Crise econômica, indústria e perspectivas

471 visualizações

Publicada em

Armen Mamigonian

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
471
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crise econômica, indústria e perspectivas

  1. 1. CRISE ECONÔMICA, INDÚSTRIA E PERSPECTIVAS Armen Mamigonian 1 A economia mundial, e não somente a capitalista, viveuma conjuntura prolongada de depressão. Como assinalouKondratieff são gestados em conjunturas deste tipo as invençõesque permitem a retomada da lucratividade, em queda desdeantes de 1970, conforme Mandel. Isto quer dizer que estamospróximos da eclosão da 3ª Revolução Industrial e por istomesmo vivemos o neo-liberalismo nos EUA, Inglaterra,Alemanha, etc. de um lado e a perestroika, a reversão domaoismo, etc. de outro. 2 Discutir as questões que envolvem tecnologianovíssima, como automação, robotização, etc., postas pela crisemundial capitalista, exige o estabelecimento de dúvidas cruciaisque interessam ao movimento dos trabalhadores brasileiros. Uma das mais importantes é que existem duas crisesque nos envolvem: a crise mundial e a crise brasileira, conformeI. Rangel. A crise mundial exige várias mutações, e sem dúvidauma nova RI (e tecnológica), enquanto a tecnologia de pontanão é importante, e na verdade pouco significativa, para aretomada do desenvolvimento econômico brasileiro. 3 Como o Brasil saiu da crise de 1929-30? Não foicertamente pela introdução da tecnologia novíssima (linha demontagem, etc.) e dos ramos mais dinâmicos da economia
  2. 2. mundial (automóveis, trens elétricos, aviões, etc.). Foisimplesmente completando a substituição de bens de consumoelementares (têxteis, etc.) e iniciando a substituição de bensligados à construção civil (cimento, etc.). A continuidade doprocesso de substituição de importações, que nem a CEPAL,nem a teoria da dependência, nem as esquerdas entenderamsuficientemente, é que permitiu a constituição de um edifícioindustrial completo, que passou a exportar manufaturados e aconcorrer no mercado mundial capitalista, criando atritoscrescentes com os EUA e o centro do sistema. Na crise mundial de 1929-30 houve um enormeprocesso de contração do mercado internacional, que forçouuma política autárquica em vários países do mundo. O nazismo,por exemplo, chegou ao poder para enfrentar os problemas derecessão e desemprego e se tornou popular. A revolução de 1930também teve este papel no Brasil, levando a economia a crescerpara dentro, como disseram posteriormente os cepalinos.Aqueles países, como a Argentina, que continuaram atrelados àDivisão Internacional do Trabalho em conjuntura depressivaacabaram perdendo velocidade. 4 Em que consiste a crise econômica brasileira atual? Ocapitalismo brasileiro concluiu vitoriosamente o processo desubstituição de importações, criando naturalmente váriosproblemas. Como este processo está virtualmente esgotado épreciso encontrar novo modelo de crescimento, que deverádecorrer de uma política econômica que enfrente os gravesproblemas criados: 1) desemprego maciço e questão agráriaagravadas, 2) infra-estrutura econômico-social estrangulada(transporte, energia, saneamento), enorme capacidade ociosa naindústria mecânica pesada, etc. e 4) dívida pública externa einterna intoleráveis (juros altíssimos, etc.). A acumulaçãocapitalista cíclica e desigual apresenta hoje no Brasil, como nas
  3. 3. crises juglarianas passadas, setores econômicos avançados(indústria mecânica pesada) e atrasadas (infra-estruturas).Acoplá-las, por um fluxo de recursos excessivos numa eescassos noutras é questão prioritária para saída da criseinteresse aos trabalhadores. 5 A depressão capitalista mundial atual, diferentementedaquela de 1920-48, caracteriza-se não por uma contração, maspor grande expansão do comércio internacional. Assim, os EUAaumentaram em quase 300% a importação de produtosmanufaturados entre 1973 e 1983 (US$ 42,5 para 163,0 bilhões),sendo que os maiores aumentos foram provenientes do 3ºMundo (Coréia do Sul, Brasil, Formosa, etc.) e do Japão. Aconjuntura do comércio internacional caracteriza-se tambémpelo aparecimento de superávites importantes (Japão,Alemanha, Brasil, Coréia do Sul, etc.), de mostrando vitalidadereal ou potencial de algumas economias nacionais, e déficitsenormes (EUA, Inglaterra, etc.), que caracterizam fraquezassignificativas. 6 A economia americana poderia se recuperar como naconjuntura de 1930 pelo fechamento do seu mercado, mas istosignificaria o fim do dólar como moeda do comérciointernacional e o fim mais rápido da sua hegemonia comopotência mundial. A política neo-liberal que os EUA impuseramao Chile (1973), à Argentina (1973), ao México (1988), estãotentando impor ao brasil de 1990. A maciça e falsa propagandade atraso do parque industrial brasileiro e as medidas dedepressivas adotadas pelo plano Collor visam enfraquecer omovimento operário e abrir o mercado brasileiro às importações
  4. 4. de mercadorias e a conversão da dívida externa em ativosindustriais do Estado brasileiro. Nos interessa este caminho?Temos propostas alternativa?

×