso com pouca profundidade. Aberto: solos rasos e duros. Alguns espaços apresentam padrões campestres com extrato herbáceo rico em gramíneas, pelas rústicas condições de solo (ex.: Inhamuns).
  21. 21. Carrasco• Individualizado como tipo próprio – formações arbustivo- arborescentes, estacionais, caducifólias, deciduais ou semi- caducifólias em terrenos sedimentares.• Tem uma origem natural – processo de sucessão ajustando ao ambiente semi-árido, em sintonia com as alterações climáticas.• Mantém o equilíbrio ecológico mais ou menos permanente, com fisionomia e composição florística constantes, numa condição de clímax edáfico.
  22. 22. Carrasco• Componentes evidenciados pela condição ecológica e corpo florístico exclusivo.• Componentes com formas esclerofílicas cactáceas) e mesofilícas (caducifólias ou semicaducifólias). – Heteromorfismo das plantas, folhas coriáceas, cactáceas. – Em geral arbustiva densa.
  23. 23. Interações• Fauna/Fauna• Fatores abióticos (condicionantes)• Importância da conservação
  24. 24. julirsousa@yahoo.com.br

×