SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
BICUDO DO 
ALGODOEIRO 
Larissa Gonçalves Silva
INTRODUÇÃO 
TAXONOMIA 
Reino Animalia 
Filo Arthropoda 
Classe Insecta 
Ordem Coleoptera 
Família Curculionidae 
Gênero Anthonomus 
Espécie A. grandis 
Fonte:http://www.agrolink.com.br/agricultura/problemas/busca 
/bicudo_29.html 
Anthonomus grandis (Boh., 1843) - Bicudo
INTRODUÇÃO 
 A origem do inseto é a América Central, ocorrência no 
Brasil em 1983. 
 Em 1990, Paraná era responsável por mais da metade da 
produção nacional de algodão. 
 Com a incidência da praga, a cultura migrou para o 
Centro-Oeste do país.
CARACTERÍSTICAS 
 Estágio adulto é um besouro com comprimento médio de 7 
mm. 
 Coloração varia entre vermelho- pardo, castanho e cinza. 
 Possui um rostro (“bico”) alongado, fino e encurvado, onde 
ficam as antenas. 
Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO 
ALGODOEIRO, Editora FMC.
CARACTERÍSTICAS 
 Mandíbulas afiadas, utilizadas para perfurar. 
 Apresenta dois esporões (“espinhos”) no primeiro par de 
pernas. 
 Tem o corpo recoberto por pelos de coloração amarelada. 
Fonte: Manual de pragas do milho, soja e algodão. 
Editora Monsanto.
CARACTERÍSTICAS 
 A alimentação e oviposição são realizados em botões 
florais. 
 Possui elevado potencial reprodutivo. 
Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO, 
Editora FMC.
CARACTERÍSTICAS 
 Associação aos restos culturais. 
 Sobrevivência nas soqueiras do algodoeiro. 
Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO, 
Editora FMC.
 Elevado potencial de destruição de 
estruturas reprodutivas. 
Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO, Editora FMC.
CICLO DE VIDA 
 O ciclo de vida de ovo à adulto se completa em 
aproximadamente 19 dias, podendo ocorrer de 4 a 6 
gerações durante a safra. 
Fonte: Manual de pragas do milho, soja e algodão. Editora Monsanto.
DANOS 
 Os botões florais atacados caem ao solo e as maçãs 
com larvas apodrecem. 
 As maçãs apresentam perfurações externas, e 
internamente as fibras e sementes são destruídas. 
 Na ausência de botões florais, os insetos se 
alimentam do pecíolo.
DANOS 
Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO, Editora FMC.
INCIDÊNCIAS
MANEJO 
 Os insetos penetram pelas bordas da plantação; 
 É preciso realizar, amostragens específicas, catação e 
colocação de armadilhas para coletas; 
 O bicudo tem início logo após a germinação, danificando a 
gema apical da planta;
MANEJO 
 Os danos mais severos ocorrem a partir da emissão do 
primeiro botão, por volta de 50 dias após a emergência 
e vai até o final do ciclo; 
 O manejo pode ser feito de três formas: Controle 
biológico, controle cultural e controle químico.
MEDIDAS DE CONTROLE 
 Controle Biológico 
- Uso de redes de Monitoramento. 
- Instalação de armadilhas com feromônio “grandlure”. 
- Uso dos seguintes parasitoides: Catolaccus grandis, Bracon 
vulgaris. 
- Insetos que predam o A. grandis são: formigas, vespas, 
como Polistes sp., e tesourinha (Euborella annulipes). 
- Instalação dos Tubos Mata Bicudos.
MEDIDAS DE CONTROLE 
TUBO MATA BICUDO 
 O tubo armadilha tem eficiência comprovada em todo ciclo 
da lavoura do algodão. 
Fonte:http://malhadaverde.blogspot.com.br/2012/09/ 
cotonicultores-de-malhada-aprova.html
TUBO MATA BICUDO 
 Confeccionado com papel-cera , óleo de algodão, 
feromônio sexual da praga e depois revestido por um 
inseticida ( sem odor forte). 
Fonte:http://malhadaverde.blogspot.com.br/2012/09/cotonicultores-de-malhada-aprova.html
 TUBO MATA BICUDO 
• Diminuição de 35% no número de pulverizações. 
• Diminuição de 60% na captura dos insetos pelas 
armadilhas . 
• Redução em torno de 70% no índice de infestações. 
• Intervalos que variam entre 150 a 300 M. 
• Altura média de 1,30 metro. 
• Leitura das armadilhas semanalmente e quinzenalmente 
ocorrem as trocas dos feromônios.
“Quando se inicia a fase de colheita do algodão e 
posteriormente a de destruição dos restos culturais, há uma 
grande movimentação do inseto na área. Neste momento, é 
importante e aconselhável colocar TMBs no perímetro das 
áreas de refúgio do inseto”.
MEDIDAS DE CONTROLE 
 Controle Cultural 
- Destruição de soqueiras. 
- Catação e destruição de botões florais danificados e 
caídos sobre o solo. 
- Monitoramento das bordaduras dos talhões. 
- Aumentar o espaçamento entre as linhas da cultura e 
entre as plantas.
MEDIDAS DE CONTROLE 
 Controle Cultural 
- Nunca permitir o desenvolvimento de plantas tigueras. 
- Manter rigor de reentrada na área para monitoramento 
pelo menos duas vezes por semana. 
- Cumprir e respeitar o vazio sanitário.
MEDIDAS DE CONTROLE 
 Controle Químico 
- As aplicações deverão estar baseadas em dados de 
amostragens. 
- Os grupos químicos mais utlizados são organofosforados, 
ciclodieno e piretroides na formulação SC. 
- 80-90 dias de idade das plantas, produtos mais usados: 
endosulfan, paratiom metilico, metidation, malathion e 
fenitrotion.
MEDIDAS DE CONTROLE 
 Controle Químico 
- No Brasil, o endosulfan tem sido o produto mais aplicado 
até os 80 dias. 
- Alternância entre grupos químicos, evitando, resistência de 
pragas. 
- Incluir inseticida piretroide na aplicação de desfolhantes, 
maturadores e/ou dessecantes.
MEDIDAS DE CONTROLE 
 Controle Químico 
- Em todos os talhões, no surgimento do primeiro capulho 
(cut out), realizar três aplicações sequenciais de inseticidas 
piretroides SC, EW ou Zeon, a intervalos de 4-5 dias. 
- Incluir inseticida para a dessecação de milheto ou de outras 
culturas de cobertura se houver detecção da praga na área.
 Principais Inseticidas 
• Thiodan - Bayer CropScience 
• Decis 50 SC - Bayer CropScience 
• Imidan - Syngenta Crop Protection 
• Folidol - Bayer CropScience
Obrigada! 
Larissa Gonçalves Silva 
Laririzzie@gmail.com 
(62 8255 5291)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoGeagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
A cultura da goiaba
A cultura da goiabaA cultura da goiaba
A cultura da goiabaLaura Salles
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Geagra UFG
 
Manejo de Pragas no Girassol
Manejo de Pragas no Girassol Manejo de Pragas no Girassol
Manejo de Pragas no Girassol Geagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoGeagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controleGeagra UFG
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 
Aula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externaAula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externaJimmy Jeferson
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozGeagra UFG
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoGeagra UFG
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASGeagra UFG
 
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraManejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraDavid Rodrigues
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroGeagra UFG
 
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milhoIntrodução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milhoGeagra UFG
 
Calagem e Adubação da Cebola
Calagem e Adubação da CebolaCalagem e Adubação da Cebola
Calagem e Adubação da CebolaRural Pecuária
 

Mais procurados (20)

Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
A cultura da goiaba
A cultura da goiabaA cultura da goiaba
A cultura da goiaba
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
Mip- mandioca
Mip- mandiocaMip- mandioca
Mip- mandioca
 
Manejo de Pragas no Girassol
Manejo de Pragas no Girassol Manejo de Pragas no Girassol
Manejo de Pragas no Girassol
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Aula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externaAula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externa
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
 
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraManejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milhoIntrodução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
 
Calagem e Adubação da Cebola
Calagem e Adubação da CebolaCalagem e Adubação da Cebola
Calagem e Adubação da Cebola
 

Destaque

Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do AlgodãoGeagra UFG
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoGeagra UFG
 
Adubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroAdubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroGeagra UFG
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOGeagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoGeagra UFG
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroGeagra UFG
 
Cochonilhas
CochonilhasCochonilhas
Cochonilhassilasco
 
Grupo "Historiadores"
Grupo "Historiadores"Grupo "Historiadores"
Grupo "Historiadores"Maria Costa
 
Novas pragas em grandes culturas no Brasil
Novas pragas em grandes culturas no BrasilNovas pragas em grandes culturas no Brasil
Novas pragas em grandes culturas no BrasilOxya Agro e Biociências
 
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...Oxya Agro e Biociências
 
Producao De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
Producao  De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No BrasilProducao  De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
Producao De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil PEDRO PACHECO
 
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr IvomboaIncidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr IvomboaIvaristo Americo
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoGeagra UFG
 
Manual de Identificação das Pragas da Cana
Manual de Identificação das Pragas da CanaManual de Identificação das Pragas da Cana
Manual de Identificação das Pragas da CanaKatiane Oliveira
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da sojaAdrielly Freitas da Silva
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Leandro Bicalho
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasSávio Sardinha
 
Braga
BragaBraga
Braga20014
 

Destaque (20)

Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do Algodão
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
 
Adubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroAdubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do Algodeiro
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Cochonilhas
CochonilhasCochonilhas
Cochonilhas
 
Grupo "Historiadores"
Grupo "Historiadores"Grupo "Historiadores"
Grupo "Historiadores"
 
Novas pragas em grandes culturas no Brasil
Novas pragas em grandes culturas no BrasilNovas pragas em grandes culturas no Brasil
Novas pragas em grandes culturas no Brasil
 
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
 
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
 
Producao De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
Producao  De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No BrasilProducao  De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
Producao De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
 
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr IvomboaIncidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
 
Manual de Identificação das Pragas da Cana
Manual de Identificação das Pragas da CanaManual de Identificação das Pragas da Cana
Manual de Identificação das Pragas da Cana
 
5º WORSHOP DO ALGODÃO
5º WORSHOP DO ALGODÃO5º WORSHOP DO ALGODÃO
5º WORSHOP DO ALGODÃO
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Braga
BragaBraga
Braga
 

Semelhante a Bicudo do algodoeiro: características, ciclo de vida, danos e controle

AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)Eduardo Rocha
 
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxPRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxJosFranciscoNogueira3
 
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdfManejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdfFernando186673
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasEvangela Gielow
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle BiológicoJoão Felix
 
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxTrabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxdeniseterceiroano
 
Pragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxPragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxMarcosSantiago69
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaJuan Rodríguez
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozGeagra UFG
 
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do AmendoimConhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do AmendoimWilgner Landemberger
 
Aspectos ecológicos e de interesse médico
Aspectos ecológicos e de interesse médicoAspectos ecológicos e de interesse médico
Aspectos ecológicos e de interesse médicoFellipe França
 
pragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfpragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfGiovaniGigio3
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da sojaAdrielly Freitas da Silva
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnoserfoltran
 

Semelhante a Bicudo do algodoeiro: características, ciclo de vida, danos e controle (20)

Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
 
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxPRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
 
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdfManejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxTrabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
 
Pragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxPragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docx
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 
MIP DO AÇAÍ
MIP DO AÇAÍMIP DO AÇAÍ
MIP DO AÇAÍ
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
 
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do AmendoimConhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
 
Aspectos ecológicos e de interesse médico
Aspectos ecológicos e de interesse médicoAspectos ecológicos e de interesse médico
Aspectos ecológicos e de interesse médico
 
pragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfpragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdf
 
Caramujo africano
Caramujo africanoCaramujo africano
Caramujo africano
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnose
 

Mais de Geagra UFG

Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxGeagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfGeagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxGeagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaGeagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxGeagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA Geagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoGeagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasGeagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidas
 

Último

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 

Último (20)

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 

Bicudo do algodoeiro: características, ciclo de vida, danos e controle

  • 1. BICUDO DO ALGODOEIRO Larissa Gonçalves Silva
  • 2. INTRODUÇÃO TAXONOMIA Reino Animalia Filo Arthropoda Classe Insecta Ordem Coleoptera Família Curculionidae Gênero Anthonomus Espécie A. grandis Fonte:http://www.agrolink.com.br/agricultura/problemas/busca /bicudo_29.html Anthonomus grandis (Boh., 1843) - Bicudo
  • 3. INTRODUÇÃO  A origem do inseto é a América Central, ocorrência no Brasil em 1983.  Em 1990, Paraná era responsável por mais da metade da produção nacional de algodão.  Com a incidência da praga, a cultura migrou para o Centro-Oeste do país.
  • 4. CARACTERÍSTICAS  Estágio adulto é um besouro com comprimento médio de 7 mm.  Coloração varia entre vermelho- pardo, castanho e cinza.  Possui um rostro (“bico”) alongado, fino e encurvado, onde ficam as antenas. Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO, Editora FMC.
  • 5. CARACTERÍSTICAS  Mandíbulas afiadas, utilizadas para perfurar.  Apresenta dois esporões (“espinhos”) no primeiro par de pernas.  Tem o corpo recoberto por pelos de coloração amarelada. Fonte: Manual de pragas do milho, soja e algodão. Editora Monsanto.
  • 6. CARACTERÍSTICAS  A alimentação e oviposição são realizados em botões florais.  Possui elevado potencial reprodutivo. Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO, Editora FMC.
  • 7. CARACTERÍSTICAS  Associação aos restos culturais.  Sobrevivência nas soqueiras do algodoeiro. Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO, Editora FMC.
  • 8.  Elevado potencial de destruição de estruturas reprodutivas. Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO, Editora FMC.
  • 9. CICLO DE VIDA  O ciclo de vida de ovo à adulto se completa em aproximadamente 19 dias, podendo ocorrer de 4 a 6 gerações durante a safra. Fonte: Manual de pragas do milho, soja e algodão. Editora Monsanto.
  • 10. DANOS  Os botões florais atacados caem ao solo e as maçãs com larvas apodrecem.  As maçãs apresentam perfurações externas, e internamente as fibras e sementes são destruídas.  Na ausência de botões florais, os insetos se alimentam do pecíolo.
  • 11. DANOS Fonte: Saran. P, E. MANUAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO, Editora FMC.
  • 13. MANEJO  Os insetos penetram pelas bordas da plantação;  É preciso realizar, amostragens específicas, catação e colocação de armadilhas para coletas;  O bicudo tem início logo após a germinação, danificando a gema apical da planta;
  • 14. MANEJO  Os danos mais severos ocorrem a partir da emissão do primeiro botão, por volta de 50 dias após a emergência e vai até o final do ciclo;  O manejo pode ser feito de três formas: Controle biológico, controle cultural e controle químico.
  • 15. MEDIDAS DE CONTROLE  Controle Biológico - Uso de redes de Monitoramento. - Instalação de armadilhas com feromônio “grandlure”. - Uso dos seguintes parasitoides: Catolaccus grandis, Bracon vulgaris. - Insetos que predam o A. grandis são: formigas, vespas, como Polistes sp., e tesourinha (Euborella annulipes). - Instalação dos Tubos Mata Bicudos.
  • 16. MEDIDAS DE CONTROLE TUBO MATA BICUDO  O tubo armadilha tem eficiência comprovada em todo ciclo da lavoura do algodão. Fonte:http://malhadaverde.blogspot.com.br/2012/09/ cotonicultores-de-malhada-aprova.html
  • 17. TUBO MATA BICUDO  Confeccionado com papel-cera , óleo de algodão, feromônio sexual da praga e depois revestido por um inseticida ( sem odor forte). Fonte:http://malhadaverde.blogspot.com.br/2012/09/cotonicultores-de-malhada-aprova.html
  • 18.  TUBO MATA BICUDO • Diminuição de 35% no número de pulverizações. • Diminuição de 60% na captura dos insetos pelas armadilhas . • Redução em torno de 70% no índice de infestações. • Intervalos que variam entre 150 a 300 M. • Altura média de 1,30 metro. • Leitura das armadilhas semanalmente e quinzenalmente ocorrem as trocas dos feromônios.
  • 19. “Quando se inicia a fase de colheita do algodão e posteriormente a de destruição dos restos culturais, há uma grande movimentação do inseto na área. Neste momento, é importante e aconselhável colocar TMBs no perímetro das áreas de refúgio do inseto”.
  • 20. MEDIDAS DE CONTROLE  Controle Cultural - Destruição de soqueiras. - Catação e destruição de botões florais danificados e caídos sobre o solo. - Monitoramento das bordaduras dos talhões. - Aumentar o espaçamento entre as linhas da cultura e entre as plantas.
  • 21. MEDIDAS DE CONTROLE  Controle Cultural - Nunca permitir o desenvolvimento de plantas tigueras. - Manter rigor de reentrada na área para monitoramento pelo menos duas vezes por semana. - Cumprir e respeitar o vazio sanitário.
  • 22.
  • 23. MEDIDAS DE CONTROLE  Controle Químico - As aplicações deverão estar baseadas em dados de amostragens. - Os grupos químicos mais utlizados são organofosforados, ciclodieno e piretroides na formulação SC. - 80-90 dias de idade das plantas, produtos mais usados: endosulfan, paratiom metilico, metidation, malathion e fenitrotion.
  • 24. MEDIDAS DE CONTROLE  Controle Químico - No Brasil, o endosulfan tem sido o produto mais aplicado até os 80 dias. - Alternância entre grupos químicos, evitando, resistência de pragas. - Incluir inseticida piretroide na aplicação de desfolhantes, maturadores e/ou dessecantes.
  • 25. MEDIDAS DE CONTROLE  Controle Químico - Em todos os talhões, no surgimento do primeiro capulho (cut out), realizar três aplicações sequenciais de inseticidas piretroides SC, EW ou Zeon, a intervalos de 4-5 dias. - Incluir inseticida para a dessecação de milheto ou de outras culturas de cobertura se houver detecção da praga na área.
  • 26.  Principais Inseticidas • Thiodan - Bayer CropScience • Decis 50 SC - Bayer CropScience • Imidan - Syngenta Crop Protection • Folidol - Bayer CropScience
  • 27.
  • 28. Obrigada! Larissa Gonçalves Silva Laririzzie@gmail.com (62 8255 5291)