Drogas educação e prevenção

1.738 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.738
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
97
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Drogas educação e prevenção

  1. 1. CAPS Pelotas Gabriela Lanzetta Haack Psicóloga Coordenadora CAPS AD Pelotas
  2. 2.  “ Droga é toda substância, lícita ou ilícita, natural ou sintética, que, uma vez introduzida no organismo, provoca alterações no seu funcionamento (...)
  3. 3. (...) drogas psicoativas são aquelas quealteram o funcionamento do SistemaNervoso Central, principalmente aconsciência, as funções cognitivas(memória, atenção, orientação econsequentemente, o pensamento), oafeto, senso percepção e conduta, epodem levar à adição e a problemasfísicos ameaçadores à vida”(Outeiral apud Pedro Ferreira, 2002)
  4. 4.  As drogas sempre estiveram presentes, em diferentes épocas, nas mais diferentes civilizações e suas utilizações eram e ainda são das mais variadas, bem como suas consequências.
  5. 5. O homem já conhecia determinadas plantas e fungos tóxicos que produziam alterações no humor e na percepção da realidade.A papoula (ópio) foi descoberta há 7000 anos.Era utilizada, primeiramente, com fins terapêuticos.
  6. 6.  Na antiga Creta, no Mar Mediterrâneo,os habitantes adoravam a deusa da papoula, a flor de onde se extrai o ópio. Os egípcios, nos tempos dos faraós, também utilizavam o ópio e, inclusive, eram enterrados com objetos com objetos para o uso dessa substância.
  7. 7.  São também dos antigos egípcios as primeiras referências que se têm sobre a produção da cerveja. Na Grécia antiga, assim como no Império Romano, o vinho era adorado, como algo sagrado.
  8. 8.  Em Roma, em 312 d.C., havam 739 casas para a distribuição do ópio. Contudo, em 320 d.C., com o domínio do Império Romano pelo cristianismo, o ópio foi proibido junto com outras plantas “infernais e diabólicas”
  9. 9.  No século VII, os turcos descobrem que os efeitos da droga são muito mais poderosos se ocorrer a inalação do suco da papoula solidificado. No século XVIII, com a expansão das rotas comerciais, o ópio se torna uma droga universal, consumida em toda a Europa. (considerada um remédio excelente)
  10. 10.  Os astecas utilizavam cogumelos alucinógenos em seus atos religiosos O tabaco, originário do nosso continente, é utilizado desde os tempos mais remotos pelos aborígenes.
  11. 11.  Os índios do Brasil central e da Amazônia usam o “caulim”, bebida de alto teor alcoólico fermentada a partir de raízes (principalmente a mandioca), e se embriagam com ela em seus rituais
  12. 12.  Em busca de ouro Sir Walter Raligh, guerreiro, historiador e poeta inglês, explorou o Caribe. Levou para a Europa o tabaco, entre outras coisas como o milho e a batata. Ele fumava num longo tubo de madeira para impressionar as mulheres da corte. Um serviçal assustou- se ao ver o patrão soltar fumaça pelo nariz e correu com água para apagar o “fogo”...
  13. 13.  A novidade espalhou-se pela Europa rapidamente. Os médicos notaram o efeito relaxante da nicotina e passaram a prescrever o tabaco como remédio. Inicialmente fumados como pequenos charutos embrulhados em papel, tornaram-se produtos da grande indústria no final do século XIX.
  14. 14.  Os “maços” de cigarro passaram então a ser produzidos para distribuição aos soldados, como parte da ração diária, durante a Primeira Guerra Mundial, de 1914 a 1918.
  15. 15.  Na Alemanha da Idade Média, eram executados em praça pública aqueles que utilizavam uma certa bebida escura de efeitos euforizantes... O café!!!
  16. 16.  Em 8 de outubro de 1800, o general Napoleão Bonaparte, comandante das tropas francesas que haviam invadido o Egito, proibiu o uso do haxixe para “evitar delírios violentos e excessos de toda espécie entre os soldados”
  17. 17.  No Brasil a maconha chegou importada da África como erva sagrada e tinha nomes diferentes de acordo com a região do país, como macumba, diamba, liamba, pungo.... Em 1830, ela foi proibida pela Câmara do Rio de Janeiro, sendo que o usuário ficaria sujeito a multa e três dias de prisão. Era usada fumada em cigarros e cachimbos, ou como um chá
  18. 18.  Até o final do século passado, havia um grande número de bebidas com extratos de coca ou cocaína pura, como os vinhos e licores Mariani. O mais famoso era a Coca Cola, registrada em 1895, como French Wine of Coca, Ideal Tonic Com o esboço da lei seca, foi substituído o álcool da coca cola por noz de Cola (que contém cafeína) e essências para realçar o paladar.
  19. 19.  A coca cola foi então lançada no mercado como um “remédio soberano e bebida estimulante” Um anúncio de 1888 comentava: “você vai ficar surpreso ao perceber como Coca-Cola reanima as mentes cansadas” Em 1903, a cocaína foi retirada da fórmula
  20. 20.  Até a primeira década do século XX, todas as drogas conhecidas se encontravam disponíveis em farmácias e drogarias, podendo também ser compradas pelo correio. A propaganda era livre e anunciava o efeito benéfico dessas substâncias.
  21. 21.  Contudo, com o melhor estudo sobre os efeitos das drogas no organismo e a ação das drogas sobre a saúde, ios primeiros atos de proibição legal começaram a ser estabelecidos, como a Lei Seca de 1920 nos EUA
  22. 22.  Na Jamaica os “rastafari” utilizam a maconha em suas práticas religiosas, como uma erva sagrada, que lhes dá conhecimento interior os põe em contato com o divino Embora a maconha seja proibida na Jamaica, calcula-se que 10% da população fazem uso dela, e o reggae é uma de suas expressões culturais mais importantes
  23. 23.  As drogas eram utilizadas pelo ser humano primitivo ou pelas antigas sociedades dentro de seus rituais e como obter uma forma de contato com o divino, como parte de uma atividade cultural e religiosa de suas civilizações.
  24. 24.  Particularmente em nosso século, as drogas têm sido utilizadas de uma maneira indiscriminada e não ritualizada, muitas vezes ligadas à criminalidade, e de forma extremamente abusiva.
  25. 25.  É comum se divertir ao consumir álcool... Ou tentar esquecer algum problema tomando um porre... Ou fumar um cigarro para relaxar... Ou comer uma caixa de bombons para aguentar um momento difícil... Ou sair às compras após uma briga...
  26. 26.  A busca pelo prazer nos move!!!!! Tendemos a repetir ações agradáveis e ás vezes é nesse prazer que encontramos uma forma de fugir das dificuldades. E isso não é um problema....
  27. 27.  Quando o “gostar muito” se transforma em DEPENDÊNCIA .... E o prazer se transforma em DOR
  28. 28.  Aumento do consumo de drogas... Novas drogas... Novas formas de uso das “velhas” drogas... Novos tempos!!!! Novas tecnologias!!!!
  29. 29. ImediatismoTudo é “paraontem”Tudo é muito rápido
  30. 30. Sucesso!Dinheiro!!Status!Beleza! Corpo“perfeito”!FELICIDADE!!!
  31. 31.  Individualismo Consumismo
  32. 32.  Tudo é descartável O consumo é estimulado Nada se conserta
  33. 33. Tem remédio para tudo!!!Não se pode suportarnenhuma dor...
  34. 34.  A droga apresenta-se como uma possibilidade de: › Alívio › Auxílio › Entorpecimento › Estímulo › Prazer imediato......
  35. 35. Não existe uso dedrogas sem risco!!!!
  36. 36. Muitos adolescentes, por exemplo, experimentam drogas por curiosidade, para “ver qual é”, e as utilizam uma vez ou outra (USO EXPERIMENTAL). Outros passam a usá-las de vez em quando (USO OCASIONAL), sem maiores conseqüências em muitos dos casos. Apenas um grupo menor de jovens vai passar a usá-las de forma intensa e constante, com conseqüências danosas (DEPENDÊNCIA).Adolescentes: contestação, onipotência, grupo de iguais, identificação com ídolos, etc. características da adolescência normal que acabam muitas vezes levando o jovem ao uso ou abuso de SPAS.
  37. 37. o uso de drogas sem controle, com consequentes prejuízos para o indivíduo. O impulso que leva a pessoa a usar a droga de forma contínua (sempre) ou frequentemente
  38. 38.  O dependente é aquele que não consegue controlar o consumo de drogas, agindo de forma impulsiva e repetitiva. A dependência pode ser física e/ou psicológica.
  39. 39. A dependência não se dá por um único fator,mas sim múltiplos fatores interferem no seuestabelecimento, como : questões neurobiológicas eneurofisiológicas, a genética, características depersonalidade, o ambiente onde a pessoa vive, faseda vida, tipo de droga, etc... É a combinação de vários fatores que vai levarum individuo a ter mais chances de desenvolverproblemas em relação a uma determinadasubstância em um dado momento de sua vida.
  40. 40.  Todos os fatores já mencionados, além de:  Fatores de risco  Fatores de proteção
  41. 41.  Desfazer e esclarecer mitos, ideias erradas e preconceitos; Trabalhar com informações científicas que embasem o trabalho profissional Discutir e pensar o papel do professor/escola e o papel dos pais/família Envolver os jovens na construção do processo Realizar projetos baseados na realidade da escola e da comunidade onde ela está incluída
  42. 42.  Não é possível pensar em uma sociedade humana sem drogas O problema não está na droga em si, que é um objeto, mas no uso que a pessoa faz dela, na relação que se estabelece
  43. 43.  A educação e a prevenção dos problemas relacionados ao uso de drogas deve começar já na gestação: Fortalecendo os FATORES DE PROTEÇÃO, criando sujeitos inteligentes, preparados, com autonomia, informações confiáveis e capacidade de fazer boas escolhas.
  44. 44.  Sempre serão positivos, mas devem ir além de simples palestras, considerando os alunos e suas realidades, necessidades e interesses. Devem estimular PROJETOS DE VIDA Também é importante atentar aos fatores de risco, elaborando estratégias de manejo e enfrentamento dos problemas
  45. 45.  Contato: gabrielahaack@gmail.com capsadpelotas@gmail.com www.capsadpelotas.blogspot.com CAPS AD PELOTAS: Rua Dr Amarante, 571, Centro – fone 3222 3350
  46. 46. A ESCOLA E AS DROGAS, ÁLVARO PEREIRA – disponível em:http://www.slideserve.com/gella/a-escola-e-as-drogas FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO DO USO INDEVIDO DEDROGAS , Magali Sampaio de Castro e Lúcia Cristina dos Santos Rosa–disponível em: (31/10/12)http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivos/files/VI.encontro.2010/GT.7/GT_07_01_2010.pdfUSO DE ÁLCOOL, CIGARRO, CRACK... É POSSÍVEL VIVER SEM DROGAS?.Gabriela Lanzetta Haack. Disponível em:http://www.slideshare.net/GabrielaHaack/drogas-14364595Cartilhas e folhetos SENAD:http://www.obid.senad.gov.br/portais/OBID/

×