Santo Antonio de Jesus – Ba
Abril de 2011
Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Centro de Ciências da Saúde
George Go...
Osteoporose é uma doença em que há “muito pouco osso
no osso, mas o osso que há, é normal”.
Fuller Albright
“A osteoporose...
 Densidade Mineral Óssea (BMD)
 Qualidade
 Estrutura
 Turnover
Resistência do Osso
Fraturas
Pico de Massa
Óssea (PBM)
Categoria Critério (expresso como T-score)
Normal Paciente com BMD menor que 1 (0 para – 1)
Osteopenia Paciente com BMD en...
Categoria Mulheres Homens
Osteopenia 37-50% 28-47%
Osteoporose 13-18% 3-6%
Ingestão de Cálcio (Ca) e Fósforo (P)
80 a 90% ...
(AI) Ingestão tolerável
(UL) Acima do limite
FormaçãoAbsorção
AbsorçãoFormação
Largura Comprimento
Meia idade adulta
Primeiras duas décadas
Infância para a juventude
P...
Entre o fim da puberdade a maioridade cresce a
espessura e densidade do osso, caracterizando o PBM.
Quanto maior for o PBM...
 1000 a 1500 g no corpo humano - 99% na forma de
Hidroxiapatita (HA);
 A dieta de Ca é medida pela necessidade do esquel...
 Crescimento ósseo está significativamente associado com
os estágios puberais em meninas (12,5) e Meninos (14,2).
Molgaar...
 BMD em indivíduos 20 a 50 anos:
Mulheres na pré-menopausa
A ingestão de 1000 mg de Ca diminuiu a perda de
BMD em 1% por ...
 Demanda Ca é danoso à mulher.
25 a 30 g de Ca do organismo de um
recém nascido
 Liberação de leite = 720 a 750 ml/dia.
...
A ingestão de Ca é importante nesse período.
Grande absorção intestinal e
manutenção renal
Restabelecimento da BMD trabecu...
 Pós-menopausa
Estrogênio
Testosterona
Perda de 20 a 30% BMD Esponjosa
5 a 10% BMD Cortical
Ingestão de Ca Redução de 0,5...
USA abaixo das recomendações:
925 mg/dia
Homens
657 mg/dia
Mulheres
2,6 bilhões de dólares em custos médicos.
Ingestão Ca ...
 85% ligado ao esqueleto;
 Ingestão dietética de P
aumentou de 10% a 15%
nos últimos 20;
P Ca PTH
Reabsorção Óssea
 25 g no corpo: 1/3 no
esqueleto;
Deficiência de Mg
Hipocalcemia
Perda de BMD
Ingestão de Mg melhora a BMD
Tucker et al.,...
Incorporado nos Dentes e Ossos;
Resistência ao ataque dos
Osteoclastos
Aumento de 5% a 10% da BMD por ano (vértebras).
Res...
 Síntese de Colágeno;
 Importante X fragilidade.
Ca Fe
Baixa biodisponibilidade
Prather and Miller, 1992
Toxicidade às c...
 2 g no corpo: 90% músculo, osso,
pele e cabelo 1% no sangue;
 Fosfatase alcalina (Mineralização);
 Colagenase (Colágen...
LisinaHidroxiprolina
Colágeno
 75 a 100 mg no corpo;
 Maturação do Colágeno.
Tuderman et al., 1977
Cu
Lisil oxidade
Hidroxiprolina
 Dieta de Na eliminação de Ca
Na
Reabsorção
2300 mg
NaCl
24 – 40 mg
Ca
Tecido Ósseo
Consumo de Na ainda co...
 Metabolismo de Ca e P;
 Calcitriol
D
Raquitismo e Osteomalacia
Menor exposição à luz solar;
Diminuição da capacidade do...
 Coagulação sanguínea
Carboxilase glutamato
Glutamato Gama
Carboxiglutamato
(GLA)
HA
Ca
Osteocalcina
Lian et al., 1999
30% sangue
Osteocalcina
Vitamina K
Osteocalcina
Descarboxilada
Presente em pacientes Osteoporóticos
 Suplementação
Dieta Bactérias Intestinais
RDA
55 -70 mg/dia
Ingestão comum
300 -500 mg/dia
Fraturas
 Vitamina C:
Fumantes: Risco maior de fraturas entre 1.5 e 2.0
C E
Ingestão de vitaminas
Vitaminas
Proteção cont...
 Vitamina A:
Remodelação Óssea
Ácido
Retinóico
Fragilidade
óssea
Fatores de risco:
Baixa ingestão de micro e macronutrientes
Peso BMD
10% 1 a 2%
Anorexia Nervosa
Amenorréia
HipercortisolemiaBaixo peso
Hipoestrogenemia
Desmineralização Óssea
Powers, 1999
 Ingestão proteica >> eliminação de Ca (urina)
50g 60 mg
NcAMP
(nmol/L)
Mid-Molecule
PTH
(nmol/L)
Intact PTH
(nmol/L)
Calcitriol
(nmol/L)
Dietary protein (g/kg/d)
Dietary protein ...
 Acidose ou Alcalose: Regulação do pH sanguíneo
Ca+
pH Ácido
 Fitoquímicos: • Isoflavonas
Manutenção da BMD
• Daidzeína
• Genesteína
Scheiber and Rebar, 1999
 Cafeína:
Cálcio
Urina /dia
6 fl oz 4,6 mg
Cafeína
Barger-Lux and Heaney, 1995
 Álcool
BMDAlcolismo
Doença do Fígado Nutrição ruim
Toxicidade aos
osteoblastos
25 g/dia Fraturas
Consumo moderado = BMD maior
(fêmur, espinha e antebraço)
Felson et al., 1995Androstenediona Estrona
Em comparação com abs...
 Diminuição da reabsorção óssea in vitro.
Hidaka et al., 1997
 Osteoporose é uma doença resultante de desordens
multifatoriais.
 A deficiência ou excesso de nutrientes contribuem par...
Nutritional in bone health revisited
Nutritional in bone health revisited
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Nutritional in bone health revisited

425 visualizações

Publicada em

Apresentação do artigo Nutritional in bone health revisited: A story beyond calcium (ILICH and KERSTETTER, 2000)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
425
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nutritional in bone health revisited

  1. 1. Santo Antonio de Jesus – Ba Abril de 2011 Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde George Gonçalves ILICH and KERSTETTER, 2000 University of Connecticut, School of Allied Health, Storrs, Connecticut Journal of the American College of Nutrition, Vol. 19, No. 6, 715–737 (2000)
  2. 2. Osteoporose é uma doença em que há “muito pouco osso no osso, mas o osso que há, é normal”. Fuller Albright “A osteoporose senil é uma doença pediátrica”. Dent
  3. 3.  Densidade Mineral Óssea (BMD)  Qualidade  Estrutura  Turnover Resistência do Osso Fraturas Pico de Massa Óssea (PBM)
  4. 4. Categoria Critério (expresso como T-score) Normal Paciente com BMD menor que 1 (0 para – 1) Osteopenia Paciente com BMD entre 1 e 2,5 (-1 para - 2,5) Osteoporose Paciente com PBM abaixo da média de adulto jovem, com BMD maior igual a -2,5 Osteoporose severa Paciente com PBM abaixo da média de adulto jovem, com BMD maior igual a -2,5 (com fraturas por fragilidade) Os critérios para definir a osteoporose precisam ser revistos
  5. 5. Categoria Mulheres Homens Osteopenia 37-50% 28-47% Osteoporose 13-18% 3-6% Ingestão de Cálcio (Ca) e Fósforo (P) 80 a 90% do conteúdo mineral do osso Tratamentos e prevenção NUTRIÇÃO
  6. 6. (AI) Ingestão tolerável (UL) Acima do limite
  7. 7. FormaçãoAbsorção AbsorçãoFormação Largura Comprimento Meia idade adulta Primeiras duas décadas Infância para a juventude Pico de massa óssea (PMB) Maior frequência em mulheres devido a queda dos níveis de estrogênio
  8. 8. Entre o fim da puberdade a maioridade cresce a espessura e densidade do osso, caracterizando o PBM. Quanto maior for o PBM no início da idade adulta, o risco de desenvolver osteoporose é mais tardio.
  9. 9.  1000 a 1500 g no corpo humano - 99% na forma de Hidroxiapatita (HA);  A dieta de Ca é medida pela necessidade do esqueleto;  Uma dieta 1500 mg/dia, em adolescentes, deu início rápido a eliminação de Ca na urina.(Mesma resultado com 1100 mg/dia em adultos). Martkovic and Haney, 1992
  10. 10.  Crescimento ósseo está significativamente associado com os estágios puberais em meninas (12,5) e Meninos (14,2). Molgaard et al., 1999  O crescimento e alta BMD estão associados à ingestão de Ca.  A suplementação alimentar de Ca melhora a deposição mineral de 1 a 5%.
  11. 11.  BMD em indivíduos 20 a 50 anos: Mulheres na pré-menopausa A ingestão de 1000 mg de Ca diminuiu a perda de BMD em 1% por ano Welten et al., 1995
  12. 12.  Demanda Ca é danoso à mulher. 25 a 30 g de Ca do organismo de um recém nascido  Liberação de leite = 720 a 750 ml/dia. 250 mg de Ca Após o desmame há uma recuperação de massa óssea.
  13. 13. A ingestão de Ca é importante nesse período. Grande absorção intestinal e manutenção renal Restabelecimento da BMD trabecular Ritchie et al., 1998
  14. 14.  Pós-menopausa Estrogênio Testosterona Perda de 20 a 30% BMD Esponjosa 5 a 10% BMD Cortical Ingestão de Ca Redução de 0,5 a 1% na perda de BMD Cortical Reposição hormonal e ingestão de Ca é mais eficaz
  15. 15. USA abaixo das recomendações: 925 mg/dia Homens 657 mg/dia Mulheres 2,6 bilhões de dólares em custos médicos. Ingestão Ca individualmente não tem efeito significativo 15% a 40% das pessoas fazem suplementação. Risco de com chumbo e / ou de alumínio.
  16. 16.  85% ligado ao esqueleto;  Ingestão dietética de P aumentou de 10% a 15% nos últimos 20; P Ca PTH Reabsorção Óssea
  17. 17.  25 g no corpo: 1/3 no esqueleto; Deficiência de Mg Hipocalcemia Perda de BMD Ingestão de Mg melhora a BMD Tucker et al., 1999
  18. 18. Incorporado nos Dentes e Ossos; Resistência ao ataque dos Osteoclastos Aumento de 5% a 10% da BMD por ano (vértebras). Resch et al., 1993 Formam Cristais de HA maiores. Menor incidência de osteoporose quando disponibilizado na água. Bernstein et al., 1966
  19. 19.  Síntese de Colágeno;  Importante X fragilidade. Ca Fe Baixa biodisponibilidade Prather and Miller, 1992 Toxicidade às células Hemocromatose (Conte et al., 1989) Medeiros et al., 1997
  20. 20.  2 g no corpo: 90% músculo, osso, pele e cabelo 1% no sangue;  Fosfatase alcalina (Mineralização);  Colagenase (Colágeno). Zn Prejudica a síntese de DNA BMD vértebras e fêmur Zn Seco et al., 1998
  21. 21. LisinaHidroxiprolina Colágeno  75 a 100 mg no corpo;  Maturação do Colágeno. Tuderman et al., 1977 Cu Lisil oxidade
  22. 22. Hidroxiprolina  Dieta de Na eliminação de Ca Na Reabsorção 2300 mg NaCl 24 – 40 mg Ca Tecido Ósseo Consumo de Na ainda continua acima do recomendado Itoh et al., 1999
  23. 23.  Metabolismo de Ca e P;  Calcitriol D Raquitismo e Osteomalacia Menor exposição à luz solar; Diminuição da capacidade do rim e fígado para hidroxilar vitamina D; Absorção diminuída a partir de alimentos; Uso de drogas anticonvulsivas e / ou esteróides.
  24. 24.  Coagulação sanguínea Carboxilase glutamato Glutamato Gama Carboxiglutamato (GLA) HA Ca Osteocalcina Lian et al., 1999
  25. 25. 30% sangue Osteocalcina Vitamina K Osteocalcina Descarboxilada Presente em pacientes Osteoporóticos
  26. 26.  Suplementação Dieta Bactérias Intestinais RDA 55 -70 mg/dia Ingestão comum 300 -500 mg/dia
  27. 27. Fraturas  Vitamina C: Fumantes: Risco maior de fraturas entre 1.5 e 2.0 C E Ingestão de vitaminas Vitaminas Proteção contra stress oxidativo Crosslinking do Colágeno Combs, 1998 Melhus et al., 1999
  28. 28.  Vitamina A: Remodelação Óssea Ácido Retinóico Fragilidade óssea
  29. 29. Fatores de risco: Baixa ingestão de micro e macronutrientes Peso BMD 10% 1 a 2%
  30. 30. Anorexia Nervosa Amenorréia HipercortisolemiaBaixo peso Hipoestrogenemia Desmineralização Óssea Powers, 1999
  31. 31.  Ingestão proteica >> eliminação de Ca (urina) 50g 60 mg
  32. 32. NcAMP (nmol/L) Mid-Molecule PTH (nmol/L) Intact PTH (nmol/L) Calcitriol (nmol/L) Dietary protein (g/kg/d) Dietary protein (g/kg/d
  33. 33.  Acidose ou Alcalose: Regulação do pH sanguíneo Ca+ pH Ácido
  34. 34.  Fitoquímicos: • Isoflavonas Manutenção da BMD • Daidzeína • Genesteína Scheiber and Rebar, 1999
  35. 35.  Cafeína: Cálcio Urina /dia 6 fl oz 4,6 mg Cafeína Barger-Lux and Heaney, 1995
  36. 36.  Álcool BMDAlcolismo Doença do Fígado Nutrição ruim Toxicidade aos osteoblastos 25 g/dia Fraturas
  37. 37. Consumo moderado = BMD maior (fêmur, espinha e antebraço) Felson et al., 1995Androstenediona Estrona Em comparação com abstêmios, bebedores tem:  Estado mental melhorado;  Diminuição do estresse e depressão;  Menor absentismo ao trabalho;  Menor incidência de demência. Goldberg et al., 1999
  38. 38.  Diminuição da reabsorção óssea in vitro. Hidaka et al., 1997
  39. 39.  Osteoporose é uma doença resultante de desordens multifatoriais.  A deficiência ou excesso de nutrientes contribuem para a osteoporose.  Torna-se necessário o entendimento da relação entre os inúmeros fatores.

×