Probióticos

4.102 visualizações

Publicada em

Slides de Probióticos da apresentação sobre Microbiota Intestinal.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.102
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Probióticos

  1. 1. ICSA53 – Distúrbios Metabólicos dos Órgãos e Sistemas Docente: Profa. Dra. Luciana Silva George Gonçalves Salvador 2014
  2. 2. “Microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem um benefício à saúde do hospedeiro”.(FAO/WHO, 2002; FORSSTEN et al., 2011) Efeitos (1) inibição do crescimento de patógenos (intestino grosso) (2) aumento da resposta imune do hospedeiro (intestino delgado e grosso) http://www.activiadanone.com.br/Assets/img/como-funciona/ probioticos.png (FEDORAK e MADSEN, 2004) PROBIÓTICOS
  3. 3. PROBIÓTICOS Adaptado de Forssten e colaboradores (2011).
  4. 4. Diarreia causada por Rotavírus Diarreia causada por Rotavírus (FORSSTEN et al., 2011) (FORSSTEN et al., 2011) PROBIÓTICOS Adaptado de Forssten e colaboradores (2011)
  5. 5. Diarreia e Diarreia e PROBIÓTICOS Colite Pseudomembranosa causada por C. difficile (FORSSTEN et al., 2011) Colite Pseudomembranosa causada por C. difficile (FORSSTEN et al., 2011) Adaptado de Forssten e colaboradores (2011)
  6. 6. Helicobacter pylori Patogenicidade (FORSSTEN et al., 2011) PROBIÓTICOS http://333oee3bik6e1t8q4y139009mcg.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2014/05/h-pylori1.jpeg CARCINOMA
  7. 7. Helicobacter pylori Patogenicidade (FORSSTEN et al., 2011) PROBIÓTICOS http://333oee3bik6e1t8q4y139009mcg.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2014/05/h-pylori1.jpeg CARCINOMA
  8. 8. SELEÇÃO DE PROBIÓTICOS Viabilidade no armazenamento Importância Tecnológica, Econômica, Regulatória e Biológica; Armazenamento Resistente; Testes de estabilidade. Resistência aos Ácidos do TGI Testes in vitro e in vivo; Coleta de amostras fecais; Biópsia intestinal. (FORSSTEN et al., 2011) http://www.phoenix.ind.br/_gravar/449201342113596648.jp g http://ligdiagnosticos.com.br/blog/wp-content/uploads/2013/08/21-08_LIG_FB-e- BLOG.jpg
  9. 9. SELEÇÃO DE PROBIÓTICOS Adesão ao Tecido Hospedeiro Mucosa intestinal; Interações Celulares. http://www.healthbiocare.com/contentimages/prolac_grafik_darm.jpg Interações com o Sistema Imune Células Dendríticas; Imunomodulação. (FORSSTEN et al., 2011) http://www.pharmainfo.net/files/images/stories/article_images/Mucosal %20Immunization3.jpg
  10. 10. Interações com bactérias do TGI Produção de Bacteriocinas; Redução do pH intestinal; Bloqueio de cepas patogênicas. (FORSSTEN et al., 2011) http://www.healthbiocare.com/contentimages/prolac_grafik_darm.jpg Efeitos Anticarcinogênico e Antitóxico Atividade enzimática; Compostos Mutagênicos; http://www.scienceclarified.com/photos/carcinogen- 3040.jpg SELEÇÃO DE PROBIÓTICOS
  11. 11. Origem das Cepas Cepas humanas; Amostras fecais; Baixa patogenicidade. Segurança Gênero das bactérias; Exames in vitro. Viabilidade comercial Produção em larga escala; Custo benefício; Eficiência. http://www.ivancic.rs/img/proizvodi/Proizvodi_Probiotic-Novi- 1236066124.jpg (FORSSTEN et al., 2011) SELEÇÃO DE PROBIÓTICOS
  12. 12. Suplementação (BINNS, 2013) APLICAÇÃO DE PROBIÓTICOS http://2.bp.blogspot.com/_ZC-- TMwuFJ0/S_qKzmpPAfI/AAAAAAAAAUI/CLYE0MSZ6Vs/s1600/Probioticos.jpg http://www.precepta.com.br/wp-content/uploads/2012/03/probiotico.jpg
  13. 13. Referências BINNS, N. Probiotics, Prebiotics and the Gut Microbiota. International Life Sciences Institute (ILSI), 2013. CALDERÓN, E. G.; TEVES, P. M.; SALGADO, E. M. Probióticos, prebióticos y simbióticos en el síndrome de intestino irritable. Acta Med Per 29(2) 2012. EFSA (2007) European Food Safety Authority Scientific Committee (EFSA) public consultation on the Qualified Presumption of Safety (QPS) approach for the safety assessment of microorganisms deliberately added to food and feed. Annex 3: Assessment of gram positive nonsporulating bacteria with respect to a qualified presumption of safety. FEDORAK, R. N.; MADSEN, K. L. Probiotics and the Management of Inflammatory Bowel Disease. Inflamm Bowel Dis 2004;10:286–299 FORSSTEN, S. D. et al. Chapter 2: The Intestinal Microbiota and Probiotics. In: MALAGO, J. J. et al. (eds.), Probiotic Bacteria and Enteric Infections, 2011. FAO/WHO (2002) Guidelines for the evaluation of probiotics in food.

×